Dez Mil Céus Sobre Você

Dez Mil Céus Sobre Você Claudia Gray




Resenhas - Dez Mil Céus Sobre Você


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Rodrigo Silvestre 30/06/2020

Os mundos podem acabar, mas a protagonista só pensa em omi
Vou fingir que não tem outro livro
comentários(0)comente



Queria Estar Lendo 14/02/2018

Resenha: Dez Mil Céus sobre Você
Dez Mil Céus sobre Você é o segundo volume da Trilogia Firebird, escrita pela Claudia Gray. Dando sequência aos acontecimentos marcantes de Mil Pedaços de Você, esse livro é marcado por um ritmo que equilibra ação e calmaria na medida certa.

Marguerite vivenciou o multiverso de muitas maneiras, e isso teve um preço alto. Ela acabou se envolvendo em uma trama de conspiração e traições muito grandiosa e cheia de perigos; no início desse segundo livro, já somos tragados para um dos muitos universos acessíveis à garota com o Firebird, e descobrimos que ela está em uma missão. Conley detém a salvação para duas das pessoas mais importantes de sua vida e, se quiser salvá-los, Marguerite precisará se aliar ao seu maior inimigo.

"As pessoas cruzam nosso caminho em muitas dimensões, e não importa o quão diferentes os mundos sejam, o destino sempre nos aproxima."

Mais uma vez, o desenvolvimento da história me prendeu nessa leitura de tal maneira que foi difícil largar o livro em muitos momentos. Claudia Gray sabe desenvolver uma aventura, e sabe criar viradas de trama e cliffhangers nos instantes precisos para trazer adrenalina aos personagens e aos leitores. Para um segundo livro de série, esse com certeza manteve a qualidade do primeiro volume. Teve seus escorregões, sim, mas sustentou a história como um todo - e com certeza teve o final mais O QUE ACABOU DE ACONTECER? de todos.

Marguerite ainda é a mesma garota que conhecemos no primeiro volume. Ansiosa para fazer a coisa certa, disposta a aceitar riscos demais para garantias de menos, e totalmente voluntária a salvar as pessoas que ela ama - mesmo que isso signifique se enfiar em um acordo com o homem responsável por todo o caos em sua vida. Marguerite vive uma jornada de indecisões nesse livro, ciente de que a vida e a existência de duas pessoas que ela tanto ama estão em suas mãos.

"Você calcula suas chances a cada segundo. Inventa opções e possibilidades que jamais consideraria em outro momento. Percebe que sua vida é a única coisa que é completa e verdadeiramente sua. Existe uma força dentro de nós que não compreendemos até que ela seja necessária."

Théo e Paul dependem dela. Théo, por consequência de alguns acontecimentos no livro um, tornou-se um viciado em Furtanoite, uma droga pesada que pode acabar com a sua vida. E Paul, em busca da salvação do amigo, foi fragmentado por Conley - o que significa que pedaços do seu eu estão espalhados em alguns multiversos escolhidos a dedo. Para salvá-los, Marguerite parte para esses quatro multiversos para cumprir uma promessa feita a Conley, rezando para que não seja tarde demais para fazer o certo, mesmo com os riscos que isso implica.

Eu gostei bastante da jornada da Marguerite até certo ponto da trama, aí rolou uma treta que me fez querer estrangulá-la. Deus do céu, para alguém tão sensata, ela foi muito ingênua e personagem da Disney!

Mas ok, ela se recupera no final e volta a ganhar minha simpatia. E aí o final. Minha nossa, o final. Leiam com um desfibrilador do lado, porque vai se fazer necessário.

De novo, a riqueza nos detalhes dos multiversos cria toda uma imersão durante a leitura. Dessa vez, visitamos mundos diferentes do primeiro livro; vemos um planeta tomado por guerra, outro em que a máfia tem grande importância no cenário de Marguerite, e outro em que traidores estão onde ela menos espera. Ah, e também reencontramos um cenário familiar lá do primeiro volume - mas eu nem consegui ficar feliz porque foi durante a epifania de burrice da protagonista e eu só queria ela atropelada por um trem pra ver se parava de graça.

