A Soma de Todos os Beijos

A Soma de Todos os Beijos Julia Quinn




Resenhas - A soma de todos os beijos


85 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Steph 12/01/2017

Isso foi exatamente oq eu precisava
Desse q eu estava me encontrando em um estão em q era capaz de ler, e ainda estou mantendo um ritimo devagar esse livro foi pft.
Mds eu tinha esquecido como Julia Quinn pode ao mesmo tempo aquecer e abalar meu coração S2
Os personagens são super bem construidos e eu adorei a Sarah, ignorando o fato de q eu comecei a serie pelo terceiro livro, eu super vou continuar (vamos ver oq o primeiro livro nos reserva não é?)
Helen Vitória PCS 14/01/2017minha estante
SUA MISERÁVEL!


Steph 14/01/2017minha estante
Eu disse q eu precisa ler um romance levinho p sair da ressaca kkkkk


Helen Vitória PCS 15/01/2017minha estante
:( tá lendo primeiro que eu...


Steph 15/01/2017minha estante
Kkkk pelo menos vc ja sabe q é bom ;)


Helen Vitória PCS 15/01/2017minha estante
kkkkk é da JQ! Nunca tive dúvidas se era bom kkk


Steph 15/01/2017minha estante
Kkkkkk


Patricia 12/02/2017minha estante
undefined


Steph 12/02/2017minha estante
Oq? Desculpa Patricia, não entendi kkkkk


Patricia 12/02/2017minha estante
Kkkkk esse skoob é louco. Eu perguntei se vc gostou


Steph 12/02/2017minha estante
Atah kkkkkk eu amei!!!!


Helen Vitória PCS 13/02/2017minha estante
kkkkk


Jessica.Lopes 18/02/2017minha estante
quero muito ler esse livro,parece pft




Mi 20/01/2017

Quando o ódio, vira amor.
Não sei vocês, mas eu sempre tive uma curiosidade sobre o Hugh Prentice. Eu estava louca para que chegasse logo nesse livro, e quando vi que o protagonismo do livro seria dividido com a Sarah Pleinsworth, a animação foi as alturas. Sem mais delongas, vamos a história.

Hugh Prentice, sempre fora um gênio da matemática. Todos admiravam sua habilidade com as cartas, ele nunca perdia. Mas numa noite ,o qual ele estava bêbado, da mesma forma que seu amigo, foi vencido pelo mesmo.
Não acreditando no resultado, desafiou Daniel para um duelo, onde infelizmente, saiu gravemente ferido na perna.
Depois daquela catastrófica manhã , sua perna nunca mais foi a mesma.
Mesmo não sendo o homem 100% que era antes, ele tenta não se deixa abater pela sua condição. Ele olha pelo lado positivo, que ainda ,mesmo que imperfeita ,não precisou amputar a perna.

Seu pai passou um bom tempo caçando Daniel Smythe-Smith pelo o ocorrido, não por estima ao seu filho, mas sim pela a dificuldade que seria manter o titulo Ramsgate na família.
Pois o irmão mais velho de Hugh, é fanta. E ele , bem ..em sua condição teria um pouco mais de dificuldade, pois um dos elementos que a sociedade de Londres mais valoriza é a a aparência.
Qual mulher iria olhar para ele ? Não para seus bens, mas para a sua pessoa. Mesmo que ele precisasse de uma esposa, ele não queria casar com uma qualquer, gostaria de alguém que pelo menos tivesse um pouco de estima por ele , não pena ou repulsa. Gostaria de ser feliz, amado, quem sabe. ( mas a certo alguem..que olha além das aparências. Se importa com o que ha dentro da pessoa. )

"Mais do que uma vez pensou em se casar, mas apesar do fato de que parecia estar em ordem, havia sempre a hipótese de que a bala de fato tinha-lhe feito alguns estragos. Além disso, pensava quando olhava para baixo para a ruína de sua perna, que mulher o
aceitaria? " Ai mds T.T T.T T.T

Sarah Pleinsworth , uma jovem inteligente, mas digamos um pouco dramática. A irmã mais velha da família Pleinsworth, não ver a hora de nao precisar mais tocar no famoso catastrófico Quarteto Smythe-Smith
Mesmo odiando tocar no Quarteto, ela se importa, valoriza muito sua família.
Ainda hoje, ela não perdoou Hugh Prentice e seu pai, por ter sido os responsáveis pelo seu Primo Daniel ficar longe da família.

Mas sua visão, opinião sobre o Hugh está preste a mudar, quando os dois terão que passar um bom tempo na presença um do outro.
E toda indiferença sentida pelos dois, um para com outro, dara início a algo inesperado e totalmente novo.
Um sentimento avassalador.
O amor trabalha de maneiras misteriosas.
Vanessa Motaa 21/01/2017minha estante
Estou louca para ler esse livro, Mi!


Mi 21/01/2017minha estante
Eu amei.
Agora so falta o 4....ja bate uma saudade


Luísa Nolasco 07/02/2017minha estante
Quero muito!




Leilane 24/02/2017

“A Soma de Todos os Beijos” é igual a “infinito mais um”
Em um momento de embriaguez durante um jogo de cartas, Lorde Hugh Prentice, um exímio matemático muito confiante em suas habilidades e que nunca perde uma partida, é derrotado pelo amigo Daniel Smythe-Smith, o que o leva a inconsequentemente desafiá-lo a um duelo que muda a vida dos dois para sempre, deixando Hugh manco e Daniel sendo perseguido pelo pai de Hugh que que matá-lo. Depois de um acordo suicida, Hugh convence o pai a parar de perseguir Daniel e ele finalmente volta do exílio. Agora Hugh é convidado a participar de dois casamentos dos Smythe-Smith tanto porque eles o consideram seu amigo, quanto para que a sociedade deixe de julgar ou culpe Hugh pelo duelo. O único problema é que Hugh acaba virando par de uma das primas dos Smythe-Smith, Sarah Pleinsworth, no casamento de Honoria Smythe-Smith para substituir um parente doente, e ele sabe muito bem que ela o despreza. Sarah culpa Hugh por todo o infortúnio que abateu sobre sua família e principalmente por ela ter perdido sua primeira temporada, ela o despreza tanto que uma vez o confrontou sobre isso, e animosidade deles é palpável. Mas conforme os dois vão deixando as desavenças de lado e começam a substitui-la por afeição e admiração, será que os dois poderão ter algo real com todos os problemas que aquele duelo e o pai de Hugh causaram e ainda podem causar?

Sarah é a integrante do quarteto que ficou “doente” na última apresentação e foi substituída por Anne – agora noiva de Daniel. Sarah está dividida entre a felicidade de ver cada um de seus primos casando com a pessoa que ama e o vazio de ela ainda não ter isso para si própria, e encontrar Hugh novamente só a faz lembrar que ele a fez perder sua primeira temporada que poderia ter sido um sucesso e poderia já estar livre do quarteto que nunca gostou de fazer parte.

Hugh convive com as consequências de seus atos impensados. A recuperação de seu ferimento foi muito árdua, ainda mais sabendo que tinha arruinado a vida do amigo por conta de seu pai louco e vingativo. Ele barganhou alto com o pai e conseguiu pelo menos tirar este peso dos ombros garantindo contratualmente que a vida de Daniel nunca ficaria mais em risco. Entretanto, ele ainda tem a consequência física, sua perna ficou muito debilitada, de modo que ele sofre com dores constantes, manca e precisa do auxílio de uma bengala. Por um lado, é bom ter contato com os amigos novamente comparecendo aos casamentos deles, por outro, encarar os fatos de que suas limitações tiraram alguns prazeres que um homem pode ter na vida, só é mais um lembrete de seu grande erro.

Mais uma vez a Julia forma um casal incrível! Todas as interações de Sarah e Hugh são eletrizantes e ela traz mais uma forma de amor para esta série, na qual a paixão vem com o real conhecimento do outro. E ela ainda coloca Sarah de modo a ter um vislumbre do que é o dia a dia de Hugh quando ela torce o pé e precisa ficar sentada quase o tempo todo.

A Julia também é ótima para criar vilões porque o pai de Hugh é um demônio, obcecado por linhagem e vingança, não poupa ninguém para alcançar o que deseja. Hugh teve de fazer um acordo absurdo para controlá-lo, mas foi Sarah quem soube melhor lidar com o ser que se diz pai de Hugh. Aliás, adoraria que a Julia escrevesse um conto sobre Freddie, o irmão de Hugh, gostaria de saber se ele conseguiu ser feliz depois de todo o tormento que o pai monstro o fez passar.

Um livro cheio de doce momentos e com personagens complexos que nem a matemática tão fácil para Hugh poderia resolver, “A Soma de Todos os Beijos” é igual a “infinito mais um”, entretanto, meu casal favorito ainda é Honoria e Marcus, mas Sarah e Hugh e Daniel e Anne não ficam muito atrás.

site: http://lerimaginar.com.br/blog/2017/02/semanajuliaquinn-a-soma-de-todos-os-beijos/
Clara 23/07/2017minha estante
Fiquei esperando o reencontro do Hugh com o Freddie, queria ver a interação entre os irmãos. Também queria saber o que aconteceu com ele.É óbvio que ele não poderia se casar, mas acho que seria bem legal se ele encontrasse um cara e eles vivessem uma paixão proibida




Adrya Ribeiro 15/02/2017


Não esperava gostar tanto do Hugh quanto aconteceu. Somos levados a crer, no primeiro livro que ele é tão louco quanto o pai, mas só no finalzinho vemos que não e agora, ver como ele ficou, as consequências do desastroso duelo, são muito bom.
Adorei o casal que foi formado. A Sarah, mesmo que as vezes, de imediato ela parece ser a futilidade em pessoa, me surpreendeu mostrando bem mais do que isso.
As irmãs da Sarah são um divertimento à parte. Meu Deus, como eu rir com uma cena particular, eles tentando decidir o que fazer, a maior graça!
O melhor até agora!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Suelen Fonseca 16/07/2017minha estante
Vc disse exatamente tudo que eu senti!!
Hugh sem dúvidas é meu personagem predileto em anos!!
Esse livro é o meu predileto!!


Desi Lyra 18/07/2017minha estante
É amor demais por essa série!


Lorrane Fortunato 19/11/2017minha estante
Que resenha MARAVILHOSA!
Também tô completamente apaixonada pelo Hugh, ele empata com o Marcus. Amo os dois de forma diferente




Blog MDL 04/02/2018

Sarah Pleinsworth nunca pensou que poderia odiar tanto alguém quanto odeia Lorde Hugh Prentice. Mas quando sua querida prima Honoria pede para que ela ajude-o a se sentir bem durante os festejos do seu casamento, ela não pode negar. Ela não entendia como sua família poderia tê-lo perdoado tão rapidamente, parecia que todos tinham esquecido de que ele fora o responsável por todos os anos que seu primo Daniel tinha passado longe de casa por causa do medo que sentia da ameaça de morte que pairava sobre ele. Porém, mesmo pensando tudo isso, ela colocou o seu melhor sorriso no rosto e tentou ao máximo ser cortês com aquele homem ultrajante. Mal humorado e com um péssimo gosto para piadas, Hugh parecia adorar atormentá-la, mas ela não deixaria que ele saísse por cima e faria com que ele entendesse de uma vez por todas que ele não tinha um lugar naquela família. Ela só não esperava ser obrigada a mudar de ideia por questões que envolviam o seu coração.

Lorde Hugh Prentice estava condenado a receber olhares enviesados por onde quer que fosse e isso se devia a mais coisas do que seu andar manco. Possuindo uma mente ágil para os números, ele seria capaz de enumerar qualquer coisa, inclusive as vezes em que Sarah Pleinsworth se dignou a lhe dirigir a palavra. Obviamente nenhuma delas tinha sido com gentileza, pois ela jamais conseguiria olhá-lo com algo além de desprezo. Não que isso o incomodasse, afinal, se nem ele era capaz de ver algo digno quando se olhava no espelho porque a prima do homem que ele destruiu a vida seria capaz de fazê-lo? E quando ela é obrigada a acompanhá-lo durante as festividades do casamento de Honoria, ele sabe que isso não pode resultar em nada bom. O que ele jamais imaginaria era que tudo iria por água baixo por um motivo que nada tinha a ver com o ódio, mas sim com uma avassaladora paixão que ameaçava tomar conta de sua vida. Mas com tantos fantasmas do passado lhe atormentando, como ele poderia se permitir amar alguém?

É fácil pensar em todos os pontos que me fazem amar uma história escrita por Julia Quinn. Entretanto, o que mais se destaca entre todos eles é a capacidade dela fazer seus personagens deixarem o egoísmo e o orgulho de lado em prol da felicidade. Esse livro, em especial, trata justamente sobre as superações e desafios que devemos superar se quisermos nos relacionar com alguém. Ninguém é só qualidades e isso é algo que a autora deixa muito claro enquanto relata o processo delicado de transformar ódio em amor. Sarah é muito resistente em enxergar algo mais do que defeitos em Hugh, ela o culpa não só por ter acabado com a vida de seu primo Daniel, como também, por ter arruinado as suas chances de ter casado antes. Tudo isso porque ele fora um tolo ao suspeitar que o seu amigo havia trapaceado em um jogo de cartas e o desafiou a um duelo que terminou com uma caçada a Daniel e ele com a perna danificada para o resto da vida.

Dois terços do livro foram dedicados a apaziguar os ânimos e fazer com que ambos se enxergassem de uma forma diferente. Afinal, depois de Sarah mostrar uma animosidade a respeito de Hugh, ele também não ficou para trás e passou a olhá-la sempre como se estivesse vendo alguém irracional demais para estabelecer contato, E isso, por vezes, torna a história um pouco morosa. As coisas demoram muito a acontecer, tanto é, que quando temos o primeiro beijo do casal, a única coisa que se pode pensar é "finalmente". "A Soma de Todos os Beijos" também destoa dos demais da série por não haver um plano de fundo com suspense e mistério, o que eu acabei por sentir falta visto que quando o embate que esperamos que ocorra durante todo o desenvolvimento de livro por fim acontece, já é próximo demais das páginas finais para considerarmos como um climax digno para ser considerado.

Foram pequenos detalhes que se tivessem sido ajutados tornariam essea história tão especial quanto as demais, pois os personagens eram dignos de algo mais elaborado. Em especial o Hugh, cuja carga dramática que possui poderia ter sido explorado em outros contextos que não os relacionados ao Daniel. Sim, senti falta de um desnudar de alma como aconteceu com os protagonistas de "Uma Noite Como Esta", pois depois que alcancei o final a sensação de que eu não conheci inteiramente tanto a Sarah quanto o Hugh continuou me perseguindo. É claro que continua sendo uma bela história de amor que aquece o coração de qualquer leitor romântico, porém, acredito que Julia Quinn ficou devendo alguns reparos neste volume do "Quarteto Smythe-Smith" para alçá-lo ao mesmo patamar dos demais.

site: http://www.mundodoslivros.com/2017/04/resenha-soma-de-todos-os-beijos-por.html
comentários(0)comente



Marlene C. 18/12/2017

Resenha - A Soma de Todos os Beijos
A Soma de Todos os Beijos é o terceiro volume da série Quarteto Smythe-Smith, escrito pela incrível Julia Quinn, publicado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro. Eu não acho que é possível eu adorar ainda mais a escrita dessa autora, nesse volume ela trouxe uma bonita história de amor e de aceitação.



No livro anterior, conhecemos a história de Daniel Smythe-Smith, que durante uma noite de bebedeira, foi desafiado por um de seus amigos a um duelo, que terminou de maneira trágica, com o mesmo tendo que fugir e abandonar sua família para mante-se com vida.



Nesse livro, iremos conhecer o segundo protagonista daquela noite trágica, Lorde Hugh Prentice. Ele é um homem muito inteligente, porém, naquela noite não estava em um bom estado, ele se sente culpado por tudo o que aconteceu, afinal, foi ele que desafiou o amigo para um duelo que tinha tudo para dar errado.

Ele olhou para a própria perna. Era justo. Fora ele quem começara tudo, portanto era ele quem deveria arcar com as consequências permanentes.

Ele está feliz que enfim conseguiu convencer seu pai a desistir da vingança, porém, apesar de tudo, o peso do passado ainda está sobre seus ombros, ele não consegue se perdoar pelo que fez, por arruinar a vida do seu amigo e consequentemente a sua também.



Com a volta iminente de Daniel, Hugh é convidado para o casamento de Honoria e Marcus, personagens principais de Simplesmente o Paraíso, e cabe a Sarah Pleinsworth, prima de Daniel entreter Hugh durante as festas entre ambos os casamentos, tanto o de Marcus como o de Daniel que só irá acontecer dali a algumas semanas.

Hugh não estava preparado para o olhar de Sarah. Ela ergueu a cabeça na direção da dele, os lábios afastando-se como se ela tomasse fôlego, e naquele momento Hugh teria jurado que o sol nascia e se punha no sorriso dela.

Sarah Pleinsworth é conhecida como a personagem mais dramática da série, e isso é comprovado nesse livro, ela nutre um ódio bem profundo pelo Hugh, já que na sua opinião, ele foi o responsável pela ruína de sua família e o culpado por ela não ter se casado ainda, já que na época em que Daniel foi exilado ela não pôde debutar. O amor não estava em seus planos, mas, até o mais ferido dos corações, tem a capacidade inacreditável de amar.



[ - Minha Impressões - ]



A Soma de Todos os Beijos foi sem sombra de dúvidas o meu livro preferido até aqui, porque a autora não só trouxe uma história de superação e um romance fofo, ela abordou as consequências de nossas escolhas e como elas afetam a nossa vida e a vida das pessoas que estão ao nosso redor.



Eu não nego que Sarah foi uma personagem bem egoístas no começo e eu até a entendo, querendo ou não de maneira indireta, ela foi realmente afetada pelas atitudes de Hugh e Daniel. Porém algo que me surpreendeu muito em relação a essa personagem, foi o seu amadurecimento na trama, a maneira como ela se entregou ao amor e como ela verdadeiramente se doou em prol dele.



O ponto alto da trama para mim foi conhecer o Hugh, desde o livro anterior foi despertado em mim uma certa curiosidade de conhecer mais profundamente esse personagem e eu não poderia ter uma experiência mais positiva em relação a ele. Hugh é bem inteligente e perceber como sua mente funciona me fascinou, porém, me deixou triste também, porque vi como ele usava o humor negro para mascarar sua dor, tanto física quanto emocional.

Daquele momento em diante, Sarah não se perguntou mais por que ele não sorria com muita frequência. Em vez disso, passou a se admirar por ele ainda sorrir.

O relacionamento dos personagens vai se desenrolando de maneira gradativa, não é imediato, afinal, eles não têm uma boa impressão em relação ao outro, eu adorei que tudo acontece devagar, que eles se conhecem e percebem que nada daquilo é o que imagina, aprende a amar coisas no outro que antes não gostava e essas lições foi algo que mexeu muito comigo.



Uma personagem que na minha opinião se destacou muito nesse livro, foi Frances, ela é a irmã mais nova de Sarah e se mostrou uma pessoa muito perspicaz e inteligente, um tanto que precoce para sua idade, confesso, todavia isso não e torna menos encantadora.

A Soma de Todos os Beijos é um livro que fale sobre amor, perdão e redescobertas pessoais, é sobre aprender amar as pessoas pelo que elas são e aprender a perdoar o que elas foram ou fizeram. Recomendo essa leitura com certeza.
comentários(0)comente



Leituras e Delírios 03/03/2017

Lady Sarah Pleinsworth é prima de Honória e Daniel Smythe-Smith, ela é considerada geniosa e por vezes temperamental pelas irmãs e esse temperamento está voltado para Hugh Prentice, o ex-desafeto da família. Lady Sarah culpa Hugh pela temporada de 1821, onde 14 bons partidos ficaram noivos e da qual ela não pôde participar. Hugh é o filho mais novo de Lorde Ramsgate, um homem que está desesperado por um herdeiro e que vê seus planos frustrados, pois o filho mais velho gosta de homens e o mais novo foi atingido por Daniel Smythe-Smith na coxa e ficou aleijado. O pai de Hugh jurou vingança e isso é algo que até hoje paira dentro das famílias. Lady Sarah e Hugh não poderiam ser mais diferentes, mas descobrem que nessas diferenças há semelhanças que podem levá-los a cair de amor um pelo outro.

A narrativa de A Soma de Todos os Beijos é muito gostosa, vemos um par que não se gosta de jeito nenhum obrigado a conviver e que pouco a pouco vai se conhecendo melhor e acaba por transformar a aversão em companheirismo e tranquilidade.

As cenas entre Sarah e Hugh são muito fofas, ela é petulante e ele não fica atrás, os diálogos entre eles são rápidos e mordazes e vão tirar alguns sorrisos dos leitores. Além de ser um livro relativamente rápido de se ler, pois quando você vê já está no epílogo e morrendo de amores por esses dois.


Resenha completa no link!

site: http://www.leiturasedelirios.com.br/2017/02/a-soma-de-todos-os-beijos-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Neyla 05/04/2017

Desde que conheci Hugh Prentice, em Uma Noite Como Esta, eu sabia que o seu livro seria o que mais mexeria comigo. A história que o envolvia era bem interessante, ele é um personagem diferente dos demais e, mesmo não sendo o personagem principal do segundo livro, ele conseguiu se sobressair mais que o protagonista. Fiquei mega ansiosa para começar a leitura de A Soma de Todos os Beijos e quando o fiz não me decepcionei.
Se tem uma coisa em que Hugh é bom, é com matemática. Sua mente sempre trabalhou bem com números e ele consegue fazer contas com números grandes "de cabeça" sem precisar de qualquer tipo de auxílio. E foi justamente por conta desse seu talento, que ele julgava ser imbatível, que acabou se metendo em uma situação desastrosa com seu amigo Daniel Smythe-Smith. Após perder um jogo de cartas, algo em que ninguém nunca conseguiu superá-lo, ele fica transtornado e, após acusar o amigo de trapacear, o intima a participar de um duelo. O resultado disso tudo é que, por um baita azar do destino, Daniel acaba atirando em sua perna sem querer o deixando com uma grave ferida na perna que irá comprometer para sempre sua locomoção, fazendo com que precise usar uma bengala. Já Daniel precisou fugir já que o pai de Hugh o jurou de morte. Somente após alguns anos, quando os dois se reencontram na Itália é que ele garante a Daniel que ele pode voltar à Londres sem medo já que conseguiu convencer seu pai a parar com a perseguição.
Apesar de tudo o que aconteceu, não existe mágoa entre os dois e, por conta disso, Hugh é convidado tanto para o casamento de Honoria irmã de Daniel, como para o do próprio Daniel que acontecerá em algumas poucas semanas. O que seria apenas um momento de diversão, com muitos convidados e várias atividades para entretê-los, acaba se tornando um tormento a partir do momento que descobre que Lady Sarah Pleinsworth irá fazer-lhe companhia.
Sarah e Hugh já se encontraram uma vez e o que se sucedeu entre eles não foi nada agradável. Ela, que está doida para se casar e se ver livre do martírio de tocar no quarteto Smythe-Smith, o culpa por ter sido obrigada a se ausentar da temporada mais badalada, por conta do escândalo com o primo, onde 14 bons partidos acabaram sendo fisgados. Orgulhosa e ainda cheia de rancor, ela fica extremamente chateada por ser escolhida para fazer companhia a ele, mas acaba cedendo por ser um pedido de Honoria, sua prima mais que querida.
Já de imediato percebemos que esse não vai ser um relacionamento dos mais fáceis, já que ambos tem opiniões não muito favoráveis a respeito do outro. Mas a convivência e a aproximação acabou despertando neles sentimentos que nunca imaginariam sentir um pelo outro.
Eu confesso a vocês que fiquei bem curiosa pra saber como a autora iria conseguir derreter o gelo que havia entre eles e transformá-los em um casal. Meu maior receio era que soasse artificial, mas acabei surpreendida pela forma como o romance foi acontecendo e pela química forte que os personagens apresentaram. Hugh e Sarah são dois personagens que eu nunca imaginaria que pudessem se envolver. Ela é um pouco mais explosiva, não mede as palavras e demonstrou algumas atitudes egoístas. Já ele é diferente, sempre muito tranquilo e pensando várias vezes antes de falar ou agir. Sabe aquela velha frase que diz que os opostos se atraem? Eis aqui um desses casos. Gostei muito da forma como a autora conduziu o romance, sem ser corrido e com ambos descobrindo os sentimentos com o tempo. Não houve uma atração inicial, nem tampouco aquela tão ardilosa paixão à primeira vista. O leitor pode acompanhar, passo a passo, a transformação de uma grande antipatia em algo mais forte e mais bonito como o amor.
Na minha opinião, esse é o melhor livro da série até agora. Foi romântico, intenso e cativante, com aquela pitada de humor característica da escrita de Julia Quinn. O único ponto que me incomodou foi, mais uma vez, a inserção de Daniel Smythe-Smith, mostrando toda sua falta de auto-controle e incapacidade de resolver qualquer coisa conversando. Parece que a melhor forma é sempre usando a força bruta. Meu desapontamento com esse rapaz não para de crescer e ele conseguiu cair, ainda mais, no meu conceito (quem leu minha resenha de Uma Noite Como Esta, sabe que eu não consegui ser cativada pelo rapaz justamente por conta de suas atitudes).
A leitura continua bem dinâmica, a história é leve e agradável, e me conquistou desde o início. Apesar do foco da trama ser no casal protagonista, há espaço para as irmãs de Sarah mostrarem todo o potencial que elas têm. Eu adoraria ler um livro (ou quem sabe até alguns contos, por que não?) tendo elas como personagens principais. Com certeza seria muito divertido.
A Soma de Todos os Beijos é uma história fofa, com passagens muito bonitas e vários temas atuais foram abordados no decorrer do livro. Um romance que, com certeza, vai tocar seu coração.
comentários(0)comente



Dessa_csn 02/08/2017

Genteee, por onde começar? No que focar? São tantas coisas legais que acontecem nesse livro, tantas coisas importantes. Não me lembro agora, mas acho que já tinha comentado na resenha do primeiro livro sobre como admirava que a amizade de Hugh e Daniel continuava firme e forte. E vou te dizer, eu só admirei ainda mais entendendo tudo que teve que acontecer para que Daniel pudesse voltar à Londres.

Falando nisso, vamos ao ponto do porque Daniel não aceitou o que estava acontecendo entre Sarah e Hugh.. Do inicio.

Logo no começo do livro, temos uma Lady Sarah nervosa e que joga a culpa de tudo que está dando errado em sua vida (não ter casado até o momento) em Hugh. Foi um encontro bem estranho e muito frustante para Sarah, já que ela solta toda sua frustração em cima de Hugh e ele nem ao menos sabe quem é que está falando com ele, ou o porque daquela “dama” estar falando daquela forma com ele. Depois de “feitas as apresentações” e Hugh finalmente entender quem ela era, a situação entre os dois não é muito amigável.

Até que… eles são obrigados a passar algum tempo juntos, já que Honoria fez o favor de incumbir Hugh como acompanhante de sua prima Sarah. Com esse tempo que são obrigados a passar juntos (não só por Honoria, mas pelas situações da vida), as coisas entre eles vão ficando cada vez mais intensas.. A parte em que eles “dançam juntos” gente, fiquei imaginando aquela parte acontecendo, lendo cada detalhe da descrição, muito lindo!

Voltando a Daniel, ele acaba pegando Sarah e Hugh juntos e diz que o casamento só vai acontecer se Hugh revelar seu segredo a Sarah, que segredo será esse!? Eu não entendi nada na hora, por que Daniel ficou tão nervoso? O que pode ser tão grave? Corram pra ler e descobrir!

Enfim, o que eu amei nesse livro não foi só o fato de ser cheio de surpresas, uma amizade admirável e um amor verdadeiro entre várias outras coisas. Mas sim o fato de ter uma pessoa deficiente. Entre muitos e muitos livros que já li, só lembro de ter lido mais dois livros dessa forma: Como eu era antes de você e Beleza Perdida, ambos lindos e de emocionar demais. Acho que faltava isso nos livros da Julia, e um amor de infância também (acho que já comentei isso no livro de Marcus e Honoria). Eu fiquei muito feliz e emocionada com esse livro, é um misto de realidade e fantasia! Rs

Conheça o meu blog, e encontre outras resenhas! https://nadafutil.net/

site: https://nadafutil.net/
comentários(0)comente



KAMI 29/04/2017

o meu preferido!
De todas as histórias do Quarteto Smithe-Smith a que mais gostei até agora foi esta (ainda não li Os Mistérios de Sir Richard), por pintar personagens tão reais! Meu deus, nem tudo na vida são flores e nem todos são totalmente puros de coração, me vi muito em Lady Sarah (admito rs) e o humor negro de Lorde Hugh era refrescante, enfim, muito encantadora a história
comentários(0)comente



Veruska 15/11/2017

A soma de todos os beijos
Quatorze! Quatorze cavalheiros se comprometeram naquela temporada de que Sarah Pleinsworth não participou. E de quem era a culpa, na cabecinha dela? De Hugh Prentice, que, bêbado, insultara seu primo Daniel Smythe-Smith, desafiara-o para um duelo, em que Daniel atingiu Hugh, foi ameaçado de morte pelo pai dele, teve que abandonar o país, e a família, envergonhada, não participou da temporada londrina... Portanto, claro, a culpa era de Hugh!
Hugh, por sua vez, com sua perna coxa sempre desconfortável, não suportava os comentários dramáticos da jovem Sarah.
Eles não se suportavam. Mas Honoria pediu que Sarah fizesse companhia a Hugh, nos eventos festivos de seu casamento... e então, cada qual, aos poucos começa a enxergar além da superficialidade um do outro.
Quando vi que o enredo seria com Hugh Prentice, já apresentado nos volumes anteriores da coleção, fiquei muito interessada, e o livro não decepcionou. O melhor de todos até agora.
Uma história de amor linda e envolvente.
comentários(0)comente



Jessica Maria @livrosdajessica 16/01/2018

Hugh Prentice é um matemático brilhante e sua habilidade lhe da a sensação de poder controlar tudo através da lógica. Porém, uma única vez, depois de uma noite de bebedeira, desafiou seu amigo para um duelo; o que lhe rendeu uma perna aleijada e os olhares de reprovação de toda sociedade.
Mas Hugh é reservado e nunca ligou para opiniões alheias. Até conhecer Sarah Pleinsworth.
Sarah é conhecida como uma pessoa teimosa e dramática. Não consegue ficar de boca fechada e levar o desaforo para casa. E deixa bem claro que o erro de Hugh para com sua família é algo que ela nunca vai esquecer.
Porém com o casamento de Daniel e Anne (personagens do segundo livro), os dois são obrigados a passarem uma semana como o par de padrinhos dos felizardos.
Essa semana é suficiente para os dois se conhecerem além das intrigas de família e se verem incapazes de viver sem o outro.
comentários(0)comente



Jenn 21/05/2017

amei amei amei
hugh é só suspiros
comentários(0)comente



Ana Luiza 06/03/2017

O melhor da série
A HISTÓRIA
A vida de Lorde Hugh Prentice nunca mais foi a mesma depois que um jogo de cartas com Daniel Smythe-Smith acabou em um duelo. Todo mundo sabe que Hugh é um gênio da matemática e invencível nas cartas. Mas, naquela noite, todos estavam muito bêbados e, de algum modo, Daniel ganhou de Hugh, que o desafiou para um duelo. Daniel, com sua péssima mira, acabou acertando Hugh na perna, que quase perdeu o membro e a vida. Contudo, mesmo sabendo que nunca mais conseguirá andar como antes, Hugh jamais culpou Daniel pelo acidente e fez de tudo para convencer o pai a deixar a coisa toda de lado.

