The Heart of Betrayal

The Heart of Betrayal Mary E. Pearson


Compartilhe


Resenhas - The Heart of Betrayal


186 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Clary 18/01/2019

Agora aguenta coração
Coração, não faz assim
Você se apaixona e a dor é no meu peito
Eu sabia que a partir do momento que me apaixonei por TKOD ia ser só tiro. Eu tava cheia de expectativa por ter gostado tanto do primeiro mas ao mesmo tempo muito receosa por causa dos meus amigos que não gostaram e por causa da famosa maldição do segundo livro. Infelizmente acho que o medo se tornou realidade e THOB caiu um pouco na maldição, apesar de o segundo livro ser menor que o primeiro achei que ele foi mais enrolado e se estendeu demais em partes não tão importantes, e no final, quando começaram as coisas relevantes, foi tudo muito corrido/apressado/bagunçado que eu fiquei até desorientada. Mas no geral foi um livro muito bom e eu só não dei mais estrelas porque eu também sofro com uma maldição que é a de shippar casal errado. Sou muuuito apaixonada pelo Kaden e sou 100% #TeamKaden, ou seja sofri horrores nesse livro, por isso descontei uma estrela pelas lágrimas derramadas kkkkkkkkk mas é aquele ditado né: agora aguenta coração, já que inventou essa paixão
comentários(0)comente



Estela | @euviestrelas 17/01/2019

The Heart of Betrayal começa exatamente de onde The Kiss of Deception termina, Lia, Kaden e Rafe chegando a Venda após o sequestro da mesma. Lia se vê então no bárbaro reino de Venda a mercê do Komisar, que é convencido pelo assassino de que a garota é importante por seu dom.

Em meio a tudo isso, Lia acaba conhecendo um pouco mais sobre Venda, que não é nem um pouco como ela achava que seria, e obtém novos aliados. Não sabendo em quem confiar, e aprendendo mais sobre seu dom e destino, a princesa acaba se aliando ao príncipe com quem planeja escapar. Mas em um reino com tantos assassinos e apenas uma saída controlada por guardas, será que ela terá sucesso?

The Heart of Betrayal nos trás um outro lado da história da qual nem desconfiávamos, até porque o reino selvagem pode não ser tão ruim assim. Venda é um lugar esquecido com pessoas um tanto humildes, mas guerreiras, que só querem sobreviver, o problema é seu líder ambicioso que só quer mais poder e acaba usando Lia para conseguir isso.

Lia amadurece muito ao longo da história, ela acaba aprendendo mais sobre o local e seu cultura e descobrindo várias coisas importantes que envolvem todos os reinos e a vida das pessoas com quem se importa, além de detalhes do que acredita ser seu próprio destino.

Mary E. Pearson nos trás uma ótima continuação, apesar de não ter tanta ação até o final, a história desenvolve muito bem os personagens e nos prende até chegarmos ao final, mas o ritmo é meio lento, o que pode desagradar algumas pessoas.

Eu gostei muito do modo como tudo se desenvolveu e o rumo que a história pode seguir, o final termina com um gancho que só nos faz desejar iniciar o mais rápido possível a leitura de The Beauty of Darkness.
comentários(0)comente



Lidce 09/01/2019

Que final!
Esse segundo livro foi maravilhoso! Ansiosa para começar a ler o terceiro! Ainda bem que comprei a trilogia.
comentários(0)comente



Yngrid Borges 14/12/2018

Um livro muito bom! Foi maravilhoso ver o desenvolvimento de Lia como pessoa, quebrando seus preconceitos, mudando seus preceitos, ficando mais forte e desenvolvendo o dom.
Muitas das vezes me perguntei quem era o mocinho, quem era o vilão, o que é ser vilão e o que é ser mocinho?
Venda não é o lugar mais acolhedor do mundo, mas Lia viu tanto sofrimento, tanta gente que ela passou a se importar, tantos inocentes em meio ao plano do Komizar.
A esperança que Lia traz pro povo de Venda é impressionante, as novas descobertas sobre as histórias dos reinos e autodescobrimento.
comentários(0)comente



