Simplesmente o Paraíso

Simplesmente o Paraíso Julia Quinn




Resenhas - Simplesmente o paraíso


87 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Ana 23/04/2017

Tem sim como amar esse casal
Já li várias criticas a respeito do livro 1 do Quarteto, e digo, foi uma história realmente linda, com sua delicadeza da época e com a maior ternura que uma personagem pode transmitir a outro.
Nossa heroína Honoria provou que o amor pode chegar sem avisar, pelo simples detalhe de ser algo que será para a vida toda, sendo a caçula da família, nunca recebeu a atenção dos irmãos que gostaria até que com seus 6 anos conhece Marcus, melhor amigo do seu irmão Daniel. É ai que nossa história se desenrola, 15 anos de amizade, o bom humor de Honoria pelo fato de ser péssima violinista - ela sabe muito bem que não tem talento para o instrumento - ninguém precisa falar na cara dela.
Nossa protagonista, quer se casar, isso é um fato, com 22 anos e pretendentes que do nada desistiram, ela tenta a sorte com algo que você não vai compreender e acaba rindo da própria besteira que fez e se sente culpada pelo ocorrido.
Marcus por outro lado, é um conde, não sorri, está sempre sério e sua beleza não é daquelas de tirar o folego das damas de Londres. Um fator que ambos tem em comum, adoram doce!
O primeiro beijo pode sim ser delicado e não necessariamente aquele beijo apaixonante de tirar o folego, você saberá se aquela pessoa é destinada a sua vida sim, só por 3 segundos.
comentários(0)comente



Raquel Lima 22/04/2017

Decepção
Li a série dos Bridgeton da Júlia e gostei muito de alguns . Romances gostosos de ler , de paixão e carinho ... O último da série já me decepcionou , mas este me apavorou ... Chato, sem sentido , sem história ... Acho que li metade das páginas ... As discussões sobre o concerto , pulei; boa parte da doença do Marcus , pulei ...
comentários(0)comente



Kami 18/04/2017

Manoria ?
Romance maravilhoso! não poderia esperar menos da Julia Quinn, rainha absoluta da porra toda!
comentários(0)comente



Bruna 18/04/2017

Hoje damos início a uma nova série de romances de época, de uma das minhas autoras favoritas! Simplesmente o paraíso, de Julia Quinn, é o primeiro livro da série Quarteto Smythe-Smith, que trará a história de um membro da enorme família Smythe-Smith a cada volume. E agora é o momento de conhecer a história de Honoria, a caçula de um dos ramos dessa enorme família.

Honoria é a caçula de sua família, com todas as irmãs mais velhas já casadas, e seu único irmão banido da Inglaterra, após um escândalo, alguns anos atrás. Com a mãe apática desde a partida do irmão, Honoria vê no casamento a chance de sair de uma casa silenciosa e triste, tão diferente da casa animada e cheia de sua infância. Ela é a violinista do momento no infame quarteto Smythe-Smith, no qual toca com suas primas Iris, Sarah e Daisy. O quarteto Smythe-Smith é uma tradição familiar, que já dura décadas, e cada participante fica até se casar, quando é substituída por uma das muitas primas da família. Na sociedade, ele é famoso pela falta de talento musical de suas integrantes, que em sua maioria reconhece o fracasso e a humilhação anual que enfrentam, exceto por uma, que dessa vez é a iludida Daisy.

Marcus Holroyd é o melhor amigo de infância de Daniel, o irmão de Honoria. Filho único e solitário, ele é tímido, e sempre encontrou abrigo, amizade e carinho na casa dos Smythe-Smith. Por isso, quando o amigo é exilado, ele não recusa o pedido de olhar por Honoria, e impedir que os caçadores de fortuna se aproveitassem da jovem.

Sussurravam sobre Marcus como se ele fosse o herói de um romance ou o vilão gótico e misterioso que precisava ser redimido. Já para Honoria, ele era apenas Marcus, o que não era nada simples, na verdade.


Honoria e Marcus sempre tiveram uma boa relação, e são amigos desde a infância. Os dois dividem um amor gigantesco por doces, e ela é a única mulher com quem o conde com fama de frio e indiferente realmente consegue manter uma conversa. E essa amizade se transforma em algo mais após Honoria passar um tempo cuidando de Marcus, quando este fica gravemente doente.

O relacionamento de Marcus e Honoria evoluí aos poucos. É interessante ver o amor nascer entre duas pessoas que já se gostavam muito, e se conheciam muito bem. A autora soube trabalhar isso muito bem. Tudo isso serviu para entregar um livro fofo, daqueles deliciosos de ler, porém, sem grandes reviravoltas ou revelações. Há apenas uma cena mais sensual, mas nem beira o erótico, então fiquem sossegados.

Havia algo de maravilhoso em conhecer tão bem outra pessoa.


E para os fãs da série Os Bridgertons (EU!!!), fiquem felizes pois a família é mencionada algumas vezes, e há participação de, pelo menos, um de seus membros!!!

A edição da Arqueiro está linda! A capa é diva e aveludada, as páginas são amareladas e a fonte confortável para ler. Vi alguns erros de revisão, mas poucos e não comprometeram a leitura.

Recomendo muito!

site: http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/2017/03/resenha-simplesmente-o-paraiso-julia.html
comentários(0)comente



Bruna 18/04/2017

Simplesmente o Paraíso (Quarteto Smythe-Smith #1)
A Julia Quinn me conquistou com a série dos Bridgerton (amo romances de época), cada um dos personagens e membros da numerosa família estão no meu coração, já que cada um é mais apaixonante do que o outro. Sendo assim, quando soube que ela iria lançar uma nova série e que teria uma ligação com a família Bridgerton foi impossível não ler. E com o "Quarteto Smythe-Smith", Julia Quinn criou novos personagens bastante marcantes.

"Honoria Smythe-Smith é parte do famoso quarteto musical Smythe-Smith, embora não se engane e saiba que o dito quarteto carece sequer do menor sentido musical e tem esperanças postas que esta seja a última vez que se submeta a semelhante humilhação. Esta será sua temporada e com um pouco de sorte conseguirá um marido.
Durante um jantar, põe seus olhos em Gregory Bridgerton, um dos mais jovens da família Bridgerton. Sabe que não está apaixonada, mas ele parece uma opção mais que válida.Marcus Holroyd é o melhor amigo do irmão de Honoria, Daniel, que vive exilado na Itália. Ele prometeu olhar por ela e leva suas responsabilidades muito seriamente. Odeia Londres e durante toda a temporada, permaneceu vigilante e intermediou quando acreditava que o pretendente não era o adequado.
Honoria e Marcus compartilham uma amizade, pouco atípica, fruto dos anos que se conhecem e que o torna parte da família.
Entretanto, um desafortunado acidente faz que ambos repensem sua relação e encontrem a maneira de confrontar o que surge entre eles, se tiverem coragem suficiente."

Durante parte de sua infância Marcus Holroyd é filho único e foi criado por um pai muito rígido e ausente, que esperava que ele se tornasse o futuro Duque de Chatteris. Em sua casa Marcus não tinha amigos da sua idade, no que resultou que ele se tornasse um garoto solitário e bastante tímido. Essa situação muda quando ele vai estudar em um colégio, onde demora um pouco para se adaptar, pois nunca tinha convivido com outras crianças de sua idade e não sabia ao certo como agir. Mas, apesar de todas as dificuldades, ele consegue fazer uma amizade com Daniel Smythe-Smith.

A amizade entre os dois garotos era tão grande que sempre que chegava as férias, Marcus passava ao lado de seu amigo na casa dos Smythe-Smith. Era uma convivência tão grande que o futuro Duque de Chatteris passou a ser considerado como um membro da família, até mesmo tinha que lidar com a irmã caçula de Daniel: Honoria Smythe-Smith, que vivia importunando os dois rapazes.

“Honoria tratou de não estremecer. O musical anual da família nunca era um bom momento para fazer amizade com um cavalheiro, a menos que ele fosse surdo. Houve algum argumento dentro da família a respeito de quem, precisamente, tinha começado a tradição, mas em 1807, as quatro primas Smythe-Smith tinham subido ao palco e massacrado uma peça musical perfeitamente inocente. Por que elas, ou melhor, suas mães pensaram que seria uma boa ideia repetir o massacre nos anos seguintes, Honoria nunca saberia, mas o fez no ano depois desse, e ano após.”

Alguns anos mais tarde eles se reencontram novamente. Honoria não é mais a garotinha chata que ficava irritando Marcus e Daniel, ela cresceu e se tornou uma mulher muito atraente e que está desesperada para encontrar um bom partido. Todos que encontrou até então sempre tinham algum tipo de defeito: um havia agredido um cachorro, outro era um aproveitador... Porém, naquela temporada ela está positiva de que as coisas vão se sair diferente, que dessa vez ela irá encontrar um homem que seja decente, e Honoria até tem um nome em mente: Gregory Bridgerton.

O que ela não poderia contar que o seu encontro com Marcus Holroyd, o Duque de Chatteris poderia acabar mudando o rumo da situação. Após um acidente em que se envolveram, ele ficou entre a vida e a morte e foi nesse momento em que Honoria entrou em ação, o ajudando e tomando conta dele para ajudar na recuperação. E durante esse tempo que passam juntos, tanto Honoria quando Marcus percebem que o amor que sentem um pelo outro pode maior do que bons amigos.

"Ela o amava. Sempre o amaria. Isso fazia tanto sentido… Quem não amaria Marcus Holroyd?"

Foi incrível poder conhecer um pouco sobre os membros da família Smythe-Smith, que ficaram conhecidas na série dos Bridgerton, por sempre tocarem em um concerto anual em Londres, e também por serem terríveis (e elas tem noção disso, mas se trata de uma tradição familiar). Também adorei o fato de rever alguns personagens antigos, como Gregory Bridgerton e da velha Lady Danbury.

Como de costume, "Simplesmente o Paraíso" segue o mesmo caminho dos livros anteriores de Quinn, apesar dos personagens serem diferentes a receita usada é a mesma. É um verdadeiro clichê, mas impossível de não gostar. E o que eu mais gostei durante a leitura foi que eu dei boas risadas, a Honoria e as mulheres de sua família são bastante engraçadas, um outro talento além de não serem nada afinadas.

Se você gosta de romances de época "Simplesmente o Paraíso" é um livro que vale a pena, assim como os restantes da Julian Quinn. Essa mulher vem fazendo um ótimo trabalho, criando personagens apaixonantes, enredos interessantes e histórias incríveis!

site: http://escritorawhovian.blogspot.com.br/2017/04/resenha-simplesmente-o-paraiso-quarteto.html
comentários(0)comente



Três Leitoras 18/04/2017

Resenha: Simplesmente Paraíso
Marcus Holroyd, é o nosso mocinho Conde ou Conde Mocinho rs. Bem jovem havia perdido sua mãe, e seu pai apenas cumpriu o seu papel de pai de forma mecânica, mas como uma obrigação de criar a criança do que aquele que daria amor e carinho. Dedicou o tempo do filho com estudos e disciplinas, afinal herdaria seu nome e sua fortuna. Deveria no mínimo ser um bom menino.

Quando chegou aos seus 12 anos, ele era uma criança praticamente adulta, pois não tinha amigos. Mas as coisas mudaram a partir do momento em que ele foi enviado para o colégio, e lá conheceu Daniel Smythe-Smith o garoto popular daquela época, e por este firmou uma amizade verdadeira, passando a ser considerado um membro da família rapidamente.

Um acontecimento grave alguns anos mais tarde, acontece com Daniel, que fez Marcus prometer que se responsabilizaria por zelar pelo bem-estar de Honoria Smythe-Smith, em especial - como dito por Daniel – com pretendentes imbecis.
Assim, Marcus a observava de longe e havia silenciosamente espantado um ou dois pretendentes.
Ou três. Talvez quatro.

Honoria Smythe-Smith é a filha caçula de lady Winstead. Todas as suas irmãs já estão casadas e ela, aos 21 anos, está desesperada. Prestes a participar de mais uma temporada social em Londres, deseja encontrar mais do que alguém que lhe dê status e uma aliança. Quem leu a série dos Bridgertons irá lembrar do quarteto de uma dos infinitos bailes, mas se eu disser que são as irmãs que tocam muito mal, vocês logo vão se lembrar rs
- Você precisa melhorar - sussurrou Honoria. - Não sei o que farei se você não melhorar. - Então, tão baixinho que ele mal a escutou, acrescentou: - Talvez você seja meu porto seguro.


O livro não tem muitos personagens e o foco fica nos dois protagonistas, eu gostei bastante dos dois. Honoria, apesar de também se envergonhar das apresentações, acha bonito ter uma tradição familiar e faz questão de honrá-la.



site: http://www.tresleitoras.com.br/2017/03/resenha-simplesmente-paraiso.html Concluído
comentários(0)comente



Nicoly Mafra - @nickmafra 17/04/2017

Resenha - Simplesmente o Paraíso
Acho que nunca postei aqui uma resenha de um dos livros da Julia Quinn, e nunca falei o quando eu os adoro; pois bem, eu adoro os livros da Julia Quinn. Adoro com as leituras são fluídas, os personagens cativantes, os romances fofos e os enredos engraçados. Quando soube que a @editoraarqueiro iria publicar uma nova série da Julia Quinn aqui no Brasil fiquei muito feliz, e é claro, garanti o meu box do Quarteto Smythe-Smith assim que foi possível. Simplesmente o Paraíso é o primeiro volume desta nova série.

Marcus Holroyd e Daniel Smythe-Smith são amigos de infância. Depois de alguns anos de amizade, quando os garotos já estão mais velhos, Daniel se meteu em um grande problema e tem que fugir do país para que fique em segurança; porém, antes de partir, Daniel fez um pedido ao seu amigo: que Marcus cuide de sua irmã mais nova, Honoria, e fique de olho para que ela não se case com o homem errado.

O único desejo de Honoria é que ela consiga se casar logo. Mesmo querendo trazer tranquilidade à sua mãe e querendo começar uma família, o motivo da pressa da garota é evitar sua participação no concerto anual que as moças solteiras da sua família realizam todos os anos, e é sempre um desastre. Honoria está de olho em Gregory Bridgerton, acha que ele seria um bom partido e até cria um plano de como poderia criar uma situação para que eles se aproximassem; porém, Marcus aparece e o plano de Honoria não dá muito certo.

Simplesmente o Paraíso é um livro fofo, porém, sinto que faltou um brilho extra, o livro não me cativou tanto quanto os outros livros da autora. Achei o livro bem morninho, o romance demorou a ser desenvolvido, não achei que os personagens tivessem tanta ligação... Enfim, foi uma leitura boa, mas nada que me fez suspirar e morrer de amor igual aos outros livros da autora.

Mesmo não tendo aproveitado a leitura do modo que eu esperava ter aproveitado, sempre vou recomendar os livros da Julia Quinn. Gosto muito da escrita da autora, suas obras são sempre uma excelente escolha para aquele momento que precisamos ler algo mais fofo e leve. Espero conseguir ler o segundo livro da série, Uma Noite Como Está, em breve; estou bem curiosa para saber se vou gostar mais deste próximo livro.

site: www.instagram.com/nickmafra
comentários(0)comente



LuluhSH 16/04/2017

Marcus é o conde de Chatteris, filho único que nunca teve exatamente uma família unida e amorosa, mas que encontrou tudo isso com os Smythe-Smith, a família de Daniel, seu grande amigo dos tempos de escola e agora Conde de Winstead.
Honoria é a irmã mais nova de Daniel, e cresceu junto de Marcus, portanto eles se conhecem desde a infância. Ela faz parte da famosa família de irmãs e primas que protagonizam há vários anos um recital, mas o detalhe é que nenhuma, ou poucas delas, realmente têm talento para a música.
Por conta de uma bebedeira e de um jogo de cartas que não terminou de uma forma muito amistosa, Daniel se viu obrigado a deixar a Inglaterra, e pediu ao amigo Marcus que cuidasse de sua irmã Honoria, para que ela não se casasse com ninguém inadequado.
O enredo em si não empolga muito, não há grandes acontecimentos, e um tal fato lá que se passa com o Marcus acaba tomando boa parte do livro, a história toda se arrasta por não sei quantos capítulos, o que tornou, ao menos para mim, tudo meio chato, arrastado demais. Tem bons momentos, quando as primas estão ensaiando e quando Lady Danbury e sua bengala aparecem em cena, dá pra rir bastante. E eu gostei do Marcus, um cara mais sério, mas com um senso de humor sarcástico, ele não é de sorrisinho fácil e não é aqueles libertinos que se regeneram.
comentários(0)comente



Bruna 14/04/2017

"- Eu estava pensando que este momento é simplesmente o paraíso".
.
.
Esse é o segundo livro que leio da JQ, o primeiro foi O Duque e Eu. Simplesmente o Paraíso é bem diferente do que eu esperava, mas isso não é um ponto negativo, porque eu realmente gostei. Ele só é mais morno do que quente.
O livro é o primeiro da série Quarteto Smythe Smith e apesar da premissa ser a indigesta apresentação musical do quarteto a história vai além e esse se t Eba apenas um elemento do livro que nos contará a história da doce, sonhadora e forte Honória e do tímido e engraçado Marcus, juntos eles nos presentearão com um lindo romance de época {suspiros} aquele fofos sabem? Com todos os típicos bailes, cortejos, passeios ao jardins, rubores e selinhos roubados. Os dois praticamente cresceram juntos, como melhor amigo do irmão mais velho de Honória, Marcus era praticamente da família, mesmo porque o moço não tinha uma realmente, mas nem pensem em drama, ele é muito bem resolvido com isso. Pois bem, eles cresceram juntos e agora, depois de um tempo afastados eles se esbarram novamente. E muitas águas vão rolar até que eles se deem conta do que está acontecendo com e de que o status ultrapassou a friendzone. Mas sabe como é a vida de mocinha de época né?! Um eterno baile de mal entendido e conclusões precipitadas!
Maiiii genteeee se tem uma coisa que amei foi ver os Bridgertons por aqui! Na verdade foi demais essa jogada da autora em fazer as duas séries se encontrar! Genial! Brilhante! Amei! Mas tenho por mim que Marcus no gostou muito da aproximação dos irmãos Bridgerton 🥖 daquela área 😏!
A leitura e leve e deliciosa, a escrita fluida, a trama articulada e os personagens são mais que daquele tipo que você se apaixona logo de cara!

site: https://www.instagram.com/naoemprestolivros/
comentários(0)comente



CuraLeitura 14/04/2017

Julia Quinn tem um jeito só dela de escrever, misturando, seriedade com um pouco de leveza e situações absurdas que acabam arrancando risadas a cada página.
Neste volume iremos conhecer Honória Smythe - Smith. Filha caçula, com todas as irmãs já casadas e com o irmão banido da Inglaterra por conta de uma briga num bar. Após a partida do irmão as pressas para a Itália, a mãe de Honória se transformou em uma pessoa apática e que não se preocupa muito com a vida da filha, sendo assim, Honória encontrou nas primas e no famoso quarteto musical seu porto seguro. Mas não se enganem, o quarteto é conhecido pela falta de talento de todos os participantes. O quarteto vem de longa data e é sempre substituído por outra moça, quando alguma pertencente ao quarteto se casa. Ah, e todas devem ser da família Smythe - Smith.

Não aguentava mais o silêncio que se abatera sobre seu lar. Odiava o som dos próprios passos sobre o piso, odiava o fato de, com frequência, serem o único barulho que ouvia por toda tarde.

Marcus Holroyd é o melhor amigo de infância de Daniel, o irmão de Honória. Filho único e com um pai bastante frio e severo, encontrou no lar de Daniel, abrigo, amor e o significado de família. Por isso, quando Daniel o pede para que ele fique de olho em Honória para que a mesma não faça um mal casamento, Marcus não pensa duas vezes, e acata o pedido do amigo.

Assim, Marcus observava de longe e havia silenciosamente espantado um ou dois pretendentes. Ou três. Talvez quatro. Prometera a Daniel. E Marcus Holroyd não quebrava suas promessas.

Por esse motivo Marcus retorna a cidadezinha na Inglaterra, pois logo começara uma temporada de bailes, que é onde vários casamentos são arranjados. A volta de Marcus reacende a amizade de longa data entre ele e Honória. Por ser tímido, Marcus é conhecido com sério e frio, o que não é verdade; Ele é um amor, mas só consegue ser ele mesmo com sua amiga Honória.

“Não ocorrera a Marcus até aquele momento, mas Honoria era a única mulher conhecida que falava francamente com ele, inclusive com algumas saudáveis doses de sarcasmo.”

E é em uma das tramas de Honória para fisgar um marido que Marcus acaba caindo em profunda enfermidade, já que foi ele quem caiu na armadilha, e agora vendo o estado que ele se encontra Honória parte para sua casa junto com sua mãe para cuidar dele e o que era para ser apenas um auxílio torna-se o início de uma história de amor que ninguém esperava que fosse de fato acontecer.



Para quem já leu a Série Os Bridgertons, já conhecem de fato o quarteto Smythe - Smith com seu famoso e horrível recital anual. Eu sempre quis saber mais sobre as garotas do grupo e quando vi que a Arqueiro de fato, traria os livros dessa série eu fiquei muito feliz.
Julia Quinn tem um jeito só dela de escrever, misturando, seriedade com um pouco de leveza e situações absurdas que acabam arrancando risadas a cada página.
Eu gostei muito dessa história, nela contem não só amor, mas amizade e o mais bonito, mostra que somos capaz de tudo pela família. Honória tem noção de que o quarteto toca mal, mas acha os recitais maravilhosos, pois assim pode passar mais tempo junto com suas queridas e amadas primas.
A relação de amizade entre Daniel - Marcus - Honória, é lindo de se ver, é notável que eles já pertencem e consideram um ao outro um integrante da família.
A parte cômica sempre presente nos livros da Julia Quinn neste volume mostra - se acentuado, já que várias pessoas descrevem e comentam sobre o horror a falta de talento e as inabilidades das primas como musicistas.
Outra coisa que irá agradar os fãs da série os Bridgertons é que hora ou outra é possível nos depararmos com um dos irmãos além de suaves conexões com os livros anteriores.
Outra pessoa que marca presença é a maravilhosa Lady Danbury, a mesma é tia avó de Marcus e como sempre acaba se intrometendo na história, neste caso foi até muito bom da parte dela.

Lady Danbury o encarava com um sorrisinho afetado. Ela gostava de zombar de seus interlocutores; certa vez dissera a Marcus que a melhor parte de envelhecer era poder falar qualquer coisa que desejasse e se manter impune.

Sobre a capa, está maravilhosa, a Arqueiro trouxe um trabalho bem bonito nessas edições, a capa é aveludada com desenhos de partituras na parte em preto. As folhas são amareladas, a fonte está ok, e a revisão traz alguns errinhos mas nada que prejudique a obra.

site: http://www.curaleitura.com.br/
comentários(0)comente



Dani 14/04/2017

Livros & Café
Essa semana, li o último livro da série "Os Bridgertons". Quando terminei a leitura do livro, me bateu uma saudade enorme dessa família maravilhosa que eu tanto amo. Ainda bem que existe “O Quarteto Smythe-Smith” para sanar um pouco da saudade que estou sentindo.

No primeiro livro da série, conheceremos Honoria Smythe-Smith. Para quem já leu “Os Bridgertons” conhece bem este famoso quarteto musical de jovens que, infelizmente, não são nem um pouco talentosas. É uma tradição que todas as mulheres Smythe-Smith - que ainda fossem solteiras -, deveriam ocupar seu lugar no quarteto musical. Honoria enfrenta todos os momentos constrangedores durante as apresentações de cabeça erguida, ela reconhece que ela, assim como as outras mulheres, não possuem talento para tocas os instrumentos. Quando criança, Honoria vivia no pé de seu irmão Daniel e o amigo dele, Marcus. Mas, por ser menina, eles nunca a deixavam brincar com eles, com isso, ela foi apelidada de “percevejo”. Agora, Honoria é uma jovem adulta em busca de um marido, e ela já tem um pretendente à vista… Gregory Bridgerton. Contudo, o que ela nunca imaginou era se apaixonar pelo amigo de seu irmão.

“Inclinou-se para a frente, tomou o rosto dela entre as mãos e capturou sua boca em um beijo apaixonado. Honoria se sentiu arder, então derreter e quase evaporar. Teve que se controlar para não rir alto de tanta alegria e se ergueu na ponta dos pés para tentar chegar mais perto.”

Marcus Holroyd é um homem que não gosta de toda a agitação, dos bailes da sociedade. Ele sempre foi uma pessoa muito discreta, tímido na verdade. Mas quando Daniel precisou sair do país, ele prometeu ao amigo que cuidaria de sua irmã, afugentando todos os pretendentes que ele julgasse inadequado. Quando Honoria monta uma armadilha para fisgar um certo pretendente, Marcus é vítima da artimanha de Honoria e depois do ocorrido, o jovem adoece. Sentindo-se culpada, Honoria passa todo o tempo cuidando de Marcus. Mas o que eles não esperavam era que os sentimentos dos dois mudariam após esses períodos juntos.

“Passou a vida inteira sendo um perfeito cavalheiro. Nunca foi um paquerador. Nunca foi um malandro. Odiava ser o centro das atenções, mas por Deus, queria ser o centro da atenção dela. (...) ”

Eu passei a gostar dos romances da autora pela forma leve e descontraída que ela constrói suas histórias. Não esperava que fosse me apaixonar mais uma vez por essa nova série. Pensei que meu amor se restringiria apenas aos Bridgertons, mas estava enganada, tenho espaço suficiente em meu coração para mais e mais livros da Julia Quinn. Estou encantada com esse livro, apaixonada pelos personagens, pelo romance, pelo amor que cerca a família de Honoria. Este é um dos pontos que mais amo nos livros da Julia, a forma como ela trabalha o amor entre irmãos, entre amigos... todos os tipos de amor. De que não é preciso nascer em uma família para fazer parte dela, ser amado pelos membros desta família. Marcus nunca foi amado verdadeiramente pelo pai, nunca teve uma boa base familiar, porém, quando ele é acolhido pela família do amigo, ele passou a sentir como é fazer parte de uma família amoroso e que se preocupa com ele.

“Simplesmente o Paraíso” ganhou um pedaço enorme em meu coração. Julia Quinn trouxe mais um romance de época lindo, emocionante, delicado, leve e divertida. Mesmo sendo um romance que a maioria consideraria bem clichê, eu recomendo!

site: www.livrosecafe.com
comentários(0)comente



Samara MaiMa 13/04/2017

Design
======
Até achei que a Arqueiro tinha conseguido acertar com o projeto gráfico do quarteto Smythe-Smith. Apesar de ainda termos nossas queridas moças de cabeças cortadas, a arte das capas em si estão bem bonitas, as escolhas das cores para compor cada uma, a composição de cada foto.

Tá bem que eu esperava que uma das capas fosse amarela, pra poder compor uma paleta mais harmônica, porque do jeito que ficou temos dois livros rosas, mas né. Tudo bem.

Eu gostei bastante da tarja de fundo preto com os frisos dourados no topo da capa, com uma valorização enorme para o nome da autora em uma fonte bastante caligráfica. O título propriamente dito está em uma fonte romana e em caixa alta, acredito que para conseguir equilibrar com o peso que Julia Quinn ganhou. Por fim, dentro da pílula branca tem o nome da série e o número do volume!

site: http://parafraseandolivros.com.br/2017/04/simplesmente-o-paraiso-julia-quinn/
comentários(0)comente



Adriana 12/04/2017

Simplesmente o Paraíso de Julia Quinn
Como não amar um livro da Julia Quinn????

Pois é. Este é o primeiro livro do quarteto Smythe-Smith e vamos conhecer um pouco sobre Honória e Marcus que se conhecem desde crianças. E por Honória ser cinco anos mais nova que o irmão Daniel e seu melhor amigo Marcus, e por querer sempre se juntar/atrapalhar as brincadeiras dos dois, foi apelidada de carrapato.

Marcus é filho único e foi "criado" por um pai muito rígido e ausente para ser o futuro Duque de Chatteris. E sendo extremamente tímido, quando chegou a escola, foi acolhido por Daniel Smythe-Smith. Os dois se tornaram grandes amigos e quando chegavam as ferias escolares Marcus ficava mais na casa do amigo do que na dele. E com o tempo ele passou a considerar os Smythe-Smith como parte se sua família também.

Anos depois, Daniel é obrigado a ir embora do país e faz Marcus prometer que irá cuidar para que Honória não se case com alguém inapropriado. E é isso que ele faz. É claro que sem a moça se quer suspeitar.

Honória precisa urgentemente arranjar um marido. Pois este é o único modo de se livrar de se apresentar no bendito conserto que a família apresenta todos os anos. Aterrorizando os convidados com a musica pavorosa.

Sim, ela tem consciência de que todas são péssimas, e sim, por mais insano que pareça ela gosta de se apresentar mesmo sabendo disso. Ela preza a tradição e principalmente pela família que tanto ama. Porem ela já chegou ao seu limite de apresentações horríveis. Ela só não entende por que ainda não arrumou um marido. Alguns cavalheiros se mostraram interessados e apesar de um dote consideravelmente bom, simplesmente sumirem do nada...
"- A prática leva a perfeição (...)
- Estamos prontas - indagou Honória
As violinistas ergueram seus instrumentos.
As mão da governanta pairaram sobre as teclas do piano.
Iris deixou escapar um gemido de infelicidade, mas ainda assim levou o arco ao violoncelo.
Então o horror começou."
Honória é a unica pessoa com que Marcus se sente a vontade para ser ele mesmo. E com a chegada de mais uma temporada, ele se prepara para voltar à Londres e observa-la com seus futuros pretendentes.
"Ele a amava. Ele a queria. Ele precisava dela."
Depois de um encontro por acaso, os dois reforçam a amizade que foi um pouco afastada depois que Daniel foi embora. Com o passar dos dias Marcus percebe que a garotinha tagarela de suas lembranças deu lugar a uma linda mulher que não sai dos seus pensamentos.
Por outro lado Honória, que antes só via Marcus como amigo, começa a perceber que gostaria muito que ele se tornasse algo mais.

É um romance de época muito fofo.
Porem não espere que ele tenha cenas picantes como na serie dos Bridgertons. Nesse ponto, ela é uma serie mais morna, mais amena. Mas nem por isso inferior. Muito pelo contrario. Pois o padrão da escrita da Julia Quinn continua maravilhoso.
Sem contar que matamos a saudade de Colin e Gregory Bridgerton e de Lady Danbury que aparecem neste livro .


site: http://www.meupassatempoblablabla.com
comentários(0)comente



Beta 11/04/2017

Bem-vindos ao quarteto mais desafinado da história...
E finalmente pude conhecer o famoso Quarteto Smythe-Smith! Famosos por seus péssimos concertos, meu primeiro contato com essas meninas não musicais foi lá em Os Bridgertons.

Para quem já conhece a escrita de Julia Quinn não se surpreende nem um pouco com as altas doses de gargalhadas e os suspiros romanticos ao ler esse spin-off. Com aquele sarcasmo e romantismo, Julia vai nos conduzindo em uma história encantadora.

Honoria Smythe-Smith faz parte do famoso Quarteto Smythe-Smith, mas ela não se engana e sabe bem que não possui nenhum talento musical. Esta será sua temporada, disposta a arrumar um marido, Honoria escolhe Gregory Bridgerton, o mais novo da família Bridgerton, como seu suposto pretendente. Ela sabe que não está apaixonada, mas Gregory é um rapaz de boa reputação e boa família.

Marcus Holroyd é o melhor amigo de Daniel, irmão de Honoria, que vive em exílio na Itália. Com o dever de olhar por Honoria e não deixar que ela escolha qualquer um para ser seu marido, Marcus sempre está aonde não gosta, ou seja, no meio da sociedade londrina em plena alta temporada.

Mas o que aos olhos dele nunca parece ser o candidato ideal para Honoria, pois nenhum dos cavalheiros é bom o suficiente para a jovem. Marcus começa a pensar que talvez o par ideal para a irmã de seu melhor amigo seja alguém que a conheça bem, que saiba seus gostos, sua qualidades, alguém, talvez, como ele.

Gostoso e divertido, Julia Quinn nos brinda com esse spin-off divertidíssimo tendo como protagonista o famoso Quarteto Smythe Smith. Honoria é uma personagem carismática, engraçada e romântica, o par ideal para o tímido Marcus, que apesar da infância difícil e solitária, encontrou uma família no meio do melhor amigo, Daniel Smythe-Smith.

O livro traz uma mensagem muito bonita sobre a importância da família e da amizade. E claro, poder reencontrar alguns dos Bridgertons nesse primeiro volume só enriqueceu mais a história!

A trama é bem leve e romântica, mesmo a clássica cena da primeira noite de amor entre os protagonistas foi romântica e bem leve. A única coisa que me incomodou um pouco, foi a rapidez com que o fim do livro ocorreu. Em um momento você ainda tá suspirando e torcendo pro casal, no seguinte, o epílogo.

Recomendadíssimo para os fãs da série Os Bridgertons.

site: http://www.coracaodetinta.com.br/2017/03/resenha-371-simplesmente-o-paraiso.html
comentários(0)comente



clarinha 11/04/2017

Amei
É viciante e não parei de ler até a última página.
comentários(0)comente



87 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6