Meio Rei

Meio Rei Joe Abercrombie




Resenhas - Meio Rei


49 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4


Mateus Oliveira 18/01/2017

Uma experiência boa, mas que poderia ter sido um pouco melhor
Li e achei meio "meh", se assim me permitem dizer.
Explico: os pontos que mais me incomodaram foram a forma como Yarvi, o protagonista, evoluiu na trama e como a "mão defeituosa" dele se torna um problema para tudo. Joe Abercrombie, ao invés de trabalhar seu personagem de uma forma a mostrar que uma pessoa com uma deficiência física pode ser ou se tornar tão capaz quanto qualquer outra pessoa, transforma Yarvi num bebê chorão que reclama disso o tempo todo, o transformando quase que num inútil completo (e isso se torna enfadonho a certa altura).
Entrementes, Yarvi se mostra inteligente e é nesse sentido que ele mostra sua (única) utilidade além de reclamar, formulando um plano de vingança extraordinário contra seus traidores.
O livro não é de todo ruim. Tem uma linguagem rápida e fluida, não se perdendo em explicações desnecessárias como muitos livros de fantasias fazem. Neste ponto o livro se torna bom e temos muitos personagens carismáticos, principalmente Nada, um exímio espadachim que guarda um segredo surpreendente.
Enfim, é uma leitura divertida, com um final inesperado, mas com um protagonista chato e reclamão. Joe Abercrombie deveria ter trabalhado mais nessa parte da deficiência de Yarvi; ele evolui mentalmente, mas não fisicamente.
Daria 3,5, mas como gostei da história mais do que desgostei, arredondo para cima.
comentários(0)comente



Leitora Inquieta 07/01/2017

“Às vezes ‘talvez’ é a melhor coisa que a gente pode ter.”
Meio Rei é um dos lançamentos de Junho da Editora Arqueiro, e o começo da trilogia Mar Despedaçado, de Joe Abercrombie. Foi meu primeiro contato com a obra deste autor, e confesso, não poderia ter iniciado de maneira melhor.

O livro conta a história de Yarvi, o segundo filho do rei de Gettland. Em um cenário com um “Q” viking, onde guerras são disputadas e reinos precisam se manter em evidência, ser dotado de força bruta e destreza para manejar a espada no campo de batalha não é apenas esperado, são características necessárias nos homens que vivem ali. E embora seja príncipe, e como tal, devesse se encaixar nesse padrão, Yarvi acaba por sem uma exceção à regra.

Uma mão esquerda deformada, desde o nascimento, transformou o jovem príncipe em um filho rejeitado pelo pai, subjugado pela mãe, desacreditado pelas pessoas. Mas Yarvi mostra que, ainda que lhe falte força bruta, há sabedoria e esperteza de sobra em sua personalidade. Por conta disso decide estudar para tornar-se ministro, uma espécie de conselheiro do rei, um especialista em culturas, idiomas, um conhecedor sobre as propriedades de cada planta, um sábio sobre todas as coisas. Ele estava satisfeito com o curso da sua vida, mas algo terrível acontece e ele se vê diante de possibilidades até então impensadas. Yarvi precisa tornar-se rei. E então, se vingar.

O autor nos apresenta um protagonista infantil, tolhido pelos anos em que foi desrespeitado e menosprezado. O autor coloca, nas mãos de um menino, todo o futuro de um reino, de uma trama. E o que acontece, quando não é só a malha e o escudo que pesam, mas também toda a responsabilidade pelo reino? O que acontece quando o juramento de vingança acabar por se tornar o único caminho a ser seguido? O que acontece quando, diante de tudo o que já estava ruim, o destino se encarrega de deixar ainda pior?

Acontece tudo. Tudo o que nós imaginamos e mais aquilo que nem sequer passa pela cabeça do leitor. A gente vê um protagonista com atuação duvidável crescer diante dos nossos olhos. Criar laços com as pessoas mais improváveis, ser traído por quem a gente (e ele) menos espera. A gente vê um meio rei e meio homem se transformar em um ser humano completo, que á consciente das suas habilidades, das suas potencialidades e defeitos, e usa tudo isso a seu favor. A gente se envolve com personagens secundários misteriosos, fortes, sonhadores, leais e guerreiros.

A gente vê e sente tudo isso. E ainda mais, pois a trama nos transporta para mares revoltos, cenários insípidos e gelados, de guerras internas e externas. O leitor torce, sofre, se orgulha, sente raiva. O leitor não consegue largar as páginas depois que se vê conquistado pela narrativa. E quando termina, a gente quer mais. Impossível não querer.

Com relação à diagramação, achei que está respeitando o padrão da editora, ou seja, tem muita qualidade. Capa bonita, mapa da região para o leitor que gosta de dissecar a geografia da história, papel e tamanho da fonte confortáveis a leitura. Além disso, a editora disponibiliza no final do livro uma provinha do primeiro capítulo do próximo livro da série. No fim das contas, posso dizer o seguinte: que venha o próximo!

Quotes:
“Como abominava as espadas e os escudos, detestava os campos de treinos e desprezava os guerreiros que faziam dali o seu lar! Acima de tudo, como odiava sua própria mão, que não passava de uma piada ruim, uma lembrança de que ele jamais poderia ser um deles.”

“Posso até ser meio homem [...] mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro.”

“Era estranha a rapidez com que um rei podia se tornar um animal. Ou como meio rei podia virar meio animal. Talvez até os que nós alçamos aos postos mais altos jamais se elevem muito acima da lama.”

“- Seu irmão podia até ter mais dedos, mas os deuses guardaram toda a inteligência para você.”


site: www.leitorasinquietas.com.br
comentários(0)comente



KeylaPontes 06/01/2017

Em "Meio Rei" conhecemos Yarvi, filho mais novo do rei. Por ter uma deformidade na mão, todos acreditavam que ele deveria estudar para ser ministro e ficar bem longe dos campos de batalha. Porém, quando ia enfim fazer a prova para se tornar ministro e abdicar de quaisquer interesses na coroa, de casamento e afins, tudo muda. O tio Odem o avisa que o pai e o irmão (herdeiro do trono) morreram em uma emboscada e é seu dever como filho do rei de subir no trono e vingar o seu pai. É assim que ele parte para Amwend, onde se encontra o rei Grom-gil-Gorm, de acordo com o tio o responsável pela morte dos dois, porém no caminho ele é vítima de uma traição. E vê que não se pode confiar em ninguém.
A partir daí é merda em cima de merda! Tudo acontece de pior com o nosso pobre protagonista. Ele é preso e vendido como escravo e novamente em um meio que a força física prova o seu valor. Precisa tirar a força da sua maior qualiade:

A inteligência.

Para criar aliados e até mesmo amigos improváveis.

Este é um livro bem fino, principalmente levando em conta os padrões dos livros de fantasia (quem ama o estilo TEM QUE amar um calhamaço) e melhor, a sua narrativa é extremamente fluida. É incrível o poder do Joe Abercrombie de contar uma história. Bem fechadinha, com momentos de deu merda, de aventuras e de batalha. Não sem deixar de ser reflexivo também. Afinal temos um protagonista com uma deformidade física. O que é novidade neste meio.

Sim. Já tivemos heróis que perdem um membro ou outro nas batalhas épicas. Porém Yarvi não. Ele nasceu com uma das mãos deformadas. O que ele, como filho do rei, era inaceitável ter.

Afinal como provar ser capaz de ser o todo poderoso quando não pode nem segurar uma espada? Qual é a real força necessária para ser um rei?

Qual é a real força de Yarvi?
Eu acredito que o melhor lance desse livro não é nem a história em si. Afinal para nós amantes de fantasia talvez não tenhamos tantas surpresas. O livro é bem construído e cheio de segredos. Mas a melhor coisa desse livro é o personagem principal. Yarvi é bastante real e isso é muito legal.

Assistimos um personagem descrente em si mesmo e que acredita que pegar uma espada na sua mão é tudo o que ele precisa para provar ser um rei. Mas o melhor é: Você assiste tudo se transformar. Yarvi é traído por quem menos espera e isso acaba lhe dando forças. Passa pelas piores situações, precisa de aliar com pessoas que não o querem por perto e precisa provar que é uma força na batalha em comum. E então você vê que tudo é possível. Que você pode tudo, quando você vai atrás, se esforça, se dedica e prova ser capaz. Mesmo nas piores circunstâncias.


Não. Este livro não é perfeito. Mas ele tem algo especial. Acima de tudo tem alguém por QUEM ser lido. Diz a que veio e mostra que não é só mais um. O livro faz parte de uma trilogia e eu estou bem empolgada como o autor vai desenvolver os outros livros (pelo o que eu li a proxima protagonista é uma mulher), então espero que o autor mantenha o nível, ou até melhore.
Resenha disponível em:

site: http://keylinhastureads.blogspot.com.br/2017/01/resenha-meio-rei-mar-despedacado-1-joe.html
comentários(0)comente



@APassional 20/12/2016

* Resenha por: Rosem Ferr * Arquivo Passional
A narrativa em 3ª pessoa sob o ponto de vista de Yarvi é coloquial, fluída, repleta de diálogos afiados, destacando pensamentos e lembranças em fonte diversa [o que nos coloca em contato com a essência do protagonista em uma proximidade que beira a cumplicidade, hahaha!] com reviravoltas de cair o queixo, nós torcemos e nos contorcemos pela vitória desse “pequeno príncipe” em busca de justiça!

Confira a resenha completa no blog Arquivo Passional.

site: http://www.arquivopassional.com/2016/09/resenha-meio-rei.html
comentários(0)comente



Ruh Dias 07/12/2016

JÁ LI
Eventualmente, criar expectativas a respeito de um determinado livro pode gerar uma grande frustração, e este é o sentimento que define minha leitura da obra Meio-Rei, de Joe Abercrombie. Em tempos onde o gênero de Fantasia parece estar em franco crescimento e pelo fato de ser meu tipo preferido de Literatura, nem sempre me deparo com obras interessantes.

Joe Abercrombie era editor de vídeos. Talvez por isso, muitas das cenas deste livro sejam vívidas e bem imaginadas, embora outros elementos da trama careçam de profundidade (e vou chegar lá ao longo do post). O ritmo dos capítulos também é ágil, como se fossem roteirizados para um vídeo, e a sensação é a de que estamos assistindo a um filme de muita ação e aventura.


Meio-Rei é o primeiro volume da trilogia Mar Despedaçado. Esta série conta a jornada de Yarvis, um jovem príncipe de Gettland. A grande particularidade do protagonista é que ele não tem uma das mãos e carrega o fardo físico e psicológico de ser aleijado. No primeiro volume, a estória é narrada pelo ponto-de-vista dele, mas nos livros subsequentes outras personagens passam a ter mais destaque na narração.

Embora a premissa da estória diga que o cenário dos acontecimentos é uma Escandinávia pós-apocalíptica que retornou ao modo de vida medieval, isto pouco aparece ao longo do livro. O leitor conta somente com um mapa e com vários nomes de lugares ao longo da trama, sem nenhuma contextualização histórica relevante do que acontece naquele universo. Somente fui compreender que outros dois locais citados - Vansterland e Throvenland - eram países quando dei uma breve pesquisada na internet sobre a estória. Este aspecto da narrativa já me frustrou logo de cara, pois gostaria de saber que reino é este onde Yarvis está inserido. Nada se diz sobre a política ou o governo do local, o leitor apenas sabe que ele é regido por um Rei Supremo tirano e cruel.

Quando seu pai e seu irmão mais velho morrem, Yarvis se vê na sucessão ao Trono Negro. Porém, ninguém, nem mesmo ele, confia que ele será um bom rei, pois ele é aleijado e não pode comandar exércitos e batalhas. Enquanto ele está no processo de ser coroado e começar a governar, seu tio tenta matá-lo para ficar com o trono. Yarvis é jogado de um precipício mas não morre, sendo comprado como escravo de um navio pirata. No navio, aos poucos ele faz amigos e conquista a confiança na capitã megera e bêbada e retorna à sua terra natal para vingar-se do tio.

Outro problema que tive com a estória foi a sucessão de clichês e estereótipos, tanto dos eventos em si quanto das personagens. Mesmo quando Yarvis está na pior, achei que era óbvio o rumo que o enredo iria tomar e não me surpreendi com a estória, nem mesmo no tal plot twist que soube que haveria no final. Senti como se estivesse lendo uma estória repetida ou assistindo a um filme da Sessão da Tarde.

E, para piorar, o protagonista não me cativou. No início do livro, Yarvis se subestima por ser aleijado e não cansa de se auto-denegrir a cada dois parágrafos, o que tornou o começo do livro bastante cansativo. E, mesmo depois de conseguir uma série de feitos ao longo da trama e superar um monte de obstáculos, Yarvis termina do mesmo jeito que começou: se subestimando. Não há nenhuma evolução na personagem, em nenhum nível.

Em tempos onde existem escritores de fantasia como Brandon Sanderson, Patrick Rothfuss e Neil Gaiman, não dá para engolir esta estória meia-boca.

site: http://perplexidadesilencio.blogspot.com.br/2016/12/ja-li-30-mar-despedacado-vol-1-meio-rei.html
Mateus Oliveira 19/01/2017minha estante
O loko, altos spoilers aí kk, sorte que eu já li.




Alana Gabriela 22/11/2016

O instigante mundo de Meio Rei
Meio rei é o primeiro livro da trilogia Mar Despedaçado do autor renomado Joe Acrombie, esse também é o meu primeiro contato com a escrita do autor e já estou procurando as outras obras para dar uma conferida do tanto que eu gostei desse livro.
Confesso que, no início, devido ao momento que me propus a ler a obra não foi tão viável ou produtivo, não rendeu quanto eu queria. Acredito que porque no começo da obra as coisas aconteceram meio que rápidas e eu senti que precisava me adaptar a escrita do autor.
Fantasia é o meu gênero literário favorito ever e por um tempo no início da obra eu me senti meio off, fora da estória e distante de Yarvi – o que foi um problema porque gosto de me apegar aos personagens. De qualquer maneira eu persisti e posso dizer que amei a leitura demais e recomendo a todos.

"Não se pode esperar que todos os heróis sobrevivam a uma canção."

Yarvi, filho caçula do rei Uthrik, nasceu com uma deformidade na mão que o impede de manusear bem a espada ou segurar um escudo. Em seu mundo, onde as pessoas frias e de braço forte ditam as leis brandindo suas espadas, Yarvi é considerado fraco até mesmo por seu pai. Mas no que lhe falta força física sobra inteligência, por isso ele estuda para ser ministro e viver para sempre para aconselhar. Além disso, Yarvi tem uma bela voz.

"Talvez você precise de duas mãos para lutar com alguém, mas só de uma para dar uma facada nas costas."

Mas em uma de suas aulas ele recebe a terrível notícia que seu pai e irmão estão mortos e ele precisará assumir o Trono Negro. Mas Yarvi não queria isso, não sentia vocação para tal, além desse problema há aquelas pessoas que não confiam nele como rei, acham que um homem sem mão não é um homem de verdade – e em partes Yarvi não discorda disso.

De uma hora para outra ele se vê fazendo um juramento de vingança que mudará toda sua vida. Yarvi entrará numa jornada de traições, crueldade e morte; ele precisará amadurecer para fazer as escolhas certas porque o destino de todo o povo corre em suas mãos.
Eu sei que essa premissa parece meio manjada já e quando vi a sinopse pela primeira vez eu meio que entortei o nariz, mas ao final dela eu me senti motivada a conferir a leitura porque sabia que teria os cenários que sempre gosto de conferir nesse tipo de livro e que encontraria algo bom na história.

E ainda bem que persisti porque fui surpreendida de diversas formas. Algo intrínseco e que toca o leitor é quando nos apegamos ao personagem principal de uma forma tão indescritível que acabamos torcendo por ele, sentimos as dores, nos surpreendemos e a tensão e o suspense acaba sendo tão palpável que ficamos de cabelos em pé. Eu senti um monte de coisa lendo Meio Rei. Amei tudo da leitura. E mal posso esperar para conferir as outras estórias desse autor maravilhoso.

A mitologia apresentada na obra é bastante crível e interessante. A questão da Mãe, Pai e dos templos elficos destruídos são bem legais. Tudo é bem construído e explicado que até fiquei curiosa para conhecer mais e mais dos outros reinos pelos quais Yarvi passou.

Eu não vou citar os personagens aqui porque eu sinto como se estivesse dando spoiler, acho que é mais legal quando nos surpreendemos com os personagens, encontramos cada pela primeira vez como se fosse o Yarvi.

"Uma vez, depois que seu pai havia batido nele, furioso, a mãe o encontrada chorando. O tolo bate, dissera ela. O sábio sorri, observa e aprende. Depois bate."

O final da estória tem um plot twist que eu não esperava de jeito nenhum. Fiquei bastante chocada e satisfeita. Amo ser surpreendida. O crescimento do protagonista é tão bom de acompanhar, o amadurecimento dele é surpreendente e bem vindo, tudo acontece na hora certa de modo que não parece forçado. Eu gostei bastante dos personagens secundários, a interação do Yarvi com todos os outros é divertida e empolgante, os diálogos são bem construídos e o livro é fácil e rápido de ler. Eu não sei se estou falando tudo que poderia quanto a essa estória, acredito que quando amamos um livro acabamos não tendo tanto o que falar e não usamos todas as palavras que queremos ou precisamos. Por isso agora eu só posso RECOMENDAR a estória para todo mundo.


site: http://piecesofalanagabriela.blogspot.com.br/2016/07/resenha-meio-rei-joe-abercrombie.html
Lua 22/11/2016minha estante
É um amorzinho esses livro. Livro curto, escrita gostosa e personagens que me cativaram. Estou ansiosa pelos próximos.




Hoje é dia de Livro 13/11/2016

Resenha - Hoje é dia de Livro
É sempre fascinante depararmos com o tipo de livro capaz de fazer com que qualquer leitor se sinta parte de sua história e adentre em um universo único e surreal, que só ele é capaz de proporcionar. Para fazer jus a essa afirmativa, novamente, a editora Arqueiro apresenta uma obra digna de reconhecimento, mais um exemplo de qualidade dentre outros da literatura fantástica, presentes em seu catálogo.

"Meio Rei" é o primeiro livro da trilogia "Mar Despedaçado", escrita por Joe Abercrombie e nele conhecemos Yarvi – filho mais novo de Uthrik, rei de Gettland, uma das regiões do Mar Despedaçado – que ao receber a notícia da morte de seu pai e irmão, se vê obrigado a assumir o trono de seu reino por ser o próximo na linha de sucessão. Por possuir uma deformidade na mão esquerda, Yarvi é visto como uma espécie de aberração e acreditava que o mais apropriado seria se tornar Ministro, se dedicando aos ensinamentos religiosos, ao invés de rei, já que reis deveriam ir para guerras e inspirar medo, talentos que ele não possuía. Sem escolha, o recente rei assume o trono apenas para descobrir-se traído por um dos seus. Yarvi, que nunca almejou ser rei, tomado pela vingança e ódio, lutará para recuperar aquilo que é seu por direito, o Trono Negro.

Abercrombie nos presenteia com uma história repleta de emoção e grandes perigos e prova-se com sua escrita o tão grandioso é como autor, sem deixar também de comentar sobre a sua inteligência no desenvolvimento do personagem principal, inicialmente retratado como um garoto fraco e inseguro para se tornar um rei forte e confiante.

O que resta agora é aguardar pelos próximos volumes, que serão lançados também pela Arqueiro, essa editora linda que vem me fazendo feliz com suas obras fantásticas! "Meio Rei" é com certeza uma obra emocionante, para todo fã de fantasia.

site: http://www.hojeediadelivro.com.br/2016/07/resenha-meio-rei.html
comentários(0)comente



Nina 11/11/2016

Meio Rei foi um livro que não chamou minha atenção quando foi lançado. Apesar de adorar fantasia, na época tiveram outros títulos que me atraíram e ele acabou ficando. E agora, com a leitura finalizada, que arrependimento estou sentindo de não ter lido antes!

Yarvi é o filho caçula do rei e apesar do seu status de príncipe, ele é praticamente ignorado por toda a corte. O garoto nasceu com uma deformação na mão esquerda e por isso é incapaz de participar das batalhas, e como o país vive em constante guerra com o reino vizinho, esse é o pior defeito que um homem poderia ter. Entretanto, Yarvi tenta suprir seu defeito físico com inteligência e, já que sabe que não vai ocupar o trono, ele estuda para ser ministro e trabalhar aconselhando o rei. Mas quando seu pai e irmão são assassinados, a coroa cai em seu colo e não lhe resta outra alternativa a não ser assumir o trono.

O pior é que ele acaba fazendo um juramento de vingar a morte do rei, e para poder cumprir seu juramento, terá que aprender duras lições que, até então, não lhe foram ensinadas, como o peso da crueldade e da traição. Ao longo de sua jornada em busca de vingança, o doce Yarvi terá que crescer e endurecer se quiser continuar vivo.

Vocês não imaginam a quantidade de coisas que acontecem nesse livro. Isso que descrevi até aqui é só um pontinha do enredo, muito mais se desenrola na história e, quando você pensa que a coisa não pode ficar pior, o pobre do Yarvi toma mais um lambada. É tanta traição, maldade, humilhação, sofrimento, que o garoto que começa a jornada não é o homem que a termina. E eu sou louca por histórias assim, em que o personagem evolui, se transforma.

Joe Abercrombie tem uma narrativa ágil e envolvente e conseguiu criar um mundo fantástico. Gostei muito da maneira que ele descreveu, sem muita precisão e sem aqueles textos enormes, mas deixando muitos detalhes por conta da nossa imaginação e isso deixou a leitura bem mais dinâmica. O único ponto negativo da narrativa é que eu percebi a reviravolta que viria no final bem antes de acontecer e por isso não causou em mim todo aquele choque que deveria ter causado. Os personagens são muito envolventes, e eu gostei muito de todos eles, até mesmo dos vilões, só senti pelo fato de os personagens secundários não serem tão bem desenvolvidos quanto o protagonista.

Mas o que realmente me atraiu essa história foi o fato de Yarvi não ser não ser aquele herói clássico, super forte e que resolve tudo na ponta da espada. Sua única arma é a inteligência e isso tornou a leitura muito mais interessante para mim. O fato dele ter a mão deficiente faz com que ele não seja desprezado até mesmo entre seus súditos, e isso faz dele uma pessoa amarga e sarcástica.

“- O homem brande a foice e o machado, dissera o pai. O homem move o remo e ata o nó rapidamente. Acima de tudo, o homem segura o escudo. O homem sustenta a linha de combate. O homem permanece ao lado de seu braço direito. Que tipo de homem é incapaz de fazer qualquer uma dessas coisas?
- Eu não pedi para ter meia mão, retrucara Yarvi, encurralado onde se encontrava com frequência, no terreno estéril entre a vergonha e a fúria.
- Eu não pedi para ter meio filho.”

Apesar de fazer parte de uma trilogia, Meio Rei é uma história com início e fim, sem pontas soltas. O segundo livro, Meio Mundo terá outro protagonista e Yarvi como personagem secundário, então para quem não quer começar outra série ou não gosta de finais abertos pode ler sem medo. Repleto de ação, com personagens reais e uma trama envolvente, é difícil não amar esse livro. Leitura mais que recomendada.

site: http://www.quemlesabeporque.com/2016/11/meio-rei-joe-abercrombie.html#.WCYOjC0rLIU
comentários(0)comente



Emerson 19/10/2016

Divertido
"Posso até ser meio homem, mas fiz um juramento por inteiro."

Talvez eu não tenha gostado tanto quanto gostaria devido a proposta do livro ser voltada para um público alvo que acabou limitando a profundidade dos personagens e a exploração do worldbuilding criado pelo autor.

O livro começa bem e depois fica num ritmo estável. Achei alguns eventos previsíveis, e não consegui me identificar tanto com o protagonista quanto gostaria.

A parte final foi muito boa e deu um UP que o livro estava precisando.
No geral é uma boa história e garante uma boa diversão.
comentários(0)comente



Yuki 18/10/2016

Meio Rei é o primeiro livro de uma trilogia que ainda não decidi se irei ou não continuar.
Yarvi não é um bastardo, ele não é um filho ilegítimo do rei, é pior do que isso; ele nasceu com uma deformidade física na mão esquerda que o dificulta a ser um guerreiro, e, apesar de não ser o herdeiro ao trono, ele continua sendo uma decepção para o Rei. Seu pai.

“Um rei deve vencer. O resto é insignificante.”

“O alimento do medo é a ignorância, costumava dizer mãe Gundring. A morte do medo é o conhecimento. Quando você estuda uma raça de homens, descobre que são somente homens, como quaisquer outros.”

E a única coisa que Yarvi pode fazer é estudar com a Mãe Gundring para ser tornar o próximo Ministro, alguém que dá conselhos ao Rei, auxiliando em suas decisões, porque ele pode ser meio homem, como todos dizem, mas tem um cérebro completo (e maior do que a maioria).

Se tornar um Ministro significa abandonar quem é, abandonar seu nome e sua família, e se tornar Pai Yarvin, e isso é o que Yarvin quer, mas... As coisas não terminam como esperado.

Faltando poucos dias para fazer o teste que decidirá se ele está ou não apto para ser um Ministro, uma tragédia acontece e muda sua vida. Seu pai, o Rei, foi assassinado. E, seu irmão, o herdeiro ao trono, também. O que significa que Yarvi agora é o Rei.

“-O que foi? – perguntou Yarvi, a garganta apertada de medo. Seu tio se ajoelhou, apoiando as mãos na palha oleosa. Baixou a cabeça e sussurrou apenas duas palavras, com a voz rouca:
-Meu rei.
E Yarvi soube que seu pai e seu irmão estavam mortos.”

No leito de morte do pai e do irmão, Yarvi promete fazer os culpados pagarem, nem que seja começando uma guerra, não importando as consequências, só que elas se revelam maiores do que o esperado e suportado, envolvendo traições, sangue e morte.

Meio Rei é um livro de fantasia que não me encantou completamente. Pode ter sido tanto por eu achar lento quanto por estar esperando algo parecido com a Trilogia dos Espinhos (The Prince of Thorns é o primeiro), que tem muito mais morte, sangue e traição. (Nessa ordem).

“Yarvi havia enganado a Morte meia dúzia de vezes nas últimas semanas, mas não importa quanto você seja forte ou inteligente, não importa que os deuses lhe favoreçam no clima e nas armas, ninguém pode enganá-la para sempre. Heróis, Reis Supremos, avós do Ministério, no fim todos passam por sua porta: ela não abre exceção para rapazes manetas de boca grande e temperamento amargo.”

O final me surpreendeu? Sim. Quem imaginaria aquele desfecho? Eu não. E eu gostei da evolução do protagonista, de uma criança a um homem endurecido pelo frio e pelo sangue que o tocou, mas não achei algo completamente veredicto. Foi como se num momento ele fosse um e no outro, alguém diferente; não teve um período de duvida em relação a essa dualidade. E depois há, novamente, uma mudança repentina.

“Quem tinha sido. Menino ou homem? Teria morrido fugindo ou lutado com bravura? Qual era a diferença agora, afinal?”

“Uma vez, depois que seu pai havia batido nele, furioso, a mãe o encontrara chorando. O tolo bate, dissera ela. O sábio sorri, observa e aprende. Depois bate.”

Meio Rei é o primeiro livro de uma trilogia que ainda não decidi se irei ou não continuar. A leitura não foi ruim e também não foi maravilhosa, e o pior é sempre isso, essa duvida quanto ao que fazer. No momento, outros livros têm prioridade.

E a frase que eu mais amei:
"Não quero ficar livre; quero ficar em segurança."

site: http://sougeeksim.blogspot.com/2016/10/resenha-meio-rei-mar-despedacado-1.html
comentários(0)comente



Diego 11/10/2016

Empolga no início, mas o final...
Não vou delongar até mesmo para evitar spoiler...
O livro me comprou pela sua premissa, um carinha que é rejeitado pela família, pronto para assumir um função que abre mão de todos os título e direito de repente torna-se rei e totalmente inesperiente (só eu enxerguei um toque de Jon Snow?), daí da o gatilho inicial para o hype... vingança sendo realizada por um estrategista, então você toma varios socos no estômago no decorrer da leitura... confesso que fiquei empolgado demais com a leitura e já imaginando o desfecho e as possíveis continuações, mas aí o autor te dá um final que da vontade de rasgar o livro de raiva e queimar o que sobrar para não ter mais vestígios dele...
Percebi muitas referencia de G.R.R. Martim, mas não com o toque requintado de crueldade dele (quem conhece a história do Nedd Star sabe o que quero dizer).
Por fim, o livro é interessante, rapidinho de ler, mas com o desfecho do primeiro volume, não sei se vou ler os outros dois, a não ser que não tenha mais nada interessante para ler quando lançar os outros, só o tempo poderá dizer.
comentários(0)comente



álex 21/09/2016

Parte da resenha do blog UmBookaholic.com
Vamos começar falando da melhor coisa desse livro: o personagem principal. Yarvi vai te fazer chorar e rir. Vai te mostrar que ainda há esperanças pra todos nós. Ele é, sem dúvida, um dos personagens mais bem construídos e carismáticos que já li em toda a minha vida. Eu senti dor com/pelo Yarvi, senti suas tristezas e alegrias, vibrei de emoção quando seus objetivos foram alcançados. Por toda a sua vida ele foi humilhado, tratado como lixo, mas, mesmo assim, ele não esmoreceu. Ver a maneira como ele lida com isso tudo, sempre acreditando que as coisas vão melhorar, é sensacional.

Uma das coisas mais bacanas desse personagem, é a maneira como ele acredita no bem de tudo e ainda assim não é um personagem burro. Yarvi transforma os ensinamentos de Mãe Gundrig (uma espécie de tutora) em arma, é isso é fantástico. O que falta em força física, ele tem de inteligência e coragem.

[ RESENHA COMPLETA EM WWW.UMBOOKAHOLIC.COM ]

site: http://www.umbookaholic.com/2016/08/meio-rei.html
comentários(0)comente



Kingouveia 14/09/2016

Uma promessa por inteiro
Bom dia, boa tarde e boa noite!!!
O livro Meio Rei, foi uma grata surpresa, o li sem muitas expectativas e acabei me surpreendendo, positivamente, com uma trama bem elaborada e personagens críveis e bem construídos.
Acompanhamos a história de Yarvi, segundo filho do rei e sem pretensão ao trono, que decide tornar-se ministro, uma função nesse mundo equivalente ao Meistre de Game of Thrones.
No entanto, seus planos mudam após a morte do pai e do irmão, o catapultando diretamente a posição de rei.
Contudo, Yarvi é aleijado da mão esquerda, e dessa maneira considerado por muitos como meio homem, o que por sua vez o torna meio rei, embora essa nomenclatura não possa ser utilizada somente com relação a sua mão esquerda, mas sim, por não ser um homem propriamente dito, ser despreparado e covarde.
No entanto, a partir de sua coroação um promessa é feita e o destino é traçado e as coisas acontecem uma após a outra em um ritmo ágil e agradável, dosando muito bem páginas de calmaria e momentos de ação eletrizante.
Porém, quem chegar ao final será recompensado por um desfecho incrível e empolgante, que faz o leito desejar ardentemente a continuação.
Por fim, recomendo a todos a leitura de Meio Rei, um livro curto, repleto de boas cenas e diálogos memoráveis e reviravoltas que realmente surpreendem.
Leiam e acompanhem o meio rei, tornar-se a parte inteira do que ele quiser ser, mas saiba, a jornada será árdua para nosso protagonista.
Abraços
comentários(0)comente



Elielson Jr 14/09/2016

Uau
Não vou me atentar a falar muito sobre o enredo, mas é muito bom e o final me pegou totalmente desprevenido
comentários(0)comente



Carol 02/09/2016

Surpreendente
Hoje a resenha é desse livro do Joe Abercrombie que foi o meu primeiro contato com a escrita do autor, que já tem outros livros lançados por aqui. Meio Rei foi lançamento da Editora Arqueiro no mês de Junho, mas solicitei para resenha no mês de julho e não via a hora de chegar para conferir.

A história se passa em um mundo medieval, o Mar Despedaçado, governado pelo Rei Supremo, mas que possui vários reinos cada um com seu próprio rei que responde ao Rei Supremo, é pontuado por disputas políticas e territoriais. Yarvi é o filho mais novo do Rei Uthrik e da Rainha Laithlin do reino de Gettland, mas diferente de seu irmão mais velho e herdeiro do trono, Yarvi não é um guerreiro.

Ao nascer com sua mão esquerda deformada se tornou uma decepção para seu pai e seu povo, mas o que ele não possui em habilidades físicas compensa em inteligência e estuda para se torna Ministro e algum dia auxiliar o Rei. Porém, ao receber a notícia de que seu pai e irmão foram assassinados, Yarvi se vê coroado Rei e precisa assumir responsabilidades que nunca esperara, e tomar decisões duras e difíceis, além da promessa de vingar a morte de metade de sua família.

Mas há traições por todos os lados e uma conspiração para matá-lo faz com que Yarvi fuja por sua vida, mas acaba sendo preso pelo maior inimigo de seu Reino, Grom-gil- Gorm rei de Vansterland, mas sua habilidade e inteligência o levam a esconder sua identidade para sobreviver, mas é transformado em escravo e vendido com uma propriedade.

Passando por situações inesperadas e difíceis, Yarvi luta para sobreviver em um mundo cruel onde os seres humanos fazem as vezes de monstros, e encontra apoio em pessoas totalmente diferentes do que estava acostumado com sua vida tranquila de príncipe de Gettland e precisa se esforçar ao máximo para voltar para casa e cumprir a promessa de vingar sua família.

É uma leitura muito boa, com aventuras incríveis e reviravoltas marcantes! O mundo criado por Joe é fantástico e muito bem construido, mas sem elementos mágicos. Apesar dos elfos terem habitados as terras ao redor do mar despedaçado, há muitos e muitos anos que estes desapareceram, e o único monstro presente na história é o ser humano e a ganancia.

Yarvi à primeira vista é um personagem fraco e covarde, mas conforme o vamos conhecendo percebemos que ele não é feito da mesma fibra de seu pai ou irmão, ele é um jovem pacífico e a rejeição de seu pai sempre o marcou profundamente. É graças a essa natureza pacífica e sua inteligência que ele é direcionado a se tornar ministro e se torna aprendiz de Mãe Gundring, a ministra de seu pai.

Mas conforme a história se desenvolve, Yarvi amadurece e descobre todo o seu potencial, tanto para sobreviver quanto para manipular a situação a seu favor, percebendo que é mais parecido com sua mãe, a Rainha Dourada, do que imaginava. E é esse conhecimento dos ministros, o tempo de estudo com mãe Gundring que o ajudam a sobreviver, mais do que suas habilidades de luta.

A narrativa do autor é bem fluida e envolvente, em terceira pessoa, e os personagens criados são totalmente diferentes em si. Cada um de um lugar diferente ao redor do Mar Despedaçado, com suas características ímpares e muitos nos deixam completamente encantados. Confesso que certas coisas no livro foram totalmente previsíveis para mim, como por exemplo um personagem que é uma incógnita o livro inteiro, desde sua primeira aparição eu adivinhei quem era.

Entretanto a previsibilidade de alguns fatos não diminuiu em nada a qualidade da história, eu estava mais empolgada ainda para ler o final para saber se estava certa e mesmo assim ainda consegui ser surpreendida com outros fatos. =)

Adorei esse primeiro livro e super indico para quem adora uma aventura medieval, cheia de intrigas e traições, assassinato e poder. Já aguardo ansiosa para a continuação e o desfecho da trilogia!

site: http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4