The Silent Waters

The Silent Waters Brittainy C. Cherry




Resenhas - The Silent Waters


51 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Fernanda 29/08/2017

"The world keeps spining because your heartbeats exist." (O mundo continua girando porque suas batidas de coração existem.)
Imagine um livro que já se inicia com um pai que ama a filha o suficiente para dizer a frase acima todas as noites antes dela dormir.
É incrível ver como a escrita da Brittainy vem amadurecendo. Os primeiros livros dela eram bons ("Mr. Daniels" e "The Air He Breaths", por exemplo), mas ainda faltava algo. Eu creio que era a profundidade dos personagens. Mas conforme o tempo passa e ela continua escrevendo, na minha opinião, a escrita dela chegou aquele ponto perfeito. E com isso quero dizer que o livro tem todos os elementos que eu considero essenciais para um bom livro: um enredo original e/ou bem desenvolvido, fluidez no desenvolvimento da história e personagens bem construídos.
E minha gente, eu não sei como essa mulher cria personagens tão cativantes. Você não se apaixona apenas pelos mocinhos nas histórias da Brittainy. Você também se apaixona pela mocinha e pelos personagens secundários. Você quer que todos sejam felizes e, de uma maneira ou de outra, ela te dá isso. Mas não sem nos fazer derramar muitas lágrimas antes.
Esse livro é lindo! O que eu mais gosto nas histórias da Brittainy é que ela sempre traz temas para refletirmos. No caso de "The Fire Bettweeen High And Low", nós tivemos as drogas; em "Art and Soul", tivemos gravidez na adolescência; em "Mr. Daniels", tivemos perdas de pessoas amadas; e nesse livro, temos traumas.
Eu amo quando leio romances que me acrescentam mais do que um final feliz. Amo esses romances que, mesmo que o romance seja o foco, nos trazem reflexões. E todos os livros da Brittainy trazem novas perspectivas sobre aqueles assuntos que ninguém gosta muito de falar sobre. E ela conduz a história sempre da forma mais delicada possível, a fim de que você possa ter um novo olhar sobre as situações que ela trata.
Na minha opinião, esse livro e "The Fire Between High and Low" são os melhores livros que ela escreveu. E não apenas porque amei os temas abordados, mas porque creio que foi nesses dois que ela conseguiu dar uma complexidade e profundidade maior aos personagens.
Bem, se você gosta de um bom romance e de muito drama - leia-se: não tem o coração fraco e têm perseverança para chegar ao final feliz - eu indico MUITO esse livro! É maravilhoso, lindo e não tem como não tocar o fundo da nossa alma.
Claro, tem alguns "furos" ou alguma incoerência aqui ou ali - mas nada que eu tenha achado muito absurdo. E é só por isso que eu não dei cinco estrelas. Porque essa história é fantástica!
Fecho minha resenha com alguns quotes:

" 'What would you find in Charles' Dickens kitchen?' He patted his legs as a drum roll and then shouted, "The best of thymes, the worst of thymes!'" (O pai da Maggie sempre fazia piadas desse tipo e eu morria de rir)

"A person never reads an outstanding book twice and walks away with the same beliefs. An outstanding book always surprises you and awakens you to new ideas, new ways of looking at the world, no matter how many times the words have been read."

"Thoso who believed in you when you didn't believe in yourself were the ones to hold close."

"Not all broken things need to be fixed. Sometimes they just need to be loved. It would be a shame if only people who were whole were deserving of love."

"Aw, come on, now. No sad faces. You know what I always say, when life gives you lemons, find vodka."

" 'An English teacher asked a student to name two pronouns. What did the student ask?' I smiled at his joke and answered it. 'Who, me?'"

E para fechar com chave de ouro, minha querida Jane Austen sendo citada! E não apenas isso, mas Northanger Abbey sendo o preferido de mais alguém! Chorei de emoção nessa parte!

"Ah, Persuasion by Jane Austen. It's one of my favorite pieces of her work. Second only to Northanger Abbey."
comentários(0)comente



Lila 16/08/2017

A Thousand Splendid Suns, The Crooks and The Devil.
Parece não ser possível, mas Brittainy melhora a cada livro. Art & Soul ainda é meu preferido, mas esse quarteto dos elementos não fica muito atrás. A evolução dela como autora é extremamente perceptível. O que mais amo nas histórias dela é transparece o amor que tem pelos livros e pela música de uma maneira que me faz pensar que estou conversando comigo mesma.
*
Essa é a história de Maggie May Riley e Brooks Tyler. Se conhecem quando Maggie e seu pai, Eric, se mudam para casa de Katie (a nova esposa de Eric) e os filhos Cheryl Rae e Calvin. Brooks é amigo e vizinho de Calvin.
Maggie é uma criança tão esfuziante e feliz que irrita Brooks de uma maneira que só um garoto de 6 anos pode ficar irritado com uma garota, até descobrir que está apaixonado por ela.
Aos 10 anos, em uma noite fatídica na floresta, Maggie May presencia algo abominável que a faz perder a voz e ter a ter a alma roubada.

A partir daí, os personagens tentam se adaptar à nova rotina imposta pelos medos de Maggie. Os únicos que realmente entendem seu silêncio é Brooks e o pai.
Brooks se torna sua âncora, a ama com tudo que tem e exatamente do jeito que ela é. A música e os livros são grande parte do relacionamento de ambos e com o passar dos anos, é como melhor se comunicam. Mas como a vida sempre fica no meio, eles se separam. E a história segue pela vida adulta de ambos - ainda tentado manter contato. Quando um consegue seguir em frente, a tragédia os alcança, é e Maggie May que deve ser a âncora de Brooks.

Em várias partes, meu coração doeu - e digo isso literalmente, senti pontadas no peito. Nós sabemos que a vida sempre fica no meio dos nossos planos, mas ler isso com personagens que considero não serem merecedores de tanta amargura, acaba por descompensar meu emocional. E eu chorei.

Mas o amor e a perseverança faz com que os dois superem seus próprios traumas e ajudem um ao outro nos momentos mais penosos - mas não sem antes passar por caminhos tortuosos e provações.
“Being in love with someone didn’t mean you only loved them during sunbeams. It means you stood by their side during the cloudy nights too.”

É um must read, gente!
Roseane 17/08/2017minha estante
Louca para ler esse.


Lila 17/08/2017minha estante
Leia, Roseane! Vale muito a pena!




Van 12/07/2017

The Silent Waters é o terceiro livro da série Elements, de Brittainy C. Cherry. Não é um livro fácil de ler, pois trata de traumas de infância, ataques de pânico, dificuldade de comunicação e muitas outras questões emocionais. Não é apenas um romance bobinho entre duas crianças que cresceram juntas e se apaixonaram. Tem o lado romântico fofinho? Sim. Mas é muito mais que isso. Além da história ter me prendido bastante, fiquei ainda mais impressionada com a nota da autora no final, contando um pouco das experiências pessoais dela e nos mostrando o quanto ela própria serviu de inspiração para a personagem principal. Valeu a pena a leitura.
comentários(0)comente



Sarah Warman/ @bookaholic.sarah 06/07/2017

4.5
The Silent Waters -4.5⭐️
.
.

A vida da Maggie muda no dia que o pai dela resolve se casar novamente. Maggie finalmente tem a família que tanto sonhou. Com uma mãe carinhosa e atenciosa, com um irmão da sua idade e uma irmã mais nova, que se torna sua melhor amiga. Ela também conhece Brook, o melhor amigo do seu irmão e ela se encanta com ele.
Alguns anos depois, qndo Maggie tem 10 anos, uma tragédia acontece e a partir desse momento Maggie se perde, perde a voz e um pedaço dela é roubado para sempre.



▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃▃⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀


Já faz uns dias que eu li esse livro, mas só agora resolvi escrever o que achei. Tive que colocar minhas ideias no lugar e tentar explicar o que senti sem dar spoilers.

Brooks é fofo, bom, amoroso, persistente e nunca desiste da Maggie. Eu me apaixonei por ele desde o primeiro momento.

"Not all broken things need to be fixed. Sometimes they just need to be loved. It would be a shame if only people who were whole were deserving of love.” “Brooks."

Maggie é muito atenciosa, amorosa e apesar dos seus traumas, sempre está disposta a ajudar os amigos e familiares. Eu senti com ela, eu entendi ela, eu sofri com ela e eu me apaixonei com ela. Eu entendi as dores, os traumas, o silêncio , o medo e o pânico dela. Ela é uma personagem fácil de gostar.
Todos os personagens do livro tem um papel importante e especial. Q autora da importância e voz a todos. 👏🏼👏🏼👏🏼


The world keep spinning because your heartbeats exist.”


O romance é lindo, não é amor a primeira vista, é bem construído, com tempo, com paciência, com amizade. A escrita é maravilhosa. Como sempre, a autora, conseguiu me prender, me cativar e me fez torcer pelos personagens. Me emocionei com o amor e problemas familiares. Meu coração doeu, meu coração se alegrou, meu coração se emocionou e meu coração quebrou.

