A filha perdida

A filha perdida Elena Ferrante




Resenhas - A Filha Perdida


69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Ana Afonso 14/10/2017

Que tristeza
Escrito de uma forma completamente crua, me deu vontade de jogar o livro na parede por ter muita raiva das atitudes da protagonista. A autora escreve atitudes e pensamento que temos vergonha de admitir. E a forma que é retratada a maternidade é desesperadora. Nino é um dos maiores boys lixo que já li. E Lenu é extremamente interessante, se o livro fosse escrito pelo ponto de vista dela creio que gostaria mais, pq era realmente dela que eu queria saber mais. E que tristeza... que raiva desse final. Apesar de não ter curtido essa série, me deixou com muita vontade de ler mais de Elena.
comentários(0)comente



Adriana.Cruvinel 05/09/2017

Muito forte!!!
comentários(0)comente



Jéssika @saymybook 31/08/2017

Leda está passando férias no sul da Itália e nos seus dias de praia ela observa uma família napolitana. A filha pequena da família perde a boneca e isso os aproxima de Leda. O contato com aqueles desconhecidos desperta lembranças, reconhecimento e uma mistura de sentimentos.

Narrado no presente e passado; Leda observa, convive com a família e ao mesmo tempo nos traz lembranças dos seus momentos de maternidade. Episódios com suas filhas, dos anos que largou todos pra estudar fora e tudo o que sentiu e sente.

"As vezes precisamos fugir para não morrer."

Eu não sou mãe e hoje só tenho um olhar de filha. Leda nos faz pensar e traz uma história mostrando não só as mil maravilhas da maternidade. Ser mãe é ser uma pessoa ou uma função? Confesso que em alguns momentos a julguei mas no final fiquei pensando: quantas mulheres não pensaram o mesmo?

Elena é uma autora anônima e particularmente acho que isso acaba trazendo mais sinceridade aos seus livros. Os sentimentos e as verdades nuas e cruas, como poucos teriam coragem de repassar pro mundo.

"As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender."

A filha perdida é um livro único e com poucas páginas. Ótima dica pra quem quer conhecer algo da autora. Uma história pequena mas que desperta muito no leitor. As histórias de Elena são como material bruto, com a leitura você vai lapidando até ter uma jóia rara e carregar dentro de si. Recomendo de olhos fechados!

site: www.instagram.com/saymybook
comentários(0)comente



Jess 28/08/2017

A FILHA PERDIDA - ELENA FERRANTE
Esse livro é um tiro de sinceridade. Pois é justamente a sinceridade da protagonista faz o leitor questionar as escolhas dela. Leda não é uma mãe que esperamos encontrar nos livros, mas isso a gente só descobre no decorrer da história nos momentos que a personagem se desnuda.
A Filha Perdida conta a história de Leda, mãe e professora universitária que vai passar as férias em uma cidade praiana. Separada do marido e longe das filhas que se mudaram para o Canadá para morar com o pai, Leda acompanha na praia a vida de uma família napolitana. Ao mesmo tempo que ela tira suas próprias conclusões a respeito de cada integrante daquela família, ela também se recorda de vários momentos cruciais de sua vida enquanto era casada e morava com suas filhas. Suas atitudes como mãe que não tem nada de convencional revela os desejos e pensamentos conflituosos.
O que mais me intrigou no livro, foram as revelações do passado de Leda e sua relação com suas filhas.
Para mim, Leda é uma personagem fria e egoísta. Mas ao dizer isso, não estou concluindo que a personagem seja uma pessoa má e sim que ela passou por coisas que a levaram a amadurecer e chegar a ter essas características que por escolhas dela ou não, trata- se de quem ela se tornou como pessoa. Ou seja, humana.
A Filha Perdida faz você, leitor, enxergar a maternidade de uma forma totalmente diferente do que estamos acostumados a idealizar.
comentários(0)comente



Carolina 16/07/2017

Narrativa muito boa
Comecei a ler esperando uma história BEM diferente. Fiquei pensando no que li e conclui que se um autor qualquer se aventurasse a escrever esse enredo, não chegaria no mesmo resultado que Elena.
Apesar de não ter sido uma história maravilhosa e etc, foi narrada de um jeito tão íntimo e confidente que foi quase impossível não ansear em descobrir "o grande final".
comentários(0)comente



Patricia 05/07/2017

"— Por que você deixou suas filhas?
— Eu as amava demais e achava que o amor por elas impedia que eu me tornasse eu mesma. Eu estava como alguém que conquista a própria existência e sente um monte de coisas ao mesmo tempo, entre elas uma ausência insuportável."

