Retalhos

Retalhos C. B. Kaihatsu




Resenhas - Retalhos


3 encontrados | exibindo 1 a 3


ClauClau 07/11/2017

Retalhos - Almas em Versos
Com versos hora delicados, em outros fortes e contundentes Retalhos Almas em Versos é um presente aos amantes de pequenos grandes momentos.
Versos que tocam no fundo d’alma que fazem suspirar e sentir lembranças, é como se nossa caixa de guardados fosse aberta inundando nossas narinas com o perfume do passado, de momentos vividos, jamais esquecidos, apenas adormecidos mas, também, nos apontam as tristezas e descasos sociais a alma despida com muita sensibilidade.


site: https://www.euleiosimedai.com.br/single-post/2017/11/07/Retalhos-%E2%80%93-Almas-em-Versos
comentários(0)comente



Helô Delgado 30/01/2017

Aquele tipo de livro que merece ser apreciado
Não tenho o hábito de ler livros de poemas, e por isso posso afirmar que me tirou da zona de conforto, mas não de uma forma desagradável, muito pelo contrário.

Retalhos é um livro composto por setenta poemas escritos por duas autoras, sobre as mais diversas temáticas. Ele é dividido em duas partes, cada um de uma autora específica. Alguns conseguiram me tocar, alguns eu lia cantando, alguns li rimando, e outros me fizeram pensar.

Aprendi que um livro de poemas deve ser lido com calma, da mesma forma que deve ser apreciado um bom vinho ou um chocolate importado caríssimo. Qual a graça de engolir tudo de uma vez, quando o sabor se esvai em pouco tempo? Qual é a graça de se ler em uma sentada?

Retalhos é um livro para você guardar na cabeceira e consultar em um dia que precise de inspiração. Inspiração para o dia a dia, para a vida, para os desafios que ela impõe, para as expectativas que criamos e são despedaçadas.

Não vou detalhar os poemas que gostei mais, ou os que mais chamaram minha atenção. Vários são ótimos, o que vocês podem conferir pelas fotos postadas no blog.

Mesmo em e-book, a diagramação está linda, com várias imagens caprichadas, condizentes com a temática dos poemas. A revisão foi bem feita e, apesar de não possuir muito conhecimento em poemas, posso dizer que a essência deles conseguiu me afetar.

Indico para todos os tipos de leitores, afinal, eu não imaginava apreciar tanto a leitura, e acredito que muita gente por aí vai se sentir da mesma forma que eu.

*Essa resenha é de minha autoria e foi publicada no blog I Love My Books

site: http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2017/01/resenha-retalhos.html
comentários(0)comente



CultEcléticos 09/01/2017

Uma obra encantadora
Retalhos: Almas em Versos, das escritoras C. B. Kaihatsu e Natasja Haia é um livro de poesia, publicado em agosto de 2016, na Bienal do livro de SP. As autoras, que se conheceram após participarem da antologia “O Corvo: Um livro colaborativo”, editora Empíreo (2015), decidiram publicar esta obra em dupla. Para mim, enquanto leitor, uma decisão acertada, pois ao adquirir Retalhos: Almas em Versos, na verdade estou obtendo dois livros em um: a primeira parte temos o livro de C. B. Kaihatsu, com trinta e cinco poemas e na segunda parte, o livro de Natasja Haia, com outros trinta e cinco textos. A obra conta ainda com belas ilustrações, dezoito no total, que fica por conta de Michele Borges.

É possível perceber o estilo de cada uma das autoras, mesmo que o trabalho se construam em temas que dialogam entre si como a fugacidade da vida, o amor, a solidão, a preocupação social, o cotidiano, a importância de entes queridos, a metalinguagem…

“Mas o que é um poema?

Eu pergunto-lhe, meu caro amigo.

Será que são rimas?

Ou métrica perfeita?

Palavras difíceis?

[…]

Um poema, meu bom amigo, é uma extensão da alma.

Que tem vida própria.

Que sente e me faz sentir”.

Trecho de do poema Metalinguagem, de C. B. Kaihatsu



Os versos livres, o fazer poético…

“Você tenta escrever tudo certinho

Acha atraente ser assim tão engomadinho.

[…]

Eu gosto mesmo é da

Bagunça,

Da falta de métrica, da incoerência”.

Trecho do poema Para uma alma livre: versos livres, de Natasja Haia



Eu-líricos inquietos e questionadores, que vão trabalhar com as impossibilidades, as saudades dos sonhos não realizados, de algo não vivido, mas que está ali, em algum lugar entre a voz e o silêncio do texto:

“Sinto saudades de uma época em que não vivi.

Mas que vive em minha alma.

Dos sonhos não realizados.

Concretos na minha mente”.

Trecho de do poema Nostalgia, de C. B. Kaihatsu

“Às vezes tudo começa

Com um risco do ócio

Em um pedaço de papel que sobrou

No sobrado de algum poeta

Com uma caneta por perto

E uma inquietude por dentro”.

Trecho do poema Para uma alma livre: versos livres, de Natasja Haia

Dos poemas de C. B. Kaihatsu que mais me chamaram a atenção pela beleza e qualidade estética e textual, além dos já mencionados Metalinguagem e Nostalgia, gostei muito do ‘Vicent’, um intertexto com o pintor holandês Vicent Van Gogh, maior expoente do pós-impressionismo (Os girassóis amarelos aquecem a alma.); do poema ‘ESTRELA Dalva’, uma linda homenagem que a escritora faz à sua mãe (Estrela Dalva. / Das primeiras horas. / Mãe.); ‘Acróstico maternal’, que traz uma bela ilustração de uma mulher grávida com um coração no ventre; ‘[Entreato]’, a brevidade da vida e a possibilidade de transcender mesmo que na imaginação (Quero vivê-la em toda sua apoteose. / E aproveitá-la em sua brevidade.), na literatura; ‘Terra do Nunca’, que mostra a beleza de ser criança e a vontade de voltar a ser, pois o adulto é preso em suas obrigações, problemas, enquanto a criança é livre, pois Peter Pan podia voar e o adulto está preso em amarras quase sempre criadas por ele mesmo, o que podemos ver também no belo poema ‘Antinomia’ (Liberdade forjada. / Cativeiro concreto) e ‘Menina Liberta’ (Queria poder ser criança de novo. / Para viver como uma menina liberta.); o poema ‘Somos Marias’, faz uma homenagem a todas as Marias – mulheres –, que trazem em comum as suas dores, as suas lutas e também as suas alegrias; e o poema ‘Dançante’, um texto bem visual, que mostra a arte da dança e a de saber dançar com as palavras (Cinco, seis, sete, oito. / O meu corpo toma forma), um corpo em movimento, um corpo que tem linguagem própria, que conta histórias e faz poesias – Kaihatsu, além de escritora, é bailarina profissional, acredito que por isso tenha conseguido registrar ambas as artes de forma tão bela nesse texto, meu preferido.

Agora, além do já citado ‘Para uma alma livre: versos livres’, outros títulos dos poemas de Natasja Haia que mais gostei: ‘Sr. Brasil’, belo poema que registra as riquezas do nosso país, os nossos costumes e cultura, tudo com sentimento e alma de poeta; ‘Imergindo’, mostra o engessamento do ser humano, que não tem tempo de viver e, por isso, ele apenas observa a vida, porém o eu-lírico se manifesta esperançoso e busca conforto no lugar mais inapropriado (Eu escrevo a desesperança / Na esperança, porque eu sei / Que mesmo em meio / A todo esse caos / Há amor) e vai falar da arte, do dom peculiar do poeta de ver as coisas diferente; ‘Fugacidade’, um poema breve de apenas seis versos, próprio pra discorrer sobre a fugacidade da vida, que é breve e nós somos frágeis como um galhinho de árvore e podemos nos quebrar a qualquer momento; ‘Segredos de Zâmbia’, quando o escritor imerge no mundo das ideias e se ausenta do mundo real, raramente é compreendido pela maioria das pessoas, porém ele sabe disso e mesmo assim prefere permanecer o máximo que puder em sua abstração e ser a poesia que surge como chama (Ela pousou sobre um vulcão / Tornou-se o fogo); Velório da utopia’, quando o sonho é esmagado pela realidade; ‘Grito do viaduto’, um belo poema, que mostra uma criança que vivia uma vida comum e normal e por causa dos percalços da vida, agora uma pessoa adulta, acaba por habitar de baixo de um viaduto, sendo confortada pela arte, uma flor desenhada no muro, a dor transformada em poesia; ‘Desencarnados’, uma homenagem a vários escritores como Machado de Assis, Clarice Lispector e Gregório de matos; e ‘Clemência em demência, que mostra um eu-lírico indignado pelo fato de pouco se fazer para aplacar a fome dos necessitados.

As ilustrações de Michele Borges é mais um ponto forte do livro, um trabalho artístico que não interfere ou representa diretamente os textos, é claro que as imagens foram inspiradas nos poemas, mas elas têm vida própria e, assim como a poesia do livro, essas almas em retalhos que se constroem, desmancha e reconstroem em versos, as imagens também estão ali para nos fazer pensar.

Retalhos: Almas em Versos é um ótimo livro. Recomendo, sobretudo para os de corações inquietos.

Sinopse:

Retalho é um pedaço que se retira de um todo, parte de alguma coisa que foi fragmentada. Assim é a nossa vida, uma coleção de retalhos num apanhado de memórias. Somos versos diários tecidos nas páginas de uma história que não termina. Retalhos: Almas em Versos é isso um apanhado de sentimentos, com poemas sobre a vida, a condição humana e as mazelas sociais. Como o título sugere, cada verso leva um pouco do sentimento das autoras. Os traços da ilustradora fazem a junção dos pedaços, costurando, junto com as letras, a alma da obra.

(Natanael Otávio)
Resenha publicada no site CultEcléticos.

site: http://www.cultecleticos.com.br/retalhos-almas-em-versos-de-c-b-kaihatsu-e-natasja-haia-com-ilustracoes-de-michele-borges/
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3