Prelúdio do Ocaso

Prelúdio do Ocaso Fabio Baptista




Resenhas - Prelúdio do Ocaso


5 encontrados | exibindo 1 a 5


Vicky 02/09/2016

Hoje vou começar a resenha contando que fazia um bom tempo desde a última vez que li uma antologia de contos -- mais precisamente, fazia algum tempo desde a última vez que li uma antologia de contos nacionais --, e por isso fiquei bastante contente quando surgiu a oportunidade de ler Prelúdio do Ocaso.
Prelúdio do Ocaso reune dez contos (A Queda de Lenora Endriel, Em nome do Pai, Pena de Fênix, O Beijo Prometido, O Dia da Convenção, Prelúdio do Ocaso - que dá nome à antologia -, Paladino, A Princesa Dragão, A Nova Vizinha e Mesmo que Custe sua Alma) dentro do universo fantástico criado pelo autor Fabio Baptista. Assim, encontramos elfos, orcs, goblins, trolls, ninfas, fênix, bruxas... e todos aqueles seres fantásticos que tanto gostamos de esbarrar vez ou outra pelas histórias da vida. Cada conto possui no máximo vinte páginas -- o que faz com que as histórias se desenvolvam de forma rápida e concisa, sem deixar a experiência desgastante para o leitor.
Como eu não quero escrever nenhum spoiler sobre os contos aqui, tudo o que vou falar sobre suas histórias é: de forma geral, todas elas contam sobre alguma mudança -- os personagens enfrentam situações que os transformam para sempre, mas se isso é bom ou ruim... não irei contar (você vai precisar ler para descobrir).
O interessante de se ler uma antologia é que temos a oportunidade de encontrar vários mundos dentro de um mesmo tema, sem precisarmos procurar vários livros. Dessas dez histórias, provavelmente a que mais gostei foi A Princesa Dragão -- sua narrativa não trouxe tantas surpresas quanto a de A Queda de Lenora Endriel, nem me emocionou tanto quanto Prelúdio do Ocaso, mas sua narrativa me agradou muito e me entreteu bastante.
Também achei interessante a escolha dos nomes dos personagens -- alguns bem diferentes como Sliäx -- e o fato de termos tantos seres diferentes em cada conto. Por serem contos fantásticos, esperava sempre encontrar mais ou menos a mesma coisa em todas as histórias, mas isso não aconteceu -- e foi uma boa surpresa. Cada história foi situada em um tempo e espaço diferente, com situações diferentes e problemas diferentes e essa variedade foi um dos fatores que mais me agradaram. Outro ponto positivo é o fato de as histórias terem sido construídas com mais diálogos do que descrições (por serem contos curtos, isso é o ideal) -- realmente são narrativas rápidas que passam a sua mensagem sem enrolações e trazem diálogos que contribuem para a construção das tramas. A linguagem utilizada pelo autor não possui segredos e ele conseguiu finalizar cada conto de forma pontual.
Se você gosta de contos ou está pensando em se aventurar nessas narrativas mais curtas do que os romances, indico Prelúdio do Ocaso por trazer um conjunto de histórias interessantes e que fogem do que comumente encontramos por aí.

site: http://www.vickydoretto.com/2016/08/doki-livros-preludio-do-ocaso-fabio.html
comentários(0)comente



Jaíne 07/01/2017

Um livro com bons contos!
Hoje vou falar sobre um livro NACIONAL! E melhor ainda, de um autor parceiro do Mundo das Resenhas, Fábio Baptista.
O livro se chama Prelúdio do Ocaso e é uma coletânea de contos. Isso mesmo, contos!
Eu já fiquei um tanto quanto apaixonada pela arte da capa, que achei muito atrativa, e quando dei início a história e percebi que o livro se tratava de uma coletânea de contos, minha atração aumentou mais ainda.
Sou suspeita para falar, já que acho a leitura de contos incrível. Histórias curtinhas, rápidas de se ler e que quando são bons... Encantam que é uma beleza!
Então, já comecei a leitura com a expectativa lá no alto.
A coletânea possui um total de dez contos de literatura fantástica. Vou tentar falar um pouquinho de cada um.

O primeiro deles, se chama A Queda de Lenora Endriel, e retrata a história de uma elfa que tem extrema curiosidade de ultrapassar os limites do reino onde vive e quando acaba ultrapassando esses limites, bem... O resultado pode não ser tão bom...
Este conto já abre o livro muito bem, as reviravoltas contidas nele e o final inesperado, surpreendem muito!

O segundo conto, se chama Em Nome do Pai, e é narrado a vida de Robert. Alguém afetado na infância por uma perda muito cruel e sua busca em vinga-la, para que possa viver em paz consigo mesmo.
Drama e fantasia casam muito bem nessa narrativa e o final, (Pequeno Drygan, se você já leu, vai entender a referência) ah, achei extremamente fofo!

O terceiro conto chama-se Pena de Fênix (título impactante) e relata a história de um elfo, que apesar de ser um elfo apresenta problemas bem humanos.
Este, é bem curtinho, mas repleto de reflexões filosóficas. Fantasia dando as mãos a realidade.

O quarto conto, chama-se O Beijo Prometido (opa, será que vem romance por aí?), o que você faria para receber um beijo da pessoa que ama? Sairia em uma aventura perigosa para demonstrar sua coragem?
Pois o personagem desse conto saiu. Mas, será que essa empreitada valerá a pena? O que eu tenho a dizer? Mais um conto com uma reviravolta inesperada!

O quinto conto, chama-se O Dia da Convenção e temos como personagem principal uma bruxa, que quer porque quer ganhar a convenção anual das bruxas, mostrando que tem o melhor feitiço de todos.
Humor é o que não falta nesse conto!

O próximo da lista, é o conto Prelúdio do Ocaso, que dá nome ao livro e que por ter sido o escolhido para entitular o livro, me deixou muito curiosa a respeito.
Nele, temos relatada a história de Gustaf, um pescador que perde seu emprego e para continuar sustentando sua família, aceita trabalhar em um barco de um homem que dizem não bater muito bem das ideias... E essa decisão... Bem, pode não render frutos tão agradáveis assim.

O sétimo conto do livro, chama-se Paladino e retrata a busca de um homem em combater o mal que o cerca e assola o mundo é é nessa empreitada que ele conhece uma mulher que precisa muito de sua ajuda. Mas será que vai ser tão simples assim ajudá-la?

O oitavo conto, chama-se a Princesa Dragão e é narrado por um bardo que já que não pode depender da lei Rouanet (eu captei a cutucada ao governo) tem que ir de taberna em taberna fazendo seus espetáculos para sobreviver. E no espetáculo do dia, será narrado a história da Princesa-Dragão (não, ela não tem esse nome por ser feia). Leiam e vocês vão entender tudinho.

O nono conto, chama-se A Nova Vizinha, e como já diz o título, mostra uma família que se depara com uma nova vizinha em seu bairro.
Uma mulher misteriosa e provocante.
Até então, parece ser uma narrativa "normal", desprovida dos tons fantasiosos dos contos anteriores, mas, não é bem assim, se você olhar bem, vai ver que nem tudo é tão normal assim.

O décimo e último conto, chama-se Mesmo que Custe a sua Alma e relata a história de um jovem que assume o posto de rei após a morte de seu pai e tem uma fixação pela cidade que ele avista além do mar... Talvez essa fixação não traga bons resultados.
E assim, termina o livro.
Vou dar agora um Feedback geral de tudo que eu li.

Bem, é um livro em que você encontra mitologia nórdica, ação, humor, drama e muitas outras coisinhas mais.
Algumas "críticas" que tenho a fazer são que a linguagem utilizada tem um estilo mais formal em alguns pontos e bem informal em outros. O uso de onomatopeias no conto O Dia Da Convenção, pode vir a gerar controvérsias dependendo de quem leia, já que não é algo de uso comum em livros.
Há alguns problemas em citar coisas extremamente atuais em contos que aparentemente se passam antes dessas coisas atuais existirem.
Mas, tirando esses pequenos detalhezinhos, o livro em si é muito bom. Os contos foram muito bem intercalados. Ora um com mais ação, ora um mais dramático, ora um engraçado.
A ressalva final que faço, é sobre a última página do livro, cujo título é "Sobre o Autor", onde diz que o mesmo procura escrever coisas que despertem emoções, lágrimas e sorrisos, prezando sempre pela qualidade literária. Mas que vem falhando miseravelmente até então, mas continua tentando.
Que história é essa de falhar? Não tem nada de falha aqui, está muito bem encaminhado, moço! Parabéns pelo trabalho!
E vocês, leiam, garanto que não irão se arrepender!

E para ler a essa é outras resenhas, acessem:

site: mundodasresenhas.com.br
comentários(0)comente



Thaisa 20/08/2016

Uma narrativa completamente envolvente!
Preciso começar essa resenha alertando você, querido leitor. Esteja com seu coração bem preparado para começar a ler os contos do Fabio. Vou explicar mais adiante o motivo para esse alerta.

Gosto de dar oportunidade para leituras de gêneros (ou estilos) diferentes e com isso sair de minha zona de conforto. Até o momento não me arrependi e ao fazer isso, me deparei com surpresas agradáveis, como foi o caso de Prelúdio do Ocaso. Não costumo muito ler contos, tenho preferência pelos romances, mas apenas pelo simples fato de romances serem histórias mais longas e completas. Mas gosto de contos também. São ótimos para te tirar de uma ressaca literária ou passar momentos agradáveis.

Esse é meu primeiro contato com a escrita do Fabio Baptista e como vocês bem sabem, amo fantasia, então resolvi dar uma chance aos contos e embarquei na leitura. Comecei a leitura já com um sorriso no rosto, pois “A Queda de Lenora Endriel” conta a história de uma elfa e sou completamente apaixonada por elfos. Segui encantada com a leitura até me deparar com um parágrafo que quase fez meu coração parar… Continuei a ler e não acreditei no rumo que as coisas tomaram. Nesse ponto eu já queria bater no autor…

Segui para o próximo conto com o coração nas mãos e me vi envolta numa narrativa tão envolvente, com um suspense tão gostoso, que pude sentir todas as sensações claustrofóbicas dos personagens de “Em nome do pai”. Sério gente… chorei no final.

Não vou comentar sobre todos os sentimentos que cada um dos 10 contos me despertaram para essa resenha não ficar gigante e acabar tirando de você o prazer de descobrir as sensações, mas posso dizer que em cada um deles me senti preza ao que estava lendo e todos (sem exceção) me cativaram de alguma forma. Seja sentindo raiva, medo, dando risada… cada um dos contos me envolveu e a leitura foi extremamente agradável e fluida. O autor escreve de uma maneira que prende o leitor, impulsionando a continuar a leitura e a forma como ele vai descrevendo as cenas deixa o leitor querendo saber o que vai acontecer depois. Do terceiro conto em diante eu já estava com o coração nas mãos querendo saber o que é que o Fabio iria aprontar com os personagens e isso me fez ler muito rápido!

Lembram que dei um alerta logo no início desse texto? Então, Fabio Baptista é um sádico com seus personagens… Ramsay (personagem de GoT) caminha lado a lado com ele… e isso… isso maltrata os nossos corações!

Gostei de todos os contos, mas tenho os meus preferidos que são: Em nome do pai, O beijo prometido, O paladino, A nova vizinha e Mesmo que custe sua alma. Esses foram os que achei mais completos e que mexeram mais com meus sentimentos. O paladino e Mesmo que custe sua alma me deixaram com aquela vontade de “quero mais” e acho que transformá-los em um romance seria fantástico!

Como nem tudo é tristeza nessa vida, pude dar muitas risadas com o conto “O dia da convenção”, apesar da bruxa ser muito, mas muito perversa!

“Pelos doze mil diabos que estão cozinhando as almas dos pecadores e dos funkeiros em seus caldeirões no quinto dos infernos, como alguém pode apresentar esse truque como “novíssimo”? Será que ela tem Alzheimer? Não é possível uma coisa dessas, parece que ela realmente não faz ideia do papel ridículo a que está se prestando. (…)”
Se você gosta de fantasia e está em busca de uma leitura leve, rápida, divertida, envolvente e instigante, super recomendo Prelúdio do Ocaso! Já virei fã da escrita do autor e quero ler as outras coletâneas que ele tem!

