Dicas da Imensidão

Dicas da Imensidão Margaret Atwood




Resenhas - Dicas da Imensidão


18 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Lu 13/04/2020

Excelente
O livro apresenta vários contos que narram partes da vida de mulheres nas mais distintas etapas da vida. Proporciona inúmeras reflexões sobre o feminismo e a sociedade de modo geral. Recomendo muito!
comentários(0)comente



Caroline 22/03/2021

Incompleto
Definitivamente não gostei. Tinha uma promessa de histórias com protagonistas femininas fortes mas o que eu achei foi uma bagunça. Alguns contos são ruins do início ao fim, outros começam muito bons e você se empolga mas a autora parece não terminar a história, não é um final com suspense, fica sem final mesmo, sem sentido. Li outros dois livros excelentes dessa autora e tinha uma expectativa por esse livro, mas infelizmente foi pesaroso ler ele até o fim.
comentários(0)comente



Sabrine 26/09/2021

Delicado e sutil
A grande maioria dos contos é boa, alguns poucos são meio chatinhos... Ainda assim, todos são escritos com a mesma competência e perfeição com a qual Margaret Atwood escreve tudo.
comentários(0)comente



Isis Tomie 05/04/2017

Crônicas pro dia a dia
Quando li o sumário fiquei bem curiosa com Ísis na escuridão. Apesar de ter o nome “Ísis” no título, esse não foi o que me chamou atenção não! Todos os textos tem suas particularidades, o que me chamou mais atenção foi Morte por paisagem (na qual uma menina desaparece sem deixar rastros e isso fica na cabeça de sua amiga por anos).

Todas as histórias tem como pano de fundo alguma região do Canadá. As personagens possuem sempre características físicas semelhantes, mesmo que a autora não as descreva com tanta intensidade.

Há uma pegada feminista sutil em todos os textos que dá aquele conforto no coração! Vemos mulheres corajosas, decididas e dispostas a enfrentar os machismos do dia a dia.

A leitura é bem fluida em todos os textos e uma característica comum na narrativa são as divisões entre presente, passado e futuro. A autora faz uma distinção das passagens históricas, deixando um quê de mistério em cada parte que se completam no final. Tem histórias que deixam uma dúvida do que poderia ter acontecido, não há um desfecho concreto e outras que você entende algo do começo só ao final da leitura. E toda essa dinâmica que prende você a história!

Dicas da Imensidão é voltado mais para um público adulto ou pessoas que já viveram ou conviveram situações diversas. Claramente, são textos que se lidos por alguém mais jovem, não irá entender logo o que as personagens viveram ou o contexto.

Poderia dizer a história de cada narrativa, mas acho que perde a graça! Os temas variam bastante, temos: amor, ilusão, filhos, maternidade, paixão, carreira, amantes, amizades, trabalho, família, aborto, morte… Cada uma aborda um ou mais temas, sempre deixando uma reflexão ao leitor.

E claro, por serem narrativas distintas, é um livro que pode ser lido em qualquer ordem! =)

Fiquei tão fascinada com a escrita de Atwood que estou a procura de outros livros dela!

site: https://www.elefantevoador.com/2017/02/28/dicas-da-imensidao-margaret-atwood-resenha/
vic 30/07/2017minha estante
undefined




@APassional 26/02/2017

* Resenha por: Elis Culceag * Arquivo Passional
"Dicas da Imensidão" é uma coletânea de dez contos. Ao longo da leitura, podemos perceber a diferença entre o que os homens pensam das mulheres e o que elas pensam sobre si mesmas, e vice-versa. Por vezes, testemunhamos o poder latente existente nas personagens femininas, força esta que pode ser utilizada, ou não.​ Desejos e frustrações, curiosidade e desinteresse, expectativa e realidade; diversas facetas humanas são demonstradas nas histórias, numa imensidão de sentimentos e sensações. ​Boa parte dos contos tem o final triste ou amargo, mas fica claro que retratam momentos determinantes na vida dos personagens, que na maioria das vezes ​eles tem o poder de mudar e dar a volta por cima, mas a questão principal é: estariam dispostos? Sem dúvida, uma leitura que incomoda um pouco e nos faz pensar.

