Dez Mil Céus Sobre Você

Dez Mil Céus Sobre Você Claudia Gray




Resenhas - Dez Mil Céus Sobre Você


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Guadalupe 05/07/2020

Me prendeu desde o começo, me arrependi de ter demorado tanto tempo para ler depois que li o primeiro livro. A narrativa foi bem intrigante, só fiquei angustiada com o final, pois gostaria de mais respostas
comentários(0)comente



Rodrigo Silvestre 30/06/2020

Os mundos podem acabar, mas a protagonista só pensa em omi
Vou fingir que não tem outro livro
comentários(0)comente



julia 18/06/2020

Resenha: Dez Mil Céus Sobre Você
Dez Mil Céus Sobre Você é uma leitura... ok. O enredo é bem elaborado e executado--tirando a primeira parte que é só encheção de linguiça com a Marguerite correndo de um lado para o outro atrás do Paul e visitando vários universos.

A Marguerite é uma boa personagem e ela cresce um pouco nesse livro. O entendimento que as ações dela alteram os universos por onde ela passa chega um pouco tarde, e ela não consegue aceitar bem, mas é uma parte bem legal da história. O fato que isso volta para atrapalhar a vida dela também me deixou super feliz.

O romance ainda é meio sem graça para mim. O que eu gostei é que o triângulo amoroso não aparece muito e não é tão relevante assim nesse livro. O final também tem umas revelações bem chocantes e termina com um cliffhanger.
comentários(0)comente



Juliana Leite 16/06/2020

Li o primeiro livro dessa série há um tempo e esqueci grande parte dele, mas a premissa é ótima e eu adorei poder continuar. É interessante pensar sobre essa ideia de multiverso e ver possibilidades de outros ?mundos? e tantas outras versões dela mesma e das pessoas que são importantes pra ela.
comentários(0)comente



Silvia 02/06/2020

As diferenças entre as dimensões
Estou gostando muito da forma que a história é contada. O ritmo nos deixa muito curiosos com os próximos fatos.
Aqui temos que prestar muita atenção, é cada reviravolta e novas Marguerites, e Pauls e Theos.
Nos deparamos com novas facetas desses personagens em cada dimensão que eles visitam. Temos mais descobertas por trás da Tríade.
Achei que Marguerite conseguiu fortalecer muito o amor que tem pelo Paul, mesmo diante de tantas adversidades.
Paul por outro lado volta cheio de dúvidas e incertezas.
Gostei de ver o verdadeiro Theo, gosto muito de sua personalidade e bom humor. Foi um grande personagem aqui.
O fim foi daqueles, bombástico.
comentários(0)comente



Evie 02/06/2020

Sem a protagonista, o livro seria bem melhor
A Marguerite simplesmente não sabe a hora de parar de procurar por coisas bestas e sem sentido. Por exemplo, para que dar uma voltinha no universo dos pais malignos dela? Acho que não era hora certa, especialmente porque ela já tinha o que tanto queria: as coordenadas do Paul. Falando nisso, ela fica muito focada e nunca tem olhos para outra coisa que não seja o que apenas ELA acha a melhor solução para os problemas; a garota já tinha feito isso no outro livros tentando matar o Paul sem nem ao menos saber se era mesmo ele o assassino!
O que mais me irritou no livro foi essa ideia dela de que todo mundo igual nas outras dimensões e tem a mesma alma. LÓGICO QUE NÃO. Ela ficou tão crente nessa ideia que ficou até traumatizada quando o Paul da outra dimensão deu tiros nas pernas do Theo.
Bem... o livro até que é bem divertido e é legal ver como as dimensões funcionam. O final me deixou curiosa e (sabendo que provavelmente vou me decepcionar) espero que o ultimo livro seja melhor que o segundo.
comentários(0)comente



Mônica 01/06/2020

Marguerite realmente irrita
Esperava muito mais desse livro, não que seja ruim, mas podia ter sido muito melhor trabalhado pela autora.
A personagem principal incomoda muitas vezes pelas atitudes que ela toma.
Ramon.Jung 02/06/2020minha estante
Eeita!




