Até você saber quem é

Até você saber quem é Diogo Rosas G.




Resenhas - Até você saber quem é


4 encontrados | exibindo 1 a 4


Blog De Bem Com a Leitura 02/11/2016

Roberto é um grande amigo de Daniel, presente em todos os principais momentos da vida do escritor, Roberto é o seu braço direito e acompanha a criação de uma obra que se tornaria uma das mais vendidas e que alavancaria a literatura nacional. A carreira do autor foi marcada por um começo difícil e falta de apoio da família, mas quando um editor entra em contato para assinar um contrato de publicação, a obra ganhou o espaço que merecia, inclusive no mercado internacional.

Daniel é um escritor curitibano (que não gosta da cidade) que estava obcecado por superar a famosa obra de Guimarães Rosa, O Grande Sertão: Veredas. Segundo Daniel, na literatura Brasileira, não existe um livro que mostre de maneira correta a figura do Demônio. Nas suas diversas pesquisas sobre o assunto, ele sempre era conduzido para o livro de Guimarães Rosa e se empenhou para superá-lo, pois ao seu ponto de vista, a obra parecia ter algo que não estava certo. Sim, ela afirmava que era um livro que falava sobre o Demônio, mas não com os devidos créditos, intensidade ou até mesmo realidade e era aí que Daniel queria superar a obra.

Após muitos anos de estudos e anotações, seu livro, Os diálogos do castelo, foi finalizado e enviado para análise de algumas editoras. Durante todo esse processo, Roberto esteve ao seu lado, aguentando o mal humor do amigo, a levando a "firma" muitas vezes sozinho e apoiando Daniel. Quando uma grande editora fechou contrato para a publicação do livro, em pouco tempo a obra atingiu números elevados de venda e Daniel se consagrou como escritor. Mas sua obsessão só aumentava com o sucesso. Sofrendo de uma forte insônia, Daniel passava as noites em claro e dormia por poucos minutos, o que lhe rendia muitas horas para pensar e se aprofundar no tema.

Enquanto Daniel se definhava, Roberto estava ao seu lado, tentando lhe ajudar ao mesmo tempo em que vivia seus próprios problemas. Quanto mais os dias se passavam, mais Daniel adentrava em um caminho confuso, já beirando a insanidade. Todos ao seu redor não conseguiam mais lhe entender, Daniel parecia seguir sozinho em seus pensamentos, acompanhado por alguém que apenas ele era capaz de compreender ou enxergar.

Após vinte anos de publicação de seu livro, Daniel já não é mais a mesma pessoa. A editora prepara um edição especial para a comemoração, um evento é organizado, uma festa particular acontece e... A explosão iminente da loucura de Daniel se dá em um ato macabro e aterrorizante. Mortes, muito sangue e apenas um sobrevivente, Roberto, que também fora atingido mas sobreviveu para contar a cruel história.

Leia mais no link > http://vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br/2016/11/resenha-ate-voce-saber-quem-e.html

site: www.vocedebemcomaleitura.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Valnikson 05/09/2016

1001 Livros Brasileiros Para Ler Antes de Morrer: Até Você Saber Quem É
Formado em Direito, Filosofia e Tradução, Diogo Rosas G. divide-se atualmente entre o oficio de diplomata e a verve literária. Prova do talento e domínio técnico do curitibano é o primeiro romance 'Até Você Saber Quem É', que acompanha a gênese, ascensão e queda de um escritor para discutir a importância da descoberta de si mesmo ante o enfrentamento de demônios pessoais. (Leia mais no link)

site: https://1001livrosbrasileirosparalerantesdemorrer.wordpress.com/2016/09/05/73-ate-voce-saber-quem-e/
comentários(0)comente



Marcos Pinto 31/08/2016

O primeiro passo para um livro ser bom é fugir da temática comum, do batido, do mais do mesmo; foi no incomum que apostou Diogo Rosas G. em seu primeiro livro, criando uma das melhores e mais maduras estreias que eu já vi na literatura nacional contemporânea. Fazendo uma espécie de um romance dentro do outro, o que pode ser comparado, até certo ponto, com o que Clarice fez em A Hora da Estrela, Diogo se confirma como uma grande promessa da nossa literatura.

A obra inicia-se com a obsessão de Daniel por fazer uma obra definitiva sobre o Demônio. Segundo ele, tal ser nunca foi bem apresentado em nossa literatura. Ou, como é citado em certo momento, ele desejava fazer um Grande Sertão: Veredas melhor e mais completo. Um desejo ambicioso, sem dúvidas. Tal ambição pode ser, exatamente, o primeiro contato com o Diabo.

Depois de muito esforço, e com a ajuda do seu amigo Roberto, o narrador da obra, Daniel alcança o seu intento. O mais surpreendente: o seu livro, mesmo de leitura difícil, de um tema abstrato, torna-se um best-seller, fazendo-o ficar conhecido e o elevando a rodas literárias mais altas e mais cultas. Contudo, certos caminhos não têm volta.

“Chegamos a São Paulo no começo de uma madrugada malcheirosa, opressivamente quente. Anos de residência terminaram por anestesiar em mim o impacto olfativo da cidade, mas naquela noite seu perfume de lixo azedo agrediu duramente nossos narizes provincianos” (p. 21).

Quanto mais o livro de Daniel vendia, mais melancólico, distante e problemático ele se tornava. Enquanto o primeiro aparecia, o segundo minguava. Daniel era, agora, sombra do homem que escrevera o primeiro livro. Roberto acompanha isso, a cada passo, tentando salvar o amigo. Seria aquele desfecho resultado de uma brincadeira com o Demônio?

Partindo dessa premissa, Diogo cria uma obra inteligente, rica e muito bem amarrada. Passando-se verdadeiramente no Brasil – não apenas de nome, como uma parte considerável da literatura nacional –, a obra aproveita muito bem como fundo a situação social, política e econômica do país. Aliás, tudo que acontece no Brasil, e particularmente em Curitiba, vai influenciar no desenvolvimento da obra, fazendo com que a obra ganhe em verossimilhança e deixe o leitor mais envolvido.

A obra é escrita de maneira não linear, baseando-se nas memórias de Roberto. Isso torna a leitura mais densa, profunda, mas também muito mais cadenciada, fazendo com que o livro seja muito lento em determinados momentos. A obra não possui grandes reviravoltas, então é o aspecto psicológico e a construção dos personagens que prende o leitor. Aqueles que preferem tramas mais simples, com grandes reviravoltas e ganchos, dificilmente passarão das primeiras páginas. Aqui o diferencial não é descobrir o que irá acontecer, mas entender o que está acontecendo a partir da riqueza de detalhes.

“Daniel tomou um gole de cerveja, afastou a sua cadeira da de Juliana para poder olhá-la de frente e apenas sorriu. Loquaz entre amigos, sua marca inequívoca de felicidade era um silêncio sorridente” (p. 33).

Outro ponto que merece destaque é a escrita do autor, que é extremamente madura, algo incomum para o primeiro livro. Todas as palavras parecem meticulosamente escolhidas e encaixadas, não deixando nada fora do lugar. Apesar de iniciante, Rosas mostra a destreza de um veterano, o que é também a promessa de outros bons livros pela frente.

Além do bom livro, o conjunto também ganha destaque pela parte gráfica. A capa é simples, mas transmite de uma maneira interessante o conteúdo sombrio da obra. A diagramação é igualmente simples, mas muito confortável; combinada com a boa revisão, gera uma leitura tranquila.

Em suma, Até você saber quem é mostra-se um livro extremamente maduro, inteligente e muito bem costurado. Apesar de um momento ou outro de lentidão excessiva, a obra envolve o leitor por sua riqueza de detalhes e pela trama incomum. A obra é uma ótima aposta para quem está buscando fugir desse mar de obviedade atual.

site: http://www.desbravadordemundos.com.br/2016/08/resenha-ate-voce-saber-quem-e.html
Daiane 31/08/2016minha estante
Nossa que resenha!


Marcos Pinto 02/09/2016minha estante
Obrigado, Daiane.




4 encontrados | exibindo 1 a 4