Desaparecidas

Desaparecidas Kristina Ohlsson




Resenhas - Desaparecidas


27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Maria Vitória 04/07/2020

Gosto de usar palavras que resumam a minha experiência de leitura, e nesse caso, a palavra escolhida é complexidade.
Senti que a autora chegou no auge de sua genialidade nesse livro, algo que já estava sendo construído nos livros anteriores.
A complexidade envolve diferentes aspectos do livro, começando por sua narrativa: envolvente, repleta de acontecimentos e conexões que me fizeram não conseguir parar de ler até conseguir as respostas que precisava.
Essa característica também envolve a maneira como a vida dos personagens da equipe de investigação, que já faziam parte dos outros livros da série, é retratada. Acho que em alguns momentos inclusive a vida pessoal de cada um deles se sobrepõe à investigação, o que pode desagradar alguns.
No entanto, eu apenas compreendi como uma parte da complexidade da construção da história, que, na minha opinião, possui um desfecho extasiante. Posso dizer que a obra continuou a me intrigar mesmo após o fim.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Manu 22/10/2020

Sem dúvidas, o último livro da trilogia "salvou" os outros! A descoberta de corpos em uma área florestal vai trazer muitas surpresas, suspense e, infelizmente, uma tragédia na vida pessoal de um dos três personagens principais do livro (embora a série seja sobre Fredrika Bergman, vejo Alex e Peder como personagens importantes nos três livros).
comentários(0)comente



Lala Kim 07/10/2020

Pasma!
Esse é a típica leitura que a gente enrola um tempão na estante e quando pega se pergunta "Por que eu não li essa perfeição antes????"
O enredo é incrível, eu me apaixonei pelos personagens, fiquei completamente apaixonada pela história e pela escrita da autora, os plot twists são excelentes e o jeito que ela narra todos os acontecimentos te faz devorar o livro.
Definitivamente uma das melhores obras que li esse ano e com certeza ansiosa para ler os outros volumes!!
comentários(0)comente



Leila 12/02/2020

Um pouco frustrante
No terceiro livro da série, já estamos mais familiarizados com a equipe de Alex. Fredrika, que agora está morando com Spencer, retorna da sua licença maternidade para auxiliar o grupo nas investigações. Peder, que voltou com sua esposa, mudou totalmente seu comportamento para melhor. Alex, agora é viúvo.

A equipe é chamada quando o corpo de uma jovem é encontrado, dois anos após o seu desaparecimento.

O mistério que intrigou Alex por dois anos, quando investigou sem sucesso o desaparecimento de Rebecca Trolle, pode estar perto do desfecho. Descobrir quem a matou não será uma tarefa simples. Além do corpo da garota, a polícia encontrou o corpo de um homem, enterrado há mais de trinta anos. A equipe investiga a identidade do homem morto e se há alguma relação com a morte de Rebecca.

Na minha opinião, a equipe estava muito dispersa. Todos pareciam mais focados em seus problemas pessoais. Alex, por causa da sua viuvez e por causa de uma possível nova paixão. Fredrika por causa de Spencer, que parece estar escondendo um segredo. Apenas Peder parece bem focado no trabalho.

A meu ver, a equipe deixou a desejar no quesito competência. Deixaram de investigar testemunhas e suspeitos fundamentais. A pessoa cujo nome aparecia repetidas vezes na investigação, que ligava todas as coisas, nem ao menos foi visitada! Não se preocuparam nem em saber o seu paradeiro exato. Se a equipe tivesse sido um pouco mais atenta, com certeza, teria evitado mais uma tragédia.

Confesso que fiquei um pouco decepcionada com o final. Não gostei da forma como as coisas aconteceram.

Mais resenhas resenhas no blog Meus Livros e Sonhos

site: http://meuslivrosesonhos.blogspot.com
Lucia.Ferreira 18/05/2020minha estante
Esse é o fechamento de uma trilogia sensasional, e a autora fechou com chave de diamante. A escrita nua é crua e crua dos nórdicos, e o olhar frio que eles têm sobre os fatos, faz deles escritores maravilhosos. Sou apaixonada pelos nórdicos.




