A Soma de Todos os Beijos

A Soma de Todos os Beijos Julia Quinn




Resenhas - A soma de todos os beijos


58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Daiane.Candido 22/11/2017

Divertido
Gente eu amei esse livro, Julia Quinn como sempre encantando em cada livro... Um romance leve, divertido muito contagiante, me peguei rindo várias vezes!

Sarah e Hugh serão sempre o meu casal favorito. ?
Daiane.Candido 22/11/2017minha estante
Hugh**




Veruska 15/11/2017

A soma de todos os beijos
Quatorze! Quatorze cavalheiros se comprometeram naquela temporada de que Sarah Pleinsworth não participou. E de quem era a culpa, na cabecinha dela? De Hugh Prentice, que, bêbado, insultara seu primo Daniel Smythe-Smith, desafiara-o para um duelo, em que Daniel atingiu Hugh, foi ameaçado de morte pelo pai dele, teve que abandonar o país, e a família, envergonhada, não participou da temporada londrina... Portanto, claro, a culpa era de Hugh!
Hugh, por sua vez, com sua perna coxa sempre desconfortável, não suportava os comentários dramáticos da jovem Sarah.
Eles não se suportavam. Mas Honoria pediu que Sarah fizesse companhia a Hugh, nos eventos festivos de seu casamento... e então, cada qual, aos poucos começa a enxergar além da superficialidade um do outro.
Quando vi que o enredo seria com Hugh Prentice, já apresentado nos volumes anteriores da coleção, fiquei muito interessada, e o livro não decepcionou. O melhor de todos até agora.
Uma história de amor linda e envolvente.
comentários(0)comente



Fabi 12/11/2017

A SÉRIE AINDA NÃO CHEGOU AO PONTO DE AMAR
E eu que achava que este livro ia me conquistar...
Me enganei feio. =/
Não chegou a ser uma leitura tediosa, mas também não foi nada digno de amar para mim.
Hugh Prentice é amigo de Daniel (aquele que participou do duelo). Ele tem uma perna que manca, e neste livro, O Prólogo é sobre como foi o duelo pelo ponto de vista dele.
Hugh carrega a culpa do que aconteceu. Ele não admite que Daniel tem que viver longe de sua família por um momento de falta de razão. Por este motivo, ele fez um acordo com seu pai, que se um dia matasse Daniel, Hugh se suicidaria.
O pai dele é um canalha, nem amor pelos filhos ele tem.
Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel carrega ódio por Hugh. Ela o culpa por não poder ter tido a primeira temporada, ter perdido a chance de talvez já estar casada.
A garota o despreza e odeia estar no mesmo lugar em que ele está.
Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa...
Honoria pede para ela se aproximar dele, fazer com que ele se sinta mais a vontade. Sarah faz este sacrifício pela amiga e nem imagina que Hugh não é o cara mau que ela pensa.
É inacreditável saber que até agora, esta série não me cativou. Não sei se o problema é comigo ou a série que não é ótima.
Gostei mais das 3 irmãs da Sarah do que o romance dela com o Hugh. As meninas são muito engraçadas juntas e nos transmite aquela mesma sensação de família que vimos em Os Bridgertons.
Vou ler o 4 livro mas sem pretensões que vou amar. =(
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Dea 07/11/2017minha estante
Meu favorito ?


Vânia 12/11/2017minha estante
Do quarteto, este tbm é o meu fav




Eu Pratico Livroterapia 14/10/2017

A Soma de Todos os Beijos
Anos atrás, Lorde Hugh Prentice se envolveu em um duelo com o então amigo Daniel Smythe-Smith. Não era pra ser assim, era para eles mirarem em outro lugar, que não na pessoa a sua frente e seguirem suas vidas. Só que deu tudo errado e Hugh acabou dando um tiro no ombro de Daniel, que se desequilibrou e acertou um tiro na perna de Hugh.

O tiro atingiu o osso, que estraçalhou, deixando Hugh manco para sempre, além de com dores horríveis. Ele era a única esperança do pai de ter um herdeiro, já que pensa que agora isso é impossível, seu pai jura vingança, sem outra alternativa, Daniel foge de Londres e só volta três anos depois, quando Hugh finalmente convence seu pai a deixar o amigo em paz.

Sarah é prima de Daniel e se sentiu profundamente prejudicada por Hugh, já que no ano em que se deu o duelo, ela não pôde frequentar os bailes a fim de tentar arranjar um marido, já que as Smythe-Smith têm que se apresentar anualmente para muita gente, a menos que se casem, e Sarah até hoje não casou, e odeia se apresentar, pode se imaginar que ela coloca toda a culpa da sua tragédia particular em Hugh né.

Mas Daniel e Hugh retomam a antiga amizade e estamos no casamento de Honoria e Marcus (que se apaixonaram em Simplesmente o Paraíso). Honoria pede então à Sarah que faça companhia ao rapaz, já que tem medo que todos sejam rudes com ele, por não ter esquecido o que aconteceu no passado. Eles não se suportam, mas Honoria não sabe disso, e como não se pode negar nada à uma noiva, eles concordam em se tolerar por alguns dias. O Casamento acontece, só que duas semanas depois, teremos o casamento de Daniel e Anne (que se conheceram e se apaixonaram em Uma Noite Como Esta), em outra casa, mas nas mesmas circunstâncias, ela tem que fazer companhia ao rapaz.


Claro que é de se imaginar o que acontece né. Eles vão se aproximando, aquele ódio que ela nutre por Hugh vai se transformando e os sentimentos dele por ela vão crescendo também. Ele não a odeia, ela não fez nada a não ser, culpá-lo pela ruína dela, mas ele também se culpa por todos os erros do passado, além de sentir que jamais poderá corresponder ao amor de ninguém já que tem uma perna arruinada.

O amor que cresce entre eles é bem bonitinho, fofo de ler e nós vamos percebendo junto com Hugh, que ele é sim capaz de defender a amada, principalmente quando vemos que seu pai, egoísta que é, vai tentar intimidá-la. Eles vão se mostrar uma dupla forte, unida e muito esperta, vão entender que precisam um do outro para ser feliz.

O romance é leve, as cenas mais picantes são bem pouquinhas e os diálogos divertidos são o ponto alto da trama. Com personagens bem construídos, a autora soube trazer uma estória que começou lá no primeiro livro bem amarradinha e de forma que conseguimos saber o que aconteceu com os casais anteriores, que felizmente aparecem por aqui, infelizmente, só um pouquinho!

O livro é perfeito, com uma capa linda e delicada que traduz com perfeição o enredo, uma leitura leve, fácil e divertida que eu só posso recomendar!


site: http://www.eupraticolivroterapia.com.br/2017/10/a-soma-de-todos-os-beijos-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Maravilhosas Descobertas 10/10/2017

A SOMA DE TODOS OS BEIJOS, DE JULIA QUINN
Hoje continuo trazendo para vocês mais um livro da nova série de Julia Quinn, autora famoso por seus romances de época. A Soma de Todos os Beijos, é o terceiro e penúltimo livro da série Quarteto Smythe-Smith. Onde cada livro foca em um membro da família, que é socialmente conhecida pelas apresentações anuais de suas jovens integrantes, que não possuem nenhum talento musical. Neste livro, a protagonista é Sarah Pleinsworth, prima de Daniel Smythe-Smith, que foi o protagonista do livro anterior Uma Noite Como Esta (Confira a resenha aqui).

Sarah odeia o fato de ser obrigada a tocar no quarteto da família. E vendo os recentes casamentos ao seu redor, ela se pergunta se vai ter a sorte de se casar ou vai ter que morrer para fugir dessa obrigação familiar. Por causa dos iminentes casamentos de Honoria e de Daniel, toda a sociedade londrina parte para o campo, e junto com eles vem Hugh Prentice, amigo de Daniel, e que foi inicialmente responsável pelo duelo que envolveu o exílio de seu primo, mas que também causou a lesão na perna de Hugh que o impede de até mesmo caminhar normalmente.

Para mostrar que todos estão satisfeitos com a reaproximação de Hugh e Daniel, e que a mágoas ficaram para trás, Hugh é convidado para os casamentos e cabe a Sarah servir de acompanhante e mostrar toda a boa disposição da família. Mas para ela, Hugh é o principal responsável por tudo que tem dado errado, desde o duelo 3 anos atrás. E para completar, ele tem a habilidade de irritá-la como ninguém, com uma resposta para tudo. Para Hugh participar dos eventos é um favor para um amigo, mas também uma causa de dor maior para a sua perna a qualquer grande movimento, e ainda ter que lidar com a dramática lady Sarah, só piora tudo.

Fiquei bem curiosa quando soube que este livro falaria de Hugh, porque ele me chamou bastante a atenção durando o livro passado. Com uma mente racional, focada em números, mas ainda sendo divertido, ele utilizou uma ideia bem inusitada para impedir que seu pai matasse Daniel Smythe-Smith. Se matar caso algo acontecesse com o amigo. Isso impediu o pai, mas não tornou a relação entre os dois mais fáceis, já que para Ramsgate, o filho Hugh é a única chance de passar seu titulo para um membro da família. Desde o começo, gostei muito da interações entre Hugh e Sarah, eles sabem ser perspicazes e apesar do começo ruim entre os dois, ele vão se conhecendo e passam a entender muito bem um ao outro.

Sarah pode dar uma impressão de superficial e até mesmo egoísta, por sua atitude passada em deixar as primas na mão durante um dos concertos, mas ela mostra um lado mais doce, gentil e demonstra ser muito apegada a família. Como vemos nos outros livros, Julia Quinn nos diverte com as jovens Frances, Iris e Harriet, que podem deixar com qualquer um doido com suas conversas. Os momentos românticos entre o casal principal também são bem doces, e a espera vale a pena.

Como sempre acontece com as histórias da autora, ela conquista o leitor com seus diálogos inteligentes e divertidos, personagens complexos, e com um enredo que parece simples, mas que entretêm o leitor. Apesar de talvez o livro anterior ainda seja o melhor para mim, A Soma de Todos os Beijos ainda é uma ótima história e que vale a pena ser lida.



site: http://www.maravilhosasdescobertas.com.br/2017/10/a-soma-de-todos-os-beijos-de-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Laura 08/10/2017

Gostei! Achei ótimo o contraste dos personagens da trama central, enquanto Sarah é egoísta, mimada, dramática e falante, Hugh não poderia ser mais diferente. Ele é o meu mocinho favorito na serie. O que não gostei, o vilão pai de Hugh 9que é um lixo) não ter se lascado mais (risos! Eu sei minha veia má sempre se manifesta nessas horas) E as irmãs mais jovens de Sarah são ótimas, elas mereciam ate um livro só delas, sempre me fazem rir.
comentários(0)comente



Chel 29/09/2017

Eu esperava mais...
Hugh Prentice é o melhor jogador de piquet. Com sua peculiaridade em decorar números, ninguém consegue vencê-lo no jogo. Mas, nem tudo dura para sempre. Sua invencibilidade acaba quando Daniel Smyth-Smith o vence em uma partida, embora o único motivo disso tenha sido o exagero de Hugh com a bebida.

Sentindo-se trapaciado, Hugh desafia Daniel para um duelo. Ambos estupidamente cometem um erro que muda a vida de ambos.

Três anos mais tarde, finalmente, os mocinhos fazem as pazes e Hugh convence seu pai de não matar Daniel.

É o casamento de Honoria, irmã caçula de Daniel, prima de Sarah Pleinsworths. Honoria propõe a sua prima Sarah que ela faça companhia a Hugh, mas o que ela não sabe é que ambos se odeiam. Para não contrariar a prima, que também é sua melhor amiga, Sarah aceita o pedido de Honoria.

Sarah e Hugh se esforçam para manter as aparências da boa educação na alta sociedade e passam bastante tempo juntos, se aturando. Com o passar dos dias, na companhia um do outro, ambos vão se compreendendo e a relação deles torna-se amigável. Ambos então, acabam se apaixonando.

Mas, um contrato feito com o perverso Lorde Ramsgate, pai de Hugh, para manter Daniel vivo pode impedir que Sarah e Hugh se casem.

Minha Opinião

O terceiro livro da série Quarteto Smyth-Smith é fofo! O casal protagonista Hugh e Sarah começam sua história de amor com muito humor, sarcasmo e trocadilhos, tornando a história além de romântica, muito animada.
Mas, embora o livro seja fofo e animado, não me prendeu tanto quantos os outros livros que já li da Julia Quinn. Não foi um livro que me fez surpirar de amores. De 1 a 5, minha nota seria 4. O livro não é ruim, só não me prendeu tanto. Eu esperava mais.

Beijos, até a próxima...


site: www.herdeiraliteraria.com
comentários(0)comente



Michele.Nunes 27/09/2017

Amorzinho
Nunca esperei tanto para um casal ficar junto, e nunca torci tanto pelo primeiro beijo do casal, simplesmente amei, casal fofo, romance lindo.
comentários(0)comente



Lisse 29/08/2017

Lindo, fofo e divertido como a Diva Julia Quinn
"A soma de todos os beijos" é o terceiro livro do Quarteto Smythe-Smith da autora Julia Quinn e é definitivamente o livro mais fofo e mais delicado de todos que li até agora.

Bem antes de terminar "Um noite como esta" que é o segundo livro desse quarteto, eu estava enlouquecida com a ideia de conhecer mais o Hugh pois ele já tinha se tornado um personagem que conquistou meu coração. E o amor só se confirmou.

Já que um pouquinho de spoiler saudável não faz mal para ninguém, digo que Hugh foi aquele que fez Daniel fugir como louco de Londres, e mesmo depois de três anos, as fofocas, as consequências e a culpa ainda se fazem presente. Ninguém superou. Muito menos Hugh Prentice, mas ele não liga para o que as pessoas pensam, só quer viver normalmente e tentar colocar um pouco de juízo na cabeça do pai que insiste com a ideia de vingança.

Quote: "Ele olhou para a própria perna. Era justo. Fora ele quem começara tudo, portanto era ele quem deveria arcar com as consequências permanentes."

No entanto, o pai não é a única pessoa que Hugh precisa enfrentar, pois Sarah ainda não esqueceu o que ele fez para a família dela. Raiva, desprezo e insatisfação são alguns dos sentimentos que ela tem por ele e não finge nenhum deles, até na frente do próprio Hugh.

E nós leitores mortais, sabemos o que vem com tantos sentimentos negativos: amor. E não estou exagerando ao dizer que esse foi o melhor livro do Quarteto Smythe-Smith. Eu poderia ler e reler quantas vezes fosse porque ainda continuaria a amar Hugh e Sarah.

Quote: "Não queria uma paixão arrebatadora. Era prática demais para acreditar que todos encontravam o verdadeiro amor - ou que sequer existia um verdadeiro amor. Mas uma dama de 21 anos não deveria ter que se casar com um homem de 63."

Quando é convidado para estar nas comemorações que antecedem o casamento de Honoria e Marcus, Hugh não contava com a amabilidade de sua convidada ao pedir que Lady Sarah o entretece durantes os dias que estariam juntos na mesma casa. E para Sarah, esse pedido não é nada além de absurdo pois ela despreza o convidado e não disfarça seus sentimentos.

Quote: "Hugh se virou. Lady Sarah estava em pé a apenas alguns metros de distância, com uma postura rígida e furiosa."

Mas dia após dia, além de entender a pessoa dramática que Sarah é e os motivos para isso, Hugh também nota que há qualidades e preocupação. As longas conversas sobre família, o quarteto, as primas são situações que fazem Hugh ter um vislumbre mais bonito da nossa protagonista. E o contrário também funciona da mesma forma. Hugh apesar de ser uma pessoa mal humorada por causa dos seus movimentos limitados, precisar levar uma bengala, além de lidar com dor constante, também encontra divertimento em atormentar Sarah.

Quote: "Hugh riu e ela sentiu uma leve onda de eletricidade percorrer seu corpo. Podia não ter levado a melhor, mas definitivamente marcara um ponto. Verdade fosse dita, estava começando a se divertir. Ainda o detestava, em parte por princípio, mas tinha de admitir que pelo menos estava se distraindo um pouco."

Confesso que Sarah não era uma das primas preferidas dentro do Quarteto, mas eu consegui notar humanidade nela que nunca notei em nenhum outro personagem. Algo real sabe, porque ela tem falhas, como ser egoísta ao extremo e nem nota isso, faz dela alguém real. E com uma personagem tão forte e humana, Hugh não fica atrás, pois ele tem problemas sérios, como ter que lidar com o pai e praticamente viver sozinho. Achei que foi um bom equilíbrio entre eles.

Ao ser obrigada a se relacionar com Hugh, ela precisa pensar em alguém além dela. Hugh não quer, mas precisa de cuidados. Deixar as queixas que tem por ele talvez seja difícil, da mesma forma que para ele aceitar a companhia dela também seja. Deixar de lado o orgulho é difícil, mas há muito mais ali.

Esse terceiro volume da série com certeza foi meu preferido e super favoritado. Gosto de personagens masculinos sofridos e protagonistas que precisam aprender algo em relação a si mesma. Julia Quinn mais uma vez soube conduzir bem dois personagens difíceis para que pudessem se encontrar, perdoar um ao outro e conseguir viver algo bonito.

Quote: "Ela estava tentando não sorrir. Aquela era uma batalha de provocações e, de algum modo, Sarah sabia que, se risse, perderia. Se bem que perder não era uma possibilidade tão ruim. Não nesse caso."

É lindo, fofo e divertido como uma leitura romântica escrita pela diva Julia Quinn.
comentários(0)comente



Jennifer.Borelli 24/08/2017

O melhor até agora!
Comecei a ler as Smythe-Smith pelo primeiro livro, mas devo confessar que esse é de longe o melhor da série até agora!
Estória gostosa e engraça.
Vale muito a pena ler! Recomendo
comentários(0)comente



Talita Oliveira 22/08/2017

Resenha: A Soma e Todos os Beijos - Série Smythe-Smith, de Julia Quinn
Não é segredo, que Lady Sarah culpa Lorde Hugh pelo isolamento de seu primo Daniel Smythe-Smith... Por três longos anos a família chorou sua ausência. Por isso, foi tão difícil atender ao pedido de sua prima Honoria, para que fosse a acompanhante de Hugh durante as festividades de seu matrimônio.

O irônico é que o objetivo dessa convivência forçada é para que ele não se sinta deslocado em função dos inúmeros comentários que giram em torno do retorno de Daniel.

Hugh também está desconfortável com essa situação, pois além de se sentir culpado por Daniel, teria que enfrentar seus maiores temores diante daquela que sabia que não o tinha em boa estima e que faria questão de relembrar a todo momento.

Com o passar dos dias, a medida que se conheciam, perceberam o quão tolos foram em confiar na primeira impressão.

Sarah se surpreende ao perceber os verdadeiros sentimentos de seu acompanhante, não só com relação a Daniel, mas sobre sua limitação quanto homem devido a sua deficiência. Se deu conta, de que ele também havia perdido e que os danos eram irreparáveis.

Lhe doeu ver como ele se vê incapaz de ser o homem que sempre foi antes do acidente e lhe causa repulsa a forma como a sociedade o trata por sua deficiência. Decidida, pensou que sua teimosia haveria de servir pra algo; colocou todos os seus esforços em fazê-lo recuperar a auto-estima. As atitudes que para muitos seriam vistas como caridade, despertou em Hugh algo que há muito estava adormecido, a vontade de viver.

"Ele não dançava fazia quase quatro anos. E essa noite… estava sendo mágica. Jamais poderia lhe agradecer o suficiente por isso, por restaurar um pedaço de sua alma."

A partir daí acompanhamos o crescimento de um relacionamento baseado em amizade, confiança, cumplicidade e, claro, amor.

É lindo ver como Hugh supera seus medos, vence seus limites e reconhece em Sarah a companheira de sua vida. INFINITO +1 ❤️

site: https://www.facebook.com/quotesemimagem/
comentários(0)comente



Cris Paiva 16/08/2017

Hugh tem um defeito numa perna, devido a uma briga com Daniel (que já foi explicada no livro anterior), e ele se acha menos homem pelo fato de mancar, e de sentir dores horrorosas. Mas apesar disso, ele não culpa o Daniel pelo seu sofrimento, na verdade ele culpa sua própria burrice, e sente culpa pelo afastamento de Daniel da familia por todos esses anos.

Sarah sempre culpou Hugh pelo afastamento do primo, e não gosta muito de ficar presa a ele durante o casamento de Daniel, fazendo companhia para Hugh durante a recepção, mas é isso ou o primo com hálito de cebola, então, realmente ela não tem muita escolha.

Os dois não se dão muito bem no começo, mas vão se aproximando aos poucos. O romance dos dois vai acontecendo devagar, conforme eles vão se conhecendo e descobrindo afinidades. Sarah gosta de ver como ele se dá bem com a irmãzinha, e fica maravilhada com a sua mente matemática, e ele fica encantado pela familia maluquinha que ela tem e apesar das diferenças, se sente bem no meio deles.

Gostei mais dessa história do que a anterior, do Daniel. O Hugh é um fofo, daqueles que você se apaixona assim que aparece em cena, e fiquei torcendo imensamente para ele ter o final feliz que merecia, apesar daquele pai horroroso dele.
Faby Dallas 18/08/2017minha estante
Aff como amei esse livro, no início achei a mocinha bem anta por não ver aquele homem maravilhoso bem na sua frente pedindo para ser amado ( sim, eu senti do outro lado todo o sofrimento dele e o seu desejo de pertencer a alguém) #VomitandoArcoIrisMesmo.

O meu preferido da série.


Cris Paiva 18/08/2017minha estante
Até agora tambem foi o meu, o Hugh é tudo de bom!!


Faby Dallas 18/08/2017minha estante
Ele é tão fofo,,, affff, quero ele pra mim .... Li duas vezes já, pois esse livro merece ficar em detalhes na memória.




Tamires 16/08/2017

A Soma de Todos os Beijos, de Julia Quinn
A Soma de Todos os Beijos é o tipo de livro que você termina de ler e tem a sensação de estar com borboletas no estômago! Definitivamente, um romance com esse título não poderia ser menos que perfeito, mas Julia Quinn consegue ser delicadamente marcante em sua escrita, superando sempre as expectativas.

Depois de muita confusão envolvendo o nome de Lorde Hugh Prentice, que, conforme vimos nos livros anteriores, em um momento de embriaguez desafiou Daniel Smythe-Smith para um duelo por um motivo ridículo e acabou ferido na perna, finalmente conhecemos um pouco mais sobre o homem que quase arruinara a família Smythe-Smith. Sim, porque era exatamente assim que pensava Lady Sarah Pleinsworth. Por causa do acontecido entre Hugh e Daniel, ela não pôde debutar na temporada que foi uma das melhores para casamentos na Inglaterra.

Sarah odiava Hugh Prentice pelo que o que ele provocara em sua família, embora, no presente momento tudo já estivesse esclarecido e resolvido. Inclusive Daniel já o havia perdoado. Lorde Hugh conhecera Sarah em um evento onde ela pôde colocar para fora toda a sua veia dramática, proferindo-lhe os mais estranhos insultos. No entanto, lá estavam os dois para a temporada de casamentos Smythe-Smith. A primeira cerimônia seria de Honoria e Marcus (Simplesmente o Paraíso) e, quase em seguida, Daniel e Anne se casariam (Uma Noite como Esta). Honória então, temendo que Hugh pudesse se sentir deslocado e até solitário nos eventos pede que a prima Sarah o faça companhia. Obviamente ela faz um drama, mas não pode recusar o pedido de uma noiva tão querida quanto sua prima.

Animosidades a parte, com o passar dos dias os dois desajustados percebem que se ajustam mais perfeitamente do que conseguem assumir. A sinceridade e o senso de humor ferino de Sarah e Hugh permite que certa cumplicidade logo se estabeleça entre os dois e, daí para estarem perdidamente apaixonados um pelo outro é apenas questão de algumas páginas.

E embora seja um livro de quase trezentas páginas, tendo tempo disponível, A Soma de Todos os Beijos é uma leitura tão envolvente e apaixonante que o livro pode ser facilmente lido em um único dia. Comparando com os dois primeiros, este é o meu favorito do Quarteto Smythe-Smith e uma das melhores leituras que eu fiz esse ano! Agora me resta terminar essa série linda e romântica com a leitura do último livro, Os Mistérios de Sir Richard, o qual tem Iris Smythe-Smith como protagonista.

Veja as minhas citações favoritas de A Soma de Todos os Beijos:

“- Apenas seja encantadora como sempre – disse ela, voltando o rosto para dentro da sala por um último segundo. – Ele vai amar você.
- Deus me livre.
- Deus trabalha de modos estranhos...
- Não tão estranhos.
- Quem desdenha...
- Não diga isso – interrompeu-a Sarah.
Honoria ergueu as sobrancelhas e Sarah atirou uma almofada nela.
Mas errou o alvo.” (p. 60)

“Ele era um adversário à altura.
Ela nunca havia percebido que queria um adversário à altura.” (p. 81)

“- Descobri que as pessoas felizes são maçantes. Vocês dois, por outro lado, pareciam prestes a explodir. Então vim imediatamente.
Ela olhou de Hugh para Sarah e depois ordenou:
- Divirtam-me.” (p. 82)

“Lady Danbury bateu com a bengala no chão.
- Apesar da minha idade avançada, não me esqueço de nada – disse e fez uma pausa antes de emendar: - Exceto, ocasionalmente, do que acabei de falar.” (p. 83)
“Só um beijo. Nunca poderia ser só um beijo. Não com ele.” (p. 137)

“Beijou-lhe os lábios com suavidade. Depois beijou o nariz e cada um dos olhos. Era óbvio que estava se apaixonando por ela, mas nunca fora homem de falar sobre seus sentimentos, e as palavras ficaram presas na garganta. Então a beijou uma última vez, verdadeira e profundamente, esperando que ela entendesse o que isso significava: Que ele estava lhe oferecendo a própria alma.
Seu, pensou. Sou seu.” (p. 180)

site: http://www.tamiresdecarvalho.com/resenha-soma-de-todos-os-beijos-de-julia-quinn/
Dea 16/08/2017minha estante
É meu favorito também!




Ane. 10/08/2017

Após minha pequena "decepção" com a leitura de Uma Noite como Essa, achei prudente de minha parte dar um “tempo” nos romances de época. Tipo, não sei quanto a vocês, mas se fico lendo um mesmo estilo com muito frequência acabo com a sensação que estou lendo a mesma história só que com personagens diferentes. Porém A Soma de Todos os Beijos ficava “flertando” comigo na minha estante e bem, como eu ainda estava precisando de uma boa dose de açúcar pensei: “Por que não?”.

Fiquei extremamente feliz em ver que ao contrário do livro anterior em que a paixão entre os personagens foi algo fast, aqui é perceptível como Sarah e Hugh vão se apaixonando pouco a pouco. Além disso, a narrativa repleta de situações engraçadas e diálogos inteligentes em que os personagens secundários, em especial as irmãs de Sarah conseguem desempenhar um papel de destaque na história. Simplesmente adorei reencontrar o trio Pleinsworth. Harriet, Elizabeth e Frances novamente roubaram a cena deixando tudo ainda mais especial. Como também adorei me reencontrar com a diva da Lady Dandury.

Acredito que tomei a decisão certa ao esperar um pouco para ler A Soma de Todos os Beijos. O problema nem é a história em si, mas sim o fato que inconscientemente me pego esperando encontrar na série Quarteto Smythe-Smith o mesmo encantamento que tive ao ler a série Os Bridgertons. E acho que até é “normal” esperar que uma autora que adoro como é o caso da Julia Quinn, mantenha sempre o mesmo nível em suas histórias. Só que a verdade é que quando comparo às duas séries, fico com aquela terrível sensação que falta alguma coisa aqui.

Resenha completa no blog:

site: https://goo.gl/NDskWy
comentários(0)comente



58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4