Garoto 21

Garoto 21 Matthew Quick




Resenhas - Garoto21


30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Raffafust 06/07/2016

Desde o início Garoto21 foi um livro que não conseguia parar de ler, o resultado foi finaliza-lo em apenas um dia. O autor que amo de paixão, sempre começa o livro com personagens mais comuns mas depois nos contagia com as dores e delícias de cada personagem.
Finley é um adolescente que vive com o pai e o avô que acabou de amputar as duas pernas. Sua mãe morreu e sua namorada joga basquete melhor que ele, mas é uma fofa, a Erin.
Debochado na escola e pouco popular ele se assusta quando o treinador do time de basquete o convida para sair com ele. Como previsto, ele estava interessado em pedir um super favor ao garoto. Um rapaz chamado Russ, mas que só se permite ser chamado de Garoto21, está de mudança para a cidade de Bellmont, na Irlanda. Finley e sua namorada juraram que na primeira oportunidade sairiam dessa cidade, mas o rapaz que é rico e acabou de perder os pais que foram assassinados, vai parar exatamente lá e o pedido do técnico é ainda mais estranho do que a ida dele: Finley tem que ser amigo dele e o convencer a jogar basquete que era o que ele fazia melhor antes dos pais morrerem. Agora o rapaz não fala coisa com coisa e acredita que seus pais estão em outra dimensão mas que um dia irão buscá-los.
O que me incomodou certa parte do livro é Finley aceita mesmo sabendo que com ele jogando ficará como reserva e perderá o número da camisa que sempre jogou: a 21. Também é pedido pelo treinador que ele dê atenção ao Garoto 21 mesmo quando está com Erin, o que faz com que o casal fofo acabe se vendo menos.
O tal Garoto21 não é uma má pessoa,pelo contrário, gosta da amizade com Finley e até o defende, o estranho é entender porque ele não toca no nome dos pais e tem ideias bem estranhas.
A amizade dos dois fica cada vez mais forte, mas o que o autor nos surpreende é com cenas violentas onde membros da máfia irlandesa mudarão um bocado o rumo das coisas com o casal e com o amigo novo de Finley.
Matthew Quick ama nos presentear com personagens instáveis, que não tem medo de demonstrarem que não serão considerados normais, mas mesmo assim lutam por seus finais felizes e encontram alguém que os compreenda não usando um jaleco.
Com um final bem inesperado e uma amizade linda que vai mudar para sempre a vida dos envolvidos, Garoto 21 é mais um acerto desse autor maravilhoso, uma história gostosa de ler e com um significado que andamos precisando no mundo: mais amor, por favor.

site: http://www.meninaquecompravalivros.com.br/2016/07/resenha-garoto-21-intrinseca.html
comentários(0)comente



Silas Jr 23/07/2017

Encontre o caminho!
Tio Quick mais uma vez deve ser aplaudido de pé. Este é o terceiro livro que leio dele, até agora tem sido uma boa experiência viver em suas histórias que conseguem rancar de nós toda nossa emoção e nos envolver com a história e seus personagens.
Garoto 21 é diferente de tudo que já li, ele retrata não tão dramaticamente a máfia, mas a traz como um agente do caos muito relevante nessa história.
Seus personagens sempre são traçados pelos apelos emocionais, perdas e lutas que não conseguem vencer. Em O Lado Bom Da Vida vemos a vida de dois personagens traumatizados com suas perdas; no ambicioso Leonardo Peacook vemos o quão difícil é lidar com aquilo que estamos perdendo; e finalmente em Garoto 21 vemos que constantemente há perdas. Seja perder a hora do almoço ou até uma vida da qual se se importava.
É curioso colocar Harry Potter na vida desses jovens e fiquei me perguntando durante todo livro, porque ele colocou?! Ainda bem que existem finais, mesmo que seja difícil se adaptar a eles.
Este é um livro memorável que vou lembrar sempre do Garoto 21, Erin e Finley. Fizeram minhas tardes e noites serem especiais, e a pergunta que fica: Porque treinadores são tão chatos e cheios de jogadas por seus interesses? Kkkkk
Que fique a dica para uma próxima leitura. Na certa lembre-se, pegar um trem sempre é a melhor maneira de colocar a vida em um novo rumo, um novo sentido.
Leiammmmmmmmmmmmmmmmmm
comentários(0)comente



Bela Lima 06/07/2016

Garoto 21 foi melhor do que eu esperava
Finley é um cara de poucas palavras que vive em Bellmont, uma cidade em que ou é traficante ou é morto, junto com seu pai e seu avó deficiente. Tudo que Finley deseja é ser bom no basquete para ganhar uma bolsa de estudos e ir para uma faculdade longe daquela cidade sem esperança.

“(...) ser intransigente, às vezes, torna a vida mais fácil para todos.”

Como ele não tem o talento natural para isso, Finley é muito esforçado e concentrado, treinando todos os dias com sua única e melhor amiga, além de vizinha e namorada, Erin, que também é uma jogadora de basquete. Diferente dele, Erin é falante, mas eles se compreendem mutuamente sem ser necessário o uso de palavras fúteis.

Tudo parecia bem ate que o treinador pede que Finley ajude-o com Rush, um garoto que pensa que é extraterrestre e acredita que veio a Terra para entender as emoções humanas. Finley não entende porque ele entre todos os outros membros do time, ele e Garoto21 não têm nada em comum, mas, sem discutir, acreditando que seu treinador está sempre certo, Finley aceita e conhece Rush. Ou Garoto21, como gosta de ser chamado. E ambos iniciam uma amizade apesar da cor (Finley é branco e Rush é negro) e do dinheiro (Finley é pobre e Rush é rico).

“-(...) talvez eu precise estar em Bellmont.
-Neste fim de mundo? Por quê?
-Para ser seu amigo.”

Finley guarda o segredo dos delírios de Rush para si, não contando para ninguém, e o inclui no seu pequeno grupo que envolve ele e Erin, mas ao mesmo tempo que deseja que Rush melhore, ele também não quer. Rush é um prodígio no basquete e Finley sabe que assim que seus ‘poderes extraterrestres’ forem ativados, ele deixará de ser o armador titular.

Só li dois livros de Matthew Quick, esse e Quase uma Rockstar (que é maravilhoso!), não sou uma especialista na sua escrita, entretanto percebi uma semelhança nos acontecimentos. Em ambos os livros, os protagonistas são pessoas boas com vidas difíceis, algo acontece que os força a mudar, eles ficam... letárgicos, talvez ate depressivos, então a esperança retorna.

“Às vezes, as pessoas precisam de tempo e espaço.”

Garoto 21 foi melhor do que eu esperava, fiquei curiosa a respeito da sinopse, mas não tive grandes expectativas sobre a historia. Nele, Matthew nos apresenta personagens com medos e sonhos reais, acontecimentos dolorosos e descobertas incríveis que nos faz redescobrir a vida e o que é importante nela.

site: http://sougeeksim.blogspot.com/2016/07/garoto-21.html
comentários(0)comente



Rafa 01/01/2018

QUAL A SUA LOUCURA?
Russ A. começou a acreditar que é um ser que veio do Cosmos após a difícil perda dos pais. Além disso, o Garoto21 (como gosta de ser chamado) é um astro do basquete, mas aparentemente quer deixar a antiga vida para trás.

E QUEM PODERIA TE AJUDAR COM SUA LOUCURA?

Finley a princípio não parece ser a pessoa ideal para ajudar nesta tarefa, por não se parecer em nada com Russ, exceto pelo fato de ambos jogarem basquete e vestirem a camisa de n° 21. Então a chegada do Garoto21 a Bellmont colocará em risco a posição de armador principal do Coelho Branco (como Finley não gosta de ser chamado) e mostrará que ambos podem ser mais parecidos do que pensam.

Sem contar o prefácio o livro é dividido em 3 partes: Pré-Temporada, Temporada e Erin (que também é a melhor amiga e namorada de Finley).

A estória trata de assuntos como: perdas, loucura, basquete e amizade.
E também de assuntos como: violência, relações étnico-raciais, PERDÃO, AMOR E RECOMEÇOS.
comentários(0)comente



a world to read 09/09/2017

Desde que era criança, Finley entende o valor de uns bons arremessos, ele entende perfeitamente o conceito de trabalho em equipe, a força que pessoas possuem quando trabalham juntas em prol de uma mesma causa, as corridas, os treinos e acima de tudo, ele sabe que às vezes é preciso abrir mão de algo.


Ele ama basquete — quase tanto quando ama Erin, sua melhor amiga e namorada. Quando seu treinador, colocando a prova tudo que ele acredita, pede um favor especial porque só ele entende o que está sendo pedido, Finley aceita porque:

1. Você não nega algo que seu treinador pede, ainda mais se parecer suficientemente razoável.

2. O garoto novo que o treinador pede para acompanhar é um tanto quanto excêntrico, mas parece ter um tipo de força magnética.

Finley vive com seu avô e seu pai em bairro bastante pobre e sujo de Bellmont. O mais velho é um sujeito querido a seu modo, com cotos nas pernas e sempre segurando o rosário de sua falecida mulher, com ele Finley tem certas responsabilidades. Já seu pai, homem que trabalha demais pelas noites a fora, cultivou no garoto o amor pelo basquete e a luta constante pelo talento e sua busca pela melhora que só treinos intensos dentro e fora das quadras podem trazer, o que ainda funciona muito bem como uma válvula de escape do mundo violento a que está inserido.

Resenha completa em:

site: http://aworldtoread.com/2017/08/17/garoto-21-matthew-quick/
comentários(0)comente



Letícia 23/02/2017

Sobre amizade e recomeços...
A leitura fluiu de uma forma que li em 24 horas, não li em menos pelos meus compromissos com trabalho e faculdade combinado com meu cansaço. Então pode-se dizer que li muito rápido para todas as outras coisas que preciso fazer ao dia.

Garoto21 foi mais um livro que tive curiosidade de ler ao ver que a Paola, do Livros&Fuxicos queria ler, ou já tinha lido, não me recordo ao certo. Mais uma vez, as recomendações vindas dela não me decepcionaram. Garoto21 fala sobre luto, mostra como as pessoas lidam de formas diferentes com essa situação e muitos de nós criamos um escape, um refúgio, um modo de lidar, de suportar essa carga emocional que é perder alguém muito importante em nossas vidas. É justamente isso que o livro trata e de uma forma muito bonita, pois mostra o crescimento e fortalecimento da amizade e confiança de duas pessoas que em circunstâncias diversas, jamais seriam amigas. E a vida dá um jeito de unir, mesmo que o contato físico entre elas não seja para sempre.

É muito bonito ver o amadurecimento do Russ, ver que ele em determinado momento consegue começar o processo de seguir em frente, de não necessitar tanto do escape que ele criou para si mesmo. E a amizade do Russ com o Finley é muito gratificante de ver. Mostra, inclusive, que amizade independe de cor, de gostos, e até de compreender 100% a outra pessoa. Afinal, nunca conhecemos inteiramente alguém. E muitas vezes não vamos sequer entendê-las, mas precisamos aprender a aceitar, a continuar ali, pois não sabemos o que se passa de verdade. Todos nós lidamos de forma diferente.

E com tudo isso, falar sobre recomeço na vida dos dois é maravilhoso. Me peguei segurando o choro no meio do meu expediente de trabalho rs. Então posso recomender a leitura! É o primeiro livro do Matthew Quick que tenho o prazer de ler, tenho muito interesse em ler Perdão, Leonard Peacock e se for tão bom quanto Garoto21, estarei mais do que satisfeita.

" - É só uma história.
- Assim como nós... também somos histórias - diz Russ.
- O que quer dizer?
- Provavelmente existem pessoas que achariam que nossas vidas não são reais, se escrevêssemos exatamente o que aconteceu com a gente em um livro."
Carol 23/02/2017minha estante
Amei a resenha amiga, fiquei com vontade de ler de novo hahahah




Coração Papel 15/09/2016

Resenha no Blog Coração de Papel

GAROTO 21 conta a história de Finley; um dos poucos garotos brancos da escola e armador do time de basquete; ele sabe o que quer e vai atrás. Pelo amor ao esporte ele treina muito e faz as maiores loucuras. Quando não está em temporada de jogos com o basquete, Finley se divide em cuidar do avô, que não tem as pernas, estudar e namorar a doce, bela e também apaixonada por basquete Erin. Mas, quando a temporada começa, o focado Finley é só atenção ao basquete e sua amada camisa 21.
E é aí que entra Russel Allen, ou como ele gosta de ser chamado: GAROTO 21. Jogador revelação de basquete, ele cria toda uma fantasia de que é um explorador do espaço e que seus pais estão numa viagem espacial, mas logo virão buscá-lo.


“— A matéria não pode ser destruída nem criada — diz ele. — Esse é um dos princípios básicos do universo. Mas existe sua força vital, que está contida e interditada aqui na Terra pelo seu corpo, sua carne, como se fosse uma prisão. Quando vocês, terráqueos, morrem, sua força vital é liberada e isso permite que viajem pelas galáxias novamente. Não é morte, é libertação.”


Ele se transforma no Garoto 21 depois que os pais sofrem um acidente de carro em que não há sobreviventes. Filho único, Russel vai morar com os avôs e começa a estudar na mesma escola de Finley. Para que o estranho menino não fique isolado, o treinador Wilkim, pede ajuda de Finley para enturmar o Garoto 21 na escola e no time de basquete. Finley se vê obrigado a ajudar uma pessoa que pode vir a roubar para sempre o seu lugar no time. E agora? Como lidar?


“Estou cansado de fazer coisas legais para os outros e levar a pior por isso. Só quero sair daqui. Só quero escapar.”

Leia completa: http://mariscotti.blogspot.com.br/2016/08/resenha-garoto-21.html

site: http://mariscotti.blogspot.com.br/2016/08/resenha-garoto-21.html
comentários(0)comente



Laura 28/04/2019

trama envolvente, personagens cativantes... amei demais essa história que alias eu não tinha expectativa nenhuma... o unico problema é que eu achei a capa meio feinha, até porque ela meio que não me remete muito ao clima da história, apesar do capacete e tals, devia ser um pouquinho mais dark kkkkk
comentários(0)comente



araujonei 29/04/2018

O poder da amizade
Matthew Quick é, sem dúvidas, um dos romancistas mais sensíveis atualmente. Desde que li seu romance de estreia, O Lado Bom Da Vida, me apaixonei pela sua escrita. E agora, cinco livros depois, tenho mais certeza disso. Quick nunca escreve sobre a mesma coisa (olá, Sparks!), então cada livro traz uma mensagem diferente.
Em Garoto 21, conhecemos Finley, um garoto que tem no basquete sua única esperança de um futuro melhor. Porém Finley não é excepcional, ele só é bom. E a falta de talento é recompensada com o trabalho duro. Ele e sua namorada, Erin, treinam dia após dia para a temporada de basquete estadual, o que pode ser a garantia de um futuro melhor para os dois.
Até a chegada de Russ, um dos melhores jogadores de basquete do país e que perdeu a vontade de viver após ter os pais assassinados, sendo obrigado a viver na pequena cidade de Finley e encarar um mundo novo. O problema é que Russa acredita ser um garoto enviado do espaço, o Garoto21, e que logo seu pai virá busca-lo.
Quick traça uma história cheia de tocantes mensagens sobre amor, superação e o poder da amizade, sem esquecer o bom humor marcante em todas as suas obras. Mais um livro que ficará sempre guardado na minha memória.
comentários(0)comente



Bruna.Silva 07/11/2018

No começo não me interessei pela história, mais quando fui lendo, foi me encantando e devorei esse livro em pouco tempo. A história de um garoto e sua namorada apaixonados por basquete, fazem você perceber que a vida é muito mais importante que tudo. Recomendo esse livro. O autor sabe mostrar muito além de um casal, que a vida pode ser cheio de altos e baixos, que com empenho e dedicação podemos ir muito além.
comentários(0)comente



Alex Nascimentto 30/07/2018

Olá, meus queridos! Hoje eu vim mostrar para vocês e conversar também sobre essa leitura que ganhou um espacinho em meu coração. Eu li em um dia, gente! Foi uma leitura que me surpreendeu bastante e que vou levar comigo por muito tempo. ???????????????????
A trama gira em torno de Finley, que está em seu último ano de ensino médio e, consequentemente, é sua última temporada no time de basquete, esporte que ele e sua namorada, Erin, adoram, já que ela sonha em conseguir uma bolsa de estudos esportiva. No entanto, um garoto novato chega no pedaço e vai mexer um pouco com Finley e também por em risco sua vaga no time de basquete. Esse é o Garoto 21 ou Russ, que afirma ter vindo de outro planeta e ter superpoderes no basquete. Os dois são totalmente opostos, porém um precisa do outro para seguir em frente. ???????????????????
O livro todo é narrado por Finley e podemos sentir seus medos, suas dúvidas, suas inquietações assim como seu amadurecimento. A obra também trata sobre temas como amizade, como dramas familiares, criminalidade e tráfico. A leitura é fluida, leve e muito boa. A única coisa que eu não gostei tanto foi o final, porque deveria ter sido bem mais trabalhado. Um livro que merece ser lido. Foi meu primeiro contato com o autor, mas já estou preparando para outras leituras de suas obras. ???????????????????
comentários(0)comente



Tata Araujo 28/09/2016

A primeira vez que eu me deparei com um livro do Matthew Quick eu não quis ler, mas depois de muita curiosidade acabei por pegá-lo e ele se transformou num dos meus livros favoritos. De lá pra cá o autor não só passou a ser alguém que eu quero ouvir as coisas que fala como também alguém que eu confio com relação às histórias, já são cinco livros e ele conseguiu me emocionar e surpreender em todos.

Uma coisa é certa: ao ler os livros do Quick eu preciso de um rolo de papel higiênico do meu lado, porque vai rolar um momento de emoção a flor da pele e choro compulsivo.

Quando a editora Intrínseca anunciou o lançamento de Garoto 21 eu fiquei frenética, nem sabia a sinopse e nem queria saber, eu queria pegar o livro e ler ele não importando sobre o que falava. Então fui ver com o pessoal do blog se podia pedir uma cópia dele para editora, mas nessa época aconteceram de um tudo e quando achei que não ia ter jeito, que eu ia ter que pedir moedinha na porta de igreja, eis que o Tino (você é demais) pede o livro para mim e em alguns dias ele já estava comigo. Agora era só começar a ler...só que as coisas não aconteceram tão fáceis assim, e entre visitas e um bloqueio que eu não conseguia nem ler o encarte do supermercado finalmente consegui terminar o famigerado livro em um dia e vim falar sobre ele para vocês.
A história gira em torno de um garoto chamado Finley que vive com o pai, um homem trabalhador, mas infeliz e resignado, e com o avô, um homem que perdeu suas pernas e não larga o terço da falecida esposa por nada no mundo. Finley mora num bairro violento, onde impera o domínio da máfia Irlandesa, sua única esperança de mudar de vida é conseguir uma bolsa como jogador de basquete numa universidade e já que ele não possui um talento natural com o esporte, se esforça mais que qualquer um, se dedica de forma exacerbada, o basquete é sua chance e sua vida.

Logo nas primeiras páginas do livro percebemos que existe alguma questão com o Finley e sua família. Além disso, ele estuda uma escola onde há segregação entre negros e brancos, e ele é um dos poucos brancos que ali estão, a vida não é fácil para o Finley, mas ele consegue seguir com ela, principalmente por causa da presença constante da sua única amiga e também namorada, Erin. Ela entende e aceita o silêncio constante de Finley, tem as mesmas aspirações e é um frescor nas preocupações todas, só que tudo está prestes a virar de cabeça para baixo e é ai que a história realmente começa.
O treinador de basquete pede que Finley ajude um jovem recém-chegado à cidade, filho de um ex-amigo, a socializar e voltar a jogar basquete. O problema é que esse garoto pensa que é um extraterrestre e acredita que veio à Terra para entender as emoções humanas. Seu nome é Rush, no entanto, ele se autodenomina Garoto 21 e sem que nenhum dos dois saibam, irão impactar a vida um do outro de maneira irrevogável. Finley não entende porquê ele, dentre todos os outros membros do time, foi escolhido para acolher o Garoto 21, eles não têm nada em comum, mas sem discutir, aceita ajudar Rush, afinal o treinador está sempre certo e o time sempre vem em primeiro lugar.

