Star Wars: Battlefront

Star Wars: Battlefront Alexander Freed




Resenhas - Star Wars: Battlefront


11 encontrados | exibindo 1 a 11


Wendel 31/03/2021

Gostei!
Uma boa história, porém nada excepcional. É interessante acompanhar de perto as tropas de linha de frente rebelde.
comentários(0)comente



Fabio.Barbosa 06/01/2021

Muito bom super recomendo
Uma das várias batalhas ocorridas entre o imperio e a aliança rebelde
Vale a pena a leitura
comentários(0)comente



Gustavo.Borba 15/10/2020

O lado oculto dos rebeldes
#LivrosQueLi
 
Battlefront: Companhia Crepúsculo, de Alexander Freed. Ed. Aleph. Uma incrível aventura paralela à linha de história principal da saga Star Wars. Um livro bem escrito, que explora as vidas de diversos personagens, ligando-os à trama que unifica o livro. Uma história que permite conhecer um pouco mais do lado desconhecido dos Rebeldes. Nem tudo é flores, no entanto. O autor demonstrou ter pouca familiaridade com o relato de batalhas, mas o desenrolar é bastante interessante. Neste livro, encontramos o famoso personagem da trilogia clássica, Nien Numb. Um livro sobre o transformar-se, sobre superar-se, sobre trabalho em grupo. Uma super recomendação!
 
#livros #ler #lendo #livro #euamolivros #euamoler #estantedelivros #leiamais #leitura #leituras #livrosemaislivros #lido #resenhadelivros #indicacaodelivros #lendolivro #lendoagora #resenhaliteraria #literatura #livrosstarwars #starwarslivros
comentários(0)comente



Renan Barcelos 14/10/2020

Uma resenhícula
Comecei a ler esse com 0 expectativas. Tava dando uma olhada só por que era do novo cânone mesmo. No entanto, acabei me surpreendendo.

Star Wars Battlefront traz uma história de guerra sobre a 61ª unidade móvel da Aliança Rebelde, apresentando muito mais confrontos sangrentos e violência bélica que as outras obras de Star Wars. A 61ª Unidade Móvel costuma pegar sempre as piores tarefas, enfrentar dificuldades extremas e ter baixas inimagináveis.

O estilo da história me lembrou bastante Companhia Negra. Embora não seja muito pro lado do Dark Fantasy, tem uma crueza em relação à guerra que os outros livros da saga não mostram. Somando isso ao fato de que não se apoia nos grandes protagonistas e por mostrar um lado mais sangrento da vida dos rebeldes, o livro acaba sendo bem interessante.
Os protagonistas também ajudam. Namir é um soldado da 61ª que não acredita na superioridade moral da Aliança e não detesta o Império. O Império é só mais um inimigo que ele precisa enfrentar. Vindo de um mundo primitivo, ele não entende muito da política da galáxia, mas é extremamente leal à sua Companhia. Já Chalis, uma governadora imperial que se rende aos rebeldes quando é conveniente para ela, se mostrou uma personagem excelente, acho que uma das melhores personagens femininas de Star Wars, que não é vilã nem heroína, mas acaba fazendo de tudo para o Império sangrar.

Abaixo, link pro video do canal, onde fiz mais comentários. Se achar interessante, se inscreve lá :)

site: https://youtu.be/jgFEZ-HbE9k
comentários(0)comente



Biel 27/09/2020

"Sobreviver"
Star Wars Battlefront: A Companhia do Crepúsculo é um livro de aprofundamento do universo de Star Wars. Não tendo o fator forçado do fan service, A Companhia do Crepúsculo é um livro que satisfaz aqueles que gostam de verdade da obra de George Luccas. Namir, o protagonista, vaga pela galáxia junto a Companhia do Crepúsculo, um esquadrão da Aliança Rebelde. Com uma nova figura para auxiliá-los, a Rebelião enfrenta conflitos diretos contra o Império, com ambos os lados buscando recursos para seus respectivos lados. A mais pura ação de Star Wars.
comentários(0)comente



@milvidasmilmundos 08/07/2020

Oooo Disney!!!
Avisa a disney que tem muitoooo material bom aí! Ainda dá tempo de fazer BONS filmes de Star Wars!!!
Que história! Que livro!!!


https://www.instagram.com/p/CCeoyLTD8CR/?igshid=1j9ij964870ow
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lucas Rey 03/02/2018

Um livro nada Star Wars
De todos os livros de Star Wars que li até hoje, esse é o que menos tem a ver com a saga épica. Talvez por isso eu não tenha gostado tanto.

Confesso que eu esperava batalhas épicas, bem ao estilo Star Wars, tanto no espaço quanto de infantaria. Mas isso não ocorre. O livro é mais focado nos dramas pessoais dos personagens, e não há um grande clímax no livro.

A narrativa até me agradou. São 3 histórias em paralelo que se unem no final mostrando as visões da guerra de pessoas comuns tanto na rebelião quanto no Império. Mas a escrita já não me agradou, muito texto rebuscado que não faz parte do contexto do livro. Palavras rebuscadas e estranhas ditas por tenentes e soldados... um pouco fora do padrão, isso é meio chato porque não se trata do alto escalão de exércitos, mas sim de pessoas comuns falando palavras como "iridescência". Fora os erros de português quase constantes.

O livro trás a tona um sentimento de cansaço. Sim, a guerra cansa, esgota física e emocionalmente. E isso é praticamente a toada da história toda.

Em contrapartida, é o livro que mais une e tem reverências a outros livros. Episódios IV e V estao bem presentes. Bem como o livro Alvo Em Movimento (que aconselho demais a leitura antes ou logo apos Battlefront). Acredito que haja outras obras que são referenciadas em Battlefront que eu não percebi por ainda não ter lido.

Recomendo. Mas não é um livro para iniciantes do universo expandido de Star Wars. Mais recomendado pra quem já leu outros livros e já tem uma certa vivência no universo SW e busca algo bem diferente.
comentários(0)comente



Domingos Coelho 28/08/2017

Resenha de CastWars.com
"A Primeira Guerra Civil Galáctica assola os planetas. Nas ruas e becos de cidades destruídas, frentes da Aliança Rebelde lutam contra o inimigo, avançando em território imperial e enfrentando a dura e sanguinária realidade da guerra. Implacáveis, experientes e ferozmente leais entre si, os membros da renegada Companhia do Crepúsculo tomam a frente dessa batalha. Eles sobrevivem com coragem a situações que destruiriam outros soldados, e a rebeldia é sua arma mais poderosa contra armadilhas mortíferas."

Star Wars é uma saga de filmes que, apesar de ter o Wars, ou Guerra, no nome, não foca muito nisso nas telonas, ficando apenas como plano de fundo da aventura, fantasia e capa e espada. Battlefront: Companhia do Crepúsculo é um livro que vem nos jogar diretamente na guerra, no conflito que está acontecendo entre Império e Rebelião. O livro se divide em quatro grandes partes: Retirada, Reagrupamento, Ataque e Cerco. Foi escrito por Alexander Freed.

Na trama, acompanhamos a 61ª Infantaria Móvel da Aliança Rebelde, chamada de Companhia do Crepúsculo, que luta as batalhas mais difíceis pela rebelião. O personagem central é o sargento Hazram Namir, um soldado com vasta experiência em batalha, desde antes mesmo de entrar para a aliança. Junto dele, conhecemos diversos novos personagens que integram a companhia, personagens que prendem nossa atenção e por diversas vezes nos vemos torcendo pela vitória deles. São personagens que nos importamos com eles por serem muito bem construídos. Por ser um livro de guerra, muitas mortes acontecem e os soldados da companhia tem que conviver com as perdas constantes. Isso chega a doer em quem está lendo, mas retrata muito bem a realidade de uma guerra.

A presença do mal do império, em especial na figura de Darth Vader está, repetidamente, ao redor dos personagens, principalmente nas duas primeiras partes do livro. Os grandes heróis da rebelião, que vemos nos filmes, são apenas mencionados aqui. O foco não é no alto comando da rebelião, mas sim nos soldados de campo, em quem faz a coisa acontecer de verdade. Apesar disso, no momento do encontro de alguns dos protagonistas com o alto comando na base central da rebelião, você chega a imaginar esses personagens nos filmes, no fundo de uma ou outra cena.

Em alguns capítulos esporádicos, a trama se intercala com outras duas histórias, de um soldado jovem e de uma stormtrooper, isso mesmo, uma mulher que é stormtrooper, tudo bem situado no momento da história da galáxia, não deixando o leitor se perder na linha do tempo, mas para isso, o leitor precisa saber que as datas dos grandes acontecimentos da galáxia: que as guerras clônicas se encerraram 19 anos antes do episódio 4 e que o episódio 5 se passa três anos após o 4. No fim do livro, as três linhas narrativas se encontram e se amarram de uma maneira muito boa.

Assim como já foi visto em Rogue One, nem todos os membros da Aliança são bonzinhos e nem todos os membros do império são do mal. São apenas pessoas que precisam, de alguma forma, sustentar suas famílias. Estão em um dos lados da guerra apenas pela necessidade e não pela ideologia. Isso é muito bem retratado no personagem central, Namir, bem como na governadora Chalis, que é presa pela companhia logo no início do livro e por diversos outros personagens.

O tom cinza e pesado do livro é bastante positivo, principalmente quando vemos os personagens evoluindo e entendendo suas motivações para estarem ali lutando e seguindo em frente. Este livro me surpreendeu muito e está empatado com o Estrelas Perdidas como meu livro favorito do novo cânone.

site: http://castwars.com/resenha-battlefront-companhia-do-crepusculo/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rusbis 29/05/2017

Vídeo-resenha do livro no canal "Ler Vicia". Confira!!!

site: https://youtu.be/vknaFzBtepI
comentários(0)comente



11 encontrados | exibindo 1 a 11