A Soma de Todos os Beijos

A Soma de Todos os Beijos Julia Quinn




Resenhas - A soma de todos os beijos


40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Thays 17/07/2017

ARRETADOR
A Soma de Todos os Beijos conta a história de Hugh, que nos permite conhecer o seu lado na história do duelo, o evento que marcou a sua vida para sempre. Hung sempre fora um homem astuto e inteligente, ganhava todas os jogos de cartas e ninguém jamais havia o vencido, até que Daniel Smythe-Smith consegue este feito. Hugh não aceita bem a derrota, e acha que Daniel trapaceou.

Quando um cavalheiro quer preservar a sua honra, os mesmos fazem um duelo. Nenhum dos dois tinha a intensão de matar, mas Daniel acabou ferido no ombro e Hugh com uma bala alojada em sua perna. O pai de Hugh ficou furioso, pois seu filho é o seu herdeiro e ele tinha medo que Hugh morresse, então ele decide caçar Daniel para matá-lo. Clique aqui e conheça a história de Daniel.

“Hugh deveria dar um herdeiro para Ramsgate, mas, agora, vejam só: era um aleijado inútil. Que provavelmente também não poderia gerar um filho. “

O ferimento de Hugh levou meses para sarar, mas ainda assim ele ficou manco e tem muita dificuldade para andar. Ele fica recluso e quase não sai de casa. Mas agora Daniel – que virou seu amigo – estava de volta e Hung é chamado para ir até o casamento de Honoria, irmã de Daniel.

A Soma de Todos os Beijos também conta a história da jovem Sarah Pleinsworth, tivemos uma palinha da sua personalidade em Uma noite como esta quando ela finge estar doente para não tocar no quarteto, que era uma tradição que a família insistia seguir à risca mesmo tendo ciência de que as jovens são péssimas.

Hugh teve apenas um encontro com Sarah e percebeu o quanto a jovem é dramática e intensa. Quando ele vai para o casamento da irmã do seu amigo ele sabe que irá encontrá-la lá e ele tentaria evita-la a todo custo, mas o destino tem outros planos.
Honoria, futura esposa de Marcus, pede para que Hugh substituía seu padrinho de casamento, ela quer que ele se sinta bem-vindo, e para isso pede para sua melhor amiga, Sarah fazer companhia ao cavalheiro, mas o que ela não sabe é que Sarah o odeia. Ela o culpa por ter perdido três temporadas e continuar solteirona, por conta do duelo que se transformou em um escândalo. Mas Sarah faria quaisquer coisas para sua amiga, sendo assim ela atende o seu pedido.

“Não queria uma paixão arrebatadora. Era pratica demais para acreditar que todos encontravam o verdadeiro amor – ou que sequer existia um verdadeiro amor. ”

Ela passa semanas ao lado de Hugh antes do casamento, e após a ele, pois Daniel também se casaria em duas semanas, o que começa como uma tortura para ela se torna algo adorável, quando eles deixam as diferenças de lado, ela descobre que o homem que tanto culpa pela sua solteirice é um homem com um enorme coração, integro e belo.

E Hugh descobre que a jovem não é dramática, ele começa a perceber o quanto Sarah é adorável. O sentimento começa a crescer dentro dele, e ele tenta fugir a todo custo.

“Não gostava dela. Realmente não gostava, mas, por Deus, teria vendido uma parte da sua alma naquele instante para dançar com ela. ”

UAL! Essas três letrinhas definem tudo que senti lendo esse livro. Os leitores que me conhecem sabem que a Julia Quinn não é a minha autora favorita de romance de época, pois eu ainda não tinha achado um livro dela que me fizesse surtar. Mas depois desse livro eu posso dizer uma coisa: ESSA MULHER É A RAINHA DA #### TODA! Eu li esse livro em oito horas e não consegui larga-lo.

É até difícil fazer uma resenha digna desse livro. A autora abordou; perdão, aceitação, superação, amor, paixão, amizade e honestidade em apenas um livro. Em muitos momentos eu fiquei com o coração apertado pela dor que Hugh sente.

Ele é um daqueles personagens que nos inspira, que nos faz acreditar na humanidade dos seres humanos e mostra que somos capazes de vencer até mesmo as maiores adversidades.

Julia Quinn trouxe personagens diferentes que nos primeiros livros sequer imaginávamos que eles dariam certo, mas o amor é assim; acontece quando a gente menos espera. Esse livro é carregado de diálogos divertidos. A interação dos personagens é fantástica e a forma como o amor foi crescendo foi tão real que eu me vi completamente apaixonada pelo casal.
ARRETADOR! Apenas leiam!



site: https://www.youtube.com/channel/UCEAOSxp_hy3Bklx1QgLg_Dw
comentários(0)comente



Cris.Pgnn 16/07/2017

bem...
não é o melhor livro da Julia, mas vale a pena ler porque de certa forma, dá continuidade aos dois livros anteriores do Quarteto.
Não é ruim, mas também não é ótimo.
comentários(0)comente



@mamaetalendo 07/07/2017

#ASomaDeTodosOsBeijos é o terceiro livro do quarteto #smythesmith de #JuliaQuinn. Para mim, o melhor do quarteto até agora. Já conhecemos os personagens porque eles já estavam presentes nos livros anteriores, e por isso eu não tinha uma boa impressão de Sr. Hugh Prentice, e aí tudo muda, aqui conhecemos sua versão do duelo que mudou toda a sua vida. O romance entre ele e Sarah é construído tão lindamente que me apaixonei pela história! Ah... e fala de superação! Amei e recomendo muito!?sinopse: Lorde Hugh Prentice é um gênio da matemática e teve sua perna (e sua vida) arruinada por causa de um duelo com seu amigo, Daniel Smythe-Smith. Nesse livro, conheceremos um pouco da história de Hugh, antes e depois do acontecido. Sua família, o desespero de seu pai para conseguir que um de seus filhos lhe desse um herdeiro, visto que um não é chegado à mulheres e o outro, provavelmente terá dificuldades em encontrar uma esposa, e principalmente em ter filhos. E, claro, sua relação de amor e ódio com Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel, que mesmo antes de conhecê-lo, já odiava Hugh por ter arruinado sua família através desse duelo. Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa... É claro que eles não se dão no início, mas com o tempo, ainda mais depois do primeiro casamento, quando ela fica impossibilitada de andar, eles deixam as diferenças de lado e começam a se conhecer realmente, e, o que era ódio, acaba se tornando uma paixão avassaladora. Mas as limitações de Hugh vão ser apenas um dos problemas que o casal enfrentará pelo caminho... #bookaholic #booklivers #book #instalivros #instalivro #instabook #indico #ler #leitura #lerevida #leiamais #lersempre #livro #livros #literatura #book #libro #mamaetalendo
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Suelen Fonseca 16/07/2017minha estante
Vc disse exatamente tudo que eu senti!!
Hugh sem dúvidas é meu personagem predileto em anos!!
Esse livro é o meu predileto!!


Desi Lyra 18/07/2017minha estante
É amor demais por essa série!




Lizzy 22/06/2017

3.5/5 estrelas. O livro decididamente demora a engrenar. A Sarah da primeira parte do livro é bem chatinha e sem graça. Hugh, por outro lado, é daqueles mocinhos fofos que dá vontade de colocar no colo, meio triste e cheio de problemas com o pai. Enfim, algo em torno de 63% de leitura faz o livro reviver com aquelas fofurices que a Julia Quinn domina como ninguém.
comentários(0)comente



Rillsimo 21/06/2017

O melhor de toda série ♥

Não dá para começar a falar a respeito das minhas impressões sobre o livro se não falando que, sem dúvidas, ele foi o meu preferido de toda a série. Como costumo dizer em quase todas as resenhas, a naturalidade com que o sentimento acontece entre o casal protagonista é algo que preso muito nos livros e, nesse, isso não faltou. Sarah e Hugh são dois seres de personalidades fortes e temperamentos quentes. De modo que foi uma história intensa, até nos momentos suaves. No início havia uma desafeição mútua entre eles e, ao contrário do que muitas vezes vejo nesses casos em romances por aí, isso não me pareceu algo forçado. Da mesma forma que eles começaram a se entender e a gostar da companhia um do outro com tanta sutileza, que eu consegui observar cada detalhe e, ao mesmo tempo, quando notei já tinha acontecido. As cenas de ambos são recheadas de meiguice e, principalmente, diversão. Oh livrinho que me fez rir o tempo todo.

Quanto aos personagens, como acredito que já tenha deixado claro, Hugh e Sarah me cativaram por inteiro. Ele faz o estilo fortão com pitadas de fragilidades emocionais muito bem escondidas que nos despertam o instinto de cuidado. É charmoso, cheio de coragem e doçura, ainda que nem sempre saiba disso. Sarah não tem nada de delicada ou frágil como as mocinhas que vemos nos romances a fora. É teimosa, divertida e luta como ninguém para proteger a si mesma e as pessoas que ama, uma das características que mais me encantou nela. Os dois formam uma dupla e tanto e a gente só consegue vibrar, chorar e torcer com cada conquista e dificuldade deles. Não poderia deixar de citar as irmãs de Sarah, claro, que são terríveis do melhor jeito possível e dão um toque especial à história. Elas aparecem nos outros livros também mas muito mais nesse, fazendo toda a diferença.

Creio que os pontos positivos já tenham ficado claros acima e, quanto à pontos negativos, não encontrei a serem destacados. É uma história leve e apaixonante que super recomendo para qualquer um que curtir um bom romance e, para quem gosta especialmente de romance de época, é impossível não se apaixonar por Hugh e Sarah, a soma de todos os seus beijos, declarações, alfinetadas e momentos lindos.

Resenha postada no blog Rillismo

site: http://rillismo.blogspot.com.br/2017/06/resenha-soma-de-todos-os-beijos-por.html
comentários(0)comente



Tracinhas 12/06/2017

por Juliana Arruda
A SOMA DE TODOS OS BEIJOS nos conta como exatamente aconteceu o duelo entre o Hugh e o Daniel, e a quase morte de ambos, sob o ponto de vista do Lorde Hugh.

Lady Honoria, a irmã de Daniel, está prestes a se casar, e convida Hugh para o seu casamento para ser seu padrinho (e para fazer par com a Sarah Pleinsworth). Como ele não pode recusar o pedido de uma noiva, cabe a ele fazer o que lhe é pedido.

No entanto, Sarah odeia Hugh. Ele foi o culpado para que o seu primo Daniel fugisse de Londres, e justamente no ano em que ela iria para a sua primeira temporada. Por causa do que aconteceu, ela precisou adiar o seu debute por mais um ano, perdendo a chance de se casar no melhor ano de casamentos que acontecera.

Bem, claro que Sarah ainda guarda rancores. Se não fosse por ele, ela estaria casada e livre de recitais; mas não, ela ainda luta para encontrar um marido e ainda enfrenta todos os anos a tortura que é fazer parte do quarteto musical dos Smythe-Smith.

Então, quando ela descobre que Hugh vai ser seu par, ela promete a Honoria que vai fazer de tudo para manter as aparências e não constrangê-lo, já que é a festa de casamento de sua prima favorita. Mas aquele ódio dentro de si nunca iria se apagar.

De qualquer maneira, o caso é que nada é fácil para Sarah. Como o casamento de Daniel vai acontecer uma semana depois do casamento de Honoria, e com quase os mesmos convidados, os Smythe-Smith resolvem fazer uma grande festa, durante alguns dias. Os convidados saem de uma festa e vão diretamente para outra e Hugh acaba ficando por ter que dividir a carruagem com a Sarah e suas irmãs.

Adorei conhecer esses dois personagens e fiquei apaixonada pelo cuidado que a Sarah acaba tomando com o Hugh e a perna dele. Assim como Hugh tem cuidado com a Sarah e é todo cavalheiro com ela — apesar dos pesares.

Comparado aos outros dois livros, esta história não me foi o bastante. Senti falta de algo, embora não saiba o quê. Acredito que um pouco mais de ação por parte dos personagens.

Mas e vocês, o que acharam?

site: http://jatracei.com/post/161731133337/resenha-261-a-soma-de-todos-os-beijos
comentários(0)comente



ELB 01/06/2017

Dando sequência ao quarteto, temos agora a história de Sarah, a pianista deste grupo pouco afinado, e que já mostrou, nos livros anteriores, sua intensa aversão em tocar nos recitais (eu a compreendo, Sarah), recitais estes que mais parecem o momento anual de passar vergonha em família e diate da sociedade londrina que, infelizmente, insiste em comparecer a esse evento. Se por pena ou para dar uma força moral, ninguém ainda sabe.

Mas como a única forma de se livrar desse constrangimento é casando, seu suplício está longe de chegar ao fim. Sem pretendentes à vista que possa tirá-la desse tormento, o jeito é se resignar (ou dar desculpas convincentes para não participar). Claro que ela poderia ter se livrado disso se tivesse debutado um ano antes, quando a temporada estava cheia de cavalheiros, bons partidos que infelizmente, logo foram "fisgados". Mas devido aos acontecimentos com seu primo, Daniel, ela não pôde. Assim, só lhe resta culpar Hugh Prentice de seu infortúnio. Ele que provocou o duelo e o escândalo que fez sua família ficar reclusa durante meses, sem aproveitar a temporada. Nada mais lógico que dedicar-lhe um desprezo gratuito. Mesmo sem antes terem o mínimo contato social.

Hugh Prentice, um matemático que esconde uma mente brilhante, deixou a bebida embotar sua mente por uma única noite, o que o fez cometer um erro que teve como consequência a partida de seu amigo Daniel e ainda o deixou com uma deficiência na perna. Além de ter provocado a ira do seu pai sobre Daniel, sequer imagina que isso também provocou o desprezo de Sarah, a quem nunca teve contato, mas pelo breve que vira, considerava uma criatura fútil e dramática. Opinião que se agrava quando ela o agride gratuitamente, derramando suas mágoas sobre ele.

Resultado disso? Diálogos inflamados, recheados de provocações intermináveis com Hugh muitas vezes desconcertando a jovem, que achava cheia de razão. os dois realmente não se suportam, sempre travando alguma guerra sutil de palavras que deleita a nós, leitores. Os dois obviamente não esperavam levantar forçadamente uma bandeira branca a pedido de Honoria, que pede à Sarah que seja a acompanhe de Hugh durante a celebração do seu casamento. Isso força que ambos deixem a animosidade de lado e convivam em relativa paz pelos próximos dias.

Claro que, tendo que conviver e deixar as armas verbais de lado, os dois logo têm a oportunidade de se conhecerem melhor, e as impressões negativas vão sendo deixadas de lado pelo caminho. E um único beijo passa a fazê-los questionar tudo o que sentiam um pelo outro. E a soma de cada beijo que ambos trocam levam a um resultado: que o amor e a paixão surgem de repente, podendo ser por alguém totalmente inesperado que vai despertar o desejo de se entregar totalmente.

"– A aritmética funciona de modos misteriosos.
Sarah revirou os olhos.
– Ao contrário do amor?
– O amor é totalmente incompreensível – afirmou Honoria. – A aritmética é apenas misteriosa."

Porém, com a descoberta do amor, os dois também vão descobrir que nem sempre a felicidade está ao alcance e que se precisa vencer vários obstáculos para o tal almejado "felizes para sempre."

***


A Soma de Todos os Beijos é também a soma de tudo aquilo que gostamos de ler nos livros de Julia Quinn: romance, momentos engraçados, um casal cheio de personalidade, sem contar os personagens secundários maravilhosos. Destaque para as irmãs de Sarah (preciso de uma série só com elas). Os diálogos são bem divertidos, deu uma dinâmica muito boa.

Sobre os protagonistas, amei a forma como os dois foram construídos, como o romance se desenvolve entre duas pessoas aparentemente tão diferentes. Sarah acaba por não ser a mocinha fútil que Hugh acredita que seja, ela se revela uma pessoa com uma personalidade que o cativa, pronta a admitir seus erros e consertar suas falhas. E ainda esconde uma natureza romântica que só ele foi capaz de despertar.

Sobre Hugh (suspiro), eu realmente o amei. Sua personalidade espirituosa, e por vezes distante, esconde um homem protetor com quem ama e dedicado aos seus. Me envolvi completamente com seus traumas de infância e seus medos atuais sobre não ser merecedor de amor pelos seus defeitos físicos, muitas vezes achando indigno de ter Sarah por isso. E essas inseguranças vão sendo trabalhadas lentamente, durante o relacionamento em construção com ela.

Também achei bem válido a abordagem desses conflitos que deixa o relacionamento dos dois no meio deles, deu aquela pitada a mais na história e fez com que os personagens crescessem, principalmente Sarah, que deixou de ser uma mocinha passiva para ir em busca do que quer. Isso e outros detalhes que a autora coloca ao longo do romance, como a interação com os personagens dos livros anteriores, faz com que a leitura realmente seja prazerosa.

