DangeRock

DangeRock M.S. Fayes




Resenhas - DangerRock


54 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Simone 19/06/2018

Uma grata surpresa!
Eis um texto delicioso de se perder, com uma narrativa singela e envolvente.

DANGE ROCK é uma história de amor apaixonante. Brandon é o típico bad boy que eu amo; e Eve é o protótipo de uma louca roqueira que, no fundo, não passa de uma jovem apaixonada. Não há como não se apaixonar e torcer por esse casal. Alguns personagens secundários levam consigo sua particularidade, tornando-os único. A trama tem uma pitada hot, reverba em reviravoltas e tem um final muito fofo. S2 Por fim, para os apaixonados pelo gênero New Adult, eis essa boa pedida.

P.S.: Confira a resenha completa no link abaixo.

site: https://simonepesci.blogspot.com/2018/06/falando-em-dange-rock-de-m-s-fayes.html
Rafaela.Teixeira 24/06/2018minha estante
Oii. Vc baixou esse livro? Leu em português? Tô tentando encontrar ele pra ler online, mas não acho em lugar algum


Simone 24/06/2018minha estante
Rafaela, o livro está à venda em formato digital na Amazon.


Rafaela.Teixeira 24/06/2018minha estante
Está em português??


Simone 25/06/2018minha estante
Sim.


Rafaela.Teixeira 26/06/2018minha estante
Obrigado!




Paula 11/10/2017

Magnífico DANGEROCK
“...Percebi que o Felizes para Sempre era o hoje. Viver o dia presente ao lado da pessoa amada, fazendo aquilo que mais amamos. Viver com intensidade, esperança de que o hoje tenha sido muito mais excitante que o ontem. E o amanhã, mais do que hoje.” (Evie)

Mais uma vez um livro para minha lista de favoritos... Amo livros com astros de rock; esse universo tem um caráter de sedução tão intrínseco, emana uma atmosfera meio primitiva, não sei explicar... Dangerock mistura a sensualidade desse mundo do rock, com um quê de inocência, o que traz um diferencial a essa história que poderia tornar-se um clichê (mas passa longe disso, até porque é impossível a escrita da M.S.Fayes ser clichê!). Este antagonismo pode ser em função da história da banda desde sua constituição até o início da fama, especialmente se considerarmos todo o enredo sob o ponto de vista de Eve. Além disso, pode-se considerar o fato da sublimação de um amor adolescente até a fase adulta favorecer a aura de inocência que fica tão evidenciada no início da história...
Mas enfim, falemos de toda a trama que me conquistou de forma tão arrebatadora. M. S. Fayes nos apresenta uma banda formada por amigos que dividem um sonho; e a força dessa amizade faz com que o caminho trilhado seja mais fácil nessa estrada rumo à fama, sempre tão cheia de obstáculos, tentações e provações. Contudo, se fosse somente isso, seria mais tranquilo... O fato é que Evie, personagem principal e também vocalista da banda, é apaixonada por Brandon (suspiros e mais suspiros para esse maravilhoso “delícia”), seu amigo de infância e guitarrista do grupo, mas ele nem imagina todo sentimento que ela nutre, por tanto tempo e guardado a sete chaves.
Evie não me parece um estereótipo do mundo do rock... Extremamente jovem, vê-se numa carreira meteórica, que a assusta, mas ao mesmo tempo a encanta. Sua força dentro do grupo é mascarada pelo excesso de zelo dos seus amigos e companheiros de banda, que a respeitam e a sufocam com um comportamento superprotetor, blindando-a de praticamente tudo. Mas isso a incomoda, especialmente quando se refere a Brandon, com quem queria manter uma relação para além da amizade... Só que isso parecia um sonho, bem distante...

“Eu não sou uma estrela do rock. Eu sou uma cantora, que porventura ama o rock e se autointitula roqueira, mas ainda assim sou apenas eu. Apenas uma pessoa a mais nesse mar de cantores espalhados pelo país” (Evie).

Claro que o estilo de vida dos seus amigos e parceiros não favorecia a autoconfiança de Evie. Obrigada a viver, digamos, numa redoma, ela somente não era protegida de presenciar as aventuras de Brandon com outras mulheres; era obrigada a engolir e sofrer calada a maioria delas. Acredito que em função de todo esse sentimento suprimido, Evie acabou por tonar-se uma pessoa não tão consciente de sua beleza e imponência, não se enxergava como os outros a viam. E sempre era surpreendida quando se deparava com outra realidade.

“Você não se enxerga como nós a vemos. Você é pura, doce, rebelde ao mesmo tempo. Faz uma pose de durona, mas é completamente derretida e amável por dentro. Fora o fato que é linda e absurdamente sexy. Você é inteligente, talentosa, excepcional”. (Brandon).

Brandon por sua vez, tinha uma história de vida muito sofrida, cheia de perdas e, apesar disso, ainda era capaz de ver o lado bom da vida, de ver alegria nas coisas. Contudo, é possível que o sofrimento enfrentado por todos os anos, tenha blindado seu coração, impedindo que enxergasse pessoas que realmente o amam; entregando-se apenas a aventuras, somente pelo prazer sexual. Via em Evie uma irmã, tendo se forçado a isso na verdade, decidiu nunca olha-la com outros olhos, embora nem sempre conseguisse (disfarçando muito bem). Mesmo que ela acreditasse que a “paixonite” era uma via de mão única, Brandon sempre deu indícios quase imperceptíveis de que a recíproca poderia tornar-se verdadeira. Ele não se permitia nutrir nenhum sentimento como desejo e amor carnal por uma pessoa que cresceu como irmã por todo esse tempo.

“Brandon... não me machuque.” (Evie)
“Eu não vou te machucar mais, anjinho.” (Brandon)

A falta de reciprocidade do sentimento, associado à falta de liberdade e solidão que muitas vezes sentia, amplificou a sensação de aprisionamento, sufocando Evie de maneira tal, que despertou a necessidade de dar um grito de liberdade. A mudança brusca de comportamento dela gerou na banda um sentimento coletivo de desconforto e descrença. Especialmente em Brandon, ecoando nos seus ouvidos e, principalmente no coração, emergindo e libertando os fortes sentimentos que nem havia se dado conta que reprimia, mesmo que ainda confusos e incipientes, há tanto tempo sublimados. E é aí que o livro pega fogo....

“Talvez eu me sinta cansada de sempre estar sozinha” (Evie).

De um lado uma Evie liberta, vivendo a vida, entregando-se a experiências novas, rebelando-se contra comportamentos de excessiva proteção... De outro lado, Brandon, um homem desesperado pelo medo de perda iminente da amiga e mulher que não sabia amar tão intensamente (em minha opinião, recusava-se a aceitar esse amor). Esse grito de liberdade de Eve desperta em Brandon um sentimento que ele vinha tentando sublimar, despertou o seu lado primitivo, mas que ainda precisava compreender tudo que estava sentindo. Enquanto Brandon passa por esse processo de autoconhecimento e autoaceitação, muita coisa acontece no enredo...

“Você continua sendo um enigma lindo pra mim, Evie.” (Brandon).

“Aquela Evie nunca foi sua, porque você nunca quis. Então agora se acostume com esta Evie, que está na sua frente”. (Evie)

Ao se dar conta de tudo que podia estar perdendo, Brandon resolve correr atrás de tudo que deixou de viver com Evie. Brandon se sentiu ameaçado, quando, uma Evie mais madura e confiante, passou a despertar o interesse de outros homens, bem sucedidos e cheios de autoconfiança, e mais além disso, de haver a possibilidade de reciprocidade desse sentimento por ela. Em um momento de busca pela recuperação desse amor que temia haver perdido, Brandon é acometido por um desespero, emitindo comportamentos que quase levaram a um sério conflito na banda, com marcas difíceis de recuperar, especialmente no que tange à sua amada.