Théo foi um personagem que ganhou bastante destaque nesse volume, e eu adorei! Ele, Marguerite e Paul compõem um triângulo amoroso bem distante do usual, e é interessante ver como a autora desenvolveu as interações entre os três. Temos a amizade, que é o ponto chave nos relacionamentos, a atração e as dúvidas que eclipsam cada personagem. Mesmo Marguerite, tão certa do seu amor por Paul, vive alguns momentos de hesitação na obra.

"- Eu poderia visitar um milhão de universos e nunca encontrar alguém que pode me fazer sentir dessa forma. Só o meu Paul. Só ele."

Gostei muito do desenvolvimento do Théo. Ele era um personagem bem aleatório para mim, mas encontrei espaço no meu coração para abraçá-lo. Seu humor característico e o companheirismo desenfreado estão muito presentes durante as viagens ao lado de Marguerite, e mesmo os mais bizarros multiversos não foram capazes de afastar sua determinação para salvar Paul. Diferente de certas pessoas...

A história da Marguerite com seus pais também teve um bom crescimento. No mundo ao qual ela pertence, mas também todos que ela visitou. Mais uma vez, família é uma palavra essencial para essa trama.

Foi um livro cativante do início ao fim, com ação e drama na medida certa. Os personagens tiveram as melhores interações, com foco nos relacionamentos e nas consequências de eles existirem. Gostei bastante de um plot twist que aconteceu lá no final; apesar de me revoltar, é compreensível o quanto o amor pode se tornar um problema, de um sentimento bom para uma obsessão doentia, uma coisa que te cega para consequências.

"Dez mil céus e um milhão de universos e ainda seria pouco para viver com você. Nada menos que o para sempre."

Dez Mil Céus sobre Você foi um segundo volume maravilhoso. E deixou espaço para um desfecho arrepiante; se a autora conseguir sustentar a narrativa e a história como fez até agora, Um Milhão de Mundos com Você com certeza vai ser eletrizante.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2018/02/resenha-dez-mil-ceus-sobre-voce.html
comentários(0)comente



Dani do Book Galaxy 24/03/2020

Era só tirar a protagonista que o livro ficava bom
"Dez Mil Céus Sobre Você", segundo livro da trilogia Firebird, é uma continuação justa para um primeiro livro que prometeu coisas interessantes, mas não as cumpriu. Assim como seu livro antecessor, "Dez Mil Céus..." tem uma premissa bem bacana, prometendo uma aventura sci-fi cheia de suspense e pormenores científicos, mas entrega um romance adolescente com um flerte com o sci-fi - que é tão sutil que eu nem me sinto confortável em encaixar esse livro no gênero de sci-fi.

Vou começar com o problema mais óbvio que é a personagem principal. Marguerite é uma personagem narradora que não me despertou nenhuma simpatia; além de ser impulsiva e inconsequente como qualquer adolescente, o foco dela é seu namorado, Paul.
Dessa forma, apesar de a história se passar em diferentes dimensões, em TODAS somos obrigados a aguentar os sentimentos de Marguerite sobre Paul.

Sendo justa, o maior problema do livro não é o romance em si. Acho que, se fosse bem executado, uma história com foco em amantes separados pelo espaço-tempo seria SIM bem bacana, mas não é isso o que acontece aqui.

Claudia Gray deixa sua personagem entediante nos guiar em viagens interdimensionais que, na verdade, mais parecem como viagens no tempo ou uma volta ao mundo.
A autora, em minha opinião, poderia ter sido muito, MUITO mais criativa ao criar novas dimensões para inserir suas personagens nessas viagens. Me pareceu um tanto preguiçoso o modo como ela imaginou essas diferentes dimensões, e, principalmente, o modo como as personagens interagem em cada uma dessas dimensões.

Outro ponto que me incomodou bastante foi sua aparente negligência com a contextualização de elementos importantes no livro. Já explico: essas viagens entre dimensões são possíveis por conta do Firebird, um dispositivo criado pelos pais de Marguerite, cientistas renomados, e seus assistentes cientistas. O problema é que, como a narrativa é feita por Marguerite - que não é cientista, e sim, artista -, ela admite "não entender nada" de como essa tecnologia funciona e... a coisa fica por aí mesmo.
Em diversas passagens a autora usa esse recurso, de fazer a narradora desprezar ou não explicar algo por simplesmente não saber. Achei uma saída bem preguiçosa e ligeiramente decepcionante. Afinal, leitores de sci-fi geralmente costumam ter respostas elucidativas sobre aspectos importantes nos livros - mesmo que sejam absurdos ou completamente viajados.

Por fim, o que me fez não odiar o livro e ainda assim querer ler o terceiro e último volume foi uma certa reviravolta lá no final. Pelo menos isso a autora conseguiu fazer - criou um último gancho que me manteve levemente interessada em ler o último volume.

Mas só consigo dar graças a Deus que só tem mais um livro, porque eu, sinceramente, não vou aguentar muito mais dessa Marguerite...
Gabriel.Oliveira 24/03/2020minha estante
Li a resenha pensando nisso: https://www.youtube.com/watch?v=kRinCyay1kI


Dani do Book Galaxy 24/03/2020minha estante
HAHAHAAHAHAHHAHA
Putz por que não lembrei disso, ia ter deixado a leitura mais divertida aiushauhshuias


Gabriel.Oliveira 25/03/2020minha estante
asdjaskahdah




katinha 05/02/2020

Show!
Resenha: "Dez mil céus sobre você" - Claudia Gray ?

Para Marguerite Caine viajar pelas dimensões agora não é mais tão complicado.
Após ter ido atrás de Paul Markov pelo assassinato do pai dela e, ter descoberto assuntos tridimensionais de grande proporção, ela, além de conhecer outros multiversos, redescobriu sua própria história.

Atualmente tudo está sob controle, inclusive seu relacionamento com Paul, que se desenvolveu através de conflitos na primeira viagem com o Firebird.
Firebird, um objeto criado pelos seus pais, Dr. Henry Caine e Dra. Sophia Kovalenka, cientistas incrivelmente inteligentes, que proporciona ao viajante uma ligação de consciência com suas outras versões do multiverso.

Mas em um piscar de olhos, a vida de Marguerite se transforma em um caos, pois ela atraiu muitos inimigos enquanto estava em universos alternativos. Um deles, Wyatt Conley.

A alma de Paul foi fragmentada em quatro partes. O amigo da família, Theo Beck, foi infectado com um vírus poderoso e fatal chamado Furtanoite.
Agora, Marguerite irá viajar com o Firebird para ajudar Theo a conseguir o antídoto do Furtanoite, e recuperar as quatro partes de Paul espalhadas pelo multiverso; em versões suas que ela nunca conheceu. Nessa viagem ela terá que cumprir a pior das missões: trair a engenhosidade de seus pais com a criação do Firebird em cada dimensão.

Quatro coordenadas vão levá-la ao seu destino, e manter-se viva é indiscutível. "Viajar pelos mundos nos ensina a ter perspectiva. Nos faz dar valor às coisas que temos." .
.
[?#OPINIÃODAKAH?] .
.
Quando li o primeiro livro "Mil pedaços de você", gostei muito de toda a história sobre viagem tridimensional, o próprio Firebird me chamou muito a atenção e, o desenrolar foi perfeito.
Agora nesse segundo livro a trama começou a desenrolar do meio pro final e não me decepcionou, aliás me surpreendeu; principalmente o final.
É uma fantasia incrível e, reflexiva, te fazendo pensar em toda sua personalidade.
O que eu mais gosto é o mix de cenários quando ela viaja para as dimensões. Show!
Ansiosa pelo próximo.
#resenhadodesequilibrio ??
comentários(0)comente



Jheni 30/05/2020

Bom, mas poderia ser melhor.
Bom, mas espera mais. A história é legal, tem alguns capítulos com bastante ação, uma escrita fluida. Mas, no geral, a maioria dos capítulos são lentos e repetitivos, que torna a leitura um pouco cansativa. O final me deixou curiosa para saber o que vai acontecer.
comentários(0)comente



Bruna 25/04/2020

As vezes Marguerite me irrita.
Assim, Só eu acho que ela se perdeu na fronteira do foco e obcessão?
Sei lá, ela parece disposta a esquecer rapidinho outras coisas que deveria ter importância. Paul é importante e tals, mas ela não pensa muito nas coisas que está disposta a fazer pra atingir o tal objetivo de pegar os fragmentos dele. Coisas que ficariam mais óbvias se ela parasse um pouco pra pensar no "e quando eu juntar tudo, que é que acontece com as consequências do que tô fazendo?"
Pensando aqui em ler o terceiro só pra finalizar mesmo a saga.... Mas tipo espero que ela veja melhor o que está fazendo.
Pois já estou ficando bem irritada com ela. :\
comentários(0)comente



Camila 24/06/2016

Resenha: Dez Mil Céus Sobre Você (Por Livros Incríveis)
ATENÇÃO: Por se tratar do segundo livro da trilogia, essa resenha pode conter spoilers do primeiro volume, Mil Pedaços de você. Para ler a resenha do primeiro volume, clique aqui.

Após viajar por inúmeras dimensões com o Firebird para matar Paul Markov, e chamando a atenção de inimigos poderosos - que desejam o Firebird para propósitos errados - ela agora precisa viajar por novas dimensões, desta vez para salvá-lo.
O inimigo fragmentou a alma de Paul em 4 pedaços e os espalhou por 4 diferentes dimensões. A única chance de salvá-lo é sabotando o projeto de seus pais nessas dimensões. Com a ajuda de Theo, Marguerite vai tentar achar um jeito de não precisar realmente destruir o projeto Firebird e ainda assim conseguir os fragmentos. Entretanto, ela descobrirá verdades por trás do jogo sujo que a colocaram, a fazendo até mesmo duvidar da única certeza que achava ter: o amor.

“Na primeira vez que eu viajei para outra dimensão, fui pensando em tirar a vida de alguém. Agora meu plano é salvar uma vida.”

Após ler Mil Pedaços de Você, eu sempre recordo do livro com extremo carinho. Agora, depois de terminar Dez Mil Céus Sobre Você, eu estou em-bas-ba-ca-da. Chocada, atordoada, horrorizada, apaixonada. E querendo A Million Worlds With You pra ontem. (Sim, é uma trilogia e eu descobri isso recentemente. Lá fora o lançamento será em novembro. HARPER COLLINS, lançamento simultâneo aqui, por favor! Nunca te pedi nada!)

Dessa vez, Marguerite Caine está determinada a salvar Paul, mesmo que isso signifique que ela precisa sabotar seus pais nos mundos onde Paul foi fragmentado. Nesse volume, ela precisa ir a uma Itália renascentista, uma São Francisco assolada pela guerra e ao submundo crimonoso em Nova York, enfrentando os mais diferentes perigos.
Gray nos apresenta um novo aspecto da história que criou, mostrando ao leitor universos diferentes, mais perigosos, uma protagonista mais decidida e madura com seus objetivos e isso foi uma das coisas que mais gostei: a autora não fica na mesmice, acrescentando situações originais, envolvendo mais aventura e ação e evoluindo a história para outro patamar, mas sem fazer com que ela perca o sentido.
Novamente pelo ponto de vista da protagonista, sua narrativa é bastante divertida no ínicio, conforme Marguerite vai relembrando dos principais acontecimentos do livro anterior. Não é algo forçado, parecendo um resumo cru no meio da história, e sim uma conversa bem humorada entre personagem e leitor. Se em Mil Pedaços de Você ficávamos tensos com alguns acontecimentos, no ínicio de Dez Mil Céus Sobre Você damos risadas deles. Porém, conforme a história vai passando, a narrativa vai ficando tensa mais uma vez, com situações que surpreendem e fazem bastante pensar, com ritmo acelerado e de perder o fôlego.

O que mais gostei é a reflexão que o livro me trouxe, sobre as escolhas fazerem você ser quem é. Sobre a verdade por trás delas e que cada uma trará um punhado de consequências, boas ou ruins. Marguerite amadureceu bastante no segundo livro, mudando algumas opiniões, continuando com outras e isso foi enriquecedor para a leitura, porque podemos acompanhar seu raciocínio para suas mudanças.
O ponto neutro da história vai pelo que pareceu ser uma “forçação” de triângulo amoroso por parte da autora em determinado ponto do livro. Entendo os motivos de Marguerite para sentir-se insegura, mas ainda achei forçado e desnecessário. Pelo menos é durante poucas passagens, não se prolongando até o fim da obra.

“Nunca entendi como alguém podia se apaixonar por duas pessoas ao mesmo tempo. O coração só canta uma música por vez. Mas o que aprendi é que estar apaixonada não deixa o resto do mundo invisível.”

Se Gray, por um lado, resolveu todas as minhas dúvidas do primeiro volume no segundo, ela também fez questão de me deixar em dúvida sobre mais um milhão de coisas neste. Finalmente descobrimos o que está acontecendo e o porquê de Marguerite ser tão importante para o inimigo, o que confesso, causou um nó na minha cabeça. Precisei reler algumas vezes pra entender o que estava acontecendo, já que mais uma vez, as explicações parecem meio confusas. Quando entendi, me surpreendi, já que nunca imaginei algo parecido, sendo uma explicativa interessante e totalmente plausível. Novamente, espero que minhas dúvidas possam ser sanadas no próximo volume.

Como continuação, Dez Mil Céus Sobre Você é tão bom ou até melhor que o primeiro volume. Com um gancho para o terceiro livro de enlouquecer de curiosidade, mal posso esperar para que o lançamento chegue logo. A trilogia Firebird é divertida, criativa, instigante e viciante. Por isso, se você gosta de sci-fi, romance e ação, esses são o seu tipo de livro. Recomendo-os fevorosamente, e não sabe o que está perdendo se não leu.

“Dez mil céus e um milhão de universos e ainda seria pouco para viver com você. Nada menos do que o para sempre.”

Sobre a Trilogia:
A trilogia Firebird é composta por Mil Pedaços de Você, Dez Mil Céus Sobre Você e A Million Worlds With You (em tradução livre, Um Milhão de Mundos com Você). O terceiro livro terá seu lançamento no exterior no dia 1º de novembro de 2016. Não há previsão de lançamento dele no Brasil.

Leia mais resenhas em:

site: http://porlivrosincriveis.blogspot.com.br/2016/06/resenha-dez-mil-ceus-sobre-voce-claudia.html?m=1
Jazz 20/09/2016minha estante
Ganhei o primeiro em um sorteio do Skoob, ficou semanas na minha estante e eu não tinha a mínima vontade de ler. Até que um dia a internet de casa deu problema... o que fazer? ... fui ler o livro... E ele me surpreendeu, depois daquilo a internet voltou e eu não conseguia soltar o livro por nada. Li em menos de 24 horas. Preciso desse segundo!


Camila 26/09/2016minha estante
Jazz, o segundo também é maravilhoso! Espero que goste tanto quanto gostei




Giovana 03/08/2016

Protect Paul, Theo e as dimensões at all costs
Marguerite Caine é a nossa patroa das viagens interdimensionais, ela não sente os mesmos problemas que outros viajantes e nesse livro ela tem uma outra missão que envolvem essas viagens: resgatar a alma de Paul (a fragmentação da alma se tornou um risco real entre quem viaja) e mais uma outra coisinha.

Ela embarca nessa viagem com Theo e eu só fico batendo palmas com as escolhas das dimensões e as pistas que elas dão sobre o destino de todos os personagens que conhecemos, a dimensão de um tipo de Renascença com gente sendo chamado de bruxa e padres para todos os lados, um mundo em guerra em que todo mundo pode fazer o que quiser, já que pode ser seu último dia de vida e por aí vai.

Um ponto que me incomodou nesse livro foram como que a autora trouxe os flashbacks: já vamos direto para ação e depois que ela faz o favor de nos informar o que ocorreu entre o livro 1 e 2, isso me fez demorar para engatar na história e depois é só amor e uma leitura bem dinâmica, pois só precisamos entender como é a nova dimensão, pois os personagens são os mesmos.

Dessa vez não teve uma dimensão específica que me fez sofrer demais, tem seus momentos de dor com o trio viajante e problemas bem sérios rolando envolvendo o vilão da história, que eu só fiquei me perguntando se dá pra finalizar mesmo no livro 3, pois tem muito o que trabalhar seguindo os rumos que surgiram nesse livro.

Não entendo ter uma galera reclamar tanto do nível de romance da trilogia Firebird, já que os títulos são sugestivos: Mil Pedaços de Você, Dez Mil Céus Sobre Você. O triângulo amoroso permanece por conta de evidências do destino sendo sacana em uma dimensão, mas várias outras evidências deixam claro que o OTP já está consolidado.

Sobre os personagens eu gostei muito do "acorda para o que aconteceu/está acontecendo" e pense antes de agir da Marguerite, a taxa de acreditar em tudo que dizem para ela caiu um bom tanto, o quanto amigo para todas as horas que é o Theo nesse livro, e a capacidade do Paul ser apaixonante (a sua maneira) em cada dimensão.

Permaneço firme e forte no meu amor por essa trilogia, essas capas sambam de um nível escola de samba na Sapucaí e não canso de admirar o leque de possibilidades que as dimensões podem ser.

site: http://deiumjeito.blogspot.com.br/2016/08/livros-dez-mil-ceus-sobre-voce-claudia.html
comentários(0)comente



Mônica 01/06/2020

Marguerite realmente irrita
Esperava muito mais desse livro, não que seja ruim, mas podia ter sido muito melhor trabalhado pela autora.
A personagem principal incomoda muitas vezes pelas atitudes que ela toma.
Ramon.Jung 02/06/2020minha estante
Eeita!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Juliana Leite 16/06/2020

Li o primeiro livro dessa série há um tempo e esqueci grande parte dele, mas a premissa é ótima e eu adorei poder continuar. É interessante pensar sobre essa ideia de multiverso e ver possibilidades de outros ?mundos? e tantas outras versões dela mesma e das pessoas que são importantes pra ela.
comentários(0)comente



Luiza Helena (@balaiodebabados) 14/02/2019

Originalmente postada em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/
Enquanto Mil Pedaços de Você foi um início mediano da trilogia, Dez Mil Céus Sobre Você já foi uma continuação que não caiu na maldição do segundo livro e mostrou que a história tem realmente potencial.

Diferente do livro anterior, a autora deixou um pouco de lado a questão do romance e focou na questão das viagens dimensionais e multiverso. Apesar do fato de Marguerite sair pulando de dimensão em dimensão atrás dos pedaços da alma do seu amado Paul, o que repete um pouco o livro anterior, aqui foi focado mais na questão das consequências das viagens e os planos da Tríade para o Firebird.

Marguerite nesse livro está um pouco menos impulsiva em suas ações. Para salvar Paul e Theo, ela faz um acordo com a Tríade, mas ainda assim ela procura alguns furos neste acordo para que ela realmente não precise prejudicar ninguém nas outras dimensões. Ela ainda dá umas escorregadas em certos momentos (porque nenhuma protagonista YA é perfeita),mas ela deu uma melhorada se comparada com o livro anterior.

Se no livro passado, Paul tomou todo o destaque para ele, aqui quem fica com o papel é Theo. Apesar de seus sentimentos por Marguerite, sua amizade com Paul é mais importante e ele ajuda a viajante perfeita a catar os pedaços da alma do seu amigo por aí. São nessas viagens que conhecemos melhor o Theo da dimensão da Marguerite; um cara que usa o charme para mascarar seus medos e inseguranças. Nesse livro ele me conquistou ao se mostrar um verdadeiro amigo a Marguerite: chamando sua atenção quando o babado engrossa ao mesmo tempo que se mostra disposto a ajudá-la no que for preciso para salvar Paul.

Nesse livro, a autora foca em dois detalhes que achei dar um toque a mais em toda essa questão de multiverso. O primeiro são as consequências das viagens. Por mais que Marguerite tente não atrapalhar a vida das suas eus em outras dimensões, de certa forma suas atitudes vão deixar alguma marca ou rastro, como ela descobre da pior forma possível.

Outro detalhe é o fato de que, mesmo que a essência da personalidade seja a mesma em qualquer dimensão, sempre há um detalhe que nos torna único em cada multiverso. De primeira, esse detalhe abalou Marguerite que ela preferiu fugir a enfrentar, mas depois de uma chacoalhada de Theo, ela percebe que isso não significa que possa acontecer em sua dimensão. Ou seja, por mais que sejamos iguais fisicamente e na personalidade, cada dimensão do multiverso contém uma versão diferente.

E quando você pensa que sabe o caminho que Claudia está traçando a história, ela manda um “errou otário”. Quando os verdadeiros planos de Conley e da Tríade são revelados, eu fiquei bem de boca aberta com o plot twist. O final também foi algo que eu não vi chegando e me deixou bastante ansiosa para ler Um Milhão de Mundos com Você. Algo é certo: o que a autora peca em alguns detalhes da história, ela acerta nos plot twists.

Com um gancho para finalizar a trilogia, Claudia Gray conseguiu corrigir alguns erros do primeiro livro. Só espero que a conclusão não me decepcione.

site: https://balaiodebabados.blogspot.com/2019/02/resenha-358-dez-mil-ceus-sobre-voce.html
comentários(0)comente



Evie 02/06/2020

Sem a protagonista, o livro seria bem melhor
A Marguerite simplesmente não sabe a hora de parar de procurar por coisas bestas e sem sentido. Por exemplo, para que dar uma voltinha no universo dos pais malignos dela? Acho que não era hora certa, especialmente porque ela já tinha o que tanto queria: as coordenadas do Paul. Falando nisso, ela fica muito focada e nunca tem olhos para outra coisa que não seja o que apenas ELA acha a melhor solução para os problemas; a garota já tinha feito isso no outro livros tentando matar o Paul sem nem ao menos saber se era mesmo ele o assassino!
O que mais me irritou no livro foi essa ideia dela de que todo mundo igual nas outras dimensões e tem a mesma alma. LÓGICO QUE NÃO. Ela ficou tão crente nessa ideia que ficou até traumatizada quando o Paul da outra dimensão deu tiros nas pernas do Theo.
Bem... o livro até que é bem divertido e é legal ver como as dimensões funcionam. O final me deixou curiosa e (sabendo que provavelmente vou me decepcionar) espero que o ultimo livro seja melhor que o segundo.
comentários(0)comente



Indyra Araujo 08/08/2017

Surpreendeu mais do que o esperado
A história veio de uma forma bem forte e gritante de tanta informação e dúvidas, do começo até o fim houveram momentos incríveis além de encontros que me deixaram bem curiosa e tiraram boas gargalhadas. Momentos onde você observa e realmente lhe ocorre uma tristeza simultânea com alguns personagens não só o Theo, Paul ou May.
O livro boi bem melhor que o segundo maaaaaaaaaas o final foi bem comun sem nada muito novo mesmo assim o desenvolvimento foi simplesmente o melhor dos três livros.
comentários(0)comente



Fabi 07/02/2018

DOIDO E EMPOLGANTE
''Aprendemos nesse meio- tempo que as pessoas cruzam nosso caminho em muitas dimensões, e que não importa o quão diferentes os mundos sejam, o destino sempre nos aproxima.''

Na primeira vez que Marguerite viajou para outras dimensões, foi para matar Paul. Dessa vez, é para salvá-lo.
Três meses depois da nossa protagonista ter voltado para casa e todos estarem felizes, Theo começa a passar mal. O motivo é que após o espião ter usado durante um tempo o Furtanoite, Theo esta sofrendo os efeitos desse uso.
Paul decide que irá viajar para outra dimensão, com o intuito de encontrar uma cura para o amigo. Mas seus planos darão errado, pois a alma dele será fragmentada em 4 dimensões por Wyatt Conley.
Marguerite vendo que Paul não retorna para o seu mundo, decide ver o que aconteceu. Ela e Theo, que, aliás, será a primeira viagem dele para outra dimensão.
E qual será sua surpresa ao saber o que Conley fez com Paul e ainda mais o que ela terá que fazer para conseguir reunir todas as partes dele novamente e como também salvar Theo.
Em outras duas dimensões no multiverso os pais de Marguerite estão muito próximos de desenvolver a tecnologia Firebird. E Wyatt Conley quer que ela sabote esses planos.
Para ter Paul inteiro novamente, ela terá que trair os próprios pais.
Sem outra escolha, Marguerite aceita e assim ela inicia a jornada de viajar nessas dimensões em busca de seu amado.
A única certeza que ela sempre teve é sobre seu amor por Paul. Ela acredita que em qualquer dimensão seus destinos estão ligados, que os dois se amam.
Porém, na busca para salvá-lo, ela se verá em uma dúvida que ela jamais pensou que poderia vir à tona: será que os dois realmente estão destinados a ficar juntos? Será que se amam de verdade?
Gente, desde o livro anterior quando Paul entra em cena, eu torci por ele. Mas neste livro, me balancei sim pelo Theo.
Tadinho, ama a Marguerite tanto quanto o Paul e ver sua amada amando outro deve ser difícil. O legal desta trilogia, é que todos são amigos e Theo não estraga essa amizade lutando pela garota. Ele simplesmente fica ali amando ela, mas com o pensamento que se não é ele o escolhido da Marguerite, pessoa melhor não há que o Paul. Palmas para a atitude desse cara!
Há e não poderiam faltar surpresas neste livro. Nem da para você adivinhar quem está por trás da Tríade. =O
E o final claro que te deixa ansioso pela continuação.
Concluindo, achei este livro ainda mais instigante que o outro. Aqui sabemos mais sobre dimensões e tal. Entendemos mais essa coisa doida e empolgante.
Vi-me devorando cada página. Como disse antes, esta história é aquela que você pode não estar entendendo muito bem, mas que te deixa curiosa para continuar lendo!
#VãoLer =)

''Dez mil céus e um milhão de universos e ainda seria pouco para viver com você. Nada menos que o para sempre.''

''Nunca entendi como alguém podia se apaixonar por duas pessoas ao mesmo tempo. O coração só canta uma música por vez. Mas o que aprendi é que estar apaixonada não deixa o resto do mundo invisível.''
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3