Resenha publicada no blog Minha Contracapa:

site: http://bit.ly/PreludiodoOcaso
comentários(0)comente



Claudia Angst 23/09/2016

Fantasia em doses unicornianas
PRELÚDIO DO OCASO (Fabio Baptista)

O livro Prelúdio do Ocaso apresenta dez contos bem alinhados e mergulhados na fantasia. A linguagem esbanja clareza, humor e sensibilidade, aproximando o fantástico do verossímil. Missão fácil? Certamente não, mas o autor prova o seu talento a cada parágrafo.
Uma espécie de mágica, obtida através das palavras muito bem manipuladas, transforma a leitura em uma viagem por um mundo encantado, onde se pode encontrar bardos, unicórnios, elfos, dragões, ninfas, goblins e orcs. O leitor é convidado a conhecer um universo à parte, deixando-se conduzir por um caminho que julgava perdido em sua imaginação de criança.
O livro começa com A Queda de Lenora Endriel, conto favorito do autor. Não é uma narrativa curta, mas depois de algumas poucas linhas, a trama revela-se uma ótima surpresa. Costumo resistir a contos longos que prometem muito e se arrastam em descrições e detalhes desnecessários. Não é o caso aqui, pois o texto ganha cores e ritmo mais contundentes à medida que a leitura avança. Embora o começo não seja tão interessante quanto o desenvolvimento, a trama prende a atenção e o final abre novas possibilidades que aguçam a curiosidade do leitor. O que acontecerá depois? A saga de Lenora continua? Espero que sim.
“Depois, todos seus sentidos renderam-se à escuridão.”
“É apenas um castigo. Dez anos passam rápido. Nesse tempo, espero que os livros coloquem em tua cabeça o juízo que minhas palavras não lograram êxito em colocar.”
Em Nome do Pai, o personagem Robert lida com as lembranças de infância e busca resgatar a memória e a honra de seu pai. Para isso, conta com a ajuda de um padre rabugento, sarcástico, responsável pelo toque de humor no conto. Apesar da temática triste sobre a impossibilidade do relacionamento entre pai e filho, que mantêm um elo improvável, a leitura acaba provocando sorrisos.
Já Pena de Fênix traz algumas considerações que servem tanto para humanos quanto para elfos, sempre com uma abordagem bem humorada da realidade/fantasia:
Nosso coração também é de carne, e sangra todos os dias.
Melhor morrer sentindo-se vivo do que viver sentindo-se morto, não é?
Quando estiver tendo dificuldade em disfarçar uma lágrima no canto do olho, aconselho que leia A Princesa Dragão. Você vai chorar sim, mas agora de tanto rir. Pelo menos, foi o que aconteceu comigo quando li o conto pela primeira vez. Há referências a contos de fadas, filmes, delírios transgênicos (opa, esse foi meu) que enriquecem o texto. Ficou claro que o autor não quis bancar o certinho coerente, obedecendo aos limites tempo/espaço. Dane-se a coerência! O tom de besteirol e as piadinhas despretensiosas aliviam qualquer fígado danificado pelo mau humor. O importante é se divertir, porque não está fácil pra ninguém, imagina para um elfo loirinho.
Mesmo que Custe sua Alma, conto que encerra a antologia, já empolga pelo título. Apesar do tema não me agradar, logo me interessei pelo enredo. Batalhas sangrentas, trolls fatiados, bruxa que já foi fada, muitos elementos para compor uma história de ação, tornando a epopeia de Alan Arunor fascinante. Há, em todo a narrativa, uma aura cruel, condizente com a fama de escritor um tanto sádico de Fábio Baptista.
Os demais contos são pequenas produções de um autor que prefere escrever usando elementos da fantasia e dos dramas cotidianos. Tenho lá minhas implicâncias com fantasia, mas desta vez, até me convenci a dar uma chance ao gênero. Graças ao seu estilo nada engessado, Fabio Baptista consegue apresentar ao leitor histórias que cativam e tiram o ar blasé de qualquer crítico mais exigente.
Prelúdio do Ocaso promete (e cumpre) trazer novas experiências e sensações, ora emocionando, ora fazendo rir, e até mesmo despertando alguns instintos cruéis. Talvez, em algum momento, você também pense em esganar lentamente o autor. Mas quem poderá culpá-lo? O que não vai acontecer é alguém permanecer indiferente à leitura. Ame ou odeie, mas, primeiro, leia o livro. Não vai se arrepender.

Cotação: ****
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR