A Traidora do Trono

A Traidora do Trono Alwyn Hamilton




Resenhas - A Traidora do Trono


95 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Giovanna - @leituraemsegredo 05/08/2019

Jogo do poder
O segundo livro dá continuação a nova empreitada de Amani como uma rebelde. Nele nós conhecemos mais lendas da região, mas sobre os djinnis e seus poderes, mas principalmente conhecemos mais sobre o próprio Sultão e o modo dele de governar.

Entendemos o porquê de ele fazer muitas coisas, porém não significa que gostamos dele, pelo contrário. Mas é muito bom pois conseguimos ter mais críticas socias inseridas, paralelos com governos ditatoriais e uma menina completamente poderosapor si só.

É o maior livro dos três então o ritmo não é tão frenético, mas foi super importante para nos situar melhor no que acontece no país, sobre os inimigos, sobre o passado e sobre a magia da história. Está mais do recomendado, pois a Amani continua crescendo e se tornando dona da livro e do meu coração. Tá aí uma protagonista de peso.

Obs: os personagens secundários são maravilhosos.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



EstanteColoridadaIsis 24/05/2019

#ResenhadaColorida
Seis meses se passaram desde os eventos do primeiro livro. Cada vez mais unida com a rebelião, Amani foi baleada durante uma emboscada e quase morreu, mas está disposta a tudo para que o príncipe rebelde assuma o lugar do cruel sultão. Após ser traída e enviada direto para as garras do sultão, Amani tem que aprender a conviver sem seus poderes e cercada de mulheres raivosas no harém do palácio. Sem alguém em que confiar, ela acaba sendo surpreendida por uma pessoa do seu passado, improvável de oferecer qualquer ajuda, mas Amani tem uma carta na manga, e não deixará de usá-la. Dentro do palácio, Amani está sempre próxima do sultão, que se mostra gentil e atencioso, mas ela fica cautelosa, com a certeza de que uma hora ele mostrará quem realmente é. E isso não demora a acontecer e o resultado é muito pior do que esperava. A esperança da queda do sultão se mostra cada vez mais distante.
.
.
.
“A Traidora do Trono” veio para quebrar o tabu de que segundo livro de trilogia é chato. O enredo tem muitos momentos de ação e suspense, que dá aquela sensação de frio na barriga. Os personagens já conhecidos e os que foram inseridos nessa trama, rendem bons diálogos e são cativantes, não tem um que eu não goste. Amani está bem mais madura e confiante, ela é uma verdadeira badass. O fim desse livro me deixou boquiaberta, eu jamais esperava aquilo, jamais! Eu necessitava da continuação!
A capa do livro está linda, a diagramação é perfeita e ele veio com um extra bem legal, há um mapa para o leitor se localizar e uma lista de personagens.
Enfim, para quem gosta de uma trama original repleta de magia, não pode deixar de conferir essa trilogia. Favoritei!

site: www.instagram.com/estantecoloridadaisis
comentários(0)comente



@conhecendooslivros 21/05/2019

A Traidora do Trono
Bom o segundo livro já começa tipo OI?????? Fiquei um pouco confusa pois não começa de onde terminou o primeiro, até voltei para o primeiro (A Rebelde do Deserto) para ver se perdi alguma informação ou coisa do tipo, mas realmente a autora começa com o nome e descrição de cada personagem e eu não estava ficando doida. Logo no início descobrimos que após o acontecido do último livro, Amani quase morreu e Jin saiu em uma missão em busca de informações para ajudá-los, o que me deixou triste pois após ler tanto romance de época estou achando que toda história terá um casalzinho fofo e lindo pra eu shippar, rs. A partir daí o livro realmente começa a ganhar uma trama nuito envolvente e épica, Amani foi traída e levada para o sultão, ficou vivendo em seu palácio com seus poderes suprimidos e sem ter como sair lá. Dá pra acreditar nisso??? Esse livro sem sombra de dúvidas foi maravilhoso e muito melhor que o primeiro, Amani é uma personagem muito forte, inteligente e corajosa, além de ser repleta de poderes obtidos pela areia do deserto. 🤭
Com traições, sofrimentos, perdas, reencontros, segredos, descobertas, erros e reviravoltas o segundo livro dessa trilogia incrível se encerra com uma grande expectativa para um final com um confronto decisivo para todos. ⠀
comentários(0)comente



Jeh Diário dos Livros 07/05/2019

"Eu era uma garota do deserto. De onde eu vinha, o mar era feito de areia. E a areia me obedecia."
A Traidora do Trono é a sequência de A Rebelde do Deserto de Alwyn Hamilton. Um livro que demonstrou ser tão bom quanto o anterior e que tem uma história muito rica e cheia de reviravoltas.
Para quem não se lembra em A Rebelde do Deserto, Amani é uma jovem com uma vida bem difícil. Sua mãe foi enforcada por matar seu pai adotivo há alguns anos e hoje ela vive com seus tios no deserto em um pequeno vilarejo chamado vila da poeira.
Com o sonho de conhecer a cidade que sua mãe tanto sonhou que um dia elas fugiriam para lá, Amani tem em mente que seu único objetivo é fugir quando surgir uma oportunidade para ela.
Diz uma lenda que há muito tempo, Deus criou vários seres imortais chamados Dijins. Cada Dijins possuía um tipo de dom e eles sempre mantiveram a paz no mundo, mas em uma noite escura surgiu uma mulher chamada Destruidora de Mundos, que com ela trouxe seres sobrenaturais que se misturaram ao mundo.
Muitos acreditam nessa lenda e essas histórias sempre foram contadas para Amani. Ainda mais com o príncipe rebelde buscando uma rebelião. O príncipe é um dos vários filhos do sultão, dizem que ele há muito tempo esta tentando reivindicar seu trono por direito por ter ganhando um duelo para quem seria o sucessor.

“O sol estava se pondo atrás de mim. Quando nascesse de novo, os corpos brilhariam sob a luz do amanhecer. Uma nova alvorada. Um novo deserto.”

E nessa aventura que Amani acaba entrando, achando que lendas eram apenas lendas, que o príncipe rebelde era só uma história, mas é ai que Amani descobre que a maioria das histórias que ouviu eram verdadeiras e o príncipe Rebelde Ahmed está fazendo de tudo para conquistar o trono e acabar com reinado cruel e poderoso de seu pai.
Entrando para rebelião de Ahmed devido à Jin, Amani descobre várias coisas que estão acontecendo em seu país e como o governo do sultão pode ser cruel. Nesse meio tempo ela descobre que é filha de um Dijin o que torna ela uma Demdji, uma garota diferente dos outros e com um dom peculiar. E com esse dom Amani ajuda a causa rebelde em suas conquistas e uma delas logo se inicia no livro na cidade de Saramotai onde conseguem vencer a tirania do sultão e os soldados de Galan, soldados controlados pelo sultão com uma aliança ao país vizinho e nessa missão eles conseguem salvar algumas mulheres e levá-las para um refúgio para elas se recuperarem. Então, Amani logo descobre que uma das mulheres que trouxe de Saramotai é ninguém menos do que sua tia, que fugiu para Izman antes dela nascer e que era a pessoa que ela ia procurar antes de resolver ficar com Jin e Ahmed. Entretanto, mal absorvendo as informações o acampamento é invadido pelo exército do sultão e em meio a correria provocada pela fuga, ela se vê traída por alguém que ela não imaginava e a partir dai sua vida muda rapidamente.

“Se tinha aprendido alguma coisa como a Bandida de Olhos Azuis, era que as histórias e a verdade raramente coincidiam.”

Ao ser capturada, Amani logo é levada a Izman e fica a mercê do sultão Oman que logo a transforma em sua própria escrava, sem poder fazer nada contra o sultão e sendo obrigada a fazer o que ele manda devido ao ferro e bronze que está manipulando suas ações e a obrigando a ficar sem seus poderes, Amani logo se vê em um jogo de intrigas dentro do palácio, ela precisa ocultar sua identidade de Bandida de Olhos Azuis e precisa fingir ser apenas uma garota qualquer, ainda mais perto de pessoas que sabem muito bem quem ela é. A única certeza que ela tem é que ela precisa descobrir os planos de Oman e repassar para seus amigos lá fora. Mas quanto mais Amani começa a entender as razões do sultão, mais difícil fica de saber se ele realmente é o vilão da história e logo ela precisará fazer escolhas e impedir que algo terrível aconteça.

"Eu era uma garota do deserto. De onde eu vinha, o mar era feito de areia. E a areia me obedecia."

A Traidora do Trono se mostrou uma sequencia tão boa que em meu ponto de vista conseguiu até mesmo superar o primeiro. Em seu segundo livro, Alwyn explora melhor os dons dos demdji’s e como eles funcionam, uma coisa que achei genial na história é que os demdji’s não podem mentir, então quando Amani tenta falar uma mentira ela não consegue dizer nada, e quando diz uma verdade sai rapidamente da sua boca e apesar de ser muito útil em uma guerra onde ela pode descobrir se seus amigos estão bem, mas pode ser algo muito ruim se ela cair nas garras erradas, como aconteceu dela ser sequestrada pelo sultão.
Amani fica totalmente na mão dele, se ele obrigar ela a falar algo ela tem que dizer a verdade não importa o quanto tente impedir. E lá no palácio que a história ganha vida, já que o começo é mais uma explicação do que está acontecendo e o gancho que precisamos para a história fluir mesmo. Nesse livro foi muito bem explorado os personagens secundários, achei que eles tiveram um destaque merecido ao longo das páginas e podemos ver e entender bem melhor eles, já que alguns apareceram em algumas cenas no livro anterior.

Temos personagens novos no livro como o sultão que por fim apareceu na história, já que no primeiro livro só ouvíamos falar dele. Temos também algumas personagens do hárem do sultim e do sultão, o próprio sultim Kadir, o príncipe Rahim e a princesa Leyla, Sam um garoto misterioso com um dom peculiar. Todos são personagens bem importantes para a história.
Jin e Amani ficam um bom tempo separados nesse livro. Então veremos bem menos cenas deles aqui, já que no primeiro podemos ver como surgiu o relacionamento deles, nesse livro já vemos algo concreto, então a separação no final foi algo bem interessante de se ver.

Algo que foi bem explorado foi os dinjis e ganhamos até um capitulo narrado por eles, o que deu para entender bem melhor algumas coisas. A cultura do país que a autora utiliza que é dos países islâmicos é muito bem descrita, desde as vestimentas até as lutas, as culturas em si como lá é muito comum os homens terem diversas esposas, das mulheres usarem sheemas e isso faz com que a história se torne rica em detalhes importantes e que trazem certo atrativo para quem lê.
Há algumas perdas na história e Alwyn faz isso com muita habilidade trazendo uma carga dramática para os personagens e nós leitores.

Algumas cenas iniciais eu achei bem óbvias e até a traição da Amani eu descobri tudo facilmente antes de ser revelado e seguindo aquele caminho achei que a história continuaria meio clichê, mas a autora conseguiu me dobrar e lá para as últimas páginas ela conseguiu inserir um bom plot twist que me fez mudar a nota que eu daria e me fez gostar muito da história. É aquele finalzinho de livro que a gente lê e vê o quanto valeu a pena ter lido todas as páginas anteriores.

Para finalizar posso dizer que A Traidora do Trono foi um livro muito bem escrito e que trouxe uma qualidade superior ao primeiro A Rebelde do Deserto e que a história tem um excelente gancho para finalizar muito bem em A Heroína da Alvorada.

site: http://diarioelivros.blogspot.com/2018/12/resenha-traidora-do-trono.html
comentários(0)comente



Dri F. @viajecomlivros 07/05/2019

Essa é a continuação da trilogia de "A rebelde do deserto".
Como disse no post anterior sou apaixonada por histórias sobre o povo árabe, desertos, sultões e princesas. Já li uma vez o livro As mil e uma noites e estou querendo ler novamente em alguma versão mais moderna do que a que encontrei na biblioteca hehe.
Então quando me indicaram essa série, eu fui com altas expectativas e, até agora, não me decepcionei.
A traidora do trono traz Amani finalmente longe de sua terra natal. Ela passou por muuuita coisa desde que saiu de lá, conheceu Jin e começou a fazer parte da rebelião do príncipe Ahmed.
Amani é capturado enquanto estava com seus companheiros da rebelião, e levada como prisioneira até o palácio do sultão. Lá, o sultão encontra uma maneira de controlar seus poderes, e ela é obrigada a obedecer às suas ordens.
E é dentro do palácio que Amani vai conhecendo muitos outros personagens dessa guerra, o outro lado que ela nunca tinha visto. E é nesse momento que Amani começa a entender melhor tudo que acontece ao seu redor.

Eu gostei demais do primeiro volume da série, e esse segundo talvez tenha sido até melhor. O ritmo da escrita da autora é super intenso, o livro não fica chato ou parado demais porque sempre tem algo acontecendo e principalmente nos surpreendendo. Nesse volume vamos saber além de mais sobre o sultão e as pessoas que o rodeiam, também o que houve com algumas pessoas que Amani deixou para trás quando fugiu da Vila da Poeira, e isso também foi muito bacana.
Adoro a realidade fantástica inserida na história também. E sem dar nenhum spoiler, o final desse livro é de tirar o fôlego!!!

"Duas palavras e eu estava de volta a casa de orações, na Vila da Poeira, ouvindo o sermão. Aquela era uma velha expressão quero o pai sagrado usava em épocas difíceis. Sorte e destino. O que implicava que ambos nem sempre era a mesma coisa."


site: instagram @viajecomlivros
comentários(0)comente



Lady Jessy 30/04/2019

Simplesmente perfeito
Depois de fugir da Vila da Poeira e viver entre o deserto escaldante acompanhada por Jin, Amani descobriu seus poderes e se juntou aos rebeldes, que lutam para serem livres do Sultão.

Depois de uma perigosa missão, ela é traída e acaba sendo entregue ao seu maior inimigo. Enquanto é prisioneira no palácio do Sultão, tentará reunir o máximo de informações possíveis para aos rebeldes.

Viver no castelo não será uma tarefa fácil, mas ela precisará se manter o mais atenta possível. Principalmente pelo fato do Sultão ser muito persuasivo, levando a jovem a talvez duvidar do lado que escolheu.

*****
Sendo o segundo volume de uma trilogia, A traidora do Trono nos apresenta todas as partes que faltaram no primeiro, temos uma mitologia mais bem detalhada e vivida, com detalhes que enriqueceram a obra.

A escrita da autora é muito leve e rápida, fazendo o leitor devorar o livro em questão de horas. Os personagens estão cada vez mais carismáticos e bem construídos, exatamente como a trama.

Já estou com o ultimo livro em mãos, mas não sei se estou pronta para dizer adeus a essa história que me cativou logo de cara. De qualquer modo, estou mais ansiosa do que consigo descrever.
comentários(0)comente



Daiana.Borges 12/04/2019

A traidora do trono
Esse é um livro que me surpreendeu bastante, pois da sequencia a história do primeiro livro por um ângulo bem diferente do que foi apresentado no primeiro. No primeiro livro tudo girava muito em cima da magia do novo mundo que Amani estava descobrindo, mas no segundo os elementos fantásticos se tornam apenas peças complementares em quanto a trama se desenvolve em cima de jogos psicológicos e políticos. Os sentimentos e motivações dos personagens são mais explorados, o que nos faz se apegar mais a eles. No geral, A traidora do trono é um livro sobre como as coisas podem ser simples ou complicadas em um mundo de magia, assim como no nosso.
comentários(0)comente



Natália 03/04/2019

"O Palácio era tão perigoso quanto o Deserto à noite".
Alwyn Hamilton provou, nesse 2° livro de A Rebelde do Deserto, que seja qual for a mudança de cenário, ela consegue arrasar mesmo assim. A tempos não lia uma série tão boa, cheia de ação, adrenalina e reviravoltas surpreendentes, que já é carta registrada da escritora. Esse 2 livro traz histórias surpreendentes e nos permite ver a rebelião pelos olhos daqueles que estão do outro lado e foi muito interessante acompanhar tudo isso. Amei alguns novos personagens e também, amei ver a Amani passar por aquelas situações "fora" do deserto. É como se o 2° livro complementasse o 1° de forma perfeita porque nele vimos tudo, em 1å pessoa, o que não pudemos ver no 1° livro. Além de toda a adrenalina e surpresas que não deixam a leitura monótona NUNCA.
comentários(0)comente



@blogmistoquente 17/03/2019

@blogmistoquente
Eu não entendo como uma autora tem o poder de tirar meu coração do peito, amassa-lo e depois colocar de volta. Eu mal conhecia Alwyn Hamilton, e já considero muito essa mulher pelo poder de mostrar pra nós uma cultura completamente diferente da que estamos acostumados, e ainda atrelada a um mundo criativo de fantasia e aventuras. Lálálá de lado, vamos a mais uma resenha?

A Traidora do Trono é o 2º livro da trilogia A Rebelde do Deserto e sua narrativa começa 6 meses após os acontecimentos do primeiro livro.

Amani Al'Hiza, uma das líderes da rebelião, se vê prisioneira do sultão, inimigo de sua causa e o número 1 na hierarquia de seu povo. Tida em seu palácio como uma prisioneira "de luxo", a garota passa a ter acesso a realidade da corte, do harém e de todos os planos do sultão de controlar o continente e acabar com a rebelião, comandada por um de seus filhos. Lembrando que a rebelião é um movimento onde as pessoas cansadas da desigualdade social, entre sexos e financeira lutam pela queda do atual governo.

Nesse livro somos introduzidos mais profundamente as questões políticas do país onde a trama se desenvolve, fato esse que acredito ser essencial para o desenvolvimento da história. A mitologia árabe também é vista com mais detalhes nesse volume, pois vemos questões como herança, marcas passadas de pais para filhos, e ainda as lendas mágicas contadas milhares de anos atrás sendo vistas a olho nu nos tempos atuais.

Não poderia deixar de dar destaque mais uma vez aos personagens femininos que são mais trabalhados nesse segundo volume. Conhecemos mais de perto a história de Shazad, braço direito de Ahmed (líder da rebelião), que se torna melhor amiga e parceira nas batalhas com Amani. Vemos também o desenrolar da Shira, prima de Amani, também trazida para o harém, que supostamente engravida do sultim (o filho do sultão sucessor do trono), lhe promete um herdeiro e tem um papel fundamental para a rebelião.

Toda a trama tem uma narrativa brilhante, num ritmo que a história se desenvolve naturalmente. E o final? Ah... arranquei meus cabelos da cabeça umas 30x, pra só depois Alwyn acalmar meu coração. O livro possui pouco mais de 400 páginas, com papel offwhite, e um leve autorelevo na capa que eu achei lindo o tom de roxo combinado com o dourado.

Já estou com o 3º volume em mãos e pretendo ler em breve, pois tô bem curiosa pra ver como tudo isso vai acabar.

site: https://www.blogmistoquente.com
comentários(0)comente



Letícia Novaes 27/02/2019

Amo essa bandida!
Que saudade que eu estava desse mundo!! A Rebelde do deserto foi um livro que eu amei muito em 2017 e esse não foi diferente.
Depois dos acontecimentos da Rebelde do Deserto, Amani começa a fazer algumas missões em nome da rebelião. Até que em uma dessas ela é capturada e vai parar nas mãos do sultão, que tem interesse em seus poderes demdji.
Gostei muito do livro como um todo, porém o início foi um pouco difícil para mim. Demorei um pouco para voltar para estória, e tava um pouco perdida com os personagens. Mas assim que o livro engrenou, que as coisas começam a se desenrolar, eu me vi totalmente imersa na trama.
comentários(0)comente



Lê | @lelendolido 25/01/2019

A Traidora do Trono
A Traidora do Trono é o segundo livro da trilogia A Rebelde do Deserto. A série que inicia com A Rebelde do Deserto (resenha aqui) e encera com A Heroína da Alvorada já está completa no Brasil. A trilogia também conta com um e-book de contos, Contos de Areia e Mar.

Sobre o livro

Seis meses se passaram desde os últimos acontecimentos, agora parte da rebelião e peça fundamental dentro dos planos do príncipe rebelde, Amani tenta lidar com seu novo poder, filha um djinni, ela é uma demdji que controla areia. No acampamento rebelde, ela está sempre disposta a ajudar e a fazer parte das missões, mas quando é deixada longe de Jin, o desconforto e a raiva tomam conta dela.

Mas o inesperado acontece, e Amani é traída por uma pessoa totalmente inesperada. Com isso, ela vai parar dentro do palácio como prisioneira do Sultão. Enquanto tenta descobrir os planos do sultão e fugir do palácio, Amani aos poucos descobre um lado mais humano no líder do país. Assim, aos poucos ela vai questionando os motivos de todos os envolvidos na rebelião.




Minha opinião

Comecei a ler a traidora no trono com as expectativas lá no céu, felizmente elas foram mais do que superadas. A continuação de A Rebelde do Deserto evolui sua trama, mantém um ritmo envolvente de leitura e surpreende com muitas revelações inesperadas. Sendo assim não tinha como eu não amar esse livro.

O destaque do segundo volume é sem dúvidas a trama política, que é muito bem trabalhada. A autora mostra o está acontecendo de todos os lados, e isso é muito positivo, pois compreendemos melhor os objetivos de todos os envolvidos. É incrível ver a grandiosidade que a história ganhou, entramos de cabeça em tudo que está sendo apresentado, que esquecemos de Amani, e nos envolvemos na rebelião como parte dela. Uma coisa que você precisa saber é que a autora não tem medo de fazer o leitor sofrer, surpreendendo quando a gente menos espera. Quase morri do coração, principalmente no final.



Teríamos que bolar um plano no meio da correria. Como sempre fazíamos. Éramos bons nisso.




Alwyn Hamilton mostrou que sabe desenvolver muito bem seus personagens. Amani aprendeu muito de um livro para outro, senti ela mais centrada e mais madura. Gosto muito de todas as decisões que ela toma, mesmo quando questionei algumas e fiquei surpresa com outras. Jin não é muito o foco desse segundo volume, inclusive ficamos algum tempo sem vê-lo em cena, então o romance que eu esperada tanto ver aqui também fica meio de lado.

Contudo sua falta é compensada com a entrada de novos personagens, que não estão só de passagem, todos têm histórias aprofundadas e são importantes dentro dos acontecimentos. Outro ponto fortíssimo na narrativa são as personagens femininas, aqui elas são poderosas e fortes ao natural, nada de ficar provando a quão boa elas são. O destaque é Shazad, que muito mais que uma general, torna-se a melhor amiga de Amani, a relação delas é necessária e muito bonita. Ela foi aos poucos ganhando meu coração.

Gente que final, que livro! Eu fiquei absolutamente enlouquecida lendo as últimas páginas e fechei o livro querendo comer a heroína da alvorada no mesmo instante. A Traidora do Trono é uma excelente continuação, que me deixou imersa na leitura o tempo todo! O terceiro livro tem tudo para ser uma grande conclusão!

site: https://www.lelendolido.com.br/2019/01/a-traidora-do-trono-alwyn-hamilton.html
comentários(0)comente



Bianca 19/01/2019

Opinião: A Traidora do Trono
Em A Traidora do Trono, Amani Al'Hiza será traída e isso a levará diretamente ao palácio do sultão. Acredito que essa escolha da Alwyn Hamilton de colocar a personagem principal dentro do centro de governo/residência do sultão foi muito acertada! Porque a partir disso, passamos a ter acesso ao outro lado da rebelião, o lado do monarca de Miraji, antes só tínhamos ao lado rebelde. Ademais, achei que a autora conseguiu aprofundar muito bem as questões políticas e fantásticas da história.

Outro aspecto que me agradou foi o ritmo do livro, desde os capítulos iniciais existem momentos de ação que aliados a uma escrita fluida faz o leitor ficar preso a história e ler várias páginas sem nem perceber. A Traidora do Trono é recheado de reviravoltas tanto em relação a personagem principal quanto aos rumos que Miraji tomará. Durante a leitura, eu tinha a sensação que tudo poderia acontecer e em alguns casos acontecia mesmo! Me surpreendi muito!

No que se refere aos personagens, eles continuam excelente! Destaco a protagonista, senti que a Amani amadureceu, ela aprendeu bastante com os acontecimentos vividos em A Rebelde do Deserto e com sua experiência no acampamento rebelde. Acho a personagem principal impulsiva e, às vezes, um pouco imprudente e, normalmente, isso me irrita nos livros que leio. No entanto, aqui isso não me desagradou, visto que compreendi que essas características eram algo intrínseco à personalidade da Amani como também uma consequência da vida que ela levou na Vila da Poeira.

O único ponto que me incomodou um pouco nesse livro foi a forma que o romance foi inserido na história. Eu gosto muito do Jin e do relacionamento que ele tem com a Amani, torço bastante para que eles fiquem juntos no final da trilogia. Mas achei que a protagonista tinha coisas mais importantes para se preocupar, por exemplo, a própria vida, do que ficar pensando no seu interesse amoroso. Contudo, esse aspecto ficou muito pequeno perto da minha excelente experiência lendo A Traidora do Trono! Gostei demais dessa história, por isso avaliei-a 5⭐! Eu não poderia ter escolhido um livro melhor para iniciar o ano de 2019! ❤

site: https://www.instagram.com/estantevioleta/
comentários(0)comente



Ludi. 12/01/2019

Do começo até o meio do livro, achei a Amani beeem repetitiva. Até que do meio para o final, o livro começa(na minha opinião) a melhorar e ter surpresas atrás de surpresas. Eu fiquei boquiaberta :o com algumas rsrsrs.
comentários(0)comente



95 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7