Cabeças de Ferro

Cabeças de Ferro Carol Sabar




Resenhas - Cabeças de Ferro


35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Daniele Nhasser 18/09/2016

Cabeças De Ferro - O melhor
Nesse livro Carol nos presenteia com uma história com muito humor, pitada de amor e muito suspense.
Malu nossa protagonista entrou para a faculdade, o livro começa com ela indo para o temível trote vexatório, e quem irá aplicar nela é Artur, o cara que um dia foi seu amigo mas por motivos egoístas a humilhou quando tinham 11 anos de idade... Ela o considera seu pior inimigo.
Na hora de derramar a gosma sobre Malu, Artur atira na outra garota ao lado dela, Mariana cai no chão, sofrendo um choque anafilático.
A garrafa direcionada a Malu era a única de cor diferente, alguém armou aquilo, alguém queria matá-la? Mas ela havia acabado de chegar na faculdade, como isso poderia acontecer? O único que poderia desejar lhe mal é o que estava com a garrafa de gosma na mão e por algum motivo não despejou nela...
O caso vai parar na delegacia, Artur é acusado, pode ser preso, expulso da faculdade e o pior perder uma bolsa de estudos para fora do país. Artur é inocente e pede ajuda para a Malu, pois ela é a única que tem interesse em saber quem causou tudo aquilo.
Malu e Artur até então inimigos, se juntam em uma investigação particular e começam a descobrir coisas que acabam colocando-os de cara com a morte. E se isso não fosse o bastante, acabam conhecendo um sentimento adormecido.
Uma história que nos envolve do começo ao fim, impossível largar o livro sem desejar desvendar o mistério. Carol soube levar a história com maestria, todo o suspense foi na dosagem certa, nada exagerado que tornasse a leitura cansativa ou repetitiva. Os personagens foram bem explorados e alguns acabaram me surpreendendo no desenrolar.

Uma leitura maravilhosa, amei cada detalhe, e estou super ansiosa pela continuação.
Enfim, recomendo esse livro? Sim, mil vezes sim.
Leiam, vocês não irão se arrepender... Sem dúvida nenhuma, um dos melhores lidos durante esse ano.
comentários(0)comente



Caverna 23/09/2016

Você deve estar se perguntando o que são cabeças de ferro, não é?

A resposta não está no quê, e sim em quem são. Os cabeças de ferro são os alunos da UPN (Universidade de Ponto sem Nó) de Minas Gerais, uma faculdade muito concorrida, e agora Malu é um deles.

Malu passou em primeiro lugar no vestibular para Engenharia de Produção e a história dá inicio com a nossa protagonista se preparando para enfrentar o famoso e temido trote do primeiro dia. Seu melhor amigo, Nicolas, a levou até lá de carro e prometeu esperá-la ali, por mais que fosse perder suas próprias aulas na universidade com isso.

Criando coragem, Malu vai em direção ao bloco 14, onde o trote ocorrerá e onde enfrentará seu arqui-inimigo de anos. Artur Cantisani foi amigo de Malu por muitos anos, até que aos 11 anos ele a submeteu a uma humilhação que ela jamais perdoou. E agora, Malu iria encarar o menino que odiou por tantos anos, e que era seu veterano.

A regra era que os veteranos iriam realizar o trote nos bixos de acordo com a classificatória no vestibular. O veterano de primeiro lugar aplicaria no bixo do primeiro lugar e assim por diante. Só que Artur, que deveria jogar a gosma de dentro da garrafa marcada com seu nome em Malu, e humilhá-la pela segunda vez na vida, jogou na menina em seguida da fila, desobedecendo assim a ordem.

A menina, posteriormente apresentada como Mariana, sofre um choque anafilático ao entrar em contato com a substância. Todo mundo se apavora e foge do lugar. Os únicos que restaram e prestaram socorros foi Malu, Artur e Nicolas.

Mais tarde, Artur aparece na casa de Malu dizendo que alguém poderia estar tentando matá-la. Ao invés de acompanhar Malu e Nico na ambulância com Mariana, ele retornou ao local e verificou as garrafas que variavam de tom azul e rosa. Apenas a gosma destinada a ele (ou a ela) era diferente. Os veteranos que preparavam as misturas, mas só o Mestre da vez sabia onde as garrafas eram estocadas.

Malu jamais imaginaria que um mero trote se tornaria uma investigação. Trabalhando juntos e a contragosto, Malu e Artur vão em busca da verdade. Seria uma sabotagem? Será que alguém realmente desejava a morte de Malu? Por qual motivo? E porque todas as garrafas haviam sumido?

Se eu não disse antes, eu digo agora: Amo os livros da Carol Sabar!