Jheni 30/05/2020

Bom, mas poderia ser melhor.
Bom, mas espera mais. A história é legal, tem alguns capítulos com bastante ação, uma escrita fluida. Mas, no geral, a maioria dos capítulos são lentos e repetitivos, que torna a leitura um pouco cansativa. O final me deixou curiosa para saber o que vai acontecer.
comentários(0)comente



Bruna 25/04/2020

As vezes Marguerite me irrita.
Assim, Só eu acho que ela se perdeu na fronteira do foco e obcessão?
Sei lá, ela parece disposta a esquecer rapidinho outras coisas que deveria ter importância. Paul é importante e tals, mas ela não pensa muito nas coisas que está disposta a fazer pra atingir o tal objetivo de pegar os fragmentos dele. Coisas que ficariam mais óbvias se ela parasse um pouco pra pensar no "e quando eu juntar tudo, que é que acontece com as consequências do que tô fazendo?"
Pensando aqui em ler o terceiro só pra finalizar mesmo a saga.... Mas tipo espero que ela veja melhor o que está fazendo.
Pois já estou ficando bem irritada com ela. :\
comentários(0)comente



Dani do Book Galaxy 24/03/2020

Era só tirar a protagonista que o livro ficava bom
"Dez Mil Céus Sobre Você", segundo livro da trilogia Firebird, é uma continuação justa para um primeiro livro que prometeu coisas interessantes, mas não as cumpriu. Assim como seu livro antecessor, "Dez Mil Céus..." tem uma premissa bem bacana, prometendo uma aventura sci-fi cheia de suspense e pormenores científicos, mas entrega um romance adolescente com um flerte com o sci-fi - que é tão sutil que eu nem me sinto confortável em encaixar esse livro no gênero de sci-fi.

Vou começar com o problema mais óbvio que é a personagem principal. Marguerite é uma personagem narradora que não me despertou nenhuma simpatia; além de ser impulsiva e inconsequente como qualquer adolescente, o foco dela é seu namorado, Paul.
Dessa forma, apesar de a história se passar em diferentes dimensões, em TODAS somos obrigados a aguentar os sentimentos de Marguerite sobre Paul.

Sendo justa, o maior problema do livro não é o romance em si. Acho que, se fosse bem executado, uma história com foco em amantes separados pelo espaço-tempo seria SIM bem bacana, mas não é isso o que acontece aqui.

Claudia Gray deixa sua personagem entediante nos guiar em viagens interdimensionais que, na verdade, mais parecem como viagens no tempo ou uma volta ao mundo.
A autora, em minha opinião, poderia ter sido muito, MUITO mais criativa ao criar novas dimensões para inserir suas personagens nessas viagens. Me pareceu um tanto preguiçoso o modo como ela imaginou essas diferentes dimensões, e, principalmente, o modo como as personagens interagem em cada uma dessas dimensões.

Outro ponto que me incomodou bastante foi sua aparente negligência com a contextualização de elementos importantes no livro. Já explico: essas viagens entre dimensões são possíveis por conta do Firebird, um dispositivo criado pelos pais de Marguerite, cientistas renomados, e seus assistentes cientistas. O problema é que, como a narrativa é feita por Marguerite - que não é cientista, e sim, artista -, ela admite "não entender nada" de como essa tecnologia funciona e... a coisa fica por aí mesmo.
Em diversas passagens a autora usa esse recurso, de fazer a narradora desprezar ou não explicar algo por simplesmente não saber. Achei uma saída bem preguiçosa e ligeiramente decepcionante. Afinal, leitores de sci-fi geralmente costumam ter respostas elucidativas sobre aspectos importantes nos livros - mesmo que sejam absurdos ou completamente viajados.

Por fim, o que me fez não odiar o livro e ainda assim querer ler o terceiro e último volume foi uma certa reviravolta lá no final. Pelo menos isso a autora conseguiu fazer - criou um último gancho que me manteve levemente interessada em ler o último volume.

Mas só consigo dar graças a Deus que só tem mais um livro, porque eu, sinceramente, não vou aguentar muito mais dessa Marguerite...
Gabriel.Oliveira 24/03/2020minha estante
Li a resenha pensando nisso: https://www.youtube.com/watch?v=kRinCyay1kI


Dani do Book Galaxy 24/03/2020minha estante
HAHAHAAHAHAHHAHA
Putz por que não lembrei disso, ia ter deixado a leitura mais divertida aiushauhshuias


Gabriel.Oliveira 25/03/2020minha estante
asdjaskahdah




spoiler visualizar
comentários(0)comente



katinha 05/02/2020

Show!
Resenha: "Dez mil céus sobre você" - Claudia Gray ?

Para Marguerite Caine viajar pelas dimensões agora não é mais tão complicado.
Após ter ido atrás de Paul Markov pelo assassinato do pai dela e, ter descoberto assuntos tridimensionais de grande proporção, ela, além de conhecer outros multiversos, redescobriu sua própria história.

Atualmente tudo está sob controle, inclusive seu relacionamento com Paul, que se desenvolveu através de conflitos na primeira viagem com o Firebird.
Firebird, um objeto criado pelos seus pais, Dr. Henry Caine e Dra. Sophia Kovalenka, cientistas incrivelmente inteligentes, que proporciona ao viajante uma ligação de consciência com suas outras versões do multiverso.

Mas em um piscar de olhos, a vida de Marguerite se transforma em um caos, pois ela atraiu muitos inimigos enquanto estava em universos alternativos. Um deles, Wyatt Conley.

A alma de Paul foi fragmentada em quatro partes. O amigo da família, Theo Beck, foi infectado com um vírus poderoso e fatal chamado Furtanoite.
Agora, Marguerite irá viajar com o Firebird para ajudar Theo a conseguir o antídoto do Furtanoite, e recuperar as quatro partes de Paul espalhadas pelo multiverso; em versões suas que ela nunca conheceu. Nessa viagem ela terá que cumprir a pior das missões: trair a engenhosidade de seus pais com a criação do Firebird em cada dimensão.

Quatro coordenadas vão levá-la ao seu destino, e manter-se viva é indiscutível. "Viajar pelos mundos nos ensina a ter perspectiva. Nos faz dar valor às coisas que temos." .
.
[?#OPINIÃODAKAH?] .
.
Quando li o primeiro livro "Mil pedaços de você", gostei muito de toda a história sobre viagem tridimensional, o próprio Firebird me chamou muito a atenção e, o desenrolar foi perfeito.
Agora nesse segundo livro a trama começou a desenrolar do meio pro final e não me decepcionou, aliás me surpreendeu; principalmente o final.
É uma fantasia incrível e, reflexiva, te fazendo pensar em toda sua personalidade.
O que eu mais gosto é o mix de cenários quando ela viaja para as dimensões. Show!
Ansiosa pelo próximo.
#resenhadodesequilibrio ??
comentários(0)comente



Vanessa @LarLiterario 24/10/2019

"Aprendemos nesse meio-tempo que as pessoas cruzam nosso caminho em muitas dimensões, e que não importa o quão diferentes os mundos sejam, o destino sempre não aproxima."
Dando continuidade aos acontecimentos marcantes do primeiro livro, Mil pedaços de você, nesse livro Marguerite conheceu o multiverso de várias maneiras e agora, envolvida numa conspiração perigosa, ela precisará se aliar ao seu pior inimigo para salvar duas das pessoas mais importantes da sua vida.

Do contrário do primeiro livro, Mil pedaços de você, que foi bem morno na minha opinião, o desenvolvimento e o ritmo desse segundo volume conseguiram me prender de uma maneira impressionante, tanto que li o livro em dois dias.

Teve alguns escorregões e momentos que Marguerite me tirou do sério, sendo ela uma personagem sensata e disposta a ajudar, pecou numa parte do livro sendo muito ingênua. Mas no geral a história conseguiu se sustentar bem.

Quanto ao casal, não conseguiu me cativar ainda, simplesmente não em química nenhuma entre eles. Paul é um personagem muito chato e apático e essa falta de conexão entre eles me incomoda.

No geral, foi uma leitura muito boa que conseguiu despertar minha curiosidade para saber como essa história termina.

site: https://www.instagram.com/larliterario/
comentários(0)comente



Bia 15/02/2019

Resenha - Dez Mil Céus Sobre Você
Marguerite precisa correr para muitas dimensões, com seu dispositivo Firebird, novamente atrás de Paul, mas dessa vez o motivo é diferente que da primeira vez. Paul, seu atual namorado, teve sua alma fragmentada em quatro partes por Conley, um CEO magnata que tem planos horríveis para as dimensões e esta usando Marguerite como marionete em seus planos. Marguerite agora precisa visitar quatro dimensões diferentes atrás dos fragmentos da alma de Paul antes que algo horrível possa acontecer e ela acabar perdendo Paul para sempre.
Suas visitas nas dimensões não serão fáceis, ainda mais agora que Conley prometeu dar a última localização do último pedaço da alma de Paul, apenas se Marguerite fizer alguns trabalhos sujos para ele. Em algumas dimensões onde estão localizados alguns dos fragmentos da alma de Paul, os pais de Marguerite nessas dimensões em especiais estão prestes a construir um Firebird, o trabalho sujo de Marguerite é sabotar as pesquisas de seus pais nessas dimensões impedindo que eles consigam criar um Firebird. Mas como ela irá fazer isso? Mesmo em outras dimensões seus pais não deixam de serem seus pais. Como ela será capaz de fazer isso com eles? Mas se não fizer, jamais terá Paul de volta. Será que ela irá superar o lado sombrio e escuro dos Pauls dessas dimensões que a assustou tanto?

Um livro bem interessante, com um universo cientifico interessante. Não me encantou e nem me fez cair por amores, porém eu gosto dessa trilogia (apesar de só ter lido até o segundo livro no momento), a autora traz uma ciência interessante e curiosa, ela nos mostra mundos paralelos/dimensões em que a personagem pode ser muitas coisas: uma artista, um soldado, uma estilista, uma Imperatriz, e uma vadia maldosa e sem coração. São bilhões (e muito mais) tipos de dimensões em que tudo é possível, e isso torna o livro uma história interessante.
Marguerite ainda é meio sem sal no livro, mas ela parece ter aprendido uma questão importante sobre todos que conhece de dimensões diferentes, ela acreditava em uma coisa, mas depois de visitar tantas dimensões e ver diferentes tipos de Pauls, Theos e até mesmo sua família, ela percebeu que o que acreditava não era verdade. Acho que ao enxergar a realidade ela pode ter amadurecido um pouco.

Paul... Bom o Paul do universo real da Marguerite mal aparece no livro, vemos ele apenas nos flashbacks de Marguerite. Mas vemos outros Pauls com personalidades diferentes em outras dimensões. Os Pauls de cada dimensão são tão diferentes do Paul original que na verdade parece que são personagens diferentes que tem apenas o mesmo nome do mocinho.
Diferente do primeiro livro, nesse segundo conhecemos melhor o nosso Theo original, já que no primeiro livro conhecemos um Theo de outra dimensão o livro inteiro. O Theo real é definitivamente mais descontraído e mais carinhoso, mas também devo dizer um pouquinho bobinho.

Teve certas dimensões que foram bem chatas de ler, outras foram incríveis, e outras foram medianas kkkk. Acho que falta um pouco mais de movimento nesse livro, mais ação, em fim... O livro é legal, não é grande coisa e não é tão incrível, mas eu acho que vale a pena ler. O final do livro foi tão bombástico que estou extremamente curiosa para o terceiro livro, e é provável que eu o pegue para ler ainda no inicio de 2018.
Pessoal lindas do meu coração! Muito obrigada por me acompanharem esse ano, por me aturarem e pelo carinho de vocês. Espero que todos tenham um final de ano incrível e que 2018 seja um ano de muitas conquistas e metas alcançadas, que todos vocês anjinhos tenham muitas surpresas e diversões maravilhosas. Muito obrigada por tudo e espero que ano que vem seja mais um ano incrível com vocês me acompanhando. Esse ano não teve muitas surpresas e mudanças aqui no blog, mas espero que ano que vem muita coisa possam mudar.

site: http://biiabrito.blogspot.com/2017/12/resenha-dez-mil-ceus-sobre-voce.html
comentários(0)comente



Luiza Helena (@balaiodebabados) 14/02/2019

Originalmente postada em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/
Enquanto Mil Pedaços de Você foi um início mediano da trilogia, Dez Mil Céus Sobre Você já foi uma continuação que não caiu na maldição do segundo livro e mostrou que a história tem realmente potencial.

Diferente do livro anterior, a autora deixou um pouco de lado a questão do romance e focou na questão das viagens dimensionais e multiverso. Apesar do fato de Marguerite sair pulando de dimensão em dimensão atrás dos pedaços da alma do seu amado Paul, o que repete um pouco o livro anterior, aqui foi focado mais na questão das consequências das viagens e os planos da Tríade para o Firebird.

Marguerite nesse livro está um pouco menos impulsiva em suas ações. Para salvar Paul e Theo, ela faz um acordo com a Tríade, mas ainda assim ela procura alguns furos neste acordo para que ela realmente não precise prejudicar ninguém nas outras dimensões. Ela ainda dá umas escorregadas em certos momentos (porque nenhuma protagonista YA é perfeita),mas ela deu uma melhorada se comparada com o livro anterior.

Se no livro passado, Paul tomou todo o destaque para ele, aqui quem fica com o papel é Theo. Apesar de seus sentimentos por Marguerite, sua amizade com Paul é mais importante e ele ajuda a viajante perfeita a catar os pedaços da alma do seu amigo por aí. São nessas viagens que conhecemos melhor o Theo da dimensão da Marguerite; um cara que usa o charme para mascarar seus medos e inseguranças. Nesse livro ele me conquistou ao se mostrar um verdadeiro amigo a Marguerite: chamando sua atenção quando o babado engrossa ao mesmo tempo que se mostra disposto a ajudá-la no que for preciso para salvar Paul.

Nesse livro, a autora foca em dois detalhes que achei dar um toque a mais em toda essa questão de multiverso. O primeiro são as consequências das viagens. Por mais que Marguerite tente não atrapalhar a vida das suas eus em outras dimensões, de certa forma suas atitudes vão deixar alguma marca ou rastro, como ela descobre da pior forma possível.

Outro detalhe é o fato de que, mesmo que a essência da personalidade seja a mesma em qualquer dimensão, sempre há um detalhe que nos torna único em cada multiverso. De primeira, esse detalhe abalou Marguerite que ela preferiu fugir a enfrentar, mas depois de uma chacoalhada de Theo, ela percebe que isso não significa que possa acontecer em sua dimensão. Ou seja, por mais que sejamos iguais fisicamente e na personalidade, cada dimensão do multiverso contém uma versão diferente.

E quando você pensa que sabe o caminho que Claudia está traçando a história, ela manda um “errou otário”. Quando os verdadeiros planos de Conley e da Tríade são revelados, eu fiquei bem de boca aberta com o plot twist. O final também foi algo que eu não vi chegando e me deixou bastante ansiosa para ler Um Milhão de Mundos com Você. Algo é certo: o que a autora peca em alguns detalhes da história, ela acerta nos plot twists.

Com um gancho para finalizar a trilogia, Claudia Gray conseguiu corrigir alguns erros do primeiro livro. Só espero que a conclusão não me decepcione.

site: https://balaiodebabados.blogspot.com/2019/02/resenha-358-dez-mil-ceus-sobre-voce.html
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3