Naty 10/05/2017

Aquele livro impossível de largar
Desaparecidas é um livro que “apareceu” em meio aos lançamentos da Editora Vestígio. Quando soube da novidade, não pude deixar de solicitar o exemplar. Afinal, os dois primeiros livros que li de Ohlsson, Indesejadas e Silenciadas, foram um dos melhores que tive o prazer de conhecer do Selo do Grupo Autêntica.

Este é o terceiro livro da série, mas é importante dizer que não é necessário ler na ordem. É possível ler este primeiramente e compreender a essência da história. Neste, assim como nos demais, temos a investigadora Fredrika, seu chefe Alex Recht e outros policiais. Dessa vez eles precisam lidar com um caso delicado e assustador. Rebecca Trolle estava desaparecida; após dois anos, seu corpo foi encontrado, sem a cabeça e sem os braços, numa cova rasa em uma remota área florestal.

O trabalho da equipe consiste em descobrir o motivo de a jovem ter sido brutalmente assassinada e mutilada. Além disso, ao lado dela foi encontrado o corpo de um homem cuja identidade ainda é desconhecida. Não se sabe as causas, mas uma coisa é aparentemente certa: as duas mortes têm alguma ligação.

Fredrika descobre que a jovem estava fazendo uma pesquisa para sua monografia sobre uma figura pública e acredita que essa pessoa tinha um passado bem obscuro. Com isso, Rebecca pode ter feito descobertas comprometedoras e que lhe custou a própria vida. Mas o que poderia ser tão revelador nessa pesquisa? Qual motivo a garota escolheu um assunto tão perigoso?

Nessa mesma linha de investigação, uma senhora vive num asilo e há mais de trinta anos não conversa com ninguém. Existe um segredo que ela prefere manter em silêncio de todas as pessoas ao seu redor. Ela não conversa, não responde perguntas e sequer dá “bom dia”. As pessoas acreditam que a senhora não fala, mas tem profundo discernimento do que os outros dizem.

Paralelo a isso, a investigadora está num período conturbado. Ela se sente confusa e profundamente traída quando descobre que o nome de seu companheiro entrou para a lista de suspeitos. É preciso ter garra, determinação e estômago forte. Isso Fredrika mostra que tem, no entanto, não em todos os momentos. Afinal, o que fazer quando a pessoa que você mais ama é considerada suspeita de cometer algo tão cruel?

Senti que estava numa trama envolvente e que não conseguia largar o livro por nada. É exatamente assim que fiquei durante todo o tempo. Infelizmente temos coisas a fazer, vida para dar conta e não é possível passar o dia todo devorando o livro – como era a minha vontade, de fato. A leitura é gostosa, narrativa fluida, personagens cativantes e um enredo para lá de envolvente.

O único incômodo que senti foi quanto à personalidade de Fredrika. Em alguns momentos eram bem irritantes, pois muitas vezes ela não conseguia enxergar o que estava estampado à sua frente. No entanto, isso fez com que a história tomasse um prumo diferente e ideal. Exatamente, a autora soube criar até isso. Ela coloca a investigadora com uma opinião forte, decidida e a gente quer reclamar e xingar a criatura, mas, no final das contas, era assim mesmo que tinha de ser. Não, não podia ser diferente e essa é a graça do enredo.

Não há uma peça mal encaixada, não há um personagem mal criado e não há um cenário fora do lugar. É tudo bem feito, bem articulado e a gente só quer encontrar a autora para agradecer. Agradecer por Indesejadas, por Silenciadas, por Desaparecidas. Agradecer por ela não ter desistido de si, não ter parado de escrever no primeiro, por ter encontrado na escrita a sua válvula de escape. Agradecer por termos as suas obras como uma fonte de conforto e distração.

Longe dos holofotes do excessivo clichê, longe da mesmice e dos romances policiais cheios de enganos, Ohlsson mostra que chegou para ser sucesso, considerada uma das melhores jovens escritoras suecas. Com apenas três livros publicados no Brasil, eles foram suficientes para mostrar que a autora tem uma escrita arrebatadora e é capaz de entrar na lista de melhores escritoras do gênero no mundo. Há quem duvide, os desconhecidos; mas aqueles que conhecem têm a certeza que ela pode ser o que quiser com um papel e uma caneta nas mãos.

Kristina Ohlsson pode não ser a mais conhecida no ramo, pode não ser a escritora mais cobiçada aqui no Brasil. Mas certamente ela estará no ranking das mais lidas e isso não vai demorar a acontecer. Os livros são bons, a escrita é envolvente e não vejo a hora de ver outro lançamento de Ohlsson brilhando no site da Vestígio e, eu, claro, implorando para tê-lo em mãos.

*Fotos temáticas no Blog: http://www.revelandosentimentos.com.br/2017/05/resenha-desaparecidas.html

site: http://www.revelandosentimentos.com.br/2017/05/resenha-desaparecidas.html
Lana Wesley 11/05/2017minha estante
Já havia lido as outras resenhas dos dois primeiros livros, e se bem me lembro foram ótimas leituras, e dessa vez não foi diferente. A investigação referente a vítima me pareceu ser bem construída, ao ponto de se tornar surpreendente ao leitor. Além de que a autora consegue construí uma ótima trama, já que a leitura e totalmente envolvente, e queremos logo encaixar o quebra cabeça e desvendar esse mistério. Após ler sua resenha estou super entusiasmada com essa leitura.


Maria 20/05/2017minha estante
Que bom que da para ler fora de ordem pois ganhei no blog o segundo e ainda não tenho os outros. Fiquei bem interessada nesse mistério que envolve a trama desses assassinatos e essa senhora do asilo qual será seus segredos, a leitura deve deixar o leitor ansioso pelos acontecimentos e respostas.


Lucia Santos 31/05/2017minha estante
Não conhecia esse livro, mas fiquei imensamente curiosa, gosto muito de livros de mistérios, gostei muito de saber que pode ser lido separadamente!!! Resenha muito bem desenvolvida que me deixou ansiosa para ler o livro!!!


Marlene C. 08/06/2017minha estante
Oi.
Essa é a primeira vez que vejo falar do livro já estou encantada com a premissa não sabia que era uma série mas fiquei feliz em saber que para ler esse eu não preciso ler os anteriores adoro que tentou desse cenário de investigação enfim esse vai para minha lista de leituras com toda certeza.
Bjs.


Isabela | @sentencaliteraria 12/06/2017minha estante
Olá Naty ;)
Não conhecia o livro ainda, mas adorei sua indicação! A trama parece bem construída, e os personagens também.
Adoro livros e séries policiais, e fiquei curiosa para desvendar os mistérios dos assassinatos.
Que bom saber que o livro sai da mesmice e não tem tantos clichês, já add ele à meta de leitura ;)
Bjos


Gabi 13/07/2017minha estante
Eu já to surtando querendo ler esse livro! Vou procuras os primeiro, inclusive. To mega curiosa pra saber como a Rebecca morreu, quem é o cara do lado dela, pq o parceiro da Fredrika é considerado suspeito e pq a senhora do asilo não conversa com ngm a anos hahah é muita coisa! Adorei! Beijos


ana 26/10/2017minha estante
E o último capítulo? ??? ????


Deise.Kiefer 11/03/2020minha estante
Ooi essa é a primeira vez que vejo falar do livro já estou encantada com a premissa não sabia que era uma série mas fiquei feliz em saber que para ler esse eu não preciso ler os anteriores adoro que tentou desse cenário de investigação enfim esse vai para minha lista de leituras com toda certeza.
Bjs.




Tatids 21/02/2017

Excelente!
A querida analista criminal Fredrika Begman e a equipe do inspetor Alex Recht estão de volta para investigar um brutal homicídio de uma jovem desaparecida Rebecca e vista a há dois anos antes. O corpo é encontrado em uma cova rasa, depois de outras escavações outros corpos são encontrados ; com eles grandes mistérios.
Fredrika descobre que Rebecca estava fazendo uma monografia sobre uma pessoa famosa, mas com um passado um tanto duvidoso.
Trama muito bem escrita, com personagens bem estruturados, cujos os dramas se entrelaçam de uma maneira espetacular.Suspense na medida certa!

Excelente terceiro volume da série!
Nina 10/03/2017minha estante
Quero muito ler esse


Gleise 02/11/2017minha estante
Depois da sua resenha fiquei interessada...acho que gostamos dos mesmos estilos!




Li 01/02/2018

Peças de quebra-cabeça jogadas sobre a mesa
É assim que Kristina Ohlsson começa seu romance policial Desaparecidas. Joga várias peças soltas e a cada página conduz o leitor a à resolução de algum quadrante do cenário.
As quase 400 páginas têm capítulos relativamente curtos, alguns intitulados pelos dias da semana, outros pelos depoimentos dos investigadores do caso.
É prazeroso voltar páginas para comparar informações novas e conectá-las a outras peças. O ritmo é rápido, então você consegue devorar o livro em uma semana, como eu fiz. Contudo, tanta rapidez e tantas peças, novas e antigas, causam um pouco de confusão. Nada que atrapalhe a leitura, mas não há tempo para elucubrações muito longas.
Se você gosta de especular e viajar numa linha de investigação, se decepciona um pouco. São tantas pontas soltas e tantos fatos novos que mal dá tempo de formular um raciocínio, logo você precisa reformular tudo.
Um ponto negativo da narrativa, na minha opinião, fica por conta das peças que sobram: linhas soltas que não são costuradas a nada, você se pergunta por qual motivo se encontram ali. Foram acrescentadas só para distrair o leitor? Levá-lo a suspeitar de outras personagens?
Por que a acusação de assédio contra o companheiro de uma membro da equipe? Uma acusação que você acha que irá se conectar de alguma forma com a investigação principal, mas se mostra fraca como vento forte que se desfaz antes de virar vendaval.
Já com outras peças, você se ressente por terem sido mal utilizadas, porque poderia haver uma ligação com o caso, poderiam ter crescido e virado alguma coisa importante.
Por exemplo, um policial ressentido e obcecado por um caso antigo não resolvido poderia ter muito mais a esconder, não poderia?
Você fica na expectativa, imaginando que ele é alguém importante, mas... caramba, é só um policial com ideias equivocadas, cuja presença se dissipa tal qual o vento forte.
E no final, quando tudo parece estar se encaixando, você fica estático observando o quadro montado e algumas peças largadas na mesa: elas foram jogadas juntas para confundir, atrapalhar, porém nunca pertenceram ao quebra-cabeça.
Em resumo, linhas que não se costuram na colcha de retalhos que é o caso não poderiam estar presentes, pois soam como emaranhado de ruído inútil que só serve para confundir o leitor.
Veja bem, confundir o leitor não é problema, é esse o caminho que toda narrativa policial percorre. O problema está em jogar peças aleatórias sem serventia alguma. Toda linha deveria estar bem amarrada e não é o que parece.
O livro termina como se tivesse tido páginas arrancadas. Você procura o final, mas ele já aconteceu.
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 28/05/2019

A analista criminal Fredrika Bergman e a equipe do inspetor Alex Recht são designados para investigar o brutal homicídio de Rebecca Trolle, uma jovem desaparecida dois anos antes, vista pela última vez a caminho de uma festa. Seu corpo é localizado numa cova rasa em uma remota área florestal e algum tempo depois outras vítimas são encontradas no mesmo local. Fredrika descobre que, à época de sua morte, Rebecca estava fazendo uma pesquisa para sua monografia sobre uma figura pública – alguém com um passado obscuro. A investigadora está profundamente envolvida com o caso, que a essa altura já não é para estômagos fracos, mas quando o nome de seu companheiro entra para a lista de suspeitos, a provação poderá ser grande demais para ela suportar...

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788582863664
comentários(0)comente



Tati.Lima 02/10/2021

Sobre esse livro...
SIMPLESMENTE PERFEITOOOOOO!!! Q livro incrível, aliás os livros da série da policial Fredrika Bergman são todos excelentes, mas muito pouco divulgados. Acabei de fechar a série com "Silenciadas", já havia lido "Indesejadas" e "Desaparecidas", e só posso dizer q é uma trilogia fantástica. O livro "Silenciadas", tem todos os elementos de um thriller policial clássico, com várias tramas entrelaçadas, e todas importantíssimas, o q mantém o interesse até o final, porq é daquele livro, q a gente sabe q no último segundo, vem o plot twist, uma reviravolta q deixa a gente de queixo caído, e este aqui não foi diferente. Uma equipe formada pelos policiais, Fredrika, Peder e Alex, todos policiais completamente competentes, mas reais, humanos, e cheios de imperfeições e pecados. O q os torna ainda mais interessantes. Enfim, mais um livro sensacional, de autores suecos, no caso Kristina Ohlsson, q me deixou grudada, sem conseguir largar até chegar ao seu desfecho. Com certeza mais um livro da série q favoritei, e com certeza uma leitura recomendadíssima...
comentários(0)comente



Angélica Patriano 12/07/2020

Excelente.
Ohlsson se mostra um grande nome na ficção investigativa. Já possui lugar aqui, na minha estante.
Temos aqui um caso muito curioso que começa, no passado, com uma mulher assistindo a um filme snuff e, no presente, com um cachorro descobrindo um corpo que estava enterrado, sem cabeça ou mãos.
Alex está na fase de luto pela perda de sua esposa, Peder feliz ao estar novamente com Ylva, Fredrika em seu relacionamento com o Spencer e a filha Saga. Temos também investigadores auxiliares.
Bem, o corpo encontrado é o de Rebecca Trolle, jovem que sumiu há dois anos sem deixar rastro, ao menos quando a investigação foi realizada pelo Alex na época. Abaixo do corpo de Rebecca, os investigadores encontram, ao continuarem cavando, um relógio e outro corpo, dessa vez masculino.
A equipe entra em ação ao mesmo tempo que:
1- Uma aluna acusa o Spencer de a ter assediado na faculdade há poucos meses;
2- Jimmy passa a aparecer mais, e sua residência também;
3- Alex se envolve com a Diana - mãe de Rebecca;
4- A polêmica escritora Thea Aldrin, que decidiu não mais falar, condenada por assassinar seu ex-namorado e, ainda, difamada por acreditarem que ela escreveu dois contos sombrios e os publicou utilizando um pseudônimo, surge na investigação, pois Rebecca estava escrevendo sua monografia com foco em Thea, o que resultou em, praticamente, uma investigação criminal.
A narrativa envolve passado e presente, com relatos dos anos 60, 80 e os atuais. A trama se envolve de tal maneira que mais um corpo surge, houve a omissão de dados na primeira investigação sobre o desaparecimento de Rebecca, os relacionamentos são abordados de uma nova perspectiva frente à solidão, ao desespero, o medo, a obsessão e a doença.
Um ótimo livro, ainda que no final eu sinta que tenha faltado uma conclusão definitiva sobre todos os aspectos do caso... o que espero que seja abordado num próximo livro.
Difícil de largar, tenso e num emaranhado pleno de maestria.
comentários(0)comente



Ilza 25/06/2020

O melhor de Kristin Ohlsson
Dos três livros que li recentemente dessa autora, esse conquistou o lugar de meu favorito.
comentários(0)comente



Dani @meu_romeo 24/09/2019

Envolvente
Fredrika Bergman é analista criminal e faz parte da equipe do inspetor Alex Recht, onde eles são designados para investigar um corpo que acaba de ser localizado.

Ao verificarem o corpo, eles descobrem que trata-se de Rebecca Trolle, que está desaparecida há mais de dois anos.

Conforme seguem com a investigação, mais corpos são encontrados, e aparentemente todos têm relação com uma famosa escritora, que após um crime no passado fez um voto de silêncio.

A medida que a investigação segue, novas pistas são encontradas e pessoas ligadas à vida pessoal dos investigadores acabam entrando como suspeitos.

Quem será o verdadeiro assassino?
⠀⠀⠀⠀
🌷Que thriller bem escrito.
Foi meu primeiro contato com a autora, e ela me surpreendeu positivamente.

A autora acabou criando vários personagens, e com eles foram surgindo varias linhas de investigação, o que acredito que foi feito justamente para confundir o leitor, já que quando você termina, você percebe que estava tudo ali o tempo todo e você só não conseguia descobrir porque ela criava várias histórias e suspeitos paralelos.

O melhor do livro, é que a autora conseguiu amarrar todas as pontas, sem deixar nada solto, e tudo fazendo total sentido, o que quando você lê um thriller é a melhor coisa que acontece.

Além disso, por ser o terceiro livro, você vai acompanhando as vidas dos criminalistas desde o primeiro livro, o que acaba te conectando e fazendo com que parecesse que você conhece eles há muito tempo, já que ao longo dos anos, suas vidas foram mudando.

Eu gostei bastante do desenrolar, e achei tudo muito bem encaixado, tudo escrito de uma forma magnífica, o que me faz ter vontade de ler outros livros da autora.

site: https://www.instagram.com/meu_romeo
comentários(0)comente



Carolina DC 03/09/2019

"Desaparecidas" é o terceiro livro da série "Fredrika Bergman & Alex Recht" e traz mais um caso horripilante para a equipe da Divisão de Investigação Criminal. A história é narrada em terceira pessoa, assim como os dois livros anteriores, mas traz um diferencial desde o início: trechos dos interrogatórios da equipe, o que deixa claro que os resultados dessa investigação em particular irá causar uma grande perturbação na equipe.

O início do livro é chamado de "Passado - Premiere" onde uma mulher de identidade desconhecida encontra um filme de assassinato que aparentemente foi filmado no gazebo da casa de seus pais. Ao identificar o homem mascarado na filmagem, "ela" toma uma decisão drástica.

Logo depois o leitor é levado para o presente, que se passa em 2009, quando um homem passeando com o cachorro, que começa a escavar o local e se depara com um cadáver. Rapidamente o corpo é identificado. A vítima é Rebecca Trolle, uma jovem universitária que sumiu misteriosamente dois anos antes, sendo que Alex era um dos investigadores principais.

A equipe passou por momentos complicados no livro anterior e esse é o primeiro caso após meses de licença que Alex irá liderar. Além disso, Frederika agora é mãe e tem uma bebê para cuidar, então não retornou ao trabalho integralmente e Peder está pela primeira vez, colocando a vida nos trilhos.

Enquanto a equipe tenta refazer os últimos passos de Rebecca, eles precisam examinar novamente a investigação principal e um nome vive se repetindo: Hakan Nilsson. Nilsson era um estudante que vivia grudado em Rebecca, que participou ativamente das buscas dois anos antes e que tem um comportamento peculiar. Tudo aponta para ele como suspeito principal.

Mas a situação vai se complicando quando Frederika começa a investigar a vida acadêmica de Rebecca e o nome de Spencer surge. Spencer, o pai de sua filha e seu atual companheiro, que atualmente está tendo problemas na Universidade onde trabalha e mantendo segredos de Frederika...

O histórico de Rebecca era impecável: boa filha, a primeira da família a cursar ensino superior, voluntária em várias causas, cantava no coral da igreja. Não há nada que indique problemas na sua vida, a não ser um terrível boato que começou a circular logo após o seu desaparecimento.

"Ela continuou parada no corredor durante um bom tempo depois de desligar o telefone. Nunca seria livre. Certas dívidas nunca poderiam ser liquidadas. Simples assim." (p. 42)

A única coisa que se destaca na vida de Rebecca é o tema de sua dissertação: Thea Aldrin, uma escritora de livros infantis famosa na década de 60, que foi condenada por matar o marido e ainda é suspeita por ter matado o próprio filho. Thea no momento, encontra-se em um asilo e não falou uma única palavra desde o dia em que foi presa.

Como nos livros anteriores, o enredo é muito bem escrito e desenvolvido, de forma que o leitor se prende aos detalhes fornecidos durante a investigação, tentando assim, encontrar o culpado. O tema central desse terceiro livro tem uma temática mais pesada e traz um desfecho inesperado.

"Ela ainda se sentia enjoada quando se lembrava da aparência dele quando a deixou, depois de mantê-la prisioneira por vinte e quatro horas: nitidamente contente consigo mesmo e com o que tinha realizado". (p. 89)
comentários(0)comente



Gramatura Alta 26/08/2019

http://gramaturaalta.com.br/2019/08/26/desaparecidas/
DESAPARECIDAS é o terceiro livro policial da série Fredrika Bergman, escrita pela autora sueca Kristina Ohlsson. A série é protagonizada pela investigadora Fredrika e fez bastante sucesso com os livros anteriores, INDESEJADAS e SILENCIADAS, sendo todos volumes independentes que permitem a leitura sem ordem determinada.

Neste livro, a analista criminal Fredrika Bergman e a equipe do inspetor Alex Recht são designados para investigar o brutal homicídio de Rebecca Trolle, uma jovem desaparecida há dois anos que é encontrada desmembrada em uma cova rasa numa área florestal remota. Com o início da escavação para retirada do corpo, outras vítimas são encontradas. Buscando entender a conexão entre aqueles corpos, os policiais investigam a vida de Rebecca, descobrindo que ela escrevia uma monografia sobre Thea Aldrin, uma antiga autora famosa, com um passado obscuro, acusada de assassinar o ex-namorado e o próprio filho e, à partir daí, diversas teorias mirabolantes surgem para encontrar o culpado por tantas atrocidades.

Os primeiros capítulos são voltados para apresentação e descrição dos personagens envolvidos na trama, o que pode ser bastante confuso se não tivermos bastante atenção. Este foi o primeiro livro de Ohlsson que li e, apesar da série ser formada por volumes independentes, tive a sensação de ter perdido alguma coisa ao ler as primeiras páginas, pois, aparentemente, faziam referências aos acontecimentos finais do último livro, INDESEJADAS. De qualquer forma, isso não prejudica a compreensão da trama de DESAPARECIDAS, já que todas as informações necessárias são dadas nele.

Kristina Ohlsson investe bastante na construção de seus personagens, então, além da investigação focada na vida de Rebecca Trolle, também acompanhamos a vida pessoal dos investigadores envolvidos com o caso, principalmente a de Fredrika, que assumiu o relacionamento com um homem casado, tendo sido sua amante por 10 anos, até que ele pediu o divórcio; ela se tornou mãe de uma menininha recentemente e acompanhamos o final de sua licença-maternidade e seu retorno ao trabalho na polícia. A história fica bastante complexa quando temos uma visão geral da tensão para descobrir o assassino das vítimas encontradas na floresta, com pistas diversas que não levam a lugar algum, somada aos dramas pessoais de Fredrika, Alex e outros personagens importantes. Levando em conta esses conflitos apresentados, a autora trabalha algumas questões sobre relacionamentos amorosos, a perda de pessoas que amamos muito e alguns outros temas delicados.

O desenrolar da trama é um tanto quanto lento, sendo que em algumas partes muitas páginas se passam e nada de interessante realmente acontece; ela também não apresenta grandes plot twists, mas as informações cruciais da investigação policial aparecem gradativamente, o que capta a atenção do leitor por atiçar sua curiosidade. Em vários momentos da investigação, os policiais ficavam extremamente confusos e perdidos com tantas possibilidades de respostas para o caso e, inesperadamente, detalhes descobertos fazem toda a diferença e direcionam as buscas; isso motiva o leitor, instiga sua vontade de desvendar o mistério.

Gosto muito de romances policiais bem construídos, com ideias bem desenvolvidas e linhas de raciocínio sensatas, como em DESAPARECIDAS, além de a autora ter uma escrita muito boa. Neste livro, vemos um enredo bem feito, com explicações realistas e todas as pontas bem amarradas. Um dos piores pontos negativos de livros policiais é a apresentação de soluções/respostas que vão completamente contra a realidade… Eu, como leitora amante de thrillers, fico indignada quando o autor inventa um final super mirabolante com um plot twist sem pé nem cabeça!

Na sinopse da obra são mencionadas cenas cheias de atrocidades não indicadas para estômagos fracos, entretanto não é bem assim que acontece. Para as pessoas que não gostam de ler sobre assassinatos e coisas do gênero, obviamente que este livro não é para vocês; já os fãs de thrillers que já estão acostumados com um pouco de sangue, fiquem tranquilos, porque a narrativa não detalha as cenas fortes. Do meu ponto de vista, é uma leitura bem leve nas barbaridades.

Já adianto que o final não é do tipo surpreendente que deixa o leitor de cabelo em pé com a descoberta de um assassino super inesperado… Mesmo assim, minha experiência lendo DESAPARECIDAS foi bastante positiva, a narrativa me prendeu e fiquei satisfeita com o final proposto por Ohlsson. Dessa forma, indico a obra para quem aprecia um romance policial bem escrito, mas sem plot twists impensáveis!

site: http://gramaturaalta.com.br/2019/08/26/desaparecidas/
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR