O navio das noivas

O navio das noivas Jojo Moyes




Resenhas - O navio das noivas


69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Dai 17/06/2018

O Navio das Noivas é um romance de Jojo Moyes com publicação em 2005 e reedição em 2016 pela editora Intrínseca.
SOBRE A OBRA
Em tempos de guerra era comum casar-se rapidamente e enquanto os maridos partiam, suas esposas ficavam aflitas esperando que tudo terminasse para poderem enfim, viver junto aos seus amados homens. Quando a guerra finalmente acabou, as mulheres aproveitavam todas as chances de irem ao encontro de seus amados em outro continente. Uma dessas oportunidades surgiu quando o capitão do navio HMS Victorious, um navio de carga de aviões, enviou comunicados às mais de 650 esposas da Austrália para que seguissem viagem em seu navio rumo a Europa.

É claro que o HMS Victorious teve que ser adaptado para receber tantas mulheres a bordo. E mesmo tendo um ótimo capitão, a situação era bastante precária. Existiam hora para o banho e hora para comer. As mulheres eram separadas dos homens, e cada uma ficava em uma cabine com mais três esposas. Margaret está grávida e até então vivia com o pai e os irmãos em uma fazenda no interior. Ela é aquela que ouve o problema de todos, apoia e ajuda quem precisa, a mãezona do nosso quarteto.

“Porque não podemos ter passado por tudo isso em vão, não é mesmo? Vamos fazer com que tudo dê certo.”

Avice é da alta sociedade, mesquinha e arrogante não aceita ter que viajar ao meio de tanta gente, porém é a única maneira que ela tem no momento de encontrar o marido. Jean é a caçula, com apenas 16 anos ela já está casada. No entanto, sua juventude está a flor da pele, e ela vive azarando todos os homens a bordo. Bebe e fuma e não se preocupa com nada. Frances é enfermeira, cuidou dos feridos na guerra e de todas, a mais fechada. Guarda muitos segredos e não gosta muito de conversar com ninguém, mas está sempre disposta a ajudar. Aqui, vamos acompanhar a viagem dessas 4 mulheres completamente diferentes entre si, mas que o destino resolveu juntar em forma de uma linda amizade.
MINHA OPINIÃO
Terminada a segunda guerra mundial, 1946, muitas mulheres na Austrália saíram em busca de seus maridos, oficiais ingleses, na Inglaterra. Mais de seiscentas e cinquenta dessas esposas embarcaram no HMS Victorius, um navio de carga de aviões. E junto com toda a tripulação, somando mais de mil e cem homens, em uma viagem que durou seis semanas, seguiram rumo a Inglaterra. Uma dessas esposas era a avó de Jojo Moyes, e como uma forma de homenageá-la e também a todas as mulheres presentes nesse navio, JoJo criou O Navio das Noivas.

Moyes é de longe minha autora de romance favorita, seus livros são sempre emocionantes e com um toque de realidade. Esse em especial se tornou o meu preferido da autora até o momento.

Aqui  acompanhamos a vida de vários personagens que são completamente diversificadas entre si (o rico, o pobre, a mocinha, a irresponsável, a responsável), e a cada página observamos a construção da amizade. Como essas noivas vão sendo uma o alicerce da outra, em todas as situações possíveis dentro de um navio, onde você não está perto de seus familiares e tem que conviver com desconhecidos rumo a algo incerto.

Algumas delas casaram-se tão rápido que mal conheciam os noivos, sendo assim, era comum receberem telegramas na viagem avisando que não eram bem vindas. Eram, então, obrigadas a deixar o navio na primeira oportunidade e voltar para casa, totalmente arrasadas e de certa forma humilhadas.

“ Não digo isso com a intenção de machucar você. Sei que éramos jovens demais quando nos casamos, e talvez se pelo menos a guerra não tivesse estourado naquele momento… Enfim, como nós dois sabemos, o mundo hoje está cheio de 'se pelo menos'…”

Todo o inicio de capitulo, Jojo coloca como introdução trechos de artigos de jornais da época, relatando fatos reais que essas jovens esposas enfrentaram para chegar até seus amados esposos. Temos assim uma leitura bastante estimulante, que intercala realidade e ficção. O prólogo e o epílogo do livro são narrados em primeira pessoa por uma senhora nos dias atuais, que em uma viagem com a neta, acaba por encontrando em uma espécie de “desmanche”, o HMS Victorius. Já todo o miolo da história é narrado em terceira pessoa do ponto de vista de nossas 4 personagens principais, o capitão do navio e também por um dos fuzileiros.

Toda essa dinâmica na escrita, amarrada às palavras doces da autora, deixam a história fluida e difícil de largar. No meio de toda essa narrativa cheia de sentimentos, se torna quase impossível escolher uma personagem favorita, pois até mesmo pelas “chatas” eu me compadeci em algum momento.

“Agora é possível entender porque os soldados respeitam mulheres de uniforme. Elas conquistaram o direito ao respeito máximo. Quando alguém vir uma mulher vestindo um uniforme cáqui ou no tom azul da Força Aérea com uma fita na túnica, deve lembrar que ela não conseguiu isso apenas tricotando mais meias do que as outras pessoas em um concurso em Ipswich.”

Jean, tão novinha sem conhecimento nenhum do que é a vida, já casada e recheada de problemas, não é a toa que faz tantas besteiras. Margaret perdeu a mãe cedo, vive com o pai e os irmãos, teve que ser a mãezona de todos e acredito que tenha sido a história que mais me emocionou. Mas com certeza foi Francis quem mais me intrigou. Com seu jeito todo discreto, tudo o que sabemos sobre ela é que é enfermeira e trabalhou na guerra. Frances carrega muitos segredos, e a medida que eles vão se revelando, é surpreendente.
O livro está cheio de mensagens bonitas, e indico com certeza se você gosta de uma história bem escrita, baseada em fatos reais, com um toque de romance e muitas lições para a vida.
comentários(0)comente



Nay 16/06/2018

Confesso q foi um livro difícil de pegar um ritmo e ler até o fim... Mas a medida q foi chegando ao final mas eu estava interessada em terminar e o final realmente me surpreendeu e eu me peguei sorrindo com saudade da particularidade de cada personagem... Valeu a pena em insistir
comentários(0)comente



Erikinha 15/06/2018

Lindo ❤
Alguém aqui também ama a Jojo?

Entao eu terminei o Navio das noivas e que livro maravilhoso.
Que historia que me envolveu.
Eeee que final mais lindo ❤
Cacau 16/06/2018minha estante
Vou ler :)




Cah 10/05/2018

RESENHA: O Navio Das Noivas (Jojo Moyes)
Quem aí se lembra do projeto (re)lendo Jojo Moyes que convidei todos vocês para participarem no começo do ano? Pois bem, o livro mais votado lá no grupo do facebook foi "O Navio Das Noivas" e hoje, depois de ler, venho falar para vocês o que eu achei do livro e como foi minha experiência lendo minha queridíssima autora: Jojo Moyes.

Aqui somos apresentados a quatro diferentes jovens mulheres que dividem uma pequena cabine em um navio, onde serão levadas diversas outras mulheres para a Inglaterra a fim de se encontrarem com soldados com quem se casaram, já que a segunda guerra mundial finalmente teve seu fim.
Margaret é uma jovem que está grávida e cuja sua maior responsabilidade era cuidar do pai e dos irmãos mais novos. Avice é uma jovem da alta sociedade e escrava da aparência, porém, nem tudo é o que parece. Jean é uma das mais jovens mulheres a embarcar, super de bem com a vida mas um tanto quanto inocente demais. E Frances que é uma jovem enfermeira, discreta e que guarda um grande segredo.
O que será que essas quatro mulheres tem a nos ensinar?

Como não seria diferente dos outros livros da autora sua narrativa é incrivelmente bem escrita, as personagens são únicas e cativantes. Confesso que não consegui gostar da Avice de início por ela ter uma personalidade artificial e chata, além de ser super apática em muitas situações que ocorrem ao decorrer do livro.
Tenho que admitir que não foi uma leitura fácil de desenrolar, demorei bastante para finalmente ler o livro no ritmo que geralmente leio, mas da metade para o final do livro, foi super rapidinho de ler!
Segredos são revelados durante o degringolar da história e como sempre Jojo nos pega desprevenidos e consegue nos emocionar. O mais bacana da obra é que a autora deixa uma nota logo no começo do livro explicando que de fato, seiscentas mulheres fizeram essa travessia de navio até a Inglaterra e diz que sua fonte de inspiração para escrever o romance foi sua avó que fez a travessia quando jovem.
De fato é um livro que nos toca, mas preciso ressaltar que se você estiver achando o começo do livro meio parado e monótono, por favor, não desista da obra porque vale muito a pena. Sério.
Levou uma classificação de 4.0 estrelas no Skoob e recomendo muito a leitura, principalmente para os fãs da autora!
Beijos da Cah ♥

site: http://garotabibliotecaria.blogspot.com.br/2018/04/resenha-11-o-navio-das-noivas-jojo-moyes.html
comentários(0)comente



O Jardim das Palavras 30/04/2018

O navio das noivas
Confesso que há muito tempo fiquei ensaiando para começar esse livro, e fui impedida pela experiência que tive com a leitura de "O som do amor", que achei um pouquinho arrastado (mas a estória é ótima), e demorei bastante para terminar de ler.
Não digo que aqui a escrita é menos trabalhada, a autora criou diversos personagens, cada um com uma trajetória de vida diferente, com suas ambições, anseios, medos e paixões, e ela manteve o foco em todos.
O livro é narrado em terceira pessoa, e os capítulos são cuidadosamente elaborados para manter a curiosidade do leitor até o final, pois você nunca sabe tudo sobre um personagem até o momento em que deve ficar sabendo, e isso foi o que me manteve presa à estória: a curiosidade para saber mais (sobre uma personagem em particular).
No começo dos capítulos, há citações não ficcionais sobre a verdadeira travessia do Victoria, que incluía em suas passageiras, a avó da autora.
Em resumo, o livro é profundo, nos faz refletir sobre a coragem e o amor que tantas mulheres tiveram ao abandonar seus lares e irem rumo ao desconhecido. Também nos faz refletir sobre segundas chances, sobre pessoas que às vezes fizeram algo que outros condenam, mas que não tiveram uma motivação perversa por trás disso.
É impossível dizer que essa estória não me fez refletir, pois ela é profunda, e foi uma das melhores leituras que fiz esse ano.
Há um detalhezinho que me deixou indignada, chorei muito, e eu teria tirado esse detalhe, mas nada que prejudique a qualidade da obra.
comentários(0)comente



Celina 02/04/2018

Uma viagem sensível para abrir o coração!
Quando comecei a ler o livro imaginava outra coisa...imaginava que seria uma história tipo "Como eu era antes de você"...Nada haver. Então fiquei meio decepcionada esperando romance, mas me propus a ir até o final. E conforme eu ia avançando na leitura fui percebendo que a J.Moyes é definitivamente uma contadora de histórias! Ela consegue nos transportar para a vida daquelas pessoas. Mas ela não é direta em relação aos sentimentos de seus personagens, ela deixa o tempo todo para nós aqui deste lado tirarmos nossas conclusões. A história vai desenrolando quase como um documentário, com trechos de diários de bordo e reportagens da época. Do meio do livro para frente nos sentimos arrebatados por todas aquelas histórias, por todos aqueles sentimentos provocados na gente...Chegou uma hora que eu me vi suspirando pelos cantos, torcendo para que todos os personagens tivessem um final feliz! Está sendo difícil me separar dos personagens e suas histórias tocantes...
Cris.Paganini 03/04/2018minha estante
Acho que vou ler


Celina 03/04/2018minha estante
Oi, Cris! A única crítica que tenho é que as fontes usadas são muito pequenas e claras...isso tornou a leitura cansativa...Beijos!


Cris.Paganini 03/04/2018minha estante
Obrigada! Bj




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ana 16/03/2018

Comovente e real
Após o fim da Segunda Guerra Mundial, muitas mulheres finalmente têm a chance de reencontrar seus maridos e de recomeçar suas vidas. Assim, cerca de seiscentas australianas embarcam em um navio que irá transportá-las para as suas famílias na Inglaterra.
Entre as passageiras, um grupo de mulheres se destaca: Margaret, uma jovem grávida que está acostumada com a vida no campo e que, com a ausência da mãe, passou a ser a principal figura feminina para seus quatro irmãos; Avice, uma mulher de alta classe social com atitudes esnobes e egoístas; Jean, a mais nova do quarteto – com 16 anos – e a mais extrovertida e descontraída também; Frances, a enfermeira reservada e observadora que guarda seus problemas para si.

Quatro mulheres diferentes que compartilham o mesmo desejo de alcançar a felicidade. Porém, ao longo da viagem, elas irão perceber que seus objetivos estão mais distantes do que imaginavam.
-
Com um contexto histórico marcante vivenciado por protagonistas que fogem do comum para a época, Jojo Moyes consegue, mais uma vez, me conquistar com seu enredo.
Das quatro esposas, Frances foi, de longe, a minha favorita. Me identifiquei muito com o jeito observador dela, com a maneira que ela lidava com os acontecimentos. Ela não é perfeita; nenhuma delas é, mas Frances tem bastante consciência de seus defeitos.

Acredito que os livros bons sempre despertam sentimentos no leitor. Nesse livro, eu me senti angustiada com a situação das personagens, com todo o sofrimento delas. Mas também fiquei feliz quando algo bom acontecia ou quando aquele casal dava certo.
Por abordar a temática pós-guerra, eu já esperava uma leitura comovente. E foi. O final, principalmente. Eu amei aquele desfecho.

Apesar de todos os pontos positivos, a leitura foi muito cansativa em alguns trechos, e uma certa personagem foi totalmente esquecida depois de um acontecimento, o que me incomodou, já que eu queria um desfecho para ela.
Ainda assim, adorei conhecer essa história que, aliás, é baseada em fatos reais. Jojo Moyes soube retratar a realidade das esposas em um período muito conturbado.
Recomendo muito!
comentários(0)comente



Elaene.Rodrigues 28/02/2018

O navio das noivas??
Emocionante.
voce sente como se estivesse vivendo a história.
Personagens corajosas que deixam um certo conforto,para viver histórias nao tao seguras assim.
Cada um com seu jeito unico.
A cada página sentimos amor por alguns personagens e raiva de outros.
comentários(0)comente



Jhulec Bane 26/02/2018

Jojo me surpreendendo
" - Comandante - disse ela -, as únicas pessoas que têm todas as respostas são as que nunca se defrontaram com as perguntas."

O primeiro livro que li da Jojo Moyes foi o best-seller 'Como eu era antes de você', e confesso que gostei da história, no entanto não fiquei tão impressionado e sensibilizado com o enredo, mesmo esse sendo muito bom. Já com O navio das noivas, meu segundo livro da Jojo, o resultado foi diferente e eu fui pego de surpresa com uma trama tão boa.

A história se passa em 1946, no fim da segunda guerra mundial, e conta a história de 4 mulheres australianas que se casaram com soldados ingleses. Agarradas ao amor lantente que ambas possuem pelos maridos elas embarcam, com aproximadamente outras 600 noivas e esposas, no HMS Victorius, um porta-aviões de guerra que as levará até a Inglaterra para que possam começar uma nova vida ao lado dos homens com quem escolheram viver.

Eu sinceramente adorei esse livro, os personagens são únicos e bem tocantes para o leitor e o fato de essa travessia realmente ter acontecido acaba por atiçar ainda mais o prazer de revirar cada pagina dessa história. A própria avó da autora foi uma das mulheres que embarcaram nesse navio de guerra e que, assim como todas as outras esposas, tinha em mente um unico objetivo: reencontrar o amor de sua vida.
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 05/02/2018

O livro O Navio das Noivas é uma gracinha de se ver, achei a capa bem meiga e me interessei, mas como não sou muito fã de histórias que envolvem o tema guerra confesso que a princípio a premissa não me atraiu. Porém, como gostei muito da minha primeira experiência com a Jojo resolvi dar uma chance para mais uma de suas obras. A história do livro se passa na década de quarenta, a bordo do HMS Victoria, um navio porta aviões adaptado para levar mais de seiscentas mulheres (esposas de ex- combatentes) até seus maridos no período pós-guerra.

Dentre tantas jovens ansiosas por reencontrar o amado, destacam-se as protagonistas: Margaret, Avice, Frances e Jean. Quatro mulheres muito diferentes umas das outras, que acabam dividindo a mesma cabine. Elas escondem segredos que vão sendo revelados aos poucos, o que nos garante surpresas do início ao fim.

Margaret é simples e pouco vaidosa, cresceu em um universo masculino em meio ao pai e aos irmãos, além da esperar pelo encontro com o marido Maggie também espera por um bebê. Avice é uma espécie de “patricinha” e está sempre insatisfeita e inconformada com as condições do navio que são precárias em sua opinião. Frances é enfermeira, uma mulher misteriosa que parece não querer interagir com as pessoas, mas que vai se abrindo aos poucos. Jean é uma jovem ainda imatura, atirada, que só pensa em se divertir.

A trama se passa em alto-mar e acompanhamos a tediosa jornada dessas mulheres dia após dia. O navio também conta com a presença de um comandante e seus homens e o fato de haver homens e mulheres a bordo causa certa preocupação... Medidas são tomadas para garantir a segurança das mulheres, mas o relacionamento entre os passageiros toma rumos inesperados e a única certeza é de que muitos não abandonarão o navio sendo os mesmos que eram quando embarcaram.

Os fatos são narrados em terceira pessoa e a narração é dividida em três partes. Há em alguns trechos relatos relacionados à guerra, recordações do passado dos personagens e também trechos de cartas enviadas e recebidas por eles. No início não achei a história envolvente e quase desisti, mas valeu a pena chegar até o fim e descobrir a existência de um belo e duradouro romance. Também descobri que para algumas delas o romance não era tão belo assim...

Sei que o fato das personagens estarem em alto-mar limita um pouco o cenário, mas gostaria de ter visto uma descrição mais detalhada do navio ou algo que me fizesse ter uma sensação ainda maior de estar junto a elas no mar. Por outro lado compreendo que o foco estava nos sentimentos das personagens diante daquela situação e isso foi muito bem explorado. Já se imaginou seis semanas em mar aberto, viajando ao encontro da pessoa amada?! O clima da trama é de ansiedade e expectativa, o que acabou me prendendo.

Como disse no inicio da resenha não fico muito entusiasmada com o tema guerra, mas o fato de haver na história casais prestes a se reencontrar fez com que eu pensasse em recomeço e deixou a trama mais leve, como se o pior já houvesse passado e eles tivessem indo rumo a um futuro melhor. Torci pelas personagens, sofri com os dissabores vividos por elas e desejei muito um final feliz para todas.

Não amei o livro, mas gostei da leitura. As reviravoltas e revelações apresentadas deixaram a história autêntica e menos previsível e com essa combinação Jojo conseguiu me envolver e surpreender mesmo em uma temática que normalmente não me agrada. Também gostei de como a história termina, me fez pensar em destino e na força do amor verdadeiro. Foi uma experiência diferente e válida. Para quem gosta de romances que envolvem o período da guerra é uma ótima opção. Jojo escreve muito bem e merece a fama que tem, mas não importa quantos bons livros ela escreva, nunca vou perdoá-la por ter matado um certo tetraplégico me fazendo chorar horrores (ressaca inesquecível)! E você já leu? Pretende ler?

Por: Nathalia Reis
Site: http://www.coisasdemineira.com/2016/10/resenha-o-navio-das-noivas-jojo-moyes.html
comentários(0)comente



Duquinn 30/01/2018

Meu primeiro de muitos...
Este como já disse foi o meu primeiro livro da autora Jojo Moyes e eu gostei muito da leitura da história e das surpresas nela contidas, com personagens únicas de personalidade distintas, O navio das noivas é um livro de esperança, sobre o amor, que fala sobre os recomeços e também sobre os percalços da vida que temos que aprender a lidar de fato. Minhas personagens favoritas desde o começo do livro foram a Margaret e Frances e fiquei muito feliz com o desenvolvimento da história das duas Maggie sempre me deixava feliz ao ler o seu jeito de lidar com todos e Frances me intrigava o mistério de sua história com certeza ja valeu todo livro.
comentários(0)comente



Marlene C. 24/01/2018

[Resenha] O Navio das Noivas - Jojo Moyes
Em 1946, após o fim da Segunda Guerra Mundial, começou o chamado repatriamento das esposas de guerras dos soldados Ingleses que lutaram por todo um país, mulheres essas que viram sus maridos poucas vezes e estão dispostas a viajar em um navio por seis semanas para rever seus amados.

Neste livro, iremos conhecer a história de quatros mulheres em especial, que estão deixando suas vidas para trás, para entrar a bordo no navio HMS Victoria que as levará da Austrália para a Inglaterra, para o encontro dos seus maridos.

Margaret é uma delas, ela está grávida e preste a dar a luz, e mesmo com toda a relutância em abandonar seu pai e irmãos, decide embarcar nessa viajem, mesmo sem ter total certeza que está é a melhor decisão a ser tomada.

Avice é uma mimada menina rica de 21 anos, seu pai é o maior fabricante de rádios de Melbourne, ela é uma jovem muito egoísta e também muito preocupada com sua aparência, faz de tudo para conseguir o que quer. Ela não aceita muito bem o fato de ter que viajar em um navio de carga com tanta outras mulheres abaixo da sua classe social, mas está disposta a enfrentar tudo para rever seu marido.

Jean tem apenas 16 anos, e é uma das esposas mais jovens a bordo de Victoria, ela sabe se meter em uma confusão como ninguém, é inconsequente e sua ingenuidade faz com que meta os és pelas mãos por diversas vezes, mas não perde a esperança do reencontro com seu marido.

Francis é uma incógnita para suas companheiras de dormitório, ela é uma enfermeira e ajudou os soldados feridos da guerra, seu passado é sombrio e ela é a mais reservada das três, ela ver na sua viajem uma chance de recomeçar sua vida longe de tudo.

Às vezes, deitada no escuro, ela avaliava o significado daquilo: a presença dele reforçava a ideia de que elas eram uma carga, uma encomenda que devia ser transportada em segurança de um lado para outro do mundo, em muitos casos dos pais para os maridos, de um grupo de homens para outro.

Quando o livro começa somos levadas a Índia no ano de 2002, onde uma senhora com sua neta estão de passagem a jovem moça se mete em problemas, mas isso não é o que tira a velhinha do eixo e sim um navio em desmonte que desencadeia uma série de memorias na velhinha.

Eu não sei bem o que falar a respeito desse livro, eu adorei a história, as personagens são tão fortes e decididas, passaram por tanta coisa por algo que acreditavam ser a melhor decisão, ir de encontro aos homens por quem se apaixonam e de quem praticamente não conhecia, foi um verdeiro desafio.

Inicialmente não conseguia me apegar a história e muito menos as personagens, já que a narrativa se arrasta um pouco, não vou dizer que não gostei pois isso seria mentira, mas não fluiu exatamente como eu esperava, os detalhes em excesso contribuíram para isso e também a quantidade de personagens, o livro em si não chega a ser confuso, mas é necessário atenção para entender alguns fatos, mas aos poucos fui me apegando as personagens e foi impossível não torcer por essas guerreiras.

O Navio das Noivas tem uma narrativa alternada em terceira pessoa, o que nos da uma visão bem ampla do que ocorre, além da visão das protagonistas também temos o capitão que é um homem que sofreu muito mas que ganhou meu carinho como leitora e alguns tripulantes também, já que o navio não tem só as noivas mas muitos soldados também.

Esse fato de haver também homens a bordo complica um pouco as coisas, sentimentos começam a surgir onde não deveriam já que todas são casadas e alguns dos homens também. Para entreter as mulheres durante essas longas semanas foram feitos concursos de beleza, e palestras sobre como será suas vidas de casadas tudo para mantê-las entretidas.

No geral O Navio das Noivas foi uma boa leitura, não foi uma história muito emocionante no sentido de outros livros da autora como, Como eu era antes de você, mas ele ganhou sem lugarzinho no meu coração da mesma maneira. Não deixem de conferir esse livro.
marciamoresco 05/02/2018minha estante
undefined




Daniela Colaci 11/01/2018

Viagem rumo ao amor
O HSM Victoria, que foi um porta-aviões no período da Segunda Guerra Mundial, será o responsável por transportar mais de 600 mulheres que estão indo encontrar com os seus maridos que estavam lutando na Guerra. O ponto de partida é a Austrália e o de chegada é a Inglaterra.

Avice, Frances, Jean e Margaret embarcam em Sydney e ficam juntas na mesma cabine.
Elas têm personalidades completamente distintas e terão que aprender a conviver, lidando com as diferenças, durante 6 semanas, que é o tempo previsto para a duração da viagem.

Além das noivas, o porta-aviões também carrega armas, oficiais da Marinha e algumas aeronaves, portanto as regras no navio são rígidas: homens de um lado, mulheres do outro. Mas sabemos que na prática isso não funciona...

Durante essa longa trajetória, amizades serão formadas, laços serão rompidos e alguns acontecimentos irão gerar terríveis conseqüências, mas as mulheres estão dispostas a correrem o risco pelo sonho do reencontro.

Aliando o depoimento de sua avó Beth McKee, uma noiva real do HMS Victorious, e um extenso trabalho de pesquisa, Jojo Moyes escreveu uma bela história sobre coragem, amor e determinação. Achei o ritmo do livro um pouco lento, mas a autora compensou criando uma história bem entrelaçada, repleta de desdobramentos interessantes.

Maggie está grávida, Frances é uma enfermeira misteriosa, Avice é uma moça rica e mimada e Jean é uma adolescente meio fora da caixinha. Colocar quatro protagonistas tão diferentes para conviver foi uma decisão acertada da Jojo! Isso rendeu bons diálogos, conflitos e reviravoltas. Me identifiquei mais com Maggie e Frances, e confesso que foi dureza agüentar a Avice, mas no final consegui criar certa empatia por ela.

Conforme avançamos nas páginas, vamos conhecendo melhor o Victoria e as pessoas que ele carrega. O Navio das Noivas me arrancou sorrisos, lágrimas, me deixou de coração partido e também me fez suspirar. Saber que 600 mulheres embarcaram de verdade na Austrália de 1946 rumo ao amor, só torna a leitura ainda mais valida! Leiam!


site: www.instagram.com/resenhasdealgodao
Luanny 22/01/2018minha estante
Minha gente, pelo amor de Deus, quem é esse tal de Henry? Que o fuzileiro diz ser na última página? Não lembro dele na história, pq tava demorando p ler.




Vanessa.Rezende 11/01/2018

Resenha: O navio das Noivas - Jojo Moyes
É terminada a 2° Guerra Mundial, é hora de todos começarem a retornar as suas vidas cotidianas.
HSM VIctoria, é um porta aviões que fica encarregado de levar mais de 600 jovens esposas da Austrália até a Inglaterra, para encontrarem seus esposos.
A história do livro foca em quatro maravilhosas personagens: A Margareth, mais conhecida como Maggie que vive com os pais e irmãos, e se encontra na reta final de sua gestação. Ávice, uma jovem rica que se preocupa apenas com as aparências e status. Frances, uma enfermeira discreta, de poucas palavras que esconde um grande segredo de seu passado; e Jean, uma jovem de apenas 15 anos, cheia de vida, energia e muito inocente.
A vida dessas quatro jovens esposas se cruzam, e elas precisam dividir a mesma cabine durante as 6 semanas de viagem.
Esse é o sétimo livro da Jojo que eu leio, diferente dos demais, O navio das Noivas me prendeu de uma forma que quando vi, já eram 02:00hs da manhã e eu não conseguia parar de ler.
A leitura é muito comovente, eu pude sentir a emoção de cada uma dessas quatro mulheres, o medo, a insegurança, a expectativa do que as aguardavam do outro lado do mundo.
A convivência dentro da cabine conforme os dias iam se passando, passou de desconfortável a amigável, de certa forma, cada uma com suas diferenças, sonhos e planos.
O capitão do Navio, criou vários entretenimentos, atividades e distrações para tornar a viagem dessas mais de 600 mulheres agradáveis e divertidas.
Durante a leitura, muitas coisas aconteceram, algumas mulheres recebiam telegramas de seus esposos dizendo que não viessem, que não eram bem-vindas, o que deixou todas as mulheres desesperadas, inseguras e com medo.
E eu, é claro, fiquei numa ansiedade extrema, sem saber o que o futuro iria reservar para Maggie, Frances, Ávice e Jean. Nem todas elas tiveram tanta sorte ao chegarem ao seu destino final. O que eu posso garantir é que a história é muito interessante, empolgante e que Jojo com sua escrita cheia de detalhes, nos proporciona uma história incrível.

A história do livro é baseada na avó de Jojo, que esteve em uma viagem após a guerra num desses navios porta-aviões. E o mais interessante ainda, o livro é cheio de pequenos relatos dessas mulheres que estiveram nessa viagem.

Preparem-se para uma leitura arrasadora, que irá te transportar para uma viagem inesquecível!

site: http://fazalgumsentidopravc.blogspot.com.br/2018/01/resenha-do-livro-o-navio-das-noivas.html
comentários(0)comente



69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5