O CHÃO QUE EM MIM SE MOVE

O CHÃO QUE EM MIM SE MOVE Carlos Barbosa




Resenhas - O CHÃO QUE EM MIM SE MOVE


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Penalux 05/10/2017

Invisíveis do Nordeste
O livro “Assovie que virei” reúne 5 contos de terror do escritor M.R. James. O autor é especialista em Ghost Story, e a obra sintetiza um pouco do trabalho do escritor, mostrando a simplicidade de suas palavras coloquiais que rememoram ao leitor as noites de fogueira, passadas com os colegas de infância banhadas a escuta de histórias fantásticas.
A obra é inédita no país e traduzida por Chico Lopes, os contos foram selecionados pelo tradutor e a última narração intitulada “Assovie que Virei” dá nome ao livro. A técnica de M.R. James é simples e procura tornar a escrita fluida aproximando-se para isso do coloquial; esta característica permite ao leitor fundir-se com suas impressões de pavor – tipicamente despertadas por boas histórias de terror.
Os contos selecionados são Corações Perdidos, O Freixo, O conde Magnus, O Poço dos Gemidos e Assovie que virei. As histórias focam-se na rotina simples do dia a dia, mas que podem facilmente se alterar em direção ao campo do sobrenatural, com um pouco de criatividade.
comentários(0)comente



Dani - Bibliotecária Leitora 23/11/2016

Um livro para ser lido em voz alta
Mas vamos falar do livro que me deu esse segundo prazer: leitura em voz alta, com ritmo. O chão que em mim se move (Penalux, 2016, 123 p.) do autor baiano Carlos Barbosa é um livro de contos que de certa forma estão interligados. Vira e mexe voltamos ao Bendiá, às lembranças de infância de um narrador que está presente em várias histórias. E são histórias contadas com tanto bom humor, mas ao mesmo tempo com tanta melancolia e saudade, que me foram arrancadas lágrimas, sorrisos e gargalhadas. Deu aquele conforto, aquela lembrança de voltar para casa (ainda que eu nunca tenha saído).
É muito difícil escolher um conto favorito – mesmo que a gente não precise fazer isso, cêis sabem, né? haha Mas é aquele costume que temos de sempre escolher só um. Eu gostei de todos os contos, completamente todos! E confesso pra vocês que isso é raro acontecer, afinal como são historinhas curtas, que não tem um vínculo (lembrando: geralmente), às vezes nos apegamos mais a alguns personagens ou situações. Mas fiquei encantada por todos os contos desse livro. Os que envolvem o Bendiá (no vale do Rio São Francisco) são como refúgio para nossa infância. Nosso narrador vai nos contando de seus amigos (ou “inimigos”), de seu pai (cutucando sua masculinidade de menino tão pequeno), de seu cavalinho, da tia Vitorina, e da trilha pedregosa, aquela malvada.
Leia a resenha completa no blog: https://bibliotecarialeitora.wordpress.com/2016/11/18/o-chao-que-em-mim-se-move-carlos/

site: https://bibliotecarialeitora.wordpress.com/2016/11/18/o-chao-que-em-mim-se-move-carlos/
comentários(0)comente



Krishnamurti 15/09/2016

CHÃO DE AREIA MOVEDIÇA
Após chegarmos a última página do livro de contos “O chão que em mim se move” do escritor Carlos Barbosa (Editora Penalux, Guaratinguetá – SP, 2016, 128p.) surge-nos à mente a imagem de areias movediças, aquele fenômeno natural no qual a areia, por estar embebida em água, não oferece resistência a animais, pessoas ou objetos e traga-os para a morte. Antes de uma explicação do porque dessa metáfora de areia movediça, cumpre situar a literatura do autor.
Fiel à ambiência que o modelou, Carlos Barbosa (que também é romancista), não sonega suas raízes nordestinas, apesar do pendor para a análise psicossocial. Tem em relação a sua região (centro-oeste) da Bahia um repertório de lembranças, vivências e imagens de infância, que aparecem nos contos e revelam um prosador de temperamento e origens regionais. Como regional, se entenda também, uma literatura que, por suas amplas inquirições existenciais, transborda do espaço ficcional sugerido pela geografia em que se localiza. Parte do localismo para o universal, empreende a sondagem da alma humana através da auscultação de uma determinada zona geográfica.
Suas narrativas são estruturadas com extrema simplicidade, numa prosa que tem o colorido brasileiro, e recorre à oralidade, seja captando falares, seja reproduzindo ditos e máximas populares que traduzem a sabedoria dos humildes. Da fusão das personagens com a terra, dos homens com o cenário, sai o drama que espelha a condição humana e, em assim sendo, legitima-se como literatura da mais alta qualidade. As histórias curtas admitem, mais de um ponto de vista, mais de um ângulo de enfoque. E o ângulo que cumpre analisar, e que nos remete à metáfora da areia movediça, é aquele que fecha um círculo onde a realidade se apoia na História, passa pelo contemporâneo dos sertões esquecidos desse imenso Brasil, e projeta-se em perspectiva de futuro nefasto em um entrelaçamento de causa e efeito. Três contos ajudam-nos a explicar:
Em “O interrogatório”, o velho sertanejo Silvino, homem rude mas trabalhador e honesto, que dedicou toda sua vida a cuidar da família e que aprendera com o pai “tudo que é trabalho de homem do campo”, enquanto espera o delegado que o interrogará, preocupa-se com a sorte de seus filhos também detidos. Vejamos o registro narrativo: “No tempo de Horácio de Matos coisa assim não sucederia. Ele, Silvino, iria ter com Horácio em Brotas, ou na trincheira que estivesse, e diria, meus filhos sumiram faz três dias e não sei do destino deles, pois na roça ocupado estava. Horácio lhe diria para ficar despreocupado, que tomaria as providências, que gente dele não passava aperto, e chamaria um de seus homens e determinaria investigações”. Mais adiante ficamos sabendo que o coronel Horácio de Matos (personagem que realmente existiu), em verdade não pertenceu a sua geração, mas a de seu pai – vejam a força do mito a atravessar gerações. Horácio de Matos (1882-1931) foi um poderoso político e coronel do sertão baiano (o uso de forças particulares nos sertões se explica pela falta do Estado, onde, especialmente pelas grandes distâncias, não alcançavam as forças regulares e estruturas estatais. O jagunço e o número dele à disposição dos chefes políticos era símbolo de status quo). O mando deste coronel chegou a constituir governo paralelo ao da capital. Pois bem; mais adiante ficamos estarrecidos ao nos deparamos com o pensamento de Silvino: “pelo menos um bom advogado vamos ter, eu e os meninos. A plantação perdida, as encomendas desatendidas. Será que já queimaram tudo ou vão fazer como da outra feita: encher caminhão com os pés de maconha, botar a gente em cima, algemados, cano de escopeta no cangote, e desfilar pelas ruas pra exemplar?!”
O conto “Queimada”, inicia com: “A suspeita era a de que havia armas escondidas na serra da Cristalina. Armas que os subversivos cuidaram de trazer e guardar para os inevitáveis enfrentamentos com os milicos da ditadura, mas que na precisa hora, ficaram para trás, na fuga que encetaram no ano de 1971” Esta introdução acaba por nos apresentar a outro homem velho, alquebrado, que caminha na serra da Cristalina a procura de algo. A narrativa nos induz a pensar que se trata de alguém que, de alguma forma, participou das guerrilhas contra a ditadura militar, pensamento que o trecho “veio-lhe à mente a sucessão de torturas sofridas, o pau-de-arara, o corpo esfolado, as unhas...”, confirmam. O homem não procura armas, mas encontra uma arca onde estão guardadas lembranças daquele tempo de resistência. Em dado momento, pensa: “… é melhor caminhar por essas picadas até cansar o juízo, até não lembrar mais que em outros tempos meus filhos por ela cruzaram, alegres e esperançosos, até não me lembrar mais o motivo de assim proceder, até que restem entregues ao mato que as cobrirá por falta de pés e patas que as definam e as mantenham desimpedidas. E tudo se acabará porque nada pôde ser modificado quando foi tempo de fazê-lo”.
E finalmente, o conto “Corpo de pai”, onde transparece o lirismo de uma ficção “fantástica”. Ali as consequências ficcionais são múltiplas, há como que um redimensionamento do tema (o homem sertanejo explorado), surge uma alegoria que não fica explicada. Somente o absurdo posto. Não fica explicada, vale dizer, porque não se explica a inércia do não querer/poder mudar o próprio destino. O personagem Lívio volta seu pensamento para o corpo do pai morto. “O corpo do pai no caixão de papelão grosso, à sua frente, era mais que uma imagem dolorosa. O governo corporativo havia autorizado a cerimônia pública na antiga catedral, pois o pai de Lívio era um dos 'remanescentes', como eram chamados os que não deviam obrigações a waterCo, companhia japonesa concessionária do trecho do rio em Bom Jardim IV”. Aí temos o círculo fechado de que falamos mais acima!
Dessa forma, seja desnudando o fragor de conflitos íntimos quanto à solidariedade que negamos ao próximo como acontece no excepcional “O encontro”, ou nos desajustes da personalidade acuada ante as impossibilidades e desilusões do meio, de que é exemplo pujante o conto “Vertigem”, ou ainda a exposição de uma consciência que dá seu testemunho de uma dor que é coletiva (tenha-se ou não consciência disto), como ocorre no já citado “Queimada”, a preocupação básica de Carlos Barbosa com a criatura é permanente. A base humana é seu lastro. Não importa precisamente o meio rude do sertão em suas possibilidades descritivas, mas sim, as consequências que a completa falta de perspectivas de mudança acarreta no coração sertanejo, ainda hoje a viver uma miserável condição social. Este o sentido do humano nas diversas imagens do homem que o autor dá cor, dimensão e vida.
O chão que se move no interior do Brasil é o das areias movediças que não permitem, e continuam a negar a incontáveis gerações, o exercício simples de uma cidadania. Alerta veemente também a lembrar, aquilo que Millôr Fernandes sentenciou: O Brasil tem um enorme passado pela frente.
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3