Likka 29/11/2018

Melhor que o primeiro livro!
Eu estava ansiosa para ler esse livro, porque gostei muito do primeiro e queria saber o que aconteceria com Lia ao chegar no Reino de Venda. Geralmente, quando leio uma série acabo gostando mais do primeiro e em alguns casos o segundo livro até me decepciona um pouco, mas isso não aconteceu com The Heart Of Betrayal. Nesse segundo livro é possível descobrir mais sobre cada personagem, principalmente o Komizar que foi citado no primeiro livro, mas não conhecíamos.

O poder feminino continua muito presente nesse livro. Lia mostra mais de sua força nesse livro. Longe de casa, de sua família e amigos, ela tem somente Rafe e Kaden para enfrentar as barbaridades do Komizar. Ao longo da história Lia faz muitos amigos como Aster, Yvet, Zekiah e a misteriosa Calantha. Além disso, a Princesa é muito bem recebida pelo povo de Venda, inclusive o clã dos Meurasi, um dos mais importantes. A protagonista passa a entender que os vendanos não são bárbaros, são pessoas simples, humildes, que sofrem de fome e do governo rígido do Komizar.

Enquanto Rafe permanece em Venda disfarçado de Emissário do Príncipe de Dalbreck para garantir sua vida e a de Lia por mais alguns dias até seus soldados chegarem para resgatá-los, Pauline e Gwyneth tentam se comunicar com os irmãos da Princesa para conseguir resgatá-la. Infelizmente as tentativas de Pauline de convencer a família de Lia de que a Princesa não é uma traidora e que na verdade ela foi sequestrada se tornam cada vez mais difíceis devido às estratégias do Komizar. Apesar de estar aprisionada em Venda, Lia acaba descobrindo mais sobre si mesma e sobre seu dom. Também descobre que não é apenas em Venda que há bárbaros e que em Morrighan existem alguns deles.

Gostei muito de descobrir mais sobre o Reino de Venda e sobre a vida de Kaden que até esse livro não era possível saber muito. Agora foi possível entender o laço que liga Kaden ao Komizar e qual é o motivo dele ser extremamente fiel ao seu líder. Espero que no terceiro livro da triologia consiga saber mais sobre o Príncipe Rafferty e o Reino de Dalbreck.
comentários(0)comente



20/11/2018

Volume 2
Nesse livro, Lia aprende a lidar com a situação de prisioneira no reino do assassino, e percebe que o reino não é bárbaro como ela e pessoas do seu reino sempre pensaram, apesar do komizar tirano, no livro 1 ficamos sabendo que o assassino apaixonado por ela não consegue matá-la, por isso ela vai para lá e acaba passando por várias situações. Ela planeja a fuga e a solução dos problemas dos reinos, mas acho que a autora poderia ter explicado melhor o dom da Lia, como funciona.

Mas no geral recomendo que continuem a ler a trilogia, um pouco de estratégia, mais informações para se esclarecer até o último volume da trilogia e muita aventura e sufocos.
comentários(0)comente



Gianne Marques 13/11/2018

Livro super envolvente
No segundo livro, Lia sai de Terravin e está a caminho de volta para Morrighan quando é capturada por bárbaros de Venda junto com o assassino e sendo seguida pelo pelotão do príncipe.

No Reino de Venda, Lia se vê em um ambiente totalmente diferente do que ela vivia e era acostumada em Morrighan, com pessoas que ela logo pega muita simpatia, menos com o chamado Komizar, uma espécie de rei de Venda. O Komizar é escolhido por quem mata o antigo Komizar, desse modo pegando o título para si. Lia é mantida prisioneira em Venda, levada pelo assassino a pedido de Komizar.

Como a personagem principal foge de todos os termos tradicionais de princesa, Lia logo vira o jogo e em momento algum é tomada como vítima.