“Eu por acaso não valho a pena para ter alguém interessado em mim?” (Evie)

Em meio a tudo isso, o lado obscuro do mundo do Rock ameaça a inocência dessa banda, aproveitando o momento de vulnerabilidade de seus líderes. Influências negativas tentam corroer, inclusive, a solidez de uma amizade construída em meio a tantas dificuldades. Seria a banda e esse casal capaz de resistir a tanta dificuldade e a tantas seduções que o meio apresenta?
É aí que se mostra a grande versatilidade e criatividade da M. S. Fayes! Ao desenrolar o enredo de forma magnânima, faz com que os personagens amadureçam de acordo com a necessidade e com as exigências do mundo do Rock, mas sem perder a essência, sem ceder aos malefícios da carreira meteórica, e acima de tudo, sem macular uma amizade forte (que é a identidade dessa banda) e ainda, permitir a expressão e construção de uma linda história de amor.

“Alguém percebeu que eu cresci e que posso ser interessante.” (Evie).

O momento em que Brandon resolve assumir seu amor e, além disso, convencer Evie do que realmente sempre sentiu, é lindo de ler; é algo que arrancou uma quantidade imensurável de suspiros da pessoa que vos escreve. Ahhhh Brandon, isso não se faz com o coração desta pobre leitora. O momento da entrega, uma entrega mútua, faz com que percebamos o quão forte é a Evie, e o quão inocente pode ser Brandon. As provações enfrentadas fizeram com que ambos passassem por um processo de autoconhecimento. Evie percebeu que ela dependia somente dela para ser feliz, tornando-se mais forte e se responsabilizando por suas escolhas, e assim, ESCOLHENDO amar Brandon. Já ele, em todo este processo, mostra uma inocência e até certa fragilidade, pois ainda era inexperiente no que se refere ao amor.

“Eu te amo. Acho que jamais vou me cansar de agradecer pela oportunidade de você ter me permitido amá-la, Eve. E vou tentar nunca mais decepcionar você.” (Brandon).

“Você é minha, Evie. Minha” (Brandon).


Quando encontram o equilíbrio entre seus processos de crescimento pessoal e profissional, bem como a aceitação de uma série de fatores, entregam-se ao sentimento guardado, de uma forma tão sublime que nos encanta. Vemos o amadurecimento de um amor verdadeiro e arrebatador, mesmo em meio a tantos conflitos e dificuldades. Um amor sólido, mesmo com tão pouca idade do casal, mesmo com a inexperiência que é comum a ambos, ultrapassa qualquer intempérie para se fortalecer. É uma história que poderia ser mais do mesmo, mas passa longe disso, mostra-nos mais uma história marcante dessa autora sensacional e eclética. Sou fã e mais que recomendo. Ansiosa pelos próximos livros dessa série para poder viajar com essa banda dos sonhos.

“Se antes eu apenas amava com meu coração, agora eu amava com meu corpo e minha alma” (Evie).

“A diferença era que agora ele era completamente meu. Meu amigo, meu parceiro, meu amor. E não há sensação melhor do que aquela de pertencer.” (Evie)
comentários(0)comente



Thay 20/07/2020

DangeRock (primeiro)
A história de quatro jovens músicos que vê uma oportunidade de sucesso surgindo com um convite de parceria com uma grande banda de Rock.
comentários(0)comente



Atitude Literária 15/08/2016

Divertida e envolvente.
Resenhar este livro está sendo um grande presente. Eu tive o privilégio de ler a obra a um bom tempo atrás e durante a leitura tive a oportunidade de surtar no inbox da autora, onde sorrimos, discutimos cenas e nos emocionamos com as mais diversas situações ao longo do enredo. Para quem acompanha o BLOG sabe o quanto eu amei a TRILOGIA DA LEI e cada personagem desenvolvido pela autora e poder ler outro trabalho seu me deixou animada e com as expectativas lá no alto, e caros leitores, não me decepcionei. M. S. Fayes, se aventurou por um novo caminho, alcançou um novo público e nos proporcionou uma leitura divertida, leve, viciante e cheia de emoção.

Eve é e sempre foi apaixonada por seu melhor amigo e parceiro de banda Brandon. Uma jovem doce, dona de uma voz de anjo, capaz de hipnotizar multidões e deixar a todos babando. Ela é cheia de atitude, marrenta, que corre atrás do que quer, com exceção do seu grande amor. Brandon é sensual, um guitarrista talentoso e um galinha incorrigível, pegador, safado, leva bem a sério a fama que possui e não cansa de desfilar suas inúmeras conquistas. Com todo respeito à autora, meu primeiro pensamento a respeito dele foi: Mas que ASNO. Ele não consegue enxergar o que está acontecendo bem diante de seus olhos, não percebe o quanto Eve o ama e se machuca com suas atitudes. Até que certo Roqueiro Vintage, passa a dedicar uma atenção especial para a vocalista, e sensação de perda passa a atormentá-lo. Mitch é lindo, sexy, delicioso, que nos deixa apaixonadas e então... QUE PORRA É ESSA DONA AUTORA? Não posso falar muito para não soltar spoilers, mas garanto a vocês, sua participação nessa história não é apenas simbólica, ele chega para virar tudo de cabeça para baixo e nos deixar ao mesmo tempo encantados e furiosos.

“— Ela tem pureza de coração tão tocante que quem chega perto dela é absorvido por aquilo... E eu vou lutar por ela, garoto. Se você não conseguiu valorizar o que estava bem na sua frente o tempo todo, azar o seu.”

Como seria simples se o amor não fosse tão cheio de reviravoltas e intensidade. DANGEROCK mistura romance, Rock Roll e muitas emoções. Eve e Brandon possuem tanta energia os atraindo um em direção ao outro, é inegável a paixão e a intensidade entre eles, quando estão juntos as faíscas correm soltas e todo o ambiente é contagiado com a atração que os rodeia. Porém, são teimosos, cabeças duras e vivem como cão e gato, querem ficar junto, querem se entregar, mas não conseguem encontrar o caminho certo um para o outro. E quando você acha que tudo está certo, que enfim poderemos respirar, a autora vem e BOOM, acaba com tudo, nos da uma rasteira e nos deixa sem ar. Como torci contra esse casal, como me enganei, pedi perdão e passei a torcer a favor. A questão é que eu amei, fui envolvida e terminei a leitura feliz, com aquela sensação de satisfação e sorriso bobo nos lábios.

“(...) Meu coração estava acelerado e completamente fora do ritmo pela simples expectativa de ver Brandon. Mesmo no auge de toda a mágoa, guerra de sentimentos e trocas de palavras rudes... Meu amor por ele era inigualável. Inabalável.”

DANGEROCK, conta a trajetória de uma banda de escola que começa a ganhar os palcos do mundo, descobrindo o lado doce, mas principalmente o lado amargo. Amigos que se apoiam, que querem viver o mesmo sonho, que caem e levantam. Um amor doloroso, que machuca, mas que também é o único que pode curar e libertar, recomeços, reviravoltas, perdão, uma montanha russa de emoções e o mesmo foco, SER FELIZ fazendo aquilo que se ama. Ainda que exista aquela previsibilidade de um possível final, todo o desenrolar e os caminhos que a autora usou para chegar ao fim foram surpreendentes. Preciso destacar cada personagem secundário e minha necessidade para que todos ganhem seus próprios livros, destaque para Malcon e Phill são divertidíssimos e foram responsáveis pela leveza. A trilha sonora está linda e tem certa canção que é pura emoção. Então deixo aqui minha recomendação, ama música? Ama histórias de amor desafiadoras? Pois bem, então se joga.

“(...) Acho que quando amamos muito uma pessoa, acabamos ficando tão vinculados ao sentimento de resposta, que qualquer fissura no bem estar do relacionamento, poderia ser fatal.”

M. S. Fayes tem esse jeitinho próprio de criar histórias divertidas e intensas, gostei da maneira como a autora se desafiou com esse enredo e do modo como ela chega apresentando algo novo, parabéns.

site: http://www.atitudeliteraria.com.br/2016/08/resenha-dangerock-m-s-fayes-editora.html#.V7Iif2CEDIU
comentários(0)comente



Rose 07/05/2019

Eve, Brandon, Phill e Malcom formam a banda DangeRock. Uma banda que começou despretensiosamente na época de escola dos amigos, mas que agora cresceu e está mostrando para que veio.
Eve é a vocalista do grupo e guarda para si um amor não correspondido por Brandon, o guitarrista da banda. Os quatro são amigos de infância e o sentimento de amizade entre eles sempre foi muito forte. Os três encaram Eve como uma irmã caçula.
Eve já está cansada desta visão por parte dos meninos, principalmente de Brandon. E não aguenta mais o desfile de mulheres pela cama do rapaz. Ela quer ser vista e amada, mas o medo e a timidez a impedem de ousar.
Isso até a banda ser convidada a dividir o palco com a famosa banda FunBock. O vocalista Mitchel Clay, lindo e mega assediado acabou se encantando por Eve, e deixou claro seu interesse por ela, o que acabou gerando ciúmes em Brandon.
O fato de Eve também mostrar interesse em "ampliar seus horizontes amorosos" também acendeu a ira do rapaz.
E diante de tanta pisada de bola por conta de Malcon, Eve resolve seguir em frente e esquecer de vez este amor platônico. Resta saber se Malcon está preparado para esta nova Eve que está deixando todo o grupo em polvorosa. Isso sem nem imaginar o que Eve tem escondido de grave deles.
Por trás da fachada glamourosa de Mitchel Clay, existe um mundo pouco conhecido e divulgado para os fãs. Um mundo que Eve está conhecendo e que não está gostando. O problema é que além de guardar para si seus medos e inseguranças, Eve também acaba se colocando em perigo.
Enquanto Brandon tenta reconquistar o amor e confiança de Eve, a vocalista tenta entender a si mesma e os acontecimentos a sua volta. Será que este casal ainda terá a chance de ser feliz?
Um romance leve e gostoso, bem a cara da autora.

site: http://fabricadosconvites.blogspot.com
comentários(0)comente



Iris 23/03/2018

Muito Legal!
Oi Povo, tudo bem?
Hoje vamos falar de “DangeRock” lançado pela Editora Pandorga da autora M.S.Fayes. Acho a capa dele lindíssimas e ao ler o livro achei a cara da Eve!!! Amo quando a capa descreve o personagem, isso vocês já devem ter reparado, né? Rsrs.

Eve McGannon é completamente apaixonada por seu amigo Brandon Conwell, mas infelizmente ele age como se ela fosse irmã. Ambos são vizinhos e foram crescendo juntos, e para completar ainda fazem parte de uma banda de rock chamada DangeRock. Banda é composta por Eve, Brandon, Malcom e Phill.

DangeRock está ficando super conhecida, o que começou como uma brincadeira de adolescente está ficando cada vez mais sério. Os quatro estão viajando por todo o país e quando menos esperam recebem uma proposta surpreendente que vai alavancar ainda mais a carreira da banda.
“A Canção falava de um amor profundo e enlouquecedor. Igual ao que eu sinta por Brandon. Meu amigo de infância. Apenas isso. Meu Amigo. Totalmente por vontade dele, porque por mim ele seria muito mais.”
Só que no meio de tudo isso está Eve, tentando sobreviver a vida louca que eles levam e ainda tentando salvar seu coração. Os meninos vivem na “galinhagem”, mas o que dói mesmo é vê que Brandon continua fazendo questão de não enxergar o que está na bem na sua frente. Como ela não aguenta mais, resolve mudar seu comportamento e tentar esquecê-lo. A partir dessa decisão que as coisas na vida dela começam a acontecer em um ritmo incontrolável.

Eve é aquela mocinha que amamos e odiamos durante os capítulos, juro que tinha horas que queria gritar: “Amigaaaa, para agora de fazer isso!! Vai dar merda!”. Brandon é um mocinho que quis bater de verdade, mas perdoei bem no finalzinho. O que mais curti do Brandon é que ele faz tanta besteira que é cara da realidade dos homens, eles realmente não entendem as mulheres!! Rsrs.

Um ponto fortíssimo é a amizade dos integrante da banda, é a coisa mais fofa de se ver!!! Estou louca para ler o livro de Malcom, pois ele se mostrou um personagem tão lindo que fiquei meio apaixonada, então estou louquinha para lê-lo!! Rsrs. Phill é meio avoado, mas tem um coração de ouro e fiquei louca ao saber que ele também terá uma história!!! :D

"Daí, depois de todos os eventos pelos quais passei, percebi que o Felizes para Sempre era o hoje. Viver o dia presente ao lado da pessoa amada, fazendo aquilo que mais amamos. Viver com intensidade, na esperança de que o hoje tenha sido muito mais excitante que o ontem. E o amanhã, mais do que o hoje."

Sei que por tudo que falei acima parece que o livro é mais do mesmo, contudo é aí que está a grande sacada da leitura. Porque DangeRock é simplesmente surpreendente sendo impossível de largar até saber o final. Fayes conseguiu me deixar de queixo caído porque o enredo tomou um rumo totalmente inesperado!!

site: http://www.fadasliterarias.com.br/2017/11/dange-rock-resenha.html
comentários(0)comente



Gabriela 01/04/2020

Intenso
Uma leitura fácil, você termina o livro em algumas horas.

É impossível não torcer para a Eve não ter o seu final feliz depois de tudo que teve acontecendo com ela, um personagem forte e marcante!
comentários(0)comente



KARLA 07/02/2020

DANGE ROCK
Um livro que fala do romance entre amigos de infância, que tem aborda o assédio sexual de uma forma bastante clara de entender.
comentários(0)comente



@Livrosdami_ 18/10/2017

DANGEROCK - ROMANCE GOSTOSINHO...
Eve, mocinha linda e virgem, cantora de uma banda de rock, amiga e loucamente apaixonada por seu melhor amigo, desde... Sempre.
.Brandon, um típico Playboy, guitarrista, mulherengo e melhor amigo da mocinha Eve.
.Temos mais dois participante da banda, mas eles são apenas de apoio. Kkkkkkkkk.
Após um convite inesperado de uma das bandas de rock bem sucedida, Eve se vê no meio de muito glamour, mas e muita dor tbm.
.Já o babaca do Brandon, (digo babaca pq é exatamente o que ele é no começo do livro) começa a enxergar a Eve com outros olhos, mesmo achando que não deveria, pq ele sempre a amou como irmã e sempre a respeitou com tal. Porém, ao ver que ela está abrindo mão do sentimento por ele, Brandon acorda...
Mas será que não foi tarde demais?
Será que o amor vence a luxúria e o glamor? ??
.
.
.Eu amei a estória. Super recomendo.
.
🔝(Minha avaliação foi 4 pq faça para explorar mais o descobrimento do Brandon. Mas adorei.)
.
.
comentários(0)comente



Camila (Book Obsession) 08/10/2016

Prepare-se para pegar carona na turnê dessa banda de rock que mesmo com pouco tempo de estrada já causa furor por onde passa. Os personagens da Banda DangeRock, que foi formada nos tempos de escola, mantêm os integrantes originais desse quarteto, e que mesmo com todo o circuito de shows e tudo mais que cerca esse mundo da música. Podemos observar a narrativa nos trazendo o envolvimento dos amigos Eve McGannon (vocalista) e Brandon Conwell (guitarrista) que se conhecem desde os tempos de escola.

A autora, M.S. Fayes, desenvolve toda história dos personagens com narrativas alternadas, o que é bem interessante e particularmente me atraí muito nas leituras pois vamos vendo diferentes pontos nas situações de acordo com cada personagem sem ficar maçante ao longo do mesmo, outro ponto bem a favor são os capítulos curtinhos, pois na correria do dia a dia facilita e muito e quando percebemos vamos lendo mais um capítulo, e adicionamos mais um e assim por diante, ou seja, uma loucura, rapidinho terminamos e não nos damos conta. Mas vamos seguindo a história.

Carinhosamente conhecida como Evie, a desbocada menina de cabelos roxos, nutre um amor por seu amigo Bran desde a infância e no qual o guarda em silêncio, aguentando por todo esse tempo ver o guitarrista após os shows se enrabichar pelas famosas groupies, tão comuns nesse ambiente da música. Após anos sofrendo calada Evie, decide abrir seu coração para seu amigo, que com medo do algo mais prefere manter a linha da amizade, mais uma vez magoando os sentimentos de sua amiga.

“Eu sempre tive medo de você acabar se apaixonando por mim ao longo da nossa jornada e acabar estragando a nossa amizade.”

O que Bran não contava, é que após se rebelar e dar um basta nesse sofrimento Eve decide dar seu grito de independência e chocar a todos com suas opções afim de mostrar o quanto amadureceu e que não é mais a mesma garotinha adolescente dos tempos da escola.

“Para um cara, ele era extremamente tapado. Se bem que todos os caras eram meio tapados em relação a sentimentos quase explícitos à frente deles. Coloque uma mulher medonhamente apaixonada ao lado e ele perceberia? Claro que não. A não ser que ela tivesse peitos bem chamativos e turbinados. Coloque uma piriguete claramente tentando infernizar a vida de um casal dando em cima do seu namorado. Ele perceberia a armação? Claro que não. Somente quando a merda estivesse feita e a namorada em questão desenhasse tudo num quadro negro.”


E como em toda história, algumas situações favorecem a mocinha para que ela tenha oportunidade de mostrar a que veio. Inclusive optando por aceitar um trabalho para fotos mais ousadas bem como o convite para trabalhar abrindo os shows em parceria com uma banda mais antiga do cenário, a FunBock. De quebra na vida de Eve surge Mitchell Clay, vocalista da FunBock que imediatamente se interessa pela jovem rebelde desbocada de cabelos roxos e agitando o mundo do lento Brandon (sério, lento mesmo, como pode ser tão alheio a tudo a sua volta), que só após notar o interesse de Mitchell começa a correr atrás do prejuízo de suas inúmeras burradas.

Lógico que muitas confusões e desentendimentos ocorreriam nesse triângulo, e a cada vez que Brandon abria a boca para falar, mais ele metia os pés pelas mãos, mais Eve se irritava, mais aparentemente Mitchell ganhava terreno.
Mitchell, rico, famoso, acostumado a ter todas as mulheres que sempre quis com apenas um estalar de dedos, acabou sendo envolvido pela beleza e inocência da Eve. Fazendo com que suas investidas na mocinha tornassem mais intensas e para ódio de Brandon seu ciúme crescia ao se deparar com artilharia pesada do rival.

Devido o estresse de todo esse ambiente, decepção com Brandon, ensaios, Eve resolve fazer uma fuga para refletir sobre alguns pontos, o que ela não contava é que após seu primo passar os dados de sua localização para Mitchell, logo se faria presente, e não deu outra o vocalista apareceu como sendo o bom moço, o típico lobo em pele de cordeiro, pronto pra atacar sua presa, faz um convite e a leva para sua casa em Malibu para passar uns dias. Ô maravilha, sombra e água fresca! O que Eve não contava era com mais uma grande decepção chegando, ao longo dos dias Mitchell resolve dar uma festa e tudo vai por água a baixo (a típica frase “sexo, drogas e rock and roll” entra perfeitamente nesse momento do texto). Ao extrapolar no uso de entorpecentes regado a bebida, o ensandecido Mitchell parte pra cima de Eve com tudo, na tentativa de forçá-la a ter relações com ele, e a mesma se apavora conseguindo fugir pro seu quarto quando o mesmo desmaia, vergonhoso por sinal.
Eve volta pro hotel no dia seguinte e Brandon enfurecido resolve tomar uma atitude e reclamar como sua a menina que há tempos mexe com ele, mas como todo homem demora a perceber.

Daí pra frente é só amor. O casal em harmonia, Evie e Bran se descobrindo em seu íntimo, do que curtem quando estão juntos, a pegada rock n’ roll na cama se é que me entendem.
O que não contaríamos é que a autora fosse aprontar, tipo filme de terror com mais um susto para os leitores e pra esse casal. Após um show fodástico, o louco, raivoso e bipolar Mitchell em mais uma de suas façanhas, por sinal tive muita vontade de bater nele nesse momento, faz-se aqui um registro, ao agredir fisicamente a vocalista, e óbvio se dá mal sendo preso por ser um covarde bundão.

Algumas passagens de tempo ocorrem, a banda se estabelece no cenário musical, a amizade dos integrantes permanece de forma bonita e graciosa e o casal Evie e Bran, mostra que vale a pena arriscar em prol do amor.

Leitura rápida como já mencionei, o livro é uma boa pedida para aqueles que assim como eu, curtem romances trazendo músicos, bandas e está disponível em físico pela editora Pandorga que vem a cada dia abrindo mais espaço em suas publicações para os autores nacionais que não deixam a desejar e só nos orgulham por ser tornarem referência com belas histórias.


“Eu sempre me perguntei o que realmente significava a expressão Felizes para Sempre. Ou o que vinha depois daquilo. Daí,depois de todos os eventos pelos quais passei, percebi que o Felizes para Sempre era o hoje. Viver o dia presente ao lado da pessoa amada, fazendo aquilo que mais amamos. Viver com intensidade, na esperança de que o hoje tenha sido muito mais excitante que o ontem. E o amanhã, mais do que hoje.”



site: https://bookobsessionresenhas.blogspot.com.br/2016/10/resenha-dangerock-ms-fayes.html
comentários(0)comente



Brenda Ribeiro - @mia.euamoleitura 02/04/2019

📄 Eve é vocalista da banda criada ainda na adolescência com seus amigos, a DangeRock. Todos moram num ônibus fazendo seus shows pelas cidades dos Estados Unidos.
📄 Além de companheiros de banda Eve tem uma paixão por Brandon, o guitarrista, mas nunca contou a ninguém. O que torna as coisas estressantes pra ela por causa das atitudes dele todos esses anos.
📄 Depois de um show, eles receberam um convite de um dos astros do rock do país para fazer show com ele. E como nada é tão fácil como parece, eles vão provar os piores momentos dessa "parceria".

📌 Bom, não gosto muito de entregar o "tchan" da história, então vou deixar a resenha só até aí.
Mas pra quem gosta de rock, desse espírito de banda, amizade e amor tem que ler esse livro. Mas além disso, um assunto bem da nossa atualidade.
Esse é o primeiro livro da trilogia e eu tô louca pra ler o resto (falta comprar o 3° ainda) 😍
Obs: só não dei 5 por uns detalhes que gostaria que fosse diferente 😏
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



54 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4