Achados e Perdidos

Achados e Perdidos Stephen King




Resenhas - Achados e Perdidos


83 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Mundo da Vavah 21/03/2019

No segundo livro da "Trilogia Bill Hodges", vamos conhecer as histórias de Peter e Morris, bem distantes uma da outra, porém que o destino ou o amor pela leitura resolve unir.
Inicialmente vamos realizar várias viagens no tempo, indo ao passado de Morris e o presente de Peter para entender como suas vidas se encontraram. .
Morris é um apaixonado por leitura que não aceita o final dado ao seu personagem favorito, reluta com isso por anos e quando descobre que o autor, já aposentado, vive recluso, com seus milhares de molesquines, ele resolve fazer uma "visita surpresa" para se apoderar destes bens preciosos e tentar encontrar uma resposta para aquele fim "inaceitável"! O que ele não esperava era ter sua inteligência confrontada pelo velhinho e perder o juízo, mandando uma bala no meio da testa dele. Apesar de fugir, Morris, logo mais acaba preso, porém por outra loucura, afinal é um psicopata. Não sem antes esconder seu maior tesouro.

Anos depois quem encontrará esse baú de riquezas é óbvio que é nosso menino Peter. Apesar de ter encontrado o baú recheado de muito dinheiro, seus olhos brilham mesmo para os molesquines. O que ele não imaginava é que logo mais sua vida e de toda sua família estaria em extremo perigo, por conta desse tesouro.
E só existe um trio maravilhoso que poderia ajudar Peter e sua família, nosso investigador mais amado, Billy Hodges, sua fiel escudeira e seu garoto prodígio. Um trio, que junto é imbatível e consegue desvendar os crimes mais misteriosos e salvar "algumas" vidas. .
Uma história com as características marcantes de Stephen King, com o humor que lhe é peculiar e com certeza para nos mostrar, mais uma vez, porque este homem veio ao mundo, para nos fazer feliz com suas obras.
O livro começa um pouco arrastado, por conta das conexões que precisam ser feitas entre passado e presente, porém quando nosso trio aparece, tudo fica muito intenso e arrebatador, fazendo a leitura valer cada parágrafo. O fôlego nos falta em alguns momentos e o final, ah meus amigos é um final digno de Stephen King.
comentários(0)comente



Marcos 14/03/2019

Olá, leitores!

Mais uma resenha dupla no C&T! \o/ Conforme eu tinha dito na resenha do livro anterior dessa trilogia, todos os livros da Bill Hodges seão resenhados em dupla por mim e pelo Luke. Portanto, meus comentários (Marcos rs) estarão em azul e os do Luke em verde. Espero que gostem! =)

Morris Bellamy é fanático pela história fictícia de um livro, cujo personagem principal se chama Jimmy Gold. Porém, o escritor John Rothstein deu um final que Morris detestou. Obsessivo como ele é, foi à casa do seu ídolo literário e roubou cadernos onde se encontrava anotações e histórias inéditas escritas há mais de 10 anos. Mas por vingança, Morris mata John. Anos depois o pequeno Peter Sabeurs encontra no quinta de sua casa um baú enterrado. Curioso com o conteúdo ele desenterra e encontra muito dinheiro e cadernos com a história de um personagem que leu e gostou tempo atrás. Sua família está passando por uma crise financeira, ele vê a oportunidade de ajudar seus pais com aquele dinheiro.

Morris é um psicopata perturbado que se agarrou à ficção para suprir à sua carência de realidade. Como queri que a obra acabasse do seu jeito, ele resolve tirar satisfação com o próprio autor e acaba por matá-lo. Logo ele foi preso por isso mas, no meio do caminho, ele também roubou cadernos com textos inéditos de um novo livro que John estava preparando. Em virtude dele ser um best-seller, esse conteúdo hoje em dia valeria ouro. E é justamente ele que será achado, depois de muitos anos, em um baú enterrado próximo à sua casa, por Peter.

Morris saiu da prisão anos depois e vai atrás daquilo que é seu por direito, os cadernos de John Rothstein. Ele manteve sua sanidade dentro da prisão com o objetivo de pôr as mãos e ler cada palavra que seu autor escreveu. Mas ele não sabe que o que tanto almeja não está mais onde ele colocou um dia. Peter e sua família correm perigo. Bill Hodges e sua trupe Holly e Jerome poderão ajudar. Se ainda tiverem tempo.

35 anos após o acontecido, Morris conseguiu de volta a sua liberdade. Mesmo tendo tempo suficiente para refletir sobre o que aconteceu, sua mente psicopata ainda guarda o desejo de poeder tocar nos cadernos que roubou anteriormente e ler tudo o que estava escrito nele. Porém, Peter não sabe no que se meteu ao desenterrar o baú. Junto com o dinheiro e o texto encontrado, há um enorme perigo envolvendo a sua vida e a de sua família.

Assim que terminei Mr Mercedes fiquei extasiado e sem fôlego com todo ocorrido que Bill Hodges viveu. Quando comecei o segundo volume já fui preparado com muito tiro, porrada e bomba. É incrível como King cria uma história tão eletrizante, e depois outra. Desta vez Bill Hodges não ganhou tanto enfoque assim, o que para mim foi muito bom, pois no primeiro volume conhecemos de sua vida. A história é dividida em três partes: 1) Como tudo começou, ou seja, Como Morris conheceu e assassinou John, como ele foi parar na prisão etc. 2) Como Peter encontrou o baú após tanto tempo, como sua família começou a ter problemas financeiros e como Morris viveu na prisão. 3) Aqui todos os pontos se cruzam, a resolução dos problemas.

Esse segundo volume acabou sendo o melhor da trilogia para mim., até agora. Se no primeiro King já entregou um texto recheado de suspense e ação, nesse segundo ele elevou esses traços de narrativa a um nível ainda maior. É simplesmente impossível querer largar o livro antes de saber o que acontecerá no final. Mesmo com Bill sendo um personagem que só entrará na trama já quase em seu final, a trama de Peter e Morris é sensacional e prende muito o leitor do início ao fim.

Morris é um homem obsessivo. Ele não mede esforços para cumprir seu objetivo, ter uma resposta do porque do desfecho da história de Jimmy Gold. Peter encontrou o baú muito novo, mas mesmo assim teve a maturidade de ver algo que poderia ajudar sua família. King tem muita capacidade de criar vivacidade aos seus personagens, torna-los fáceis de nos identificar. Isso foi um dos pontos altos para que a história ganhasse peso a mais. A escrita de King é fascinante. Desde a criação dos personagens, ambientação, diálogos e a ação em si. Não é por menos que ele é considerado rei, pois para criar uma trama tão real através das palavras é pra poucos. King desenvolve uma trama sobre obsessão de um fã, o amor pela família e o desejo de vê-la melhor, o valor da amizade e confiança etc.

Sem dúvidas temos nesse volume mais um exemplo do quão King é bom em construir personagens com mente psicopata. Ao usar da perspectiva da mente de alguém assim, ele consegue explicá-lo e colocar a sua visão de mundo para que o leitor possa sentir o que ele sente e ver o que ele vê. É algo sensacional de ser lido. As cenas de ação, sobretudo o desfecho do livro, são muito boas e deixam o leitor sem fôlego.

Para quem amou Mr. Mercedes, tem grandes chances de adorar Achados e Perdidos. Eu, no caso, prefiro este segundo, pois há mais cenas de ação e me identifiquei nesse mundo envolvendo a literatura (quem nunca quis tirar a limpo com o autor de determinado livro que você gostou, mas ele pôs um final que te desagradou?). Um livro contendo cenas imprevisíveis e um jogo de quebra-cabeças fascinante.

Livro mais do que recomendado para quem gostou do primeiro volume da trilogia e para quem quer continuar a ler os casos de Bill Hodges.
comentários(0)comente



Jeffe5rson 05/03/2019

Ótimo livro.
Estou na fase final de um livro do Stephen King chamado "Achados e Perdidos" que retrata muito bem um tema que já foi trabalhado em outro livro do autor "Misery: Louca Obsessão" e vale ressaltar a importância do tema: A Obsessão de um leitor por uma obra e os riscos (Variáveis) que alguns podem surgir. É extremamente cauteloso e importante a identificação psicótica entre leitor e autor e como isso pode causar riscos para ambos os lados.
O segundo livro da trilogia do Bill Hodges mostra um caso isolado que é extremamente tentador e de fácil Leitura, confesso que fiquei mais preso a história neste segundo livro, talvez até porque pela a facilidade de empatia que você sente pelo os personagens do que com o primeiro livro "Mr Mercedes" o livro tem o seu ritmo próprio (Assim como todas as obras do King) então para alguns pode ser demorado e para outros o habitual tipo de escrita do Stephen.
Bill e companhia aparecem quase na metade do livro, de fato os protagonistas dessa história são Morris Bellamy e Peter Saubers. O ritmo é constante e com momentos de deixar agoniado qualquer leitor.
comentários(0)comente



Cardoso 12/02/2019

Cuidado
O amor por livros, história e leituras pode ser perigoso, o que fazemos pela aquela sequência que amamos?. Uma história que chega a arrepiar com a vontade de ter de volta os cadernos, e o detetive indo atrás de um garoto pra tentar ajudar. O final me surpreendeu pois não esperava aquilo.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Thiago 16/12/2018

Apenas um fã...
Nunca tinha lido algo dessa forma que foi narrado, Stephen King escreveu um livro viciante ao qual me deixou surtado. Ler de novo sobre o detetive Hodges logo após a circunstâncias do primeiro livro é magnífico, não é a toa que virou uma série de televisão essa sequência.
Novos personagens empolgantes e enigmáticos. História fantástica!
O personagem Bellamy era apenas um fã!
comentários(0)comente



Erikinha 06/10/2018

Uma história sobre o poder da literatura de mudar vidas - Para o bem , para o mal, para sempre.

Essa merda não quer dizer merda nenhuma
Jimmy Gold
comentários(0)comente



Gustavo 18/08/2018

Bom
Bom livro, serve como intermédio pro final da trilogia. A história, menos envolvente que o livro anterior, transforma Hodges em um mero coadjuvante.
comentários(0)comente



Wania Cris 07/07/2018

Primoroso!
Tão sensacional, movimentado e instigante quanto Mr. Mercedes. Bill, Holly e Jerome estão em ótima forma. A estória corre como rio e tudo se encaixa ao final. E que final!!!
comentários(0)comente



Mabi Castro 25/06/2018

Desesperador e lento
Em Achados e Perdidos, o segundo livro da Trilogia Bill Hodges, a história do menino Peter que encontra os cadernos roubados de um escritor a muito tempo morto e que agora precisa lidar com o antigo dono desse tesouro é contada de maneira exemplar, uma das melhores características de King.
Apesar do livro demorar a desenrolar, o sentimento de nervosismo sobre o que está acontecendo, e o que você sabe que está por vir, fazem com que todas as 348 paginas do livro valham a pena.
Os personagens antes já conhecidos continuam desenvolvendo suas personalidades, mostrando que King não estacionou nenhum deles no tempo, ou congelou a personalidade marcante deles do primeiro livro. A melhora de Holly é gratificante de se ler, ainda mais depois da leitura de Mr Mercedes.
A sensação que as vezes aparece deve se igualar a sensação que Bill Hodges, Holly e Jerome tem quando suas teorias estão certas. Ao ler o livro, e entender as referências e personagens que já eram conhecidos do primeiro livro dessa trilogia, a sensação de que tudo se encaixa e faz sentido é gratificante, apesar de desesperadora, tomada as circunstâncias.
Alguns momentos do livro são tão desesperadores que não da vontade de continuar a ler, por medo do que vai acontecer nas próximas páginas, mas curiosidade e a vontade de entender como a mente de Morris, Peter e Hodges funciona faz com que a leitura se torne rápida e quando menos se espera já se foram 30 paginas.
Com esse livro Stephen King fazendo jus à fama de escrever maravilhosos livros de suspense e romance policial, e é um tijolo de ouro na construção da história que envolve o policial aposentado Bill Hodges e seus companheiros da empresa Achados e Perdidos.
Heloise.Schiavini 14/08/2018minha estante
Olá os livros podem ser lidos aleatório ou a trilogia e interligada?


Mabi Castro 14/08/2018minha estante
Ola! Eu acho que ler na ordem auxilia a entender melhor, pois o segundo livro tem passagens que ocorrem após o primeiro. Mas a grosso modo, a historia do segundo livro não é totalmente dependente do primeiro. Já o terceiro livro ?O Ultimo Turno? está bem relacionado ao primeiro livro, então a leitura dele antes dos outros não deve ser muito agradável...


Heloise.Schiavini 14/08/2018minha estante
Obrigado!


Mabi Castro 14/08/2018minha estante
Magina!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rabello 01/05/2018

Envolvente!!!!
Esse segundo livro da trilogia Bill Hodges eh bem mais direto e sangrento e diria também, bem mais divertido de ler. Sem dúvidas tenho visto e comprovado porque King eh tão aclamado!!!!
comentários(0)comente



Rafaela.Natalia 25/04/2018

O livro começa em 1978 com a história de Morris Bellamy, que é um personagem sórdido, a primeira frase do livro é "Acorda, Gênio"... e a partir daí vários acontecimentos arrepiantes já mostram que o autor não está para brincadeiras (apesar que ele nunca está né?)Bellamy é obcecado pela obra do autor John Rothstein e pelo seu personagem mais famoso Jimmy Gold e invade a casa do autor com mais dois homens, para roubar seu dinheiro e seus cadernos com vários contos, poemas e os dois últimos livros da série Jimmy Gold , textos nunca publicados pelo autor que se exilou do mundo anos antes.
Conforme a história avança, várias coisas não dão certo para Bellamy e ele acaba tendo que enterrar seus tesouros embaixo de uma árvore num baú, onde ficarão guardados por muito tempo, já que ele ficará preso por muitos anos.
Em paralelo, conhecemos a família Saubers que está passando muitas dificuldades depois que o pai foi atropelado no massacre na feira de empregos pelo Mercedes (História que nós que já conhecemos), aconteceu que Pete o filho mais velho acaba encontrando o baú com o dinheiro e os cadernos, uma vez que ele se mudou para casa que Bellamy morava anos antes. E é aí que tudo começa a ficar emocionante, porque, adivinhem? Bellamy vai ter sua condicional e vai atrás de seus tesouros enterrados e chegando lá, não encontra nada no baú.
Claro que temos a ajuda magnífica do nosso investigador Bill Hodges e de seus parceiros, e isso deixa a trama mais incrível, sem falar das partes no hospital onde o investigador vai visitar, nada mais nada menos, que nosso maior vilão da trilogia Brady Hartsfield, o assassino do Mercedes, que está mais vivo do que nunca.
Fiquei muito envolvida com todos os personagens e principalmente intrigada demais sobre como o autor retrata o poder da literatura na vida das pessoas, é o que dizem "A vida, imita a arte". Não tem como não odiar e ao mesmo tempo se identificar com o personagem, apesar dele ser um psicopata, seu único refúgio e único amor são as obras de Rothstein 📚
"ESSA MERDA NÃO QUER DIZER MERDA NENHUMA" JIMMY GOLD

site: https://www.instagram.com/diariodeleiturasdarafa/
comentários(0)comente



Dose Literária 11/04/2018

Resenha completa no blog
Quanto custa um segredo? Essa é a pergunta - indireta, claro - que Stephen King faz em "Achados e Perdidos" (original Finders Keepers, tradução de Regiane Winarski, págs. 352, 2016), o volume II da excelente trilogia Bill Hodges. O livro integra o catálogo da Suma de Letras, selo da editora Companhia das Letras, parceira do Dose Literária...

site: http://www.doseliteraria.com.br/2017/01/achados-e-perdidos-de-stephen-king.html
comentários(0)comente



83 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6