"Embora alguns possam buscar fazer com que as coisas pareçam diferentes, eu não sou uma noiva a ser escambada para um outro reino, nem um prêmio de guerra, nem uma porta-voz para o seu Komizar. Eu não sou uma ficha em um jogo de cartas para ser jogada impetuosamente no centro da pilha de apostas (...) Eu sou uma jogadora que está sentada à mesa junto com o restante do pessoal e, deste dia em diante, vou fazer minhas jogadas conforme eu julgar adequado." (The Heart of Betrayal)


Super continuo a indicar essa série que eu estou amando muito!
comentários(0)comente



Tracinhas 09/11/2018

por Lídia Rayanne
Olá, pessoal! Já faz muito tempo que queria conhecer a trilogia Crônicas de Amor e Ódio. Eram tantas resenhas positivas no Instagram que não hesitei em solicitar os dois primeiros livros no Skoob quando surgiu a oportunidade. Só que eram muitas expectativas envolvidas, então rolou certo receio de começar e me decepcionar, sabe? Foi então que mês passado tomei vergonha na cara e decidi iniciar a leitura do primeiro livro.

O começo achei um pouquinho lento, bem introdutório, uma estratégia da autora para nos apresentar a esse mundo tão complexo e rico em cultura e história. Mas a maneira como a trama foi se desenvolvendo em torno de tanto mistério me deixou tão envolvida que simplesmente devorei “The Kiss of Deception” e precisei começar imediatamente a sequência! Como o primeiro livro da série já foi resenhado aqui pela Julis, hoje trarei apenas as minhas impressões desse segundo volume.
“The Heart of Betrayal” começa no mesmo ponto onde o livro anterior termina: com Lia, Rafe e Kaden adentrando pelos de Venda e tendo que lidar com um jogo político que envolve constantes lutas de poder, sangue w onde a única maneira para sobreviver é usando de dissimulação. O Komizar, líder da nação, não é nada do que Lia esperava – um homem cínico, mas que ao mesmo tempo consegue exercer o carisma entre o povo pobre de Venda.
Logo Lia descobre que aqueles que chamava de bárbaros não passam de pessoas comum tentando sobreviver. O problema está em seus líderes – e em seus planos de criar um exercito a fim de subjugar os outros reinos.
Eu amei essa sequência ainda mais do que o primeiro volume. Achei que o ritmo fluiu bem e, como não poderia deixar de ser, a autora explorou ainda mais o passado dos reinos, o dom de Lia e ainda nos deixa dúvidas: qual versão das histórias contadas sobre Morrighan é a verdadeira? Como Lia e Rafe vão conseguir escapar de uma fortaleza que é um verdadeiro labirinto?
Não achei o triângulo amoroso tão forte aqui (ainda bem!), e os personagens secundários nos cativam, quer por sua fofura e inocência, como Aster, ou por serem completamente ambíguos, como Calantha.
O final é chocante, pra dizer o mínimo, e de tirar o fôlego. Então, só posso dizer: leiam, meus amigos, leiam! E eu preciso desesperadamente da continuação!

site: http://jatracei.com/post/179927003832/resenha-311-the-heart-of-betrayal
comentários(0)comente



Greice Kelly 03/11/2018

Uma personagem feminista que vem me surpreendendo cada vez mais.
E o segundo livro vem ainda mais incrível que o primeiro, com lutas, guerra, a luta pelo poder e o poder da fé, esse livro me surpreendeu ainda mais, tanto com o desenvolver da história quanto da evolução dos personagem. A autora me cativa ainda mais ao engrandecer a personagem Lia com todo o seu empoderamento, sua fé e a esperança que ela transmite a outras pessoas.

site: https://instagram.com/livrartes_
comentários(0)comente



Brenda.Silviero 24/10/2018

Amei
Achei que não ia me prender, porém gostei bastante. Espero não me decepcionar com o último livro.
comentários(0)comente



Stael Fernandes 23/10/2018

Segundo volume traz o ápice das Crônicas de Amor e Ódio
Uma princesa sequestrada, levada para o reino inimigo. Um príncipe apaixonado que segue em seu encalço na esperança de reaver a amada. Um assassino misterioso dividido entre a lealdade e o amor. É neste ponto que iniciamos a leitura de The Heart Of Betrayal, continuação das Crônicas de Amor e Ódio, fantasia que nos apresentou Lia, primeira filha do reino de Morrighan que mesmo renegando sua nobreza, viu-se arrastada para os conflitos de seu reino.

Quando escrevi sobre o primeiro volume desta trilogia pontuei que, embora The Kiss Of Deception tenha sido um bom início para as desventuras de Lia, não foi uma história que me arrebatou. Porém, The Heart Of Betrayal é uma evolução bem-vinda ao universo criado por Mary E. Pearson, ainda que em muitos momentos a narrativa seja mais introspectiva, o que pode desagradar alguns de seus leitores.

Desta vez conhecemos Venda, reino bárbaro comandado pelo Komizar, homem a quem Kaden deve sua lealdade e para quem este entrega Lia, esperando que seu plano para a manter viva seja o suficiente. Contudo, ele não contou com a persistência de Rafe e agora o reino que não faz prisioneiros possuía um de cada dos reinos inimigos para a total satisfação de seu enigmático governante.

O interessante aqui é acompanhar a dinâmica de Lia nessa nova realidade. Depois de se portar com firmeza mesmo diante das humilhações às quais é submetida, a princesa não se deixa abater. É claro que a presença de Rafe lhe confere ânimo, mas sua imersão naquela cultura é o que traz à tona toda a força da personagem.

Munida de tradições e superstições, a sociedade Vendana vive com pouco ou quase nenhum luxo e vê naquela forasteira o florescer de uma antiga profecia, conferindo a Lia um status que de início calha com os propósitos do Komizar, mas que, posteriormente, coloca a vida da protagonista em risco.

Além de nos apresentar Venda e alguns de seus habitantes, a autora ainda tem tempo para desenvolver um pouco mais da mitologia daquele universo, deixando de propósito pontas soltas para serem costuradas ao final de sua trilogia. Pearson também acerta quando introduz a figura do Komizar que misterioso e calculista, faz um bom contraponto com Lia.

Todavia, é quando trata da evolução dos personagens que este segundo volume se sobressai. O amadurecimento da princesa continua a ocorrer de forma orgânica, o que a torna uma personagem imprevisível e agradável de acompanhar. Kaden é o grande destaque do livro, eis que com a revelação de seu passado mostra suas várias nuances, tornando-se o personagem mais interessante criado por Pearson até aqui. Rafe, por outro lado, continua um ponto fora da curva, um enigma que não desperta qualquer curiosidade, apenas o príncipe apaixonado que se compromete a salvar a mocinha, em sua concepção, indefesa.

O romance é o ponto negativo da obra. Lia nunca teve dúvidas de seus sentimentos, mas todas as vezes que o livro foca em seus encontros com Rafe este perde um pouco da força. Falta química ao casal e os poucos momentos com a protagonista que Kaden toma para si são exemplos de como a autora poderia ter apimentado mais esta parte de sua história. Apesar de ser um recurso manjado, talvez insistir no triângulo amoroso fosse necessário para que Rafe tivesse a chance de conquistar os leitores tanto quanto Kaden.

Mesmo com esta ressalva, o cuidado de Mary E. Pearson para narrar sua história conduz a leitura para um final emocionante, daqueles que prometem muitos desdobramentos no próximo volume. Resta agora torcer para que o desfecho da trilogia possa superar o desenvolvimento alcançado em The Heart Of Betrayal e Lia termine sua jornada deixando saudades em seus leitores.

site: https://cinebookando.blogspot.com/2018/10/the-heart-of-betrayal.html
comentários(0)comente



Poly 18/10/2018

Um pouco decepcionante
O segundo livro da série de Mary E. Pearson tem um ritmo completamente diferente do primeiro, Kiss of Deception. A impressão que tive é que toda a antecipação que tive em descobrir o que aconteceria ao chegarem em Venda, ao final do primeiro livro, se esvaiu à medida que seguia a leitura do segundo. Duas coisas prenderam minha atenção - o mistério das Catacumbas e a crença cega de Rafe de que eles poderiam escapar, ademais não tive muitas surpresas ou coisas pelas quais esperar. Uma pena, havia gostado do primeiro livro mas, lendo o segundo não me senti compelida a ler o próximo.
comentários(0)comente



Cris 02/10/2018

Mais ou menos
Gostei desse livros mais não tanto
comentários(0)comente



Thalita - @mundodaspaginas 19/09/2018

Uma das melhores continuações que já li!
Essa resenha foi postada originalmente no perfil literário no Instagram @mundodaspaginas
.
Contém spoilers do primeiro livro.
.
❝Um sacrifício para você. Apenas para você.
E assim será,
Para todo o sempre.❞
.
📖 Lia e Rafe terminam o primeiro livro chegando como prisioneiros em Venda, com Kaden precisando lutar contra seu amor por ela e sua lealdade ao Komizar. É exatamente desse ponto que retomamos o segundo livro que continua nos oferecendo vislumbres do dom de Lia, e informações preciosas no que diz respeito a localização e a política de Venda, que foi pouquíssimo explorado no primeiro livro.
.
📖 Aqui, a autora cria um universo incrível, muito bem construído em todos os aspectos e que surpreende a nossa protagonista Lia e o próprio leitor. Mary E. Pearson mantém parte da narrativa poética presente no primeiro livro e nos faz imergir ainda mais nessa história, pelas ruas e pela população de um local esquecido por muitos mas que pretende retomar seu lugar de importância. .
📝 Geralmente os segundos livros das trilogias são tidos como livros de transição onde poucos acontecimentos marcantes acontecem. No entanto, aqui em The Heart of Betrayal, somos bombardeados de grandes acontecimentos e viradas de mesa sensacionais, a todo instante nos deparamos com novidades cruciais para o desenrolar da história. A própria figura do Komizar tão misteriosa no primeiro livro se mostra uma grande surpresa, um líder cheio de diferentes facetas.
.
❝Mas o fato é que eu vim por você, Lia, não importando quem você seja, e não me importo com que erros eu tenha cometido ou você tenha cometido. Eu cometeria todos e cada um deles de novo, se esse fosse o único jeito de ficar com você.❞
.
📝 Preciso ainda deixar registrada minha admiração pela construção do romance. Para quem leu o primeiro livro e ficou com a sensação de que seria mais uma história com um triângulo amoroso mal construído e superficial só peço que leia esse segundo livro onde os sentimentos de Lia por Rafe e Kaden tomam forma e ela aprende a distinguir o que sente por cada um.
.
Essa resenha foi postada originalmente no perfil literário no Instagram @mundodaspaginas
comentários(0)comente



Brenda Bremer 06/09/2018

Meu deus, eu não estou crendo nesse livro.
Bem, como ja sabem esse é o segundo livro da trilogia crônicas de amor e ódio. O primeiro livro termina com uma Lia completamente diferente, com um louco desejo de vingança, e um Rafe infiltrado sem um plano de fuga, ambos presioneiros de Venda - algo inusitado visto que la não há prisioneiros.
Nesse volume conhecemos a cultura e as tribos daquela região, além de revelar mais algumas das peças do quebra-cabeça que são os Antigos. Além de tudo isso, o ponto mais quente do livro, conhecemos o temível Komizar, líder de Venda, um indivíduo que me deixou extremamente confusa, eu passava de ódio supremo à curiosidade extrema em meros segundos se tratando dele.
Igual ao primeiro livro, as reviravoltas ou me fazem querer jogar o livro na parede ou me deixa histérica por não ter notado aquilo. Sem falar a constante competição entre Kaden e Rafe pelo coração de Lia, revelando mais um pouco da história de cada um, e vou te contar, enquanto no primeiro livro ru era mais partidaria de Rafe, nesse eu me derreti por Kaden chegando até a ficar furiosa dos momentos entre Rafe e Lia.
comentários(0)comente



186 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |