A Soma de Todos os Beijos

A Soma de Todos os Beijos Julia Quinn




Resenhas - A soma de todos os beijos


40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Steph 12/01/2017

Isso foi exatamente oq eu precisava
Desse q eu estava me encontrando em um estão em q era capaz de ler, e ainda estou mantendo um ritimo devagar esse livro foi pft.
Mds eu tinha esquecido como Julia Quinn pode ao mesmo tempo aquecer e abalar meu coração S2
Os personagens são super bem construidos e eu adorei a Sarah, ignorando o fato de q eu comecei a serie pelo terceiro livro, eu super vou continuar (vamos ver oq o primeiro livro nos reserva não é?)
Helen Vitória PCS 14/01/2017minha estante
SUA MISERÁVEL!


Steph 14/01/2017minha estante
Eu disse q eu precisa ler um romance levinho p sair da ressaca kkkkk


Helen Vitória PCS 15/01/2017minha estante
:( tá lendo primeiro que eu...


Steph 15/01/2017minha estante
Kkkk pelo menos vc ja sabe q é bom ;)


Helen Vitória PCS 15/01/2017minha estante
kkkkk é da JQ! Nunca tive dúvidas se era bom kkk


Steph 15/01/2017minha estante
Kkkkkk


Patricia 12/02/2017minha estante
undefined


Steph 12/02/2017minha estante
Oq? Desculpa Patricia, não entendi kkkkk


Patricia 12/02/2017minha estante
Kkkkk esse skoob é louco. Eu perguntei se vc gostou


Steph 12/02/2017minha estante
Atah kkkkkk eu amei!!!!


Helen Vitória PCS 13/02/2017minha estante
kkkkk


Jessica.Lopes 18/02/2017minha estante
quero muito ler esse livro,parece pft




Mi 20/01/2017

Quando o ódio, vira amor.
Não sei vocês, mas eu sempre tive uma curiosidade sobre o Hugh Prentice. Eu estava louca para que chegasse logo nesse livro, e quando vi que o protagonismo do livro seria dividido com a Sarah Pleinsworth, a animação foi as alturas. Sem mais delongas, vamos a história.

Hugh Prentice, sempre fora um gênio da matemática. Todos admiravam sua habilidade com as cartas, ele nunca perdia. Mas numa noite ,o qual ele estava bêbado, da mesma forma que seu amigo, foi vencido pelo mesmo.
Não acreditando no resultado, desafiou Daniel para um duelo, onde infelizmente, saiu gravemente ferido na perna.
Depois daquela catastrófica manhã , sua perna nunca mais foi a mesma.
Mesmo não sendo o homem 100% que era antes, ele tenta não se deixa abater pela sua condição. Ele olha pelo lado positivo, que ainda ,mesmo que imperfeita ,não precisou amputar a perna.

Seu pai passou um bom tempo caçando Daniel Smythe-Smith pelo o ocorrido, não por estima ao seu filho, mas sim pela a dificuldade que seria manter o titulo Ramsgate na família.
Pois o irmão mais velho de Hugh, é fanta. E ele , bem ..em sua condição teria um pouco mais de dificuldade, pois um dos elementos que a sociedade de Londres mais valoriza é a a aparência.
Qual mulher iria olhar para ele ? Não para seus bens, mas para a sua pessoa. Mesmo que ele precisasse de uma esposa, ele não queria casar com uma qualquer, gostaria de alguém que pelo menos tivesse um pouco de estima por ele , não pena ou repulsa. Gostaria de ser feliz, amado, quem sabe. ( mas a certo alguem..que olha além das aparências. Se importa com o que ha dentro da pessoa. )

"Mais do que uma vez pensou em se casar, mas apesar do fato de que parecia estar em ordem, havia sempre a hipótese de que a bala de fato tinha-lhe feito alguns estragos. Além disso, pensava quando olhava para baixo para a ruína de sua perna, que mulher o
aceitaria? " Ai mds T.T T.T T.T

Sarah Pleinsworth , uma jovem inteligente, mas digamos um pouco dramática. A irmã mais velha da família Pleinsworth, não ver a hora de nao precisar mais tocar no famoso catastrófico Quarteto Smythe-Smith
Mesmo odiando tocar no Quarteto, ela se importa, valoriza muito sua família.
Ainda hoje, ela não perdoou Hugh Prentice e seu pai, por ter sido os responsáveis pelo seu Primo Daniel ficar longe da família.

