Jardins da Lua

Jardins da Lua Steven Erikson




Resenhas - Os Jardins da Lua


46 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4


Fabiano.Poeta 14/05/2018

Nunca Spoiler
Comprei esse livro em Junho do ano passado e depois de ouvir tanto as pessoas dizerem que era um livro muito pesado complexo que o autor não explicava nada e vc ficava muito perdido.......Fiquei com o pé atrás e foi só adiando essa leitura ate que peguei pra ler no começo deste mês e terminei hoje, e eis que digo a vcs esse é o livro mais rico que ja li em toda minha vida( junto com o senhor dos anéis) é muito épico, não acredito que lerei nada no patamar de grandiosidade desta obra.

Povão, digo a vocês que não é tão complexo assim, requer so um pouco mais de atenção, é simplesmente um livro grandioso a dica é vcs sempre da uma olhada no glossário e se poder sempre dando uma olhada na net sobre os personagem pois assim vcs poderão ver mais afundo a grandiosidade contida nesta obra, Uma dica é esse site... Ficções Humanas...pois eles fizeram um guia excelente que me ajudou muito.

E simplesmente fantástico, quem ainda não leu ta de bobeira ....
tipo eu antes rsrsrsr
Luana.Silva 14/05/2018minha estante
Caramba que bom saber disso! Eu estou de olho nesse livro desde o lançamento, mas vi várias resenhas falando que é um livro complicado, que por ser alta fantasia ele é bem complexo... mudei de ideia, vai pra lista de próxima compra! :)


Fabiano.Poeta 15/05/2018minha estante
Vale muita apena, so requer um pouco mais de atenção e não ter preguiça de olhar o glossário . =)




Taverneiro 12/06/2017

Livro divertido e épico, mais com alguns problemas de ritmo
O mundo está em guerra. Há muito tempo o império vem tomando cada parte do mundo uma a uma. A Imperatriz Laseen traiu o antigo Imperador e tomou o poder, conduzindo as conquistas do império de cidade em cidade no continente de Genabackis. No início desse livro restam apenas duas cidades livres, Darujhistan e Pale, essa última prestes a entrar em confronto com as forças do império.

Algumas forças se opõem ao domínio da Imperatriz e uma das mais poderosas está ao lado da cidade de Pale na batalha. A Cria da Lua, uma montanha voadora cheia de corvos gigantes, lar da raça do povo de pele escura, os Tiste Andii e do líder deles, o poderoso Anomander Rake.

Logo no início do livro vemos o ataque das forças do império a cidade de Pale, e o duelo cara a cara dos mais poderosos magos a serviço da imperatriz contra Anomander Rake e a Cria da Lua, em um combate destruidor e de proporções titânicas.

Mesmo com a ajuda da Cria da Lua, a cidade de Pale cai. Anomander Rake e a Cria da Lua recuam para Darujhistan. Agora só existe uma cidade no caminho da dominação do Império Malazano e é a trama para a derrubada dela que acompanhamos aqui.

Jardins da Lua é um livro de fantasia épica escrito pelo Steven Erikson e lançado aqui pela Editora Arqueiro.

Esse é o primeiro da série de dez livros O Livro Malazano dos Caídos (The Malazan Book of the Fallen). O universo desses livros foi criado por Steven Erikson e Ian C. Esslemont para uma campanha de RPG. Esslemont também tem uma série de seis livros nesse mesmo mundo e as duas tem histórias complementares. Império Malazan conta a história de como a imperatriz tomou o poder e o primeiro deles, A Noite das Facas, foi publicado pela Cavaleiro Negro Editora.

Pensem no Jardins da Lua como um jogo de xadrez. O confronto entre o Império e Darujhistan é o tabuleiro. E tem muuuuitas peças em movimento…

Sobre a Criação de Mundo…

O mundo criado pelo autor é de magia altíssima! Existe uma força ancestral conhecido como os Labirintos, que são dimensões paralelas que os conjuradores podem acessar para pegar o poder de lá, ou viajar grandes distâncias através deles. Existem vários labirintos e cada um tem suas particularidades. Alguns labirintos tem a essência mais selvagem, outros são melhores para curar feridas e assim por diante.

O nível de poder dos personagens-chave nessa guerra é imenso, e logo no primeiro combate em Pale envolvendo Anomander Rake e os magos da Imperatriz nós vemos que são quase deuses se enfrentando em meio a pessoas comuns. Eu particularmente acho isso incrível. Para você que joga D&D, é basicamente como se fossem personagens épicos lutando em uma guerra. A destruição causada por esses fluxos de força não tem limites.

E os deuses, aaaa os deuses…. Eles têm uma presença muito forte no mundo. Eles interferem diretamente em assuntos mortais, as vezes até mesmo com possessões. São peças muito poderosas e a maior parte das pessoas teme que eles entrem em jogo. Mas não se engane, alguns dos não-deuses aqui (como o próprio Anomander Rake) são fortes o suficiente para comprar briga com os deuses, e isso torna tudo um jogo de discretas influencias e (por enquanto) não de combate direto contra divindades.

Geograficamente falando, esse livro apresenta pouco do mundo de maneira sólida. Temos alguns nomes de outras cidades, algumas raças não humanas aparecem e ficamos sabendo de outras peças no tabuleiro da guerra que estão posicionadas em outras frentes (Como o lendário comandante Caladan Brood). Temos algumas cenas mostrando que esse mundo é imenso e cheio de detalhes que provavelmente serão explorados em sequências (Tipo cenas pós-créditos nos filmes da Marvel), mas nesse livro em específico apenas Darujhistan é bem explorada.

Fica claro que é um mundo muito rico em detalhes e isso provavelmente é um reflexo da criação dele associada ao RPG. Em um livro normal, o wordbuilding tem certo limite: você cria o que precisa para a história. Mas em um livro de RPG isso não tem fim, você pode ir de vila em vila criando lendas e personalidades sem parar e não precisa dar uma resolução para nada porque, afinal, são os jogadores que vão resolver aquilo. Eu senti muito esse ar RPGistico aqui nesse livro. Todos os personagens e locais tem vida e isso foge aos padrões do que estamos acostumados.

Sobre a escrita…

Ela é bem direta. A narrativa em geral é acelerada, o que dá a sensação de que você pegou um trem em movimento (ou foi atropelado por ele, não estou certo qual analogia é melhor XD) e todo o conhecimento têm que ser pego nos pedacinhos que o autor solta e montados para formar a grande história por trás de tudo (tipo o jogo Dark Souls XD). Sobre a gramática, não existe floreio ou embelezamento excessivo das cenas. Algumas cenas de batalha tem uma descrição mais trabalhada, mas de maneira geral é uma escrita simples e satisfatória. Ele também coloca trechos de poemas do mundo no início de cada capitulo e isso é bem bacana. Realmente não tem muito o que comentar sobre a maneira como ele escreve.

A Edição da Arqueiro conta com um esquema de rostos e nomes parte interna da capa. Além disso também tem um belo glossário que ajuda muito se você estiver perdido. ^^

Sobre os personagens…

Bem, então…. Sabe o que eu falei sobre ter muuuuitas peças nesse tabuleiro? Essa foi a característica do livro que mais me incomodou. A narrativa acelerada e pouco explicativa, somada a uma quantidade exorbitante de personagens com arcos próprios deixa esse livro complicado. Eu vou falar um pouquinho sobre ALGUNS dos personagens desse livro.

Imperatriz Laseen, Soberana do Império Malazano, traiu o antigo imperador e tomou o poder. Têm vários problemas com rebeliões e traidores, mas ainda assim continua conquistando territórios.

Conselheira Lorn, figura de confiança da Imperatriz. É enviada para Darujhistan para averiguar os Queimadores de Pontes ou qualquer outro movimento suspeito, mas sua missão principal é trazer uma peça antiga e extremamente poderosa para o tabuleiro, que pode tirar até o próprio Anomander Rake do jogo.

Sargento Whiskeyjack, Sargento dos Queimadores de Pontes, uma tropa Lendária que serviu ao antigo Imperador, mas que após o golpe está sendo lentamente descartada pela Imperatriz que teme qualquer um que fosse muito leal ao imperador. Whiskeyjack em especial era um comandante lendário com muito prestigio na época do Imperador, mas agora teme levar uma facada nas costas de qualquer um que não seja um dos Queimadores de Pontes.

Tattersail, uma das feiticeiras que compõem do Segundo exército. Logo no inicio participa da batalha cara a cara com a Cria da Lua e vê, horrorizada, o massacre acontecendo. Acaba se envolvendo na trama dos Queimadores de Ponte e o medo deles de estarem sendo descartados.

Hairlock, Também do segundo exército junto com Tattersail e acaba sendo mortalmente ferido na luta em Pale. É “salvo” pelos Queimadores de Pontes que transferem sua alma para um boneco e controlam ele momentaneamente.

Ben Ligeiro, Queimador de pontes, mago muito poderoso. Ele que transfere a essência de Hairlock para um boneco e tenta usá-lo, mas acaba tendo problemas para controlar o antigo.

Piedade, uma das mais novas recrutas dos Queimadores de Pontes, muito jovem, mais ainda assim uma assassina assustadoramente eficiente, quase como se houvesse algo mais por trás da sua habilidade…

Ganoes Stabro Paran, nobre de nascimento que abandonou sua vida na corte para se tornar um oficial do Império Malazano. Acaba conquistando a confiança da Imperatriz e é enviado para comandar os Queimadores de Pontes, e eliminar uma certa integrante que suspeitam estar sendo usada por um deus.

Dujek Umbraço, Alto Punho dos exércitos Malazanos. Serviu fielmente o Imperador e por isso a Imperatriz teme uma traição dele. Logo ela toma medidas para diminuir a influência do Alto Punho, o que acaba deixando ele insatisfeito e mais tentado a trair a Imperatriz.

Tayschrenn, Alto Mago da Imperatriz, lutou contra a Cria da Lua e se aproveitou para no meio da batalha resolver algumas divergências com alguns outros magos.

Kruppe, um morador de Darujhistan, tem um certo poder nos seus sonhos de entrar em contato com entidades antigas.

Crokus Jovemão, um jovem ladrão que praticamente caiu de paraquedas nas tramas do livro. Ele encontra logo no início uma moeda com o poder dos deuses da sorte e acaba tendo influencia em várias situações sem nem perceber a gravidade do que está acontecendo. Seu arco pessoal mesmo é uma paixonite por uma nobre local.

Rallick Nom, um membro da Sociedade de Assassinos de Darujhistan. Têm uma vingança pessoal a realizar com um dos conselheiros da cidade.

Baruk, um Alto Alquimista e um dos que tramam nas sombras para defender Darujhistan do Império.

Percebeu que muitos deles têm pelo menos uma organização relacionada no seu resuminho? Pois é, podem chamar Steven Erikson de muita coisa, menos de preguiçoso ao criar mundos. E esses são só alguns dos personagens. XD

“Mas me diz, ele faz esse montão de gente aí e fica tudo bagunçado né? Só pode! ” Não exatamente. Todas as tramas parecem jogadas e desconexas até que se encontram. O desenvolvimento pessoal de cada um é beeeeem diferente do que você está acostumado a ver em qualquer livro e, embora não chegue a ser um desastre total, fica muito raso na maioria dos casos. Eles são carismáticos, mas praticamente nenhum chega a mudar de verdade nessas 600 páginas.

Lembrando também que esse é só o primeiro de DEZ livros né. Muita coisa pode rolar ainda.

Sobra a Maior Inspiração desse Livro…

Quando um autor não consegue deixar a sua obra apreciável para novos leitores eu acho isso um defeito. Apesar disso eu curti bastante esse livro! Ele é muuuito inspirado pela Companhia Negra, tanto na narrativa que dá a sensação de que você pegou o bonde andando quanto nos personagens épicos lutando em meio a humanos “normais”. Os próprios Queimadores de Pontes têm um clima total da Companhia Negra, e eu acabei curtindo aqui todas as características que eu gostei no livro de Glen Cook, como vocês podem ver na resenha dele aqui.

Enfim…

Jardins da Lua é um livro muito divertido, intrincado, com ótimas tramas e personagens carismáticos, mas esses mesmos personagens não são bem explorados. O estilo acelerado é bem prazeroso para alguns (incluindo eu) mas é questão de gosto. Se o leitor não é acostumado com fantasia épica eu não recomendo começar por esse livro. Mas se você já está habituado com mundos fantásticos e curte entrar em um novo mundo eu recomendo que você se deixe levar pela leitura e tenha paciência, pois esse é um excelente livro de fantasia (mais que) épica!

site: https://tavernablog.com/2017/06/05/dica-da-taverna-jardins-da-lua-e-como-escrever-sem-se-importar/
comentários(0)comente



Jesse 30/01/2019

Cansativo!
O excesso de personagens atrapalhou muito a leitura e tornou ela cansativa para mim. Tinha momentos que já não sabia quem era quem na história.

O livro ainda tem uma introdução do escritor, em que ele não é nem um pouco arrogante(estou sendo irônico) enaltecendo sua história, mais do que ela é na verdade!

Queria muito ter gostado desse livro, mas vou parar por aqui por enquanto. Existem outras obras de fantasia que me interessam mais, e me divertem mais que essa saga!
comentários(0)comente



Deivid Maurício 14/01/2019

Primeiro contato
Excepcional! Meu primeiro contato e sem dúvidas me surpreendeu. Uma obra prima!
comentários(0)comente



Carlos Silva 13/08/2017

Caminhada interessante, final não tão interessante assim...
Esse livro me pareceu quase um espelho invertido dos livros de "A Roda do Tempo (Robert Jordan)", enquanto que em "A Roda do Tempo" as histórias são um pouco maçantes para chegar se a finais empolgantes, esse é praticamente o contrário, um livro cheio de loucuras e aventuras, com poucas páginas de calmaria durante o desenrolar da história, só que com final não tão empolgante assim.
Agora é só esperar os próximos a serem publicados no Brasil e ver como vão ficar as coisas.
Paulo 16/08/2017minha estante
Eu acho que o autor quis mais deixar ganchos do que encerrar plots. Talvez isso tenha prejudicado um pouco o final do livro. No cômputo geral, gostei demais da escrita do Eriksson. Tentei buscar defeitos no livro e não encontrei.




J.Waters 13/03/2019

Jardins da lua!!! Que livro!!!!
Excepcional!!!! É como ler crônicas de gelo e fogo à partir do livro 4 (O fenstims dos corvo), vc realmente fica com uma curiosidade gigante a cerca do universo criado,sobre o que aconteceu e o que esta por vir,uma criação de mundo,personagens e mitologia muito grandiosa.
comentários(0)comente



Jessé 06/05/2018

Confesso, esperei muito pelo dia em que finalmente estaria aqui, resenhando esse LIVRÃO que é Jardins da Lua. Não apenas em tamanho, mas também em conteúdo. Conheci o livro pouco após seu lançamento, mas só agora tive oportunidade de lê-lo. Entretanto, valeu a espera. Cada página foi uma recompensa monstruosa.

Jardins da Lua é o primeiro livro da série O Livro Malazano dos Caídos, do autor Steven Erikson. Logo no prefácio, o autor nos mostra que a história veio para encontrar seu lugar de destaque entre os livros de fantasia. São vários personagens, várias cidades e uma mitologia riquíssima, ainda levando em conta os cenários e as batalhas, que são descritos com perfeição.

Não há um único herói ou um único vilão. São vários personagens, com motivações diferentes. Uns lutam por princípios, enquanto outros buscam apenas mais poder do que já possuem. A princípio, talvez você fique um pouco perdido no começo da história. São vários personagens, buscando coisas totalmente diferentes. Não há uma apresentação formal deles. O livro já começa no pá pum, com toda a ação acontecendo. Porém, em determinado ponto, tudo vai se encaixando, como um quebra-cabeças gigantesco. E, meu amigo, quando isso acontece, é impossível parar de ler.

O Império Malazano busca conquistar Darujhistan, a Cidade do Fogo Azul, a última das Cidades Livres de Genebakis, e a Imperatriz Lassen fará de tudo para conquistar a cidade. Entretanto, essa conquista está longe de ser tão simples. O capitão Ganoes Paran é enviado para Darujhistan, para assumir o comando dos Queimadores de Pontes, lendário esquadrão de elite liderado pelo sargento Whiskeyjack. Após vários atos e descobertas, os Queimadores de Pontes percebem que muita gente está envolvida num jogo criado pelos deuses, e que algo muito maior se aproxima. Até mesmo Anomander Rake, o Filho da Escuridão, busca suas próprias respostas, sabendo que uma guerra iminente se aproxima.

Em termos de construção de universo, Erikson não escreveu uma simples história, ele deu uma aula sobre como criar algo com qualidade. Sem dó, e escrevendo com maestria, ele nos entrega uma obra épica. Criaturas únicas, deuses, cidades enormes, magia e tudo o que você pode querer num livro de fantasia. A mitologia, como um todo, pode parecer um pouco complexa mas, quando você se entrega de vez para o livro, é difícil não querer seguir adiante. Se você busca uma história nova à qual se apegar, Jardins da Lua é a melhor escolha que você poderia fazer.

site: www.dicasdojess.com
comentários(0)comente



Fábio 16/07/2017

Épico
Se existe uma palavra que descreve bem este livro é simplesmente "épico", um mundo vasto, complexo e interessante, uma mitologia rica e personagens tão interessantes como poderosos.

Apesar de ser um livro de fantasia ele não segue os clichês do gênero, a ambientação tem características romanas (tanto no Império Malazano como no seus exercito), medieval e vitoriana, tudo em maior ou menor grau, também é digno de nota o perfeccionismo com as diferentes culturas e as diferentes raças deste mundo que por sinal são muito diferentes de outros mundos de fantasia, não espere achar elfos e anões por aqui, o sistema mágico é tão original quanto "esquisito" mas muito interessante.

Apesar de toda a qualidade deve-se alertar que Jardins da Lua não é uma leitura para principiantes, o mundo é complexo não só por si mesmo mas por que a todo momento o autor alude a épocas diferentes, são muitos personagens e nada é dado de graça ao leitor, você deve ler atentamente e juntar as peças para desvendar a historia.

Mas sem duvida é um livro que merece ser lido, faz por merecer todo sucesso que teve lá fora e tomara que faça por aqui para que possamos ler o resto da saga.
comentários(0)comente



GETTUB 21/07/2017

JARDINS DA LUA é o primeiro de dez livros da série O LIVRO MALAZANO DOS CAÍDOS, de Steven Erikson. A história se ambienta nas terras de Malaz, logo após a Imperatriz Lassen assassinar o antigo imperador e tomar o poder do reino, o qual comanda com mãos de ferro. Aí também nos é apresentado o jovem Ganoes Paran, um jovem que abdicou de sua nobreza para se dedicar á vida no exército. Ganoes, de repente, se vê no comando de uma antigo grupo de guerreiros, chamados Queimadores de Pontes, famosos por suas violentas atividades e por matar seus superiores.

Em meio às constantes disputas de poder e território, clãs de guerreiros, magos, feiticeiros, assassinos e outras criaturas um tanto peculiares arrasam cidades inteiras pela disputa do poder de Malaz. Além de todas essas disputas, existe o inimigo mais antigo do Império Malazano, a Cria da Lua. Uma montanha que flutua 400 metros acima da cidade, uma espécie de fortaleza que nem mesmo um exército de mortos-vivos conseguiu romper.

Uma das minhas dificuldades com esse livro, foi assimilar a rapidez com que as coisas acontecem. De um parágrafo para o outro, a batalha já acabou, e os personagens já estão falando sobre outra coisa – como assim? Mas a maior de todas as dificuldades, foi, sem dúvida, os diálogos. Pensando bem, não foi uma dificuldade, eu só não gostei mesmo. Os personagens conversam entre si sobre a situação do império e todas as tramas envolvidas com ele, como se o leitor estivesse inteirado com o que está acontecendo. Em vários momentos, eu tive que retornar alguns parágrafos de leitura para poder compreender melhor o contexto, o que tornou a leitura excessivamente cansativa, me desanimando. Outro ponto que me incomodou, foram os personagens, não a qualidade, mas sim a quantidade. Geralmente, quando se tem mais de um personagem principal, os capítulos são concentrados em um ou outro, em JARDINS DA LUA temos um capítulo para uma média de quatro personagens.

Os personagens conversam entre si como se o leitor estivesse a par de tudo que aconteceu anteriormente. Mas muita coisa mencionada por eles não foi contada.

A premissa do livro é bastante interessante, mas a história é demasiada complexa e infelizmente não consegui acompanhar e nem me conectar com a leitura, e por isso a abandonei. No prefácio do livro, o autor deixa claro para o leitor que ou você vai amar a leitura ou vai odiar. Ele não mentiu.

RESENHA ESCRITA PELA KAMYLLA PARA O GETTUB!

site: http://www.gettub.com.br/2017/07/jardins-da-lua.html
comentários(0)comente



Ruh Dias 08/08/2017

Já Li
A série de livros de Erikson é do gênero fantasia épica e, por isso, é muito comparada com "O Senhor dos Anéis" (embora os elementos e o universo sejam completamente distintos). O primeiro livro, "Jardins da Lua", foi publicado em 1999 e o último volume da série, "The Crippled God" saiu em 2011, totalizando doze anos na construção da série.

Toda a estória da série começou enquanto Erikson e seu amigo Ian Cameron Esslemont jogavam RPG nos anos 80. Esslemont, inclusive, publicou sua própria série de livros baseada no mesmo universo, chamada "Novels of the Malazan Empire".


O Império Malazano é uma força política que dominou o mundo através da coerção e da violência e, por isso, enfrenta diversas resistências organizadas ao seu governo. No primeiro livro, "Jardins da Lua", o Império Malazano caminha para dominar Darujhistan, uma das maiores cidades do continente de Genabackis, sob o domínio da imperatriz Lasseen.

Neste momento, o mundo está no 96º ano de dominação malazana e Erikson não faz nenhum esforço para contextualizar o leitor. As personagens, eventos históricos, datas importantes e concatenações políticas são descritas sem preâmbulos ou descrições e, por isso, a sensação que temos logo no primeiro capítulo é de que estamos sendo jogados no meio de uma guerra, às cegas.

Erikson dividiu a enorme quantidade de personagens da estória em núcleos e, a cada capítulo, cada núcleo (ou grupo de personagens) conta o seu ponto-de-vista das batalhas e estratégias a favor e contra o Império Malazano. Dentre as mais de cem personagens (!) do enredo, destaco Paran, um garoto de família nobre e privilegiada que deixa tudo para trás para tornar-se soldado, e Lorn, a conselheira da Imperatriz que, na minha opinião, foi a personagem que mais evoluiu ao longo do livro.

O lado fantástico da estória vem através de criaturas não-humanas, que são tanto aliados quanto inimigos do Império Malazano - os tiste andi, que são mensageiros da Escuridão, e os t'lan imass, que são mortos-vivos - e também pela magia poderosa de Anomander Rake. Também existe possessão de almas, transferência de corpos e bruxaria com a sacerdotisa Tattersail e seus colegas Ben Ligeiro, Tayschrenn e Hairlock. Além disso, há também menções a Labirintos, que permitem que certas personagens viagem tanto pelo mundo físico quanto pelo mundo sobrenatural.

Alguns núcleos são mais militares e estrategistas, como os protagonizados por Dujek e Whiskeyjack. Dujek é responsável por proteger a cidade de Pale que está no caminho para Darujhistan e, por isso, corre o risco de ser massacrada pelo Império Malazano em sua expansão territorial. Whiskeyjack é responsável pelos Queimadores de Pontes, grupo enviado pelo Império Malazano para destruir Darujhistan de dentro, caso o plano de invasão não dê certo. No entanto, nada disso significa que eles são leais às causas que defendem.

Este número excessivo de personagens atrapalhou completamente minha leitura e foi por este motivo que o livro de Erikson não se transformou em uma "Sugestão de Leitura" aqui no blog. Achei que o escritor pecou na organização e desenvolvimento das tramas e senti uma certa ponta de arrogância em sua introdução do livro, onde ressalta que não se preocupou em explicar nada ao leitor. Há muitos excessos na estória, o que a torna cansativa e não prendeu minha atenção.

Inevitavelmente, comparei este livro à saga "A Roda do Tempo" de Robert Jordan. Esta saga também é de Alta Fantasia e conta com uma série de personagens e núcleos. Porém, Jordan foi mais amistoso com o leitor, criando uma narrativa mais coesa e fluida, e construindo personagens realmente relevantes para a estória. Não à toa, estou lendo o sexto livro da saga, e deixarei Erikson de lado.

Para quem se interessar pela série, Erikson escreveu uma trilogia que se passa depois dos eventos descritos na série, trilogia esta chamada "The Kharkanas", ainda não publicada em português.

site: http://perplexidadesilencio.blogspot.com.br/2017/08/ja-li-47-o-livro-malazano-dos-caidos.html
comentários(0)comente



romulluskhaos 25/05/2018

Esse livro não é para preguiçosos, ou pra quem faz maratona de leitura.
É um jogo de quebra cabeça, que ao final do primeiro livro o autor entrega apenas uma parte da imagem total. Um mundo de alta fantasia que merece o respeito para com autor, simplesmente genial. Pra quem é acostumado a ser guiado pela mão poderá ter dificuldades com a leitura e como também para aqueles que nunca leram leitura de alta fantasia. Mas pra quem tem paciência e estimula a criatividade para visualizar o que o escritor te entregar, vai saborear um banquete digno de rei.
comentários(0)comente



Vinícius 19/10/2017

Não desistam do livro.
Eu achei o começo do livro insuportável, mas do meio para o final realmente vale a pena a leitura. Então se acharem chato demais, coloca fé que melhora.
comentários(0)comente



cotonho72 28/12/2017

Ótimo!
Todos sabem que sou muito fã de livros de fantasia e quando a Editora Arqueiro anunciou o lançamento de Jardins da Lua já coloquei na minha lista de prioridades, com certeza é um dos melhores do gênero a qual muitos vão adorar, a leitura é bem complexa e é avisada previamente pelo autor no prólogo.


Nessa história vamos conhecer um universo incrível, o Império Malazano é o principal reino deste universo, ele é originado na ilha de Malaz, situada na costa do continente de Quon Tali e está em guerra, ele é comandado pela Imperatriz Laseen que traiu e assassinou o Imperador Kellanved e seu companheiro Dançarin. Em busca do poder de todo o Império Malazano, Laseen faz uma ofensiva ao continente de Genabackis, a qual tem total domínio de praticamente todas as Cidades Livres, que é um conjunto de cidades com ricos recursos a serem explorados, mas a maior e mais preciosa delas, Darujhistan a Cidade do Fogo Azul, resiste bravamente e entre muitos que lutam contra o poder de Laseen é Anomander Rake O Senhor da Cria da Lua, seres ancestrais Tiste andii, que com sua espada Dragnipur é capaz de enviar as almas de deuses e mortais para serem aprisionadas.

A Conselheira Lorn, pessoa de confiança da Imperatriz Laseen, é enviada para Darujhistan para averiguar os Queimadores de Pontes, mas seu principal objetivo é outro e de suma importância nessa busca pela conquista de Darujhistan, em meio a tudo isso temos Ganoes Stabro Paran, nobre de nascimento que abandonou sua vida na corte para se tornar um oficial do Império Malazano, que depois de conquistar a confiança de Lorn e é designado para comandar os Queimadores de Pontes, e lutará muito para sobreviver no meio de um jogo orquestrado por deuses e outras criaturas.

Muita coisa acontece no decorrer da história em um mundo fantástico, habitado por grandes reinos, magos e alto magos, deuses, feiticeiros, bruxas, grandes guerreiros, assassinos cruéis, dragões e algumas criaturas distintas; desta maneira não temos necessariamente um protagonista e sim vários personagens de suma importância para a trama e com seus vários pontos de vista que durante a história mostram acontecimentos diferentes.
Entre eles vou ressaltar alguns, pois são muitos e todos agregam muito no livro, assim além dos já apresentados temos Tattersail, uma das feiticeiras do Segundo exército e leitora do Baralho dos Dragões, Tayschrenn, Alto Mago da Imperatriz, Piedade, uma assassina mortífera com aparência de uma jovem e uma das mais novas recrutas dos Queimadores de Pontes, Ben Ligeiro é do Nono Pelotão dos Queimadores de pontes, mago muito poderoso das Sete Cidades, Hairlock é um mago do Segundo Exército e rival desagradável de Tayschrenn, Sargento Whiskeyjack é Sargento dos Queimadores de Pontes do Nono Pelotão e antigo comandante do Segundo Exército, Dujek Umbraço é o Alto Punho dos Exércitos Malazanos na campanha de Genabackis, Kruppe é um dos frequentadores habituais da Taberna da Fênix e morador de Darujhistan, é um homem de falsa modesta e tem certo poder nos seus sonhos onde entra em contato com entidades antigas, Crokus Jovemão, um jovem ladrão que encontra logo no início uma moeda com o poder dos deuses da sorte e acaba envolvido em várias situações sem nem perceber a gravidade do que está acontecendo, Baruk, um Alto Alquimista da Comspiração T’orrud, conspiração de Darujhistan, Rallick Nom, Jovem Toc, Violinista, Marreta, Bellurdan e muitos outros a qual tem igual importância na trama.

O autor Steven Erikson nos presenteia com uma história eletrizante e de tirar o fôlego, com personagens e cenários incríveis, grandes cidades, enormes florestas, muito mistério, magia com povos humanos e não humanos, feitiçaria, como os labirintos que são dimensões paralelas, existem vários labirintos e cada um tem suas particularidades, diversas intrigas, mistérios, artimanhas políticas, mentiras e reviravoltas, as cenas das batalhas são fantásticas e de tirar o fôlego vale ressaltar também o destaque das personagens femininas na trama, fortes e bem construídas e de igual poder com os homens.
A história é sobre o Império Malazano e não tem um personagem principal, como já mencionei são vários protagonistas e todos bem construídos, a leitura flui bem apesar de nas primeiras 150 páginas a gente se sentir meio perdido, pois a todo o momento são inseridos novos personagens e novos acontecimentos, o autor joga o leitor no meio da trama a qual tem que se virar se ambientar e entender a história e por esse motivo muitos vão odiar, mas confesso que vale muito a pena persistir nessa forma de escrita diferente do autor.

Só posso elogiar e recomendar a obra, a edição do livro que Editora Arqueiro produziu é excelente, com mapas, desenhos dos personagens na contracapa, glossário e tudo o mais, esse é o primeiro da série de dez livros e não vejo a hora de ler o segundo volume.

site: http://devoradordeletras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



46 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4