Já li suas duas outras obras, Azar o seu! e Como eu (quase) namorei Robert Pattinson, e foram ambas leituras super prazerosas e divertidas. A Carol tem uma escrita leve e despretensiosa que abraça o leitor sem grandes esforços. Por conta disso, já esperava uma história sensacional, e acabou superando as minhas expectativas. É interessante observar os autores expandindo os horizontes e achei muito legal a forma como a Carol abordou o lado investigativo e misterioso da história, sem deixar o característico YA de lado. Suas obras costumam ser engraçadas e românticas, e Cabeças de ferro não foi exceção, embora eu tenha visto um grande amadurecimento de suas protagonistas.

A Malu veio para exterminar os estereótipos. Ela é linda, baixinha, ousada, comunicativa e mega inteligente, o que deleta a imagem de tímidos e introvertidos CDFs. Ela até se considera uma, já que suas notas seguem um padrão de nove pra cima, mas tal inteligência não a impede de socializar facilmente e seduzir garotos. Pelo contrário, ela usa seus talentos e memória de elefante ao seu favor, tendo cada ideia que até mesmo o Artur se assusta (e também fica estupefato, embora jamais fosse admitir).

Falando no Artur e em estereótipos erradicados, ele é o nosso bad boy que carrega uma tatuagem do símbolo PI (π) no peito. Fala sério. Quem de exatas não ficaria caidinho?

Graças ao bom Deus eu sou de biológicas e to livre da loucura dessa gente de exatas. Eu ein. Não confio em gente que gosta de matemática.

Aliás, lá vai uma curiosidade: A Carol Sabar é mineira E formada em Engenharia de Produção! Sim, senhores! Uma história tão bem escrita só podia ter um conhecimento aprofundado no assunto, né? E não, a Malu não fica divagando sobre as mil maravilhas de seu curso, então fiquem tranqüilos, porque eu mesma ficaria perdida se esse fosse o caso. No entanto, se você está na faculdade, vai entender tudinho do que a Malu está falando! E principalmente se lembrar do dia do trote, o que eu preferia fingir que nunca existiu. Maldito elefantinho.

A repercussão leva os cidadãos a se questionar a utilidade (inexistente) dos trotes e o perigo que ele representa. Teoricamente, o trote é proibido e por isso foi realizado num local distante da universidade, mas a bomba naturalmente cai nas costas do reitor, que está sendo ameaçado de ser tirado do cargo. Malu e Nico também são chamados para depor, mas é Artur quem leva a pior. Apesar de várias pessoas terem participado do trote, e fugido, o que não deixa de ser um crime de omissão de socorro, foi ele quem jogou a gosma em Mariana. Ele foi o único que agiu, e nem mesmo o fato de ele ter em seguida salvado a vida de Mariana, pode safá-lo. A “sorte” é que o processo é lento e vai demorar pra chegar ao fim e, enquanto isso, Artur e Malu aproveitam para recolher provas de que havia alguém naquela noite armando pra cima deles.

O livro foi cedido em parceira com a editora Jangada e só posso dar os parabéns por essa edição maravilhosa! A capa ficou diferente do modelo das outras duas obras da Carol, mas não reclamo nem um pouco, já que combinou bastante com todos os artifícios encontrados no livro. Fiquei com medo de o número de páginas ser grande, como os outros, e acabar tendo uma parte de encheção de lingüiça, mas felizmente não foi o caso e pude devorar a história numa noite só, envolvida pelo clima de mistério misturado com a faculdade. E ah, também temos váaarias citações de cantores e músicas! Sou suspeita a falar do quanto gostei disso já que música + livro num lugar só é o meu fraco.

Com uma escrita objetiva e engraçada, Cabeças de ferro é uma obra que reúne suspense, romance, rancor, aulas, festas e amizade, todos os elementos pertencentes à transição entre a vida adolescente e adulta que tornam a leitura fluida e empolgante. Você não vai querer largar o livro até descobrir o que está acontecendo na universidade ponto sem nó!

site: http://caverna-literaria.blogspot.com.br/2016/09/cabecas-de-ferro.html
comentários(0)comente



Conchego das Letras 14/09/2016

Resenha Completa
Oi, pessoal!

Estava precisando ler algo leve e que pudesse dar algumas risadas, então não pensei duas vezes e comecei Cabeças de Ferro. Já tinha lido outro livro da autora, Azar o seu!, e tinha amado a narrativa.

Neste livro, vamos conhecer Malu, uma jovem que estava começando o curso de engenharia na melhor faculdade do país. Quem passava na conceituada faculdade, era chamado de Cabeça de Ferro. A história começa bem no momento em que Malu está indo para a sua aula inaugural, onde costuma ter o famoso trote, acompanhada do seu melhor amigo, Nicolas.

Malu não estava preocupada com o trote e sim em encontrar o seu arqui-inimigo, Artur Cantisani. No passado, eles estudaram juntos e Artur fez uma humilhação com a Malu em público, perante toda a escola, quando ela tinha apenas 11 anos. Agora ele seria o responsável por aplicar o trote na Malu.

Há muitos anos, os veteranos jogam uma gosma fedorenta nos calouros e Malu está prestes a ficar toda suja. Artur foi o primeiro colocado no vestibular anterior, então é o primeiro a começar a brincadeira jogando na primeira colocada do vestibular daquele ano, Malu. Todos observam e esperam, mas o inesperado acontece, ele joga a gosma na caloura que está atrás de Malu e a garota sofre um choque anafilático. Com a situação complicada, todos fogem, ficando somente Artur, Malu e Nicolas para ajudar a menina a sobreviver, dando os primeiros socorros e aguardando a chegada da emergência.

Antes de Artur jogar a gosma, percebeu que a garrafa dele era a única com a cor diferente. Com isso na cabeça, resolve voltar ao local que tudo aconteceu para pegar uma amostra do líquido e se surpreende ao perceber que todas as outras garrafas sumiram. A partir daí, procura Malu para tentarem descobrir se tem alguém querendo matar ou prejudicar os alunos de Engenharia.

Mesmo contra a sua vontade, Malu vai se envolver nessa busca, tentando encontrar provas com Artur. Juntos, vão se envolver em cada situação embaraçosa, deixando o leitor curioso para desvendar esse mistério e ainda se divertir com a narrativa da autora, que deixou a sua marca registrada (o seu lado bem-humorado).

Eu sou péssima para desvendar os mistérios de uma história, então não fiquei naquela preocupação de saber quem era a pessoa responsável pelas armações contra Artur e Malu, fui deixando a narrativa me levar. rs.

Li esse livro em poucas horas e não largá-lo até chegar ao final, queria saber o que ia acontecer e ainda me divertia com a personagem principal. Malu conversa muito com o leitor, mostrando os seus medos e as suas vontades. Fiquei encantada e apaixonada por ela.

site: https://conchegodasletras.blogspot.com.br/2016/09/resenha-cabecas-de-ferro.html
comentários(0)comente



Carolina DC 15/09/2016

A história é narrada em primeira pessoa pela protagonista Malu, uma jovem que acabou de ser aceita na UPN (Universidade de Ponto sem Nó), uma das Universidades mais prestigiadas no Brasil. Tudo começa no dia do trote da Engenharia da Produção, curso que Malu se candidatou. Ela e vários outros alunos estão reunidos, aguardando o início de uma maratona de situações embaraçosas. A primeira delas é um banho com uma substância desconhecida que foi preparada pelos veteranos. Cada veterano escolhe a sua "vítima" de acordo com a classificação no vestibular. O veterano que foi aprovado em primeiro lugar, irá dar o trote no classificado em primeiro lugar e assim por diante. E eis que Malu se depara com Artur Cantisani, o seu arqui-inimigo. É graças a ele que Malu foi humilhada aos 11 anos de idade, marcando-o com um apelido que a segue até hoje.
Acontece que ao invés de passar o trote em Malu, ele vai direto para a segunda colocada, a Mariana. Quando ele derrama o líquido em cima da jovem, ela começa a passar mal e sofre um choque anafilático gravíssimo. Quando isso acontece, todos os estudantes que estavam reunidos fogem, com exceção de três: a Malu, o Artur e Nico, o melhor amigo de Malu (que estava no carro aguardando por ela).
A partir daí, a Universidade torna-se um caos: manifestantes, imprensa e uma lista enorme de suspeitos começam a surgir. Afinal, o frasco destinado a Malu era o único alterado, o que se pode significar uma coisa, certo?
Enquanto Malu mergulha na investigação, sua vida pessoal começa a sofrer reviravoltas e ela precisa lidar com o melhor amigo que é apaixonado por ela e seu arqui-inimigo que tem um ar de bad boy (mas é incrivelmente sexy).
Nico é o vizinho da porta ao lado. Inteligente, bonito e certinho, nutre uma paixão por Malu há muito tempo e deixa claro que quer mais do que a amizade da protagonista. É o tipo de garoto que provoca suspiros nas mocinhas, mas não é perfeito. Apesar de estar sempre apoiando a Malu, ele às vezes age de forma passivo-agressiva, dando o gelo ou terminando a amizade quando sente-se rejeitado. Sim, ele sofre, mas ao mesmo tempo sabe fazer Malu sofrer pois tira dela o que eles tem de mais precioso: a amizade.
Artur é meio que uma incógnita. Ele age como um bad boy mulherengo, que não se abala com nada, mas trata Malu algumas vezes de forma diferente. Os dois cresceram juntos e sempre foram competitivos e existe essa rivalidade entre o Cantisani e a Geniazinha.
Malu é uma ótima protagonista. Divertida, inteligente, com uma memória incrível, acaba se metendo em várias confusões, mas o melhor está nos seus pensamentos, que intercalam entre os dois rapazes de sua vida. Mesmo não querendo, acaba se aliando ao Artur para descobrir o que aconteceu e a convivência dos dois alterna entre provocações e investigação.
Outros personagens vão se destacando no decorrer da história, como a amiga e colega de apartamento da Malu, a Angélica, o primo do Artur, o Guilherme, o Marcus, Mestre da Engenharia e responsável pelo trote, Mariana, a vítima e alguns professores que escondem segredos, mas que são bem intencionados com seus alunos.
A trama é muito divertida graças a narração de Malu, mas ao mesmo tempo tem um ar investigativo e jovem.
Os personagens são carismáticos e cheios de personalidade, causando em alguns mais problemas do que os necessários.
O enredo tem romance, comédia, investigação e uma vibe jovem. Como a trama se passa em uma Universidade, temos festas, aulas e muita fofoca. É uma leitura fluida e apaixonante!
A escrita da Carol Sabar é leve e direta. Os diálogos são rápidos, as cenas são bem descritas e sem excesso de adjetivos.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa está repleta de elementos que combinam com a trama.
comentários(0)comente



