Simplesmente o Paraíso

Simplesmente o Paraíso Julia Quinn




Resenhas - Simplesmente o paraíso


105 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


spoiler visualizar
comentários(0)comente



GabiCrivellente 20/06/2017

RESENHA – SIMPLESMENTE O PARAÍSO (JULIA QUINN)
Leitores, este é o primeiro livro da série “Quarteto Smythe-Smith”. Para quem acompanhou a série “Os Bridgertons”, deve ter percebido que esse quarteto aparece muito por lá. Para quem não sabe, anualmente, a família Smythe-Smith promove um recital. Esse recital é uma tradição da família, em que todas as filhas Smythe-Smith aprendem (ou não) a tocar, desde cedo um instrumento para quando forem apresentadas à sociedade, elas comporem um quarteto. Uma vez formado esse quarteto, a moça permanece até encontrar um marido. O problema é que elas são todas desafinadas. Porém, como é uma tradição, elas não têm como escapar da apresentação.
Aqui no livro vamos conhecer a Honoria Smythe-Smith, violinista do quarteto. A família dela lembra os Bridgertons, por ser grande e afetuosa. Tanto é que ela tinha cinco irmãos e trinta primos. Quando criança, ela era muito apegada ao seu irmão Daniel. Ela queria estar sempre próxima dele. Inclusive, o apelido que ele deu a ela foi de “carrapato”.
O Daniel, que era uns cinco anos mais velho que ela, formou uma grande amizade, ainda na escola, com o Marcus Holroyd, herdeiro do condado de Chatteris. O Marcus sempre ficava com a família Smythe-Smith nas férias. Tendo em vista que sua mãe havia falecido quando era menino e o pai não era muito afetuoso.
Por conta de um jogo de cartas, em que foi acusado de roubar, o Daniel foi ameaçado de morte e, por causa disso, ele teve que fugir para a Itália. Como a Honoria era a sua única irmã que ainda não havia se casado, ele pediu ao Marcus que cuidasse dela e que não a deixasse se casar com nenhum imbecil.
Já o Marcus, que sempre gostou da família do amigo, passou a frequentar as festas de Londres para afastar os pretendentes indesejáveis da Honoria.
Um belo dia, a Honoria resolveu ir à casa de campo da sua amiga Cecily Royle com as suas primas, Sarah, que também era sua melhor amiga, e Iris. A casa da Cecily era vizinha da casa do Marcus. Como ele era um conde solteiro e bonito, ele se tornou um ótimo partido para as jovens solteiras. Então, a mãe da amiga quis aproveitar a amizade de longa data que a Honoria tinha com ele e fazer uma festa. Como o Marcus queria observar os pretendentes da Honoria, ele resolveu não ir à festa, já que não gostava muito de festas, mas aparecer durante o dia com a desculpa que passeava pelas terras da vizinhança. Todavia, aconteceu um acidente com ele, e por conta desse acidente os dois se aproximaram muito.
Obviamente, não contarei mais nada aqui nessa resenha. Só digo que o livro foi uma delícia de ser lido. O casal é muito fofo e me peguei com um sorriso imaginando a apresentação do recital. Ah, lembrei de uma coisa! A tia avó do Marcus é a condessa Danbury, uma personagem que aparece em quase todos os livros dos Bridgertons. Agora não me recordo se o Marcus apareceu em algum dos livros, mas é provável que sim e que eu não tenha percebido L
A Julia Quinn, autora do livro, começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.
Julia Quinn
Livro autografado
O livro possui 23 capítulos e é narrado de forma linear cronológica. Ele foi escrito pelo ponto de vista do Marcus e da Honoria, em primeira pessoa. Após o epílogo, é apresentada uma relação com a formação de todos os quartetos que já existiram na família, desde 1807 até 1825, quando a Honoria participou.
Como sou muito fã da Julia já vou pegar o meu próximo livro da série, “Uma noite como esta”, que conta a história do Daniel e da Anne Wynter, governanta que trabalhava na casa da Sarah.
Por fim, gostaria de causar uma invejinha em vocês e dizer que o meu exemplar do livro foi autografado pela Julia Quinn, quando ela esteve aqui em Brasília. Agora, pensem em uma pessoa feliz com este livro.

SAIBA MAIS:

site: http://academialiterariadf.blogspot.com.br/2017/04/resenha-simplesmente-o-paraiso-julia.html
comentários(0)comente



Mari 18/06/2017

A leveza envolvente da Quinn
Ler Simplesmente o Paraíso me fez recordar o porque fui fisgada pela autor quando li o primeiro livro dela, no caso " O Duque e Eu". A narrativa te leva para dentro do mundo descrito, como se fosse um personagem da história; os personagens são simples e encantadores, até nas suas excentricidades. E autora cria um universo tão gostoso de ler, que te faz viajar, suspirar, desejar e tudo de uma forma única, na leveza envolvente da Julia Quinn.
comentários(0)comente



Ketilin - @amornapagina 17/06/2017

Simplesmente o Paraíso - Julia Quinn
No primeiro volume da série, conhecemos Honoria, uma moça de 21 anos que precisa desesperadamente se casar. O motivo de tamanho desespero, é que não aguenta mais viver em uma casa completamente silenciosa, pois no momento ela mora apenas com a mãe.
No ano anterior, Honoria havia criado expectativas de conceber um matrimonio, já que tinha certeza de que seus últimos pretendentes pediriam a sua mão, entretanto, por algum motivo, os rapazes simplesmente desapareceram sem deixar rastros.
Além da busca por um marido, ela também está empenhada no papel que irá fazer no concerto desse ano. É uma tradição familiar que quatro mulheres solteiras da família deem um concerto todos os anos, se é que podemos chamar de concerto, já que elas são péssimas e sabem muito bem disso, mas para não estragar a tradição, Honoria está treinado muito para esse evento.
Ao passo que vamos conhecendo Honoria, também conhecemos Marcus, Conde de Chatteris, melhor amigo do irmão de Honoria, que por alguns motivos, não está vivendo com ela e a mãe. Com a ausência de seu amigo, Marcus fica com a missão de afastar os pretendentes não adequados para a jovem. Ao longo do livro, vamos conhecendo e nos apaixonando por ele. É impossível não ficar suspirando por Marcus no decorrer da historia.
Foi simplesmente encantador acompanhar essa narrativa. No começo, eu estava achando um pouco mais arrastado, mas da pagina 60 em diante, fui ficando mais e mais viciada e imersa nesse livro.
Esse com toda certeza, não foi um instalove, uma vez que demorou muito tempo para o romance acontecer. Deu para ver o amor florindo no decorrer do livro, foi natural, foi mágico.
Simplesmente o Paraíso é um livro leve, com cenas de humor e um romance fofinho para você ficar suspirando ao final. Amei!

site: https://www.instagram.com/p/BU-Vhk9h5mx/?taken-by=amornapagina
comentários(0)comente



Sami 15/06/2017

ESPERAVA MAIS
Livro — Quarteto Smythe-Smith, Simplesmente o Paraíso
Editora — @editoraarqueiro
Autora — Julia Quinn

Um quarteto de cordas desafinado, quatro primas da alta sociedade britanica a procura de um esposo, distanciamento familiar e um antigo amigo que reaparece são os elesmentos que formam o enredo do Quarteto Smythe-Smith - Simplesmente o Paraíso.

Desde pequena Honória seguia seu irmão Daniel e Marcos para todos os cantos da propriedade em que vivia formando uma grande amizade com Lord Holroyd, e foi assim que esse menino solitário e tímido cresceu como membro interino da família Smythe-Smith, até que certos eventos vieram a causar o afastamento parcial dele.

Sobre a estrutura do livro digital, esteticamente está muito bem
diagramado e os detalhes do início de cada capítulo dá um charme a mais, além de que a capa casou muito com o decorrer do livro e isso é algo que aprecio.

Esteticamente a diagramação e a fonte estão muito boas, mesmo para um livro digital acredito serem necessários tais cuidados tanto quanto com o físico. Um charme a mais foram as artes do início de cada capítulo e a capa, que honestamente, quando li o trecho em que a estória se encaixou com ela deu uma empolgação a mais.
Agora em relação ao enredo e seu desenvolvimento, é um romance de época estilo chicklit que se desenvolve de forma bem lenta( muito lenta mesmo), porém o contexto é bom, o que estragou foram as constantes lutas internas dos personagens e suas idas e vindas sem fim, a ponto de chegar momentos em que eu simplesmente passava os olhos e ia para a próxima página.

Se você curte romance de época, um draminha, instabilidade familiar e de dar risadas com as meninas Smythe-Smith esse é o seu livro para o FDS.
___________________________________________________
Nota:✮✮✮❤ - Promissor

site: https://www.instagram.com/palpitesepitacos/
comentários(0)comente



Tracinhas 07/06/2017

por Juliana Arruda
Simplesmente o Paraíso, é o primeiro livro da série Quarteto Smythe-Smith, e conta a história da Lady Honoria, uma garota de vinte e um anos que ainda não conseguiu se casar. Como se não bastasse ser motivo de piada por ser solteirona, ela faz parte do quarteto musical da família Smythe-Smith: onde as jovens solteiras da família se unem — todo ano — em prol de tocar instrumentos de forma melodiosa (o que é uma imensa mentira, já que elas não conseguem ser melodiosas devido a falta de talento).

De qualquer maneira, para se livrar deste fardo, a Honoria está disposta a encontrar um cavalheiro para que possa se casar. Claro que alguns deles a corteja, e até demonstram interesse em lhe pedir a mão, mas algo sempre acontece e eles simplesmente somem sem explicação alguma.

Então Honoria vai passar um tempo fora de casa, na casa de uma amiga, para participar de um “belo jantar” antes da temporada de Londres: o que quer dizer que inclui ver o jovem e lindo Gregory Bridgerton antes de todas as garotas disponíveis.

No entanto, a casa da sua amiga é justamente vizinha das terras do Marcus Holroyd, o Conde de Chatteris. Marcus é o melhor amigo do irmão de Honoria, Daniel Smythe-Smith, que foi exilado para a Itália por causa de um acidente e um belo mal entendido. Bem, claro que Marcus também é o seu amigo, o que quer dizer que Honoria o conhece bem o bastante para que saiba de seus gostos e maluquices (e vice e versa).

De qualquer maneira, Marcus fica responsável de “olhar” a irmã de seu melhor amigo para protegê-la dos cafajestes e qualquer outro mal que venha a lhe prejudicar (não é surpresa que é justamente ele quem está afastando todos os pretendentes dela, não é?). No entanto, o que o Conde de Chatteris não espera, é que a Honoria arme um plano para fazer com que o Sr. Bridgerton se apaixone por ela. Claro que ele sabe que é loucura, até porque ela ainda é jovem demais para ficar se preocupando com casamentos. Ainda assim, por causa desse plano, Marcus acaba sofrendo um acidente e fica adoentado. Como ele não tem família, sobrou para Honoria cuidar do seu amigo… Ou seria o seu grande amor?

Apesar de ser a primeira, esta história é a minha favorita da série. AMEI como a autora abordou o tema do amor que surgiu de uma amizade e como isso foi/é importante para os personagens. A narrativa é típica dos romances de época da Julia Quinn e me diverti bastante enquanto lia. Valeu cada tempinho do meu intervalo lendo esta história e super recomendo pra vocês.

site: http://jatracei.com/post/161540785032/resenha-259-simplesmente-o-para%C3%ADso
comentários(0)comente



LOHS 06/06/2017

Maravilhoso!
Simplesmente o Paraíso é o primeiro livro do Quarteto Smythe-Smith, nova série de Julia Quinn, autora de Os Bridgertons (O Duque e Eu, O Visconde Que Me Amava, Um Perfeito Cavalheiro, Os Segredos de Colin Bridgerton, Para Sir Phillip, Com Amor, O Conde Enfeitiçado, Um Beijo Inesquecível, A Caminho do Altar e E Viveram Felizes Para Sempre).

De uma forma única, a Editora Arqueiro - responsável pela publicação dos livros da escritora no país - publicou os quatro títulos da saga Quarteto Smythe-Smith de uma vez só. O que causou mais furor ainda foi a nova tour da Julia Quinn em algumas cidades brasileiras. E foi a nova visita dela em São Paulo que me fez comprar o box incrível com os quatro volumes e brindes extras, incluindo uma carta da autora sobre o que a fez começar a escrever sobre essa família.

Como já tenho essa coleção completa, prometo trazer para vocês as resenhas o mais rápido possível. Começando por hoje. ;)

Simplesmente o Paraíso conta a história de Honoria Smythe-Smith, a jovem que sabe que é uma péssima musicista, mas todos os anos continua a tocar no evento anual das Smythe-Smith com suas primas. Isso porque é uma antiga tradição familiar as mulheres solteiras tocarem algum instrumento musical e realizarem anualmente uma apresentação. E não há nada mais importante para Honoria do que sua família.

"-Convocada? - repetiu a mãe com uma risadinha. - Você faz parecer um fardo.
Honoria ficou em silêncio por um instante, tentando não rir. Ou talvez chorar.
-É claro que não - conseguiu dizer por fim. - Adoro o quarteto.
O final era verdade. Ela amava ensaiar com as primas, mesmo se, com o tempo, houvesse passado a tampar os ouvidos com chumaços de algodão. O único problema era que as apresentações eram terríveis.
Ou, como Sarah descreveria, assustadoras.
Medonhas.
Apocalípticas.
(Sarah sempre teve certa tendência à hipérbole.)"
p. 121

As irmãs mais velhas de Honoria já estão casadas e seu irmão, Daniel Smythe-Smith, foi obrigado a deixar o país, uma tragédia que fez a mãe de ambos ficar depressiva. Por isso, a garota se sente muito solitária e deseja formar uma grande família assim que conseguir se casar. Mas Honoria ainda não conseguiu arrumar um noivo.

Marcus Holroyd, conde de Chatteris, não tem irmãos, sua mãe morreu quando era muito pequeno e o pai sempre foi distante. Por isso, Marcus ficou extremamente feliz quando foi enviado para estudar em Eton pois enfim poderia conhecer pessoas da sua idade. Logo conheceu Daniel Smythe-Smith, futuro conde de Winstead, e ambos se tornaram melhores amigos. Não demorou muito para que Marcus passasse todas as férias e datas comemorativas com a grande e barulhenta família Smythe-Smith.

Três anos antes do momento atual na narrativa, o melhor amigo se envolveu em uma tragédia envolvendo um duelo de cavalheiros com Hugh Prentice que o fez fugir do país. Mas antes de deixar a Inglaterra, Daniel pediu ao melhor amigo para cuidar de sua irmã mais nova, Honoria, e não deixar que ela se case com nenhum patife. Desde então, Marcus, que odeia os grandes eventos da temporada em Londres, comparece todos os anos para ficar de olho em Honoria e seus pretendentes. Caçadores de fortuna e alguns homens cruéis já foram espantados por ele em mais de uma ocasião, sem o conhecimento de Honoria, obviamente.

Antes do início de mais uma temporada em Londres, Honoria se junta com as primas e amigas Sarah Pleinsworth, Iris Smythe-Smith e Cecily Royle para algumas atividades na casa no campo dos Royles. Por um acaso do destino, os Royles são vizinhos de Lorde Chatteris, o que faz com que Marcus e Honoria se reencontrem em algumas situações divertidas.

Honoria é pega em flagrante por Marcus, enquanto cavava um buraco no jardim e fingia que torcia o pé (para chamar a atenção de Gregory Bridgerton, vale ressaltar). Só que as coisas realmente dão errado e Marcus pisa em falso no buraco criado por Honoria e ele acaba torcendo o pé de verdade. Para piorar a situação, uma chuva torrencial começa logo que a garota parte para pedir ajuda.
Obviamente, Marcus acabou tendo que ficar em repouso por causa da gripe e da torção.

Honoria se sentiu completamente culpada pelo estado de Marcus, mas após verificar que ele estava bem, voltou a Londres para se preparar para mais uma temporada de eventos na cidade e, principalmente, para o terrível recital anual dos Smythe-Smith - o qual ela deveria tocar violino.

Mas Honoria logo recebe uma carta da governanta de Marcus dizendo que ele havia piorado muito e que talvez não sobrevivesse. Como Marcus não tinha mais ninguém além dos Smythe-Smith, Honoria não pensou duas vezes antes de preparar as malas e arrastar a mãe para cuidar de Marcus.

"-Você precisa melhorar - sussurrou Honoria. - Não sei o que farei se você não melhorar. - Então, tão baixinho que ele mal a escutou, acrescentou: - Talvez você seja meu porto seguro.
Marcus tentou mover os lábios, tentou falar, porque aquilo era o tipo de coisa que não se podia deixar passar sem resposta. Mas seu rosto parecia denso, pesado, e tudo o que conseguiu foi emitir alguns sons engasgados.
-Marcus? Quer um pouco de água?
Para dizer a verdade, ele queria.
-Está acordado?
Mais ou menos.
-Tome - disse ela. - Experimente isso.
Marcus sentiu algo tocar seus lábios. Uma colher derramando água morna em sua boca. Porém, era difícil engolir e Honoria só conseguiu fazê-lo tomar algumas gotas.
-Acho que você não está acordado - falou ela.
Marcus ouviu-a voltar a se acomodar na cadeira. E suspirar. Parecia cansada. Ele odiava pensar nisso.
Só que estava feliz por ela estar ali. Tinha a sensação de que Honoria também era um porto seguro para ele."
p. 134

As mulheres Smythe-Smith encontraram Marcus em um estado lastimável e fizeram tudo o que puderam para ajudá-lo. É durante esses momentos complicados que Marcus e Honoria vão se lembrando da infância juntos e também descobrindo novos sentimentos agora que são adultos.

Logo Honoria deverá voltar a Londres, tentar achar um marido e treinar para o terrível recital dos Smythe-Smith. Ela terá que aprender a lidar com os novos sentimentos, assim como Marcus deverá decidir que futuro seguir agora que sabe o que sente por Honoria.

"Marcus desejava Honoria. E nada poderia tê-lo apavorado mais.
Aquela era Honoria. Ele jurara protegê-la e, em vez disso...
Afastou os lábios, mas não conseguiu se afastar completamente. Ele descansou a testa contra a dela e, saboreando aquele último toque, sussurrou:
-Perdoe-me.
Ela o deixou, então. Saiu do quarto em disparada. Marcus a observou partir, viu as mãos e os lábios trêmulos.
Ele era um selvagem. Honoria salvara sua vida e era daquele jeito que ele retribuía?
-Honoria - sussurrou.
Tocou os lábios com os dedos, como se de algum modo pudesse senti-la ali.
E sentiu. Era a coisa mais incrível. Ainda sentia o beijo dela. Sua boca ainda pulsava com o toque dos lábios dela.
Honoria ainda estava com ele.
E Marcus tinha a estranha sensação de que sempre estaria."
p. 152

Simplesmente o Paraíso é mais um romance divertido e apaixonante da Julia Quinn. A obra nos mostra a história de duas pessoas que sempre se conheceram, eram amigos de infância - ou mais próximo disso que poderiam ser -, mas que acabaram se apaixonando depois de passarem mais tempo juntos como adultos.

Honoria Smythe-Smith é uma das personagens mais boazinhas e leais que já conheci. Ela sabe que toca muito mal e morre de vergonha - assim como as outras primas, exceto Daisy que acredita que toca bem - nas tradicionais apresentações anuais dos Smythe-Smith, mas nunca deixa de se apresentar com um sorriso no rosto. Isso tudo porque a família sempre senta na primeira fileira com olhos cheios de orgulho.
Além disso, mesmo preocupada em arrumar um marido, assim que soube sobre o estado frágil de Marcus, ela partiu para cuidar dele sem se preocupar com a própria reputação.

Marcus Holroyd é um homem que teve uma infância solitária, mas desde que conheceu Daniel foi completamente acolhido pela família Smythe-Smith. Ele sempre deu muito valor a essa amizade, por isso cuidou de Honoria todos os anos em que o amigo estava fora. Espantou alguns canalhas e outros caça-fortunas. Mas nunca esperou que fosse desejar Honoria. Afinal, aquela era Honoria, irmã de Daniel. A menininha que ficava seguindo os dois em todos os lugares que iam brincar.

Porém, há um pequeno erro cronológico nessa história. Durante o recital anual das Smythe-Smith, Honoria conhece Colin Bridgerton solteiro. Mas segundo o calendário da série Os Bridgertons, Colin já estava casado na época. Julia Quinn falou algumas vezes sobre isso, pedindo desculpas pelo erro. Ela disse que não havia percebido, nem o editor e nem ninguém da revisão. As primeiras pessoas que apontaram o erro foram algumas fãs, oito horas depois do lançamento do livro. Incrível, não?

Apesar disso, a história de Honoria e Marcus é linda, divertida e apaixonante. Como a maioria dos livros da Julia Quinn, recomendo muito!

E, como adoramos a autora por aqui, em breve vamos sortear um exemplar de Simplesmente o Paraíso autografado!! ;)

site: http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/2017/03/simplesmente-o-paraiso-quarteto-smythe.html
comentários(0)comente



Polly 31/05/2017

"Precisava beijá-la. Tinha que fazer isso. Era tão básico e elementar quanto sua respiração, seu sangue, sua alma."
Simplesmente o Paraíso é o primeiro livro do Quarteto Smythe - Smith e conta a história de Honoria Smythe - Smith uma jovem de 21 que está desesperada pra casar, não é um exagero, essa é a palavra. Primeiro porque ela já está na terceira temporada, os pretendentes até apareceram, mas nada muito especial ou que desse em algo mais, segundo porque seu irmão Daniel teve que sair do país por motivos escusos e com todas as outras irmãs casadas, sua mãe se isolou e a casa está silenciosa demais, terceiro e talvez o que mais pese é o Quarteto, Honoria ama a tradição familiar, ela entende que é uma péssima musicista e que os recitais que oferecem são um horror, mas faz pela família, porém que encantador seria se casar e poder deixá-lo.
Marcus Holroyd sempre foi solitário, na infância deu a grande sorte de encontrar Daniel Smythe - Smith e de ter nele um grande amigo, por consequência, já que só tinha o pai e esse era muito distante, a família de Daniel passou a ser a sua.
Mesmo se tornando um conde e podendo ter a sociedade a seus pés, Marcus se tornou um adulto tímido, calado e observador, e tinha uma missão: tomar conta de Honoria para que ela não se casasse com um mal partido, este foi o último pedido do amigo antes de partir.
Honoria e Marcus, amigos desde a infância, que belo clichê temos aqui.
A história nada mais é que deliciosa, os personagens encantadores e o que acontece no meio da história para unir ainda mais nosso casal é muito aflitivo e foi muito inteligente, pois prende totalmente a atenção do leitor.
Os diálogos continuam divertidos e com aquele costumeiro sarcasmo.
Eu amei essa nova história da Julia, amei estar em um novo "ambiente" criado por ela e apesar de o casal não ter me ganhado por completo - faltou aquela centelha - eles me encantaram de certa forma.
Ah Colin seu lindo, adorei te reencontrar!
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

site: https://www.instagram.com/estantedapolly/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Mariana 29/05/2017

Ler uma obra da Julia Quinn é sempre a certeza de se investir tempo e disposição numa boa leitura garantida. Sou simplesmente apaixonada por essa autora e eternamente grata por me apaixonar por romances de época a partir da família Bridgerton.
Spin off dos Brigdgerton, a família Smythe-Smith é conhecida por seu sarau annual, apresentando sempre um quarteto de primas solteiras. O detalhe aqui é que as apresentações são sempre muito ruins, mas muito ruins mesmo. O evento é um dos mais tradicionais para a sociedade londrina.
O primeiro livro da série, conta a história de Honória, uma das violinistas do quarteto e de Marcus, conde de Chatteris. Honoria é a filha caçula da família, seu irmão mais próximo, Daniel, é 6 anos mais velho e não tem muita paciência para as brincadeiras da dramática e falante irmã mais nova. Ele um garoto desenvolto e popular acaba fazendo amizade desde o começo da sua vida em Eton, com o mais tímido dos colegas, Marcus Holroyd, o futuro conde de Chatteris.
Marcus foi criado praticamente por serviçais, já que seu perdeu sua mãe muito cedo e seu pai não era muito dados a afetos ou qualquer tipo de relacionamento. Desde o início ele percebe naquela família meio estranha o aconchego e amor que sempre lhe foram negados e logo se torna melhor amigo de Daniel. Sem possuir nenhum parâmetro para comparação, Marcus fica sem saber como reagir com a insistência de Honoria (que lhe rende até o apelido de carrapato) em estar sempre presente nas brincadeiras dele e de Daniel.
O tempo vai passando e Daniel cada vez mais passa a participar dos principais eventos que reúnem a família de Daniel e Honoria. Marcus continua tímido, amando a vida no campo e abominando a sociedade londrina.Uma situação obriga Daniel a deixar o país e é nesse momento que ele pede que Marcus vele por Honoria. É aí que ele se vê obrigado a frequentar bailes e atividade sociais os quais tanto detesta, a fim de afastar quaisquer possíveis pretendes incompatíveis com Honoria
Com a fuga de Daniel, sua mãe se torna uma pessoa taciturna, que sem forças inclusive para acompanhar Honoria em tudo que envolve seu debut. Honoria é uma jovem resiliente , decidida a sempre estar com um sorriso no rosto, ainda que as circunstâncias não sejam as ideais. Ela ama sua família e por ela, está disposta a grandes sacrifícios (incluindo a vergonha de se apresentar no recital, quando sabe que tudo será um fiasco).
Honoria encontra Marcus, por acaso, durante sua estadia na casa amigos. A residência do tímido conde fica bem perto. A intimidade dos dois é grande, já que Marcus cresceu perto do amigo Daniel e consequentemente , perto de Honoria. Ela conhece além da timidez dele e ele está acostumado com a tagarelice dela. E mesmo se conhecendo praticamente por uma vida, um evento mudará por completo a amizade dos 2.
Realmente comecei o livro sem nenhuma expectativa e ao final acabei sendo surpreendida positivamente Amei a cumplicidade entre o Marcus e a Honoria, de dividirem a dor de não ter Daniel por perto e de anteciparem as reações e emoções um do outro. Um ponto que observei é que esse é provavelmente esse foi um dos livros da JQ menos sensuais. O tom da narrativa está mais voltada pra essa amizade dos 2 e toda a história que eles dividem, o que foi maravilhoso de acompanhar.
O livro já dá indicações dos próximos personagens a serem abordados na série, o que de fato, eu mal posso esperar.
comentários(0)comente



Ellem - @colecionandoprimaveras 18/05/2017

Honoria é uma das integrantes do terrível quarteto Smythe-Smith (tão conhecido pelos Bridgertons) e, embora saiba das suas péssimas habilidades musicais, considera muito o quarteto por ser uma tradição de família.

Depois que seu irmão, Daniel, precisou fugir do país, sua mãe meio que entrou em depressão e, agora, Honoria decidiu ir em busca de um marido (só casando para conseguir fugir do quarteto hehe').
Marcus é o melhor amigo de Daniel e convive com os Smythe-Smith desde a infância. Quando Daniel foi embora, pediu a Marcus que ficasse de olho em Honoria e não deixasse ela fazer um casamento errado. Desde então, Marcus espantou cada pretendente que considerou inadequado (leia-se todos kk).

Em uma viagem para visitar sua tia (na verdade, para procurar jovens solteiros hehe'), Honoria encontra Marcus e os dois se envolvem em um pequeno acidente muito engraçado, que os fazem perceber que não são irmãos e que talvez haja algo mais crescendo entre eles.

Simplesmente o Paraíso segue a mesma linha dos outros livros da Julia Quinn, apesar de as histórias serem bem diferentes.

O enredo é bem leve e engraçado (Eu li metade desse livro no avião, então me imaginem tentando segurar o riso, sem sucesso haha') e os personagens são muito bem construídos e amáveis, eu nunca pensei que fosse me encantar pelo quarteto Smythe-Smith haha'. Honoria é daquelas personagens bem fortes e decididas, porém um pouco atrapalhada nas ideias haha' e o Marcus tem aquela casca de e fechado e durão, mas na verdade é um fofo ❤

Eu amei esse livro (pra variar) e não vejo a hora de ler os próximos da série.

site: http://www.colecionandoprimaveras.com.br/2017/03/resenha-simplesmente-o-paraiso.html
comentários(0)comente



Vanessa Motaa 17/05/2017

Morno e constante
Honória e Marcus... hmmm... eles são bem simplórios. No melhor sentido, claro.
O livro não é ruim mas não espere grandes emoções nele. Comparando o ritmo parece Orgulho e Preconceito da Jane Austen [que todos morrem menos eu] - respeitando as proporções, obviamente.

Sabe aqueles livros que a conclusão se dá apenas nos últimos capítulos? exatamente é o que acontece. A narrativa é alongada em algum momentos e em outros, ficamos lendo os devaneios dos personagens. Há quem vibre com esse tipo de escrita, mas, para pessoas ansiosas como eu, não flui tão bem a leitura. Tem sim seus momentos cômicos mas nada que exceda as expectativas.
comentários(0)comente



Meirlyane 13/05/2017

Resenha de Simplesmente o Paraíso
Sabem aquele livro que mexe com teu psicológico e te deixa LOUCA de amores?! Então, Simplesmente o Paraíso me deixou assim, completamente apaixonada. Já falei que meu sonho era viver naquela época para ter um amor que nem nesses romances?! Pois é, meu maior sonho!

Honória é uma péssima violinista. Não, digo, para ser péssima violinista ela ainda devia melhorar muito. Todos os anos, tradicionalmente, acontece o concerto do Quarteto das Smythe-Smith, e esse será o segundo ano que ela tocará, de acordo com a tradição, as moças só podem deixar o Quarteto quando se casam, e Honória permanecia solteira desde a Temporada passada, quando seus pretendentes sumiram misteriosamente. Melhor assim. Por mais que as apresentações sejam terríveis, ela gosta de se encontrar com as primas para ensaiar e falar bobagens, e gosta ainda mais de ter uma tradição na família, para ela é especial.

Marcus Holroyd é um Lorde solitário, que desde sempre viveu sozinho e sem muitos amigos. A verdade é que só teve um único amigo de verdade: Daniel. Que agora estava exilado na Itália e deixou para Marcus a missão de cuidar de Lady Honória - irmã de Daniel -, espantando pretendentes que não fossem adequados a jovem musicista. O problema é que nenhum homem estava a altura de Honória, segundo ele, um par perfeito seria aquele que conhecesse ela bem, tão bem quanto ele conhece. Desde sempre.

"Nem se dera conta de que sentia falta daquela sensação de pertencimento, de estar no lugar certo, com alguém que a conhecia plenamente e, ainda assim, achava que valia a pena rir com ela."

Será que o par perfeito não estava bem alí, e ele nunca tinha percebido? .
Essa história é simplesmente o paraíso, ou...

"- Eu estava pensando que este momento é simplesmente o paraíso.
Ele ficou em silêncio por um instante, depois sussurrou, tão baixo que Honória não teve certeza se ouvira direito:
- O paraíso não poderia se comparar a este momento." .

Esse é o primeiro livro da Julia que leio, e posso afirmar com certeza de que ela já se tornou uma das minhas autoras favoritas (sou meio suspeita pra falar isso, porque considero tantos autores como favoritos...), mas, a forma como ela escreve é encantadora, faz com que a narrativa em 3° pessoa seja leve e fácil de ler - eu mesma li a maior parte do livro em pouco tempo -. Estou ansiosa para ler os outros livros da série, que serão das outras três integrantes do Quarteto. Elas já me encantaram com suas personalidades mesmo como personagens secundárias na história de Honória.

Boa Leitura :')

site: Resenha disponível no meu Instagram Literário: https://www.instagram.com/p/BTulVybjgEV/?taken-by=meuceuliterario
comentários(0)comente



Livros Encantos 12/05/2017

Simplesmente o Paraíso é uma linda história onde acompanhamos os sentimentos desabrocharem como uma linda flor ...
Estou encantada pela delicadeza da história, da sutileza da autora nas cenas mais sensuais.
Julia Quinn continua sendo a Diva dos Romances de Época com uma escrita leve e envolvente.

Ainda estou suspirando pela delicadeza desse lindo romance de época.

O quarteto Smythe Smith é formado por jovens solteiras da família, todo ano a presentação musical é assistida por muitas pessoas, uma pena que nosso quarteto não impressiona pela qualidade musical ...
Sou apaixonada por romances de época, os costumes e mocinhas acima de seu tempo sempre me encantam ....

Em simplesmente o paraíso , teremos a história de Honória irmã mais nova de Daniel, seis anos mais nova que ele , está sempre entre ele e seu melhor amigo Marcus.
Honoria está em busca de um casamento, assim como suas primas que também estão no quarteto, buscam chamar a atenção de alguns homens que podem vir a ser pretendentes interessantes.

De olho em um pretendente Honoria elabora um plano para conseguir chamar a atenção de Gregory Bridgerton, porém seu plano é descoberto por Marcus, melhor amigo de seu irmão, Honoria praticamente cresceu acompanhando Daniel e Marcus.

Um acidente acaba deixando-o precisando de ajuda, Honoria ao saber não mede esforços para ajuda-lo.
A convivência entre eles nesses dia, vai despertar sentimentos guardados a sete chaves, que eles mesmos ainda não havia se dado conta.

Marcus é um homem que praticamente não tem família, como melhor amigo de Daniel é considerado como parte da família Smythe Smith, com Honoria por perto, ele vai percebendo o quanto ela é encantadora, como as afinidades entre eles sempre esteve ali, ela o faz se sentir bem como ninguém mais.

Honoria é uma moça que preza muito a família, a tradição do Quarteto, mesmo com aquele som horrível mantém um lindo sorriso no rosto.

Amei ver a forma como o amor desabrocha em ambos, com a convivência entre eles, um olhar, observar detalhes do outro que antes não era notado, é lindo ver o encontro do olhar e descobri o amor.
Após essa descoberta, Marcus vai conquistar o coração de Honoria de uma maneira digamos empolgante rsss.

Estou encantada pela delicadeza da história, da sutileza da autora nas cenas mais sensuais.
Julia Quinn continua sendo a Diva dos Romances de Época com uma escrita leve e envolvente.

Simplesmente o Paraíso é uma linda história onde acompanhamos os sentimentos desabrocharem como uma linda flor ...

A leitura fluiu muito bem, confesso que não consegui largar o livro, a cada capítulo ficava curiosa como ambos os protagonistas iriam lidar com os novos sentimentos.

Joyce
Livros Encantos

site: http://www.livrosencantos.com/2017/03/simplesmente-o-paraiso-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Tatiana.Bianque 11/05/2017

Difícil desfazer o sorriso lendo Julia Quinn!!!
Sem dúvida uma das personagens desta autora que eu mais gosto é Lady Dambury, então dá pra imaginar como gostei de revê-la neste livro, ela é uma velhinha sensacional, atrevida e muito divertida, da vida a qualquer história! Esse 1º volume é encantador!
Honoria é sutil, gentil, determinada e muito romântica, já Marcus é sério, tímido e meio recluso, menos quando está perto de Honoria, ela desperta alegria e vida nele. O melhor desse mocinho é que ele não é o todo perfeito e inalcançável, ele é singular, cativante e apaixonante! Acima de tudo eles são amigos, foi interessante o desenvolver dessa aproximação, os momentos compartilhados, a expectativa....
Senti falta de um pouco mais de participação do Daniel, mas tá valendo, e falando em participações especiais, apareceram 2 dos inesquecíveis Bridgertons....
Adorei, entrou para meus favoritos!
comentários(0)comente



Rascunho com Café 03/05/2017

Tmidez, família e amor
Ambientada no mesmo universo da série dos Bridgertons, esperei com ansiedade para conhecer mais sobre as Smithe-Smith, já tão famosas na primeira série da autora por seus quartetos desafinados. Creio que quem está familiarizado com a família Bridgerton também irá compartilhar do mesmo sentimento de “estar em casa” lendo os volumes dessa nova série, há muito em comum entre ambas.

Em Simplesmente o Paraíso, conhecemos Honoria Smythe-Smith, violinista do quarteto daquele ano. Aos 21 anos de idade, ela já teme estar passando da idade de se casar. Paralelo a isso, também conhecemos Marcus Holroyd, o tímido conde de Chatteris, que também acontece de ser amigo de infância da de Honoria e seu irmão mais velho, Daniel.

Honoria é uma moça muito doce e, por ser a mais nova da família, com uma grande diferença de idade entre as irmãs, se sente muito solitária, ansiando por uma família grande e barulhenta. Já Marcus é filho único de sua família e sua personalidade é marcada por uma extrema timidez e até uma certa “fobia” social.

Pela primeira vez, eu me identifiquei muito mais com um personagem masculino da Julia do que com um feminino, é simplesmente impossível não se encantar com o Marcus, ainda mais se você também tiver certa dificuldade de se entrosar, como eu.

No geral, o livro possui o mesmo tom leve, divertido e apaixonante dos Bridgertons, além de que alguns membros da família dão o ar da graça na história, o que faz com que nos sintamos um tanto familiarizados com a trama.

O que me deixou um pouco incomodada sobre o livro, foi o fato da história inteira se passar predominantemente em três situações. É como se o livro tivesse apenas três momentos marcantes e isso me deixou com a impressão de que tudo acontece muito depressa, mesmo que a autora deixe claro que se passa semanas entre um acontecimento e outro.

Também senti um pouco de falta de uma abordagem um pouco mais significativa da música nesse livro. Há sim alguns momentos em que a protagonista ensaia e discute sobre música com suas primas que compõem o quarteto, mas talvez eu estivesse com expectativa de que a música tivesse um significado mais profundo para Honoria, mesmo que essa não seja sua vocação.

No geral, Simplesmente o Paraíso apresenta um romance doce e tocante, como Honoria e Marcus se conhecem desde a infância, cada pequeno momento dos dois na vida adulta me fez sorrir e pensar que um era a solução perfeita para os anseios do outro.


site: http://www.rascunhocomcafe.com/2017/03/simplesmente-o-paraiso-quarteto-smythe.html#.WQnawxMrLIU
comentários(0)comente



105 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7