Mas o pai de Hugh demorou três anos para ser convencido, três anos em que Daniel Smythe-Smith passou em exílio na Europa e em que sua família sofreu com a sua ausência e as fofocas causadas pelo escândalo. E a prima dele, Sarah Pleinsworth, nunca perdoou Hugh por isso. Na sua mente, é culpa de Hugh que ela, Sarah, e sua prima, Honoria Smythe-Smith, tenham ficado solteiras por tanto tempo. Contudo, as coisas mudaram recentemente. Honoria se apaixonou por Marcus, o Conde de Chatteris, e o casamento dos dois, que será seguido pelo de Daniel com Anne Wynter, a ex-governanta das irmãs mais novas de Sarah, é o evento do momento, evento no qual ela será obrigada a ver e conversar com Hugh.

Hugh só viu Sarah Pleinsworth uma única vez. Mas o encontro entre eles foi tão desastroso que fez surgir um intenso ódio mútuo entre eles. Para Hugh, Sarah é uma mulher dramática e fútil, que acha que o mundo gira ao seu redor. Já Sarah pensa que Hugh é um idiota arrogante, um monstro que quase arruinou a sua família e que deveria se mantar longe dela. Contudo, os Smythe-Smith estão dispostos a mostrar para a sociedade que não há ressentimentos entre eles e Hugh, por isso não só insistiram em sua presença no casamento de Honoria e Daniel, quanto pediram a Sarah que o faça companhia durante o evento.

Sarah, que está desesperada para se casar para fugir de ter que se apresentar nos terríveis concertos dos Smythe-Smith, preferia morrer a passar um minuto inteiro na companhia de Hugh. Contudo, para não ferir os sentimentos da prima, ela aceita sua missão de má vontade, afinal, ela precisa acompanhar Hugh e não tratá-lo bem. Hugh, que já não gosta de festas, vê o evento se tornar mais tortuoso agora que Sarah está sempre ao seu encalço. Contudo, ele acha a honestidade dela, que não esconde o desprezo que sente por ele, revigorante. Sarah, por sua vez, passa a apreciar o humor sarcástico de Hugh, o que o torna um candidato a altura da língua ferina da moça.

Sarah e Hugh podem formar um casal belo, mas completamente inadequado. Contudo, as conversas francas e discussões divertidas logo tornam a companhia um do outro bastante prazerosa. Hugh percebe que, além de muito atraente, Sarah é uma mulher sagaz, que não tem medo de ser quem é, mas que sofre por perceber que é um pouco egoísta demais. Já Sarah começa a ver Hugh como um cara muito inteligente e divertido, mas marcado pelos erros do passado, que o impedem de procurar um novo final feliz.

Conforme se tornam cada vez mais próximos, Sarah e Hugh começam a perceber que tanto ódio entre eles se transformou em um grande carinho e que pode se tornar muito mais. Entretanto, será que essa paixão avassaladora conseguirá vencer todos os obstáculos, como as limitações de Hugh, o preconceito de Sarah, o ódio do pai de Hugh pelos Smythe-Smith, e Sarah e Hugh encontrarão o seu final feliz?

A SÉRIE
A Soma de Todos Os Beijos é terceiro livro do Quarteto Smythe-Smith da Julia Quinn. Essa série de quatro livros conta as histórias de amor de quatro membros da família Smythe-Smith, conhecida no universo dos romances da autora por promoverem anualmente um concerto, onde jovens solteiras da família tocam (terrivelmente) em quarteto.

Apesar dos livros da saga serem independentes, cada um com sua trama e casal próprios, é interessante ler a série na ordem, já que personagens secundários se repetem ao longo dos livros e os acontecimentos do anterior sempre são citados nos volumes seguintes. Simplesmente o Paraíso, o primeiro livro, conta a história de Honoria Smythe-Smith e o amigo de longa data da família, Marcus Holroyd. O segundo livro, Uma Noite Como Esta traz o envolvimento do irmão de Honoria, Daniel, e a governanta das primas dele, Anne. Nesse terceiro livro, A Soma de Todos os Beijos, é vez da prima dos Smythe-Smith, Sarah e o gênio da matemática Hugh Prentice. E no quarto e último livro, Os Mistérios de Sir Richard, temos a saga de Iris Smythe-Smith e Richard Kenworthy.

(...)

CONCLUSÕES FINAIS
A Soma de Todos Os Beijos foi um alívio depois da decepção que tive com o livro anterior. Esse terceiro volume do Quarteto Smythe-Smith tem tudo o que as obras da Julia Quimn tem de melhor: um mocinho fofo, uma mocinha audaciosa, diálogos divertidos e cheios de ironia, momentos surpreendentes e fofos, e muito, muito romance! A leitura de A Soma de Todos Os Beijos foi rápida e deliciosa, e provavelmente será a minha favorita da série.

LEIA A RESENHA COMPLETA E VEJA FOTOS DO LIVRO NO BLOG:

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2017/03/resenha-a-soma-de-todos-os-beijos-julia-quinn.html
comentários(0)comente



85 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6