Bom dia, Verônica

Bom dia, Verônica Ilana Casoy
Raphael Montes
Andrea Killmore




Resenhas - Bom Dia, Verônica


149 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Luke 03/09/2019

Minha ficção favorita
Simplesmente amei cada página desse livro, a Ilana Casoy e o Raphael Montes fizeram um trabalho espetacular do começo ao fim, trama envolvente, personagens bem humanizados, escrita magnífica, enfim, tudo perfeito, sem nenhum defeito. Já virou o meu livro de ficção favorito.
comentários(0)comente



@obibliomaniaco 02/09/2019

Perturbador e tenso
Enfim eu li um dos livros mais queridos da Dark, e nacional. Eu escrevi que tinha um mistério enorme envolvendo a "autora", mas como já não é mais mistério, tudo foi revelado. Raphael Montes e Ilana Casoy são as mentes por trás dessa perturbação de livro.

Vamos acompanhar Verônica, secretaria da Polícia. Após presenciar um suicídio na delegacia, ela se sente na obrigação de fazer justiça a pobre moça, indo atrás de sua história.

Verônica também recebe uma ligação perturbadora, onde uma mulher diz que o marido mata mulheres. E revelações chocantes estão por vir.

Verônica vê nesses dois casos sua oportunidade para mostrar seu potencial e deixar de ser uma simples secretária. Tentará resolver tudo sozinha, se envolverá numa teia de mentiras e riscos que podem destruir tudo.

Estava com altas expectativas, não me decepcionei. Escrita excelente, leitura fluída, apesar de enredo pesado.

É estranho o fato de gostarmos, pois é um nojo de história, mas talvez pelo fato de ser bem construído, visceral e deixa leitor apoplético, faz a gente gostar.

São dois casos e verdade seja dita, o da Janete (marido/mata garotas) é o mais interessante, atiça e deixa leitor louco. O da Marta (suicidou) é triste, real, Verônica ahaza em certas atitudes (eu ri horrores), mas leitor só pensar em Janete.

Pois preparem estômago, cenas fortes, de você parar e respirar. Muito perturbador. Leitor fica aflito com a situação das duas, com Janete então, muito tenso.

É pra ficar indignadx. Nojo, repulsa. Até onde vai a maldade humana? É absurdo e incompreensível entender essas atitudes.

Verônica ou você ama ou odeia, sem meio termo. Ódio dela. Intenção boa, mas é BURRA, IDIOTA, HIPÓCRITA, DESPREPARADA E PREPOTENTE. Raiva dessa infeliz. Nunca vou superar uma certa cena.

Por fim é um thriller angustiante e só para os de estômago forte. Favoritei. Detalhe, terá mais dois livros com Verônica, doido pra que saia logo.

#resenhamaníaca
comentários(0)comente



Nika Baumann 01/09/2019

Resenha: Bom dia, Verônica - Andrea Killmore
Verônica é uma simples escrivã da polícia civil de SP, ela atua como secretária de um delegado que está prestes a se aposentar e que agora só está interessado em arquivar todos os casos possíveis. Por ser filha de um policial, Verônica tem gana de prender bandidos, de desvendar crimes e punir culpados. Mas é claro que na posição atual dela isso é simplesmente impossível. Tudo o que ela faz, dia após dia, é cuidar de burocracia e relatórios.

E mais um dia se inicia nessa rotina entediante da Verônica, quando tudo muda completamente. Ao chegar no trabalho, atrasada como sempre, seu chefe está trancado na sala dele com alguém misterioso. E esse alguém acaba se revelando uma mulher chorosa, com a boca desfigurada, que havia ido a delegacia prestar queixa de um crime. Mas seguindo o seu novo lema, Carvana (o chefe da Verônica), manda ela engavetar o caso, e dar um jeito na mulher, por assim dizer. Até aí, sem grandes novidades. Mas a reação seguinte da misteriosa mulher irá transformar completamente a vida da Verônica. Pois do nada, ela se joga da janela da delegacia, cometendo suicídio diante dos olhos da Verônica. Mas antes de morrer, ela diz uma frase que será a faísca necessária para trazer de volta para Verônica o desejo de solucionar um crime. A vontade de fazer justiça para aquela mulher desesperada.

E seguindo os rastro da suicida, que se chama Marta, Verônica acaba sendo arrastada não somente para a trama desse crime e dessa mulher, mas também para a vida e o drama de outra mulher que a viu dando uma entrevista na TV sobre a morte da Marta. Considerando-se que teoricamente ela não poderia estar investigando nem mesmo um único crime, quanto mais dois, Verônica precisa contar com toda a sua lábia e seus contatos para conseguir manter os dois casos simultaneamente, sem levantar suspeitas.