Enfim, mais uma história que vale a pena a leitura de cada linha. E não posso deixar de indicá-la para os amantes de Julia Quinn.


site: http://www.everylittlebook.com.br/2017/03/resenha-soma-de-todos-os-beijos-julia.html
comentários(0)comente



Tatiana.Bianque 27/05/2017

Inesperadamente fofo...
Das meninas Smythe - Smith, Sarah não era a minha favorita, na verdade, eu a achei bem chata, egoísta e invejosa, mas quando se torna protagonista de sua própria história as coisas mudam.
Sarah é o atrevimento em pessoa, sempre provocando e trocando farpas com todos até encontrar o adversário perfeito, Hugh Prentice! Este é inteligente, bem educado, lindo, com intensidade no olhar e um cavalheiro de verdade, seu único problema é estar com a auto estima quase inexistente, ele não se perdoa por seus erros e não se acha merecedor de coisa boas, isso até encontrar um desafio que o desperta para a vida, a atrevida Srta. Sarah!
A história foi "entre tapas e beijos", me surpreendi com a protagonista que mostrou saber defender o que deseja, mesmo sem ter total consciência do que está fazendo, assim como no livro anterior, esse me fez rir bastante e torci para uma conclusão de arrancar suspiros, e não deixou a desejar, Sarah foi pura ousadia, o que é surpreendente para a época, e Hugh foi o mais romântico dos cavalheiros, adorei....
comentários(0)comente



Ana 21/05/2017

Some todos os beijos mesmo...
Nesse terceiro livro da série, o que posso dizer? Amei, por vários fatores.
Nossa Sarah é uma dama fora do comum em Londres, pelo fato de ser amada e ao mesmo tempo ser sincera com todos, não deixando escapar até Hugh à quem sentia uma raiva de anos por perder um baile onde teve o maior arranjo de casamentos.
Com Honoria e Daniel se casando quase ao mesmo tempo, Sarah teve que se deslocar para a casa de campo para a realização do casamento dos primos, e Honoria pede que atenda um favor, onde teria que ser gentil com Lorde Hugh. Depois disso, é um desenrolar muito intrigante e ao mesmo tempo eufórico, porque ambos tem uma visão parecida da sociedade e são inteligentes.
Hugh viu sua vida mudar completamente depois do incidente com Daniel, viu que não seria o mesmo de antes, e que teria que andar mais devagar que os outros e usar uma bengala para o resto da vida. Mas isso não deixou que ele vivesse sem desejar uma mulher ao seu lado. Ao conhecer Lady Sarah, não foi uma conversa muito amigável, pelo fato de nunca ter trocado palavras com ela, e lá estava ela, tendo que fazer companhia para ele.
Portanto, nossos protagonistas, simplesmente se tornam amigos, e veem que conseguem ter uma conversa solida sem ter brigar por nada, os sentimentos começam a aparecer em pequenos detalhes, a valsa, o beijo na mão e o famoso beijo roubado.
comentários(0)comente



Jenn 21/05/2017

amei amei amei
hugh é só suspiros
comentários(0)comente



LadyRoob 07/05/2017

Um romance delicioso!
Devorei. Sim a palavra é essa. Comecei esse livro ontem a noite e simplesmente nao consegui parar. Maravilhoso!
No terceiro volume da nova serie da Julia Quinn, temos a história de Hugh Prentice. Há três anos Hugh cometeu um erro, um erro que o assola até hoje. Em um duelo com Daniel Smythe-Smith, Hugh acabou levando um tiro que destroçou o fêmur e o condenou a usar uma bengala. Mas o que mais dói em Hugh é a culpa por aquele fatídico dia.
Lady Sarah Pleinsworth odeia Hugh Prentice. Como prima de Daniel é claro que ela o odeia, mas o ódio dela pelo cavalheiro em questão vai muito além disso. Ela o culpa por não ter conseguindo debutar na temporada em que 14 cavalheiros ficaram noivos.
Esse livro é maravilhoso! Sarah e Hugh formam um casal que arranca suspiro de qualquer um! Com cenas de paixão deliciosos e momentos de amor cálidos e apaixonantes, esse casal conquista a todos desde o seu primeiro encontro até a última página.
Um livro magnífico! Cheio de cenas deliciosas.
Mesmo não podendo comparar o melhor da série, esse livro com certeza explica o porque de a Júlia Quinn ser considerada a Jane Austen do Século XXI.

site: https://www.instagram.com/p/BTzmUHah3os/?taken-by=leitoresestranhezas
comentários(0)comente



liahey 02/05/2017

O incrível mundo de Julia Quinn
O incrível dos livros da Julia Quinn é como ela consegue encontrar o equilíbrio ideal para suas protagonistas: jovens que, ao mesmo tempo que querem seguir a tradição da época de se casarem e se tornarem esposas dedicada que geram herdeiros para o maridos, também são fortes, inteligentes e que lutam a favor do que é correto, assim como também não se contentam com menos do que merecem.

Sarah Pleinsworth se encaixa perfeitamente, na minha opinião, na descrição acima. Porém, ela não quer se casar apensar por ser algo que a sociedade esperar, ela precisa arrumar um marido para não precisa tocar no Quarteto Smythe-Smith. Entretanto, ela quer encontrar o marido ideal e Hugh Prentice não se encaixa na sua idealização. Ela o culpa pelos anos em que seu primo, Daniel, ficou em exilo e também pelos supostos maridos que perdeu. Hugh, por outro lado, não é o maior fã da senhorita Sarah porque ela é excessivamente dramática.


site: http://www.oespacoentre.com.br/2017/05/resenha-soma-de-todos-os-beijos.html
comentários(0)comente



KAMI 29/04/2017

o meu preferido!
De todas as histórias do Quarteto Smithe-Smith a que mais gostei até agora foi esta (ainda não li Os Mistérios de Sir Richard), por pintar personagens tão reais! Meu deus, nem tudo na vida são flores e nem todos são totalmente puros de coração, me vi muito em Lady Sarah (admito rs) e o humor negro de Lorde Hugh era refrescante, enfim, muito encantadora a história
comentários(0)comente



Conchego das Letras 26/04/2017

Resenha Completa
Como eu sempre digo, não desistam de uma série apenas porque um dos livros dela não te agradou. O seguinte pode ser bem melhor. Esse foi o caso de A soma de todos os Beijos. Aqui conheceremos a história de Hugh Prentice, o amigo que entrou em um duelo com Daniel Snythe-Smith e acabou manco.

É verdade que mais uma vez teremos a repetição do fatídico duelo, mas dessa vez entenderemos o por que de Hugh ter ficado tão revoltado a ponto de provocá-lo, assim como o motivo de ele ter perdoado tão facilmente sua quase morte e as sequelas deixadas pelo tiro que levou.

O tempo passou e agora Hugh e Daniel tentam fortalecer novamente os laços de amizade que possuíam, além de melhorar a imagem de ambos perante a sociedade. Para dar uma mãozinha a essa situação, Honoria (livro 01) o convida para o seu casamento e, de última hora, ele acaba sendo chamado também para fazer par com Sarah Pleinsworth como padrinho na mesa central. Como pedido de noiva não se nega... Lá vai ele.


Sarah nutre um grande rancor por Hugh, pois o ano em que o primo dela teve que ser exilado para não morrer era o ano em que ela iria debutar. Em virtude dos acontecimentos, sua noite de estreia teve que ser adiada por um ano e aquele foi um bom para casar, então... Ela o culpa por ainda estar solteira e ter que enfrentar a "tortura" de continuar tocando nos recitais da família.

É mais do que óbvio que vai sair faísca entre os dois, tanto em termos de raiva quanto em termos de atração. Ambos com um temperamento ácido digno de nascidos do signo de áries com ascendente em áries também (rsrs), presenteiam os leitores com debates que divertem até mesmo nossa querida Lady Danbury.

Como os convidados seriam praticamente os mesmos do casamento de Daniel, uma semana depois, O Smythe-Smith resolve fazer do dele uma festa de arromba, durante dias. Assim, os convidados vão direto de uma festa para a outra e Hugh acaba tendo que dividir a carruagem com Sarah e suas três irmãs.

As meninas tem um papel fundamental na aproximação do casal principal dessa história, trazendo ainda mais leveza e irreverência ao contexto.

Sem um plot twist de impacto, o livro segue uma linearidade gostosa, simples, e envolta em um clima de romance e troca de farpas. Apesar disso, podemos aprender também lições interessantes, como a importância da força de vontade e perseverança, a capacidade de se colocar no lugar do outro e de reconhecer os erros, assim como o poder renovador que é mudar de ideia e perdoar. Uma leitura muito agradável para relaxar após uma semana estressante.

site: http://www.conchegodasletras.com.br/2017/04/resenha-soma-de-todos-os-beijos-julia.html
comentários(0)comente



40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3