Mas sua visão, opinião sobre o Hugh está preste a mudar, quando os dois terão que passar um bom tempo na presença um do outro.
E toda indiferença sentida pelos dois, um para com outro, dara início a algo inesperado e totalmente novo.
Um sentimento avassalador.
O amor trabalha de maneiras misteriosas.
Vanessa Motaa 21/01/2017minha estante
Estou louca para ler esse livro, Mi!


Mi 21/01/2017minha estante
Eu amei.
Agora so falta o 4....ja bate uma saudade


Luísa Nolasco 07/02/2017minha estante
Quero muito!




Leituras e Delírios 03/03/2017

Lady Sarah Pleinsworth é prima de Honória e Daniel Smythe-Smith, ela é considerada geniosa e por vezes temperamental pelas irmãs e esse temperamento está voltado para Hugh Prentice, o ex-desafeto da família. Lady Sarah culpa Hugh pela temporada de 1821, onde 14 bons partidos ficaram noivos e da qual ela não pôde participar. Hugh é o filho mais novo de Lorde Ramsgate, um homem que está desesperado por um herdeiro e que vê seus planos frustrados, pois o filho mais velho gosta de homens e o mais novo foi atingido por Daniel Smythe-Smith na coxa e ficou aleijado. O pai de Hugh jurou vingança e isso é algo que até hoje paira dentro das famílias. Lady Sarah e Hugh não poderiam ser mais diferentes, mas descobrem que nessas diferenças há semelhanças que podem levá-los a cair de amor um pelo outro.

A narrativa de A Soma de Todos os Beijos é muito gostosa, vemos um par que não se gosta de jeito nenhum obrigado a conviver e que pouco a pouco vai se conhecendo melhor e acaba por transformar a aversão em companheirismo e tranquilidade.

As cenas entre Sarah e Hugh são muito fofas, ela é petulante e ele não fica atrás, os diálogos entre eles são rápidos e mordazes e vão tirar alguns sorrisos dos leitores. Além de ser um livro relativamente rápido de se ler, pois quando você vê já está no epílogo e morrendo de amores por esses dois.


Resenha completa no link!

site: http://www.leiturasedelirios.com.br/2017/02/a-soma-de-todos-os-beijos-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Neyla 05/04/2017

Desde que conheci Hugh Prentice, em Uma Noite Como Esta, eu sabia que o seu livro seria o que mais mexeria comigo. A história que o envolvia era bem interessante, ele é um personagem diferente dos demais e, mesmo não sendo o personagem principal do segundo livro, ele conseguiu se sobressair mais que o protagonista. Fiquei mega ansiosa para começar a leitura de A Soma de Todos os Beijos e quando o fiz não me decepcionei.
Se tem uma coisa em que Hugh é bom, é com matemática. Sua mente sempre trabalhou bem com números e ele consegue fazer contas com números grandes "de cabeça" sem precisar de qualquer tipo de auxílio. E foi justamente por conta desse seu talento, que ele julgava ser imbatível, que acabou se metendo em uma situação desastrosa com seu amigo Daniel Smythe-Smith. Após perder um jogo de cartas, algo em que ninguém nunca conseguiu superá-lo, ele fica transtornado e, após acusar o amigo de trapacear, o intima a participar de um duelo. O resultado disso tudo é que, por um baita azar do destino, Daniel acaba atirando em sua perna sem querer o deixando com uma grave ferida na perna que irá comprometer para sempre sua locomoção, fazendo com que precise usar uma bengala. Já Daniel precisou fugir já que o pai de Hugh o jurou de morte. Somente após alguns anos, quando os dois se reencontram na Itália é que ele garante a Daniel que ele pode voltar à Londres sem medo já que conseguiu convencer seu pai a parar com a perseguição.
Apesar de tudo o que aconteceu, não existe mágoa entre os dois e, por conta disso, Hugh é convidado tanto para o casamento de Honoria irmã de Daniel, como para o do próprio Daniel que acontecerá em algumas poucas semanas. O que seria apenas um momento de diversão, com muitos convidados e várias atividades para entretê-los, acaba se tornando um tormento a partir do momento que descobre que Lady Sarah Pleinsworth irá fazer-lhe companhia.
Sarah e Hugh já se encontraram uma vez e o que se sucedeu entre eles não foi nada agradável. Ela, que está doida para se casar e se ver livre do martírio de tocar no quarteto Smythe-Smith, o culpa por ter sido obrigada a se ausentar da temporada mais badalada, por conta do escândalo com o primo, onde 14 bons partidos acabaram sendo fisgados. Orgulhosa e ainda cheia de rancor, ela fica extremamente chateada por ser escolhida para fazer companhia a ele, mas acaba cedendo por ser um pedido de Honoria, sua prima mais que querida.
Já de imediato percebemos que esse não vai ser um relacionamento dos mais fáceis, já que ambos tem opiniões não muito favoráveis a respeito do outro. Mas a convivência e a aproximação acabou despertando neles sentimentos que nunca imaginariam sentir um pelo outro.
Eu confesso a vocês que fiquei bem curiosa pra saber como a autora iria conseguir derreter o gelo que havia entre eles e transformá-los em um casal. Meu maior receio era que soasse artificial, mas acabei surpreendida pela forma como o romance foi acontecendo e pela química forte que os personagens apresentaram. Hugh e Sarah são dois personagens que eu nunca imaginaria que pudessem se envolver. Ela é um pouco mais explosiva, não mede as palavras e demonstrou algumas atitudes egoístas. Já ele é diferente, sempre muito tranquilo e pensando várias vezes antes de falar ou agir. Sabe aquela velha frase que diz que os opostos se atraem? Eis aqui um desses casos. Gostei muito da forma como a autora conduziu o romance, sem ser corrido e com ambos descobrindo os sentimentos com o tempo. Não houve uma atração inicial, nem tampouco aquela tão ardilosa paixão à primeira vista. O leitor pode acompanhar, passo a passo, a transformação de uma grande antipatia em algo mais forte e mais bonito como o amor.
Na minha opinião, esse é o melhor livro da série até agora. Foi romântico, intenso e cativante, com aquela pitada de humor característica da escrita de Julia Quinn. O único ponto que me incomodou foi, mais uma vez, a inserção de Daniel Smythe-Smith, mostrando toda sua falta de auto-controle e incapacidade de resolver qualquer coisa conversando. Parece que a melhor forma é sempre usando a força bruta. Meu desapontamento com esse rapaz não para de crescer e ele conseguiu cair, ainda mais, no meu conceito (quem leu minha resenha de Uma Noite Como Esta, sabe que eu não consegui ser cativada pelo rapaz justamente por conta de suas atitudes).
A leitura continua bem dinâmica, a história é leve e agradável, e me conquistou desde o início. Apesar do foco da trama ser no casal protagonista, há espaço para as irmãs de Sarah mostrarem todo o potencial que elas têm. Eu adoraria ler um livro (ou quem sabe até alguns contos, por que não?) tendo elas como personagens principais. Com certeza seria muito divertido.
A Soma de Todos os Beijos é uma história fofa, com passagens muito bonitas e vários temas atuais foram abordados no decorrer do livro. Um romance que, com certeza, vai tocar seu coração.
comentários(0)comente



Adrya Ribeiro 15/02/2017


Não esperava gostar tanto do Hugh quanto aconteceu. Somos levados a crer, no primeiro livro que ele é tão louco quanto o pai, mas só no finalzinho vemos que não e agora, ver como ele ficou, as consequências do desastroso duelo, são muito bom.
Adorei o casal que foi formado. A Sarah, mesmo que as vezes, de imediato ela parece ser a futilidade em pessoa, me surpreendeu mostrando bem mais do que isso.
As irmãs da Sarah são um divertimento à parte. Meu Deus, como eu rir com uma cena particular, eles tentando decidir o que fazer, a maior graça!
O melhor até agora!
comentários(0)comente



KAMI 29/04/2017

o meu preferido!
De todas as histórias do Quarteto Smithe-Smith a que mais gostei até agora foi esta (ainda não li Os Mistérios de Sir Richard), por pintar personagens tão reais! Meu deus, nem tudo na vida são flores e nem todos são totalmente puros de coração, me vi muito em Lady Sarah (admito rs) e o humor negro de Lorde Hugh era refrescante, enfim, muito encantadora a história
comentários(0)comente



Jenn 21/05/2017

amei amei amei
hugh é só suspiros
comentários(0)comente



Ana Luiza 06/03/2017

O melhor da série
A HISTÓRIA
A vida de Lorde Hugh Prentice nunca mais foi a mesma depois que um jogo de cartas com Daniel Smythe-Smith acabou em um duelo. Todo mundo sabe que Hugh é um gênio da matemática e invencível nas cartas. Mas, naquela noite, todos estavam muito bêbados e, de algum modo, Daniel ganhou de Hugh, que o desafiou para um duelo. Daniel, com sua péssima mira, acabou acertando Hugh na perna, que quase perdeu o membro e a vida. Contudo, mesmo sabendo que nunca mais conseguirá andar como antes, Hugh jamais culpou Daniel pelo acidente e fez de tudo para convencer o pai a deixar a coisa toda de lado.

Mas o pai de Hugh demorou três anos para ser convencido, três anos em que Daniel Smythe-Smith passou em exílio na Europa e em que sua família sofreu com a sua ausência e as fofocas causadas pelo escândalo. E a prima dele, Sarah Pleinsworth, nunca perdoou Hugh por isso. Na sua mente, é culpa de Hugh que ela, Sarah, e sua prima, Honoria Smythe-Smith, tenham ficado solteiras por tanto tempo. Contudo, as coisas mudaram recentemente. Honoria se apaixonou por Marcus, o Conde de Chatteris, e o casamento dos dois, que será seguido pelo de Daniel com Anne Wynter, a ex-governanta das irmãs mais novas de Sarah, é o evento do momento, evento no qual ela será obrigada a ver e conversar com Hugh.

Hugh só viu Sarah Pleinsworth uma única vez. Mas o encontro entre eles foi tão desastroso que fez surgir um intenso ódio mútuo entre eles. Para Hugh, Sarah é uma mulher dramática e fútil, que acha que o mundo gira ao seu redor. Já Sarah pensa que Hugh é um idiota arrogante, um monstro que quase arruinou a sua família e que deveria se mantar longe dela. Contudo, os Smythe-Smith estão dispostos a mostrar para a sociedade que não há ressentimentos entre eles e Hugh, por isso não só insistiram em sua presença no casamento de Honoria e Daniel, quanto pediram a Sarah que o faça companhia durante o evento.

Sarah, que está desesperada para se casar para fugir de ter que se apresentar nos terríveis concertos dos Smythe-Smith, preferia morrer a passar um minuto inteiro na companhia de Hugh. Contudo, para não ferir os sentimentos da prima, ela aceita sua missão de má vontade, afinal, ela precisa acompanhar Hugh e não tratá-lo bem. Hugh, que já não gosta de festas, vê o evento se tornar mais tortuoso agora que Sarah está sempre ao seu encalço. Contudo, ele acha a honestidade dela, que não esconde o desprezo que sente por ele, revigorante. Sarah, por sua vez, passa a apreciar o humor sarcástico de Hugh, o que o torna um candidato a altura da língua ferina da moça.

Sarah e Hugh podem formar um casal belo, mas completamente inadequado. Contudo, as conversas francas e discussões divertidas logo tornam a companhia um do outro bastante prazerosa. Hugh percebe que, além de muito atraente, Sarah é uma mulher sagaz, que não tem medo de ser quem é, mas que sofre por perceber que é um pouco egoísta demais. Já Sarah começa a ver Hugh como um cara muito inteligente e divertido, mas marcado pelos erros do passado, que o impedem de procurar um novo final feliz.

Conforme se tornam cada vez mais próximos, Sarah e Hugh começam a perceber que tanto ódio entre eles se transformou em um grande carinho e que pode se tornar muito mais. Entretanto, será que essa paixão avassaladora conseguirá vencer todos os obstáculos, como as limitações de Hugh, o preconceito de Sarah, o ódio do pai de Hugh pelos Smythe-Smith, e Sarah e Hugh encontrarão o seu final feliz?

A SÉRIE
A Soma de Todos Os Beijos é terceiro livro do Quarteto Smythe-Smith da Julia Quinn. Essa série de quatro livros conta as histórias de amor de quatro membros da família Smythe-Smith, conhecida no universo dos romances da autora por promoverem anualmente um concerto, onde jovens solteiras da família tocam (terrivelmente) em quarteto.

Apesar dos livros da saga serem independentes, cada um com sua trama e casal próprios, é interessante ler a série na ordem, já que personagens secundários se repetem ao longo dos livros e os acontecimentos do anterior sempre são citados nos volumes seguintes. Simplesmente o Paraíso, o primeiro livro, conta a história de Honoria Smythe-Smith e o amigo de longa data da família, Marcus Holroyd. O segundo livro, Uma Noite Como Esta traz o envolvimento do irmão de Honoria, Daniel, e a governanta das primas dele, Anne. Nesse terceiro livro, A Soma de Todos os Beijos, é vez da prima dos Smythe-Smith, Sarah e o gênio da matemática Hugh Prentice. E no quarto e último livro, Os Mistérios de Sir Richard, temos a saga de Iris Smythe-Smith e Richard Kenworthy.

(...)

CONCLUSÕES FINAIS
A Soma de Todos Os Beijos foi um alívio depois da decepção que tive com o livro anterior. Esse terceiro volume do Quarteto Smythe-Smith tem tudo o que as obras da Julia Quimn tem de melhor: um mocinho fofo, uma mocinha audaciosa, diálogos divertidos e cheios de ironia, momentos surpreendentes e fofos, e muito, muito romance! A leitura de A Soma de Todos Os Beijos foi rápida e deliciosa, e provavelmente será a minha favorita da série.

LEIA A RESENHA COMPLETA E VEJA FOTOS DO LIVRO NO BLOG:

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2017/03/resenha-a-soma-de-todos-os-beijos-julia-quinn.html
comentários(0)comente



Carla S. Santos 20/03/2017

Ai Hugh, você salvou esse livro pra mim!
Esse é o 3º volume da série Smythe Smith da Julia Quinn e para mim até agora foi mais interessante se comparado aos dois primeiros volumes. Mas ainda assim, não achei tão fenomenal como outros livros que já li da autora.

Pontos positivos:
- Amei o mocinho, me surpreendeu bastante, pois amo galãs com ar taciturno, mais introspectivos, cheios de dilemas interiores e traumas que tentam superar. Ele me lembrou muito de leve a personalidade fechada do Mr Darcy.

- A mocinha, Sarah, também foi a mais interessante se comparada as mocinhas dos livros anteriores. Ao mesmo tempo em que é doce, também tem personalidade forte. Se mostrou bastante cativante e marcante.

- O livro tem algumas partes bem românticas e fofinhas. O Hugh simplesmente é encantador com a Sarah em vários momentos da leitura e me peguei suspirando diversas vezes por ele. O embate entre Hugh, a Sarah e o pai nos últimos capítulos foi excelente! Adorei a forma como Ramsgate se deu mal ao final.

Ponto Negativo:
- A história de amor foi bonitinha, mas de alguma maneira achei que faltou algo. Não sei bem explicar o quê. Acho que talvez depois de tanta rivalidade e repulsa, a atração entre a Sarah e o Hugh se deu um pouco rápida demais a meu ver, pois já no 2º encontro, o casal que até então praticamente se odiava, passou a sentir um desejo ardente um pelo outro subitamente. A principio, não senti muita firmeza nesses sentimentos. Mas acho que realmente o problema seja eu, pois sempre sou muito exigente em relação ao período da conquista e quando esta não me passa muita credibilidade, aí sempre me faz murchar em relação ao casal.

Apesar desse pequeno detalhe que não me agradou, ainda assim, ao longo da história fui me encantando por eles. Principalmente, pelo maravilhoso Hugh Prentice que se mostrou um cavalheiro inesquecível e surpreendente, sempre pensando nos outros, mais do que em si mesmo. Amei seu coração bondoso e a forma como ele passou a amar a Sarah foi linda.

Definitivamente, esse livro arrebatou meu coração por causa do Hugh, mas ainda assim, não achei o enredo tudo isso. Vou continuar na expectativa do último livro da série dilacerar meu coração...Vamos ver...

Jana 20/03/2017minha estante
Eu estou cada vez menos interessada nessa série, já achei Os Bridgertons um pouco fraco e sem aquele algo a mais...e pelo que andei lendo sobre essa série...fiquei bem sem vontade de ler.


Jariane 20/03/2017minha estante
Amei demais esse livro, mas estou achando o último muito chato :(


LuluhSH 20/03/2017minha estante
A série, no geral, não é ruim, mas fica aquém se comparar com a dos Bridgertons, por exemplo.


Carla S. Santos 22/03/2017minha estante
Realmente os Bridgertons é de longe muito melhor que essa série da JQ! Achei no geral, a maioria dos livros medianos, só gostei de verdade mesmo 4o volume...os outros são bonitinhos, mas é mais do mesmo! Não tem nenhuma história marcante e diferente...




Fernanda 27/03/2017

Resenha: A soma de todos os beijos
Resenha no blog:
http://www.segredosemlivros.com/2017/03/resenha-soma-de-todos-os-beijos-julia.html

site: http://www.segredosemlivros.com/2017/03/resenha-soma-de-todos-os-beijos-julia.html
comentários(0)comente



@mamaetalendo 07/07/2017

#ASomaDeTodosOsBeijos é o terceiro livro do quarteto #smythesmith de #JuliaQuinn. Para mim, o melhor do quarteto até agora. Já conhecemos os personagens porque eles já estavam presentes nos livros anteriores, e por isso eu não tinha uma boa impressão de Sr. Hugh Prentice, e aí tudo muda, aqui conhecemos sua versão do duelo que mudou toda a sua vida. O romance entre ele e Sarah é construído tão lindamente que me apaixonei pela história! Ah... e fala de superação! Amei e recomendo muito!?sinopse: Lorde Hugh Prentice é um gênio da matemática e teve sua perna (e sua vida) arruinada por causa de um duelo com seu amigo, Daniel Smythe-Smith. Nesse livro, conheceremos um pouco da história de Hugh, antes e depois do acontecido. Sua família, o desespero de seu pai para conseguir que um de seus filhos lhe desse um herdeiro, visto que um não é chegado à mulheres e o outro, provavelmente terá dificuldades em encontrar uma esposa, e principalmente em ter filhos. E, claro, sua relação de amor e ódio com Sarah Pleinsworth, prima mais velha de Daniel, que mesmo antes de conhecê-lo, já odiava Hugh por ter arruinado sua família através desse duelo. Mas, as coisas começam a mudar quando Honoria, sua prima, pede para Hugh substituir seu padrinho no casamento e para Sarah ser sua acompanhante durante sua estadia, para que ele ficasse mais confortável diante dos familiares de Daniel. E esse tempo se prolonga, já que Daniel se casará duas semanas depois da irmã e resolve torná-los uma única festa... É claro que eles não se dão no início, mas com o tempo, ainda mais depois do primeiro casamento, quando ela fica impossibilitada de andar, eles deixam as diferenças de lado e começam a se conhecer realmente, e, o que era ódio, acaba se tornando uma paixão avassaladora. Mas as limitações de Hugh vão ser apenas um dos problemas que o casal enfrentará pelo caminho... #bookaholic #booklivers #book #instalivros #instalivro #instabook #indico #ler #leitura #lerevida #leiamais #lersempre #livro #livros #literatura #book #libro #mamaetalendo
comentários(0)comente



Leilane 24/02/2017

“A Soma de Todos os Beijos” é igual a “infinito mais um”
Em um momento de embriaguez durante um jogo de cartas, Lorde Hugh Prentice, um exímio matemático muito confiante em suas habilidades e que nunca perde uma partida, é derrotado pelo amigo Daniel Smythe-Smith, o que o leva a inconsequentemente desafiá-lo a um duelo que muda a vida dos dois para sempre, deixando Hugh manco e Daniel sendo perseguido pelo pai de Hugh que que matá-lo. Depois de um acordo suicida, Hugh convence o pai a parar de perseguir Daniel e ele finalmente volta do exílio. Agora Hugh é convidado a participar de dois casamentos dos Smythe-Smith tanto porque eles o consideram seu amigo, quanto para que a sociedade deixe de julgar ou culpe Hugh pelo duelo. O único problema é que Hugh acaba virando par de uma das primas dos Smythe-Smith, Sarah Pleinsworth, no casamento de Honoria Smythe-Smith para substituir um parente doente, e ele sabe muito bem que ela o despreza. Sarah culpa Hugh por todo o infortúnio que abateu sobre sua família e principalmente por ela ter perdido sua primeira temporada, ela o despreza tanto que uma vez o confrontou sobre isso, e animosidade deles é palpável. Mas conforme os dois vão deixando as desavenças de lado e começam a substitui-la por afeição e admiração, será que os dois poderão ter algo real com todos os problemas que aquele duelo e o pai de Hugh causaram e ainda podem causar?

Sarah é a integrante do quarteto que ficou “doente” na última apresentação e foi substituída por Anne – agora noiva de Daniel. Sarah está dividida entre a felicidade de ver cada um de seus primos casando com a pessoa que ama e o vazio de ela ainda não ter isso para si própria, e encontrar Hugh novamente só a faz lembrar que ele a fez perder sua primeira temporada que poderia ter sido um sucesso e poderia já estar livre do quarteto que nunca gostou de fazer parte.

Hugh convive com as consequências de seus atos impensados. A recuperação de seu ferimento foi muito árdua, ainda mais sabendo que tinha arruinado a vida do amigo por conta de seu pai louco e vingativo. Ele barganhou alto com o pai e conseguiu pelo menos tirar este peso dos ombros garantindo contratualmente que a vida de Daniel nunca ficaria mais em risco. Entretanto, ele ainda tem a consequência física, sua perna ficou muito debilitada, de modo que ele sofre com dores constantes, manca e precisa do auxílio de uma bengala. Por um lado, é bom ter contato com os amigos novamente comparecendo aos casamentos deles, por outro, encarar os fatos de que suas limitações tiraram alguns prazeres que um homem pode ter na vida, só é mais um lembrete de seu grande erro.

Mais uma vez a Julia forma um casal incrível! Todas as interações de Sarah e Hugh são eletrizantes e ela traz mais uma forma de amor para esta série, na qual a paixão vem com o real conhecimento do outro. E ela ainda coloca Sarah de modo a ter um vislumbre do que é o dia a dia de Hugh quando ela torce o pé e precisa ficar sentada quase o tempo todo.

A Julia também é ótima para criar vilões porque o pai de Hugh é um demônio, obcecado por linhagem e vingança, não poupa ninguém para alcançar o que deseja. Hugh teve de fazer um acordo absurdo para controlá-lo, mas foi Sarah quem soube melhor lidar com o ser que se diz pai de Hugh. Aliás, adoraria que a Julia escrevesse um conto sobre Freddie, o irmão de Hugh, gostaria de saber se ele conseguiu ser feliz depois de todo o tormento que o pai monstro o fez passar.

Um livro cheio de doce momentos e com personagens complexos que nem a matemática tão fácil para Hugh poderia resolver, “A Soma de Todos os Beijos” é igual a “infinito mais um”, entretanto, meu casal favorito ainda é Honoria e Marcus, mas Sarah e Hugh e Daniel e Anne não ficam muito atrás.

site: http://lerimaginar.com.br/blog/2017/02/semanajuliaquinn-a-soma-de-todos-os-beijos/
comentários(0)comente



LuluhSH 18/04/2017

Hugh Prentice, segundo filho do marquês de Ramsgate, é um gênio da matemática, sua capacidade de cálculo também o ajuda na hora de jogar, é imbatível nas cartas. Quer dizer, até o dia em que bebe demais com alguns amigos dos tempos de colégio, que resolvem jogar uma partida, e um deles vence Hugh! Este amigo é Daniel Smythe-Smith, conde de Winstead. Hugh pensa que Daniel trapaceou, única explicação para ter vencido. Irritado, desafia o então amigo para um duelo, mas Hugh leva a pior, pois Daniel tenta errar o tiro, mas acerta bem na perna de Hugh, que sobrevive, mas fica com uma deformação que agora o faz mancar e precisar da ajuda de uma bengala. Por conta de tudo isso, Daniel foi embora do país, mas depois de 3 anos está de volta graças a uma espécie de acordo entre Hugh e seu pai para que deixe Daniel em paz e que este possa voltar à Inglaterra.
Sarah Pleinsworth é prima de Daniel, melhor amiga de sua irmã, a prima Honoria, e detesta Hugh, pois o culpa por tudo que aconteceu, inclusive a perda de sua primeira temporada de debutante na sociedade Londrina. Mas agora todos se reencontram no interior, para os casamentos de Honoria e Marcus e Daniel e Anne. Conversas aqui e ali e Sarah e Hugh passam do ódio à amizade e daí para... bem, já devem imaginar né? rs
O livro é interessante no sentido de que a trama é bem movimentada, tem bastante ação, gostei das partes que envolvem as irmãs da Sarah, das conversas do Hugh com a Frances, ele virou o herói da menina, kkkkk, coisa mais bonitinha! Mas sei lá, o casal não me conquistou muito, não sei bem explicar porquê.
comentários(0)comente



