Sorte ou azar?

Sorte ou azar? Filipe Salomão




Resenhas - Sorte ou azar?


9 encontrados | exibindo 1 a 9


Afreitas 14/09/2019

Diferente de tudo que já li
Mesmo no início desse livro, quando eu tava bem no comecinho mesmo, eu logo pensei: "Meu Deus, como eu vou resenhar isso?". O livro é diferente da maioria das coisas que já li, e pra mim ele foi um "eita" atrás de "eita" a cada página.
Bem, o livro conta a história de Pedro, um menino que nasceu e cresceu em uma família problemática, tendo uma vida igualmente problemática. O livro é dividido em 5 partes: Infância, adolescência, responsabilidades, frustração e destino, o que me chama muita atenção de não ter algo como "adulto" ou "velhice" como títulos das partes, E O QUE ME FAZ ACHAR MAIS GENIAL AINDA, pois "responsabilidades, frustração e destino" contempla muito bem essas duas fases da vida.
O livro pra mim foi uma caixinha de surpresas que quando terminei de ler e parei para refletir, apesar de certas situações no livro serem extremamente absurdas, outras me fizeram lembrar de várias situações cotidianas na vida de muitas pessoas, principalmente relacionamentos tóxicos. O Pedro tem um amigo, e uma das coisas que mais me deixou mal no livro foi a amizade deles pelo fato de não fazer bem de forma alguma.
É muito trabalhado o amadurecimento dos personagens e isso me chamou bastante atenção, pois na minha opinião foi feito de forma certa.
A linguagem com palavras inapropriadas e humor ácido é uma das coisas que mais prendem você ao livro, e eu diria que é a marca principal dele. A brincadeira com "sorte e azar" é uma das coisas que mais gosto do livro, e sempre esperava para ler isso ao longo da leitura.
Apesar da capa, esse livro não tem nada de fofo ou clichê, por isso digo para não se enganar, você vai se surpreender e muito com essa leitura!
comentários(0)comente



Cintya Plem 17/01/2019

Sorte ou Azar?
Mesquinho, arrogante, mulherengo, bêbado e sem escrúpulos é o Pedro, personagem principal dessa trama que desde sua concepção conta sua história toda através de suas visões, ele já veio julgando, julgando sua família e mostrando o caráter dubio que iria carregar durante sua trajetória de vida, se mostrando o dono da razão e detentor do que seria certo e errado.
Estar no meio de uma família problemática e ainda criar uma amizade com Ricardo não ajudou em nada, já que o mesmo também tinha todas essas características, porem era de família religiosa em que todos se espelhavam, tinha lábia e sempre queria se dar melhor que o mais novo amigo. Os anos passam e as diversões que querem só vão aumentando de proporção e problemas.
Houve um momento de oportunidade para o amadurecimento de Pedro, quando ele se apaixona por uma garota certinha e que seria capaz de lhe mudar, é perceptível também o interesse dele em ser melhor, ter uma vida boa e pensar no futuro, como alguém que merece coisas boas, pois as pratica. Mas o jogo de sorte e azar está sempre em cena e seus planos não são os do criador, certo?
Em seu primeiro trabalho que foi tão desejado e suado ele percebe uma grande mudança em sua vida, como novos relacionamentos, mas também precisa enfrentar desafios inimagináveis para continuar subindo.
Pedro é um personagem difícil de gostar, se ele fosse real seria daqueles que prefiro manter uma enorme distancia. Os outros erram, são horríveis, mas ele também tem sua parcela de culpa.
Uma ótima escrita faz toda a diferença, de forma cômica e sarcástica acompanhamos todo o desenrolar da trama que tem seus pontos positivos e negativos também. A mensagem que fica é que mesmo avaliando nossas ações, tudo já está acertado, não temos controle entre a sorte e o azar.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bea Oliveira 10/08/2017

Resenha: + 18: Sorte ou Azar?, Filipe Salomão | Bea Oliveira.
"Como a vida é irônica, não? Em dois minutos, ele gozou dentro de mim. Acho que o trabalho estava quase chegando ao fim, quando mudei os planos, e com aquele medo da dor da primeira vez, não notei a falta da camisinha.Mas, por outro lado, eu, eu aqui me apresento pela primeira vez na história mencionando minha outra visão de toda aquela situação. Lá estavam papai e mamãe, e eu. [...] Um dos milhões de espermatozoides, o mais esperto, o escolhido naquele sêmen todo. E pensar que mamãe quase me engoliu.É nisso que vejo a definição de sorte e azar.Sorte é nascer.Azar? Além da família pobre que nasci, vou citar só mais três coisas.Primeiro, meu pai virou um alcoólatra...."

Pedro não tem uma boa família. Seu pai não é um bom homem, despreza a mãe do garoto e ensina o filho a despreza-la também, até porque foi ela quem transou na primeira tentativa dele e engravidou. Pedro só faz escolhas erradas e se mete em um problema maior que o outro, mesmo quando ele acha que tudo vai melhorar, até porque ele se apaixonou e está pronto para construir família, ele vê tudo desmoronar diante dos seus olhos graças as companhias que atraiu para vida.

"Sorte, sorte é ter um exemplo dentro de casa.
Azar, azar é seguir o exemplo errado."

Seu melhor amigo é um idiota, sua melhor amiga é uma puta - literalmente - e seu pai com a ajuda dela se matou. Pedro não sabe o que quer da vida, e a maior parte do tempo está concentrado em conseguir mais maconha e mulheres. O livro Sorte ou azar? explora o pior cenário possível de uma gravidez indesejada, e Pedro mesmo que aparente não ser uma boa pessoa, acaba se mostrando apenas uma consequência do meio.

Torci por Pedro, e me vi tendo de concluir o óbvio: a vida não perdoa e sempre dá o troco.
O conteúdo descrito é deveras pesado, e não apenas por ser um conteúdo adulto, mas sim pelo fato de ser uma história seca. Não há esperança em parte alguma. Sorte ou Azar? é um tapa na cara. É um livro que mostra o pior da vida. E com o melhor desfecho possível, a melhor coisa que poderia acontecer a seu personagem principal. Um final tão perfeito que vai deixar você se perguntando: Sorte ou azar?

site: http://biblioteca-r.blogspot.com.br/2017/06/resenha-18-sorte-ou-azar-filipe-salomao.html
comentários(0)comente



Corujas de Biblioteca 12/03/2017

Um livro extremamente cru. | Corujas de Biblioteca
Uma história sem um começo feliz, nem um meio feliz, muito menos um final feliz, mas que vai te prender e te fazer pensar na vida de um jeito um pouco mais pessimista.

Pedro não tem uma boa família. Seu pai não é um bom homem, trata sua mãe muito mal e acaba ensinando o filho a desprezar sua mãe por que engravidou cedo e engordou. Como da pra perceber não é um livro comum. Pedro só faz escolhas erradas e acaba se metendo em um problema maior que o outro, mesmo quando ele se apaixona, vê tudo desmoronar diante dos seus olhos graças as companhias que atraiu durante a vida.

Seu melhor amigo é um idiota, sua melhor amiga é uma puta e Pedro não sabe bem o que quer da vida, a maior parte do tempo está concentrado em conseguir mais maconha e mulheres. Sorte Ou Azar? Explora o pior cenário possível da vida dele, e mesmo que Pedro não seja uma boa pessoa, a escrita nos motiva e continuar lendo e até torcer para ele se redimir. Torcemos por Pedro, só para concluir o óbvio, que a vida não perdoa nenhum dos erros graves que ele cometeu e dá o troco do seu jeito.

É muito importante ressaltar que esse livro tem conteúdo adulto, muito conteúdo adulto, e pode ser forte até para maiores de 18 anos por causa da linguagem explicita. Isso foi algo que me incomodou um pouco durante a leitura, já que não estou acostumada a esse tipo de leitura seca, mas entendi que o autor queria passar a maior verdade possível e os palavrões cumprem seu papel nesse aspecto.

Não encontrei nenhum erro de revisão e achei a diagramação bem simples e limpa, o que é uma característica dos livros da Chiado. Recomendo pra quem tem estômago mais forte e um pouco de coragem também para se aventurar no infortúnio que é a vida de Pedro.

site: http://www.corujasdebiblioteca.com.br/2017/03/resenha-premiada-sorte-ou-azar-filipe.html
comentários(0)comente



Tammy 07/02/2017

Sorte ou azar? (Livreando)
Se teve uma coisa que não fez muito parte da vida de Pedro foi sorte. Sim, vamos ser claros e declarar que durante sua vida, Pedro só se ferrou. Isso significa que ele se tornou um personagem motivador, que nos causa empatia e nos faz torcer por ele? Com certeza, NÃO!

"Sorte, sorte é ter um exemplo dentro de casa.
Azar, azar é seguir o exemplo errado." p.20

Desde o seu nascimento Pedro já não foi bem aceito. Nasceu de uma esquecida de camisinha e dia após dia, era jogando em sua cara o quanto foi indesejado. Cresceu em um lar completamente abusivo, com um pai machista e alcoólatra e uma mãe que já tinha se anulado há tempos e não tinha forças para mudar sua situação.

"Não gostava de ver brigas, mas me acostumei, não gostava de ver minha mãe triste, mas me acostumei. Eu não gostava de muitas coisas, mas me acostumei com todas." p.22

Como referência, absorveu os piores exemplos possíveis e a situação não melhorou em nada após a marte do pai. Em uma adolescência regada a drogas, mulheres e ser popular, Pedro demonstra ao leitor o resultado de uma criação relapsa, sem referencia entre o que é certo e errado e sem a moldura de um caráter de bem.

"A vida me deu alguns golpes. Mas, não sei o que há comigo, sempre os aceitei, nunca entrei em depressão. Vai ver, nasci pra me foder e aceitei isso, ou vai ver, meus sentimentos são superficiais. Como disse anteriormente, me acostumo com as adversidades." p.29

Após a morte de seu pai, Pedro começa a se redescobri e compreender como funciona o mundo pela sua percepção. Se alia a Ricardo e juntos, tornam-se insuperáveis no quesito popularidade. Sempre com garotas disponíveis e uma "viagem" da hora, os dois seguem juntos. Até que vêm as responsabilidades do futuro e o primeiro amor, o que seria o start motivador, acaba se tornando o estopim para perceber o quanto a sua vida era uma droga.

Sorte ou Azar? é um livro que com certeza não irá te emocionar, na verdade, Pedro mexe com todas as suas emoções negativas durante a narrativa, ele é um personagem sem compaixão, mesquinho, machista e que sendo o mais sincera possível, mereceu todo o "azar" de sua vida. Nossa, Tammy! Não está exagerando. Não!

"A procura pela felicidade é um caminho sem fim, onde mesmo acertando o caminho, o fim não é o certo. E se errar, pode se deparar com alguns monstros bem conhecidos pela sociedade." p.279

Pedro por diversas vezes nos deixa em agonia durante a narrativa pela sua maneira de ver o mundo ao seu redor, pela falta de respeito que tem pelas mulheres e pela família, no caso, sua mãe. Não tem como você gostar desse personagem, ele simplesmente traz de maneira crua e bem verdadeira o que um ser humano é capaz. Sim, em suas atitudes é possível perceber que esse personagem é simplesmente uma personificação de muitas pessoas que convivem conosco e se cobrem por máscaras para manter a ética, mais que no íntimo, queriam ter algumas atitudes de Pedro.

Seu pensamento é correto, então? Nem um pouco. Ele realmente mostra o pior lado do pensamento humano. Seria só culpa de sua criação? Não aposto nisso. Para mim, Pedro se deixou dominar pelos sentimentos ruins que ajudaram a criar seu caráter e a distorcer certas convicções. Ou seja, foi uma mistura dos dois.

"É uma estranha relação humana, onde quem mais está perto de você é quem mais corre o risco de ser extremamente magoado por você." p. 143

Sorte ou Azar? te trará sentimentos de revolta e incredulidade. Você irá observar uma mente perturbada pelos traumas de infância e mesmo assim, não irá se solidarizar com ele. Pela capa, com certeza não pensava encontrar o que encontrei nas páginas desse livro, mas o aviso na contracapa foi bem sincero. É preciso se atentar as dicas ?.

Esse é um livro indicado para maiores de 18 anos, não somente pela descrição das cenas sexuais, mas pelo linguajar forte e bruto que encontramos durante a narrativa. As folhas são amareladas e a fonte é bem agradável para a leitura. Encontrei alguns erros de digitação e falta de coerências em algumas passagens, o que me fez voltar a leitura para compreender melhor. Apesar da capa ser uma fofura, é bem significativa com a história.

Para quem procura uma leitura um tanto reflexiva, sem grandes emoções e sem um final feliz. Com certeza te indico esse livro sem medo. Mas ouso dizer, que todos deveriam ler, é tipo um mal necessário e esse livro tem conteúdo para isso.

Bjim!
comentários(0)comente



Karina 23/01/2017

SORTE OU AZAR? - Felipe Salomão
Felipe Salomão, parceiro do Blog Casa de Livro, nos apresentou uma obra divertida e recheada de reflexões.
Sorte ou Azar?
Uma história que nos mostra que tudo é uma questão de ponto de vista.
Até que ponto você deixaria o rancor dominar sua vida?
Pedro sempre foi um garoto cercado de exemplos ruins.
Fruto de um casamento forçado, o garoto vivia sob o teto de um pai machista e de uma mãe que não aguentava mais viver.
Durante as brigas sempre o culpavam por esse casamento. Uma criança que não deveria ter nascido, que só dava gastos e não prestava para nada.
Pedro culpava sua mãe pelas brigas. Por não ser uma esposa boa para seu pai. Mas ela não tinha culpa do homem desprezível seu marido tornou-se.
Pedro ficou órfão do exemplo masculino de forma abrupta. A morte de seu pai não contribuiu em nada para a melhora da família, pelo contrário, sua mãe ficou ainda mais doente e obesa.
Porém o garoto levou vantagem com tudo isso. Conseguiu uma amiga mais velha, a puta de seu pai, que o ensinou a arte do sexo e de como seduzir as garotas.
E Ricardo, um garoto da escola que queria aproveitar a popularidade de Pedro, e assim viraram melhores amigos.
Era uma dupla unida.
Os dois adoravam seduzir meninas mais novas e ficar o dia todo fumando.
Mas uma vez Pedro foi exposto a pensamentos machistas. Ricardo não tinha escrúpulos e faria de tudo para conseguir o que queria.
O garoto não gostava de certas atitudes de Ricardo, mas acabava o seguindo, para não perder a amizade.
Mas com o passar dos anos as coisas foram mudando. Não eram mais crianças.
As responsabilidades aparecem e precisam agir como homens.
Pedro conseguiu um emprego, tinha esperanças que as coisas poderiam melhorar.
Ricardo estava sempre lhe passando a perna, já estava na hora de algo acontecer em sua vida.
Agora era o momento das decisões.
Pedro precisava fazer suas escolhas.
Ele conseguirá mudar?
Uma obra que nos faz refletir sobre atitudes.
Casa de Livro Recomenda.

Sorte, sorte é você ter um enterro com amigos e parentes e,
em última homenagem em vida,
você se tornar aquilo que nunca conseguiu ser de verdade, uma boa pessoa.

Titulo: Sorte ou Azar?
Autor: Felipe Salomão
Páginas: 300
Ano: 2016
Editora: Chiado

Boa Leitura
Casa de Livro
Karina Belo

Meu pai bebia cada vez mais, e, com o tempo, não ficava mais legal depois da terceira cerveja, mesmo porque, como ele falava, a cerveja estava cara, e a partir de então, passou a beber só pinga! E a vida ia decaindo.

Como assim.
Eu a vi saindo lá de dentro. Da casa do meu melhor amigo. Será que ela apenas entrou para usar o banheiro? Não. Era difícil mentir para mim, quando eu os vi chegar e ela já estava la dentro.

site: www.casadelivro.com.br
comentários(0)comente



Filipe 20/10/2016

Resenha por Renato
Acho importante dizer que, como comentei com o próprio autor, esse livro deveria ter um selo "+18". Só de ler a primeira página você vai entender o motivo.
A famosa frase "não julgue um livro pela capa" se aplica muito bem nesse caso. Por mais que pareça super fofo um coelho na capa, poucas pessoas se atentam que ele carrega a própria pata como amuleto. E mesmo quando percebem, esperam que seja um livro que vai ajudar a ver as coisas sempre pelo lado positivo. Mas esse não é um livro de auto ajuda, não é um livro politicamente correto é como o próprio autor diz: "esse livro não vai te emocionar".
Tentando não dar spoilers, mas não espere o sucesso de ninguém e não se apegue a ninguém. Não teria como falar sobre o livro sem um palavrão: Pedro se fode, se fode muito! E quem nunca se fodeu na vida? Normalmente quando lemos/assistimos/ouvimos uma história, parece que por mais difícil que a situação esteja, tudo se resolve magicamente, o que cria uma falsa esperança em muita gente. O que esse livro proporciona é diferente, é ficção mas com muita realidade, coisa que muita gente já passou ou vai passar, e vemos que nem tudo se resolve da forma que gostaríamos. As vezes precisamos de um tapa na cara para aprender que nem sempre as coisas na vida tem um final feliz e que tudo vai dar certo. E é isso que esse livro faz.
Filipe 07/09/2018minha estante
S2




AlineBergamo 14/09/2016

No que você acredita?
De quem é a culpa se a sua vida é uma droga? O Pedro acredita que é tudo uma questão de sorte (ou azar). E já que a vida dele começou de um jeito bem errado, ele está destinado ao fracasso. Simples assim.
Pedro não é um personagem fácil. E se você tem um mínimo de sanidade, vai odiar ele logo nas primeiras páginas. Porque esse livro não foi escrito pra te agradar. Na verdade, ele te ofende. Te revolta. Mas quem nunca precisou de uma pancada literária, que atire a primeira pedra.
Uma jornada sobre sexo, drogas, mentes perturbadas e relacionamentos estranhos. Não é fácil de acompanhar. As atitudes do personagem fazem com que a gente se questione sobre como encaramos os nossos problemas. Será que estamos jogando a culpa na sorte, quando na verdade deveríamos estar tomando as rédeas e assumindo a responsabilidade sobre as nossas falhas? Será que podemos atribuir os infortúnios à puro azar? Eu prefiro acreditar em carma. Em atitude e consequência. Em ser protagonista e não uma vítima na sua própria história.
comentários(0)comente



9 encontrados | exibindo 1 a 9