Uma Noite Como Esta

Uma Noite Como Esta Julia Quinn




Resenhas - Uma noite como esta


94 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Laura Soares 16/02/2018

Bom, mas só isso
Todos sabemos que Julia Quinn é uma autora maravilhosa. Suas histórias são engraçadas, românticas e do tipo que prendem desde a primeira página. Porém, é perceptível que esta série é bem diferente e, ao menos até este segundo livro, não tão boa quanto os Bridgertons.
O livro conta a história de Daniel Smythe-Smith, que acaba de voltar após três anos de exílio em decorrência de alguns erros que cometeu no passado, e Anne, governanta das meninas Pleinsworths, que são primas de Daniel. Assim que ele a vê, em um dos concertos clássicos e anuais de sua família, fica totalmente encantado pela moça, e ela, por sua vez, não pode negar que se sente atraída por ele.

“O tempo parou. Simplesmente parou. Era o modo mais piegas e clichê de descrever, mas aqueles poucos segundos em que o rosto dela se ergueu na direção dele... pareceram se esticar e se estender, dissolvendo-se na eternidade.” Pág 24

As passagens do livro são boas – dignas de muita risada e uma pontinha de drama, além de um suspense em volta da antiga vida de Anne - daquelas que fazem você querer devorar tudo em uma tarde, mas ainda assim, parece que fica faltando alguma coisa.
Primeiramente, não posso negar que me incomodou muito a temática de “amor à primeira vista”, em que ele mal a conhece e de repente já começou a ir atrás dela porque ela é linda (Isso pode soar meio irônico para uma pessoa que ama e defende o livro do Benedict Bridgerton, mas fazer o quê? Benedict é muito superior). Por causa disso, eu não conseguia ler algumas cenas sem me questionar “mas esse amor todo em tão pouco tempo?”.
Também não consegui gostar tanto assim do Daniel. Os momentos que ele passava com a Anne eram fofos, mas eles não foram um casal para se guardar no coração.
Vale a pena ler? Com certeza! Mas sem esperar muita coisa. É um enredo para se divertir e descontrair um pouco, mas nada para favoritar.
comentários(0)comente



Thiarlley 13/02/2018

Muito plotwist, mas uma boa história
Já nas primeiras páginas deste segundo livro, Julia Quinn nos apresenta a situação de Daniel Smythe-Smith e o porquê do mais velho da família ter deixado o país, para a tristeza e desespero que seus familiares. No prólogo, vemos o quanto o orgulho masculino pode ser na maioria das vezes (bem, sempre) o maior dos inimigos de um homem. Neste caso, resultou no exílio de um e na quase invalidez de outro. Mas isso nós falaremos depois.

A mulher misteriosa que aparece ao final do primeiro livro é apresentada como Anne Wynter, governanta da casa Pleinsworth, uma das tias de Honoria e Daniel, e responsável pelas três filhas mais novas da casa, sendo Harriet, Elizabeth e Frances. A vida e trajetória da Srta. Wynter até o trabalho como governanta daquela família nos é contada aos poucos, mantendo o ar de mistério que se iniciou a série, dando ao leitor o gostinho de traçar possíveis situações e enredos.

Daniel retorna a sua casa na fatídica noite do recital onde Anne precisa substituir Lady Sarah e se vê intrigado com aquela linda mulher que passa toda a apresentação se escondendo – e, bem, dada a afinação de todo o quarteto, era até compreensível. Queria deixar claro que uma das coisas que eu não gostei, ao menos, não de início, foi a insistência de Daniel para com a presença de Anne. Como governanta, Srta. Wynter sabe o seu lugar na hierarquia londrina e passa a evitar contato com Daniel, afinal, tem um emprego a manter e não queria passar por todo o processo do desemprego novamente. Assim, passei a ter certo ranço do Conde, pois parecia inconveniente o tempo todo, estando sempre atrás de Anne.

Ao contrário do enredo anterior, esse sim é repleto de alguns plotwists (podendo ser mirabolantes ou não), mas neste caso, os plotwists se encaixam na história. Pouco a pouco, compreendemos o mistério que envolve Anne, passamos a entende-la num nível absurdo, afinal, o que ela passa ainda é muito real e presente nos dias de hoje. Nossa Srta. Wynter é uma sobrevivente. E o apoio dado por Daniel foi fundamental para que Anne pudesse sonhar novamente, para que pudesse ter uma segunda chance.
Diante da classe social de ambos, nossos mocinhos sofrem um bocado para ficarem juntos, mas talvez seja essa a recompensa. Em Uma noite como esta temos quase um flashback da história de Benedict e Sophie, em Um Perfeito Cavalheiro, o que acaba nos deixando um pouco nostálgicos, digamos assim.

Para mim, não foi tão grandioso como o primeiro, mas teve o seu encanto e não decepcionou.

Lembram do homem citado no primeiro parágrafo? Bem, o seu nome é Hugh Prentice.

Guarde esse nome.

site: http://www.apenasfugindo.com/2018/01/resenha-20-uma-noite-como-esta-julia.html
comentários(0)comente



Taci.Souza 11/02/2018

⭐⭐⭐⭐
🎹 O segundo volume da serie do Quarteto Smythe-Smith, acompanha a história do irmão de Honoria (protagonista do primeiro livro da série). Após passar três anos exilado na Itália depois de um duelo no qual acabou ferindo gravemente a perna do seu amigo e gênio matemático Hugh Prentice, Daniel Smythe-Smith retorna à Inglaterra sobre a promessa de que Lorde Ramsgate - pai de Hugh - que jurou matá-lo, havia esquecido sua vingança.

🎹 O retorno de Daniel acontece justamente no dia da apresentação musical do Quarteto Smythe-Smith, formado pelas, nem um pouco taletosas, mulheres solteiras de sua família. Surpreso, ele percebe que uma pessoa diferente está ao piano substituindo sua prima Sara, e ao final do terrivel concerto, depois de se envolver numa briga com seu melhor amigo - e futuro cunhado - Marcus Holroyd, Daniel está determinado a descobrir quem é a bela e enigmática substituta.

🎹 Para esconder o seu passado, Anelise Shawcross assume uma nova identidade como Anne Wynter, e passa a trabalhar como governanta das filhas de Lady Pleinsworth. Mas manter o passado escondido, ao mesmo tempo em que ela mesma busca ocultar-se dele, mostra-se uma tarefa cada vez mais difícil para Anne, principalmente após o retorno inesperado de Daniel Sythe-Smith, conde de Winstead. Enquanto tenta, ainda que contra sua vontade, resistir às investidas do conde, Anne precisa mais do que nunca evitar o encontro iminente com um perigoso fantasma do seu passado.

🎹 A exemplo de seu antecessor, esse livro apresenta uma narrativa suave e fluida. A trama é desenvolvida a partir de uma rede de segredos e mentiras, conferindo à história doses acertadas de drama e ação, que faltaram ao volume anterior. Os protagonistas desse novo capítulo da família Smythe-Smith conquistaram minha simpatia rapidamente, e os acontecimentos sob os quais a história é construida, servem adequadamente ao prpósito de preencher as lacunas deixadas no primeiro volume da série.

🎹 A escrita leve e envolvente de Julia Quinn, faz com que o leitor relaxe e se diverta com suas histórias. Foi uma leitura muito agradável, e embora eu tenha gostado dos protagonistas , confesso que fiquei realmente encantada com o jeito charmoso e peculiar de Hugh Prentice - um dos personagens principais do terceiro volume da série - e motivo pelo qual estou ansiosa para iniciar o próximo livro.
comentários(0)comente



Blog MDL 04/02/2018


Apesar de ser um conde, Daniel Smythe-Smith não escapou do vexame social tampouco da ameaça de morte que seguiu após ter baleado o seu até então amigo, Hugh Prentice, em um duelo. Depois de ter vivido três anos fora do país com medo de ser assassinado pelos seus algozes, ele recebe uma carta de Hugh prometendo que se ele voltasse para Londres nada iria lhe acontecer. Acreditando no homem que um dia chamou de amigo, ele retorna para casa especialmente no dia em que estava acontecendo o tradicional concerto musical da família. Mas para a sua surpresa, quando olha para o palco encontra uma dama que definitivamente não era uma prima sua. Curioso com a sua presença no evento, ele promete para si mesmo que vai descobrir quem era aquela mulher tão bela, mas isso acaba ficando em segundo plano quando flagra seu melhor amigo Marcus beijando a sua irmã Honoria. Após uma troca de socos e chutes em que tudo fica esclarecido, ele é cuidado por ninguém menos que a dama misteriosa que lhe parecia cada vez mais encantadora.

Anne Wynter possui mais segredos e mais motivos para temer do que gostaria. Quando vê aquele homem por trás da cortina lhe espiando, seu coração se sobressaltou e temeu por sua vida. Depois de tanto tempo se escondendo e tentando não chamar atenção indevida, parecia que o momento da vingança de um homem de seu passado havia finalmente chegado. Desesperada para sair dali, ela tenta sair discretamente da casa, mas é impedida pelo homem que estava observando-a e que lhe beija com um intimidade aterradora. Sendo abandonada no minuto seguinte, logo depois ela escuta os sons de uma briga e fica esperando o momento ideal para escapar. Depois do silêncio chegar, ela sai e encontra aquele homem caído no chão, sem conseguir deixá-lo ali sem cuidados, ela vai até ele e se surpreende ao descobrir de que ele era ninguém menos que Daniel Smyth-Smith, o primo de suas pupilas. Consciente de que o seu envolvimento com ele era extremamente inapropriado, ela decidi colocar um ponto final naquilo tudo, mas o conde parece não estar disposto em abrir mão dela com facilidade.

Se em "Simplesmente o Paraíso" temos uma história de amor que já está pronta para acontecer, em "Uma Noite Como Esta" tudo acontece a partir de uma troca de olhares muito sutil que desperta sentimentos indeléveis. Se na maioria das histórias do gênero vemos uma mulher apaixonada disposta a fazer tudo para ficar com o homem que ama, neste livro é o inverso que acontece. Após um longo período de exílio, Daniel retorna a Londres disposto a refazer a sua vida e aproveitar o tempo ao lado de sua família, ele não esperava se apaixonar, mas é exatamente o que acontece quando conhece Anne. Ela que é uma mulher extremamente reservada, resiste a todo momento em ceder ao que sente quando está perto de Daniel, mas com o passar do tempo isso acaba sendo algo mais forte que ela e ela passa a ter que fazer a difícil escolha de se manter longe dele a colocá-lo em perigo. Entretanto, o nosso herói não aceita que a sua amada se afaste e luta bravamente para fazê-la confessar os seus medos.

Conseguindo ser ainda mais apaixonante que a primeira história da série o "Quarteto Smythe-Smith", neste livro vemos não só um empolgante jogo de sedução em que a mocinha resiste bravamente para não ceder aos encantos do belo Daniel, somos conduzidos por mistérios intrigantes a respeito do passado de Anne. Eu amei esse suspense pois deu um tom todo especial ao livro e me deixou ainda mais ansiosa para alcançar o seu desfecho. Cronologicamente, essa história se passa simultaneamente com a de Honoria e assim como aconteceu em "Simplesmente o Paraíso" temos diversas situações de flashback. Isso ocorre em grande parte porque temos dois protagonistas com um passado nebuloso e que mesmo tentando bravamente se afastar de tudo o que já aconteceu, são levados uma e outra vez de volta ao mesmo ponto. Não vi isso como um castigo para os personagens, mas sim como uma forma libertá-los para sempre daquilo que os machucavam.

E quando tudo se encaixa é possível perceber o poder da escrita de Quinn. Ela consegue desnudar os seus personagens de tal maneira que mesmo que você já tenha lido milhares de livros do gênero, sempre conseguirá se envolver e se emocionar com o que ela tem para contar. Pode até parecer uma exagero dizer isso, mas até agora essa série tem despertado mais sentimentos de borboletas no estômago em mim do que "Os Bridgertons". Como sei que muitos de vocês reviraram os olhos para mim nesse instante, convido cada um a se aventurar nas páginas que narram a vida, os amores e as peripécias dessa família tão peculiar. Mal posso esperar para ler todos os livros e torcer para que tenhamos algum extra depois de tudo, afinal, a saudade certamente será uma certeza depois de acompanhar os Smythe-Smith.

site: http://www.mundodoslivros.com/2017/04/resenha-uma-noite-como-esta-por-julia.html
comentários(0)comente



Mundo de Tinta 31/01/2018

E o quarteto continua tocando...
Quando Daniel bate os olhos em Anne Wynter a primeira vez, fica encantado com tanta beleza. Esquece até de que havia ido até ali rever a irmã e primas das quais era saudoso havia três anos...

"Mas enquanto se acomodavam em seus assentos, na sala de refeições cheia da estalagem, Daniel a fitou do outro lado da mesa e não foi sua beleza que viu. Foi seu coração. Sua alma. E teve a profunda sensação de que sua vida nunca mais seria a mesma."


Três longos anos afastado dos seus por causa de uma atitude impensada e inconsequente. Três longos anos perdidos entre as ruas da Itália, se escondendo dos capangas do marquês de Ramsgate, pai de seu amigo Hugh, o qual estava defeituoso o resto da vida por sua culpa....

Quer continuar?! Então me segue!

site: http://blogmundodetinta.blogspot.com.br/2017/05/resenha-de-tinta-uma-noite-como-esta.html#more
comentários(0)comente



camilafcastroo 26/01/2018

O melhor da Série
Julia Quinn è incrível , o enredo, a leveza da leitura . Pude ler em 6h o livre . Te encanta do começa ao fim, fico imprensa como foi lindo a história Anne e Daniel ??
O amor vence qualquer obstáculo, e um pouquinho de aventura no final que causo em nossa mente rs .
comentários(0)comente



Gi 21/01/2018

Não consigo escolher um preferido na série dos Bridgertons, mas, sem dúvida nenhuma, termino essa leitura com Daniel fazendo residência fixa e eterna no meu coração. Que homem precioso!
E é muito incrível, e claro mais uma vez nesse livro, o talento de Julia Quinn para fazer personagens secundários completamente apaixonantes! Impossível não dar altas gargalhadas e não desenvolver um amor imenso por Harriet, Elizabeth e Frances.
Amei!
comentários(0)comente



Ana 17/01/2018

Diversão e ação na mesma medida.
Ao contrário do que se imagina no princípio, essa não se trata da historia de uma das Smythe- Smith e sim do herdeiro da família. Daniel, que volta pra casa depois de garantir que diz vida já não é mais ameaçada após um absurdo duelo que participou.

E ele volta pra casa exatamente na noite da apresentação da irmã e das primas... E de uma moça que não conhece e que está tocando piano no quarteto musical.
Se trata de Anne Wynter, governanta e babá das primas mais novas de Daniel, por quem ele se interessa no momento em que vê, mas que foge dele, já que, apesar de sentir o mesmo, preza seu emprego depois de um passado difícil.

Entre passeios com as primas, divertidas conversas e beijos roubados, Anne e Daniel vão se conhecendo e se envolvendo cada vez mais, apesar dela ter muitos segredos do seu passado e do porque, assim como ele, parece viver com medo, de alguém que a fez muito não.

Mais uma leitura muito gostosa, com um pouco mais de ação, histórias perigosas e tensas de se acompanhar, mas também com diálogos divertidos, principalmente nos que envolvem as crianças.
comentários(0)comente



Jessica Maria @livrosdajessica 16/01/2018

Anne Wynter é governanta dos irmãos de Honória (a mocinha do primeiro livro) e vive muito bem com seu cargo, desde que teve deixar sua antiga vida para trás.
Daniel, irmão mais velho de Honória, acaba de retornar para a Inglaterra e se apaixona por Anne assim que a vê. Porém ela com seu misterioso passado não permite que ele se aproxime.
Porém como ela trabalha em sua casa, não tem muito como escapar das invertidas do patrão... E Daniel faz de tudo para ter o coração da moça, mesmo que isso possa coloca-lá na mira da pessoa que o fez ficar exilado do seu país e longe da sua família por anos.
___________________
Gente, eu tenho um crush no Daniel, pois ele é muito fofo e determinado o livro inteiro 😍
Ele realmente tenta várias formas de conquistar Anne e ajuda-lá com o seu passado, tudo isso quando acaba de voltar do seu exílio e tem um acerto de contas pendente.
As cenas das crianças são muito engraçadas e ver os personagens do livro anterior é bem legal também.
comentários(0)comente



Vivi 15/01/2018

Ainda melhor que o primeiro

Esse segundo livro da série tem um estilo bem diferente do primeiro. O primeiro é mais leve, fofo e divertido. E o amor do casal Honória e Marcus é construído aos poucos. Nesse segundo livro eu não consegui visualizar muito a construção do amor, achei que os sentimentos estavam mais próximos da paixão e da atração do que do amor mesmo. Mas isso não atrapalhou a história. Ademais, dizem que o amor não se explica, certo? Ama-se e ponto final. E se para Julia Quinn eles se amaram então eu acredito. Rsrs

Embora haja essa questão abordada acima, eu ainda preferi esse livro ao primeiro. E o motivo foi esse livro ter apresentado mais elementos que se configuraram em obstáculos à união do casal. Não era tão fácil eles ficarem juntos. O casal pertencia a classes sociais diferentes (ele um conde e ela uma governanta), a Anne estava na posse de um segredo sobre seu passado que tornava quase impossível que ela se relacionasse com alguém e havia um vilão na história. Toda essa mistura de tensão e mistério tornaram a leitura bem atrativa à medida que vamos avançando os capítulos. Ficamos nos perguntando: A Anne vai contar seu segredo? Ou Daniel vai descobrir? Ou o vilão aparecerá estragando tudo? E como eles vão contornar a situação para ficarem juntos?

Para finalizar, o casal é bem carismático. Difícil não se envolver e não gostar deles. Há cenas divertidas também, principalmente envolvendo as crianças da casa da qual Anne é governanta. E adorei o fato da história ter sido introduzida no livro anterior.
Cibele 15/01/2018minha estante
Vivi vc está gostando dessa série então? Mesmo nível que os Bridgestons?


Vivi 15/01/2018minha estante
Estou gostando Cibele. Os livros são muito bons mas não acho que superam os Bridgertons rs
Entretanto acredito que quem gostou dos Bridgertons vai gostar tb dessa série. Acho que vale a pena ler. Tem o mesmo estilo embora em um patamar um pouquinho abaixo rsrs


Dani 15/01/2018minha estante
Gostei da resenha!


Vivi 15/01/2018minha estante
Obrigada Dani :)


Cibele 16/01/2018minha estante
Obrigada Vivi... Eu tenho o quarteto vou ler...




Bárbara Alice 08/01/2018

Daniel Smythe-smith , Lorde Winstead, irmão de Honoria, retorna para casa depois de 3 anos fora do país, devido um duelo que não terminou bem com Hugh Prentice, que resultou numa fuga do conde para a Italia.

Quando retorna para casa, está acontecendo o Recital das Smythe-smith e ao olhar para o palco, Daniel repara numa linda moça que está tocando com suas primas, ele não a reconhece, mas logo de cara se encanta com a beleza dela.

Depois que o Recital acaba, Daniel acaba esbarrando com a tal moça misteriosa que o encantou, mas o encontro dos dois é interrompido, pois ele vai defender a honra de sua irmã que é vista dando um beijo em Lorde Chatteris. Os dois se envolvem numa briga e Daniel acaba bem machucado, e com isso sobra para a tal moça ajudar Lorde Winstead.

Nesse momento conhecemos melhor quem é Anne, a pianista que acabou sendo obrigada a tocar no conserto da família , e que é governanta na casa da tia de Daniel.

Apesar dos esforços de Daniel para conquistar a governanta no decorrer do livro, ela sabe que não pode se envolver com ele, pois além de serem de classes sociais diferentes , Anne tem um segredo do passado e com isso ela passa uma parte do livro correndo dos perigosos de um erro que cometeu quando era mais jovem. E Daniel no decorrer da história está cada vez mais apaixonado por ela, e ela mesmo não podendo, acaba se apaixonando por ele também.
O livro em si é muito bom, eu adorei ele do início ao fim, os protagonistas são apaixonantes, o enredo é ótimo, o mistério de Anne dá um "Q" de suspense bem legal e o final do livro foi perfeito!
Mais uma vez a diva Julia Quinn escreveu uma história apaixonante 💕

site: https://www.instagram.com/p/BSfCqzilYP3/?taken-by=conflito_literario
comentários(0)comente



Aleh 07/12/2017

O melhor da Julia
Sem dúvidas, Julia Quinn se superou nesse! Não consigo nem descrever meu sentimento com esse livro, em meio a tantas palavras (e que palavras!) fiquei sem!
comentários(0)comente



Bruna 07/12/2017

Um Livro Como Este
Daniel Smythe-Smith acabou de voltar de seu exílio de três anos na Itália, causado por um duelo de pistolas que acabou com Hugh Prentice, seu adversário, levando um tiro na perna e ficando para sempre marcado. Daniel conseguiu voltar à Londres bem a tempo de ver o fatídico conserto das garotas Smythe-Smith. Entretanto, ao invés de ver sua prima Sarah ao piano, encontra Anne Wynter, que depois descobrirá que é a governanta de seus primos menores.
Já de cara rola um climão entre os dois, principalmente por parte de Daniel, que afirma nunca ter visto uma mulher tão bela em sua vida. Anne se vê forçada a ajudá-lo a se recuperar de uma briga que teve com Marcus, seu melhor amigo, após se dar conta dos acontecimentos que ocorreram no primeiro livro do quarteto entre Marcus e sua irmã Honoria. Após cuidar de Daniel, porém, Anne tem a sensata ideia de se afastar de Daniel, afinal ele é da aristocracia, e ela apenas um pouco acima de uma criada, mas mesmo assim empregada pela família da tia dele. Entretanto, Daniel parece convicto de que precisa conhecer melhor a mulher que tanto o enfeitiçou. Mesmo ele tendo que tomar cuidado com os homens que ainda o querem ver morto, independente de seu “castigo” ter sido pago, e Anne tendo que fugir do próprio passado que a assombra, os dois acabam arranjando um tempo para se conhecerem e criarem um forte vínculo.
-
Apesar de não ser o meu favorito dos quatro livros, Uma Noite Como Esta foi um dos que eu li mais rápido. A história por trás da aparente simples Anne Wynter é fantástica e você não consegue se contentar até saber de todo seu passado e querer que Daniel o descubra também.
O romance desse livro foi maravilhoso, talvez porque, de todo o quarteto, esse é o único que trata de um romance proibido, um sendo um herdeiro aristocrata e a outra uma governanta. Além disso, o mistério por trás de Anne nesse livro foi fantástico e Julia Quinn conseguiu trabalhá-lo e deixar-nos inquietos de maneira esplêndida. Em minha opinião, Anne só perde para o Sir Richard Kenworthy do último livro do quarteto em termos de “personagem com mistérios que eu simplesmente preciso descobrir!”.
Foi uma leitura ótima e eu adoro como nós voltamos a rever os personagens em todos esses livros do quarteto!
4,5
Trecho favorito: "Não devia desejar coisas que estavam fora do seu alcance. Não podia fazer isso.
Já tentara uma vez e ainda pagava o preço disso.”
comentários(0)comente



Marlene 06/12/2017

Uma Noite Como Esta
Uma Noite Como Esta é o segundo volume da série Quarteto Smythe-Smith escrito por Julia Quinn. Eu sou uma pessoa muito suspeita para falar da autora, porque, eu amo seus livros e sua escrita sempre ne surpreende de alguma maneira e esse livro não foi diferente.

Daniel Smythe-Smith está feliz por finalmente poder voltar para casa e rever seus amados familiares. A alguns anos atrás, estando Daniel muito bêbado, acertou a perna de um de seus melhores amigos em um trágico duelo, esse acontecimento não só destruiu sua vida, pois teve que fugir da Inglaterra, como também deixou diversas sequelas, tanto físicas quanto emocionais.

Na sua primeira noite de volta a Londres, ele conhece Anne Wynter, a mesma está tocando no Quarteto Smithy-Smith, como substituída de uma de suas primas, que diz está doente. Ele fica maravilhosamente encantado por ela, não só por sua beleza, mas, também pela coragem que teve ao se apresentar naquele desastroso evento.

Daniel Smythe-Smith não planejara voltar a Londres no dia do concerto anual da família e, para ser sincero, seus ouvidos desejavam fortemente que ele não tivesse ido, mas seu coração… bem, esse era outra história.

Anne Wynter, é a governanta dos Pleinsworth, ela tem um passado sombrio, que quer a todo custo esconder, pois, se isso vier à tona, pode destruir tudo o que ela construiu em todos esses anos com muito esforço.

Tanto Daniel quanto a Anne, tem seus problemas e lidar com eles não vai ser uma tarefa fácil, ela sabe que não pode se envolver, pois, já teve seu coração partido uma vez, e a posição social que ambos se encontram não favorece esse amor. Em contrapartida, a cabeça de Daniel ainda está em jogo e ele sabe que não está verdadeiramente livre das ameaças, os segredos guardados podem ser perigosos, mas, a redenção pode significar um risco ainda maior para esse amor.

Uma Noite Como Esta é um livro encantador, a trama do segundo livro se desenvolve onde parou o primeiro, ao contrário dos personagens do livro anterior, o casal protagonista desse livro não se conhecia, tudo acontece através de uma troca de olhares e dos sentimentos que são impossíveis de conter.

A escrita da Julia Quinn continua extremamente fluída, aqui temos uma trama que trás alguns clichês, como a mocinha que está em perigo, as regras da sociedade em relação a questão social, um mocinho que tem que reconstruir sua vida e deixar o passado para trás e as cenas cômicas que já é costumeiro da autora.

A construção dos personagens foi algo incrível de acompanhar, eu admirei muito a Anne, pois pude perceber a força e resiliência que a personagem tem. Todos nós erramos, porém, o erro de Anne saiu mais caro do que ela esperava e ela precisou ser forte para seguir em frente e lidar com tudo o que aconteceu e continuava acontecendo em sua vida.

Daniel também foi um personagem que gostei bastante, ele é um homem apaixonada que sabe o que quer e não mede esforços para conseguir isso, o carinho que ele demostrou ter para a com a Anne, foi algo que mexeu com muito com meu coração, ele foi compreensível quando ela precisou e nunca a julgou pelo seu passado.

– Amo você e não posso suportar a ideia de passar um instante sem a sua companhia.
Novamente os personagens secundários foram de grande importância para a trama e ajudaram no desenvolvimento das cenas mais humoradas do livro, uma personagem que se destacou bastante para mim foi a Harriet, ele é uma das próximas a entrar no quarteto e só para calcular o tamanho do seu talento, ela nem sabe ler as partituras, alguém se arrisca a ouvir esse recital?

Essa foi uma leitura incrível, que teve uma saudável dose de suspense, um amor lindo e extremamente apaixonante, com personagens cativantes, que encantam o leitor pela coragem e carisma que demostraram ter, além de uma bonita reflexão, acerca do amor, não só amoroso, mas, também familiar.
comentários(0)comente



Larissa Guedes de Souza 21/11/2017

Continuando o Quarteto Smythe-Smith, “Uma Noite Como Esta” é o segundo livro da série e conta a história de Daniel Smythie-Smith e Anne Wynter. Daniel acaba de retornar à Inglaterra após um tempo exilado no exterior por causa de um duelo que terminou mal. Essa história é introduzida no primeiro livro, mas só agora entendemos o que realmente aconteceu. Já Anne Wynter é a moça que trabalha na casa de Sarah e que a substituiu na apresentação do Quarteto no primeiro livro. Desde o primeiro momento que a conhecemos sabemos que ela esconde algo do seu passado e só agora vamos descobrir sua história e quem ela realmente é.

Gostei muito do livro, porém não tanto quanto “Simplesmente o Paraíso”. E isso não tem a ver com falta de carisma dos personagens, ou uma história não instigante, nem nada. É só que nesse livro não temos o Quarteto Smythe-Smith propriamente dito, entende? No primeiro livro da série as meninas estavam se preparando para a apresentação e depois tem o concerto mesmo e tal. Achei bem mais divertido, porque todas participaram muito da história e o Quarteto com péssimas musicistas é o que dá nome à série, é o que a gente já conhecia desde a série “Os Bridgertons”. Nesse segundo volume, o enredo foca muito no casal principal (óbvio! --' ), que não participa do concerto anual (porque ela não é da família e ele é homem), e em certo momento eles até saem de Londres e vão para o campo. O lado bom é que conhecemos mais pessoas da família Smythe-Smith, como as irmãs de Sarah, que são umas fofas!

É um livro cheio de segredos e descobertas, então, fica uma leitura bem dinâmica e instigante. Daniel é um ótimo protagonista: ele é lindo e charmoso, mas o que chama mesmo a atenção é seu carinho e sua relação com a família. Ele acaba de chegar depois de passar anos no exterior, então, ele agora quer matar a saudade e passar um tempo com a família e a gente vê o quanto é fofo com suas primas. Também adorei Anne, pois ela é bem resolvida e madura. E a cada detalhe que descobrimos do seu passado, eu a admirava mais a sua resiliência e superação.

Enfim, este é daqueles romances leves que você consegue ler em um ou dois dias de boa! Julia Quinn nunca decepciona com seus romances, pois apesar de ser um romance clichê, que a gente sabe desde o início que o casal vai ficar junto, o caminho para esse “felizes para sempre” nunca é o mesmo. Ela consegue nos surpreender com histórias secundárias bem interessantes.

Já estou ansiosa para ler o terceiro livro da série, principalmente, pois é o livro sobre Sarah, que foi a Smythe-Smith que gostei mais no primeiro livro, e também porque acho que o ambiente do livro vai voltar para o que mais gosto: Londres e os preparativos do infame concerto do Quarteto Smythe-Smith.

site: https://bibliomaniacas.blogspot.com.br
comentários(0)comente



94 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7