Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir

Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir Sarah MacLean




Resenhas - ----


74 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Dessa_csn 19/02/2018

Ai gente, sei lá, se eu falar só que foi uma decepção fica bom? Rs.

Comecei a ler i livro super empolgada né, afinal, Juliana e Simon já tinham tido o primeiro encontro deles no primeiro livro e foi fofo! No segundo encontro, quando Juliana comparece ao primeiro baile dela, Simon e mãe dele fazem bullying com ela e Callie defende. Ai você pensa o que? Vamos ver como ele vai superar todo esse ranço que ele sente por pessoas que não pertencem a aristocracia. Não que o livro não seja isso, lógico que é, porque se não, como eles ficariam juntos no final?

As primeiras páginas são ótimas! No primeiro encontro deles nesse livro, ele demonstra todo essa indiferença que foi criado para sentir de pessoas como ela. E ai vão tendo umas passagens de quando eles se conheceram e ele se encantou por ela, e como ela conseguiu não dizer quem era para ele, pois isso estragaria tudo. Depois que ele descobre quem é Juliana de verdade, passa a trata-la super mal e jogar na cara dela toda hora que ela um escândalo ambulante e ela na dele que ele era um cara frio e impassível. Até ai eu estava gostando, mas eis que Juliana faz uma aposta com Simon, ela quer duas semanas para provar que fazer as coisas com paixão é muito melhor. Sério?! Achei forçada essa “aposta” e uma pouco desnecessária. Não sei se a escritora queria fazer algo diferente de alguns livros que eu mesmo tenho em casa, tem resenha até aqui no blog. O homem é o exemplo da aristocracia e a mulher tudo que a dama não deve fazer. Dai, pra dizer que tem algo a mais na historia, enfiou a tal da aposta. Não seria melhor o casal que se apaixona perdidamente mesmo sendo tão diferentes e que não conseguem ficar longe um do outro? Me esforcei pra terminar de ler, não aguentava mais e parecia que o livro nunca acabava.

O que mais gostei desse livro? Penélope, sem sombra de dúvidas e ela nem aparece muito.


Conheça o meu blog, e encontre outras resenhas! https://nadafutil.net/
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 15/02/2018

Resenha da Mylena Suarez
Juliana Fiori é um ímã para escândalos, já começando por sua mãe que, antes de casar com seu pai, abandonou marido e filhos na Inglaterra, uma família que Juliana nem ao menos sabia que existia até seu pai morrer e ela ser enviada para ficar com seu meio-irmão. Essa italiana de sangue quente, provocante e divertida já chega chegando em Londres. Onde quer que vá, ela causa alvoroço e, em sua primeira temporada londrina, atrai nada mais nada menos que o Conde do Desdem.

Simon ou Conde Leighton é conhecido por todos com uma pessoa fria e superior que sempre zelou por sua reputação e se manteve impecável até... bem, até conhecer a bela Juliana.

“Ela ouvira dizer que ele selecionava seus criados pela discrição, suas amantes pela ausência de emoção e seus amigos... bem, não havia indicação de que ele fosse se rebaixar a algo tão comum quanto amizade.”


Simon foi criado para cumprir suas responsabilidades e não se misturar com gente escandalosa, quando conhece Juliana, ele não sabia ao certo de quem ela era filha e, ao descobrir, a despreza, fazendo a garota se sentir desafiada a provar a ele como mesmo um conde sem coração não pode viver sem emoção.

É essa jornada de brigas ao melhor estilo gata e rato que vamos acompanhar em Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir. O casal vai viver às turras boa parte do livro e quando não estão brigando estão pegando fogo .

Mesmo Simon mostrando a Juliana qual o seu lugar na sociedade aristocrática, sempre que pode a italiana faz algo para chamar sua atenção e obviamente acaba causando mais comoção.

“ Aqui nada ganhava da sagrada trindade: tradição, reputação e título.E para alguém como ela – que não reivindicava nenhum dos três -, alguém como ele - que possuia todos os três como direito casual- estava completa e inegavelmente fora de alcance.”

De início, não curti muito essa história dela ficar o tempo todo atrás dele, se humilhando só para ganhar um desafio mas, à medida em que a história avança, eles vão se conhecendo melhor e, aos poucos, um começa a perceber quem o outro realmente é e, no final, Simon se redime da melhor maneira. Destaque neste processo para os encontros calientes e para uma certa noite na fogueira que me fez apaixonar pelo casal.