Olhando de fora talvez o livro não desperte grande interesse, mas esse autor tem a capacidade de pegar pessoas simples e virá-las do avesso para nos mostrar que elas são muito mais do que aparentam, e que cada um tem as suas armas e defesas para enfrentar o mundo. Utilizando do basquete e do espaço, Matthew Quick vem nos falar de pessoas, e de como elas são frágeis e preciosas. Durante a leitura eu separei muitas partes que gostaria de colocar aqui nessa resenha, só que parando para pensar, é melhor cada um identificar as partes que te marcam, que são significativas para você, pois apesar de ter uma história com começo, meio e fim e contar sobre alguém específico, Garoto 21 também fala sobre a forma que nos apresentamos no mundo.
Eu convido a vocês a virem conhecer um garoto que quase nunca fala e aceita as coisas passivamente, um outro que parece estar louco e uma garota que apesar dos seus problemas vive com uma alegria contagiante, e ver onde tudo isso vai dar. Se o desejo era tocar o outro, bom, o autor conseguiu me tocar, e arrancar muitas lágrimas.

Obrigada Matthew, seus livros me fazem querer ser uma pessoa melhor.


site: http://www.conversacult.com.br/2016/09/garoto-21-de-matthew-quick.html
Joh 09/11/2017minha estante
undefined




Nathália Gambati 16/04/2019

História envolvente e sensível
A escrita é simples e ainda assim muito sofisticada em relação à sensibilidade do autor com a trama. A sutilidade do autor para tratar de temas complicados e descrever a realidade do ambiente em que a história se situa, deixa a leitura muito leve ao ao mesmo tempo que te choca.
O Garoto21 é uma história sobre perdas e reencontros, não apenas com outras pessoas, mas com você mesmo. É sobre aprender a viver com as mudanças que acontecem na vida que ninguém está preparado para elas.
Desfrutei cada página e com certeza recomendo a leitura!
comentários(0)comente



Ana Lima 21/09/2016

Garoto 21 foi um teste pra mim: li Perdão, Leonard Peacock do mesmo autor no começo do ano e me decepcionei bastante. Mas depois de tantas críticas positivas a respeito desse novo livro que resolvi me arriscar novamente - e foi a melhor coisa que eu poderia ter feito!

Finley é um adolescente que vive pelo basquete. Morando apenas com o pai e o avô cadeirante em um bairro dominado pela máfia irlandesa e pelo tráfico e drogas e sendo um dos únicos garotos brancos da escola, ele encontra seu refúgio nas quadras e em sua namorada e melhor amiga, Erin, que conheceu ainda criança por conta do esporte.

Apesar de ser calado e um tanto quanto anti-social, é em Finley que o treinador do time de basquete do colégio confia a difícil tarefa de fazer companhia a um novo aluno. Russell foi um dos astros do basquete no ensino médio, muito cotado por olheiros de diversas universidades, mas que depois do assassinato de seus pais acabou se fechando em seu próprio mundo e deixando o basquete de lado. Agora ele se identifica como Garoto 21, um extraterrestre que veio ao planeta para estudar as emoções dos seres humanos.

A tarefa de Finley é não apenas mostrar a Russ como as coisas funcionam por lá, mas ser seu ombro amigo e convencê-lo a voltar pro basquete. Porém, o Garoto 21 e ele jogam não só com o mesmo número no uniforme, mas também na mesma posição, o que ameaça a permanência de Finley na temporada. Além disso, o treinador acredita que, de alguma forma, os dois podem se ajudar através de suas próprias experiências de vida.

É a partir daí que, com algumas dificuldades, é claro, a amizade entre os garotos vai se estruturando e se consolidando, a ponto de conseguir fazer com que Finley consiga não só encarar o seu passado também doloroso, mas também se abrir pela primeira vez. Ao mesmo tempo, Russell vai deixando sua armadura se desfazer aos poucos, voltando a ser quem ele era antes de sua vida ser destruída.

Grande parte do livro é focada no basquete. Assim como no início o esporte é a salvação de Finley, aos poucos passa também a ser um alicerce para que Russell se reencontre. Apesar de muito importante para a história e para os personagens, o esporte não se torna o foco principal do livro e nem torna a leitura cansativa para quem não entende ou não gosta do assunto, sendo apenas mais um detalhe da vida dos protagonistas, assim como a obsessão de Russ pelo espaço.

O livro acaba tomando um rumo bastante inesperado e, apesar de ter gostado muito desse plot, achei que faltou uma melhor construção para que esses acontecimentos não parecessem tão jogados. Talvez isso tenha a ver com o estilo de livro que estou acostumada, que quando trata de um mistério o acentua a todo momento, mas acredito que os segredos e o passado dos personagens poderiam ter sido mais explorados, assim como alguns acontecimentos do presente poderiam ter sido melhor explicados. Foi por esse motivo que atribuí a nota 4 ao livo no Skoob.

De qualquer forma, a narrativa do autor é bastante fluida e proporciona uma leitura rápida e agradável. Apesar disso, trata de assuntos sérios e me deixou com o coração apertado ao final, principalmente pelas lições de amizade e esperança que o livro conseguiu transmitir. Fica a indicação! (E Matthew Quick está oficialmente redimido no meu coração ♥)

site: www.poesiadestilada.com
comentários(0)comente



Maravilhosas Descobertas 30/01/2017

GAROTO 21, MATTHEW QUICK
Matthew Quick conseguiu misturar Harry Potter, espaçonaves, máfia Irlandesa e basquete de uma forma que só ele sabe fazer, Garoto 21 é de outro mundo!

Finley é o tipo de pessoa que escolhe bem as palavras e o momento certo para solta-las. Ele não é comunicativo, e também não é má pessoa, ele apenas aprendeu que sendo um dos poucos brancos que frequenta uma escola que fica em um bairro perigoso, e que além de tudo, tem um histórico familiar complicado, é sempre melhor ficar bem quieto. Ele tem uma namorada que compartilha a mesma paixão pelo basquete e os dois planejam dar um fora do lugar onde moram na primeira oportunidade.

O garoto 21 entra da vida de Finley inesperadamente, quase forçando passagem, os pais dele foram assassinados e agora ele age como se fosse um alienígena que está esperando a nave espacial dos seus pais buscá-lo no meio do verão, antes da morte dos pais ele era apenas Russ, um astro do basquete estudantil. Eles acabam iniciando uma amizade bem estranha, mas real. É o tipo de enredo que te faz exclamar um: "que?", mas nas mãos de Matthew essa ideia se transformou em uma narrativa maravilhosa e nem um pouco confusa, juro.

Não é o meu livro favorito do autor, apesar de eu ter gostado muito, se eu for comparar com O lado bom da vida e Quase uma Rock Star, Garoto 21 fica no fim da fila. Lógico que isso não significa que o livro é ruim, longe disso, mas eu esperava que o Garoto 21 fosse uma presença constante e que o final fosse diferente, nós leitores estamos acostumados com isso, "frustração" é um dos perigos do ofício.

Os parágrafos são curtos, então a leitura foi bem rápida, a escrita do autor é ótima e eu me emocionei, na verdade eu sempre fico chorosa com livros que falam sobre família e amizade, ainda mais com despedidas e diálogos que deixam a gente com um ovo na garganta.

O livro é lindo, a grande maioria dos livros da Intrínseca são, ótimo espaçamento, letras bem visíveis e uma capa maravilhosa. Ótimo para se ter na estante, perfeito para guardar no coração.

site: http://www.maravilhosasdescobertas.com.br/2017/01/garoto-21-matthew-quick.html
comentários(0)comente



30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2