Uma Longa Jornada Para Casa

Uma Longa Jornada Para Casa Saroo Brierley




Resenhas - Uma Longa Jornada Para Casa


23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Zaila 20/02/2017

Magnífico
Desde as primeiras páginas esse livro me arrancou muitas lágrimas de sofrimento por toda aquela vida de abandono e pobreza em que a família de Saroo passava, ali na cidade de Ganesh Talai, na Índia.
Saroo era o terceiro irmão de quatro filhos. Guddu era o filho mais velho, seguido por Kallu, Saroo e Skekila. Foram abandonados pelo pai, que arrumou outra esposa e foi morar com ela, o que fez piorar, em muito, a crítica situação que sua família se encontrava.
A mãe, muito trabalhadeira, carregava pedras na cabeça em construção civil, se ausentando por dias, até mesmo semanas, de casa e dos filhos pequenos.
Os mais velhos, para ajudar a complementar a "renda" da família, saíam em busca de moedas caídas nas estações do trem ou resto de comidas em lixo, Saroo muitas vezes pedia esmolas, enquanto ficava sozinho com a irmã caçula. Eles aprenderam a se virar, sem pai e nem mãe por perto.
Saroo era o responsável por cuidar da sua pequena irmã Skekila (ele com 5 anos e ela com 2), ele a alimentava, vigiava e lhe higienizava - na medida do possível para uma criança tão pequena. Por vezes, Saroo e Skekila ficavam sozinhos em casa.
Certa noite, por sentir muita falta da presença do seu irmão mais velho, Saroo vai com Guddu para a estação de trem vizinha, na cidade de "Berampur", numa ida divertida entre os dois.
Ao chegarem, Saroo já está cansado e Guddu pede a Saroo que lhe espere na estação para ir até a cidade. Enquanto espera, já arrependido de ter ido, deita nos bancos da estação e dorme. Quando Saroo acorda, a estação está vazia e sem nenhum sinal de Guddu... E é aí que a grande angústia começa (e que angústia, diga-se de passagem).
Saroo foi um exemplo de ingenuidade para mim, foi um guerreiro e muito inteligente, um verdadeiro heroizinho nas rua de Calcutá. Conseguiu superar todas dificuldades, cada provação, medo e fome sem fim, sempre com olhos bem abertos.
A angústia que citei, no momento que Saroo se perde, é tão grande e tão avassaladora que fez meu coração se comprimir no peito, chorei muito e tive que parar a leitura diversas vezes. Me senti desesperada por aquele acontecimento, e muitos outros que vieram. Desejava está presente e ter podido ajudar aquela criança perdida numa cidade tão grande, caótica e suja. Ele diz que se sentiu invisível, que lá era só mais uma criança nas ruas, que ninguém era capaz de enxergar o desespero em seus olhos.

"Uma parte de mim já tinha se aceitado isso. Aquele desespero incrédulo de voltar para casa, que eu sentia logo que me perdi - aquela sensação de que, se o mundo não voltasse aos eixos imediatamente, eu não conseguiria sobreviver, não conseguiria sequer existir -, já desaparecera havia tempo."

Confiou em pessoas que diziam lhe ajudar, e por vezes seus instintos o ajudaram. E, quando uma pessoa verdadeiramente lhe ofereceu ajuda, sentiu que não deveria ir, mas confiou e foi aí que o destino lhe sorriu.. E eu também sorri.
Finalizo este pequeno relato, mais uma vez, com lágrimas nos olhos.
Me tocou profundamente o pequeno Saroo perdido nas ruas de Calcutá, onde descreveu tudo que passou de forma muito clara e emocionante. Foi um aprendizado.
Parabéns Saroo Brierly por nos contar sua história.
Lucy 25/02/2017minha estante
Esse livro realmente é muito emocionante, mas que alegria senti quando ele conseguiu encontrar a família na Índia. E como é importante a adoção. Nenhuma criança no mundo deveria sofrer. E o que mais me admira, é que mesmo na extrema pobreza, eles eram uma família feliz. Eles tinham amor um ao outro. O amor é o grande protagonista deste livro, assim como a coragem do pequeno Saroo.


Wanessa Maria 02/03/2017minha estante
Uau amiga!
Entendi muitos espaços não preenchidos pelo filme.
Senti cada palavra sua, verdadeiramente digno!




Mari 15/03/2017

"Queria poder mudar o passado."
Uma Longa Jornada Para Casa chegou de surpresa para mim e não demorou muito para que, depois de pensar "lerei apenas as primeiras páginas", eu me visse envolvida com a história e começasse de fato a leitura. Aqui conheceremos a vida de Saroo Brierley, o autor do livro. Ele compartilha com os leitores todos acontecimentos de sua vida desde que tinha cinco anos, quando se perdeu do irmão mais velho em uma estação de trem na Índia. Sem saber seu sobrenome e muito menos o nome de sua cidade, Saroo acaba em uma casa de adoção e ganha uma nova família: um casal australiano. Após se mudar para um país completamente novo e precisar se adaptar a uma nova cultura e um novo idioma, Saroo pode estar confuso, porém é confortado pelo amor e carinho dos novos pais. De qualquer forma, nada consegue a pagar de sua mente uma pergunta que se mantém presente em sua vida ao longo dos anos: como sua família indiana teria reagido ao seu desaparecimento?

"Eu estava perdido." p. 34

Saroo é muito sincero em suas palavras. Ele compartilha toda sua jornada sem medo, mesmo sabendo que as pessoas poderão julgar suas decisões, se importa apenas em mostrar a verdade que viveu e enfrentou. Um lado negativo da narrativa em primeira pessoa é que ela pode se tornar maçante facilmente e, infelizmente, isso chega a acontecer em Um Longa Jornada Para Casa. Acompanhar os caminhos percorridos pelo autor é importante, entretanto existem momentos em que a leitura precisa de uma pausa por conta da narrativa. Contudo, isso não atrapalha no entendimento da história nem a torna menos tocante.

"Que opção eu tinha, além de seguir em frente." p. 43

Uma das coisas mais admiráveis nesse livro é, sem dúvidas, a coragem de Saroo. Ele nos mostra cada motivo, compartilha cada sentimento, expõe cada dúvida e não tem medo. Por vezes, mesmo em histórias reais, alguns "e se" são inevitáveis, todavia isso não acontece aqui. Temos a certeza, de que tudo aconteceu por um motivo e, seja ele qual for, devemos aceitá-lo.

Ao nos aproximarmos do final, a leitura começa a ficar ainda mais prazerosa por já conhecermos o início e o meio da trajetória de Saroo. Conhecemos suas declarações honestas, seus desejos ingênuos e seu caminho real. Por isso, a possibilidade de reencontrar a família indiana nos deixa mais envolvidos e empolgados, de modo que a sensação é de estarmos fazendo parte de cada cena narrada. É como se, ao longo da leitura, fôssemos nos familiarizando com o autor e simplesmente acompanhar suas palavras diretas já não é o suficiente. Queremos fazer parte daquilo.

Uma Longa Jornada Para Casa traz a emocionante e verdadeira história de Saroo Brierley, um homem que precisou ter muita garra para seguir em frente e seguir seus princípios. Este é um livro sobre família, escolhas e oportunidades. É sobre os caminhos que percorremos ao longo dos anos e o que devemos guardar. Indico muito para quem gosta de histórias reais que te acrescentam algo e que lembram o valor da vida.

site: http://www.magialiteraria.net/2017/02/resenha-uma-longa-jornada-para-casa.html
comentários(0)comente



@bookytimes 15/04/2020

Uma jornada para casa
Uma história que vai falar sobre construção e busca de identidade. Nestas páginas o autor, Saroo Brierley, conta sua própria história, de quando era um menino de 5 anos e se perde de seu irmão ao dormir em um dos trens da estação de Burhanpur, na India. Ao acordar, o menino se encontra, sem ter consciência disso pela idade que tem, em uma das maiores cidades do mundo: Calcutá.
A partir daí o garoto passa por uma série de desventuras que culminam em sua adoção por um casal de Australianos, que dão todo apoio, educação, recursos e amor, para que ele possa se tornar um homem de bem, como outro qualquer.
Já adulto, quando conhece a plataforma ?Google Earth?, Saroo passa a fazer pesquisas constantes com base em suas vagas memórias de imagens da infância e do dia em que se perdeu da família.
Lion é uma história que fala da conexão de mãe e filho e sobre a necessidade que o ser humano tem de saber sobre sua origem para que possa continuar a jornada da vida. O livro ainda consegue mostrar um pouco das dificuldades de vida na India e um pouco de suas crenças e costumes. É um livro real e que provoca um sentimento grande de empatia pelo herói real da narrativa.
Trecho: "Queria poder mudar o passado." Quer ler mais resenhas ? Acesse @bookytimes no insta!
comentários(0)comente



Mada 07/04/2020

A narrativa conta situações reais e, até mesmo, corriqueiras ocorridas na Índia. Uma história forte, cheia de reviravoltas e, embora angustiante em alguns momentos, contada de maneira doce e cheia de esperança.
Lindo!! Chorei em vários trechos da leitura...
comentários(0)comente



João 16/03/2017

Uma Longa Jornada para Casa é um daqueles livros que você começa a ler e não quer mais parar.Acompanhar a longa jornada de Saroo foi fantástico.
Aos cinco anos Saroo se perde de seu irmão. Passa a viver nas ruas da super populosa Índia e passa por muitos perigos até ser levado para um orfanato. Algum tempo depois Saroo é adotado por um casal de australianos. Ele se torna adulto,bem sucedido,mas nunca esqueceu seus irmãos e a mãe biológica.
Numa jornada quase impossível ele embarca numa pesquisa para descobrir sua origem.
O livro é leitura tocante e emocionante.
Impressiona ainda mais por ser uma história real.
Leitura excelente!!
Euflauzino 16/03/2017minha estante
um livro que ganha 5 estrelas suas já é pra ser percebido de forma diferente, com um olhar mais sensível, mais apurado. este é um daqueles livros em que eu gostaria de sentar num boteco qualquer e prosear sobre ele contigo. ótima dica!




Karina Oliveira 01/04/2017

Impossíveis acontecem
Imaginem um garotinho que não sabe seu próprio nome completo, ou de onde vem, ou como chegou a enorme Calcuta? Essa é a base da história incrível de Saroo.
A leitura é muito simples e gostosa. A história é real e fascinante. Saroo declara não ser religioso, mas eu glorifico a Deus pelo cuidado que teve com ele.
Indico a leitura.
comentários(0)comente



Bia 08/07/2020

Um livro de memórias fascinantes, Saroo Brierley tem uma das histórias de vida mais incríveis que já li e fico feliz de ele ter compartilhado elas nesse livro. É um livro curto, mas tocante, a história dele é cheia de reviravoltas e como ele mesmo, somos toda hora tentados a pensar e se ele tivesse feito isso ou aquilo. É incrível imaginar os rumos que a vida de uma pessoa pode tomar através de uma pequena decisão que acarreta em várias outras, Saroo deve toda a sua vida mudada apenas por uma pequena decisão que ele tomou, além disso a ajuda de várias outras pessoas foi trilhando sua vida. No final do livro é difícil pensar se afinal não existe destino.
comentários(0)comente



Raquel 09/06/2017

Uma bela história, um livro apenas Ok.

O livro traz um relato em primeira pessoa de Saroo Brierley, que ainda pequeno, aos cinco anos decide acompanhar o irmão mais velho certa noite, e acaba perdendo-se numa estação de trem na Índia. Ao acordar, Saroo entra em um vagão de trem vazio, adormece novamente e ao despertar uma segunda vez percebe que o trem está em movimento, sozinho e não sabe sua localização. Ao descer, pensando que percorreu mais ou menos quinze horas de viagem, a criança encontra-se na movimentada estação de Calcutá, uma das cidades mais populosas do país. Saroo passa por diversas situações extenuantes para uma criança de cinco anos: fome, perigo e a necessidade de discernimento sobre em quem confiar. De forma quase milagrosa, acaba chegando à uma instituição de adoção e como não consegue encontrar a família, consente em ser levado para a Austrália, ganhando uma nova oportunidade através dos Brierley. Durante mais de duas décadas, Saroo carrega dentro de si a necessidade em voltar às origens, saber o que aconteceu com sua família indiana e responder questionamentos das confusas recordações infantis. Para isso, o jovem utilizou de forma metódica o Google Earth e o facebook como ferramentas de pesquisa.

Saroo relata na sua biografia, o retrato de uma família indiana carente: terceiro filho de uma família de quatro irmãos, ele recorda que o chão da sua casa era esterco e terra batida. As paredes eram frágeis, onde era possível desblocar tijolos e olhar pelas frestas o que acontecia na rua. O pai abandonou a mãe, casando-se com outra mulher e nunca mais voltou pra prestar auxílio à família. Saroo, como era muito pequeno e não podia trabalhar com os irmãos, era responsável por cuidar da irmã mais nova, e sempre que possível, trazia algo para ajudar na alimentação coletiva. A mãe trabalhava carregando pedras e às vezes passava vários dias ausentes. Era comum as crianças saírem para pedir esmolas, catar comida nos lixões, brincarem nas ruas sujas ou banhar-se em águas poluídas. Ao retratar o ambiente doméstico, Saroo expõe as condições de extrema pobreza da década de oitenta na índia, creio eu, que ainda subsiste na atualidade, - famílias numerosas, em condição de miséria, que sobreviviam em ambientes minúsculos -, sem o mínimo do básico.

A leitura começa bem triste, mais ao adentrarmos na história acaba tornando-se cansativa. Algumas situações são chocantes quando comparadas com a cultura ocidental. O livro acabou com três estrelas pelo fato da narrativa em si ser uma injeção de ânimo e esperança, mas com uma escrita não muito lapidada. O leitor deve considerar que talvez o livro tenha sido uma sugestão da imprensa como forma de gerar sensacionalismo no caso. Não é um grande livro que te fará derramar lágrimas (no meu caso), mas é uma sensação extraordinária quando ele finalmente consegue voltar e abraçar sua mãe, irmãos e sobrinhos. É uma injeção de fé e persistência para corações aflitos.
Lari Dardengo 09/06/2017minha estante
É a história de Lion, né? Filme que concorreu ao Oscar


Raquel 10/06/2017minha estante
Isso Larissa. Ainda não assisti o filme, mas pelos comentários deve ser mais bacana que o livro.


Lari Dardengo 10/06/2017minha estante
Eu não li o livro hahaha chorei muito com o filme, o ator que faz o Saroo criança é maravilhoso, dá vontade de levar pra casa e cuidar, ele adulto já ficou meio corrido, meio confusa a história :( Acho que o filme está disponível na Netflix


Raquel 10/06/2017minha estante
Vou encaixar aqui na listinha de filmes para assistir nessas férias :)




Hester 25/06/2017

Ótimo livro. A história é surreal, poderia ser de um autor muito criativo, mas é real. Difícil crer, mas verdadeiro. Em alguns pontos me levaram a acreditar mais firmemente ainda, embora eu já acredite piamente, em destino. A medida que lia como tudo aconteceu, a mim mais e mais ficava claro que tinha realmente a mão de Deus guiando um garotinho perdido na Índia. Muito bom!
comentários(0)comente



Nilson 29/03/2020

DE ONDE VIM?
Esta história poderia ser a de milhares de crianças abandonadas que se tornam marginais ou perdem a vida muito cedo por conta violência das ruas especialmente nos grandes centros da India. Mas o destino deste menino estava escrito com uma grande dose de sorte . PARA SABER QUEM SOMOS, É PRECISO SABER DE ONDE VIEMOS. E obsessão em reencontrar sua familia na India depois de ser adotado aos 6 por ums familia australiana. Muito emocionante , especialmente por ser verdadeira e que deu origem ao filme Lion : uma jornada para casa.
Muito bom....recomendo.
Nilson 29/03/2020minha estante
Agradecer a minha esposa izabel que escolheu o livro para me presentear.




cris.leal.12 06/11/2017

Uma história real de luta e esperança...
O indiano Saroo tinha 5 anos de idade quando, em 1986, se perdeu de Guddu, seu irmão mais velho, numa estação de trem e acabou nas ruas de Kolkata (Calcutá), a milhas de distância de sua casa. Incapaz de encontrar o caminho de volta, pois não sabia o nome da sua cidade e nem o seu sobrenome, perambulou pelas ruas por semanas, até ser resgatado e enviado para um lar infantojuvenil. Depois de várias tentativas frustradas de localizar seus pais, ele acabou sendo levado para um orfanato e pouco tempo depois foi adotado pelos Brierley, um casal da Tasmânia, uma ilha australiana.

Saroo chegou à Austrália em 1987, com seis anos. Ele se adaptou bem ao novo país e aos pais que sempre foram muito amorosos. Era muito agradecido pela oportunidade que os Brierley lhe concederam. Como o menino pobre que foi na Índia, sabia que, por uma questão de sobrevivência, precisava aproveitar as oportunidades boas que surgiam e, por isso, aceitava com gratidão a vida feliz que lhe foi oferecida por meio da adoção. Mas o passado nunca saiu da sua cabeça. Sempre perguntava a si mesmo como seus parentes teriam lidado com o seu desaparecimento. Ele nunca abandonou a esperança de reencontrar a sua mãe e sua família indianas.

Vinte e cinco anos depois de ter saído da Índia, com a ajuda do Google Earth e do Facebook, e de uma memória prodigiosa, ele encontrou o caminho de volta para casa. Depois de muitos anos de minuciosa e exaustiva pesquisa no computador, Saroo primeiro encontrou a estação ferroviária, onde acidentalmente embarcou no trem que o levou para muito longe do seu vilarejo, e depois a própria cidade natal.

Reencontrar a família biológica de Saroo parecia uma tarefa impossível, do tipo achar uma agulha no palheiro, mas a sua determinação e dedicação, aliadas ao apoio dos pais adotivos, dos amigos e da tecnologia, derrubaram todas as dificuldades e operaram um verdadeiro milagre.

“Uma Longa Jornada Para Casa” é um drama real de muita luta e esperança, que traz uma mensagem inspiradora a todo aquele que precisa organizar-se dentro de sua própria vida: Nunca desista! Não há como não se emocionar com Saroo e sua história inacreditável. Recomendo (e muito) a leitura!

site: http://www.newsdacris.com.br/2017/11/resenha-uma-longa-jornada-para-casa-de.html
comentários(0)comente



Bruno Cardoso 02/05/2018

A História de Saroo
"Às vezes, é difícil não imaginar a atuação de forças que me fogem à compreensão. Ainda que eu não sinta nenhum impulso de converter isso em alguma crença religiosa, sinto com clareza que (...) tudo estava fadado a acontecer exatamente como aconteceu."

Sinto uma certa responsabilidade ao escrever uma resenha sobre fatos ocorridos na vida real, de maneira que, pouco vou me ater à criatividade dos acontecimentos e mais ao texto, narrativa e desenvolvimento da história em si.

Saroo Brierley ficou conhecido mundialmente em 2017 quando o filme que conta sua história ganhou o Oscar. O que muita gente não sabe é que seu nome já havia saído em diversos jornais alguns anos antes, em 2012, quando sua jornada pra casa estava chegando ao fim.

Uma Longa Jornada para Casa se utiliza de um recurso narrativo muito comum, e inicia o livro pelo fim. Ou pelo menos aquilo que parece ser o fim. Apesar disso, a narração não entrega toda a informação, fazendo com que o leitor fique intrigado e querendo descobrir o que ele quis dizer. Logo após essa breve espiada no fim, a história retorna ao seu início e conhecemos o Saroo de 25 anos atrás.

Fazendo um paralelo com a versão adaptada para o cinema, temos uma história que é muito mais violenta e difícil de acompanhar. Estamos falando de completa miséria e desamparo, e um Estado que não tem condições mínimas (ou tem deliberadamente nega) para oferecer segurança para essas pessoas. É preciso entrar nessa leitura com certa maturidade e entender que estamos falando da vida real. Não sejamos ingênuos.

Por fim, Uma Longa Jornada para Casa nos presenteia com boas reflexões e abre um pouco nossos olhos para o mundo ao nosso redor. Minha única crítica fica no fato de que, em certo momento Saroo afirma que viu na escrita do livro e lançamento do filme uma oportunidade de levar esperança a pessoas que, como ele, procuram pelas suas famílias perdidas. É uma causa nobre, mas se for mesmo verdadeira, creio que ele poderia ter usado do espaço que conquistou com sua história para divulgar alguma instituição que faça esse trabalho de rastreamento. Mas isso não aconteceu. Tenho certeza que muita gente se comoveu com sua história e se sentiu impotente, me levando à também ter certeza de que essas pessoas ajudariam à uma causa se ela fosse divulgada através do livro ou filme. Mesmo que muitas pessoas fizessem isso para massagear seu próprio ego, qualquer ajuda financeira seria bem vinda.
comentários(0)comente



Jessica.Ferreira 10/05/2018

Uma longa jornada para casa é uma biografia/drama narrado em primeira pessoa por Saroo Brierley, um indiano que aos 5 anos se perdeu do irmão em uma das inúmeras estações de trem da Índia e a partir daí enfrentou varios desafios e dificuldades que nenhuma criança deveria conhecer na sua idade. Após um período morando nas ruas e dormindo em locais insalubres, Saroo encontra ajuda onde é conduzido até um orfanato,Liluah, mas sua estadia não demorou muito e recebeu uma notícia que poderia mudar ainda mais o rumo de sua vida: um pedido de adoção.
Saroo foi morar na Tasmânia com seus pais adotivos e lá foi muito feliz, mas nunca esqueceu suas origens. Quando com 31 anos ele volta a sua cidade através de uma longa jornada para casa.

Sair da zona de conforto sempre é um desafio pra qualquer leitor, abrir um livro desconhecido tanto na sinopse quanto de gênero foi difícil pra mim, mas fui nesse desafio mesmo assim...consegui ler até o final e me surpreendi!
A história de Saroo reflete o cotidiano de famílias indianas pobres, a luta de uma criança nas ruas, a conquista de uma nova família e principalmente a esperança e o amor que fez esse homem a jamais desistir de reencontrar sua família.
comentários(0)comente



23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2