Lisandra.Vieira 23/02/2017

Infinito mais um...
Mais uma vez encantada...
Esse livro tem uma narrativa fluida e super apaixonante.
Hugh Prentice é um mocinho com várias facetas... Ele tem uma história sofrida e se martiriza por erros cometidos no passado.
O pai dele é o próprio diabo, e durante o livro ficamos perplexos com as maldades que Hugh vai relatando e porque despreza tanto o marquês de Ramsgate.
Sarah Pleinsworth culpa Hugh por todo o sofrimento causado a sua família, por decorrência do duelo entre ele e Daniel Smythe-Smith e por seu primo ter sido exilado pelo pai de Hugh. Mas ela tem rancor também por ter sido afastada de Londres na sua primeira temporada, já que o escândalo provocado pelo duelo não pode ser evitado.
Ela acha que poderia ter conseguido um marido e assim teria se livrado de tocar no evento anual da família, o tão temido "Concerto anual do quarteto Smythe-Smith". Sarah se recente com o Hugh por causa disso e quando fica cara a cara com ele, não perde a oportunidade de lhe dizer, e ambos se tomam de antipatia mútua!
Mas claro que Deus tem outros planos, e seus desígnios somente ele compreende!!
Durante 3 semanas Sarah e Hugh terão que conviver e se aturar.
Primeiro no casamento de Honoria e Marcus, e depois no casamento de Daniel e Anne. Simultaneamente.
Sarah se vê a cargo de entreter lorde Hugh, e ambos são obrigados a se aturar! Mas então o que parecia impossível acontece, quando decidem dar trégua e baixam a guarda, eles se vêem muito felizes de interagir um com o outro e descobrem que gostam muito da amizade que nasceu entre eles! E então seus corações começam a bater num outro ritmo e eles não podem mais negar o amor!


"Minha, pensou novamente, e foi a coisa mais incrível, porque até recentemente, assumiu que não iria encontrar ninguém, que nunca haveria uma mulher que iria chamar de sua.
Suavemente, beijou os lábios dela. Em seguida o nariz, então cada um de seus olhos, um por vez.
Isso tudo estava estourando para fora, estava se apaixonando por ela, mas nunca foi um homem de falar sobre seus sentimentos, e as palavras sufocaram em sua garganta. Então a beijou pela última vez,verdadeira e profundamente, esperando que ela reconhecesse o que significava: uma oferenda de sua
própria alma.
Seu, pensou. Eu sou dela."

É tão lindo. É muito maravilhoso como a autora colocou tudo... E as irmãs mais nocas de Sarah, Harriet, Elizabeth e Frances, fizeram sua participação mais uma vez... E de novo roubaram a cena! Ela são ótimas.
Quando o livro chega a reta final e Sarah e Hugh descobrem o amor, o livro dá uma guinada e então temos uma passagem fenomenal com Sarah, Hugh, o marquês de Ramsgate e Daniel Smythe-Smith. Sendo que Sarah é o destaque e eu aplaudo muito a Julia Quinn por essa cena.

Livro fabuloso. Impecável. Tem tudo que um romance precisa e o final é perfeito!
Amei esses dois!!!

"- E eu te amo, Sarah Prentice.
Eles retomaram a caminhada em direção a porta, mas depois de apenas dois passos, Hugh se inclinou e sussurrou em seu ouvido. - Duas mil.
E Sarah, porque era Sarah, riu e disse. - Só isso?"

Leiam essa série. É mais que sublime.
comentários(0)comente



Vania 27/02/2017

A soma de todos os beijos.
Simplesmente lindo.
Algumas pessoas conseguem expor o melhor ou o pior de nós mesmo. Sarah e Hugh me deixaram encantada com os Acontecimentos e Reviravoltas, fazendo piadas com a própria desgraça. Numa narrativa que prende o leitor do começo ao fim.
comentários(0)comente



40 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3