Confira a resenha completa no blog Arquivo Passional.

site: http://www.arquivopassional.com/2017/02/resenha-dicas-da-imensidao.html
comentários(0)comente



Rê Lima 24/02/2021

É bem diferente de tudo que eu já tinha lido da autora. Em comum, só as protagonistas e suas questões! Bem interessante!
comentários(0)comente



Clara 19/05/2021

Na primeira parte do livro, a autora nos apresenta as aventuras e os possíveis exageros de uma juventude.
Achei que os outros contos fossem relatos das trajetórias que as nove garçonetes seguiram em suas vidas, mas não.
São contos que apresentam, ao leitor, perspectivas de mulheres em uma época que a dupla jornada já se fazia presente. Experimentamos de tudo: frustrações, conquistas profissionais/pessoais, o ponto de vista de cada uma sobre si mesma....
Personagens completamente distintas umas das outras e que, ainda assim, conseguem nos marcar com sua imensidão.
Primeira obra da Atwood que leio e posso dizer que sua escrita além de necessária, é bastante fluída.
comentários(0)comente



Aguinaldo 02/11/2017

dicas da imensidão
De Margaret Atwood só havia lido um pequeno mas potente livro, "A Odisséia de Penélope", há mais de dez anos. Semanas atrás, por conta da agitação que sempre antecede a divulgação do prêmio Nobel de literatura, resolvi ler algo dela. Atwood está sempre presente nas listas de favoritos de uns anos para cá, mas, já se sabe, ganhou um outro favorito, Kazuo Ishiguro. Em "Dicas da imensidão" estão reunidos dez contos. São histórias realistas, que demonstram uma curiosidade por um certo tipo de pessoas, aquelas que viveram uma vida agitada, típica dos subúrbios de classe média, com relacionamentos, tempos de estudo e de trabalho, eventualmente filhos e proezas, talvez menos sucessos que aborrecimentos, mas sempre não exatamente da forma com que sonharam em algum momento prévio de suas vidas. Os personagens são professores, advogados, jornalistas, gente de mundo da arte e da cultura, que olham para o passado e tentam encaixar uma narrativa para a vida que viveram e irão viver. As histórias acontecem quase sempre na região de Toronto, no Canadá, mas os personagens ora viajam para a Inglaterra, ora cruzam a fronteira próxima dos Estados Unidos e passam um tempo por lá. Os recortes de vida que Atwood apresenta ao leitor pertencem quase sempre ao período que vai da Segunda Grande Guerra até meados dos anos 1980. Os fatos históricos deste período, bem como as ações de pessoas reais até são citados vez ou outra, mas apenas incidentalmente, o que importa para o narrador dos contos é o impacto destes fatos e ações nos personagens ali inventados. Nos contos quase sempre é sobre uma mulher que se narra, mulheres geralmente fortes, emancipadas, seguras de si, mas que trazem no corpo certas feridas, vestígios de seus combates, sabem que a ausência de uma amiga que morreu, dos filhos que cresceram, das paixões que se foram é uma ausência que não será roubada delas, uma ausência que as alimentará no futuro. Quando um homem é o protagonista certo da história trata-se de um farrapo humano, um tolo ou um canalha. Mas o livro não é sexista, o tom é sempre claro, o leitor reconhece facilmente a verossimilhança daqueles personagens, pobres homo sapiens contemporâneos nossos. Os contos realmente são bem escritos. Interessante mesmo, mas vamos em frente.
Registro #1230 (contos #144)
[início: 01/10/2017 - fim: 16/10/2017]
"Dicas da imensidão", Margaret Atwood, tradução de Ana Deiró, Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1a. edição (2017), brochura 14x21 cm., 238 págs., ISBN: 978-85-325-2991-6 [edição original: Wilderness tips (Toronto: McClelland & Stewart / Penguin Random House Canada) 1991]

site: http://guinamedici.blogspot.com.br/2017/10/dicas-da-imensidao.html
comentários(0)comente



Flavia Braga 27/03/2018

Margaret Atwood e sua genialidade
O livro apresenta 10 narrativas sobre mulheres, nas mais variadas fases da vida: conquistas, frustações, como vivem e como se relacionam com elas mesmas, com as pessoas e com o mundo.
São apresentadas mulheres completamente diferentes, mas que se aproximam em vários momentos da sua imensidão.
Cada conto é um incômodo, um desencontro.
Cada conto apresenta uma dica para a imensidão da alma feminina.
Paula 28/03/2018minha estante
Interessante. Fiquei curiosa pra conhecer.


Paula 28/03/2018minha estante
Interessante. Fiquei curiosa pra conhecer.


Flavia Braga 28/03/2018minha estante
É muito bom Paula. Super recomendo.




Dandara 14/09/2021

Foi uma leitura ótima! Sempre que eu pegava para ler, lia um conto inteiro por vez e foi uma ótima experiência. Todos eles me envolveram, alguns realmente mexeram muito comigo. Recomendo muito a leitura.
comentários(0)comente



Henrique Fendrich 06/10/2019

Atwood é uma escritora necessária de nosso tempo (quem sabe ganhe o Nobel na semana que vem). É uma coisa boa que muita gente que lê "O conto da aia" chegue também até esse "Dicas da imensidão".

São dez histórias narradas a partir da perspectiva feminina, em uma sociedade na qual as mulheres já saíram de casa para ganhar o mundo. Suas personagens geralmente tem carreiras profissionais de aparente sucesso. O que está bem longe de significar felicidade, pois elas também se veem às voltas com dramas existenciais, amorosos e, naturalmente, aqueles decorrentes do machismo.

Os casos amorosos narrados parecem fiéis à maneira contemporânea pelo qual os relacionamentos se dão, na qual o sexo e mesmo o adultério já são encarados com maior naturalidade, mas a minha impressão geral, a partir do vazio que o "amor" representa nessas histórias, mesmo nos momentos mais "aventurosos", é de que a solidão não é tão ruim assim.

Destaco o conto "Peso", que eu já conhecia e é o meu favorito, tendo o feminicídio como mote (ou seja, atualíssimo). "Tios" também me chamou bastante a atenção, seja pela forma como a criação determina o comportamento na vida adulta ou pela lamentável inveja masculina diante do sucesso da mulher.

O conto que abre o livro, "Lixo verdadeiro", foi outro dos meus favoritos, pois ali se discute muitas questões relacionadas ao comportamento dos gêneros ainda na adolescência, o que, é claro, repercute na vida adulta. "Morte por paisagem" também foi um bom momento para mim, e há bons momentos em todos os contos, embora alguns não tenham se destacado muito para mim.

Atwood escreve de maneira fácil, muitas vezes as tramas não são tão complexas, mas ela prende a atenção. Todos os contos são divididos em alguns blocos de texto, demarcando uma pausa, uma mudança de ritmo ou de cena, o que acaba contribuindo também para a fluência.

Ao término do último conto, sugestivamente chamado de "Quarta-feira inútil", reforçou-se em mim a ideia de vazio existencial a partir dos relacionamentos contemporâneos.
comentários(0)comente



Ferflus 19/11/2020

Livro de contos
Confesso que tenho uma dificuldade para gostar de livros nesse formato e dessa vez não foi diferente.
Alguns contos me agradaram, outros são dispensáveis.
Alguns gostaria que fossem desenvolvidos em formato de livro, não apenas conto.
Vale a leitura, Margaret Atwood escreve muitíssimo bem!
comentários(0)comente



May 26/04/2021

Finalmente terminei esse livro de contos que sempre ao fim de um conto me pegava tento crises existenciais, olhando pro teto, pensando ?realmente tá acontecendo o que eu entendi??. Ao decorrer dos anos sempre me pego pensando em algum conto específico e sempre tive receio de terminar por isso, sempre fico sentindo no final que preciso de mais páginas, que aquele final precisava de mais detalhes e acho que essa seja a intenção a autora, nos fazer sempre preencher as lacunas dos finais.
comentários(0)comente



Luiza Bugelli Valença 04/08/2021

Um livro que provocou uma imensidão de opiniões em mim
A obra ?Dicas da Imensidão?, concebida por Margaret Atwood, definitivamente não é uma leitura fácil. Apesar de seu vocábulo e conteúdo simples, os 10 contos reunidos nesta edição apresentam diversas reflexões simbólicas em suas entrelinhas.

Em ?Dicas da Imensidão?, o leitor acompanhará contos desconexos uns dos outros, que falam sobre diversas questões extremamente metafísicas, mas ao mesmo tempo cotidianas. Pode-se encontrar contos que falam sobre arrependimento, traição, feminismo, pequenos acontecimentos que mudam uma vida e sobre tristezas.

Já deixo de aviso leitor: se você for apreciar esta leitura sem focar devidamente na leitura e sem estar aberto à refletir, esta obra será considerada maçante para você. Ademais, ao mesmo tempo que senti afinidade por certos contos do livro, julgo que eles não possuem nada de extraordinário em seu conteúdo. Também é válido mencionar, que em certo ponto, as histórias passam a ficar cansativas e monótonas. Tenho que confessar que não entendi ao certo o objetivo da autora com este livro, sendo assim, dar uma nota fechada a ele seria difícil.

Por fim, recomenda-se a obra para aqueles que estão prontos para mergulhar intensamente em uma imensidão de palavras à ponto de encontrar reflexões e aspectos atrativos na estranha, e ao mesmo tempo fascinante, escrita de Atwood.
comentários(0)comente



Isa Soares 28/12/2017

Autora que ficou famosa pelo sucesso "Contos da Aia" (The Handmaid's Tale), lança uma profunda coletânea com 10 contos que dão voz a personagens femininas que relatam as suas memórias e experiências de seu passado e presente bem ao meio da segunda onda do feminismo.
ACOMPANHE O VÍDEO RESENHA AQUI: https://youtu.be/-0MzWx8aUC4
comentários(0)comente



18 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR