Um Estudo em Vermelho

Um Estudo em Vermelho Sir Arthur Conan Doyle
Sir Arthur Conan Doyle




Resenhas - Um Estudo Em Vermelho


340 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |


Beca 22/11/2015

Amoo muito tudo isso! #SherlockForever
Até que enfim eu li uma obra sobre Sherlock Holmes!
Quando eu terminei de ler esse livro me perguntei - Por quê raios eu não li nada de Arthur Doyle antes? Só Deus sabe o porquê! Mas enfim, vamos falar desse clássico maravilhoso!
Este livro, Um estudo em vermelho, é o primeiro livro narrado pelo Dr. Watson sobre o momento em que conheceu o digníssimo Sherlock Holmes :*
Esta obra narra como eles se encontraram e o porquê de terem ido morar juntos dividindo um apartamento. Watson é um médico que atuou na guerra do Afeganistão (se não me engano) e a história começa na sua chegada em Londres após fim da sua missão. Quando chega logo encontra por acaso um amigo, antigo assistente de laboratório. Esse amigo cumprimenta Watson e se senta com ele para bater um papo. No decorrer da conversa, Watson reclama de sua pensão ser escassa para continuar pagando o hotel em que estava hospedado (ele retornou da guerra ferido e, portanto, estava desempregado e vivendo sob os "cuidados" do Estado) e de precisar de alguém com quem dividir as despesas de um apartamento. Imediatamente o amigo de Watson lembra de que naquela mesma manhã o "pseudo-químico" (porque aparentemente o homem não era formado em medicina nem em química) do laboratório do hospital havia comentado que precisava dividir o aluguel para poupar despesas. De imediato o amigo decide apresentá-los. E é assim que Watson conhece Holmes. Sherlock faz uma surpreendente e repentina observação de Watson ter passado um tempo no Afeganistão, o que deixa Watson bastante emprisionado. Logo combinam de irem conhecer o apartamento e só. Tudo, é claro, pautado por um mistério envolvendo a personalidade de Holmes. Watson passa a ser movido pelo desejo de entender como a mente de Holmes funciona e como ele aplicava as suas descobertas científicas em um caso prático. É assim que quando o corpo de um homem é descoberto em circunstâncias misteriosas parecem paralisar os demais investigadores que Sherlock entra em cena e convida Watson a ajudá-lo. Com o decorrer do tempo, o detetive prova ser tão inteligente que aos poucos Watson vai enxergando além da arrogância de Holmes e passa a admirar a inteligência desse homem possuidor de uma incrível percepção. Super recomendo esse livro e a série de Tv cujo o nome é simplesmente "Sherlock". Essa série mostra a atuação de Sherlock com Watson resolvendo casos, porém no século XXI onde eles usufruem de toda tecnologia disponibiliza nos dias de hoje.

site: http://wwppwork.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Naty 02/02/2016

Flui muito bem, mas esperava mais.
Esse é o livro no qual Watson, o médico ex integrante de uma brigada de médicos do Afeganistão, conhece Sherlock Holmes e se torna seu colega de quarto.
No meio disso tudo, Watson acaba conhecendo um pouco mais desse homem excêntrico que é Sherlock Holmes e um crime muito estranho acontece o qual intriga dois importantes oficiais da polícia. Esses oficiais acabam pedindo ajuda a Sherlock por saber de sua facilidade em resolver casos criminais.
E é assim que tudo começa. O livro é pequeno e seu desenrolar é fácil de acompanhar, mas a fluidez de pensamentos de Sherlock é muito rápida e quando se encontra o acusado eu ainda nem tinha especulado muito coisa sobre o caso.
Um teoria de Holmes foi muito interessante. A de que a mente é um quarto no qual guardamos as coisas, então, segundo ele, não devemos encher esse quarto de coisas fúteis e sem necessidade prática, ao invés disso, se concentrar no que é estritamente necessário.
é muito engraçada a parte e que ele fala dessa teoria. Achei bem engenhosa!
Mas pela falta de um ambiente em que houvesse necessariamente acusados, eu deixei a história fluir e acabei não achando muita graça no caso em si.
Quanto ao personagem de Sherlock, pensei que o leitor acompanharia seu raciocínio, mas quem conta a história é Watson, então, suas descobertas vem de supetão e só depois entendemos o raciocínio.
Não posso negar que Holmes é engenhoso, mas como personagem n~~ao foi tudo que eu esperava. Além de se achar muito, ele consegue explicar seu raciocínio de uma forma a parecer tão fácil que é difícil saber se devemos o chamar de inteligentíssimo ou achar que talvez n~~ao seja t~~ao difícil assim.
Pretendo ler outros livros do Arthur Conan Doyle, pois sua obra não se resume a esse livro, mas realmente queria algo mais envolvente para o leitor. Uma história na qual o leitor possa supor algo mais palpável ou, pelo menos, ter um número limitados de suspeitos. Acho que, até agora, prefiro Agatha Christie.
Mas é uma leitura que flui tão rápido que realmente não custa nada apreciar. Tomara que, no próximo livro dele que eu ler, eu me envolva mais na história ou seja mais perspicaz. Talvez um pouco mais como o próprio Sherlock Holmes
comentários(0)comente



Daniel Rolim 04/08/2010

Ótimo começo para o mundo sherlockiano
Um misterioso assassinato dá início a uma trama que envolve vingança, mórmons, amores impossíveis e, como se não bastasse, uma disputa entre detetives da Scotland Yard e Mr. Sherlock Holmes, visando à solução do crime.
Assim, será novamente testado o método sherlockiano de investigação, técnica esta baseada mais na experiência e na apuração dos mínimos detalhes e particularidades que envolvem cada caso, do que na simples intuição e dedução, usadas, por exemplo, por C. Auguste Dupin, o famoso personagem de Edgar Allan Poe.
Ao final, apesar da confirmação da excelência do trabalho idealizado por Holmes, temos que todo o mérito pela captura do infrator fica com os homens da agência de investigação estatal inglesa, o que não tira ,de modo algum, o gosto do mais famoso detetive da história por novos acontecimentos sem explicação.
Enfim, este livro é um ótimo veículo para quem deseja adentrar ao fantástico mundo criado por Sir Arthur Conan Doyle, repleto de fãs pelo mundo até os dias de hoje.
comentários(0)comente



Kellen_16 27/06/2009

Livro que toda a humanidade deveria ler.
Todos os livros dessa série de 7 publicada pelo Círculo do Livro, deveriam ser lidos por todas as pessoas. É uma emoção tão grande quando se lê as histórias do Sir Conan Doyle, que chega ser quase impossível descrever as sensações que senti. Dos 5 que já li, não tem como dizer qual é o melhor, mas Um estudo em vermelho é excessivamente maravilhoso. Daria todos os meus livros em troca deste, pois não o possuo, consegui ler pela biblioteca do meu colegio. Enfim... São os meus livros preferidos e as histórias mais fantásticas e deslumbrantes que eu poderia encontrar perante os meus olhos.
comentários(0)comente



Rafa 02/10/2010

Sherlock Holmes
Sem dúvida ele é um excelente detetive. Observador nato. Detalhista. Parte integrante da classe dos químicos!

O que achei legal neste livro é que ele é narrado por Dr. Watson. Eles viram colegas de quarto e Watson descreve o mistério de um assassinato em Londres através da dua vivência com Sherlock.

A interligação dos fatos é muito boa. A estória é muito inteligente. 0 primeiro 1/3 do livro fala do assassinato em si. O segundo 1/3 conta a histório do assassino. E o 1/3 final é o desfecho, onde podemos entender o porque do crime.

Mais uma vez digo: muito inteligente. Sherlock é um estudioso de detalhes e possui uma velocidade de interligação de fatos surpreendente.

Vale muito a pena ler... Com certeza vou ler todos os outros livros desta série.
comentários(0)comente



Fahh Barbosa 12/07/2014

Um estudo elementar
Como simplesmente descrever um livro capaz de encaixar pequenos pontos capazes de elucidar um caso e ao mesmo tempo se modesto de não receber quaisquer elogios ou fama por seu trabalho.
"Um estudo em vermelho" considero por mim uma linguagem simples, mas com um contexto complexo e por isso me senti como detetive até algo mas outrora não,como o mais famoso detetive responde a seu fiel parceiro "Elementar, meu caro Watson."
comentários(0)comente



@LeitorAlbino 29/11/2017

Em um resumo muito breve: o início das aventuras do Sherlock Holmes e do Watson.

Não vou me estender com uma resenha, mas o negócio é que eu esperava mais. E esse mais caberia a um romance melhor planejado? (digamos assim). O livro é dividido em duas parte, na primeira dela a gente acompanha como foi que a vida do Sherlock e do Watson se encontraram e a investigação do caso, o negócio é que a revelação de quem é culpado só vem no fim da segunda parte, logo após uma longa história sobre o porquê de ter acontecido aquele crime, e, sinceramente, embora tenha sido algo bem bolado e explicado bem bonitinho: não era necessário dar tantos detalhes assim.

Fora isso, o meu outro problema foi com o Sherlock: um personagem quase que insuportável. Não é que eu não goste dele, ainda o amo e o acho incrível, mas nesse primeiro livro ele simplesmente não me desceu muito bem. Sempre vai ser impressionante o fato dele adivinha que as cinzas de um cigarro X são de uma marca Y, ou que uma pegada A pertença a um sapato B só de observar a olho nu r que ela foi deixada ali numa hora C, mas a falta de explicação disso . Foi uma leitura arrastada embora com uma narrativa muito boa do Doyle.

site: https://www.instagram.com/p/BcCU7zegm4E/
comentários(0)comente



HARRY BOSCH 10/03/2016

Meu caro...
É uma otima historia,muito bem elaborada,na qual não deixa pista nenhuma para o leitor....
comentários(0)comente



PH 20/01/2016

Fantástico
Se você está acostumado a ler as pobres ficções que são produzidas na última década - raras exceções -, você precisa ler este livro para renovar sua fé na humanidade. É simplesmente fascinante!
comentários(0)comente



Sil 12/05/2016

O PRIMEIRO CASO DE SHERLOCK
Olá,
todo mundo conhece, ou ao menos já ouviu falar em Sherlock Holmes, correto? O detetive, que tem profundos conhecimentos sobre química, e desvenda casos mirabolantes, através de suas deduções, impossíveis para uma pessoa comum. Escrito por Arthur Conan Doyle, seu primeiro caso se chama Um estudo em vermelho, que é também a história, onde ele conhece o seu futuro fiel amigo, Dr. Watson.

Na história, um homem é encontrado morto, sem ferimentos e cercado de manchas de sangue. A polícia não tem nenhuma ideia do que possa ter acontecido, e resolve pedir ajuda á Holmes. Logo ficamos sabendo de algumas deduções, e da captura inesperada do assassino, essas porém, são apresentadas pela polícia. Após isso, conhecemos os Mórmons na zona rural dos Estados Unidos. No final do livro, o Dr. Watson nos narra o desfecho genial do caso, e ficamos sabendo da explicação de Sherlock Holmes.

Um livro com uma narrativa intrigante e surpreendente. Jamais teria chego naquelas conclusões, Sherlock Holmes é genial!

Leiam esse livro :)

site: http://www.colunadovale.com.br/o-primeiro-caso-de-sherlock/
comentários(0)comente



Deh Rangel 22/03/2014

O incrível mundo de Sherlock Holmes
Parte do Desafio Skoob 2014, escolhi a primeira (e minha primeira) história de Sherlock Holmes para o suspense/policial do mês de março. O livro me surpreendeu muito positivamente, não tanto pela história em si, mas por toda a estrutura, construção de personagens, trama e ambientes e posicionamento crítico claro do autor.

Nesse romance de apresentação de um dos mais famosos detetives do mundo, o autor Arthur Conan Doyle forma uma das parcerias mais certas de toda a história: Sherlock Holmes e Watson. Estando estes procurando alguém pra dividir um apartamento e, consequentemente, as despesas, são apresentados por um amigo em comum e prontamente se mudam para a Baker Street 221B, onde, logo nos primeiros dias, Sherlock Holmes é procurado por dois detetives para auxiliá-los em um crime com características muito estranhas.

A primeira parte do livro é reservada à solução desse crime. É aí que conhecemos as características peculiares de Sherlock, que utiliza-se do método dedutivo para resolver mistérios. Achei isso incrível, acredito que fortemente influenciada pelo meu gosto por matemática. Através de pura lógica e grande poder de observação, Sherlock junta todas as pistas que encontra e, rapidamente, tira conclusões certeiras. Exagerado? Não achei. A uso da lógica, quando dominado, realmente nos leva a resultados, se não 100% certos, bem perto disso. Olha aí a matemática e a influência de Sherlock falando xD Mas é de fato admirável, como diria Watson, a maneira como o autor coloca isso.
Mas não apenas nisso o detetive difere do padrão de seus colegas de profissão (e de vida). Sua personalidade é também um tanto distinta. Variações bruscas de humor, pausas repentinas, longos períodos de introspecção, entre outros, tornam esse personagem extremamente intrigante.

Já a segunda parte do livro parece outra história. Na verdade, não deixa de ser. Conta, com precisão histórica incrível pelo que pesquisei sobre o assunto, a fundação da cidade de Salt Lake City, Utah, EUA, que tem ligação com o criminoso da vez. O começo dessa parte foi devagar, mas, conforme se conectava à primeira, acelerou a leitura de novo.

Em meio a tudo isso, o autor deixa claro seu posicionamento perante diversos assuntos, como política e religião.

Eu li a versão comentada. Deixei pra ler as notas depois do romance para não perder o ritmo e aí minha admiração pela obra aumentou ainda mais! É impressionante a quantidade de pessoas que se dedicam a estudar as obras de Sherlock Holmes. Mais impressionante ainda é sentir, através dos comentários, que Sherlock e Watson foram pessoas reais e que, aparentemente, muitas pessoas de fato acreditam nisso!! Loucura? Não da forma como Conan Doyle escreveu seus contos e romances. Cada detalhe, cada lugar, cada fato histórico, com exceção de pouquíssimos, realmente existiram. Não tem nem como explicar essa ligação com a realidade. Só digo que vale a pena ler. E não se surpreenda se tiver vontade de ler muitas outras histórias de Sherlock Holmes e pesquisar sobre diversos assuntos abordados nelas =)
comentários(0)comente



Paulo.Joao 08/11/2018

O detetive e seu parceiro
um estudo vermelho é o primeiro livro da saga de Sherlock Holmes, conta a história do ex doutor do exército John Watson, que vive aventuras com seu novo amigo Sherlock, uma pessoa com costumes diferentes e bastante inteligentes. John acabava de voltar da guerra, ele precisava de um lugar para morar em Londres, mas sem dinheiro não tinha o que fazer, sorte que Watson encontra um velho amigo, que o apresenta a uma outra pessoa na mesma situação, esse era Sherlock, juntos eles decidem dividir uma casa, a casa 221B da Baker Street, durante os primeiros dias em que viviam juntos, Watson estranhava os costumes estranhos de sherlock que parecia ser uma pessoa muito solitária e sem amigos, mas o colega recebia diversas visitas na semana do oficial da policia Lestrade, John então descobre que Sherlock trabalha como detetive particular e oferece ajuda a policia em casos, isso esclarecia seus comportamentos estranhos e como ele conseguia deduzir as coisas tão rápido, com o tempo Sherlock e Watson se aproximavam mais, o detetive se sentia entediado com os casos que recebia ele queria casos grandes e misteriosos que seria m um desafio para ele, certo dia Lestrade fala para Sherlock sobre um caso de uma onda de suicídios em Londres, que eram muito suspeitos e se pareciam mais com assassinatos, Sherlock se sente atraído com o caso e pede ajuda do dr Watson para resolver, então com um corpo ao lado de uma mensagem em sangue na parede, marcas de pneus e Londres inteira para investigar, o detetive Sherlock Holmes e o dr John Watson, iniciam uma grande aventura e amizade para desvendar crimes e mistérios.
Paulo.Joao 08/11/2018minha estante
recomendo para o público adolescente para quem gosta de mistérios




Nádia 21/07/2011

Caindo em Conan Doyle
Quem nunca ouviu flar de Sherlock Holmes? O amado detetive e seu fiel companheiro Dr. Waston?
A verdade, é que pare se conhecer a fundo esses personagens deve-se ler o primeiro livro em que eles aparecem e que é nada mais que o início dessa estranha amizade.
Dr. Watson é um médico que trabalhou na guerra e que sofreu muito durante esse período de sua vida, adquirindo uma doença e uma saúde fraca,e sendo assim forçado a se retirar das linhas de combate e a passando a ganhar uma pensão rala do Estado para se manter até se recuperar.
Watson é um pouco boemio, e logo gasta mais dinheiro do que deve, assim precisa sair do hotel em que se encontra hospedado para viver num lugar mais em conta, e assím, pergunta a um colega seu de Hospital se ele conheçe alguém que gostaria de dividir alguns cômodos.
É aí que entra Sherlock Holmes. O amigo, meio a contra-gosto fala que Holmes havia feito a mesma pergunta logo cedo, mas ao ver a empolgação de Watson ele começa a discorrer sobre as várias excentricidades de Holmes.
O curioso Watson não vê problemas nisso e logo se impressiona com a capacidade dedutiva de Holmes mas não sem achá-lo um tanto excêntrico. Chegando até em determinado ponto a fazer pouco caso de suas habilidades (embora ele não soubesse que estava criticando Holmes diretamente).
Mas logo Holmes se torna mais que um colega e passa a ser um objeto de estudo. Watson chega a tentar listar os conhecimentos bizarros de Holmes, e fica completamente pasmo ao descobrir que Holmes não sabia que a Terra girava e torno do Sol ou qual a constituição do Sistema Solar.
Absorto em seu novo hobby (observar Holmes), ele acaba se envolvendo num caso entranho que a Scotland Yard não consegue sequer começar a solucionar.
O caso é um assassinato em que o morto se encontra estirado no chão de uma casa vazia, há mto sangue, porém não é do morto e não há sinais de luta grave na qual o morto ou o agressor tenham se machucado, há também a palavra alemã RACHE escrita em sangue na parede e uma aliança dourada de mulher.
Holmes realiza toda a investigação sozinho, ou melhor dizendo, com a ajuda de seus detetives-mirins, os garotos de rua.
O mais intrigante é que nós leitores não conseguimos ligar uma coisa com outra ou sequer entender de onde vieram as deduções de Holmes até que ele as explique, e ele não faz isso com frequência.
Essa é toda a primeria parte do livro.
A Segunda é a história que levou ao crime. Toda a história desde o começo, até o momento em que estão frante a frente, Holmes, Watson e o criminoso.
A livro é fantastico, o estilo de escrita é leve, e se você tiver um pouco de tempo, é possível lê-lo em um dia.
Eu particularmente não o fiz....Mas isso não vem ao caso.
Sobre o tipo de romance policial, ele se enquadra perfeitamente no que é chamado pelos estudiosos de Romance Policial de Enigma.
Que é caracterizado pela história contada em 1ª pessoa por alguém próximo ao detetive, o detetive nunca sofre perigos e nós não nos envolvemos emocionalmente com nenhum personagem, pois não há exploração da área emocional.
Todos os fatos são observados objetivamente. E há a questão temporal, ou seja, o foco do livro é a investigação pós-crime, onde o crime é constituído apenas por lembranças e não como algo que ocorre no mesmo tempo da história.
Eu recomendo à todos que gostem de romance policial em seu estilo mais puro e à todos que estejam começando a criar o gosto pela leitura. É um livro leve e de fácil compreensão.
comentários(0)comente



Fabio Shiva 02/12/2011

“No ano de 1878 eu me formei em Medicina pela Universidade de Londres.”

Com essa frase começa a primeira aventura de um dos mais famosos (se não o mais) personagem de ficção de todos os tempos: Sherlock Holmes!

Foi emocionante retornar aos primeiros dias da amizade entre o Dr. John Watson e o grande detetive. Muito interessante observar o quanto já estão presentes as principais características do romance policial, que é mais ou menos inaugurado com “Um Estudo em Vermelho” (dada a honrosa primazia para Allan Poe e seu detetive Dupin, além de outros precursores de menor expressão).

Igualmente interessante foi ver o quanto a narrativa ainda está distante do padrão que se tornaria o romance policial “clássico”. Curiosamente, o formato adotado aqui por Conan Doyle foi utilizado por escritores contemporâneos, como forma de inovar o estilo! Refiro-me à interrupção da trama principal (o detetive e suas investigações) para a inserção da trama secundária que irá fornecer a explicação e o contexto da primeira. Um dos que tem usado esse recurso é o Rubem Fonseca!

Não lembrava o tema dessa trama secundária: mórmons nos Estados Unidos, seitas secretas, poligamia... deve ter sido bem mais forte na época da publicação. Hoje impressiona pela atenção de Conan Doyle ter sido atraída por esse grupo, e pela pista: o tema das sociedades secretas foi um dos prediletos do autor.

Holmes aqui é quase que rascunhado e aparece relativamente pouco na história. Ainda assim, suas principais características já estão presentes.

(31.10.11)


Comunidade Resenhas Literárias

Aproveito para convidar todos a conhecerem a comunidade Resenhas Literárias, um espaço agradável para troca de ideias e experiências sobre livros:
.
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=36063717
*
http://www.comunidaderesenhasliterarias.blogspot.com/
*
http://www.facebook.com/groups/210356992365271/

comentários(0)comente



Sr.Holmes 14/08/2010

O estudo em vermelho
Esse livro é um pouco chato e meio confuso,o mistério é interessante,porém comparado com os demais da série sherlock holmes,tem melhores.O começo do livro é a melhor parte,pois mostra como Dr. Watson e Sherlock Holmes se conheceram,e como foi a vida de Watson antes de Sherlock,mostra todas as manias e as excentricidades de Holmes,e como Watson no começo lidava com isso.Para aqueles que querem saber o começo da maior e mais conhecida parceria.
comentários(0)comente



340 encontrados | exibindo 16 a 31
2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 |