O começo do livro, onde Maggie e Brook são crianças é a minha parte favorita. Eu amei a interação deles na infância. Coisa mais fofa. Eles me conquistáramos de cara.

Eu só tive alguns problemas com o livro é e por essa razão não pude dar 5 estrelas.
Vou tentar explicar sem dar spoilers, eu achei que os pais da Maggie não fizeram o suficiente para a ajudar, eu digo em relação à ajuda profissional. Achei q eles meio q ignoraram o problema e o incidente com ela. Isso me deixou com raiva, até pq o pai dela é um homem bem educado e inteligente. Outra coisa que eu não gostei, foi como tudo aconteceu rápido, como uma pessoa com tantos traumas, tantos problemas, mudou tão rápido, com estralar dos dedos. Isso fez com que eu não acreditasse tanto na história. Muito fora da realidade.

No geral a história é linda, fofa e bem rápida.
comentários(0)comente



Silvanna 05/07/2017

Silêncio que se ouve e se sente
Este é o meu segundo livro desta escritora e me emocionei… fiquei arrasada com as perdas da Maggie May, mas chorei com as suas vitórias. Este livro nos toca, nos faz querer mais… nos faz sonhar com um amor assim! Completamente apaixonada por Brooks e Maggie. Vocês está bem hoje, Magnet?

Boas leituras 
Luciene 05/07/2017minha estante
Esse é meu favorito dela!


Silvanna 06/07/2017minha estante
Para já também é o meu :)




Cristina 24/05/2017

Salvou a minha vida!!!
O livro é maravilhoso e trás tantos ensinamentos de amor, paciência e auto descoberta que eu só sei dizer: LEIAM!!!
Mas a parte principal e que, literalmente, salvou minha vida foi a nota da autora. Ela conta sua identificação pessoal sobre a história e dedica o livro. Sua dedicação falou direto comigo em um momento em que eu havia perdido absolutamente a minha voz:
"
Então, este livro foi escrito por mim, mas não só para mim. Ele é para todos os Maggie May's do mundo, que às vezes se sentem tão perdidos e sozinhos. É para aqueles que se sentem invisíveis. É para aqueles que têm ataques de pânico em seus quartos escuros durante a noite. É para aqueles que choram para dormir, e acordam na manhã seguinte com manchas de lágrimas ainda contra as fronhas. Este livro é seu. Este livro é sua âncora. Este livro é prova de que você, também, vai encontrar a sua voz. Você é digno de amor, e sucesso, e seus sonhos se tornando realidade. Nunca pare de falar, mesmo quando sua voz começar a tremer, ok? Jamais desista de si mesmo. Você é importante, você é amado, e sua voz bonita importa."

Ele me fez não desisti. Obrigada Brittainy
comentários(0)comente



Giiovannaayres 17/05/2017

Estou me afogando!
Brittainy é aquele tipo de autora que sempre vai te arrancar suspiros, lágrimas e sorrisos ao longo da leitura.
Em The Silent Waters não foi diferente. O livro é todo muito intenso, os conflitos que os protagonistas enfrentam muitas vezes dão essa sensação de "afogamento" é desesperador, você quer ajudar, torce pra que de alguma forma no final tudo corra bem e eles encontrem uma solução.
Foi intenso, doloroso, mas me arrancou muitos suspiros! As referências musicais foram incríveis, os livros citados nem se fala!
E não tem nada que me faça suspirar mais do que o amor a primeira vista!
Enfim, uma excelente leitura que vou recomendar MUITO.
comentários(0)comente



Lurdes 30/04/2017

Diferentemente de A chama dentro de nós que achei uma decepção, The Silent Waters sim é um livro típico da Brittainy, ou seja, maravilhoso!
comentários(0)comente



Ru 21/04/2017

FAVORITO
"É isso que significa amor verdadeiro. Amor verdadeiro significa que você poderia rir dos erros. Amor verdadeiro significa que você poderia sussurrar segredos. Amor verdadeiro significa que você nunca teria que dançar sozinho
comentários(0)comente



Portal JuLund 20/04/2017

The Silent Waters, @BrittainyCherry
A cada livro Brittainy surpreende e me fascina mais. Uma tragédia no passado, depois passado e presente comprometidos por famílias desestruturas e agora uma gota que pinga no mar e faz inúmeras ondas na água, um momento que desestrutura toda uma vida. Ar, fogo e água. Sem sombras de duvidas esse é o livro até agora mais profundo, a família Franks é sugada para profundidade do mar, o livro mostra com um ato pode, e as vezes faz transformações na vida de inúmeras pessoas.
No prologo, temos Maggie com 6 anos e seu pai,Eric , se mudando para casa de Katie e conhecendo “os irmão” Cheryl e Calvin,e seu amigo Brooks.O livro começa realmente 4 anos depois, quando essas duas micro famílias se tornaram uma só.
E lógico que o Brooks tinha de ser alguém importante na historia, então de primeira vemos cartas trocadas pelos dois, e é uma das coisas mais fofas que vi na vida. A inocência e vivacidade que crianças demonstram amor.
E a dinâmica dos irmãos e amigos é linda também, a autora dosou bem os momentos alegres, com os tensos que irão aparecer ao virar das paginas.
Um momento, um simples descuidar da mãe, o não poder escolher as flores para o casamento e o atraso na escolha da gravata, os e se da vida… Maggie está na hora errada, no local mais errado ainda, e acaba presenciando um homicídeo, cheiro de alcaçuz e cigarro, aquela tatuagem e os olhos, olhos do diabo.Olhos que a perseguiriam por anos.

“Shh.[…]Shhiuuuuu”

Maggie se aprisiona dentro do seu mundo, após conseguir fugir do assassino do bosque, ela ouvi e passa a viver sobre ameça. Um momento que tira tudo dela.

Resenha completa no

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/resenha-de-the-silent-waters-brittainycherry
comentários(0)comente



Bia 19/04/2017

“O mundo continua girando porque seu coração continua batendo.”
A história de The Silent Waters dividida em três partes. Começa com Maggie, ainda criança, indo morar na casa da sua nova madrasta. Seu pai já passou por alguns relacionamentos ruins, mas o de agora parece ser para sempre. Só que ela também tem filhos. Dois, na verdade, com seu falecido marido. Cheryl é mais nova e logo de cara Maggie sabe que elas serão melhores amigas. Calvin é o tópico menino, mais interessado em jogar videogame do que conhecer sua nova irmã. Mas junto dele está Brooks, seu melhor amigo e aquele que viria se tornar sua âncora.

Alguns anos se passam e Maggie, ainda criança, se diz apaixonada por Brooks. Tanto ao ponto de planejar o casamento dos dois. Mas é no ensaio do mesmo, ao tentar ir de encontro a Brooks no meio da floresta, que Maggie May presencia algo que vai mudar sua vida e todos aqueles ao seu redor para sempre.

Esse é o tipo de história que não dá para falar muito sem soltar spoilers. A segunda parte sobre um pouco da adolescência de Maggie e Brooks e a terceira já conta a vida deles adultos.
[...]

Para conferir o resto da resenha, acesse o blog e aproveite e deixa lá seu comentário ;)

site: https://paginaebooks.wordpress.com/2016/09/23/resenha-the-silent-waters-elementos-3/
comentários(0)comente



Kelly Martinez 18/04/2017

Não foi tudo aquilo
Vamos lá... comecei o livro com toda expectativa desse mundo, afinal de contas é a Brittainy, a mulher que escreveu " o ar que ele respira" ...
Até a metade foi tudo bem, achei que choraria rios de lágrimas e tals... mas aí a estória não evoluiu comigo... sei lá... achei o livro bom, o Brooks, protagonista masculino é uma Graça, tudo o que vc espera de um carinha mas a sensação do "sei lá" permaneceu...
Acho que a autora não foi muito profunda .., qdo vc se propõe a falar de traumas pessoais, como o ser humano atinge o fundo do poço, como as pessoas se quebram e se tornam amargas, tem que haver muita profundidade, o que aqui nesse livro não se viu...
O livro é bom... mas não é aquela coisa toda! Vale 3 estrelas, pq hj eu tô boazinha!
comentários(0)comente



Tânia (@ritmoliterario) 15/04/2017

A capa me enganou direitinho.
Vou tentar falar sem dar spoiler, mas confesso que sera um tarefa difícil, tamanha minha indignação com essa estoria.

Eu já tinha lido um livro dessa autora, foi Sr. Daniel's e gostei bastante, então quando fui desafiada por uma amiga a ler esse imaginava que seria uma leitura fácil e agradável, mas foi justamente ao contrário. Fiquei dias empacadas nesse livro, uma estoria onde os personagens principais não me cativaram e os personagens secundários salvaram um pouquinho a estoria.

Já no começo senti meio que desnecessário esse “envolvimento amoroso” entre aos personagens, caramba, são crianças e já pensam em coisas de adulto. Tudo bem que a autora quis dar um ar de inocência e fofo, mas para mim não colou, ficou prematuro e bobo demais.

Quando acontece o grande “bum” da estoria, me animei, porque sabia que a partir desse ponto o relacionamento dos personagens seria construído e teríamos um trauma a ser tratado e superado certo? Errado. Claro que o que aconteceu com Maggie foi grave, foi sério e drástico, e coisas desse tipo deixam marcas profundas e para que se possa superar é necessário luta, empenho, apoio, amor e tempo, muito tempo. Mas o que vi aqui foi só o tempo, tempo, tempo, tempo e tempo. A autora foi empurrando a situação a diante como se tudo fosse se resolver num passe de magica.

A mocinha se afastou do mundo, e criou outro mundo no qual ela tinha o controle das paredes. Ela simplesmente desistiu, se escondeu no canto escuro e assistiu a vida dos outros seguirem, e os que ficaram, assistiram ela desistir de viver de camarote. Fiquei me perguntando como uma família que sabe a gravidade do problema da filha não procura ajuda especializada, não houve médico, psicólogos, psiquiatras. Nada. Somente silêncio e braços cruzados.

E sobre o relacionamento entre Maggie e Brooks, eu bem que tentei me envolver, torcer, suspirar. Mas como gostar de um casal que se deixa levar, que mesmo diante de tantas limitações ao invés de tirar forças para superar, não, deixam passar e só se lamentam e se conformam.

Uma garota/mulher que tem sérios problemas, mas não luta para se curar e poder viver o que mais sonha desde pequena. Ela sabe que tem o poder de começar a se reerguer, mas prefere deixar os medos vencerem. Ela sabe o que esta perdendo. Ela sabe a quem esta afetando. Ela sabe que o tempo não perdoa, e mesmo assim não tenta, desiste fácil. E isso realmente me irritou
E temos um garoto/homem que espera pacientemente um “milagre” acontecer para que ele se torne completo. E enquanto isso ele dá à Maggie o que acha certo, o tempo. Me poupe né!

E o mais “controverso” foi que depois que acontece algo grave com Brooks ela entende que esta na hora de enfrentar seus demônios, porque pelo amor dele vale esse esforço. E então começa a ter vida que deixou de viver há muito tempo. Agora ela luta por eles, ela se abre e grita para o mundo, como num verdadeiro passe de magica. Porque agora ela percebeu que é tudo ou nada, e esta profundamente magoada. Será mesmo? (essa cena ainda esta entalada na minha garganta)

Enfim, não gostei, achei que muita coisa não teve sentido. Faltou profundidade nos fatos, e eu não estou dizendo que pessoas que passaram pelo o que Maggie passou não devem sofrer, pelo contrário, devem sim e é muito traumático. Mas tem que ter coerência, e aqui faltou e muito. Tudo de enrola ao máximo para acontecer e depois se resolve do nada. Era para esse “sentimento” ser capaz de curar, certo? Não foi o que senti, acho que autora é daquelas que pensa que o tempo resolve tudo sozinho. Vamos sentar e esperar que logo passa. Já eu sou daquelas que sim, o tempo é necessário, mas e você não fizer nada para ajudar, no final só terá perdido oportunidades e o que passou não volta, não recupera.

Bom, essa é minha opinião.
Jordana 17/06/2017minha estante
Obrigada! Não consegui terminar a ler o primeiro livro, e sua resenha confirmou que não vale o esforço.




klau 15/04/2017

"Todo este tempo eu pensei que você estava lendo para escapar do mundo, mas agora eu sei, você não lia para escapar dele; Você lia para o descobrir.''

Ás vezes a vida não acontece da maneira que você acha que deveria, muitas vezes momentos e pessoas , podem modificar e até mesmo traumatizar por toda uma vida. Em quem confiar a partir dai ? Como retomar a vida após experiências tão traumatizantes ?

A amizade entre Maggie May e Brooks é algo fascinante, sem cobranças, apenas aceitando um ao outro da maneira como ele realmente é. May pode ter deixado de se comunicar com o mundo da maneira convencional , mas não a impediu de viver atraves, dos livros, na segurança de seu lar.

Às vezes as palavras eram mais vazias do que o silêncio.

Aqueles que acreditavam em você quando você não acreditava em si mesmo eram os que se mantinham firmes. "

site: https://klaumusicwithbooks.wordpress.com/
comentários(0)comente



Fih 03/04/2017

Se emocionar, chorar e chorar de novo. Ter esperança de quem sabe o amor te salve da escuridão e do medo de viver mais uma vez.
comentários(0)comente



51 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4