Iris Figueiredo 26/09/2016

Um trote que deu errado
Carol Sabar é uma das minhas autoras nacionais favoritas, autora dos livros “Como (quase) namorei Robert Pattinson” e “Azar o seu!”. “Cabeças de Ferro” é seu mais novo romance lançado pela Editora Jangada, seguindo uma linha um pouco diferente dos dois primeiros publicados por ela.

Malu foi aprovada em primeiro lugar no vestibular de Engenharia de Produção na Universidade de Ponto Sem Nó, a melhor do país. Depois de passar um semestre no exterior aperfeiçoando a língua, ela chega na cidadezinha no interior de Minas Gerais para começar sua vida universitária. Mas, para horror de Malu, a antiga tradição dos Cabeças de Ferro – como os alunos são chamados – dita que o veterano que foi aprovado em primeiro lugar no semestre anterior seja aquele que vai aplicar o trote no primeiro colocado do semestre seguinte, e assim por diante. Só que o primeiro colocado no vestibular era ninguém mais, ninguém menos, que Arthur Cantisani, seu antigo rival do colégio.

Mas Arthur faz algo inesperado: ao invés de jogar a garrafa com o líquido do trote na cabeça de Malu, ele joga em Mariana, a caloura que ficou em segundo lugar. A menina sofre um choque anafilático, todo mundo desaparece e sobra para Malu e Arthur prestarem os primeiros socorros. Mas ao descobrirem que aquela garrafa que era destinada a Malu era diferente das outras, o casal de inimigos acaba se juntando para desvendar quem sabotou o trote, tentou causar mal a Malu e prejudicar Arthur.

Como sempre, a narrativa de Carol Sabar está divertidíssima. A história parece meio non-sense a princípio, mas com o passar das páginas ela consegue amarrar os pontos e lançar novas tramas para nos envolvermos. Gosto muito da forma como ela escreve e foi divertido vê-la passeando por um terreno novo, que é a universidade.

A realidade dos alunos em repúblicas e festas é algo que ela consegue construir bem na história. Soa próximo da realidade, apesar do clima Nancy Drew que a história toma por causa da investigação que Malu e Arthur fazem. Várias vezes ao longo da história os dois se colocam em muitas enrascadas e é divertido ver os artifícios que Sabar encontra para reverter a situação.

Não dei nota máxima por um motivo: os personagens masculinos. Tirando o Arthur, que é uma gracinha e não faz nada errado e eu quero pedir em casamento, eu fiquei extremamente incomodada com o comportamento machista de outros personagens. Isso não seria um problema se fosse apontado como alguns atos são problemáticos, mas achei o comportamento do Nicolas completamente abusivo e uma situação que a personagem passa com um coadjuvante também bastante problemática.

Explico: o Nicolas é extremamente ciumento e possessivo, além de agir como se pensasse que a Malu deve satisfações a ele por tudo e precisa se relacionar com ele por serem amigos de longa data. A situação com o coadjuvante pode ser considerada spoiler, mas vou resumir em: uma situação onde claramente é abuso e acabou sendo normalizada. Como esse é o primeiro de uma série (sim, terá continuação!), não sei se a intenção da autora foi exatamente mostrar isso como normal e desenvolver melhor nos volumes seguintes. Mas confesso que isso me incomodou bastante e me fez desanimar nesses trechos, em uma leitura que eu gostei muito no geral.

Espero que isso seja “consertado” nos outros volumes e que a autora mostre que situações como as que acontecem com esses dois personagens não são normais. Acho isso extremamente importante na literatura, ainda que de forma sutil. Sinto que ficou faltando aqui e isso era extremamente importante no cenário.

De todo modo, como qualquer livro da Carol Sabar, temos uma protagonista divertida e narrativa que prende o leitor do início ao fim, deixando um gancho no final para continuar a solucionar alguns mistérios no próximo volume da série.

site: http://irisfigueiredo.com.br
comentários(0)comente



Tata 14/05/2020

Não consegui parar de ler!
Esse livro me pegou de jeito! Amo livros que me fazem ficar grudada ao livro até de madrugada. E com esse livro foi assim: não consegui largar enquanto não fiquei sabendo o final!
A narrativa da Carol Sabar é leve, fluída e envolvente: você se percebe aproveitando cada detalhe a mais da vida dos personagens e vibrando com cada reviravolta.
Meu único ponto de reclamação é que a grande revelação do final poderia ter sido melhor amarrada, com uma construção um pouco mais pensada nos detalhes, sabe? Como leitora completamente mergulhada na história, eu queria mais detalhes. Mas, isso não diminuiu, ao meu ver, o prazer da leitura! Recomendo demais!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ivy (De repente, no último livro) 11/10/2018

Resenha do blog "De repente no último livro..."
Cabeças de ferro é um juvenil divertido e gostosinho de ler, perfeito pra quando estamos à toa, em busca de uma leitura que nos faça sorrir em momentos inesperados com um toque de mistério pra nos prender na história tentando desvendar o final.

A história nos narra a entrada de Malu na faculdade da UPN (Universidade Ponto sem Nó), uma instituição onde apenas os mais inteligentes conseguem entrar. Malu aprovou em primeiro lugar para o curso de engenharia e, no dia de seu temido trote, ela está duplamente apavorada pois além das brincadeiras nada agradáveis aplicadas pelos veteranos aos calouros, Malu deverá suportar ser alvo de ninguém menos que Arthur Cantisani, um ex-amigo, que foi o responsável por um dos maiores vexames que a garota passou na vida, quando ainda estava entrando na adolescência.
Tudo se complica quando ocorre uma tentativa de assassinato em pleno trote. Alguém tinha a intenção de ferir Malu? Ou será que alguém estava tentando prejudicar Arthur? Pode se tratar de que ambos tenham sido apenas alvos aleatórios de uma espécie de psicopata que, por debaixo da fachada de bom estudante, está disposto a eliminar a concorrência na universidade?
Seja como for, agora Malu e Arthur se vêem no olho de furacão, tendo de prestar contas à reitoria da Universidade, aos amigos, à família e à policia sobre o que realmente aconteceu no trote de Engenharia.
Quando os dois decidem embarcar em uma investigação secreta, com o objetivo de limpar seus nomes, ambos se verão obrigados a esquecer as rivalidades do passado e atuar em equipe, para salvar seus próprios futuros na universidade. No meio de tudo isso ainda há Nicolas, o melhor amigo de Malu, apaixonado por ela e alguém por quem a garota não consegue definir exatamente oque sente. Enquanto Malu tenta desvendar um caso de tentativa de assassinato, ela também terá que escolher entre o ex inimigo bonitão e o melhor amigo leal, sabendo que no meio de tudo isso alguém com certeza sairá de coração partido.

A premissa de Cabeças de Ferro me conquistou desde a sinopse. Adoro mistérios ambientados na universidade, todos os livros que li com temática semelhante me divertiram bastante e, apesar de não nutrir muitas expectativas com relação à Cabeças de Ferro (por conta de resenhas negativas que havia lido), o livro me surpreendeu positivamente, resultando em mais uma daquelas leituras inesperadas que ao finalizar nos deixam com um sorriso de satisfação no rosto.
Me lembro que uma das resenhas negativas que li apontava que a narração do livro era infantil, juvenil demais para uma história ambientada em um ambiente universitário.
Eu sinceramente não senti isso. Pelo contrário, aliás. Achei a narrativa super leve e divertida. Obviamente não dá pra ler o livro esperando aquela seriedade de um New Adult, até porque ele nem é um NA. Eu catalogaria Cabeças de Ferro como um chick lit juvenil, portanto, pra quem curte essas leituras mais levinhas, com umas piadinhas irreverentes no enredo e um toque de doçura típica de romances juvenis, Cabeças de Ferro é um livro que super recomendo.

Os personagens são carismáticos, possuem um toque de deboche e descontração que encaixa com perfeição nesse ambiente universitário retratado por Carol Sabar. Aliás, eu adorei a ambientação de Ponto Sem Nó. Acho que nunca tinha lido nada ambientado em Minas Gerais e gostei bastante das descrições oferecidas pela autora. O ambiente da universidade, com suas festas e euforia, desperta nostalgia no leitor que já passou por isso. É tudo bem realista nesse sentido, e eu gostei de me ver transportada à essa realidade mais parecida com a nossa.
Quanto aos protagonistas, teremos Malu, Arthur e Nicholas. Eu gostei da Malu, apesar de certas atitudes dela me tirarem um pouco do sério. Malu é inteligente, bem humorada, especial. Porém, é confusa e não sabe escolher com quem quer ficar. Então é aquele caso típico da protagonista que namora um, mas se sente atraída pelo outro durante quase toda a leitura. Isso cansa um pouco, porque parece que a garota está sempre dividida.
Arthur, ao meu ver, é o melhor dos três protagonistas. Ele é mais coerente, e também mais interessante, possuí um charme e uma fragilidade que conquistam o leitor.
Nicolas, pelo contrário, foi o que menos simpatizei. Por mais que a autora ressaltasse na narrativa o quanto Nicolas é fofo, lindo e carinhoso, achei o personagem um verdadeiro porre de chatice. Seu personagem é necessário e fundamental, ele é parte do tal triângulo amoroso. Porém, comparado aos outros dois protagonistas, Nicholas não tem carisma e encanto pra prender o leitor na história.

Os secundários são bem legais também. Teremos as amigas de Malu, Clarissa e Angélica, que são simplesmente geniais. Ambas agregam um ar divertido à história, e eu gostei da amizade que une as três meninas. Além delas teremos todo o rol de alunos e professores de Ponto sem Nó, que estarão na trama em momentos necessários, desempenhando papéis cruciais no mistério desenvolvido por Carol Sabar.

Eu li o livro em nada. Me durou 2 ou 3 dias apenas. Embora não seja exatamente uma história fenomenal, a narrativa da autora é encantadora. Eu gostei porque é um livro leve, despretensioso, que consegue captar o interesse do leitor até o final. É o tipo de história que, aliás, renderia uma boa adaptação pois possuí uma trama ágil e personagens com astúcia e carisma.

Fica a dica pra quem quer embarcar em um pouco de literatura nacional buscando uma história divertida que, apesar de sua ambientação comum, se torna uma leitura deliciosa pra qualquer momento.


site: http://www.derepentenoultimolivro.com/2018/09/review-241-cabecas-de-ferro.html
comentários(0)comente



Marlene C. 24/01/2018

[ Resenha ] Cabeças de Ferro
Sabe aquela história que te prende do início ao fim? História essa que as páginas passam voando? E você só se dá conta quando acaba? Assim foi Cabeças de Ferro para mim.
Já tinha ouvido falar da autora e do seu livro “Azar o seu!” mas ainda não tinha lido nada de sua autoria, até Cabeças de Ferro, que foi minha primeira leitura do ano, e pelo jeito comecei muito bem.
"Talvez seja simples.
Talvez o tempo não exista para as coisas do coração."
Malu é uma estudante de engenharia que passou em primeiro lugar em uma das melhores Universidades do Brasil, inicialmente somos introduzidos ao trote que Malu e outros jovens que entraram na Universidade irão sofrer. Pela ordem, o veterano que passou em primeiro lugar irá aplicar o trote ao calouro que também passou em primeiro, nesse caso para infelicidade de Malu, o responsável pelo seu trote será Arthur seu inimigo de infância.

Porém, Arthur por um motivo desconhecido não segue a ordem e ao invés de jogar a substância estranha em Malu, ele joga em Mariana que sofre um choque anafilático, e precisa de primeiros socorros. Os universitários vendo a confusão em que se meteram fogem, deixando apenas Arthur, Malu e Nicolas, que é seu melhor amigo e que nutre uma paixão muito grande por ela.

A partir daí, a vida de Malu vira de ponta a cabeça, já que alguém tentou matá-la, fora o fato de que alguém roubou os frascos com as substâncias do trote, deixando-a sem provas para mostrar que o único frasco contaminado era destinado a ela.
E para piorar uma situação já muito ruim, ela também tem que lidar com o sexy Arthur, com quem se alia para tentar desvendar esse mistério e descobrir quem é o culpado, e Nicolas que não aceita ser só seu amigo, e que não perde a chance de deixar esse fato conhecido.

Malu é o tipo de personagem divertida, que o leitor não consegue não se apegar e torcer para que tudo dê certo no final, ela é um pouco atrapalhada e também é muito inteligente e consegue se meter em uma confusão como ninguém.
Nicolas é um tanto que bipolar, suas ações são um pouco contraditórias, ele é o típico menino bonito da casa ao lado, e tem uma queda, não, tem um penhasco por Malu, ela tenta não dar muita esperança para ele, mas ele é bem determinado. Ao contrário de Arthur, que é um bad boy assumido, ele é bastante mulherengo também, e tem uma atitude indiferente com Malu, mas na verdade, não é tão indiferente assim.

Cabeças de ferro tem uma narrativa clichê, mas é bem divertida e fluída, a autora soube desenvolver muito bem as partes de suspense e investigação, assim como o romance. Usando a quantidade certa para deixar o leitor ainda mais curioso par saber o que aconteceria a seguir.

Foi divertido ver os pensamentos de Malu a respeito de Arthur e Nicolas, outra coisa que adorei foi que ela é muito argumentativa, isso por vezes me fez rir, fiquei um pouco decepcionada com o final, no fundo eu esperava um pouco mais, mas gostei e entendo as atitudes da personagem e não tiro sua razão.

A edição é simples, folhas amareladas e letras confortáveis, o que torna a leitura ainda mais agradável a capa é muito bonita e tem alguns cálculos nela o que tem tudo a ver com a história, não sei se vocês perceberam, mas Cabeças de Ferro, forma a sigla CDF que faz uma referência aos jovens da Universidade, por que lá só estuda os melhores e mais inteligentes.

Enfim se você gosta de um New Adult, com suspense, ação e romance não deixem de conferir Cabeças de Ferro.
comentários(0)comente



Fernanda 26/09/2016

Cabeças de ferro - Vol 1
Resenha no blog:

site: http://www.segredosemlivros.com/2016/09/resenha-cabecas-de-ferro-carol-sabar.html
Mih 26/09/2016minha estante
Gostei muito de desse livro, mal posso esperar a continuação!!!


Fernanda 26/09/2016minha estante
Muito bom mesmo ?


Mih 27/09/2016minha estante
Só queria um pouco mais de romance de um possível casal do livro... mas quem sabe no próximo tem né?




Roberta 26/09/2016

Leitura incrível, divertida e surpreendente!
Iniciei a leitura um pouco antes da meia noite do dia 24 (início da Maratona) e terminei umas 6h da manhã, um pouco antes de ter que me arrumar para a aula (sim, tenho aula sábado). Ou seja, não consegui largar o livro até terminá-lo.
Cabeças de Ferro tem como protagonista a Malu, jovem de 19 anos que acaba de ingressa na UPN (Universidade de Ponto sem Nó), universidade onde só entram os estudantes mais inteligentes do país. No trote dos calouros, uma garota sofre uma anafilaxia e vai parar no hospital.O que acontece é que Malu e Artur (seu arqui-inimigo) começam a pensar que aquilo pode não ter sido um acidente. Quanto mais eles tentam descobrir o que aconteceu, mais mistérios aparecem e perigos também.
Esse livro não era o que eu estava esperando. Pensei que fosse um YA simples e talvez engraçado, mas acabei classificando-o como New Adult, meu gênero literário favorito. Acontece que o ambiente em que a história se passa é a universidade e lá tudo pode acontecer: drogas, sexo e, no caso do livro, até morte. E isso me deixou bem surpresa (positivamente!).

Amei a escrita da Carol Sabar, ela faz o leitor rir, mas também sabe nos fazer ficar aflitos. Senti diversos sentimentos com essa leitura e torci para que certas coisas acontecessem, assim como fiquei desconfiada de todo mundo na história, menos do verdadeiro culpado. E gostei disso! Pois, apesar do foco do livro ser o cotidiano da personagem e o triângulo amoroso do qual ela faz parte, a autora desenvolveu bem o mistério e os outros aspectos do livro!
Recomendo!


site: http://www.intuicaoliteraria.com.br/2016/09/resenha-cabecas-de-ferro-carol-sabar.html
comentários(0)comente



Letícia 27/08/2020

De nada
Se você gosta de mistério, romance, tragédia, reviravoltas, personagens cativantes e escritores brasileiros, você tá com o livro certo.
comentários(0)comente



Janine 03/12/2016

Leitura gostosa e envolvente. No começo não gostei muito da Malu, ela é muito "sou inteligente, sei disso é desculpa mundo" mas depois isso fica meio de lado. Achei o mistério legalzinho, eu imaginei quem seriam os culpados, mas não dei muita moral pra minha imaginação, o que no fim das contas me deixou surpresa, hahaha!
Gosto de livros brasileiro que envolvem faculdade, as coisas aqui são tão diferentes do que costumamos ver em livros, que só pelo fato de ver nossos costumes retratados em um livro já é legal. Por isso que tbm gosto dos livros da Graciela Mayrink.
E depois de três livros legais da Carol Sabar, posso dizer que ela ganhou uma fiel leitora. :)
comentários(0)comente



Paty 14/05/2017

"Sempre confie na lógica quantitativa."
Esse é o terceiro livro de Carol Sabar e é o terceiro que eu leio. Aqui no blog tem resenha de Como Quase Namorei Robert Pattinson e Azar o Seu!
Mas minha experiência aqui foi totalmente diferente das leituras anteriores, continue lendo a resenha e saiba o motivo.

O básico do enredo é o seguinte: Malu acabou de entrar pra faculdade, e o que é que aguarda todo calouro quando começa a aulas? O temido e cruel trote que os veteranos preparam.
A moça foi acompanhada de seu melhor amigo Nico que ficou à distância pra assistir.
Mas o que mais estava incomodando Malu era o fato de uma parte do seu trote ser aplicada por alguém que ela odiava e conhecia desde o jardim de infância: Artur.
Algo muito cruel e assustador aconteceu nesse trote, e uma caloura sofreu terríveis consequências de uma 'brincadeira' de extremo mal gosto. Porém, a verdadeira vítima desse trote deveria ter sido aquela que foi aprovada com a nota mais alta, que passou em primeiro lugar, no caso, nossa protagonista. Mas quem seria o responsável pela maldade e qual seria o motivo? E porque o trote não se aplicou a quem deveria?
E é aí, que os dois inimigos vão se unir pra solucionar a questão...já que estão atolados até o pescoço.
Três personagens são destaques aqui: Malu, Artur e Nicolas.
Nicolas é o melhor amigo de Malu, e apaixonado desde sempre pela amiga.
Artur tornou-se o inimigo na infância, aquela coisinha de criança, mas que traumatizou a protagonista e levaram isso pra vida.
Malu? O que falar de Malu? Não gostei muito dela viu, certinha demais, perfeitinha demais, irreal demais...inteligente? nem tanto. Egoísta?...muito.
Triângulo amoroso? Sim.

Confira a resenha completa no link.

site: http://www.leiturasdapaty.com.br/2017/03/resenha-cabecas-de-ferro.html
comentários(0)comente



Glaucia 16/07/2019

Misterioso, intrigante e envolvente
Apesar de todos os problemas ocorridos nos últimos tempos, tirei o meu domingo para Ler Cabeças de ferro.
Carol Sabar é uma das minhas Divas nacionais (tenho poucas, por falta de tempo para explorar novos autores).
O livro tem o humor característico da autora, que é uma das coisas que AMO. Eu me identifico com personagens engraçadas e com um "Q" de loucura.
Aqui temos Malu, uma nerd que ganhou todos os concursos que já participou. Quando ela entra para a Universidade, pela ordem deve sofrer o trote do primeiro lugar no vestibular anterior. O problema é que Arthur Cantisani (acho que é isso) é seu maior inimigo de todos os tempos. Mas as invés dele jogar o líquido da garrafa em Malu, joga na segunda colocada, Mariana.
Merda feita! A menina entra em choque, sofre queimaduras, fica careca, todos fogem e os dois, junto com Nicolas (amigo de Malu) salvam a garota.
A coisa vira um pandemônio, com repórteres, investigação, Conselho disciplinar e os 3 são os excluídos da Universidade.
Malu e Arthur começam, secretamente, uma investigação e descobrem que o único frasco envenenado era o dela. Surge uma conexão e o início de uma amizade. Shippei muito, mas Malu acaba namorando Nicolas. 😢
Enfim, mistério, investigação, uma atração muito forte, cenas engraçadas (Malu é um pouco doida) e um livro delicioso para degustar.
O final não foi exatamente esperado, apesar de tudo esclarecido. Mesmo assim já mandei mensagens para Carol Saber pedindo continuar.
Esse não foi meu favorito, mas meu momento atual não anda muito propício, mas para minha Diva mineira vai ⭐⭐⭐⭐💋😘
comentários(0)comente



35 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3