Kimaera: Dois Mundos

Kimaera: Dois Mundos Helena Gomes




Resenhas - Kimaera: Dois Mundos


15 encontrados | exibindo 1 a 15


Tarcila Lima 11/02/2012

Uma vez no twitter, alguém comentou o quanto é complicado fazer resenha de um livro que gostamos muito. Ou falamos de menos ou falamos de mais. Suponho que a primeira sentença seja válida pois, ás vezes o livro é tão fascinante que nós deixa sem palavras para explicar tamanho sentimento desencadeado. E a outra também deve ser levada em consideração, afinal a fascinação é tamanha que sentimos a necessidade de descrever tintim por tintim cada fator positivo.
No caso de Kimaera, eu realmente não sei qual sentença utilizar. Se falo demais, se falo de menos. Só tem algo que é essencial a dizer: o livro é MARAVILHOSO!
Foi o primeiro livro nacional que li em 2012 e um dos melhores que já li em toda a minha humilde vida literária. Com suas 432 páginas conquistou meu coração e garantiu um lugarzinho eterno na minha mente ao lado de Harry Potter e alguns outros.
No livro temos dois mundos distintos, mas que um dia foram um só: Kimaera. Um reino antigo, feliz, justo e pacífico. Mas após a ruptura Kimaera e Louganis se tornaram reinos dominados pela tirania e maldade.
De um do lados temos Ystar, a escrava órfã do mundo desértico que foi escolhida para dar um filho ao patriarca de sua tribo. Mesmo com toda crueldade, violência e solidão, Ystar jamais perdeu as esperanças ou a coragem para enfrentar todos os problemas e até mesmo o desejo de liberdade.
Sua vida começa a mudar quando um sábio surge e se encanta com Ystar, mas o que ela não é que na verdade o encantador e bondoso Yoser(♥) é na verdade Chediak, rei de Kimaera disposto a conquistar sua tribo.
Já no mundo gelado temos o guerreiro Aleph, abandonado pela mãe, desamparado pelo suposto pai e atormentado pelo irmão mais velho Aidan. Foi derrotado pelo clã rival e agora é obrigado a servir ao seu inimigo. Apesar desta situação, do isolamento e de se meter em constantes brigas, Aleph manteve em seu coração o senso de justiça, lealdade e principalmente amor e o ver correspondido quando Zelda, descendente da rainha de Kimaera surge em sua vida.
Dois mundos, duas pessoas, duas vidas diferentes, mas uma só alma. Ystar e Aleph tem suas almas interligadas e mesmo não tendo o conhecimento um do outro, eles se comunicam, se entendem, se completam. E têm como missão: restituir Kimaera.
Com este enredo vocês podem ver o quanto o livro é lindo, complexo e ao mesmo tempo fascinante. Kimaera é carregado de dilemas, não só com o exterior, mas também dos personagens com eles mesmos. Ystar tem como dilema enfrentar os tiranos, lutar contra a escravidão, mas está apaixonada por Chediak, o tirano que tem que se decidir entre liderar seu reino ou amar a sua escrava desobediente. Já Aleph luta contra o tirano Goliah (que no fundo não é tão mal assim) e também consigo para confiar mais nas pessoas, enquanto protege sua filha Liana.
Poderíamos ter duas histórias independentes e também não poderíamos. Afinal uma depende da outra, tudo está conectado, ligado misticamente. Narrando a história em terceira pessoa, Helena nos possibilitou enxergar ambos os lados, entender a história por completo. E mais do que isso, Kimaera nos passa uma lição: sobre liberdade, senso de justiça, fé, amor, confiança, lealdade, esperança. Que nem tudo é só luz, ou só sombra, nem todo mundo é só mal ou só bom. Temos os dois lados dentro de nós.
Acho que foi isso que fez não só a mim, mas toda a família (todo mundo leu o livro aqui em casa HAHA) se apaixonar pela história. Porque ela transcende as palavras, se apega ao nosso imaginário, aos nossos instintos, nossos valores e principalmente nossos sentimentos.
Fico feliz por ter tido a honra de viajar nesta aventura maravilhosa e fico aqui me descabelando enquanto aguardo pela continuação.
Antes de terminar a resenha gostaria de agradecer a Jambô pelo envio de exemplar. Apesar da letra miúda, a diagramação é linda e a capa fabulosa. E por fim, parabenizar a Helena Gomes. Confesso que algum tempo atrás não dava o devido valor á obras nacionais, mas ao ler seu livro senti aquele imenso orgulho por ser brasileira, por existir alguém como você que consegue escrever algo tão maravilhoso, tão tocante e trabalhado de forma impecável. Parabéns pela originalidade e pelo trabalho. Sei que teremos muito mais pela frente.
E vocês, leitores podem colocar Kimaera nas suas wishlist porque realmente vale a pena!

Me, myself and more! | tharcilalima.blogspot.com
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mirela L. 10/03/2011

Resenha que fiz para o Inteiramente Diva
Logo quando começei a ler, me identifiquei bastante com a mocinha, Ytsar, pela coragem, por ser “de fibra”, mulher guerreira e que luta pelo que acredita.

Kimaera, trata de dois mundos fisicamente diferentes, um bastante gelado e com invernos rigorosos e outro bastante quente e desértico.

Ytsar, era uma escrava, no mundo desértico, que tinha como propósito de vida apenas servir. Na tribo em que estava inserida, ela foi escolhida para dar um filho ao patriarca, já que Sari, esposa dele, não podia conceber a criança. Mas tudo parece mudar quando o Sábio das Montanhas chega a vida de Ytsar *suspira*.

Já no mundo gélido, em paralelo, existia um jovem guerreiro chamado Aleph, que teve seu batalhão conquistado por Goliah, e que passou desta forma a fazer parte do batalhão de Mathgen. Mesmo sendo beneficiado com a mudança, o jovem permaneceu indiferente a vida, só arrumando confusão e sendo considerado por todos a sua volta como monstro e bruto. Mas tudo parece mudar quando Zelda chega a vida do jovem guerreiro.

Até que em uma certa noite, os dois jovens, Ytsar e Aleph, descobrem que mesmo distantes seus espíritos, suas vidas pareciam ser interligados. Os dois tem a missão de restabelecer Kimaera, um mundo perfeito, o paraíso perdido. E o mais interessante de tudo, é que eles viviam em mundos distintos, porém em locais compostos por governos que eram liderados por tiranos, onde a violência e a brutalidade prevaleciam.

Não preciso falar que AMEI o livro, preciso?! rs.

Helena Gomes nos conta a história de duas pessoas que passaram por “poucas e boas” na vida. Sofri bastante com o passado obscuro e triste do guerreiro aparentemente frio e resistente como ferro, mas que por dentro era uma pessoa sensível que precisava de carinho e ser amada; bem como também quando a escrava sofria quando seu corpo parecia ser tomado, mas sua mente e seus ideiais permaneciam livres e selvagens de acordo com os seus pensamentos. Mas também sorri bastante com diversas partes da história, principalmente nas “cabeçadas” do Aleph. O livro te envolve em uma enxorrada de sentimentos bons e ruins.

O tema do homossexualismo, tanto em homens quanto em mulheres, também é um tema abordado, fato que ocorria entre generais e reis, e Helena Gomes trata o tema de uma forma natural e leve, o que só aproxima ainda mais da realidade.

AAH, e na história existe um velho louco, que é bastante importante em todo desfecho e contexto, que pra mim quando lia só pensava no Mestre dos Magos, rs. Pois ele sempre falava por enigmas, metáforas e aparecia e desaparecia do nada *sim, eu amo Caverna do Dragão, rs.* além dele ser o único que podia viajar entre os dois mundos, além de Ytsar e Aleph.

Kimaera, relata um mundo tipicamente fantástico, sem elfos, dragões e etc, mas que não deixa nada a desejar. Ação, romance, aventura, sensibilidade,…, tudo na dose mais que certa!

E termino mais uma resenha, MUITO feliz pela oportunidade e esperando ansiosamente pela continuação: #pula “Kimaera – Guerreiros da Luz”, que será lançada pela Editora Jambô em 2011.

Espero que eu tenha conseguido passar o que senti, a altura desta obra, pois ela foi um dos melhores livros que já li. E é a partir de leituras, como essa, que só podemos dar parabéns para Literatura Nacional!

E para não deixar spoiler algum, não vou citar nenhum trecho do livro, mas sim partes de uma opinião sobre a obra, escrita por Leonel Caldela:

“ Helena Gomes é cruel… Não há aqui garantias ou atalhos. Trilhar o caminho destas páginas é submeter-se à honestidade e crueldade da autora. E a certeza é a de que todo esse sofrimento vale a pena.”

comentários(0)comente



Isabella Pina 28/06/2011

Helena, aonde está o segundo?
O que dizer sobre esse livro? Sem dúvidas, ele é enorme, mas... não é daqueles que fica enrolando, que você se sente trollada. É daqueles que, com a história ótima que tem, você não ligaria se tivesse umas 200 páginas a mais. Porque é... muito bom! Ele nos apresenta dois mundos - dãh - que, aparentemente, não tem ligação um com o outro, até que somos apresentados aos dois protagonistas do livro: Ytsar e Aleph, duas pessoas completamente diferentes, mas ao mesmo tempo, na essência, irmãos. Ambos sofreram muito quando eram menores e, para defender suas crenças e princípios, muitas vezes voltam a sofrer. É uma daquelas histórias que você entra de cabeça, que eu estava quase discutindo com os personagens (num bom sentido, claro, não no sentido "Fulano, vou te dar um tiro" - só às vezes, ok), dando dicas... sabe aquele livro que você fica dando risada, ou chorando ou simplesmente dando sorrisinhos bobos? É desses.
A narrativa é em terceira pessoa, o que pode ser um pouco mórbido no começo - quando somos apresentados à dura realidade daquela época/vida -, mas no final, foi a melhor escolha... eu acho, mas ao mesmo tempo seria legal ver o mundo pela visão dos personagens (não somente os principais). Ytsar é uma personagem forte, como há tempos eu não via, mas ao mesmo tempo ela é completamente feminina. No entanto, luta pelas coisas que acredita, um dos motivos de se meter tão facilmente em enrascadas. Aleph pode parecer chato e um pouco orgulhoso no começo, mas com o passar do tempo, você faz uma ligação a ele, vira seu amigo (apesar de eu ter posto ele como Literary Crush, agora que penso, prefiro-o como amigo). Ele é meio "burro" - bem, não exatamente burro, ele simplesmente se acha isso e por isso não dá a si mesmo chance de melhorar. Porque, na minha opinião, ele não é burro, e sim talvez um pouco "ingênuo" (em alguns assuntos). Diga-me se uma pessoa "burra" conseguiria distinguir uma lança de uma marca da outra, dar nome, saber suas características, sem nunca ter estudado de fato o assunto? I don't think so.
Como o livro é grande - por vezes me lembrou de A hospedeira, mesmo a história não tendo nenhuma ligação com a mesma e sim pela quantidade de acontecimentos sem, no entanto, nos deixar confusos ou coisa assim (porque é um saco você não entender lhufas de um livro) -, eu não contei muitas coisas - assim espero! - porque o legal do livro é o inesperado. É você não saber como vai acabar, que acontecerá com os personagens.
Os personagens secundários são maravilhosos, também... prometi que não ia contar muita coisa, mas fique de olho nas pessoas próximas de Aleph e Ytsar, ok? Provavelmente, eles serão fundamentais no decorrer da trama.
Ahh, sim! O livro terá continuação - porque com aquele final WTF, não poderia ficar sem >.< -, chamada Kimaera: Guerreiros da Luz, mas não sei ao certo quando lançará (espero que logo!!).
Por fim, eu gostei muito do livro. Ele é ótimo... Recomendado!!

Nota geral: 9,5 (ou 4 estrelas)
Bia Pontes 20/01/2019minha estante
Pois é! Amei o livro, mas onde está o segundo? #chateada




miranda 27/04/2014

decepção
O livro é ótimo, super bem escrito, personagens maravilhosos.Mas tem um pequeno problema: a história acaba na metade, ou seja, não acaba. a autora promete, no final do livro que terá um segundo volume, guerreiros da luz, ou algo assim;mas até hoje, estamos em 2014!,nem sinal...fiquei decepcionada.Se eu soubesse que o livro tinha uma continuação ( que ainda não foi publicada, e acho que nem escrita) eu não o teria comprado e lido com tanta avidez.Mas isso é coisa de brasileiro, mesmo...começar e não acabar, prometer e não cumprir.E não adianta por culpa em editora, porque é o livro que não está pronto, mesmo; e a autora já escreveu um monte (todos excelentes)depois deste.Imagine se o Tolkien escrevesse apenas "A sociedade do anel' e deixasse os outros dois volumes de O SENHOR DOS ANÉIS para um futuro distante!? Ou a saga CREPÚSCULO escrita só até ECLIPSE...Até aquela chatice de 50 tons de cinza teve rapidamente os livros 2 e 3 publicados; pelo menos teve um final, para quem aguentou ler até o final...Enfim, voltando a KIMAERA,se este livro É BOM? SIM.se eu recomendo? não!pelo menos não até que a história tenha um fim que valha a pena.
Bia Pontes 20/01/2019minha estante
Concordo, estou até hoje esperando a continuação




Renata G. S. 27/01/2011

“Em um mundo desértico, Ytsar, uma jovem escrava, luta contra a opressão os clãs.
Em um mundo gélido, Aleph, um jovem guerreiro, luta contra a tirania dos batalhões.”

Ytsar, a escrava, é obrigada a servir o patriarca no seu leito para lhe dar o filho que sua esposa não pode gerar. Depois do parto, seu filho foi entregue para a esposa do patriarca e ela não pode mais vê-lo. Cheia de sofrimento, e sempre ouvindo a voz do eco, que parece ajudar ela. Um sábio chega a sua cidade, e entre tantas coisas, uma guerra chega. E Ytsar terá várias batalhas para enfrentar.
Aleph, um jovem guerreiro, não se comunica facilmente, e distribui brigas para qualquer um. Com uma vida cheia de cicatrizes e segredos, Aleph se apaixona por uma jovem garota chamada Zelda, que é uma peça importante de tudo que irá acontecer... Pouco depois Zelda é morta, por ser considerado uma desertora. Aleph tem que fugir com sua filhinha, pois o poderoso Goliah quer ela morta á todo custo.

Em torno de todo isso, há ainda o mistério de Kimaera, um mundo perdido, o paraíso, considerado uma lenda por muitos... Ytsar e Aleph terão que se unir para salvar Kimaera, nem que para isso tiverem que ultrapassar as barreiras dos mundos.

Um romance fascinante, perdi o fôlego depois dessa jornada! Pois viajei junto! Helena Gomes conseguiu criar dois mundos totalmente novos e diferentes. E ainda fazer eles se entrelaçarem de uma maneira surreal!
Os personagens são cativantes, e por vezes me via até chorando pelas crueldades, pela violência, pelo preconceito...
Falando em preconceito, a autora aborda vários temas polêmicos de uma forma natural na história, como o homossexualismo, estupro, violência... é uma história ao mesmo tempo fantástica e realista.
Não tendo somente ação, o livro tem aventura e romance. Não tem como não se encantar com o jeito tímido de Aleph, e a bravura de Ytsar. Nem mesmo de Chediak, que apesar de um início um pouco... turbulento, se mostrou um grande homem!
Por mais que seja um livro grande, de 427 páginas, e letras miúdas, a leitura passa muito rápido, empolgante, pois você acaba sendo seduzido pelos mistérios, e não quer deixar de ler para saber o que vai acontecer a seguir!
E a capa é linda, de frente o mundo gélido e no verso, o mundo desértico.
Recomendo muito! Um dos melhores livros que já li!

Veja a resenha em: http://leiturasdokokoro2.blogspot.com/
comentários(0)comente



druidadp 09/01/2011

AUTOGRAFADO.

Nossa, que maravilha. Cheguei hoje em casa com esse lindo presente da Helena Gomes para Mim. Valeu mesmo Helena.... és um grande amiga e parceira.... vou devorar essa maravilhosa obra.
comentários(0)comente



Wanessa 06/11/2011

Kimaera - Dois Mundos
Resenha: O livro "Kimarera - Dois Mundos" é composto por 432 páginas(sim, é bastante coisa) e letras minúsculas, o que dificulta um pouco a leitura. A princípio é meio cansativo, mas depois, você meio que se vê na "obrigação" de lê-lo, porque senão não consegue dormir, pois fica naquela secura querendo saber o que vai acontecer a seguir, esse é o tipo de livro que te prende por completo! Ele é incrivelmente fantástico, maravilhoso e único!
Conta a história de dois mundos que aparentemente não tem nenhuma ligação, até porque os dois protagonistas principais - Ytsar e Aleph - são completamente diferentes, a não ser, irmãos em essência. Os dois sofreram demasiadamente na infância com o intuito de defender a sua crença e seus princípios.
Ytsar é uma personagem guerreira, de personalidade forte e extremamente feminina. Vira-e-mexe está metida em confusão, pelo fato de querer lutar pelas coisas que realmente acredita. À um tempo atrás, fora estrupada pelo seu patrão, com o intuito de querer um herdeiro, já que a sua esposa não podia engravidar.
Aleph, o guerreiro misterioso, a princípio aparentava ser chato e orgulhoso, mas com o tempo você começa a gostar dele, e de repente quando se der conta, vão estar como fossem velhos amigos.
Ytsar e Aleph se unem para que juntos consigam salvar Kimaera - que esconde muitos mistérios - e para isso eles têm que enfrentar as barreiras dos dois mundos, fazendo com que aconteça o mais improvável, os dois se apaixonam.
Um romance único. A autora aborda assuntos da atualidade: homossexualismo, violência.. Fazendo com que seja ao mesmo tempo fantástica, realista.
A Helena Gomes, sem dúvidas, ganhou mais uma fã!
Ah, mais coisinha.. Helena, cadê o segundo?
Bom, o "Kimaera - Guerreiros da Luz" Vol.2 está por vir! Aguardem!

http://estanteseletiva.blogspot.com/2011/11/resenha-kimaera-dois-mundos-vol1.html
comentários(0)comente



Manchester 14/11/2010

Resenha - Kimaera de Helena Gomes
A capa é bem bonita... Um guerreiro de armadura negra e uma jovem mulher de vestimenta branca em primeiro plano com os dois mundos ao fundo: o gelado e o quente. A arte está bem bonita. As orelhas falam de Helena Gomes e na contracapa uma breve sinopse. Livro é grande... 430 páginas e letra miúda, então parece até ser maior.

Mas isso não dá nem pra sentir, pois a trama é boa demais e mal dá pra sentir o tempo passando enquanto se lê...

Bom, Kimaera - Dois Mundos vai tratar de dois mundos (duh!). Mundos fisicamente diferentes, um frio, inverno rigoroso, neva... Outro quente, sol escaldante, tipicamente desértico... A conexão entre esses dois mundos parece ser fisicamente inexistente, mas irá acontecer entre os espíritos de Aleph e Ytsar.

Aleph habita o mundo gelado. É filho de uma cortesã e era um guerreiro de um dos inúmeros batalhões do tirano Goliah. Foi criado como um filho bastardo e só sabia brigar para se defender e foi assim que Aleph conseguiu crescer. O garoto conhece Zelda, uma garota que o tratou como homem e não como cachorro e desta união nasceu Liana.

Já Ytsar é uma jovem e bela escrava. Certo dia seu clã do deserto é brutalmente atacado pelo exército do tirano Chediak. Muitos morrem, mas Ytsar é poupada e levada ao reino de Chediak como escrava. O tirano, então a toma como escrava para serví-lo e acaba tornando-a sua preferida, pois se apaixona por ela. Desta união nasce Thales.

Conseguiram perceber algo de comum entre os mundos? Aleph e Ytsar meros vassalos em mundos dominados por governos tiranos...

No meio disso tudo e das milhares de coisas que acontecem, está o velho louco! Helena Gomes pode negar até a morte mas é óbvio que o velho louco foi inspirado no Mestre dos Magos de "Caverna do Dragão". Um personagem curioso e misterioso. Aparece e desaparece de onde menos se espera e quando menos se espera. Apesar do papo enigmático e metafórico, o velho é o único personagem capaz de viajar entre os mundos e também será um elo de ligação entre Ytsar e Aleph.

Uma grande aventura transcorrerá envolvendo Aleph, Ytsar e seus respectivos filhos. Vilões virando aliados? Amigos virando inimigos? Não posso contar nem um décimo das surpresas e nuâncias da trama para não estragar as descobertas e surpresas deste livro incrível!

Em um mundo tipicamente de fantasia, mas com uma presença discreta de magia e total ausência de elementos que estamos bem acostumados como dragões, orcs, elfos, mas Kimaera faz sua mente viajar da mesma maneira que uma narrativa de Tolkien ou de Paolini faria. Sem contar que achei que a dose de romance está na medida certa para uma narrativa fantástica.

Bom, a trama desenrola de maneira incrível. No comecinho dá até pra se confundir um pouco, pois são duas estórias bem separadas, mas logo dá pra acostumar. E são muitos, muitos, personagens... Alguns passam rapidamente pela narrativa e alguns deles são tão sólidos e profundos como os protagonistas Ytsar e Aleph.

Helena toca em um ponto muito interessante: homossexualidade. Coisa muito comum em um ambiente tipicamente medieval, mas que raramente é relatado em narrativas como livros e filmes. No entanto, Helena Gomes aborda o tema de maneira sutil mas ao mesmo tempo natural. Nada que comprometa a trama, pelo contrário, acrescenta mais realidade e profundidade à narrativa.

Essa resenha pode parecer superficial demais mas não quero revelar nada além do que eu falei, pois os mistérios e revelações que cercam a trama de "Kimaera" são maravilhosos e incríveis demais para ser estragados por uma simples resenha. E o meu objetivo aqui é instigá-los a ler.

Kimaera termina deixando muitas pontas abertas que só serão fechadas em "Kimaera - Guerreiros da Luz". Mas tudo bem, até lá eu espero...

Só tenho a dizer que recomendo com louvores e que fiquei muito surpreso e feliz com esta narrativa de Helena Gomes, que vem pra mostrar a capacidade de um autor nacional de desenvolver uma incrível trama com esses elementos fantásticos que tanto nos cativam.
comentários(0)comente



marypaixao 31/08/2010

Kimaera - Dois Mundos
Como diz o subtítulo, Kimaera nos leva a dois mundos totalmente diferentes, mas ligados intimamente. Dois mundos que precisam estar unidos para ser completos e prósperos, como foi um dia no passado.

O mundo de Aleph é gelado e é comandado pelo tirano Goliah. Aleph é um jovem guerreiro de cabelos vermelhos que uma infância dura deixou briguento e incapaz de se socializar. Enquanto isso, Ytsar vive no mundo quente, sendo uma escrava com desejos muito maiores, que se vê numa vida sem futuro ao presenciar sua tribo ser tomada por inimigos. Um elo que remete às lendas antigas dos dois mundos os une e os tornam mais fortes e capazes. Não posso contar mais.

O mundo de Kimaera traz inúmeros segredos, segredos estes que o leitor vai descobrindo junto com os personagens. Cada coisa tem seu porque e presente e passado se misturam nessa história.

Eu amei demais esse livro. Tem ação, tem romance, tem história, tem descobertas, sonhos, traições, medos, amores, magia. Narrado em terceira pessoa, a história vai mostrando a vida do Aleph e da Ytsar, ora separados, ora juntos, ora juntos porém separados. Em todo o livro tive a sensação que os dois mundos, os dois personagens, as duas histórias se completavam lindamente. Perfeito.

No final, eu MORRI pelo segundo livro. A história CLAMA pelo segundo livro. Não tem fim. Todo o livro traz o suspense de duas pessoas que não se conhecem mas tem a certeza de já se conheceram, tamanha é a familiaridade e a confiança.

Cinco estrelas, favoritíssimo, morrendo pela continuação (Kimaera – Guerreiros da Luz) que será lançada pela Jambô em 2011!

- http://muitopoucocritica.com
comentários(0)comente



Psychobooks 10/07/2010

Autora Brasileira Rocomendada pelo Psychobooks
Logo de cara, me identifiquei com a Ytsar, ela me lembrou personagens de mulheres fortes, marcantes e guerreiras como a Nihal, Arya, Arwen entre outra guerreiras marcantes.


Ytsar, é uma escrava de uma tribo do deserto. Desde que nasceu, sua vida é ‘servir’.
Na tribo atual, ela é a escrava escolhida, para dar um filho ao Patriarca, já que a mulher dele, Sari, não consegui. Ytsar passou então a servir o Patriarcado, ate que gerasse um filho dele.


Quando isso aconteceu, depois de passado o tempo da gestação, no nascimento da criança, ela já perdia seu direito de mãe, que foi passado a Sari, mulher do Patriarca da tribo.


Paralela a essa história, temos Aleph, um jovem guerreiro que teve seu batalhão conquistado, mas que graças a anistia do tirano Goliah, passou a fazer parte do batalhão Mathgen, abandonando o sobrenome Kovak, que também era o nome do batalhão em que servia, para adotar o nome de seu novo batalhão.


Apesar de ser beneficiado com a anistia do tirano, Aleph, ainda está descontente, indiferente a vida, sempre arrumando confusão com todos do batalhão, e passando grande parte do seu tempo em uma cela minúscula e sem iluminação como punição por suas brigas constantes e insubordinação.


Mas, já diria Joseph Climber, que a vida é uma caixinha de surpresas e numa noite, tanto Aleph como Ytsar, descobrem que mesmo distantes, mesmo sem se conhecerem, suas vidas estão interligadas.


Mesmo sem dragões, elfos e coisas do gênero, eu AMEI o livro.

Gostou? Quer ler mais? Acesse:

http://www.psychobooks.com.br/2010/06/sorteio-kimaera-dois-mundos.html
comentários(0)comente



Annie Stephanie 23/01/2013

Kimaera: dois mundos
Em um mundo desértico formado de clãs patriarcais, Ytsar é uma mera escrava que serve apenas para dar um herdeiro ao chefe. Algum tempo depois de seu primogênito Dmitri nascer, chega um desengonçado sábio para estudar o cotidiano da tribo, Yoser, que a encanta com o fascínio do conhecimento e conquista seu coração.

Contudo, descobre-se que o erudito homem era uma farsa e sua verdadeira identidade, o poderoso Chediak, estava ali para destruir o clã e transformar seus habitantes em novos escravos. Levada também para Tryskele, Ytsar é escolhida para ser exclusiva do rei. Porém o troglodita Chediak e o compreensivo Yoser são contradições de uma mesma pessoa, o que faz a garota desejar apenas distância do mesmo. As coisas se complicam ainda mais quando Ytsar descobre-se grávida do 1º filho homem de Chediak. E a profecia em torno do menino já o coloca em perigo, pois ele poderá ser o 13º rei de Kimaera.

Já em um mundo gelado, Aleph é um garoto raivoso e solitário que acaba sendo obrigado a participar do batalhão Mathgen, que luta em nome do autoritário governador Goliah. Este busca incessantemente acabar com o Matriarcado, um grupo que deseja depô-lo para que a 13ª rainha possa subir ao poder.

Curiosamente, Aleph inicia um romance com Zelda, colega de seu batalhão. No dia do nascimento da filhinha Liana, Zelda é assassinada e, a partir disso, Aleph prova ser um ótimo pai. Seus cuidados aumentam ao máximo quando descobre que sua única filha é a última herdeira legítima do trono.

Kimaera é um ideal de sociedade unida baseada no que ambas as regiões haviam sido. O livro é narrado, inicialmente, intercalando-se os dois mundos, em que os protagonistas compartilham de um poderoso elo. Mesmo tão distantes, eles se unem para lutar pelo que acreditam e protegerem aqueles que amam.

Todos os personagens são complexos e quase palpáveis de tão bem descritos. O ritmo se torna alucinante desde a primeira página, impossível de se largar.

Durante a leitura, passei por vários momentos extremos. Gargalhei, me apaixonei, fiquei com vontade de dar porrada em alguém, tive meus olhos embaçados de emoção... É uma literatura fantástica que te faz sentir dentro desse novo e curioso mundo, que afinal, não é tão diferente do nosso.

A continuação: Kimaera – Guerreiros da Luz encerrará esta incrível jornada e, enquanto não é lançada, fico tentando controlar a ansiedade e imaginando o desfecho desta história genial.


Confira mais em: http://muchdreamer.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Jacqueline 15/10/2010


Kimaera acaba nos mostrando dois mundos que são bem diferentes, os mundos onde Ytsar e Aleph moram.
Ytsar é uma escrava no mundo quente que muito jovem foi obrigada a servir o patriarca e gerar um filho do mesmo, já que a sua esposa Sári não podia ter um. Quando a criança nasceu, Ytsar foi proibida de chegar perto de seu próprio filho, Dmitri. Com isso Kurt o irmão do patriarca, ajudou ela levando-a para cuidar dos rebanhos nas montanhas.
Logo conhecemos a história de Aleph, um jovem que mora no mundo gelado, ele é comandado por Goliah. Aleph tem cabelos avermelhados, e por causa do modo que cresceu aprendeu a se defender sendo muito briguento e por causa de seu jeito acabou arrumando muitos problemas.
Quando Yoser, um sábio aparece na vida de Ytsar tudo dentro dela começa a mudar, ela se apaixona por ele, mas ao longo do livro ela vê quanto ele mudou, mas mesmo tendo um jeito grosso, Yoser ainda ama Ytsar.
Aleph acaba conhecendo Zelda por quem se apaixona e tem uma filha linda, Liana, mas o que o jovem não sabe é que querem matar sua filha (queria falar o motivo, mas não posso, vou acabar soltando spoiler). Então a aventura para proteger sua filha começa.
O clã do patriarca é atacado pelo exercito de Chediak, e todos são levados para o seu reino. Ytsar acaba tendo uma GRANDE surpresa ao descobrir quem é Chediak.
Confesso que o romance de Ytsar com Yoser me derreteu bastante e graças a ele realmente comecei a me interessar pelo livro ao fundo. Gostei também, que o livro aborda personagens homossexuais, pois não são muitos os livros que isso acontece.
O final do livro é surpreendente e nos deixa com uma ponta de curiosidade para o próximo livro que seria publicado também pela editora, Jambô. O livro se chamará: Kimaera - Guerreiros da Luz e segundo algumas fontes, será lançado em 2011.
Eu gostaria muito de poder aumentar a resenha, e contar um pouco mais sobre o livro e sua história magnífica, mas eu sei que se eu contar mais vou soltar muitos spoillers. Bom, não sei se preciso comentar algo sobre a capa porque acho que todos conseguem ver a mesma beleza que eu, ela é maravilhosa. As folhas do livro são grossinhas e eles utilizam a fonte oito. Sim, o livro é bem grosso e a fonte muito pequena.
Sinceramente acho que este livro possui alguns momentos fortes, e uma criança poderia chocar-se com isso. Não sei se eu sou a atrasada no assunto quanto a isso, mas os momentos que Ytsar e Aleph passam, são momentos fortes que acabam mexendo com nossos sentimentos.


comentários(0)comente



Juh Sutti 30/11/2010

Surpreendente (http://www.livroseblablabla.com/)
Eu fico sem palavras para começar essa resenha, eu me surpreendi totalmente com esse livro, de forma muito positiva claro!!
Como o próprio subtítulo do livro diz somos apresentados a dois mundos, no começo suas histórias ocorrem paralelamente, depois vamos perceber que elas estão mais ligadas do que imaginávamos.
O primeiro mundo é quente ensolarado e tem uma jovem garota como protagonista, seu nome é Ytsar, ela é escrava e no inicio de sua adolescência é obrigada a se deitar com o patriarca do seu clã no deserto, para dar-lhe um filho que sua esposa não pode. Ela é maltratada, quando seu bebê nasce e é tomado dela, ela foge, mas depois de algum tempo volta para ficar perto do seu filho. Quando ela volta o clã é atacado por um tirano, e Ytsar é levada como escrava, mas Chediak (o lider do ataque) se apaixona por ela, e quer que ela seja submissa a ele.
No segundo mundo, um lugar extremamente gelado e liderado pelo tirano Goliah, conhecemos o protagonista Aleph, um adolescente que foi abandonado pela mãe, uma cortesã, e se criou praticamente sozinho. Ele é extremamente revoltado, e vive se metendo em várias encrencas, até que um dia é ele tem que ficar em um batalhão, onde conhece Zelda por quem se apaixona.
Com o tempo um elo nasce entre Aleph e Ytsar, e eles conectados, podem ouvir a voz um do outro.

Eu simplesmente amei demais esse livro!!

paara ler o restante da resenha acesse: http://www.livroseblablabla.com/
comentários(0)comente



Denise 24/07/2019

Cadê a continuação????
Toda noite, antes de dormir, eu peço a Deus pra iluminar essa mulher pra ela publicar a continuação ???
comentários(0)comente



15 encontrados | exibindo 1 a 15