"Mais tarde, soube que ela se chamava Marta Campos. Mais tarde, soube tudo sobre a vida dela. Mais do que ela poderia imaginar. No entanto, naquele momento, eu não sabia de nada e, ainda assim, senti uma conexão forte, uma compaixão pela mulher com a boca nojenta. Agora eu entendo o motivo."

E é claro que isso não é nem um pouco fácil, mas em um misto de detetive, à la Sherlock, e de policial civil, ela vai aos poucos desvendando mistérios a cerca dos casos que está conduzindo. Isso tudo ao mesmo tempo que tenta manter uma família e seus casos aleatórios. Mesmo para uma equipe de policiais, os casos que ela assumiu já seriam complicados, mas como ela está praticamente sozinha nessas duas empreitadas, o que era difícil acaba se tornando mortal. E não é somente a vida da Verônica que está em risco, então agora ela deverá ser mais esperta do que seus alvos, agindo na surdina para pegá-los, antes que eles descubram que ela está atrás deles.

Bom dia, Verônica é um caso raro de livros desse gênero na literatura nacional. Costumo ler esse tipo de literatura criminal constantemente, mas sempre são internacionais. O fato da história se passar por aqui dá um ar de realidade que nunca tinha experimentado antes. Estão inseridos na história nossos costumes, os melhores e os piores, como o jeitinho brasileiro.

Verônica é uma personagem complexa, humana. Ela não é à prova de falhas, tanto que por várias vezes quis dar um soco na cara dela. O fato de que, sendo ela uma pessoa tão esperta e mesmo assim capaz de cometer erros, fez com que ela se tornasse mais real. De certa forma, considero que ela seja incapaz de realmente atuar em uma equipe, acho que ela tem uma personalidade narcisista demais para isso. Mas ainda assim, não consegui deixar de gostar dela, ela tem um pouco de todos nós.

A narrativa do livro se desenvolve de forma rápida, o ritmo do livro te envolve facilmente. Um livro para ser rapidamente devorado, até porque a cada capítulo ficamos cada vez mais curiosos sobre o desfecho dos dois casos da Verônica. Ficamos desesperados para saber o que irá acontecer a seguir. O livro é narrado principalmente em primeira pessoa pela Verônica, mas a narrativa se alterna em alguns capítulos, o que amplifica a nossa visão sobre a história.

A edição do livro é sem dúvidas uma obra prima a parte, com uma capa que invoca tanto mistério quanto a narrativa do livro e a história da autora. A arte da capa está linda, assim como as ilustrações que vamos descobrindo conforme avançamos a leitura.

Um livro que não deixa nada a dever aos gringos do gênero, esse livro irá te seduzir rapidamente. Que esse seja apenas o primeiros, dos muitos livros que autora ainda irá escrever, Mal posso esperar pelos futuros livros da autora.

"A vida é assim: você faz cem coisas certas, mas os sacanas só se lembram de uma coisa errada. É injusto pra caramba, e injustiça dói na alma."

site: https://bebendolivro.blogspot.com/
comentários(0)comente



Sabri 30/08/2019

Esse é um thriller policial (na realidade, eu encaixaria mais como terror mesmo!) escrito por Andrea Killmore, pseudônimo de alguém que não sabemos quem é. Apenas é divulgado que ela foi uma pessoa importante dentro da polícia... Além disso, o que ajuda no tom de mistério é que o livro todo é ambientado em São Paulo, ou seja, pertinho de nós, bem diferente daqueles suspenses "gringos" com os quais estamos acostumados. E, por se tratar de nosso Brasilzão, a gente fica o tempo todo se perguntando se vão conseguir prender o "bandido" kkkkk (BR, né mores! Difícil acreditar que a justiça será feita, infelizmente...)
O livro é narrado em 1ª (Verônica) e 3ª pessoa. Verônica decide investigar por conta própria as causas do suicídio de uma mulher no prédio da DHPP. Já no começo de sua investigação, ela descobre coisas aterrorizantes, o que a faz seguir em uma busca frenética pela verdade.
Preciso dizer que, desde o início, esse livro me prendeu. Eu havia criado uma meta diária de capítulos e já no 1º dia eu a ultrapassei, pois queria saber mais da história. Outro ponto do qual gostei é que, apesar de a autora manter um foco bastante claro, não deixa de lado o drama pessoal da protagonista, mostrando-a com todos seus problemas e imperfeições. Uma legítima anti-heroína.
Entendo que algumas pessoas tenham achado essa trama um pouco forte, tendo em vista os atos cometidos por certos homens... Entretanto, acostumada com esse tipo de enredo (principalmente com os filmes/seriados aos quais assisto), eu não cheguei a me sentir tão mal, apesar de ficar bastante chocada com diversos acontecimentos.
Por vezes é uma leitura agoniante, diante das atrocidades que mencionei acima, e pelas atitudes e decisões no mínimo irritantes da Verônica. Mas esse livro prende a atenção por ser bem escrito e nos deixar apreensivos com relação ao desfecho que será dado aos personagens.
A linguagem tem traços muito fortes do Brasil, o que nos deixa confortáveis e bem familiarizados com a ambientação. A fluidez também ajuda, e isso considero ótimo em um thriller, sinal de que a autora não "enrolou" até nos entregar a verdade.
De forma geral eu gostei muito, tirando um ou outro ponto que poderia talvez ser melhor trabalhado. Mas com certeza não é o tipo de leitura que indico a qualquer pessoa, pois é necessário "ter estômago" e estar habituado com o gênero para gostar. :)
comentários(0)comente



@louca_porlivrosss 26/08/2019

Que livro!!!!
Foram 11 horas de leitura, às vezes interrompida pelos afazeres que toda mulher vai entender!
Fiquei fascinada com a estória e ainda mais com Verônica! Que mulher! Tenho uma história bem bacana pra contar à ela ... caso ela queria fazer justiça novamente! ?
comentários(0)comente



Paulinha - Canal E aí, Geek? 22/08/2019

Oww
Uma das minhas melhores leituras deste ano. Fácil, que te prende, assusta, te faz refletir e principalmente, diverte (não no sentido de fazer rir, mas por ser uma leitura muito boa).
Só fiquei um pouco com raiva da Verônica em quase 80% do livro pelas besteiras que faz, mas tudo bem hahah
Também é incrível saber que é um livro que se passa no Brasil, o que foi que me inspirou antes de começar a ler.
Temas pesados, histórias pesadas... leia esperando por tudo e de mente aberta.
Recomendo muito!
comentários(0)comente



Elvia 16/08/2019

Leitura esplêndida
Adorei a escrita da autora, a tempos não adorava tanto um livro! Este já começa te prendendo desde de o início do livro e você não quer mais largar, a estória é aterrorizante é magnífica! No decorrer da leitura há um misto de sentimentos, de raiva, angústia, riso, alegria e tristeza! A autora nos faz sentir o que os personagens sentem! Indico essa leitura para quem adora esse terror policial, que te amarra e não saiba que ele não sairá tão cedo da memória!
comentários(0)comente



kimbr.lly 09/08/2019

O melhor livro de um pseudônimo brasileiro que já li
A escrita é visceral, rica em detalhes que me fizeram interromper a leitura várias vezes pelas cenas descritas. Uma das melhores obras que já li no gênero e sem dúvidas a que mais reli também.
comentários(0)comente



Amanda.Guerra 05/07/2019

Bom dia, Verônica!
Verônica uma simples secretaria, um belo dia uma mulher chega a delegacia conversa com Carvalha Chefe da Verônica, e simplesmente sai da sala dele devastada, pois Carvalha fez pouco jus da moça e disse que ela fora burra por ter sido enganada por um cara da internet, Marta a mulher que tentou presta queixa com Carvalha sobre um homem que ele conheceu na internet e deu um golpe nela, encara Verônica e se joga da janela da delegacia com uma simples frase "agora ele irá me amar. Depois disso Verônicafica sismada e resolve investigar mais a fundo ela queria fazer justiça por marta pega o pilantra, nisso um pelo dia Janete liga para a delegacia e resolve falar com a Verônica dissendo que seu marido vai mata-la e que ele mata mulher. Verônica que está muito empolgada e tem seu ego inflamado resolve investigar o caso de Marta e Janete sozinha pois acredita que Carvalha não dará a mínima. Nisso ela entra toda numa investigação. Bom gostei muito do livro, mas o final podia ter ido para outro lado. Bom gostei, teve algumas falhas, podia ser bem melhor? Podia! Mas foi bom da sua maneira!
comentários(0)comente



Silmieko 03/07/2019

Casos de tirar o fôlego
Como amei e odeie esse livro na mesmo proporção não sei como mas, uma história extremamente envolvente e brilhante com uma protagonista egoista, hipocrita (que aliás não estraga a história)...Enfim leiam.
comentários(0)comente



Elton 03/07/2019

Estupendo
Visceral, angustiante, muitíssimo bem escrito. Lembra o estilo de Karin Slaughter, mas tem um tom brasileiro que arrepia.
comentários(0)comente



Leticia.Viviane @livrosdaleti 25/06/2019

Bom Dia, Verônica
‘Bom dia, Verônica’ Foi sem dúvida, o livro mais perturbador que li na vida.
.
Verônica mora na cidade de são Paulo, trabalha como secretária na policia civil no Departamento de Homicídios e de Proteção a Pessoa (dhpp). Mãe de dois filhos e esposa de Paulo, ela tenta equilibrar sua vida profissional com a pessoal e ao mesmo tempo lhe dar com os traumas de seu passado.
.
O que Verônica pensa que seria um dia normal de trabalho, acaba sendo o divisor de águas em sua vida. Vê uma mulher se suicidar de forma chocante na sua frente, e na mesma semana recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida.
.
Então ela vê a chance de sair de trás da mesa de secretaria e provar seu valor para a Policia e pra si mesmo. Assume os dois casos de forma clandestina, esperando fazer justiça para essas mulheres.
.
Mas fazendo isso, Verônica mergulha em um mundo sombrio e experimenta na própria pele o lado mais cruel e sombrio do homem.
.
Com a narrativa alternada entre Verônica e vítima nos sentimos de verdade dentro da historia, sofrendo a cada golpe, mas comemorando a cada ‘aparente’ vitoria.
.
O livro aborda vários assuntos complexos de família, abuso, a necessidade de auto se firmar como pessoa, ou no caso, mulher e como decisões erradas de uma pessoa podem afetar drasticamente sua vida e a vida de outros ao seu redor.
.
Reiterando o que escrevi a cima, é um livro perturbador, instigante e é desesperador em algumas partes. Senti-me impotente ao terminá-lo, sabendo que, infelizmente o que aconteceu nas paginas do livro, acontece também na vida real
comentários(0)comente



Samanta.Nichele 23/06/2019

Bom Dia, Verônica
Esse livro conta a história da secretária Verônica que quer ajudar a desvendar 2 casos distintos de duas mulheres, uma que se matou e outra que o marido é um serial killer. O livro é impactante, tem cenas fortes e muita realidade do nosso sistema de polícia no Brasil. Certas cenas eu pulei para não sentir ânsia. Adorei a personagem, ela me cativou do jeito dela, o final me surpreendeu bastante.
No meu caso o livro não me prendeu tanto assim, mas acho que é por que não estou acostumada com esse gênero.
comentários(0)comente



Gio 02/06/2019

Desde que comecei esse livro, simplesmente não conseguia parar de lê-lo, sempre falava "só mais um capítulo"
Eu lia com um coração apertado, a autora Simplesmente conseguiu me prender com essa história macabra, aterrorizante e cheia de supostas verdades.
Bom dia, Verônica é um livro que você precisa ter coragem de ler, eu estava absorvendo cada palavra com uma historinha (muuuuito boa por sinal, se não a melhor) mas quando "acabei" o livro e percebi que ainda havia páginas, meu coração já se apertou ainda mais, eu sabia que era a explicação para aquele fim, mas quando virei a página meu coração parou e eu caí na real, aquilo eram páginas de jornais, com notícias sobre o sítio macabro e o Brandão, a caixa de passarinho, a Janete, Carvana...
Eu tive a pior epifania da vida cada página era real, como pode o ser humano chegar a esse ponto ?
Enfim... Simplesmente maravilhoso e impossível de parar de ler até chegar a última folha, cada vez as dúvidas aumentavam e eu precisava de mais
Andera killmore sabe como escrever um bom Thriller, e merece todo os créditos por isso.
comentários(0)comente



K.F Schneider 27/05/2019

Sabe aquele tipo de livro que você começa a ler e não quer largá-lo enquanto não chegar ao fim da história?? Eu os apresento esse livro. Bom dia, Verônica, é um livro com uma pegada surpreendente, e não, o livro não é escrito por um autor internacional, foi escrito por uma brasileira, que prefere ficar no anonimato.

Verônica Torres é a secretária de um delegado da DHPP de São Paulo, que está prestes a se aposentar, e por este motivo, ele não quer trabalhar em nenhum caso complicado. Verônica também é uma policial, porém está encostada. Numa manhã como todas as outras, Verônica seguia com sua rotina de trabalho, quando se depara com uma mulher saindo chorando da sala do delegado. Verônica se aproxima da mulher que se apresenta como Marta. Ela tenta ajudar a estranha, mas Marta tem outros planos. Enquanto Verônica investiga por si só o que levara Marta a delegacia naquela manhã, um outro caso requer a sua atenção. Uma mulher chamada Janet alega que seu marido ? um policial militar ? é assassino de mulheres.


REPORT THIS AD

O Romance Policial de Andrea Killmore, revelado pela nossa queridíssima Darkside books, é o tipo de refeição que esperávamos por tanto tempo para saciar nossa fome com o determinado gênero literário. O livro não é complexo, embora bastante envolvente, com personagens carismáticos e uns nem tanto, mas todos juntos formam uma grande harmonia como numa orquestra. Bom dia, Verônica é surpreendente até o final. O livro não é para pessoas sensíveis, pois aborda temas como necrofilia, sequestro, tortura, violência contra a mulher, assassinatos e traições.

Leitoras: Fernanda Geraldello e KF Schneider

Ficha técnica

Bom dia, Verônica

Autor: Andrea Killmore

Editora: Darkside

Ano: 2016

242 páginas
comentários(0)comente



149 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |