Uma Noite Como Esta

Uma Noite Como Esta Julia Quinn




Resenhas - Uma noite como esta


52 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


LOHS 24/05/2017

Um romance que nos cativa ao longo da leitura
Uma Noite Como Esta é o segundo livro do Quarteto Smythe-Smith, a nova série da Julia Quinn publicada pela editora Arqueiro. O primeiro título da série, Simplesmente o Paraíso (Resenha), contou a história de Honoria Smythe-Smith e o amor que nasceu da longa amizade com Marcus Holroyd, conde de Chatteris e também melhor amigo de seu irmão mais velho, Daniel Smythe-Smith.

Agora, vamos acompanhar a volta para casa de Daniel Smythe-Smith, conde de Winstead. Três anos antes, Daniel se envolveu em um duelo de cavaleiros com seu amigo Hugh Prentice. Tudo por conta de muita bebida e um jogo de cartas. A questão é que, como os dois jovens cavalheiros estavam extremamente alcoolizados, ambos erraram a pontaria e atiraram de fato no adversário (o que não era a intenção de nenhum dos dois, diga-se de passagem). Daniel levou um tiro no ombro e Hugh na coxa, só que uma veia foi atingida e Hugh quase perdeu a vida.
Embora Daniel tenha tentado se desculpar pelo erro, o pai de Hugh não o perdoou pelo fato do filho ter se tornado “incapaz” (explicando: Hugh ficou manco da perna ferida).
Por isso, Daniel passou os últimos três anos fugindo por todo o continente europeu de assassinos contratados para matá-lo.

As boas novas chegam quando Hugh reencontra Daniel na Itália e lhe explica que conseguiu convencer o pai a não tentar matar o amigo mais. Então, Daniel pode finalmente voltar para Inglaterra.

Daniel chega em exatamente a tempo de uma apresentação do terrível e famoso “Quarteto Smythe-Smith”. Mas imaginem a surpresa do rapaz quando uma jovem desconhecida (que com certeza não é nenhuma de suas primas) está tocando o piano. A garota prende a atenção de Daniel a noite inteira.

"Ora, ora, aquilo era um mistério. Daniel sabia (porque a mãe lhe dissera várias vezes) que o Quarteto Smythe-Smith era composto de jovens damas Smythe-Smiths solteiras, e ninguém mais. A família, na verdade, tinha muito orgulho disso, de produzir tantas moças com talento musical (palavras da mãe de Daniel, não dele). Quando uma delas se casava, há havia outra esperando para assumir a posição. Nunca haviam precisado que alguém que não pertencente à família ocupasse um lugar no quarteto. Na verdade, a questão principal era: que pessoa não pertencente à família iria querer ocupar um lugar no quarteto?"
Daniel, p. 23

Anne Wynter é uma excelente governanta, porém extremamente bela - o que já lhe causou muitos problemas na vida. Atualmente Anne se encontra em um trabalho ideal, cuidando das jovens garotas Pleinsworth, Harriet, Elizabeth e Frances - irmãs mais novas de Sarah Pleinsworth (pianista do Quarteto Smythe-Smith e protagonista do terceiro livro, A Soma de Todos os Beijos). Anne esconde um grande segredo, ninguém sabe muito sobre sua história de vida e ela faz o impossível para permanecer sempre nos bastidores da sociedade.

É com grande surpresa e temor que Anne se vê obrigada a tocar o piano durante o concerto das Smythe-Smith, já que a jovem Sarah acabou ficando “doente” inesperadamente.

Logo após a grande apresentação com as jovens Smythe-Smith, Anne se prepara para voltar à casa das Pleinsworth quando é agarrada por um jovem desconhecido! Logo a garota descobre que ele é ninguém menos que o jovem conde de Winstead, Daniel Smythe-Smith.

"Santo Deus, ela precisava fazê-lo compreender. Não importava quem era ele, ou como a fazia se sentir. A empolgação da noite... o beijo que haviam trocado... aquilo era efêmero. O que importava era que ela tivesse um teto sobre a cabeça. E comida. Pão, queijo, manteiga, açúcar e todas as coisas maravilhosas que tivera todos os dias durante a infância. E que tinha agora, com os Pleinsworths, além de estabilidade, um emprego e amor-próprio. Anne não subestimava essas coisas."
Anne, p. 39

A partir dessa noite Daniel arrumará todo o tipo de desculpas imagináveis e algumas não tão imagináveis assim para se aproximar ainda mais da srta. Wynter. Anne porém, por causa de seu passado e dos segredos que guarda, faz tudo o que pode para se manter longe de Daniel e dos sentimentos que começa a desenvolver pelo jovem cavalheiro.

E Daniel, após tantos anos sem contato com outras pessoas, volta para casa um tanto quanto “selvagem”. Mas aos poucos começa a voltar a ser o jovem sorridente e educado que era. Embora seu novo objetivo seja de descobrir todos os segredos da jovem governanta de suas primas, a srta. Wynter.

"-Desejo beijar a senhorita. É isso que quero que saiba. Porque, se não vou beijá-la, e parece que não vou, porque não é o que a senhorita quer, ao menos não neste momento... se não vou fazer isso, a senhorita precisa saber que eu queria beijá-la. - Daniel fez uma pausa e fitou a boca de Anne, seus lábios carnudos e trêmulos. - Ainda quero."
Daniel, p. 105

Nessa “brincadeira de gato e rato” tanto Anne quanto Daniel criarão fortes sentimentos, mas, como nem tudo é flores, ambos terão que lidar com ataques contra suas vidas e lutar contra os terríveis passados que ambos tentam esquecer todos os dias.

"Uma paixão louca, era disso que se tratava. Uma fantasia estranha e vertiginosa. Com certeza não era o primeiro homem a se ver tão rapidamente arrebatado por uma linda mulher. Mas enquanto se acomodavam em seus assentos, na sala de refeições cheia da estalagem, Daniel a fitou do outro lado da mesa e não foi sua beleza que viu. Foi seu coração. Sua alma. E teve a profunda sensação de que sua vida nunca mais seria a mesma."
Daniel, p. 150

Uma Noite Como Esta foi um romance que não me cativou inicialmente porque achei Daniel abusivo no início, como quando agarra Anne logo no começo sem a permissão da moça. Só que ao longo da narrativa vamos compreendendo um pouco de tudo o que ele passou nos últimos três anos e a falta total de contato humano em sua vida - não que isso seja desculpa, mas amenizou um pouco a situação.

Ao mesmo tempo, Anne é uma moça simples que sofreu muito na vida por ter confiado em homens errados. Ela é linda, mas também inteligente, bondosa e competente. Só que a sua beleza também lhe custou outros empregos. É por isso que a jovem está muito feliz em seu cargo de governanta das Pleinsworth e morre de medo de sair prejudicada ao deixar Daniel se aproximar.

Para a relação dos dois dar certo, ambos terão que reaprender a confiar e partilhar os segredos que guardam. O que é ainda mais difícil do que simplesmente se apaixonar.

Apesar desse livro ter como enfoque o relacionamento de Daniel e Anne, as jovens Pleinsworth (Harriet, Elizabeth e Frances) praticamente roubam grande parte das cenas. Elas são extremamente cativantes e é muito bom saber que iremos acompanhar mais aventuras delas nos próximos livros do Quarteto Smythe-Smith (A Soma de Todos os Beijos e Os Mistérios de Sir Richard).

Uma Noite Como Esta, assim como todos os outros livros da autora, é uma leitura fluída e rápida. Este, porém, foi um livro que fui aprendendo a gostar ao longo da narrativa e do desenvolvimento dos personagens. É também um título que carrega muito mistério em torno dos segredos e do passado de Anne, além de uma grande tensão por conta dos inúmeros “acidentes” que Daniel e Anne têm sorte de sobreviver. Com certeza é uma história diferente, mas com aquele tipo de romance que só encontramos no gênero e um pequeno toque já familiar da forma de escrita de Julia Quinn. Livro recomendado! ;)

site: http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/2017/05/uma-noite-como-esta-quarteto-smythe.html
comentários(0)comente



Ellem - @colecionandoprimaveras 18/05/2017

Daniel Smythe-Smith está de volta a Londres, depois de três anos fugindo. Ele chega em casa bem no dia do famoso concerto anual das Smythe-Smiths e, para não 'atrapalhar' as meninas, fica espiando a apresentação por uma brecha na porta e fica logo surpreso ao notar que a moça que está ao piano não é uma de suas primas.
Daniel a observa durante toda a apresentação e se encanta por ela, decidindo que precisa beijá-la.

Anne é a governanta das primas menores de Daniel e foi meio que obrigada a se apresentar no concerto, porque uma das meninas fingiu estar doente. Ela é uma moça muito bonita e de ótimos modos, mas esconde um passado e tem muito medo que alguém a encontre.

Ao final da apresentação, quando está tentando se esconder da multidão, ela dá de cara com Daniel e é praticamente amor à primeira vista, mas ela preza muito pelo seu emprego e pelo pouco de segurança e estabilidade que conquistou e fará de tudo para não se envolver com alguém tão importante como ele.

Eu nem preciso dizer que amei a leitura né?! Com Julia Quinn não tem erro.

A narrativa é leve e divertida, como sempre, mas aborda um tema bem importante. O enredo tem um toque de mistério, mas a autora não enrola muito a gente, revela o suspense na hora certa e, ao invés de deixar a história sem graça, depois que a gente descobre os segredos, tem é vontade de ler mais haha'

A Anne é uma das melhores protagonistas que a Julia criou. Muito forte e independente e ao mesmo tempo, doce. O romance entre ela e o Daniel é muito bonitinho (Julia Quinn tem mesmo as manhas de criar casais ♥), é impossível não shippar os dois logo nas primeiras páginas.

E eu amei as primas do Daniel, elas são muito engraçadas e espirituosas. Harriet me lembrou muito a Hyacinth (de Os Bridgertons), sempre com uma resposta pronta na ponta da língua.

Eu recomendo muito Uma Noite Como Esta, li ele todo em uma tarde, porque não conseguia largar. É aquele tipo de história que você ri, se emociona, suspira, se apaixona... bem do jeito que a gente ama ♥.

site: http://www.colecionandoprimaveras.com.br/2017/04/resenha-uma-noite-como-esta.html
comentários(0)comente



Livros Encantos 12/05/2017

Uma linda história sobre recomeços, confiança e esperança que o amor consegue superar os maiores medos e segredos...
A Escrita da autora a cada livro me fascina, com toda delicadeza e emoção, cada personagem carrega uma linda história de vida que cruza com um Smythe Smith deixando o leitor repleto de carinho por essa família.

Esse é o segundo livro da série Quarteto Smythe Smith protagonizado por Daniel Conde e irmão de Honoria ( Livro 1).
A Sinopse em si já deixa o leitor bem informado sobre pontos importantes dessa linda história.

Assim que volta,após anos fora devido a uma ameaça a sua vida, ele conhece Anne na apresentação famoso de nosso não tão maravilhoso Quarteto em questão de gosto musical rs...
Ele se encanta com a beleza da moça que está ao piano, Um beijo roubado e muitos sentimentos explodem...
Anne irá ajudar Daniel após uma briga, ele está encantado por sua beleza, ela se retrai muito para se manter isolada sem que ninguém a note.

Com a desculpa de ver suas primas, Daniel a vê novamente, os sentimentos de ambos está crescendo cada vez mais, porém Anne sabe que sua condição social e seu passado não a deixam sonhar com esse amor.

Anne tem um passado triste, sempre com medo que descubram seus erros. Deixou para trás sua família, vivendo com medo de descobrirem seu paradeiro.
Seu passado vai bater a porta, a deixando sem saída a não ser fugir e deixar tudo para trás novamente .
Em perigo vai buscar ajuda nos braços de seu amor.... que a receberá com todo amor que sente, afinal quem ama cuida e protege.

Ainda estou suspirando após a leitura desse livro, foi tão amorzinho o romance entre Daniel e Anne.

Daniel é um homem lindo, íntegro, ao retornar para sua casa, após um grande mal entendido, conhece uma linda mulher que o abala, Ele vai em busca de sua felicidade, ignorando status sociais o que importa para ele após aquela noite, é ser feliz ao lado da mulher que ama.

Anne me surpreendeu por sua coragem, mesmo após tudo o que aconteceu seguiu sua vida, deixando tudo para trás, sua fuga foi para proteger as pessoas que ama e gosta. Os perigos que enfrentou a deixaram mais forte para buscar refúgio no amor. A cena onde revela todo seu passado foi emocionante em ver toda sua dor sendo colocada em palavras.

Joyce
Livros Encantos

site: http://www.livrosencantos.com/2017/03/uma-noite-como-esta-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Tatiana.Bianque 11/05/2017

Sou fã de um bom mistério...
Minha curiosidade alcança níveis altíssimos se for bem estimulada, e é disso que se trata quase toda esta história, lentamente, de forma doce e clichê...
Anne é cautelosa, esperta e reservada, mas divertida quando está perto do Daniel, este se mostrou muito interessante, sempre determinado a ter o que quer, quando esta história começa a se desenvolver não se sabe quem tem mais segredos, Daniel ou Anne.
Assunto bem abordado, pessoas boas são iludidas, inocentes pagam pelos pecadores, injustiça, vingança ... as vezes é difícil seguir em frente, diante dos obstáculos e provações da vida com suas consequências. Outro ponto é a Família, acho extremamente agradável e reconfortante a união familiar nestas famílias enormes, em todas as circunstâncias e mesmo com diferenças de opinião,há sempre muito carinho e cumplicidade, respeitam tradições, mesmo as ruins, rs... É sempre gostoso viver a vida desses personagens e muito difícil abandoná-los.
Neste final tivemos mais ação, mas acho que a autora podia ter extrapolado mais um pouquinho, foi satisfatório, mas a gente sempre quer mais, né....
comentários(0)comente



Ana 09/05/2017

Amor à primeira vista
Como falei no livro anterior, cada personagem tem uma história diferente para contar, dessa vez nossa heroína venceu o preconceito.
Anne Wynter sofreu durante oito anos. O motivo? Por acreditar em um homem que só queria brincar com os seus sentimentos, por isso acabou cometendo um dos piores erros da sua vida, ter entregado seu coração e corpo a quem não merecia. Foi banida por tentar se defender e teve que abrir mão da ligação com sua família, não bastava isso, teve que trabalhar como acompanhante, governanta. Até que chega na casa da família Pleinsworth para cuidar de Frances, Harriet e Elizabeth.
Como vocês sabem, o concerto da família Smythe - Smith é a pior coisa que uma platéia poderia querer ouvir.
Daniel Smythe Smith volta de seu refúgio da Itália, e vai ao conserto das primas e a primeira pessoa que vê é Anne ao piano.
A história vai se desenvolver com os segredos que nossa protagonista tenta esconder durante tantos anos, até que Daniel tenta fazer com que ela se abra para contar algo do seu passado. O primeiro encontro do casal é algo sexy e conturbados. Sim, tem um beijo logo de início.
comentários(0)comente



LadyRoob 07/05/2017

Livro maravilhoso!!
Essa sequência pisou no primeiro livro, tudo que a Julia deixou faltar em Simplesmente o Paraíso foi colocado nesse livro!
Toda a trama, toda a história, os personagens, tudo deixou com um gostinho de quero mais!
Nesse livro temos Anne, ou Srta. Wynter como é chamada. Anne é governanta de três meninas dóceis, extrovertidas e só um pouco hiperativa. No grande dia do Recital dos Smythe-Smith, Anne tem que substituir a Srta. Sarah que acabou podendo comparecer.
E nessa noite, Anne conhece Daniel Smythe-Smith, Conde de Winstead.
Daniel acaba de voltar a Londres depois de três anos exilado depois de um erro quando estava bêbado. Logo na noite que retorna, o rapaz conhece a bela moça que desde então vem tomando os seus pensamentos.
Com isso, ele passa a visitar as primas menores com muito maior frequência, tudo isso por conta do interesse pela governanta delas, a Srta. Wynter.
O livro é maravilhoso! Divertidíssimo! Com certeza irá render muitas risadas de quem ler.
Uma história de amor incrível, com aquele toque de drama típico de romances de época e com aquela dose de eroticidade tipica dos livros da Julia Quinn!
Maravilhoso e emocionante, Uma Noite com Esta prende o leitor, o leva para o sec XIX em uma narrativa cativante e cheia de pontos fortes.

#resenha #leitoresestranhezas #like #love #juliaquinn #livros #bookaholic #books #bookstagram #lovebooks #lnstalibrary #lovelivros #amo #romancedepeoca #romanticbooks #euleioarqueiro #arqueiro

site: https://www.instagram.com/p/BTwlid2hCFD/?taken-by=leitoresestranhezas
comentários(0)comente



Carol 05/05/2017

Ufa! Melhorou
Ufaaaa!!!!!!
Essa foi a palavra que me veio a cabeça quando terminei de ler esse livro. Depois do fiasco que foi para mim a leitura de Simplesmente Paraíso, Uma Noite como Esta foi um deleite. E não sei ao certo se porque os protagonistas são envolventes, de fato não achei esse borogodó todo, mas eu amei a construção da história. Desde as partes engraçadas, até as tensas.

Nesse livro o Smythe-Smith em questão é nada mais, nada menos do que um homem! Que os anjos digam amém! O irmão de Honória, que é a protagonista do livro anterior. Então não tem as cenas divertidas das primas tocando no quarteto? Tem sim, logo no início, mas não é uma prima que está no piano, e sim a governanta dela, já que essa fingiu uma doença de última hora para não precisar tocar. É ela, Anne, quem vai ser nossa protagonista. A governanta que foi obrigada a ocupar o piano.

Claro que rola aquele instalove de Daniel para com Anne, e isso é uma coisa que me irrita profundamente. Mas tudo bem, a gente releva porque a cena onde tudo ocorre a princípio é muito bem desenhada para casar com maestria no primeiro volume, que termina no começo desse. É meio confuso, mas a autora faz valer cada página quando constrói essas intercessões fantásticas.

Outro elogio preciso fazer as cenas divertidas. Senhor, como estava com saudade do humor da Quinn escrevendo sobre coisas cotidianas que viram piada. Tem uma certa preparação para uma peça de teatro que eu ri tanto que chorei, e tinha muito tempo que isso não acontecia comigo.

Os diálogos que ela desenha são incríveis em cenas assim! Como se os personagens estivessem com as respostas na ponta da língua, e são todas afiadíssimas! Pessoalmente amo isso nos livros dela, e acredito que seja um consenso geral de quem curte a autora.

Vamos dar o braço a torcer e dizer que rola um bocado de tensão aqui, e não falo só da sexual, mas em relação ao passado, tanto de Daniel, como de Anne. As cenas finais são uma delicinha, e eu fiquei realmente apreensiva para saber o que iria acontecer. Deus abençoe a cabeça dessa mulher, que sai de um livro lesado de tão parado para uma maravilha dessas. Já ando indicando como "livro para rir". Espere meu próximo vídeo de tag no canal! rsrs

Enfim, esse eu recomendo com gosto. Teve lá seus problemas, mas de modo geral superou o primeiro em muitas coisas. E estou louca pelo terceiro, porque o personagem masculino já ganhou meu coração nesse segundo. Vamos torcer para que seja tão bom quanto, ou melhor! Ahhh, adoraria se fosse melhor!

site: http://terradecarol.blogspot.com.br/2017/05/resenha-de-uma-noite-como-esta-julia.html
comentários(0)comente



Rillsimo 02/05/2017

Amor de livro ♥
Daniel fugiu de Londres apôs balear, acidentalmente, seu amigo e gênio matemático Hugh, no qual seu pai jurou que o mataria pela sequela deixada ao filho. Depois de três anos de exílio, Hugh convence o pai a não fazer nada a Daniel, e ele vê que Londres é um lugar seguro novamente. Daniel volta justamente no dia do concerto das Smythe-Smith, e para sua surpresa a jovem que ele vê ao piano não é parte da família, mas sim uma moça deslumbrante que faz de tudo para não chamar atenção. Apôs o concerto Daniel vai atrás da jovem misteriosa, e num impulso, ele a beija como nunca havia beijado nenhuma outra mulher.

Anne, a jovem beijado por Daniel, está em pânico por participar da desastrosa apresentação de música, e quando encontra Daniel algo em seu interior desperta, algo que a muito ela deixou morrer. Anne foge pois sabe que jamais poderia ficar com um homem da aristocracia, mas para sua surpresa, Daniel é primo das meninas no qual é governanta. Buscando se aproximar dela, Daniel vai cada vez mais a casa de sua tia e a atração que ambos sentem fica cada vez mais forte.

O desejo e sentimentos de ambos estão em perigo. Anne tem um passado misterioso que deseja que fique da forma como sempre esteve, enterrado. E Daniel desconfia que o pai de seu amigo baleado não o perdoo e ainda deseja ver sua morte. Além das convenções sociais, ambos correm perigo com suas vidas, e juntos farão de tudo para proteger um ao outro.




[- Minhas impressões -]

Uma noite como está veio na hora certa. Quando peguei o livro tinha certeza que não me decepcionaria, já que sempre espero ótimas estórias da Julia Quinn. Mas eu queria algo encantador e ao mesmo tempo leve e gostoso de ler, e para isso, o livro cumpriu bem seu papel. Como a maioria dos livros da autora, a estória é narrada em terceira pessoa e mostra o ponto de vista de Daniel e Anne.

Anne é uma jovem encantadora que foi forçada a amadurecer. Não posso dizer muito sobre seu passado pois seria spoiler, mas sabe aquela frase "O que não nos mata nos fortalece", se aplica bem a ela. Anne é uma jovem linda que teve que se virar desde muito cedo. Diferente da maioria das mocinhas de livros de época, ela é bem realista e sabe muito bem quem é, suas condições e escolhas. Esses atributos a fizeram ser uma personagem bem real, fazendo com que eu tivesse uma grande afinidade e torcesse para que tudo desse certo para ela.

Daniel por outro lado não me agradou tanto. Primeiro pois ele beijou Anne sem seu consentimento, achei abusivo e invasivo. Esse sentimento por ele permaneceu por boa parte da estória já que ele insistia constantemente em ficar com ela quando a mesma dizia não! Ele impôs sua presença contra a vontade. Muitas pessoas consideram isso romantico, mas pra mim foi até certo ponto aterrorizante, só comecei a vê-lo de uma forma melhor quando ela começa a retribuir a atenção recebida, mas sabendo a personalidade dela, Anne não teria seguido enfrente se ele não tivesse insistido tanto. Eu sei que é controverso, mas é assim a relação deles.

Mesmo isso me incomodando sobre o personagem, gostei bastante do seu sendo de humor a relação que ele teve com as primas. É bem paciente e gosta de estar com elas. E por falar nas meninas, são garotas únicas e peculiares. Elas possuem a implicância que se tem com irmãos, mas ao mesmo tempo fazem de tudo uma pelas outras, foi bem legal ver a interação que possuem, e até mesmo bem engraçado. Todos os personagens secundários da estória são bem interessantes, e assim como de costume, os protagonistas do próximo livro estão presente ativamente na estória.

Também a estória possuí algumas cenas de ação. Achei bem interessante poder ver esse lado mais aventureiro da Julia Quinn, com direito a perseguição e sequestro. O enredo em si da estória é bem estruturado e mostra bastante sobre o passado de Anne, os costumes e punições da época que hoje consideramos absurdo.
(continua em http://rillismo.blogspot.com.br/2017/05/resenha-uma-noite-como-esta-por-julia.html)

site: http://rillismo.blogspot.com.br/2017/05/resenha-uma-noite-como-esta-por-julia.html
comentários(0)comente



KAMI 28/04/2017

Ahhhhh!
amei a historia da Anne e do Daniel, é muito diferente de tudo o que ja li da Julia Quinn, é bem mais emocionante e realmente te prende até o final
comentários(0)comente



Talita Oliveira 19/04/2017

RESENHA: Uma Noite Como Esta – Julia Quinn
Depois de um longo período exilado, devido a um duelo malsucedido com Lord Hugh Prentice, Daniel Smythe-Smith esta de volta a Londres. O retorno, no entanto acontece no dia do fatídico concerto do Quarteto Smythe-Smith composto por suas familiares.

Quote: “Daniel Smythe-Smith não planejara voltar a Londres no dia do concerto anual da família e, para ser sincero, seus ouvidos desejavam fortemente que ele não tivesse ido, mas seu coração… bem, esse era outra história.”

O retorno de Daniel causou uma grande alegria e preocupação em sua família, pois as consequências de seu duelo não foram esquecidas e ainda havia um sério risco de vingança. Mas, Daniel está disposto á ajustar os pontos pendentes e viver junto aos seus sem ter que se esconder por algo que considera injusto. Esse desejo aumenta de forma significativa, depois que conhece a misteriosa Governanta, Anne Wynter.

Quote: “- Sou a Srta. Wynter. Governanta de suas primas.
- De quais? Das Pleinsworths?
Anne assentiu
Ele a encarou
- Ah, coitada da senhorita. Coitada mesmo.”

Daniel se interessa de imediato por Anne e passa a persegui-la de forma sedutora e bem-humorada, contudo se torna inquieto ao perceber que ela esconde algo e apreensivo ao se dar conta que sua relação com a governanta definitivamente não será apenas um flerte sem importância. A confirmação dos sentimentos fica evidente, depois que um grave acidente intencional quase põe fim a vida de sua amada.

Anne, por sua vez, teme que o acidente esteja relacionado a um grande segredo do seu passado. Amedrontada com a possibilidade de o fato vir à tona, causando assim uma vergonha irreparável a família que lhe acolheu e em especial a Daniel que aprendeu a amar de uma forma única e verdadeira, decide partir. Entretanto, Daniel não está disposto a deixa-la ir e se mostra o ser mais amável e compreensível ajudando-a lidar com seus medos e julgamentos da sociedade.

Quote: “Amo você e não posso suportar a ideia de passar um instante longe de sem sua companhia.”

Um destaque especial para Frances Pleinsworth. Impossível não se apaixonar e passar a gostar de unicórnios depois de conhecê-la!

A história é incrível! A escrita é tão cativante que quando percebemos acabamos a leitura e ficamos com um gosto de quero mais. Ainda bem que tem o livro três “A Soma de Todos os Beijos”, para continuarmos a nos deliciar.

site: www.facebook.com/quotesemimagem
comentários(0)comente



Bruna 18/04/2017

Neste segundo volume acompanhamos a história de amor de Daniel Smythe-Smith e a misteriosa Srta. Anne Wynter.

Há três anos, Daniel se envolveu em um grande problema do qual se arrepende até o momento. Levado por uma bebedeira sem limites, acabou se envolvendo em um duelo contra Hugh Prentice, um amigo que estava tão bêbado quanto, e o feriu gravemente, trazendo para si a ira do Marquês de Ramsgat, pai de Hugh. Para salvar a própria vida, Daniel foge para a Europa, onde passa três anos sendo perseguido pelos homens de Ramsgat, até que o próprio Hugh lhe garante que pode retornar a Inglaterra em segurança.

Ele chega justamente no dia da apresentação do quarteto Smythe-Smith, que é uma tradição familiar que já dura décadas, composta por quatro jovens mulheres e solteiras da família, e é famoso na sociedade pela falta de talento musical de suas integrantes. Escondido dos convidados, ele vê e se encanta a primeira vista pela mulher que está ao piano, que para sua surpresa, não é nenhuma de suas parentes.

Anne Wynter é governanta das filhas mais novas de Lady Pleinsworth, uma das tias de Daniel, e é uma mulher misteriosa e com um passado cheio de segredos e mistérios. Ainda muito jovem, ela viveu uma experiência que destruiu seu nome, reputação e ainda colocou sua vida em risco, por isso agora procura viver escondida sob um nome falso. Quando a filha mais velha de sua patroa passa mal e não pode participar da apresentação anual do quarteto Smythe-Smith, Anne é convocada como substituta de última hora, mesmo sem ser da família, e é assim que conhece Daniel.

Daniel fica fascinado por Anne, e para se aproximar dela, acaba por se aproximar também das jovens primas, o que rende cenas ótimas e super fofas, em especial da pequena Frances e seus unicórnios imaginários. A todo o momento o trio de pupilas da Srta. Wynter me lembrou as três irmãs do filme Meu Malvado Favorito, com Frances sendo tão fofa e encantadora quanto a pequena Agnes. Por isso amei todas as cenas que envolviam as meninas.

Ao mostrar um pouco do passado dos protagonistas, é possível ver claramente o quanto eles mudaram e amadureceram, em virtude dos problemas que enfrentaram. Julia conseguiu fazer com que eu me sentisse mal e revoltada, com o machismo que marcou o passado Anne, e suas consequências. Nesse livro ficou bem claro o quanto as mulheres viviam em uma situação frágil, e que as consequências de qualquer acontecimento sempre recairiam sobre elas. Adorei a forma como a autora trabalhou toda essa situação.

A edição da Arqueiro está muito bonita. A capa é aveludada e linda, porém acha foto da modelo muito parecida com a de outra capa de romance de época. As páginas são amareladas e a fonte confortável para ler. Não vi erros de revisão ou tradução.

Uma noite como essa foi um livro lindo e emocionante. Sem dúvida um novo favorito em meu coração.

Beijos

site: http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/2017/03/resenha-uma-noite-como-esta-julia-quinn.html
comentários(0)comente



LuluhSH 17/04/2017

Daniel Smythe-Smith é o conde de Winstead, irmão de Honoria e melhor amigo de Marcus, os personagens do livro anterior.
Por conta de uma bebedeira entre amigos e um jogo de cartas que não terminou de forma muito amistosa, Daniel se viu obrigado a deixar o país. Após 3 anos longe, agora ele está de volta à Inglaterra. E chega bem no dia do famoso recital das mulheres da família, só que, ao piano, está uma mulher que ele não conhece, mas sabe que não é uma de suas primas.
A mulher é Anne Wynter, governanta das irmãs Pleinsworth, que são Smythe-Smith por parte de mãe. Acontece que Anne guarda um grande segredo de seu passado, e tal fato agora está de volta para atormentá-la.
Achei esse livro bem melhor que o primeiro, tem mais ação, movimento, momentos bem engraçados com as irmãs Pleinsworth. Apesar do primeiro encontro entre Daniel e Anne ter sido um pouco nada a ver, até pelas circunstâncias todas dos dois, não acho que tenha comprometido a qualidade da história.
comentários(0)comente



CuraLeitura 14/04/2017

Esse é um dos livros mais fortes da autora
Daniel Smythe-Smith não planejara voltar a Londres no dia do concerto anual da família e, para ser sincero, seus ouvidos desejavam fortemente que ele não tivesse ido, mas seu coração… bem, esse era outra história.
Daniel Smith - Smythe passou três anos fugindo de seu país, após ferir gravemente a perna de seu amigo Hugh Prentice, a desavença se deu em uma briga de bar por conta de um mísero jogo de cartas. Apesar da nítida sequela, Hugh nunca culpou Daniel pelo ocorrido, mas seu pai o Lorde Ramsgate sim, por conta disso, Daniel passa 3 anos na Europa, fugindo constantemente dos capangas do Lorde e longe de sua família. Contudo, Hugh consegue fazer com que o pai esqueça o ocorrido e Daniel pode finalmente voltar para casa.
“Nada era mais sinônimo de “lar” para um homem da família Smythe-Smith do que música mal tocada.”
Daniel chega justamente no dia do concerto anual das suas primas, para não atrapalhar o momento delas, ele fica escondido observando as meninas quando ele nota uma mulher diferente ao piano. Ela é linda, nunca a viu até então, e mesmo assim sente que precisa beijá-la naquela noite.

“Daniel observou a moça deixar o ar escapar, alongar os dedos e… Ela levantou os olhos. O tempo parou. Simplesmente parou. Era o modo mais piegas e clichê de descrever, mas aqueles poucos segundos em que o rosto dela se ergueu na direção dele… pareceram se esticar e se estender, dissolvendo-se na eternidade.”

A moça em questão é Anne Wintter, governanta das primas de Daniel, uma mulher extremamente competente e misteriosa. Anne foi forçada a substituir a pianista no recital, algo que ela odiou fazer pois, não gosta de ser o centro das atenções, já que os últimos 8 anos de sua vida, foi resumido em fugas e em esconder a sua verdadeira identidade, então quando Anne vê um homem na escuridão á observando durante todo o recital, pensa que foi descoberta.

– Sou a Srta. Wynter. Governanta de suas primas.
– De quais? Das Pleinsworths?
Anne assentiu.
Ele a encarou.
– Ah, coitada da senhorita. Coitada mesmo.

Após o recital Anne acaba se encontrando com o homem que a observava e o mesmo acaba a beijando do nada, em um primeiro momento ela se assusta bastante mas depois, acaba conversando com o rapaz que descobre ser ninguém menos que Daniel Smithe - Smith Conde de Winstead.
"E foi nesse momento que se deu conta. O homem que a beijara... era o irmão mais velho de lady Honoria, o conde de Winstead! Ela vira o retrato dele antes; deveria tê-lo reconhecido. Ou talvez não. O quadro tinha reproduzido as características básicas - os cabelos castanho-escuros e os olhos azul-claros -, mas não o retratara verdadeiramente. Era um homem lindo, não havia como negar, mas não havia tinta ou pincelada que pudesse reproduzir a autoconfiança natural e elegante de um homem que conhecia seu lugar no mundo e que o achava plenamente satisfatório."
Anne sabe que o envolvimento com o conde é algo inapropriado sendo assim, decide colocar um ponto final naquilo tudo, mas parece que o conde não está disposto a desistir tão facilmente.

"Daniel não se lembrava de já ter desejado uma mulher daquele modo romântico. Ia além do mero desejo. A necessidade que sentia por ela era mais profunda do que o corpo dele. Queria venerá-la..."




Diferentemente das outras obras da Julia Quinn, este volume não traz apenas uma mocinha que não cede fácil aos encantos do jovem sedutor, como também traz um mistério sobre o passado da protagonista que pode colocar tudo a perder.
Esse é um dos livros mais fortes da autora, pois mostra nitidamente como eram tratadas as mulheres vítimas de homens abusivos, no livro retrata que antes, assim como hoje em dia, a culpa recai sempre na vítima.
O que me ganhou na obra não foi nem o romance ou o casal, mais sim a força de uma mulher que teve que mudar quem é, abandonar tudo o que tinha para tentar recomeçar uma vida digna.
Acompanhando tudo o que aconteceu com Anne, é totalmente compreensível o porque a moça tenta se afastar do conde e nos momentos que ele foi insistente deu até uma raivinha.
Gostei bastante do enredo desse livro que acabou sendo muito mais que uma história de amor, foi também uma história de luta, confiança e superação.
De novo, a graça do livro recai no recital, onde todos até mesmo a família reconhece que é um terror.

“Daniel Smythe-Smith não planejava voltar a Londres no dia do concerto anual da família, e, para ser sincero, seus ouvidos desejavam fortemente que ele não tivesse ido, mas seu coração… bem, essa era outra história.”

A capa está linda, o problema é que se parece muito com outra capa de romance de época da mesma editora, a Arqueiro trouxe um trabalho bem bonito nessas edições, a capa é aveludada com desenhos de partituras na parte em preto. As folhas são amareladas, a fonte está ok, e a revisão está bem feita.
comentários(0)comente



Beta 11/04/2017

Com certeza o melhor da série, na minha opinião...
No segundo volume da série Quarteto Smythe-Smith, temos como protagonista nosso exilado Daniel Smythe-Smith. E confesso, amei saber que ele é o protagonista do segundo volume!

Sempre antes de escrever minhas resenhas, eu pesquiso, no Skoob, a sinopse de cada livro, pra evitar falar demais e acabar não dando spoiler pra vocês. Entretanto, ao ler a sinopse (pela primeira vez), desse segundo livro da série Quarteto Smythe-Smith, fiquei chocada ao ver como a sinopse revela tanto da história! E fiquei feliz em não ter lido ela antes de iniciar a leitura, porque sinceramente, eu ficaria bastante irritada em ter descoberto o passado de Anne através de uma sinopse.

Então, se você ainda não leu nenhuma sinopse desse segundo volume, te aconselho a não ler.

Daniel Smythe-Smith passou os três últimos anos exilado na Itália após um duelo com seu amigo, Hugh Prentice, no qual ele quase deixou o amigo sem uma perna. Revoltado, lorde Ramsgate, o pai de Hugh, jura que se Daniel continuar em território inglês, irá caçá-lo e matá-lo. Após três anos vivendo longe da família, Daniel volta à Inglaterra.

Infelizmente, ele volta no dia do recital anual dos Smythe-Smith, porém, nesse recital tem algo diferente. Ao paino, ao invés de sua prima Sarah, a qual alegou estar doente, uma jovem muito bonita e intrigante encontra-se ao piano.

Encantado com a beleza da garota, Daniel a segue após o final da apresentação e sem resistir aos encantos da jovem, rouba um beijo. Anne Wynter não quer nada além de passar despercebida, quando Daniel Smythe-Smith lhe rouba um beijo, Anne volta a sentir coisas que ela jurou para si mesma nunca mais se permitir sentir.

Ao descobrir que a misteriosa mulher é, na verdade, a governanta de suas primas Pleinsworth, Daniel passa a frequentar a casa da tia com o pretexto de se aproximar de suas primas mais novas. Com seu charme e sorriso encantador, Daniel começa a cortejar Anne as escondidas, o que ele não esperava era que o desejo se transformasse em algo mais.

Anne, por outro lado, resiste de todas as formas aos sentimentos e desejos que começam a crescer em si. Quando coisas estranhas começam a acontecer e ela se depara com seu passado, ela precisa decidir se vale a pena arriscar, mais uma vez, seu coração e contar todo seu passado a Daniel ou se ela será capaz de deixá-lo pelo bem dele.

Esse, até agora, é o meu favorito da série. Como eu disse anteriormente, não li sinopse nenhuma, então caí dentro da leitura no escuro, sem saber o que esperar. Além disso, nas poucas páginas que Daniel apareceu no livro anterior, foi o suficiente para eu me apaixonar pelo personagem.

Pense em um personagem engraçado, gentil, encantador, sexy e com um coração imenso. Esse é Daniel. Sem medo de demonstrar o que sente ou por quem sente, ele é o perfeito herói de romances que todas as mulheres, no fundo, desejam para si.

Anne também me cativou. E ao descobrir o seu passado e o que ela perdeu e sofreu com ele, fiquei bastante admirada com a postura e a personalidade da personagem. Deu pra ver um amadurecimento incrível dela apenas com alguns flashbacks.

Julia Quinn se superou no quesito reviravolta. Fiquei de queixo caído e completamente mortificada com todo o enredo. E outro ponto positivo no livro foram as três irmãs de Sarah Pleinsworth; Harriet, Elizabeth e Frances. O trio ternura. Com certeza me peguei pensando na vontade de ler um livro dessas três!

Mega recomendado!

site: http://www.coracaodetinta.com.br/2017/03/resenha-372-uma-noite-como-esta-julia.html
comentários(0)comente



Beta Oliveira 10/04/2017

O segundo livro do Quarteto Smythe-Smith traz a enrolada e complicada história entre Anne e Daniel. Posso antecipar que foi o livro que me causou mais dificuldade em toda a série.

No Literatura de Mulherzinha, confira o texto completo sobre Uma noite como esta, Julia Quinn, Editora Arqueiro


site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2017/03/cap-1320-uma-noite-como-esta-julia.html
comentários(0)comente



52 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4