Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir

Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir Sarah MacLean




Resenhas - ----


83 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


La Oliphant 01/06/2018

É com tristeza no coração que eu venho dizer que cheguei no último livro da série Os Números do Amor e, apesar de Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir ter sido uma das minhas melhores experiências literárias com romances de época que eu já tive, o livro terminou com a aquela sensação de quero mais. Quero mais desses personagens, quero mais da Sarah MacLean. Se você ainda não está convencido de que Sarah é a melhor autora para você começar a conhecer esse gênero, então é possível dizer que o mundo está realmente perdido.

Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir vai contar, finalmente, a história da Juliana Fiori, personagem que conhecemos no primeiro livro dessa série. Juliana é italiana e recentemente descobriu que é meia irmã do Marquês de Raslton e seu irmão gêmeo, Nicholas St. John. Mas Juliana não foi criada como uma aristocrata, ela é apenas a filha de um comerciante e de uma mãe com o histórico de abandonar seus filhos. Por isso, quando apresentada a sociedade britânica, sua presença não é muito bem aceita, e os escândalos causados por ela e sua personalidade ousada e impulsiva, não ajudam muito a sua causa.

Uma das pessoas mais resistentes a presença de Juliana é Simon Pearson, também conhecido como duque de Leighton. Simon é de uma família impecável e sem escândalos e, para ele, a presença de Juliana na sociedade é simplesmente uma afronta aos bons costumes. Porém, nem mesmo ele poderia resistir aos encantos da jovem italiana. A pedido de seu amigo, o Marquês de Raslton, Simon acaba tomando para si a responsabilidade de manter os olhos em Juliana, garantindo que ela não se envolva em mais escândalos. Porém, quanto mais próximo ele fica da jovem, mais difícil é negar a tração que existe entre eles.

Eu não sei nem por onde eu começo a dizer o quão maravilhoso é esse livro, sério! Quando eu achei que Sarah MacLean não conseguiria se superar com seus personagens, ela me cria Juliana e Simon, que são duas pessoas completamente diferentes, mas que juntas formam o melhor OTP que qualquer leitor poderia querer. Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir tem um enredo bastante fora da caixa, onde é a nossa heroína que está disposta a tudo para conquistar o homem pelo qual está apaixonada. Ver Juliana flertar com Simon sem nenhum pudor foi a melhor cena de empoderamento feminino que eu poderia querer, afinal, porque eles podem e elas não, não é mesmo?!

Sarah MacLean criou um enredo onde os personagens não se limitam por causa das regras sociais. Eu gostei muito dela ter construído uma história para mostrar que nós mesmo somos responsáveis por aquilo não conseguimos e que, às vezes, não há mal nenhum em querer o que todo mundo diz que não deveríamos. Afinal, ninguém sabe o que é melhor para nós, do que nós mesmo. E Sarah mostra isso muito bem em Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir, com uma heroína que não se deixa levar pelas regras impostas a ela e por um herói que começa a se desprender das amarras da sociedade e entender a própria vida de uma forma completamente diferente.

Estou completamente apaixonada por Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir, de verdade. E eu sei que eu já li todo o tipo de enredo clichê de romances de época e que muitos deles sempre acabam da mesma forma. Mas a graça dos livros da Sarah MacLean é que, mesmo eu sabendo que tudo vai dar certo no final, eu não sei como exatamente isso vai acontecer. E esse é o trufo da Sarah. Onze Leis a Cumprir Na Hora de Seduzir é recheado de cenas inusitadas, reviravoltas inesperadas e diálogos apaixonantes capazes de fazer qualquer leitor ficar de quatro por esse livro.

Juliana e Simon são um casal poderoso quando estão juntos. Vindos de mundos completamente diferentes, eles encontraram um no outro uma forma de se completarem. Eles não precisam um do outro, mas eles querem um ao outro. E a forma como eles encontram para superar as diferenças e viver o sentimento que existe entre eles é simplesmente maravilhoso. Sarah MacLean realmente conseguiu se superar construindo esse romance, principalmente por que o leitor consegue sentir o quão real é o sentimento entre aqueles personagens.

Se você ainda não correu para colocar a série Os Números do Amor na estante, eu realmente não sei mais o que fazer com você. Sarah MacLean tem uma escrita surpreende, personagens apaixonantes e enredos que conseguem conquistar todo o tipo de leitor. Eu realmente fico me perguntando como é que eu pude demorar tanto tempo para dar uma chance a autora. Mal posso esperar que outras séries dela sejam lançadas no Brasil já que, oficialmente, ela se tornou uma das minhas autoras favoritas.

site: https://www.laoliphant.com.br/resenhas/resenha-onze-leis-cumprir-hora-seduzir-sarah-maclean
comentários(0)comente



Isabela.Lopes 19/05/2018

Achei bem fraquinho
Este é o primeiro que leio da série inteira. Já havia lido algumas resenhas dizendo que este era o mais fraco, e tenho que concordar(mesmo não tendo lido os anteriores). Demorou muito para acontecer algo importante e a atração dos protagonistas era muito mais física do que sentimental. Faltou uma conexão entre os protagonistas, uma identificação um com o outro.
Mandy 22/05/2018minha estante
AAHH e pq vc já começou logo por esse? kkkkk Comece pelo início! A história faria muito mais sentido e vc curtiria bem mais! Essa série é ótima, compensa muito ler ela inteira!


Isabela.Lopes 24/05/2018minha estante
Depois que fui ver que esse era o último. Mas mesmo assim não queria parar de lê-lo. Apesar disso, lerei os outros da série.




PorEssasPáginas 15/05/2018

(...)
Simon é um personagem bastante arrogante – e foi assim durante a série toda. Ele faz de tudo para proteger o nome dos Leighton e também proteger sua família, mais propriamente, sua irmã. Mesmo tentando agir pelo bem de sua família, Simon não consegue parar de pensar em Juliana e fica cada vez mais difícil negar seus sentimentos. Ainda mais quando ele percebe que ela não tem culpa de ter nascido em decorrência de um escândalo.

Juliana, com seu temperamento despojado e não conseguir segurar a língua, tenta se comportar diante da sociedade, principalmente pelo bem de seus irmãos. Porém, ela parece ter um alvo gigante em suas costas para atrair confusão! E, convenientemente, ou não, Simon aparece para salvar o dia – ou piorar a situação, depende do ponto de vista. Ela não entende como os ingleses se obrigam a ser tão insossos quando o assunto é o amor, tanto que coloca Simon no limite para tentar provar que ele e a aristocracia estão errados.

Esse terceiro livro da série gerou mais uma série, O Clube dos Canalhas, lançado no Brasil por outra editora. Eu já li todos os livros dessa segunda série, inclusive antes de ler este livro, mas decidi resenhá-los apenas quando essa última resenha fosse publicada.

Achei a história bem desenvolvida, porém, meu livro favorito da série será sempre o primeiro. Com Juliana e Simon, a história continua romântica, com suas doses de sensualidade, mas achei que eles demoraram um pouco para entenderem como eles mesmos se sentiam, sendo turrões demais para assumirem seus sentimentos. Os demais personagens dos livros anteriores também aparecem e sua participação também é muito importante. A linguagem continua fluida e leve, você lê e não quer mais parar. No geral, a série é muito boa e vale a pena a leitura para quem é fã de romances de época.

Senti falta de uma história sobre Benedict, o irmão da Callie, protagonista do primeiro livro. Acho que ele merecia um romance só dele. Se a autora escreveu, não foi lançado aqui.

***Resenha completa no blog***

site: http://poressaspaginas.com/resenha-onze-leis-a-cumprir-na-hora-de-seduzir
comentários(0)comente



Eduarda 17/04/2018

Suspiros incontáveis!
É durante um baile na casa do Marquês de Ralston, que por sinal é seu irmão, que Juliana Fiori quase se vê no meio de um escândalo com lorde Grabeham. Tentando escapar, ela corre para dentro da primeira carruagem que vê. E qual não é sua surpresa ao perceber que se encontra no veículo de Simon Pearson, o odioso duque de Leighton?

Mesmo que no passado algo quase tenha existido entre eles, agora tudo mudou e os dois trocam farpas cada vez que se encontram. Durante essa discussão em particular, Juliana decide que está na hora de alguém ensinar uma lição a esse duque engomadinho e aposta com ele que em duas semanas irá convencê-lo de que não se pode fugir da paixão.

Esse é o último livro da trilogia Os Números do Amor, da Sarah MacLean. Não resenhei os anteriores aqui (e nem pretendo) porque pra ser honesta não curti muito eles. Mas isso não é um problema, visto que você pode ler tranquilamente fora da ordem, já que se trata de uma série não-contínua. Os protagonistas da trilogia são os irmãos Gabriel (Nove Regras a Ignorar Antes de se Apaixonar), Nick (Dez Formas de Fazer um Coração se Derreter) e Juliana.

Não sei por que demorei tanto pra ler esse! Acho que fiquei com medo de me decepcionar, justamente porque a sinopse prometia uma história arrebatadora! Mas nesse caso essa promessa se cumpriu. Que delícia de romance!

Juliana e Simon têm uma química explosiva e, juro, a gente fica de pernas bambas só de ler! Para desespero do duque, cada vez que se encontram sua reputação impecável, que é tudo para ele, se vê em perigo. É claro que Juliana não está nem aí, já que ela só liga para viver o momento intensamente. Os dois são como água e óleo, mas por alguma razão parece que não conseguem ficar longe um do outro. Simon simplesmente não entende como essa garota, que representa tudo o que ele sempre condenou, pode deixá-lo tão descontrolado. É muito fofo acompanhar o tão comedido duque de Leighton aos poucos enxergando que existem coisas que importam mais do que as aparências.

Sarah MacLean já é uma autora consagrada de romances de época e, com seus diálogos perspicazes e um romance que toca o coração, ela com certeza vai “seduzir” você também!

site: https://www.cafeidilico.com/2018/04/onze-leis-cumprir-na-hora-de-seduzir.html
comentários(0)comente



Cris Paiva 16/04/2018

Juliana é a meio-irmã italiana dos dois mocinhos dos livros anteriores e carrega o fardo de ser a filha de uma mulher adúltera e sem moral, que abandonou o marido e os filhos para fugir com o amante. E apesar dela não ter nada com isso, acaba pagando pelos pecados da mãe, e não é bem aceita pela sociedade inglesa, altamente moralista e hipócrita, que acredita que Juliana é um escândalo só por existir.
Bom, como todos acreditam que ela é escandalosa e sem moral nenhuma, mesmo que ela não tenha feito nada para ganhar essa fama, Juliana não vê problema nenhum em arrumar mais alguns problemas provocando Simon, um duque daqueles bem empertigadinho e todo cheio de não me toques. E o duque decide mostrar a ela como se comportar, e os dois entram numa guerra de vontades.

O embate do casal me divertiu, mas o romance não me convenceu. Achei que os dois estavam interessados em provar que cada um tinha mais razão do que o outro, que realmente interessados na outra pessoa. Acho que da série esse foi o mais fraquinho, mas se faltou uma pitada de romance, pelos menos sobrou diversão.
comentários(0)comente



Célia 15/04/2018

De todos os 3 volumes esse sem dúvida foi o que menos gostei
E vou dizer porquê. Provavelmente fiquei muito influenciada por ter lido a série Clube dos Canalhas antes e conhecer Lady Penélope.

Não sei se coloco spoiler ou não, pois não entrego exatamente toda a história do livro, mas acho q todo mundo que lê esse tipo de romance meio q sabe como vai terminar, só não sabe como vai se desenrolar a história até terminar.

Tanto Juliana com sua impetuosidade quanto o Duque de Leighton com seu desprezo, não me convenceram em momento algum.
Tipo, o cara era um babaca que achava (como todos da alta sociedade) q pessoas mal nascidas não passavam de lixo. Ela só era mais uma beleza de olhos azuis e cabelos negros, do tipo que só atrai pela aparência. Não consegui simpatizar com nenhum dos dois. E pra mim a relação deles era 100% atração física. Nenhum dos dois demonstraram características que fizessem com q se apaixonassem. Os dois só eram lindos, mas em termos de conteúdo...

Do nada Juliana diz q ama o duque, mas ela mesma não sabe dizer uma qualidade dele. E ele também fala que a ama, mas só pensa em levá-la pra cama. Só lá nas últimas páginas do livro ele se da conta de que a "ama", mas ele nem é homem de tomar essa decisão sozinho. Ele teve o empirrãozinho da irmã, que aliás ele abandonou no campo para dar a luz ao filho ilegítimo dela sozinha contando com a caridade da Casa de Minerva (como mostra no segundo volume da série)
Fiquei com muita pena da Penélope que se fodeu, porque o lindo Conde de Leighton teve o seu final feliz e ela ficou a margem da cândida Sociedade Inglesa da época.

Definitivamente não gostei desse livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Iris 23/03/2018

Maravilhoso!!
Oi Povo, tudo bem?
“Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir” é o último livro da trilogia “Os números do Amor”, da autora Sarah MacLean, lançados pela Editora Arqueiro. Essa série foi uma grande surpresa, pois de um livro para o outro a autora evoluiu muito. O Segundo volume (Dez formas de fazer um coração se derreter) da série já estava na lista de favoritos, mas esse último merece um mais que favorito!! Hahaahaha

Quer conhecer os outro livros da série?
Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar e
Dez formas de fazer um coração se derreter

Juliana Fiori é uma jovem italiana que está vivendo na Inglaterra com seus irmãos Gabriel e Nick, depois que seu pai faleceu. Ela é meia irmã deles por parte de mãe, uma parte que nenhum dos três gosta, já que a mãe abandonou ambos. Desde que chegou naquele país ela vem enfrentando diversos problemas que são considerados super escândalos pela a aristocracia Inglesa. Juliana, tenta se adaptar, mas é quase impossível visto que sua beleza ofuscar as damas inglesa, para piorar ela é super inteligente e não tem papas nas língua.

O duque Leigthon é mais conhecido como “duque do desdém”, devido ao fato de só se importar com seu título e como sua reputação. Odeia escândalos e acha que quem participa deles é um “ser inferior”. Ele conheceu Juliana durante uma visita a uma livraria e ali ele ficou completamente encantado e ainda sonhou que ela poderia ser uma princesa italiana, que está na Inglaterra a passeio. Mas o sonho dele durou pouco, pois quando ele descobriu a verdadeira identidade dela, fez questão de mostrar que Juliana era uma ninguém e não deveria manter contato com o poderoso duque Leigthon.

“A voz dele estava calma e firme, como se tivesse tido essa conversa inúmeras vezes antes e ela não passasse de uma pequena inconveniência - uma mosca em seu creme de lagosta tépido e mal temperado, ou que quer que os esnobes aristocratas britânicos consumissem com suas colheres de ouro.” Pág: 16.
Por uma peça do destino ambos acabam frente a frente de novo e Juliana propõe uma aposta, ela conseguiria fazê-lo sentir paixão e assim mostraria a ele como viver. Ele louco de raiva com a audácia da italiana resolve aceitar para dar uma lição, afinal a reputação sempre deve estar em primeiro lugar. É assim que se desenrola a história dos dois, o que mais surpreendeu na leitura foi a personalidade de Juliana. Sarah conseguiu fazer uma mocinha completamente diferente de todos os romances de época que já li. Não posso deixar de falar de Simon, achei lindo a maneira que ele despertou para os sentimentos. Confesso, que devorei o livro e que fiquei com vontade de ler de novo e de novo!! Rsrs

Abaixo tem um dos quotes que mais curti, estou colocando só para vocês terem noção de como Juliana é diferente!!
“— Você acha que está acima da paixão? Acha que seu mundo perfeito não precisa nada além de regras rígidas e experiência sem emoção?” Pág: 55.
Durante a leitura acompanhamos como estão vivendo os casais Gabriel e Callie, protagonistas do primeiro livro, e Nick e Isabel do segundo. Amei revê-los e o ponto alto foi saber que os “meninos” continuaram “amadurecendo” com ajuda de suas esposas. Um dos pontos fortes de Sarah é que ela escreve sobre mulher incríveis, suas mocinhas nunca são fracas ou ficam esperando o seus heróis para salvá-lás. Para ficar ainda melhor no último volume temos uma visita inesperada que nos faz entender muita coisa da personalidade do nosso querido trio de irmãos. Com isso posso dizer que a série “Os números do Amor” fechou com chave de ouro e que é obrigatória para todos que são apaixonados por romances de época.

site: http://www.fadasliterarias.com.br/2018/01/onze-leis-cumprir-na-hora-de-seduzir.html
comentários(0)comente



Dessa_csn 19/02/2018

Ai gente, sei lá, se eu falar só que foi uma decepção fica bom? Rs.

Comecei a ler i livro super empolgada né, afinal, Juliana e Simon já tinham tido o primeiro encontro deles no primeiro livro e foi fofo! No segundo encontro, quando Juliana comparece ao primeiro baile dela, Simon e mãe dele fazem bullying com ela e Callie defende. Ai você pensa o que? Vamos ver como ele vai superar todo esse ranço que ele sente por pessoas que não pertencem a aristocracia. Não que o livro não seja isso, lógico que é, porque se não, como eles ficariam juntos no final?

As primeiras páginas são ótimas! No primeiro encontro deles nesse livro, ele demonstra todo essa indiferença que foi criado para sentir de pessoas como ela. E ai vão tendo umas passagens de quando eles se conheceram e ele se encantou por ela, e como ela conseguiu não dizer quem era para ele, pois isso estragaria tudo. Depois que ele descobre quem é Juliana de verdade, passa a trata-la super mal e jogar na cara dela toda hora que ela um escândalo ambulante e ela na dele que ele era um cara frio e impassível. Até ai eu estava gostando, mas eis que Juliana faz uma aposta com Simon, ela quer duas semanas para provar que fazer as coisas com paixão é muito melhor. Sério?! Achei forçada essa “aposta” e uma pouco desnecessária. Não sei se a escritora queria fazer algo diferente de alguns livros que eu mesmo tenho em casa, tem resenha até aqui no blog. O homem é o exemplo da aristocracia e a mulher tudo que a dama não deve fazer. Dai, pra dizer que tem algo a mais na historia, enfiou a tal da aposta. Não seria melhor o casal que se apaixona perdidamente mesmo sendo tão diferentes e que não conseguem ficar longe um do outro? Me esforcei pra terminar de ler, não aguentava mais e parecia que o livro nunca acabava.

O que mais gostei desse livro? Penélope, sem sombra de dúvidas e ela nem aparece muito.


Conheça o meu blog, e encontre outras resenhas! https://nadafutil.net/
comentários(0)comente



Minha Velha Estante 15/02/2018

Resenha da Mylena Suarez
Juliana Fiori é um ímã para escândalos, já começando por sua mãe que, antes de casar com seu pai, abandonou marido e filhos na Inglaterra, uma família que Juliana nem ao menos sabia que existia até seu pai morrer e ela ser enviada para ficar com seu meio-irmão. Essa italiana de sangue quente, provocante e divertida já chega chegando em Londres. Onde quer que vá, ela causa alvoroço e, em sua primeira temporada londrina, atrai nada mais nada menos que o Conde do Desdem.

Simon ou Conde Leighton é conhecido por todos com uma pessoa fria e superior que sempre zelou por sua reputação e se manteve impecável até... bem, até conhecer a bela Juliana.

“Ela ouvira dizer que ele selecionava seus criados pela discrição, suas amantes pela ausência de emoção e seus amigos... bem, não havia indicação de que ele fosse se rebaixar a algo tão comum quanto amizade.”


Simon foi criado para cumprir suas responsabilidades e não se misturar com gente escandalosa, quando conhece Juliana, ele não sabia ao certo de quem ela era filha e, ao descobrir, a despreza, fazendo a garota se sentir desafiada a provar a ele como mesmo um conde sem coração não pode viver sem emoção.

É essa jornada de brigas ao melhor estilo gata e rato que vamos acompanhar em Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir. O casal vai viver às turras boa parte do livro e quando não estão brigando estão pegando fogo .

Mesmo Simon mostrando a Juliana qual o seu lugar na sociedade aristocrática, sempre que pode a italiana faz algo para chamar sua atenção e obviamente acaba causando mais comoção.

“ Aqui nada ganhava da sagrada trindade: tradição, reputação e título.E para alguém como ela – que não reivindicava nenhum dos três -, alguém como ele - que possuia todos os três como direito casual- estava completa e inegavelmente fora de alcance.”

De início, não curti muito essa história dela ficar o tempo todo atrás dele, se humilhando só para ganhar um desafio mas, à medida em que a história avança, eles vão se conhecendo melhor e, aos poucos, um começa a perceber quem o outro realmente é e, no final, Simon se redime da melhor maneira. Destaque neste processo para os encontros calientes e para uma certa noite na fogueira que me fez apaixonar pelo casal.

Outro destaque que me fez tirar a implicância contra o livro foi a participação dos meio-irmãos de Juliana que, com suas esposas, trazem dinâmica, diálogos mordazes e muita ironia para a trama. Eles roubaram meu coração.

Não posso esquecer de falar do lindo-fofo-maravilhoso irmão de Callie, Benedick, que roubou a cena em todos os momentos em que apareceu. Já quero o livro dele como spin off.

Por favorzinho, Sarah Maclean...



A edição está belíssima, com folhas amareladas, papel com marca d’agua clássico no interior e com esta capa sedutora representando bem Juliana. Amei as chamadas de cada capítulo que acabavam preparando a minha pessoa para o que vinha pela frente.

Só acho que deveriam manter o título original de Onze Escândalos, pois explica melhor a trama que em nada mostra de onde surgiram essas onze leis hehehehe...

Enfim, super recomendo para os amantes de romance de época.

Beijos, Myl

site: http://www.minhavelhaestante.com.br/2017/06/livros-da-gata-onze-leis-cumprir-na.html
comentários(0)comente



Cacau Lacerda 23/01/2018

Nesse livro nós temos a história de Juliana. Ela foi abandonada pela mãe e após a morte do pai foi mandada pra viver com os irmãos na Inglaterra, o que nós vemos lá no primeiro livro. A sociedade a trata como um escândalo ambulante e ela é constantemente ofendida e excluída. Como protagonista masculino nós temos o Duque de Leighton, também conhecido como Duque do desdém, que lá no primeiro livro tinha ficado encantado com a beleza de Juliana e flertado com ela, até descobrir sua verdadeira origem. Ele não quer nenhum escândalo em sua vida e tenta a todo custo evitar Juliana.
-
É explicado durante o livro que o Simon tem seus motivos pra ser tão duro e exigente, ele foi criado pra carregar todo peso do seu título e não teve muito carinho ou paixão ao longo da vida, mas ele me irritou tremendamente com suas atitudes, ofendendo e diminuindo a Juliana em vários momentos. Eu só consegui gostar dele lá no final e ele até que se redimiu, mas ele não me encantou como os outros. Eu gostei da Juliana, da sua personalidade. E gostei bastante do final, quando os dois finalmente resolveram parar de bater cabeça e ignorar a opinião dos outros.
-
Também gostei muito da aparição dos personagens dos outros livros. A participação dos irmãos da Juliana e a amizade dela com a Mariana, irmã da Callie. Também foi bacana saber mais sobre o passado da Georgiana e da Penélope que são protagonistas de outra série da Sarah, o Clube dos Canalhas. Foi ótimo ver as histórias se interligarem, uma pena que na época que comprei não sabia que essa aqui vinha primeiro, pra poder ler na ordem.
-
Resumindo. Eu gostei do livro, mas não me encantou como os outros. Ficou faltando alguma coisa, o protagonista masculino me decepcionou um pouco, mas ainda assim é um bom livro e Sarah escreve muito bem.
-
"[...] você é linda e brilhante e ousada e tão apaixonada pela vida e pelo amor e por todas as coisas nas quais acredita. É você me ensinou que tudo que acredito, tudo o que achei que queria, tudo o que pensei que deveria apoiar... tudo... é errado. Eu quero sua versão da vida... "
comentários(0)comente



Suelen 17/01/2018

Conhecemos Juliana no primeiro livro da série quando ela entrou na vida dos irmãos de forma inesperada e sempre aguardei ansiosamente pelo lançamento do livro dela e não me decepcionei.

Em “Onze Leis a Cumprir na Hora de Seduzir“, Juliana Fiori é meio irmã dos gêmeos Gabriel e Nicholas (protagonistas dos livros anteriores caso alguém tenha esquecido ou não saiba), e como toda italiana estereotipada, ela é temperamental, espontânea, geniosa, ousada e parece que está sempre entrando nas mais estanhas confusões. Confusões estas que mancham mais ainda sua reputação, que já não é lá das melhores sendo filha de uma mulher que abandonou marido, filhos, fugiu para a Itália e casou com um mercador.

Em uma pequena passagem no primeiro livro, Juliana conhece Simon Pearson, o Duque de Leighton, um dos homens mais importantes da Inglaterra e que leva sua reputação e a da família em primeiro lugar. A primeira vista rola uma química irresistível entre os dois. Uma paixão instantânea, que é afastada por Leighton assim que ele descobre a origem de Juliana. O rapaz tem o carinhoso apelido de “Duque do Desdém” por ser frio, insensível, arrogante e orgulhoso.

Ainda sentindo os efeitos dos acontecimentos familiares do segundo livro, Simon se vê em uma situação complicada quando precisa arrumar uma noiva urgentemente para abafar qualquer vestígio de um escândalo. Sua noiva não pode ter uma personalidade parecida com a de Juliana. E Juliana o quer, mas quer que ele a queira pelo que ela é. Escândalos inclusos.

Ao mostrar frieza e que esqueceu qualquer envolvimento que eles possam ter tido algum dia, Juliana se irrita e o desafia a mostrá-lo que paixão pode prevalecer à reputação. Para ele, de um jeito bem arrogante, não resta dúvidas, a reputação sempre será importante. Juliana tem certeza que a vida seria muito sem graça sem amor e paixão. Após a aposta, Juliana se torna obstinada a provar a todo custo que Simon está errado, se metendo em mais escândalos, mesmo sem querer. Leighton, com a aposta começa a passar mais tempo na companhia de Juliana, tentando lutar contra a atração que sente por ela e evitar a todo custo manchar sua imagem impecável.

Uma das coisas que me deu um pouco de nervoso foi a insistência do Simon em querer sempre levar a sério demais o nome da família e as aparências, muitas vezes magoando Juliana. Se eu fosse ela, não perdoaria tão fácil. Mais um fator que me fez torcer loucamente para que ela ganhasse a aposta deles e o colocasse de joelhos como ela queria! Muitas vezes Juliana não se sente tão amada ou tem dúvidas sobre o seu lugar em sua família, ou na sociedade, que mesmo com todos os esforços de seu irmão, de sua cunhada e de sua melhor amiga, não estão tão solícitos a aceitarem-na nos meios sociais.

Sarah MacLean construiu duas personagens com conflitos pessoais que no decorrer do enredo foram se desenvolvendo e é bem nítido o crescimento do caráter dos dois ao entrelaçar os conflitos dos dois e mostrar a Juliana que não dá pra controlar tudo usando a paixão e a Simon que boa aparência e reputação não são tudo nessa vida. É um livro extremamente puxado para o lado social e o que a sociedade londrina daquela época esperava das pessoas.

Em resumo, esta é uma estória fascinante de duas pessoas de polos totalmente opostos, mas totalmente atraídas uma pela outra, que na verdade são dois corações solitários, marcados por erros de outras pessoas e que se encontram e se completam. Com vários diálogos ótimos, tiradas engraçadas e uma dinâmica maravilhosa entre os integrantes da família. Super recomendo a leitura.

Foi o final perfeito para a série. Fiquei inclusive com muita pena de terminar o livro, lendo bem devagar os últimos capítulos para atrasar o máximo o fim. Sugiro ler em ordem, pois tem bastante detalhe das obras anteriores, mas se você só quiser ler esse, tudo ok também.

site: http://up-brasil.net/livros/resenha-de-livro-onze-leis-a-cumprir-na-hora-de-seduzir-sarah-maclean/
comentários(0)comente



LuluhSH 27/12/2017

No terceiro e último livro desta série, temos como casal a meia-irmã de Gabriel e Nick, a italiana Juliana, e seu par é o temido Simon, Duque de Leighton.
Mais um casal que não me cativou. Aquela história de "não posso", "ela merece coisa melhor", "sou um duque, tenho deveres", não sei mais o quê, mas não se desgrudam. O Duque sempre sério e formal demais, sentia um conflito nele, mas mesmo assim as mudanças e a aproximação do casal não me convenceram muito, não senti que foi algo construído e que cresceu naturalmente, enfim. Quem leu o segundo livro, e mesmo neste, sabe que paira uma notícia no ar que pode manchar a linhagem dos Leighton, e nem recebendo ajuda, a realidade batendo na cara de Simon, ele descia do salto, baixava aquele nariz aristocrata hipócrita, e depois muda da água pro vinho sem muita sutileza, ao meu ver. Juliana, em alguns momentos, é meio boba, infantil, entendo que seja medo de todo aquele mundo novo, a insegurança de sua ascendência, mas por vezes parecia que ela nem tentava melhorar, nem pelos irmãos e cunhadas que a abraçaram sem nada questionar.
O que gostei no enredo foi todo o trabalho de expor o comportamento da sociedade, algo que até hoje se vê, e que me lembrou muito as obras de Jane Austen, que sempre apontava sobre isso. Pessoas que se acham melhores que as outras porque têm posição social, dinheiro ou seja lá o que mais. Toda a hipocrisia que está por trás de tanta pompa, as pessoas que se acham tão importantes, mas são mais rudes e grossas que muita gente considerada insignificante, por ser trabalhador, estrangeiro, homem ou mulher.
Mas, como disse, não foi um casal pelo qual eu tenha caído de amores, tanto que torci mesmo pra Juliana ficar com Benedikt, kkkkk. Esse me ganhou só pelo nome, mas ainda vem com o pacote completo de ser uma fofura! Algumas aparições poderiam ter sido mais acaloradas, pra dar mais um drama, não sei bem como explicar, porque, como sempre, não quero entregar partes da história. Diria: a duquesa-viúva e outra pessoa, descubram!
comentários(0)comente



Veruska 23/12/2017

Onze leis a cumprir na hora de seduzir
? Isabel Townsend se viu, aos 17 anos, com uma responsabilidade que não deveria ser sua: a administração da propriedade rural Townsend Park em que reside, cada vez mais empobrecida pela jogatina de seu pai, o Conde Perdulário.
Com o tempo, Isabel viu sua mãe morrer de desgosto e os empregados abandonarem o trabalho por falta de pagamento. E, mesmo assim, ela acolheu, ilegalmente, uma a uma, mulheres fugidas de uma vida de sofrimento - surgiu a Casa de Minerva.
Mas, passados os anos, com o falecimento de seu pai, Isabel se desespera em proteger suas garotas, antes que o novo tutor assuma a administração da propriedade e descubra a acolhida ilegal dessas mulheres.
A única opção é vender suas estátuas de mármore. E eis que surge o encantador Lorde Nicholas St. John, irmão do Marquês de Ralston e respeitado antiquário para catalogar e avaliar as estátuas.
Enquanto executa seu trabalho, Nick percebe que há algo diferente naquele lugar, comandado por uma mulher forte, arrebatadora e cheia segredos não revelados - bem diferente das damas afetadas da sociedade londrina.
À medida que se conhecem e descortinam um para o outro suas dores, seus medos e seus segredos, eles se entregam a uma paixão avassaladora, capaz de lhes resgatar a crença de que é possível ser feliz com amor.
É um enredo de paixão e desejo, mas também de cura da alma.
A trama se desenvolve em uma crescente expectativa e os capítulos finais - ah, os capítulos finais - são fantásticos!
Vale a pena a leitura.
comentários(0)comente



83 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6