Ahhh... como eu gosto desses livros que mostram a vida como ela é. Que não ficam fingindo que tudo é felicidade infinita, que mostram que tudo tem seu lado ruim. E que não tem problema nenhum em assumir que existem esses lados ruins! Que assumi-los não anula os bons.

A Filha Perdida vai contar a história de uma mulher que, após suas filhas crescerem, ela finalmente pode voltar a ser quem era.
"Senti-me milagrosamente desvinculada, como se um trabalho difícil, enfim concluído, não fosse mais um peso sobre os meus ombros."

Ela vai se entreter na praia assistindo uma jovem mãe brincando com sua filha, todos os dias. A cada gesto, ela lembra dela própria com suas filhas. Histórias boas e ruins. Momentos em que foi ficando cada vez mais carregada até que, por fim, afastou-se de suas filhas por três anos.

Esse livro tem uma história bem simples, o enredo não é nada demais, inclusive é bem curto. Mas é escrito com tanta delicadeza, tanta verdade, as palavras certas nos momentos certos. Eu não tenho um motivo específico para indicar esse livro e nem mesmo sei identificar um público-alvo para essa leitura. Não sei como definir A Filha Perdida, só posso afirmar simplesmente que é um bom livro e por isso merece ser lido.
Jocasta | @curtaleitura 05/07/2017minha estante
Também gostei bastante desse livro.. (Y)




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Maria Fernanda 01/07/2017

UM SOCO NO ESTÔMAGO
Vocês também olham para certos livros com apreensão? Com receio dos sentimentos que eles vão trazer à superfície, das feridas que eles vão cutucar? Eu sim. E olhar para A Filha Perdida, em particular, sempre me deixou acovardada.

Por que esse livro me deixava apreensiva desse jeito? Porque trata de uma questão bastante sensível na minha própria vida. Porque eu não me dou bem com a minha mãe. Porque eu sabia que ler A Filha Perdida me faria sentir muito vulnerável. Porém, como o meu desafio pessoal pedia um livro sobre maternidade, decidi dar a cara à tapa.

"As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender."

No que diz respeito a parte técnica, foram tantos os louvores que li à escrita de Elena Ferrante, que o que eu esperava era um livro de outro mundo. Isto não aconteceu. Pelo menos nesse meu primeiro contato, achei a escrita da autora bem comum, seguindo uma narrativa linear, sem nada de extravagante. É uma leitura fácil e rápida, que flui sem problemas — ou deve fluir para quem lê com certo distanciamento emocional. De fato, o que chama atenção no estilo de Ferrante é a rispidez com que ela aborda suas temáticas.

Pois, já no tocante à minha experiência como leitora, o que encontrei foi uma história áspera que não faz a menor questão de esconder seus espinhos. Deparei-me com um ângulo incrivelmente incômodo da maternidade, que me atingiu como uma facada e revirou os meus próprios sentimentos confusos pela minha mãe. Chorei por mim, chorei por ela. Só não chorei por Lena, a protagonista da história.

"Eu a observava [minha mãe], surpresa e decepcionada, e planejava não ser como ela [...] Como eu sofria por ela e por mim, como eu me envergonhava de ter saído da barriga de alguém tão infeliz."

A verdade é que por mais dispostos que estejamos a discutir esses assuntos que, estranhamente, são tabus dentro do convívio social, alguns tópicos simplesmente são mais complicados de desconstruir do que outros. E eu não consegui desenvolver a menor empatia por Lena. Chamei-a de louca várias vezes, não nego, pois foi assim que enxerguei metade de seus atos, como loucura. Contudo, sei que não cabe a mim dizer se o que Ferrante descreve são comportamentos de uma pessoa realmente perturbada ou "apenas" dolorosamente fragilizada. Por mais que eu compreenda o que está ali na página, não sou capaz de entender realmente o que se passa. Não sou mãe.

A Filha Perdida é um livro que veio para mostrar o que o discurso da maternidade idealizada esconde, para gritar a plenos pulmões que o "ser mãe" é construção social e histórica. É um livro desagradável, sobre o qual posso dizer tudo, menos que gostei. E talvez exatamente por isso deva ser lido.

site: http://instagram.com/_bookhunter
comentários(0)comente



cris.leal.12 26/06/2017

Altamente emocional...
Sem sentir a síndrome do "ninho vazio", mas aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, Leda, uma professora universitária de meia-idade, decide tirar solitário descanso junto ao mar, no sul da Itália.

Lá, ela encontra uma grande família napolitana barulhenta, com quem, a princípio, travou uma relação de observação silenciosa, devido a semelhança com a sua própria família, da qual conseguiu escapar aos dezoito anos para estudar em uma outra cidade. De todos os integrantes da família de veranistas, Leda se identificou em especial com Nina, de quem se aproximará mais tarde. Nina parece ser a mãe perfeita de Elena, uma menininha e três ou quatro anos, que nutre um enorme afeto por sua boneca a quem trata como filha também.

A convivência com a jovem mãe, com a sua filha pequena, e com as turbulências provocadas pelo roubo da boneca que a garotinha amava tanto, desencadeia em Leda um redemoinho de memórias sobre sua própria vida e suas escolhas como mãe. Escolhas difíceis e pouco convencionais como, por exemplo, a de abandonar as filhas ainda pequenas por três anos e sair pelo mundo em busca de seu próprio caminho.

"A Filha Perdida" é um livro altamente emocional, que trata da inadequação de Leda como mãe. É um retrato corajoso e extremamente moderno de uma mulher que admite para si mesma, que a sua vida sem filhos poderia ter sido mais feliz.

Trazer à superfície um questionamentos sobre o mito da sagrada maternidade, não é tarefa fácil, mas Elena Ferrante o faz competentemente. Sua personagem passa a limpo sua vida, enfrenta seus fantasmas e consegue no final uma espécie de ressurreição interior. Recomendo a leitura!

site: http://www.newsdacris.com.br/2016/12/eu-li-filha-perdida.html
comentários(0)comente



Annie - @queriaseralice 20/06/2017

Primeiro contato com Ferrante
“As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender.”

Leda – uma mulher ainda jovem e bonita, professora universitária e mãe de duas filhas – vai derramando em cada linha que compõe "A filha perdida" uma série de confidências, angústias e medos.⠀

De férias numa praia da Itália, Leda observa diariamente uma família caótica. Nina – uma jovem mãe que faz parte dessa família – acaba despertando a atenção de Leda.⠀

A forma como Nina cuida de sua filha Elena, o carinho e amor que emana delas, as brincadeiras de Elena com sua boneca: todos esses aspectos fazem Leda relembrar seu lado materno. Como cuidava das filhas, a maneira de tê-las educado, a raiva que sentia em diversos momentos, o cansaço, o esgotamento, a urgente fuga da realidade.⠀

A escrita da Elena Ferrante é brutal e ao mesmo tempo de uma sensibilidade ímpar. As personagens elaboradas por ela são humanamente comuns. Repletas de defeitos. Reais.⠀

Primeiro livro dela que eu pude ler e meu Deus, preciso ler todos! Só não dei nota máxima justamente por não conhecer outras obras dela, mas, leitura pra lá de recomendada. ❤

site: https://www.instagram.com/p/BNngoZnh_tU/
comentários(0)comente



Sandra 07/06/2017

Junho 2017
Medio. Confuso, começa interessante, uma mulher instavel emocionalmente de ferias, encontra familia napolitana enorme na praia e relembra sua vida. Mas é sem nexo, sem fim. Nao gostei.
comentários(0)comente



Felipe Eric Duco 07/06/2017

Parem de xingar a Leda, ela não é egoísta, é humana.
Um livro que não parece uma história sendo contada e sim uma conversa, como se Ferrante e eu estivéssemos num sofá, com uma mesa cheia de comidas na nossa frente, sem tempo pra acabar de falar... e como essa mulher (seja ela quem for), fala e fala muito bem.
Elena Ferrante (ou Anita Raja) trouxe ao mundo, para nossa satisfação, a personagem Leda, que é, acima de todas as coisas, uma observadora implacável. Sabe observar a vida de todos ao redor com uma lente que penetra exatamente no lugar de onde provém os sentimentos das pessoas. Leda observa, capta e nos fala sua visão singular de todos os que ela acha relevante, mesclando acontecimentos presentes em suas férias no litoral, com momentos da sua vida, focando em seu casamento, carreira e principalmente na maternidade.

Fala-se muito pelas resenhas aí na internet, que A Filha Perdida é um livro sobre o egoísmo. Vou tomar as dores e defender Leda. Quando ela abandonou a família para seguir sua carreira, ela estava deslumbrada, pois havia chegado num nível acadêmico que ela não acreditava que seria capaz, sentiu tanto orgulho de si mesma que queria elevar a sua conquista e o seu prestígio a um outro nível, diante dos cientistas que eram importantes para ela e, para isso, concluiu que precisava sair de casa, afastar-se da própria família e eu não consigo interpretar isso como errado ou perverso. O que acontece é que é incomum. Histórias reais ou ficcionais de homens deixando suas casas por qualquer motivo (carreiras, outra família ou simplesmente pelo fato de que estão fartos da vida de casado) são normais, porém uma mãe, mulher fazendo isso é de fato inusitado, como se uma mágica acontecesse e todas as mulheres tivessem que seguir a porra de um protocolo de como se comportar assim que dão à luz. Seria lindo, se não fosse a realidade. Não é assim que seres humanos funcionam. A minha cabeça é tão aberta que eu consigo ver como absolutamente normal o fato de uma pessoa ter que renunciar de pessoas que ama por uma necessidade de se elevar, de se expressar, de pôr em prática e à apreciação dos outros o que sabe fazer de melhor. Não me importa se é homem ou mulher, jovem ou velho, mãe ou filha... antes de qualquer coisa, Leda era uma pessoa que não se resignou ao ter filhos, ainda tinha sede de ser ela mesma.

Elena Ferrante tem um jeito de escrever impressionante, eu tô apaixonado. É refinado, mas é direto, claro e muito fluido, embora não seja uma história linear. Entre tantas visões que Leda tem, a dela em relação às próprias filhas é primoroso. É tão honesto, tão sincero, sem culpa que chega às vezes a surpreender do tipo "como ela consegue falar sobre isso de um jeito tão tranquilo?"
A questão dela com a sofisticação é um outro ponto peculiar. Não gostava de sua família, da algazarra, do sotaque tipicamente italiano, da presunção bem humorada. Já havia nascido com ela o desejo de ser fina, letrada e diferente dos seus semelhantes e o fez, conseguiu, se formou, chegou onde queria e ainda presava pela disciplina, pelo decoro e postura. Aaaah, que mulher que me inspira a ser melhor!!

Já sou fã incondicional de Leda, já estou sofrendo pelo fato de nunca seremos amigos, nunca conversaremos sobre as outras pessoas, nunca vamos trocar nossas impressões sobre o mundo, mas sei que ela vai estar aqui na minha estante, pertinho de mim, junto com todos os livros de Elena Ferrante que já tô correndo pra comprar :)
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Júlia Miozzo 25/05/2017

Doloroso, porém louvável
Ferrante conseguiu traduzir de forma dura e realista o feminino e a maternidade. O quanto ambos são fortes, quase indestrutíveis, mas também dolorosos. Leda é um retrato de todas as mulheres e todas as mães - com especial ênfase às mães, cujas dores são normalmente repreendidas e escondidas, e toda a atitude que busca aliviar isso, repreendida e julgada. Ela mostra o quanto uma mulher muda ao se tornar mãe, a transformação e até os traumas que isso criam.
Da mesma forma que Clarice busca o ser mais complexo e interior dentro de si, aqui Ferrante busca traduzir ao máximo o que é ser mãe, o que é ser mulher. E creio que o faz de forma louvável.
É um livro, como disse, doloroso, mas que também faz nós, mulheres, abrirmos os olhos para os anseios que existem dentro de nós mesmas - e que dificilmente expomos.
comentários(0)comente



Mi 10/05/2017

3/5
Confesso que ao ler algumas postagens sobre este livro esperava mais sobre a relação mãe e filhas da protagonista. Me refiro a uma forma mais direta. Enfim... Sabe aquele livro que tem horas que você questiona a atitude da protagonista, faz julgamento mas, no fundo você tem suas dúvidas e acredita que talvez teria a mesma atitude ou pior. Enfim... Leda é um ser muito parecido comigo em alguns sentidos e isso me assusta. Rs. Na verdade, me faz perceber que todos nós temos medos e anseios.
comentários(0)comente



69 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5