A Divina Comédia: Inferno

A Divina Comédia: Inferno Dante Alighieri




Resenhas - A Divina Comédia


120 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8


Lais 13/08/2014

Chato que Doí!
Abandonei esse, ele conta a descida ao inferno por Dante, apesar de ser um clássico realmente não aguentei escrita nada dinâmica e chata!
comentários(0)comente



Luciano Luíz 09/08/2014

Não foram poucas as aventuras baseadas nesta narrativa de DANTE.
A DIVINA COMÉDIA, é um passeio do escritor italiano, pelo Inferno, Purgatório e Paraíso.

Onde conhecemos inúmeras "celebridades" da época do autor, que primorosamente, encontram-se nestes três níveis após a morte.

Existem duas versões da tradução: em canto e prosa.
A versão canto, é mais fiel.
Porém, em prosa, como sempre, o texto é mais fácil para quem não tem o costume da narrativa corrida da poesia.

Mas, existe uma versão onde apenas a parte INFERNO está disponível. Esta edição, é considerada a melhor tradução para língua portuguesa. Só que como o tradutor morreu, infelizmente, as partes PURGATÓRIO E PARAÍSO, não existem... Não lembro o nome do tradutor desta versão.

Mas, as demais que são encontradas no mercado, também são boas.
E vai do gosto de cada leitor e leitora, para acompanhar DANTE em sua viagem, onde ele anseia ver sua amada.



L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/pages/L-L-Santos/254579094626804
comentários(0)comente



Adriano 24/07/2014

Poesia
Desculpe, mas por ignorância peguei este livro, olhei para as primeiras páginas e vi que não iria completar sua leitura nunca. Motivo? Como comentei, por ignorância de não saber que era um livro de poesia, não tenho o hábito e o gosto de ler poesias. Simples assim. Mas para quem curte, deve ser uma obra excelente. Vide os comentários daqui e os que encontramos no google.
comentários(0)comente



Jack Falstaff 22/07/2014

Emulando Tomás de Aquino com os filósofos Árabes, Dante toma muito emprestado do esquema teológico ocidental, a lógica de que Deus existe em razão da causa primordial que Aquino formulou permeia em toda a leitura da Comédia. No mais um dos grandes livros do ocidente, merecidamente o título de maior livro da Idade média, e colocaria com Hamlet, A Ilíada e Don Quixote como as obras que mais suscitam interpretações.
comentários(0)comente



Alhazred 25/06/2014

Recomendadíssimo
Sem dúvidas A Divina Comédia em verso e rimas é uma obra absolutamente divina (não há palavra mais justa para descrever a obra) especialmente para quem entender o original em italiano.

Mas para leitores iniciantes talvez o poema se torne difícil e cansativo, logo para aqueles que estejam mais interessados na história do que em poesia, esta edição da Cultrix é sem dúvida a melhor recomendada.

Aliás, um leitor incauto que leia essa bela prosa e se encante com a riqueza de detalhes, surpresas, revelações e a jornada épica de Dante através da geografia do Inferno, Purgatório e Paraíso ficará abismado em saber que este texto tão bem tramado e tão repleto de significados na verdade foi escrito em verso e rima (que aí recomendo ler em outra edição) ao longo de nada cansativos 100 cantos.

Detalhe positivo para as recorrentes boas notas de rodapés que surgem nesta edição, com curiosidades interessantíssimas.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ed 08/06/2014

Foi difícil terminar
Acho que maior do que a saga de Dante foi minha saga pra terminar esse livro. Complicadíssimo, com diversos conceitos, metáforas, ambiguidades e uma história absurdamente complexa, mas quando você pega o embalo e tudo fica interessante não da mais pra parar. Eu adorei, apesar de toda dificuldade.
comentários(0)comente

Luiz Furcin 22/06/2014minha estante
Apesar de tudo, acredito que essa complexabilidade é o que confere ao livro tamanha grandeza. Também senti dificuldade para captar toda essas sutilezas da obra, mas vale muito a pena.


Luiz Furcin 22/06/2014minha estante
Apesar de tudo, acredito que essa complexabilidade é o que confere ao livro tamanha grandeza. Também senti dificuldade para captar toda essas sutilezas da obra, mas vale muito a pena.




Karina 13/05/2014

"A Divina Comédia é uma das obras poéticas fundamentais da leitura mundial. Seu impacto sobre os contemporâneos de Dante foi enorme e quase imediato. Já no século XIV criavam-se em toda a Itália cátedras especiais para interpretar seu conteúdo alegórico. A posteridade só confirmou sua grandeza.
Dante começou a escreve-la em 1308 e trabalhou nela até pouco antes de sua morte. Nela, o trágico não constitui elemento essencial, e a língua e o estilo empregados são simples e naturais. Acompanhado por Virgílio, o poeta percorre o Inferno, o Purgatório e o Paraíso.
Para Dante, Virgílio representa a Razão e a Sabedoria Humana. E Beatriz, a mulher amada, a Revelação e a Sabedoria Divina.
Este volume contém o texto integral da obra-prima de Dante."
comentários(0)comente



Bruninha 03/05/2014

"Após o sofrimento virá a redenção" (Alighieri, Dante.)
"Ela é de tal maneira constituída que mostra embaixo (...)o mor entrave, que vai se declinando a subida" (Alighieri, Dante.)
ou seja, quanto maior a escalada rumo ao céu, ao perdão dos pecados, mais leve se torna o passo de Dante.

Junto ao seu parceiro Virgílio, (alma pagã destinada á guiar o poeta)Dante trava uma caminhada no mundo dos não vivos, em busca de redimir seus pecados após a morte de sua adorada, Beatriz.
Ao caminho do paraíso, Dante se depara com almas e seus 7 pecados, primeiramente no purgatório, sendo que entre estas varias são muito famosas, fazendo a obra grandes críticas á aristocratas da sociedade antiga.
O protagonista passa por almas que foram dominadas pelos sete pecados capitais: Inveja, ira, negligencia, avareza, gula(vício),e luxuria; Sendo que, em cada terraço de pecado que subia se dirigia á uma forma de "castigo" por assim dizer, relativo ao pecado.
Ao decorrer do livro Dante tem vários sonhos, aqui interpretados como presságio divino para o seguinte passo que o protagonista desbravava.

Quando chega ao Paraíso terreal, encontra com Beatriz, sua amada, que o faz lembrar o quanto foi pecador ao se ver sem ela,Dante se enche de vergonha, e então é batizado por ela, ser quase angelical, fazendo Dante redimir-se dos pecados com tal gesto.
Já sem seu parceiro, Virgílio, Dante sobe aos nove céus com Beatriz, os quais são, respectivamente:

1°Céu Lunar´-Lugar aonde encontram-se os voltados ao bem, porém não cumpridores integrais do voto religioso;
2° Céu de Mércurio:Aonde encontravam-se almas que praticavam o bem para obter fama e gloria;
3° Céu de Vênus:Almas sensíveis ao amor, com salvação plena;
4° Céu do Sol: Almas dos grandes Teólogos, como Tomás de Aquino;
5° Céu de Marte: Almas que morreram na Terra por Cristo e pela Fé;
6° Céu do Planeta Júpiter: Espíritos de príncipes justos;
7° Céu de Saturno: Espíritos contemplativos;
8° Céu das Estrelas Fixas: Aonde Dante se depara com Cristo, Maria, divindades e CIA e é interrogado sobre suas virtudes e devaneios;
9°e ultimo céu: "Primo Mobile" Aonde era possível ver todos os outros céus assim como os anéis angelicais e a Divindade.

O livro termina quando nosso protagonista, já não acompanhado de Beatriz, se depara com três anéis, fazendo á alusão á santíssima trindade, o poeta sente seu corpo se transmutando, tal transmutação aqui interpretada já como a sua reencarnação.
comentários(0)comente



sshelena 01/02/2014

Péssima tradução da Divina Comédia
Não recomendo de forma alguma a edição do livro publicado pela Ed. Martin Claret! Era para ser em português, mas é necessário um dicionário para lê-la, pois o tradutor esqueceu-se que o século XV terminou a algum tempo.
Lamentável!
Gabriel 12/05/2014minha estante
Eu comecei a ler agora, mas por enquanto estou gostando da tradução da Martin Claret (J.P. Xavier Pinheiro). Exige um pouco do dicionário sim, mas não vejo isso como algo ruim. Sinto que essa tradução, se anônima fosse, poderia ser atribuída erroneamente a Luis de Camões.


Roberta 10/10/2014minha estante
Essa tradução de José Pedro Xavier Pinheiro é uma tradução já em domínio público (1935) que foi publicada recentemente pela Martin Claret. Por ser muito antiga talvez você não tenha gostado.




Milinhacr 22/12/2013

Cansativo
Fiz um esforço tremendo para não parar de ler, mas não consegui. Li a parte toda do Inferno, e que inferno ! É uma leitura cansativa, maçante, uma leitura difícil. Se o livro não tiver notas explicativas, é praticamente impossível entender o contexto, pois há muitas citações e metáforas.
comentários(0)comente



Felipe 22/12/2013

Uma jornada inesquecível ao inferno
Não vou falar absolutamente nada sobre o livro somente aquele que irá ler poderá tirar suas conclusões. Apenas vou "facilitar" a compreensão da obra prima máxima da literatura escrita por Dante Alighieri.
Essa é a primeira parte do poema escrito pelo autor composto por: inferno, purgatório, e paraíso. E aqui chamo a atenção para a edição da editora Abril da qual tem 40 páginas dedicadas ao intenso trabalho de tradução. Mas para voce que vai ler pela primeira vez esse livro é preciso ter um certo conhecimento acerca da história da Grécia antiga e de Roma que são preponderantes na obra.
Resumidamente falando, há no livro uma certa influencia do que aconteceu na vida do autor, Dante é o principal personagem é guiado por Virgílio ao inferno por Beatriz. Ela foi um episódio marcante na vida do autor vista por ele como uma visão de "beatitude". De fato, muitos dos personagens que o leitor encontrará ao longo do poema foram conhecidos de Dante, inimigos para ser mais exato. A visão de Dante do inferno, apesar de chegar cheia de referencias históricas e alegóricas que nem sempre o leitor moderno domina, continua entusiasmando e influenciando.
Como já foi dito, a história se resume a de um poeta que pede auxílio de Virgílio, na vida real ele era poeta latino autor de "Eneida" que estava "no limbo", aparece enviado por Beatriz e lhe guia pelos nove círculos concentricos do inferno que compõem todos os tipos de homens: avarentos, irascíveis, traidores, suicidas, sodomitas, etc, e é por esse caminho que ele se depara com as paisagens terríveis jamais imaginadas por nenhum autor. Enfim basicamente é isso, mitologia e referencias pessoais e o poema é inteiramente composto em terça rima, exemplo ABA, 121, etc. Ah e lembre-se que se resolver arriscar a ler: "Deixais toda a esperança, vós que entrais"
comentários(0)comente



Jhonatan 02/12/2013

Review
Fantástico!
comentários(0)comente



DiegoDeLarge 20/10/2013

Só li a parte do inferno.
Só li a primeira parte da viagem de Dante e Virgílio. Li a versão mais recente com a tradução mais fiel ao original, que preserva melhor a métrica dos versos em italiano. Foi um dos melhores livros (ou pedaço de um) que eu já li.
comentários(0)comente



Marcelo 13/10/2013

Experiência única
Comecei a ler "A Divina Comédia" assim que soube que seria o tema do novo livro de Dan Brown, "Inferno". Devido a sua estrutura e composição, com certeza é um livro difícil de ler e exige bastante dedicação, mas ao analisar o cenário como um todo, é impossível não dizer que a leitura não se tornou uma experiência única, diferente de qualquer livro que eu já tenha lido.
Analisando todo o contexto da sua criação, tenho certeza que "A Divina Comédia" é um livro magnífico, que sem sombra de dúvidas é uma obra prima e uma das maiores criações artísticas de que já ouvi falar.
Recomendo a qualquer amante da leitura que deseje subir um degrau a mais e esteja procurando realmente uma experiência diferente.
comentários(0)comente



120 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8