Crepúsculo Vermelho

Crepúsculo Vermelho Loreley Mckenzie




Resenhas - Crepúsculo Vermelho


50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Geyme Lechner 11/12/2010

Crepúsculo Vermelho de Laura Elias

Título: Crepúsculo Vermelho
Autor: Laura Elias
Editora: Mythos books

Já “escancarei” aos quatro ventos meu profundo respeito, admiração e amizade pela autora Laura Elias! Porém, como esses sentimentos nasceram antes de ler suas obras, tentarei ser imparcial ao desmembrar todo o apreço que sinto pelo criador, ao falar de sua obra.

Sobre a obra:
Para aqueles que ainda não conhecem, Crepúsculo vermelho é um livro que trata sobre vampiros, rock, rovdyrs e amores sobre-humanos, criado através do diário escrito por Megan Grey, uma adolescente antenada com o mundo ao seu redor, que se apaixona por Bill Stone, um “rockeiro” da banda The Red Kings of Dark Paradise.
Megan Grey tem 17 anos e consegue representar com excelência o papel de adolescente insegura, (se assim posso dizer), em seu diário bem escrito e inteligentemente humorado, onde narra a aventura de conhecer os rovdyrs e apaixonar-se pela primeira vez. Ao contrario de outras mocinhas de obras “vampirescas”, Megan é descolada, corajosa e nada estúpida para sua idade.
A obra apresenta dois seres homens sedutores, misteriosos e “lindos de morrer”. Ambos apaixonam-se pela protagonista, fazendo a nós, mortais pobres leitores, decidirmos por Megan Grey entre o amor de Bill ou Simon, dando um desfecho a este triangulo amoroso, antes mesmo do final criado pela autora. (Ah, a gente já sabia que a Megan ficaria com o Bill, isso não era segredo, mas fazer o que se o Simon também abalou corações e acabei, inevitavelmente, "caidinha" por ele?? No MEU final, criado INESCRUPULOSAMENTE com audácia por mim, a Megan fica com o Simon...). Mas, ainda acho que a autora estava de "sacanagem" e fez tudo de caso pensado ao criar dois homens seres fatalmente sedutores!
Fiquei fascinada ao viver através dos relatos da personagem, os sentimentos e sensações deste amor, que mesmo sem o “encontro carnal”, transmitiu-me todo desejo por essa descoberta profunda e entrega total de si mesmo ao outro. Rendição. Submissão. Entrega...!
Confesso que “fui e voltei”, embalada nas sensações e toda "loucura" que li, ao ponto de sonhar (literalmente!)...
Envolvida na trama, eu??? Mordam-me agora!!! Também quero o Bill ou o Simon pra mim! Apaixonadíssima!


Considerações importantes:
Em Crepúsculo Vermelho, deparei-me com uma leitura fácil, sagaz, bem escrita, envolvente, criativa e sobre tudo: humorada! (Critério adotado, que em minha concepção, não deve ter sido nada fácil, dado ao tema: sangue e negação, morte e eternidade).
Curvo-me para aplaudir a excelente escolha das palavras, o processo bem articulado e contínuo do diário de Megan intercalado com Bill, e dizer ainda, que me foi de incomensurável prazer a leitura dessa obra e um verdadeiro deleite, desmembrar cada página.


Um pesar...
A Editora Mythos deveria dar especial atenção à preciosidade que tem na casa.
Como autora, sei das dificuldades inerentes à correção de uma obra, por mais que o escritor chegue a fazê-la dezenas de vezes, é realmente indispensável uma boa revisão por parte da equipe editorial. Nisso, houve certa negligencia com a obra em questão. Estes artefatos eletrônicos que as editoras costumam usar, não detectam minucias, letrinhas, erros de digitação, que passam despercebidos pelo autor, mesmo quando este o corrige tantas e tantas vezes.
A editora ainda fez uma ponte entre o romance: “Crepúsculo” de Stephanie Meyer com Laura Elias. No meu ponto de vista, Crepúsculo Vermelho é incrivelmente mais envolvente, inteligente e fascinante, não deve ficar à sombra de nenhuma outra obra!
Nossa autora é brasileira e tem luz própria!

PS: Já acabei a leitura do segundo volume, Lua Negra (farei a resenha em breve)!

E agora, falando em nome de todos leitores:
ESTAMOS TREMENDAMENTE ANSIOSOS PELO TERCEIRO VOLUME, SERÁ QUE VAI DEMORAR MUITO; HEIN?????????????????

Para quem gosta de histórias sobrenaturais e livros de vampiros, deixo aqui a dica: Crepúsculo vermelho.
Mais que recomendado!


Geyme Lechner Mannes
geyme.blogspot.com

comentários(0)comente



Lu 24/01/2011

Crepúsculo Vermelho é um livro mediano.

Assim como tantos outros, ele pega uma carona no sucesso do Crepúsculo (inclusive adotando um título semelhante, o que achei de péssimo gosto). Aliás, são várias as homenagens feitas à série criada pela Stephenie Meyer.

No entanto, a autora Laura Elias merece crédito por ter criado uma mitologia bem bacana para explicar seus seres fantásticos. Eu lamento que ela não tenha investido mais nisso, adotando um clima mais sombrio, como a Becca Fitzpatrick fez com o seu bem sucedido Sussurro. Isso tornaria o livro infinitamente mais interessante. As melhores partes do livro são as de ação. Embora eu tenha sentido falta de uma narrativa mais consistente e com mais detalhes.

Infelizmente, porém, Laura preferiu dar ênfase ao romance/triângulo amoroso e... não dá certo. Os diálogos entre a Megan e o Bill são chatos, melosos e repetitivos. E olha que eu adoro um romance água com açúcar. Também não achei o Bill essa Coca Cola toda e, francamente, sou muito mais o Simon. Agora eu sei como as Team Jacob se sentem.

Megan é legal. Gostei muito que ela fosse obstinada e teimosa. Mas quando ela começa a falar do Bill..."suspiro"

Ah, sim. As inúmeras referências à música são um capítulo à parte. Excelente trilha sonora.

Reforço a sugestão feita pela Janda de uma nova edição mais cuidadosa. O livro que eu recebi estava cheio de erros de digitação, ortografia, pontuação... Algumas frases não faziam sentido algum.

Enfim, é uma leitura que distrai. Mas eu não me vejo relendo a história.
comentários(0)comente



Rodox 15/12/2009

Muito bom!
Encontrei esse livro numa banca de jornal, decidi dar uma chance. Não me arrependi em momento algum.
Muito bem narrado, a estória te prende do começo ao fim. As surpresas vão começando, os mistérios te deixam angustiado e o amor que primeiramente era de Simon passa para Bill e te deixando ainda mais encantado com o livro. Eu peguei raiva do Simon.
Espero por uma continuação por que o livro acaba em aberto.
comentários(0)comente



Laura Elias/Lor 26/12/2009

Clip de divulgação do livro:

http://www.youtube.com/watch?v=c27pPC6zvNY&feature=player_embedded

Silvana Barbosa 17/02/2013minha estante
Como faço para conseguir o terceiro da série ?


MaLu 08/04/2019minha estante
CADE O TERCEIROOO???




Blog MDL 13/09/2013

Vampiros vs. Rovdyrs
Megan é uma garota normal que vive com seus pais e seu irmão na pequena cidade de Red Leaves, como toda adolescente ela estuda e possui amigos fieis, porém, mesmo que minimante, algo a difere das demais, ela possui uma insônia intensa e profunda que a consome dia após dia fazendo-a esperar madrugadas inteiras por algo que nunca vem. Escondendo essa debilidade de todos, ela tenta viver do melhor jeito possível.

Contudo, sua vida pacata é virada de pernas para o ar quando o misterioso Simon entra na sua vida e a apresenta para um mundo desconhecido. Entretanto, as reviravoltas não param por aí, após um show inesquecível da banda de trash metal The Red Kings of Dark Paradise, ela se vê envolvida pelo charme poético, animalesco e enigmático de Bill, o belo líder da banda que esconde vários segredos que ela anseia por desvendar.

“Um amor impossível, capaz de tudo, que atravessou os séculos para se concretizar em nossos dias”.

Crepúsculo Vermelho possui um enredo bem desenvolvido e diferente de tudo que eu já li, além de apresentar aos leitores o mundo dos vampiros sobre uma ótica totalmente nova, ele apresenta também novas criaturas, os rovdyrs, seres que convivem com o seu lado humano e animal todos os dias, e que nos põe a imaginar cada detalhe sobre eles e suas lendas enquanto a história nos é contada. Com relação aos elementos textuais, notei que em alguns momentos a autora se utiliza de algumas frases de efeito que me soaram um pouco forçadas, porque eu acho muito difícil você conhecer uma pessoa em uma semana e já amá-la loucamente, para mim esta fase ainda é de encantamento onde ambos ainda estão se conhecendo, mas não é nada demasiado, até porque Laura tem uma escrita bem ágil e não fica estendendo o assunto até não poder mais.

Os personagens são um caso a parte. Eles possuem características bem definidas e são do tipo ame ou odeie. Como tantas leitoras fiquei super dividida entre Simon e Bill, e sei que se estivesse no lugar da Megan estaria sofrendo como ela, porque gente, imagina ter que escolher entre um garoto lindo que sofre de amor por você, faz de tudo para protegê-la e está sempre ao seu lado quando você precisa e um cara charmoso, romântico, protetor (e que ainda por cima é vocalista, compositor e roqueiro!) e que parece ter saído exatamente pronto dos seus sonhos? É, gente... é difícil! Mas a história não se resume apenas aos três protagonistas, há ainda a Alice que é super amiga da Megan e acima de tudo, é fiel a essa amizade (qualidade que eu admiro muito, pois odeio pessoas e personagens traíras), e os demais integrantes da banda que são todos carismáticos e com personalidades bem acentuadas que nos fazem suspirar sempre que entram em cena.

A escrita do texto é leve e despretensiosa, nela não há palavras rebuscadas que você vai ter que recorrer ao dicionário para poder entender. A narrativa passa por alguns pontos de vista distintos e é descrito em primeira pessoa, o que facilita e muito na hora de conhecer os personagens. Contudo, a revisão do livro pecou demais na preparação desse texto, por vezes eu me deparei com algumas coisas que me deixaram realmente chateada, pois fiquei sem entender quais os motivos que levaram a editora a não ter o cuidado de revisar o livro, aparar as pontas soltas e polir a história de modo que ela ficasse mais bem apresentável ao leitor. O design da capa leva os leitores a praticamente discutirem o sexo dos anjos, há quem ame e quem deteste, eu particularmente não nutro nenhum sentimento forte a respeito dela, mas pelo sim, pelo não, gosto da forma como eles retrataram o Simon.

[...]

Em suma o que posso dizer a vocês é que Crepúsculo Vermelho é um bom livro e que vale a pena ser lido. Estou torcendo muito para que o terceiro volume da saga seja publicado o quanto antes e que um dia toda a Saga Red Kings ganhe uma nova edição, dessa vez mais caprichada como ela merece.

site: http://www.mundodoslivros.com/2012/07/resenha-crepusculo-vermelho.html
comentários(0)comente



Ká Guimaraes 24/05/2010

otimo
Adorei,como vcs já sabem sou viciada em vampiros,a historia contagia desde o inicio,até parece que vc está lá convivendo com eles,Laura soube mostrar os lugares,o encanto dos personagens,os olhares,as sensações,tudo te contagia é otimo,espero que tenha continuação,pois Megan e bill me deixarão querendo mais
O inicio foi normal,uma jovem apaixonada por dois vampiros,(mas ele não é um vampiro normal,isto vc vai ter que ler no livro),Megané uma garota diferente,que se apaixona por dois vampiros,até ai ta tudo bem,mas nem tudo é mais de rosas na vida de megan,ela corre perigo,se eu falar muito eu conto o livro todo rsrsr,gente toda historia te envolve,Bill e sua banda é d+,fascina ,a eu não posso esquecer do Simon ele é fofo,amei ele de cara,Megan também,lógico quem não se apaixonaria por ele,o jeito que Megan descreve eles é de te deixar louco´para conhecer eles,um rock star ele deve ser um Deus,é voltando ao livro li ele em 1 dia,quando pego para ler não para,algo me domina é estranho,Laura soube expressar o sentimento dos personagens,o local é bem relatado,vc cria um expectativa muito grande,eu recomendo este livro com certeza,
Se vc se apaixonou por Edward e bela vao se apaixonar por Megan e Bill,amei o livro quero agradecer muito a Laura por me enviar o livro
Espero que vcs leiam e ajude os escritores brasileiros a divulgar suas obras,temos muitos no Brasil e todos merecem o nosso prestigio
comentários(0)comente



Barbara Sant 23/11/2010

Oie Gente,

Umas semanas atrás eu contei aqui que ganhei Crepúsculo Vermelho e Lua Negra no blog da Carlinha.
Já estava curiosa para lê-los, então quando ganhei no Sonho me empolguei ainda mais.
Li a sinopse e, por alto, o livro me lembrou muito vários outros que já li e resenhei.
Garota normal, vampiro/anjo/ser místico gostoso e tudebão...
Me perguntei se os personagens seriam parecidos, se me deixariam confusa.
A vontade era de ler logo o livro, mas entre a correria da semana, a arrumação para a viagem, só pude ler ele direito dentro do avião.

Comecei a leitura e, ainda nas primeiras páginas, uma coisa não saía da minha cabeça: "Finalmente uma mocinha esperta!"
A Megan não tem nada de boba, saca as coisas bem rapidinho e não deixa você pensando "alooouuu, você não tá vendo aí na sua cara que ele não é nada disso que parece???"

Ela é uma adolescente como outra qualquer, tem suas inseguranças, seus momentos de rebeldia com os amigos, de querer ficar sozinha no quarto e até de querer matar o irmão menor.
A família dela não é nada normal (como a de todo mundo!! rs), tem seus problemas, suas dificuldades e suas superações, dando uma cara bem realista a estória.

Quando comecei a ler Crepúsculo Vermelho já tinha lido várias resenhas sobre ele. Também li algumas sobre a continuação, Lua Negra. Então acabei pegando um spoiler aqui e outro acolá e tinha uma ligeira ideia do que aconteceria com alguns personagens. Apesar de normalmente isso me deixar desesperada (eu já abandonei livros pelos spoilers estragarem o mistério da estória), nesse caso me deixou ainda mais curiosa.

Durante as primeiras noventa páginas do livro eu parecia aquelas crianças chatas dizendo "Mamãe, já chegamos?" Mas, no meu caso, eu dizia "Laura, cadê o Bill??"
Afinal, eu sabia que ele teria que aparecer em algum momento e que eles iriam se envolver, mas não sabia se isso era uma coisa boa ou ruim.
Por saber disso, também comecei o livro com uma certa implicância com o Simon. Afinal, eles estava me mantendo longe do meu Bill e atrapalhando a minha curiosidade.
Aí ele começou a demonstrar que ele não era tão ruim assim e, como a Megan, acabei meio apaixonada por ele.
Até que ele resolveu que sabia o que era bom para a Megan e agiu como um completo bocó. Aí me irritei e fiquei feliz por acontecer o que aconteceu. Hunf!

Quando meu querido (e muito, muito esperado) Bill apareceu, fiquei tão encantada com ele quanto a Megan.
Venhamos e convenhamos, toda adolescente já desejou ter seu próprio rock star ehehhe.

Os acontecimentos do livro me deixavam cada vez mais curiosa. Também me faziam desconfiar que nem tudo poderia ser tão simples, que tudo não poderia ser assim tão básico e óbvio.
Pequenas dicas aqui, outras ali. A autora deixou pequenas migalhas de informação, que só aguçavam ainda mais minha curiosidade e desconfiança.

Por essa e por outras que, mesmo com a falha na revisão do livro por parte, acho, da editora (estou chutando aqui, hein? Sem processos! rs), nada tira a atenção do leitor sobre o desenrolar do mistério envolvendo os Red Kings e Megan Grey.

O livro tem um Q a mais do que os sobrenaturais YA que temos visto e, a meu ver, o Q é a Megan não se deixar enganar tão facilmente e nem ser pateta. hehehe

O Bill é encantador, o Simon é envolvente e eu realmente fiquei curiosa com os personagens secundários e as lascas do passado de cada um que a autora nos deu.
Fiquei feliz por já ter o livro seguinte e não ter que morrer de curiosidade. hehehe
Já estou acabando Lua Negra e essa semana ainda faço a resenha. Mas tenho que dizer que a cada página fico ainda mais curiosa e desejando desvendar o mistério da história do Bill.

Sei que não é um livro de vampiro com os três S (sexo, suor e sangue), mas os dois últimos tem bastante! hahahaha
Para quem gosta do gênero é uma ótima pedida!
Eu li rapidinho, menos de uma tarde, e me diverti muito durante a leitura!
Recomendo!

Quem quiser conhecer mais sobre a série, pode visitar o site da autora.
Tem algumas informações extras lá.
Até mais!!

www.indeath.com.br
comentários(0)comente



Dress@ 16/08/2011

Hummm sinceramente não vi nenhuma graça nesse livro, em momento algum achei fofinho, legal nem NADA rs.
Achei muito parecido com a Série Crepusculo que na minha opinião ja enjuou um pouco desse mela mela rs, mas há quem vá concordar ou descordar de mim!!!!

comentários(0)comente



Nanda 03/06/2011

http://julguepelacapa.blogspot.com/2011/05/resenha-crepusculo-vermelho.html
comentários(0)comente



Talita 11/01/2011

Crepúsculo vermelho é um livro estremamente fascinante e emocionante a cada parágrafo, fazendo o leitor não conseguir parar de ler até terminar.

Contudo, é impossivel não comparar a historia à Saga Crepúsculo, pois muitos detalhes são realmente parecidos, mas isso não me incomodou em nada e não tirou o brilho do texto, e diferente de Crepúsculo a personagem principal não é sem graça e tonta como a Bella e o livro também não é aquela melação toda e aquelas coisas sem noção.

A historia se passa em Red Leaves, onde Megam, uma menina de 17 anos mora cm seus pais e seu irmão. Uma cidade tranquila no fim do mundo, mas que mudaria nas próximas semanas pelo fato de acontecer um invricel show de rock da banda The Red King Of Dark Paradise e que os amigos de Megan estavam doidos pra ir, e até mesmo Megan que não curtia muito a banda, também estava anciosa para o show.

Misteriosamente, Megan começa a ter insõnia e a ouvir uma voz embriagante e entorpecedora na sua cabeça, com toques aveludados e que diz que vai ficar tudo bem.Megam acredita que foi apenas um sonho, mas aquilo continua todos os dias e nos mesmos horários.

Em um dia na escola, um novo aluno chama muito a atenção de todos , inclusive se Megan, que nunca acreditou em amor a primeira vista, se vê apaixonada por ele, por Simon. Mas há algo de diferente em Simon e Megan não desiste até descobrir a verdade sobre ele.

Megan então descobre que Simon não é humano, mas ela não se importa com isso e vive um romance muito intenso com ele, a ponto de ficar completamente desolada, quase morrendo de tristeza ao se afastar do amado por poucos minutos, parecendo como uma viciada que se ve longe da sua droga.

Mas então Megan conhece Bill Stone , vocalista da The Red King Of Dark Paradise e se apaixonada por ele, e é um amor totalmente diferente do que sente/sentia por Simon, agora é um amor que a envolve, a deixa em paz e flaz flutuar de tanta leveza , e ainda tem mais, Bill também não é humano .

Mas Megan fica dividida entre Bill e Simon, e até ela ter certeza dos seus sentimentos muitas coisas irão acontencer, ela fica famosa na escola, quase perde a vida e seu amado Billcom medo de perde-la DENOVO (isso mesmo, denovo) tenta salva-la com seu sangue , e por causa disso , Megan começa a sofrer mudanças no seu corpo e no comportamento '-'

Pra terminar de ler,aqui:

http://mundoportrasdaminhaparede.blogspot.com/2011/01/resenha-20-crepusculo-vermelho-por.html
comentários(0)comente



Alícia 22/12/2011

25 de Novembro de 2010
Já ouviu aquele ditado: “não julgue o livro pela capa”? Bem, para este livro eu uso além do “não julgue pela capa”, digo para que você não julgue pelo nome e muito menos pela sinopse e também não julgue pelo gênero ou pelo o que parece. Por que nada é o que parece, certo?

Ganhei esse livro (com a continuação, ‘Lua Negra’) numa participação de ultima hora no sorteio que o Psychobooks estava fazendo. Tipo, eu vi no twitter as meninas falando que faltavam 10 minutos pra terminar o sorteio, aí fui lá e me inscrevi. Daqui a pouco a Duda, do Girl Hooked On Books, abriu meu MSN para me dar parabéns, foi quando chegou o tweet do pessoal do Psychobooks dizendo que eu ganhei. Outra coisa sobre esse livro é que ele foi uma enrolação para chegar, hahaha, culpa minha.

Confesso que eu fiquei com muito preconceito com esse livro. Uma vez comentei no twitter assim: “Eu não conheço e tão pouco li, mas acho Crepúsculo Vermelho e Lua Negra copias de Crepúsculo e Lua Nova. Primeiro por que dos nomes, depois porque a capa de Lua Negra me lembra o Jacob e a Bella.” – Engulo minhas palavras, certo? A saga Red Kings (a quem pertence Crepúsculo Vermelho e Lua Negra) é muito boa e a historia não tem muito haver com Crepúsculo. “Não tem muito haver?” É, muito não tem não. Porque tem duas coisas parecidas: o tema, claro, e muitos diálogos. Leia só esse trechinho, somente o dialogo:

- 623 anos e 3 meses.
- Você é Leão? – perguntei contando os meses. – Faz sentido.
Eu sou Aquário. Será que é uma boa combinação?
Ele não entendeu.
- Seu signo, você é leonino?
[...]
- Você é inacreditável! Eu digo que tenho 623 anos e você pergunta meu signo? Você não esta chocada?

Então, Laura Elias, não me diga que nunca leu a saga Twilight, por que seria a mesma mentira horrível que a Stephanie conta quando diz que nunca leu um livro sobre vampiros. É, eu não acredito nisso.

Bom, Crepúsculo Vermelho fala sobre Megan, uma garota de 17 anos saudável que, do nada, começa a ter insônia. Ela acorda de madruga e não consegue dormir, até algumas horinhas antes do sol aparecer, mas pouco tempo depois ela acorda para o colégio. O que deixa ela num estado de zumbi (acho que todo internauta que estuda de manhã já passou por isso, haha). Ela tem duas amigas: Sarah, a “pra frente”, e Alice, a mais quietinha. Elas moram numa cidadezinha que é totalmente calma, até que a banda The Red Kings of Dark Paradise resolve fazer um show extra por ela. E é simplesmente a banda do momento, Sarah é louca por eles, mas Megan nunca ouviu uma música se quer e só vai por causa dos amigos.

Depois do alvoroço que foi para comprar os ingressos do show, que Megan tem uma febre muito alta e vai parar no hospital – ao mesmo tempo em que o vocalista da banda tem a mesma coisa. Depois de melhorar e a insônia passar, outra coisa vem para abalar a saúde de Megan: Simon Blackwell. O atraente novo aluno que vira a paixão de Sarah, mas ele quer saber é de Megan. Pare por aí, leitor, ele não é um vampiro, sei que é isso que você esta pensando. Subitamente Megan se apaixona por ele, simplesmente pelo fato dele estar apaixonado por ela e Megan descobre seus segredos.

Simon é um rovdyr. Ele não pode se relacionar com uma humana e sempre achou patético quando alguém de sua espécie acabava se apaixonando, mas agora era com ele que estava acontecendo isso. Ele estava apaixonado por uma humana, por Megan.

Vou confessar que acho Simon uma coisa muito linda, ta? Ele é muito fofo com a Megan e, no clímax da historia, ele enfrenta um vampiro – inimigo mortal – para salvar Megan, mas aí a Megan esta apaixonada, na verdade ela ama outra pessoa: Bill Stone, vocalista do Red Kings.

Bill e toda a banda também são rovdyrs. E são inimigos da família de Simon. Sem contar que Bill esteve procurando Megan por uma eternidade e quando finalmente encontrou-a, ambos descobriram estar ligados telepaticamente. Mas os inimigos de Bill não veem só da família Blackwell, agora os vampiros estão se juntando, raciocinando contra aqueles que sempre lhe caçaram. Bill era o caçador, os vampiros a caça, mas o jogo virou e agora Bill tem um ponto fraco e vital: Megan Grey.

É um livro totalmente eletrizante, viciante e, acima de tudo, com personagens ótimos. Certo de que eu não gosto muito da Megan no inicio, ela só chora. D: Do nada a guria começa a chorar. Mais ao desenrolar, ela se mostra uma ótima personagem e, quando esta junto com Bill, mais ainda. Eles são muito cativantes e engraçados.

Repito: NÃO JULGUE, LEIA. Você não sabe o quão bom é este livro até ter lido, acredite.
Mal vejo a hora de começar Lua Negra.
comentários(0)comente



Aline Gasparini 20/01/2011

Crepúsculo Vermelhos por Laura Elias
Quem nunca julgou um livro pela capa ? Sim, esse é um mania horrível que eu tenho e acho que bastantes pessoas provavelmente também devem ter. Ok, capa é a primeira impressão que você tem na hora de comprar um livro, mas não é tudo, tem livros que a capa é totalmente linda e já do contexto, não podemos dizer o mesmo. E Crepúsculo Vermelho me fez pensar bastante nessa questão. Confesso que a capa em si, não chamou em nada a atenção, mas no decorrer da leitura tive a nítida certeza, esse livro é MUITO BOM! Contudo não posso negar, em algumas partes ele me lembrou bastante da Saga Crepúsculo.

A história é narrada em primeira pessoa e gira basicamente em torno de Megan Grey, moradora da cidade de Red Leaves, uma estudante até então normal que tem uma vida sucegada e bem estruturada, tinha bons amigos e se dava bem com a sua familia. Mas do nada, Megan começa a ter problemas para durmir e o que mais a assusta é que já faz um tempo que a mesma coisa acontece e mesmo ela mudando hábitos, isso não muda.

Dai por diante, Megan vê sua vida mudar mais e mais. E a grande e primeira mudança começa quando um novo estudante transferido da Europa, chamado Simon Blackwell, entra em sua sala, ele tem alguma coisa que a atrair de uma maneira meio louca, no começo ela fica bem assustada, como um estranho poderia despertar uma sensação assim, tão repentina? Mas logo se vê totalmente apaixonada pelo misterioso moço. Daí nasce uma avassaladora paixão, tão intensa que quando não está em sua companhia Megan chega a ter crises de abstinência. Curiosa como ela só, acha o comportamente de Simon diferente, sem contar que os olhos dele ficam vermelhos . Após pesquisas não bem sucedidas, acaba descobrindo pelo próprio, que ele não é um pessoa normal é um rovdyr.