Outro destaque que me fez tirar a implicância contra o livro foi a participação dos meio-irmãos de Juliana que, com suas esposas, trazem dinâmica, diálogos mordazes e muita ironia para a trama. Eles roubaram meu coração.

Não posso esquecer de falar do lindo-fofo-maravilhoso irmão de Callie, Benedick, que roubou a cena em todos os momentos em que apareceu. Já quero o livro dele como spin off.

Por favorzinho, Sarah Maclean...



A edição está belíssima, com folhas amareladas, papel com marca d’agua clássico no interior e com esta capa sedutora representando bem Juliana. Amei as chamadas de cada capítulo que acabavam preparando a minha pessoa para o que vinha pela frente.

Só acho que deveriam manter o título original de Onze Escândalos, pois explica melhor a trama que em nada mostra de onde surgiram essas onze leis hehehehe...

Enfim, super recomendo para os amantes de romance de época.

Beijos, Myl

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2017/06/livros-da-gata-onze-leis-cumprir-na.html
comentários(0)comente



Cacau 23/01/2018

Nesse livro nós temos a história de Juliana. Ela foi abandonada pela mãe e após a morte do pai foi mandada pra viver com os irmãos na Inglaterra, o que nós vemos lá no primeiro livro. A sociedade a trata como um escândalo ambulante e ela é constantemente ofendida e excluída. Como protagonista masculino nós temos o Duque de Leighton, também conhecido como Duque do desdém, que lá no primeiro livro tinha ficado encantado com a beleza de Juliana e flertado com ela, até descobrir sua verdadeira origem. Ele não quer nenhum escândalo em sua vida e tenta a todo custo evitar Juliana.
-
É explicado durante o livro que o Simon tem seus motivos pra ser tão duro e exigente, ele foi criado pra carregar todo peso do seu título e não teve muito carinho ou paixão ao longo da vida, mas ele me irritou tremendamente com suas atitudes, ofendendo e diminuindo a Juliana em vários momentos. Eu só consegui gostar dele lá no final e ele até que se redimiu, mas ele não me encantou como os outros. Eu gostei da Juliana, da sua personalidade. E gostei bastante do final, quando os dois finalmente resolveram parar de bater cabeça e ignorar a opinião dos outros.
-
Também gostei muito da aparição dos personagens dos outros livros. A participação dos irmãos da Juliana e a amizade dela com a Mariana, irmã da Callie. Também foi bacana saber mais sobre o passado da Georgiana e da Penélope que são protagonistas de outra série da Sarah, o Clube dos Canalhas. Foi ótimo ver as histórias se interligarem, uma pena que na época que comprei não sabia que essa aqui vinha primeiro, pra poder ler na ordem.
-
Resumindo. Eu gostei do livro, mas não me encantou como os outros. Ficou faltando alguma coisa, o protagonista masculino me decepcionou um pouco, mas ainda assim é um bom livro e Sarah escreve muito bem.
-
"[...] você é linda e brilhante e ousada e tão apaixonada pela vida e pelo amor e por todas as coisas nas quais acredita. É você me ensinou que tudo que acredito, tudo o que achei que queria, tudo o que pensei que deveria apoiar... tudo... é errado. Eu quero sua versão da vida... "
comentários(0)comente



Suelen 17/01/2018

Conhecemos Juliana no primeiro livro da série quando ela entrou na vida dos irmãos de forma inesperada e sempre aguardei ansiosamente pelo lançamento do livro dela e não me decepcionei.

Em “Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir“, Juliana Fiori é meio irmã dos gêmeos Gabriel e Nicholas (protagonistas dos livros anteriores caso alguém tenha esquecido ou não saiba), e como toda italiana estereotipada, ela é temperamental, espontânea, geniosa, ousada e parece que está sempre entrando nas mais estanhas confusões. Confusões estas que mancham mais ainda sua reputação, que já não é lá das melhores sendo filha de uma mulher que abandonou marido, filhos, fugiu para a Itália e casou com um mercador.

Em uma pequena passagem no primeiro livro, Juliana conhece Simon Pearson, o Duque de Leighton, um dos homens mais importantes da Inglaterra e que leva sua reputação e a da família em primeiro lugar. A primeira vista rola uma química irresistível entre os dois. Uma paixão instantânea, que é afastada por Leighton assim que ele descobre a origem de Juliana. O rapaz tem o carinhoso apelido de “Duque do Desdém” por ser frio, insensível, arrogante e orgulhoso.

Ainda sentindo os efeitos dos acontecimentos familiares do segundo livro, Simon se vê em uma situação complicada quando precisa arrumar uma noiva urgentemente para abafar qualquer vestígio de um escândalo. Sua noiva não pode ter uma personalidade parecida com a de Juliana. E Juliana o quer, mas quer que ele a queira pelo que ela é. Escândalos inclusos.

Ao mostrar frieza e que esqueceu qualquer envolvimento que eles possam ter tido algum dia, Juliana se irrita e o desafia a mostrá-lo que paixão pode prevalecer à reputação. Para ele, de um jeito bem arrogante, não resta dúvidas, a reputação sempre será importante. Juliana tem certeza que a vida seria muito sem graça sem amor e paixão. Após a aposta, Juliana se torna obstinada a provar a todo custo que Simon está errado, se metendo em mais escândalos, mesmo sem querer. Leighton, com a aposta começa a passar mais tempo na companhia de Juliana, tentando lutar contra a atração que sente por ela e evitar a todo custo manchar sua imagem impecável.

Uma das coisas que me deu um pouco de nervoso foi a insistência do Simon em querer sempre levar a sério demais o nome da família e as aparências, muitas vezes magoando Juliana. Se eu fosse ela, não perdoaria tão fácil. Mais um fator que me fez torcer loucamente para que ela ganhasse a aposta deles e o colocasse de joelhos como ela queria! Muitas vezes Juliana não se sente tão amada ou tem dúvidas sobre o seu lugar em sua família, ou na sociedade, que mesmo com todos os esforços de seu irmão, de sua cunhada e de sua melhor amiga, não estão tão solícitos a aceitarem-na nos meios sociais.

Sarah MacLean construiu duas personagens com conflitos pessoais que no decorrer do enredo foram se desenvolvendo e é bem nítido o crescimento do caráter dos dois ao entrelaçar os conflitos dos dois e mostrar a Juliana que não dá pra controlar tudo usando a paixão e a Simon que boa aparência e reputação não são tudo nessa vida. É um livro extremamente puxado para o lado social e o que a sociedade londrina daquela época esperava das pessoas.

Em resumo, esta é uma estória fascinante de duas pessoas de polos totalmente opostos, mas totalmente atraídas uma pela outra, que na verdade são dois corações solitários, marcados por erros de outras pessoas e que se encontram e se completam. Com vários diálogos ótimos, tiradas engraçadas e uma dinâmica maravilhosa entre os integrantes da família. Super recomendo a leitura.

Foi o final perfeito para a série. Fiquei inclusive com muita pena de terminar o livro, lendo bem devagar os últimos capítulos para atrasar o máximo o fim. Sugiro ler em ordem, pois tem bastante detalhe das obras anteriores, mas se você só quiser ler esse, tudo ok também.

site: http://up-brasil.net/livros/resenha-de-livro-onze-leis-a-cumprir-na-hora-de-seduzir-sarah-maclean/
comentários(0)comente



LuluhSH 27/12/2017

No terceiro e último livro desta série, temos como casal a meia-irmã de Gabriel e Nick, a italiana Juliana, e seu par é o temido Simon, Duque de Leighton.
Mais um casal que não me cativou. Aquela história de "não posso", "ela merece coisa melhor", "sou um duque, tenho deveres", não sei mais o quê, mas não se desgrudam. O Duque sempre sério e formal demais, sentia um conflito nele, mas mesmo assim as mudanças e a aproximação do casal não me convenceram muito, não senti que foi algo construído e que cresceu naturalmente, enfim. Quem leu o segundo livro, e mesmo neste, sabe que paira uma notícia no ar que pode manchar a linhagem dos Leighton, e nem recebendo ajuda, a realidade batendo na cara de Simon, ele descia do salto, baixava aquele nariz aristocrata hipócrita, e depois muda da água pro vinho sem muita sutileza, ao meu ver. Juliana, em alguns momentos, é meio boba, infantil, entendo que seja medo de todo aquele mundo novo, a insegurança de sua ascendência, mas por vezes parecia que ela nem tentava melhorar, nem pelos irmãos e cunhadas que a abraçaram sem nada questionar.
O que gostei no enredo foi todo o trabalho de expor o comportamento da sociedade, algo que até hoje se vê, e que me lembrou muito as obras de Jane Austen, que sempre apontava sobre isso. Pessoas que se acham melhores que as outras porque têm posição social, dinheiro ou seja lá o que mais. Toda a hipocrisia que está por trás de tanta pompa, as pessoas que se acham tão importantes, mas são mais rudes e grossas que muita gente considerada insignificante, por ser trabalhador, estrangeiro, homem ou mulher.
Mas, como disse, não foi um casal pelo qual eu tenha caído de amores, tanto que torci mesmo pra Juliana ficar com Benedikt, kkkkk. Esse me ganhou só pelo nome, mas ainda vem com o pacote completo de ser uma fofura! Algumas aparições poderiam ter sido mais acaloradas, pra dar mais um drama, não sei bem como explicar, porque, como sempre, não quero entregar partes da história. Diria: a duquesa-viúva e outra pessoa, descubram!
comentários(0)comente



Veruska 23/12/2017

Onze leis a cumprir na hora de seduzir
? Isabel Townsend se viu, aos 17 anos, com uma responsabilidade que não deveria ser sua: a administração da propriedade rural Townsend Park em que reside, cada vez mais empobrecida pela jogatina de seu pai, o Conde Perdulário.
Com o tempo, Isabel viu sua mãe morrer de desgosto e os empregados abandonarem o trabalho por falta de pagamento. E, mesmo assim, ela acolheu, ilegalmente, uma a uma, mulheres fugidas de uma vida de sofrimento - surgiu a Casa de Minerva.
Mas, passados os anos, com o falecimento de seu pai, Isabel se desespera em proteger suas garotas, antes que o novo tutor assuma a administração da propriedade e descubra a acolhida ilegal dessas mulheres.
A única opção é vender suas estátuas de mármore. E eis que surge o encantador Lorde Nicholas St. John, irmão do Marquês de Ralston e respeitado antiquário para catalogar e avaliar as estátuas.
Enquanto executa seu trabalho, Nick percebe que há algo diferente naquele lugar, comandado por uma mulher forte, arrebatadora e cheia segredos não revelados - bem diferente das damas afetadas da sociedade londrina.
À medida que se conhecem e descortinam um para o outro suas dores, seus medos e seus segredos, eles se entregam a uma paixão avassaladora, capaz de lhes resgatar a crença de que é possível ser feliz com amor.
É um enredo de paixão e desejo, mas também de cura da alma.
A trama se desenvolve em uma crescente expectativa e os capítulos finais - ah, os capítulos finais - são fantásticos!
Vale a pena a leitura.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Veri 05/12/2017

O final da série não podia ser com uma protagonista melhor. No primeiro livro da série (onde Juliana apareceu mais) achava ela uma irmã meio pé no saco kkk Mas esse livro me fez me apaixonar por ela e pelo seu jeito. Uma mocinha forte e cabeça dura, mas com tiradas sensacionais, se o objetivo da autora foi mostrar a discriminação, nesse livro ela conseguiu muito bem. Eu não via a hora da Juliana ser aceita até por ela mesma, queria ver o final feliz dessa italiana. Só não dei nota máxima pro livro porque faltou um encontro no passado que eu gostaria de ter visto, e porque eu gostaria de ter visto Simon sofrer um pouquinho mais, correr um pouco mais atrás depois de tudo que ele fez e disse.
Ketlynn 06/12/2017minha estante
Vc vai reencontrar eles em outra série :)


Veri 06/12/2017minha estante
Eu já li todas as outras séries da autora! São todas otimasss


Ketlynn 07/12/2017minha estante
Simmmmm :)


Mari Soares 07/01/2018minha estante
Eu amo Juliana e Simon. Amo como ela dá ele perder a cabeça e se render depois de tanta relutância ?. É o meu favorito da trilogia ??


Mari Soares 07/01/2018minha estante
Eu amo Juliana e Simon ?. ADORO como ela faz ele perder a cabeça e se render depois de tanta relutância. É meu livro favorito da série ??




spoiler visualizar
Emanuele 30/11/2017minha estante
Nossa, verdade! Tava agoniada com o tanto que ela corria atrás dele! Fiquei decepcionada, pois tinha gostado dos outros livros da série.


Franciele M. 30/11/2017minha estante
Tbm me decepcionou. Como os outros foram maravilhosos esse devia está no mesmo nível, mas..
Acho que agora vou reler a série dos canalhas que aparece vários personagens desta =)




Ellem - @colecionandoprimaveras 28/11/2017

Juliana Fiori é exatamente o oposto do que a saciedade londrina considera como uma dama requintada.

Ela é uma italiana impulsiva, de língua afiada, abomina os costumes londrinos irritantes e vive a vida apaixonadamente.

Bem diferente do Duque de Leighton, que é frio, arrogante e vive em função da sua reputação.

Quando descobre que Leighton vai se casar com a filha de um marquês apenas para proteger o nome da família, Juliana lhe propõe uma aposta: Durante duas semanas, ela dará o seu melhor para quebrar a fachada de frieza dele e lhe mostrar que a vida precisa ser vivida com paixão.

Ela tem certeza de que em duas semanas o colocará de joelhos em nome da paixão, mas talvez eles acabem descobrindo um sentimento muito maior e muito mais poderoso que a paixão.

OPINIÃO

Eu nem tenho palavras pra dizer o quanto eu amei essa história. Sarah MacLean tem esse dom de criar enredos lindos que nos fazem rir, chorar, suspirar e se apaixonar muito.

A Juliana é a melhor das três protagonistas dessa trilogia e uma das melhores de todos os romances de época que eu já li. Ela é muito forte, desafiadora e ao mesmo tempo, doce, maluquinha e divertida. Já o duque me fez muita raiva, aliás, desde o primeiro livro ele me faz raiva, mas a Juliana colocou ele nos eixos direitinho

Amei também que os protagonistas dos primeiros livros apareceram bastante. Achei lindo o cuidado dos irmãos da Juliana com ela, eles conseguiram me conquistar ainda mais.

E o enredo tem aquele diferencial que nos faz refletir sobre o que é realmente importante na vida, que reputações imaculadas não se comparam ao amor e à felicidade.

Enfim, amei muito esse livro. Nem acredito que já terminou a história dessa família que tanto me conquistou.

site: https://www.instagram.com/p/BVa0raSg1S8/?tagged=resenhascp
comentários(0)comente



ELB 18/11/2017

Apaixonante!
Para quem esperava com ansiedade a história de Juliana Fiori, aqui a temos, no encerramento da Trilogia os Números do amor, de Sarah MacLean.

Para quem acompanha a história, sabe que Juliana é a irmã do Marquês de Ralston, Gabriel St. John, personagem do primeiro livro da trilogia (resenha aqui), que se surpreende, junto com seu irmão gêmeo, Nick, nosso personagem do segundo livro (resenha aqui), com a chegada dessa bela morena italiana, fruto do relacionamento de sua escandalosa mãe com um mercador, que acabara de falecer, deixando-a orfã e sem ninguém, já que a mãe deles, mais uma vez, decidiu viver suas aventuras pelo mundo, pouco se importando se tinha uma filha.

Como a família está bem acostumada a escândalos, e como irmãos, logicamente decidem incluí-la na conservadora sociedade londrina, visando um bom casamento para a jovem, o que contraria a impetuosa Juliana, que não está acostumado a tanto conservadorismo e se nega terminantemente a casar só para ter uma boa reputação.

Ao contrário de Juliana, Simon Pearson, o Duque de Leigthon, preza as aparências acima de tudo. Seu nome e o de sua família tem que estar acima de tudo, e ele vive sua vida de acordo com isso. Não é à toa que é conhecido como o Duque do Desdém, por demonstrar desprezo àquilo que não é convencional, que julga indigno. Então, mesmo que Simon tenha sentido um enorme fascínio por uma misteriosa morena que ele conheceu casualmente, não hesita em manter distância quando finalmente conhece suas origens, decide se afastar de Juliana para que essa atração seja contida.

A obsessão de Simon para manter as aparências aumenta quando sua família está prestes a sofrer as consequências de um escândalo. Assim, ele se empenha em frequentar a sociedade mais ativamente, em busca de um casamento com uma moça de linhagem perfeita, acima de qualquer escândalo, baseando-se somente que o casamento é um acordo de negócios para cumprir as normas sociais e as exigências do seu título.

No entanto, Juliana não esquece que aquele Duque empertigado a fez sentir um pequeno gosto de paixão e ansiar por algo com um homem como nunca antes aconteceu. E está disposta a desafiar Simon para quebrar toda sua frieza e mostrar que a vida também é construída e guiada sobre emoções, e que ela está além da lógica e da necessidade de ter um status social impecável para satisfazer as aparências. Dessa forma, ela não hesita em provocá-lo, acenando com a paixão e emoção que os dois poderiam provar juntos, de forma a destituí-lo de todo conservadorismo com o qual ele rege a sua vida. Porém, ela, que se achava uma mestra em seu desafio, não estava preparada para ser pega na sua própria armadilha.

Paixão. Ela o desafiara a descobrir a emoção, mas não estava, ela própria, preparada para descobri-la.

O caminho que Simon traçara para a vida dele não tinha desvios, principalmente um que poderia levá-lo a um mundo desconhecido no qual poderia se perder em meio ao prazer e as fortes sensações que Juliana lhe provocava. E embora ela preenchesse algo dentro de si, que até então ele não sabia estar vazio, ele precisava evitar a jovem cheia de charme e inteligência que o encantava ao mesmo tempo que o fazia desejar por algo que não podia ter.

– Você é um escândalo esperando para acontecer... Um escândalo do qual não posso me dar ao luxo de participar – acrescentou ele.

Sabe aquele livro que você espera com uma ansiedade absurda e quando finalmente o lê, ele supre todas as suas expectativas e você fica deprimida porque acabou? Pois bem, esse é o livro!

A história do livro é apaixonante! Retrata a guerra interna dos personagens entre o convencional, o que é aceito pela maioria, com o que é necessário para ser feliz, algo que vai além das aparências e de sua importância. Para isso, os personagens não poderiam ser mais diferentes entre si, mas são duas peças diferentes que se encaixam uma na outra.

Desde o primeiro livro, Juliana já nos acenava com a promessa de uma protagonista marcante, cheia de personalidade e carisma, e realmente a autora não deixou a desejar em sua história: cativante, cheia de ideias próprias e com uma aura de independência apaixonante. Mas a característica principal que chama realmente a atenção e cativa o leitor é a força da sua personalidade, que a faz enfrentar de cabeça erguida os desafios de uma sociedade esnobe que só liga para as aparências. Como sempre, Sarah MacLean cria um personagem feminino que representa de forma sutil os anseios da voz feminina em ter mais espaço em seu meio social.

E quem não antipatizou com Simon nos livros anteriores jogue a primeira pedra! E quem se apaixonou por ele agora, declare seu amor sem vergonha nenhuma! Quem diria que um personagem tão frio e cheio de desdém poderia de transformar em alguém tão apaixonado e cheio de sentimentos? A autora soube conduzir perfeitamente a sua história, de forma a vermos mudanças graduais, de acordo com o nascimento de uma consciência maior do personagem sobre os próprios sentimentos e o dos outros, principalmente os que motivaram comportamentos condenáveis aos seus olhos. No fim, ele se transformou em um personagem apaixonante, do tipo que amamos ler.

Sobre a narrativa do livro, ela é envolvente e dinâmica, com diálogos inteligente e engraçados, o que, creio eu, são elementos fundamentais para envolver o leitor na leitura. Aliás, Sarah tem essa habilidade na sua escrita, onde suas discrições tornam a história mais viva, e é algo que amo nela e o que me faz envolver cada vez mais por seus livros.

Fechando a trilogia com chave de ouro, temos um livro que realmente nos arrebata: humor, paixão e sensualidade se misturam para nos presentear com um romance apaixonante que nos passa uma mensagem simples, mas certa: o que vale as aparências, se o amor não liga para as convenções sociais e títulos de nobreza?

site: http://www.everylittlebook.com.br/2017/06/resenha-onze-leis-cumprir-na-hora-de.html
comentários(0)comente



Aione 11/11/2017

Onze leis a cumprir na hora de seduzir fecha a trilogia de época Os Números do Amor de Sarah MacLean, dessa vez, trazendo Juliana Fiori no papel principal – meia-irmã dos protagonistas gêmeos dos dois primeiros livros.

Juliana é acompanhada do escândalo desde que chegou à sociedade britânica. Italiana e filha de um comerciante, a jovem estonteante não consegue se livrar das fofocas: seus hábitos nada britânicos chamam demais a atenção, além da fama de sua mãe a preceder, já que a mulher primeiro abandonou os dois meio-irmãos de Juliana para depois também abandoná-la. Ela tanto não consegue passar despercebida, que acaba chamando a atenção de um duque, conhecido por sua frieza e moral inquestionável. Seria ele capaz de resistir a ela em nome do cumprimento das regras sociais?

Assim como nos primeiros livros, a escrita ágil e divertida de Sarah MacLean permite um rápido envolvimento com a trama, sobretudo nas passagens com diálogos espirituosos trocados entre os personagens. Ainda, a narrativa em terceira pessoa permite que acompanhemos as perspectivas tanto de Juliana quanto do duque, ambas carregadas de paixão e da tensão sensual surgida entre eles.

Onze leis a cumprir na hora de seduzir inova ao trazer, dessa vez, o mocinho mais preocupado com sua reputação do que a mocinha, quando o inverso costuma ser a regra em obras do gênero. É esse diferencial que torna o livro mais divertido, ainda que não tenha sido o que mais me agradou na leitura. Como Juliana sofre pelas marcas que sua mãe deixou em sua vida, ela também se preocupa em ser parecida com ela, sendo tal preocupação intensificada pelos constantes escândalos nos quais ela se envolve. Dessa maneira, o livro trata também da questão da autodescoberta e de uma personagem se libertando de seus fantasmas em prol de si mesma.

E o romance, é claro, rouba a cena em Onze leis a cumprir na hora de seduzir. É por meio dele que o protagonista também passa por seu processo de amadurecimento, no caso, descobrindo sobre o que realmente vale a pena ser valorizado em sua vida. Não é só emocionante acompanhar essa transformação como também ela nos proporciona nos apaixonarmos ainda mais pelo casal: nos apaixonamos por eles e juntamente deles.

Meu favorito da série Os Números do Amor continua sendo o primeiro volume. Nem por isso Onze leis a cumprir na hora de seduzir deixa de ser uma leitura agradável, leve e divertida, principalmente por suas personagens cativantes e pelo romance apaixonante. Mais uma boa recomendação aos fãs do gênero!

site: http://minhavidaliteraria.com.br/2017/11/01/resenha-onze-leis-cumprir-na-hora-de-seduzir-sarah-maclean/
comentários(0)comente



Grazy Souza 08/11/2017

Romance ''para chamar de meu'' do amor <3
Finalmente pus as mãos e olhos nesse desfecho maravilhoso d'Os Números do Amor. Sarah MacLean narra com maestria a história da apaixonante Juliana Fiori, meia-irmã italiana dos meus queridos gêmeos St Clair. Eu sou totalmente apaixonada pela história do Gabriel com a Calllie (Nove regras a ignorar antes de se apaixonar), adorei ver Nick e Isabel se encontrando (Dez formas de fazer um coração se derreter) e agora estou arrebatada pela saga da srta Fiori, um escândalo ambulante, não exatamente por culpa dela.
18983240_1321447231307201_1592402477_n
O enredo foi muito bem pensado para deixar vários aspectos de ambos protagonistas aparecerem e há uma grande surpresa no meio da história, para deixar tudo ainda mais difícil, claro. A narrativa é rápida, com vários eventos acontecendo em seguida do outro, o que deixou a leitura mais dinâmica. Sobre isso, aliás, preciso comentar que a tradução do título deixou a desejar: Eleven scandals to start to win a Duke's heart (Onze escândalos a começar para o coração de um duque ganhar) combina bem mais com a trama.

Mais uma vez temos uma mocinha forte, que não se curva às regras idiotas da sociedade e ensina ao homem - o mais orgulhoso de todos - que a paixão supera a reputação. Ela me lembra muito a Sophie, de Cilada para um marquês (que é outro dos meus queridinhos) e o Duque de Leighton, Simon, tem o mesmo nome e lembra muito outro duque que é meu crush literário: Simon Basset, Duque de Hastings, de O Duque e Eu (Os Bridgertons #1). Não é surpresa nenhuma para mim, então, que esse livro tenha se tornado outro amorzinho meu.

Veja mais no link

site: http://www.sagaliteraria.com.br/2017/06/resenha-268-onze-leis-cumprir-na-hora.html
Mari Soares 07/01/2018minha estante
Como pode? Tbm amo os duques Simons ? !! E Sophie , primeira das irmãs perigosas já me cativou ??


Grazy Souza 15/01/2018minha estante
Nééé *-*




Adriana 28/10/2017

Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir de Sarah MacLean
Juliana é uma jovem encantadora, porem com uma tendencia à se meter em confusões.
Sua própria chegada em Londres foi um verdadeiro escândalo, já que ela é filha da Marquesa que abandonou a família em busca de aventura e acabou se envolvendo com um mercador italiano.
"Ela quis mais do que podia ter.
Ela o quis, e mais do que isso…ela quis que ele a quisesse.
Em nome de algo maior do que a tradição, mais ousado do que a reputação, mais importante do que um título tolo."
Com a morte de seu pai, uma das clausulas do testamento era que ela fosse levada para morar com seus irmão por parte de mãe em Londres. Inicialmente Juliana achava que seria enxotada de lá, por ser parte do passado vergonhoso de sua mãe. Mas para sua surpresa ela é muito bem recebida pelos irmãos gêmeos Gabriel St. John o marquês de Ralston e Nick St. Jonh. E claro, que depois de muita discussão ela se convence a permanecer em Londres.

Em seus primeiros meses na nova residencia, Juliane vai a livraria comprar um presente para Gabriel e lá ela encontra um lindo e misterioso cavalheiro. Os dois se encantam um pelo outro. Porem depois de mais algumas idas e vindas, o cavalheiro em questão descobre sua identidade e a repele como se ela tivesse uma doença contagiosa. E a julga ser a maior dos escândalos de toda à Londres, isto é, tudo que ele não quer e não precisa. Porem Juliana faz disso um verdadeiro desafio.
"A garota era vulgar e impossível, era tudo o que ele não conseguia suportar em uma mulher.
Mas era fascinante."
Simon Pearson, o Duque de Leighton. é um homem arrogante e intolerante, que esta passando por um momento de medidas desesperadas, logo ele que tem pavor de escândalo se vê envolvido com duas pessoas que podem ser sua ruína. Primeiro sua irmã, que se envolvem com alguém que ela se recusa a dizer quem é, fugiu e no momento está gravida e com a data próxima do parto. E quando a sociedade londrina souber desse fato sua família e sua reputação estarão arruinados.
E por esse motivo ele precisa se casar com uma dama de reputação impecável.
"…você é linda e brilhante e ousada e tão apaixonada pela vida e pelo amor e por todas essas coisas nas quais acredita. E você me ensinou que tudo que acredito, tudo o que achei que queria, tudo o que pensei que deveria apoiar…tudo…é errado. Eu quero sua versão da vida…"
A outra pessoa é Juliana. Desde que se conheceram ele se encantou pela doce, linda e misteriosa dama. Isso até ele descobrir que ela é a recém chegada e escandalosa irmã do também escandaloso Marquês de Ralston. E apesar de dever muito favor a Nick St Jonh o que ele mais quer é distancia desta família.
Mas as circunstancias e o destino tem um jeito estranho e único de conduzir as coisa, e nem sempre é do jeito que desejamos.

A escrita da Sarah Maclean é maravilhosa, e Juliana é uma personagem fantástica e carismática.
Mas o Simon, meu Deus que homem insuportável. Eu gostaria que ele tivesse se rastejado muito para conquistar a Juliana. E apesar do final lindo do livro, eu esperava um pouco mais.

site: www.meupassatempoblablabla.com
comentários(0)comente



Luiza 17/10/2017

Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir
Juliana Fiori, a meia irmã italiana de Gabriel e Nicholas St. John, é uma jovem impulsiva, que fala o que pensa e que não faz muita questão de ter a aprovação da sociedade em que foi jogada após a morte do pai.

Desde que desembarcou no país, sua natureza escandalosa e sua beleza estonteante (além da história de sua família) a colocam constantemente como assunto das fofocas, mesmo quando ela se esforça para controlar-se e/ou não se envolver em alguma situação que possa comprometer sua família.

Mas suas intensões de não participar de escândalos sempre para quando Juliana encontra Simon Pearson, o magnifico e desdenhoso duque de Leighton.

O poderoso nobre orgulha-se de sua origem e defende seu título com unhas e dentes sem se importar com quem atropela no caminho. Arrogante e perfeitamente chamado de "o duque do desdém", Simon viveu sua vida como se coisas como o amizade, amor e paixão fossem apenas para pessoas comuns,, e não para ele, um duque.

Para Simon, Juliana é um escândalo ambulante e, por isso mesmo, ela decide provar a ele que qualquer um (até mesmo o "duque do desdém") precisa se render às emoções de vez em quando.

O jogo é uma corda bamba, e Juliana sabe que, se perder, é ela quem sairá arruinada e machucada. Mas ela sabe também que Simon pode ser muito mais do que ele foi criado para ser.

De todos os livros da trilogia, Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir é o que mais aparece como favorito entre o meu grupo de aficionadas por romances de época, e não é pra menos. Simon não faz o tipo cafajeste a que gostamos tanto, mas foi justamente essa troca de papeis (a protagonista feminina tentando "desvirtuar" o protagonista masculino) que deu destaque ao romance.

Adorei tudo! Personagens, construção da trama, desfecho, tudo perfeito!

site: http://www.oslivrosdebela.com/2017/10/onze-leis-cumprir-na-hora-de-seduzir-sarah-maclean.html
comentários(0)comente



74 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5