Enquanto Megan faz novas e assustadoras descobertas,a pacata cidade onde mora, está euforica com o show The Red Kings of Dark Paradise. Mas é ai a história da uma reviravolta, Simon some, e pede a todo custo que Megan vá a esse tal show. É nesse exato lugar, que ela conhece o lindo, misterioso e romântico Bill Stone, vocalista da banda. Os dois logo tem um conexão muito forte e acabam ficando perdidamente apaixonados. Megan cada dia que passa se vê mais confusa, na realidade ela gosta de Simon ou de Bill ? Mas, qualquer um dos dois que fosse, a relação entre eles seriam impossível, pois entre rovdyr e humanos é proibido qualquer aproximação mais intensa. Ah, uma coisa que me deixou toda derretida, é que quando um rovdyr se apaixona, são fiéis pela vida toda, isso não é lindo ?.

Só que nem tudo é tão bom assim, e ao longo da história, a muito mistérios, lutas, desentendimento, confusões e incríveis descobertas. Um fato que merece ser destacado é que Megan não é aquela personagem irritante e tediosa, ela é determinada e confiante, o que fez a minha admiração pelo livro crescer ainda mais.


Enfim, não sei mais o que escrever, me desculpe se a resenha ficou confusa, demorei horas para fazer, mas como já disse quando gosto demais de um livro, tenho uma certa dificuldade em falar sobre o mesmo.


Leiam, leiam e leiam Crepúsculo Vermelho \o/

http://bookislife.blogspot.com/2011/01/crepusculo-vermelho-por-laura-elias.html
comentários(0)comente



Carla 06/05/2012

Crepúsculo Vermelho [Sonho de Reflexão]
Vocês já devem ter lido livros do gênero sobrenatural, com vampiros, metamorfos, misticismo, poderes extraordinários, telepatia, enfim... com muito romance, suspense, ação, aventura e, é claro, muitos mistérios. Isso soa familiar?!

Para quem leu a saga "Crepúsculo", da Stephenie Meyer, e "Sussurro", da Becca Fitzpatrick, sabe do que estou falando, mas as semelhanças param por aí, porque em Crepúsculo Vermelho, o primeiro livro da trilogia da Saga Red Kings, criada pela autora brasileira Laura Elias, mostra um universo completamente diferente de todas as séries sobre vampiros que estamos acostumadas a ler ou a assistir pela televisão.

(...) Posso dizer a vocês que esse livro é tão bom, mas tão bom, que li-o juntamente com o segundo volume da trilogia, "Lua Negra", em apenas uma semana!!! Mas "Lua Negra" deixarei para o próximo post.

A autora foi de uma genialidade e inovou nesse tema com uma mistura de novas raças de vampiros contendo todos os ingredientes presentes nos temas sobrenaturais e criou personagens fantásticos, cativantes, assustadores e, como não podia deixar de ser, alguns deles apaixonantes! Achei isso maravilhoso!!!

(...)

Apesar de ter apenas dezessete anos, Megan Grey é uma jovem esperta, forte e, apesar da aparente delicadeza e fragilidade, é uma garota decidida, inteligente, sem qualquer juízo, teimosa e obstinada. Vive na cidadezinha de Red Leaves, quase na fronteira do Canadá, uma vida normal, sossegada e relativamente feliz ao lado da família, dos amigos, mesmo vivendo os conflitos e problemas normais tão comuns na vida de todo adolescente.

Todos os seus amigos estão em polvorosa com o show iminente da banda de rock Red Kings of Dark Paradise, composta por seis lindos integrantes que mistura metal pesado e hard com toques melódicos, exceto ela que do nada vem sendo acometida por uma insônia persistente, com a sensação de estar esperando algo ou alguém. Apesar do ataque de sonambulismo, ela tem plena consciência do que está fazendo, mas não sabe o porquê disso. Desde então, isso ocorre com uma frequência assustadora e misteriosa, o que deixa Megan cansada e profundamente abatida, ou melhor, um zumbi.

O mais estranho ainda é que em um determinado dia, ela é internada acometida por uma febre altíssima juntamente com o misterioso líder da banda Red Kings, Bill Stone (esse nome me lembrou uma mistura de Bill Compton, da série 'True Blood' com a banda Rolling Stones). A partir daí, a jovem começa a ter sonhos tão vívidos, que parecem reais e, além disso, começa a ouvir vozes falando com ela dentro de sua cabeça, mas não é uma voz qualquer, é uma voz doce, suave e aveludada. Completamente assustada, Megan não sabe o que fazer e porque isso inexplicavelmente vem acontecendo constantemente.

Mal ela sabia que seria a chave de redenção para a paz entre os clãs de vampiros, já que eles não passavam de frutos da imaginação e crendice popular.

Depois de recuperada, Megan volta à escola e tem sua vida virada de cabeça pra baixo com a chegada de um novo aluno, que veio da Inglaterra: Simon Blackwell, que é lindo, charmoso, sedutor, misterioso e tem os olhos avermelhados. Com um sorriso perfeito, lábios vermelhos e carnudos, sua voz é aveludada, suave, modulada, sedutora, com um timbre que emana força e masculinidade e que, ao mesmo tempo, traz aconchego e conforto.

Megan, que nunca apaixonou-se, sentia-se completamente desconfortável perto dele, mas ele tinha algo que a atraía, mas que, quando afastava-se, causava-lhe abstinência, deixando-a com uma tristeza profunda.

"Como o simples olhar de um garoto idiota, que eu mal conhecia, pode mexer tanto comigo? E por que ele tinha de ser tão insuportavelmente maravilhoso?"

Sua vida fica totalmente desconstruída com a presença de Simon e, quando ela percebe coisas estranhas nele, decide averiguar mais a fundo isso e a verdade cai como uma bomba sobre ela, mas os dois apaixonam-se um pelo outro. (Não sei como a Megan teve tanta audácia e coragem de ficar perto dele! Será que eu teria?! Acho que não). Em busca de um assassino e com o intuito de proteger sua amada, Simon decide afastar-se depois de uma "briga" com Megan, que fica arrasada e inconsolável!

Finalmente, chega o dia do show da famosa banda de rock Red Kings of Dark Paradise, deixando a vida de Megan ainda mais conturbada, porque ela acaba conhecendo o misterioso Bill Stone, o fascinante vocalista e vê seu coração ser arrebatado pelos hipnóticos olhos azuis do cantor. Fica fascinada com sua voz e a reconhece de imediato através das músicas e eles tornam-se um único ser, fundidos para sempre. (Nesse momento da história, eu fiquei matutando: "Como a Megan pode esquecer o Simon tão rapidamente e ficar fascinada pelo Bill?!" Mas, fiquei deslumbrada no decorrer da história, principalmente, em "Lua Negra" como os segredos vão sendo desvendados e as coisas começam a encaixar-se!!! Mas isso são outros quinhentos...)

Durante o show, ele dedica uma canção a alguém que foi muito especial em sua vida, que o fez revirar céus e terras, cuja ausência o fez querer morrer vezes sem-fim, porque ele buscou essa pessoa que era sua alma gêmea por muito tempo, mas, ao que tudo indica, parece que houve uma forte conexão entre ele e Megan. (Mas você terá que ler o livro para saber do que realmente estou falando, mas essa é uma das partes mais lindas do livro. Queria eu estar no lugar da Megan ouvindo meu grande ídolo cantar só para mim! Quem não sonharia?!).

"(...) sua voz soou aveludada e sedutora como em meus delírios e sonhos. Ele se curvou em minha direção e senti que ia me beijar. Meu coração batia feito louco. Seus lábios estavam a centímetros dos meus e suas mãos seguravam meu rosto com gentileza, mas eu podia sentir a força que emanava delas."

E, ao contrário de Simon, Bill não causa abstinência em Megan, só a deixa flutuando nas nuvens, na lua, no céu, nas estrelas. Ai, meu Deus! (risos).

Só que, em meio a tudo isso, há um grande problema: nem Simon nem Bill são humanos. Eles pertencem a uma raça desconhecida, os rovdyrs, que há milênios habita nosso planeta em segredo. Dotados de força e capacidades inimagináveis, esses seres caçam vampiros, se alimentam de animais, são monogâmicos e fiéis, porque casamentos inter-raciais são proibidos, tem um forte laço familiar, não podem se envolver com humanos e veem o amor como uma eterna maldição.

Contrariando as estritas leis rovdyrs, Bill e Simon - inimigos declarados - apaixonam-se por Megan e essa doce e sombria história de amor a faz cair nas garras de um vampiro cruel e vingativo. Correndo contra o tempo, Bill consegue resgatá-la... mas para salvar a vida da amada ele é obrigado a lhe dar grande quantidade de seu sangue.

A partir de então, a vida de Megan nunca mais será a mesma, pois o sangue que a salvou é o mesmo que a amaldiçoou para sempre.

E isso só acarretará uma grande guerra e disputa entre os clãs de vampiros e rovdyrs com muita aventura, ação, adrenalina, suspense e um romance sobrenatural eletrizante que transcende o tempo e o espaço!!!

Além de ser lindo, Bill é generoso, carinhoso, meigo, atencioso, protetor, gentil, altruísta, inteligente, decente, rico, famoso, com um corpo escultural, sedutor... enfim, a autora soube muito bem como criar um personagem masculino com todas as qualidades e características que nós, simples mortais, idealizamos em um homem!!! Bill é tudo isso e muito mais, pena que é um rovdyr! (risos).

Em muitos momentos do livro, fiquei dividida entre o Bill e o Simon. (Lembrei-me muito da série televisiva "True Blood" com a Sookie dividida entre o Bill e o Eric). Essas garotas tem muita sorte, só rodeadas de homens lindos!!! Oh, my God!!!

Adorei a Megan, que é uma personagem maravilhosa! Adorei as suas qualidades, como também as suas brincadeiras e provocações com os seus amigos da escola, com o Bill e a sua banda e o Simon. Eram divertidíssimas!!! Assim como a sua família, principalmente seu pai, que é um homem admirável e notável!

Seus amigos também são muito carismáticos, mas identifiquei-me mais com a Alice, que é uma fofa!

Além de tudo isso, há muitos momentos divertidíssimos, entre eles um diálogo entre Bill e Megan, que achei hilário:

"Ele me mandou seu infernal sorriso torto e eu o achei deslumbrantemente irreal. Ninguém podia ser tão bonito assim!
- Que foi? - perguntou.
- Nada, só estava pensando se não dói ser tão feio assim.
Ele gargalhou."

Além da história, a autora fez viajar-me na minha adolescência, através da trilha sonora impecável que o livro traz. Apesar de não ser fã de rock, sempre gostei muito de Bon Jovi, Guns N' Roses. Quando o Simon citou "November Rain" viajei no tempo!!! Adorava essa música e o clip musical então. Nossa! Perdi a conta de quantas vezes o vi!!! Muito obrigada, Laura por esse repertório fantástico!!! Gente, recomendo a todos vocês que ouçam as músicas durante a leitura, porque isso te dá uma experiência ainda mais fascinante e emocionante!!! Contagia sua alma!

Gostei das capas, especialmente a do "Lua Negra", mas não sei o que acontece que a nossa imaginação viaja e transporta-se no decorrer da história e nós acabamos idealizando um personagem completamente diferente. O mesmo ocorreu, quando li "Crepúsculo", da Stephenie Meyer. Idealizei o Edward de outra forma. Por isso, ressalto que no livro da Laura Elias, imagino a Megan e o Bill completamente diferentes do que ilustra a capa. Mas é muito bom sonhar, não é mesmo?! (risos).

A única exceção do livro é que faltou uma supervisão melhor na revisão, já que há erros ortográficos, ausência de palavras nas frases e alguns erros gramaticais. Esse tipo de coisa é lamentável! É uma pena, mas não há nada que prejudique ou interfira na história, que é excelente!

Quero agradecer muitíssimo à autora, porque através do seu livro me trouxe alguns momentos divertidos! Obrigada por ter me concedido a honra de conhecer essa obra inesquecível, preferencialmente nacional, que me proporcionou uma leitura profundamente envolvente e emocionante!

(...)

Confira esta e outras resenhas na íntegra no Sonho de Reflexão:

http://sonhodereflexao.blogspot.com/
comentários(0)comente



Psychobooks 11/10/2010

Bom, uma das coisas impossíveis de não se reparar nessa série, é a semelhança com Crepúsculo.
Ai você já logo pensa: “Então esse livro não deve ser muito bom, ou no máximo legal, já que muitos tentaram repetir o sucesso de Crepúsculo, e nenhum conseguiu!”
Mas, não sejam preconceituosos, ok!?
Essa série, se ASSEMELHA a Crepúsculo, mas não é nada igual.
Sabe aquela coisa Jacob, Bella e Edward? Pois então, temos disso nessa série, mas com uma pessoa a mais, ou seja, um quadrado amoroso.
E esqueçam aquela coisa de moçinhos altruístas que desistem de conquistar a mocinha, se afastam e etc.
Em Crepúsculo Vermelho e Lua Negra vale mentir, omitir e ate fugir com a mocinha.
Mas vamos conhecer um pouco mais da história:

Megan é uma adolescente normal, frequenta o colegial, tem 2 grandes amigas etc.
Mas, sua vida muda a partir do momento em que Simon Blackwell aparece em sua escola, como um aluno tranferido da Europa.
Além de Simon, a outra novidade que corre por toda a escola é o show que a banda The Red Kings of Dark Paradise fará na cidade, considerada fim do mundo.
Aparentemente Bill Stone, vocalista do “Red Kings” é um deus encarnado, mas só a Megan não sabe disso, já que ate então ela não tinha interesse na banda e suas músicas, mas Sarah e Alice conseguem convencer ‘Meg’ de ir comprar os ingressos para o show com elas, e quem sabe Meg não resolvar acompanhá-las no show.
Após o ‘tumulto’ que foi a compra dos ingressos, graças ao aparecimento da banda no local de compra dos ingressos, 3 garotas aparecem mortas e drenadas.
No outro dia não se fala em outro coisa, que não seja o assassinato das meninas. E Simon aparentemente sabe mais do que gostaria de revelar.
No fim das contas Megan tera sua rotina virada de cabeça pra baixo por rovdyrs (uma espécie de híbrido de vampiros) e, ate mesmo os próprios vampiros e, o que é pior, sua vida estará sempre em perigo constante graças ao ‘aparecimento’ dessas criaturas sobrenaturais.

Gostou? Quer ler mais? Acesse:
http://www.psychobooks.com.br/2010/10/crepusculo-vermelho-lua-negra.html#more
comentários(0)comente



Carol 23/05/2010

Ansiosa pela continuação!
Crepúsculo Vermelho é romantico, tem aventura, e tem música. Precisa ter mais?
Uma leitura envolvente, uma história bem pensada, e um pouco diferente do que estamos acostumados a ver. Aqui não exitem só vampiros, mas também os rovdyrs. Achei muito legal, também, a autora ter colocado no final de cada capítulo o diário de Bill, onde ele mostra sua visão sobre os acontecimentos.

Nossa protagonista é Megan, uma garota de 17 que começa a ter problemas com insônia e sonhos estranhos de uma hora para outra. Para piorar ela passa mal, enquanto está com suas amigas comprando ingressos para ver show de uma banda de rock, Red Kings of Dark Paradise, e vai parar no hospital. O mais esquisito de tudo isso é que o vocalista da banda, Bill, fica doente também e com os mesmos sintomas que Megan. Coincidência?
Na escola, entra um novo aluno vindo da Europa, o misterioso Simon. Logo Megan se sente atraída por ele e precisa descobrir o que ele realmente é. Por que seus olhos ficam vermelhos? Por que ele diz ser perigoso? Simon, não é um vampiro, e sim um rovdyr, uma espécie que não se alimenta de humanos.
Os rovdyrs, até certa época, podiam ter relacionamentos com mortais, mas, quando os humanos são mordidos por eles se transformam num tipo de criatura terrível e má: vampiros. Então o casamento entre as duas espécies foi proibido.
No dia do show, Megan conhece o irresistível vocalista famoso Bill. E se encontra num dilema: Bill ou Simon, Bill, Simon?

Há muito mais coisas que Megan, nem eu, poderiamos sequer imaginar! A inimizade entre as "famílias" de Bill e Simon por causa de uma coisa que aconteceu no passado. Quem foi a garota amiga dos rovdyrs que foi morta cruelmente. E ainda mais: há um grupo de vampiros se reunindo para ir atrás de Megan. Será esse o motivo que fará os rovdyrs esquecerem suas diferenças?

Só posso dizer que estou ansiosa para os próximos livros da triologia! O livro acaba numa parte que nos deixa supercuriosos com o que vai acontecer com Megan e há muitas coisas ainda para se descobrir da trama. Adorei!

Essa e outras resenhas em: http://openbookpage.blogspot.com
comentários(0)comente



50 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4