A Casa do Lago

A Casa do Lago Kate Morton




Resenhas - \\\


72 encontrados | exibindo 61 a 72
1 | 2 | 3 | 4 | 5


mabelslivros 21/07/2017

A Casa do Lago
Terminei a leitura de "A casa do lago" e foi uma leitura incrível! Uma narrativa que envolve o leitor e faz com que a cada página ele tenha mais sede de descobrir o final da narrativa. Não tenho o hábito de ler livros de mistérios, mas gostei muito de "A casa do lago" .

A família Edevane sempre foi muito admirada por todos, sempre muito felizes e realizados. Anthony e Eleanor se apaixonaram desde o primeiro momento que se viram, eles eram muito felizes, mesmo com seus traumas, medos, segredos. Formavam a família perfeita, Anthony, Eleanor, Deborah, Alice, Clementine e Theo. Mas tudo ruiu no solstício de verão de 1933, quando Theo misteriosamente some sem deixar vestígios.

Sadie Sparrow é uma excelente detetive, sempre fez seu trabalho com esmero e nunca deixou-se levar pela intuição ou acreditou em coincidências. Mas depois do caso Bailey muita coisa muda na vida de Sadie. Depois de ser forçada a tirar licença, Sadie é aconselhada a ir para Cornualha, para a casa do seu avô. Em uma de suas corridas Sadie acaba se deparando com uma grande casa abandonada no meio do bosque, sua curiosidade e seu instinto de detetive acaba fazendo com que Sadie descubra que à muito tempo atrás uma criança havia desaparecido ali.

Os caminhos de Alice e Sadie se encontram, Sadie sedenta por desvendar os segredos por trás do mistério do sumiço de Theo, enquanto Alice só queria apenas deixar seu passado quieto. Entre segredos, culpas, medos, e uma teia de sentimentos e acontecimentos bem traçados, Alice e Sadie juntam os pontos para enfim descobrirem a verdade.
comentários(0)comente



Ciça 20/07/2017

Imprevisível!
Loeanneth, casa da família Edevane, fica na Cornualha, condado no sudoeste de uma península da Inglaterra, mesmo lugar em que Sadie decide tirar suas férias forçadas depois de sérios problemas em seu último caso como detetive. Chegando lá, Sadie acaba saindo da trilha e encontra uma casa completamente abandonada que está cada vez mais tomada pela natureza que cresce constantemente em volta da mansão. Curiosa do jeito que é, a detetive decidiu investigar mais sobre o local e acaba descobrindo coisas que a deixam extremamente intrigada.

Setenta anos antes, em 1933, na 'Casa do Lago', a família Edevane estava se preparando para a festa do solstício, porém, o que ninguém esperava é que o filho mais novo do casal, Theo de 11 meses, iria desaparecer, causando um desespero enorme e fazendo com que a família inteira se mude para Londres abandonando a casa.

Em 2003, Sadie descobre que o caso nunca fora resolvido e as únicas informações que ela consegue são de uma biblioteca, porém boa parte dos documentos foram queimados na Segunda Guerra Mundial; de seu avô que abandonou Londres para morar na Cornualha; de uma senhora que está indo visitar seu avô; e do policial que mesmo sendo um adolescente na época, ainda se lembra de algumas informações que são importantes para a resolução do caso. Entretanto, Sadie ainda tem uma esperança. Essa esperança se chama Alice Edevane, filha do meio da família da 'Casa do Lago'. Agora, com 86 anos, A.C. Edevane, como é mais conhecida, é uma escritora mundialmente famosa e se recusa a responder as cartas de Sadie por se sentir culpada pelo sumiço do único irmão.

Acho que eu não tenho palavras para descrever o livro. Normalmente não consigo expressar minhas emoções, mas dessa vez, digo que só fiquei muito empolgada e muito curiosa, só que em relação ao livro, não sei o que dizer.

A história me deixou extremamente interessada e eu me senti como Watson. E eu amo me sentir assim, afinal, para quem não sabe, as histórias de Sherlock Holmes estão em meus livros favoritos de questões de detetives e mistérios.

Enquanto eu lia o livro eu soltei vários "Não é possível!", "Aí Meu Deus!", "Sério?", "Oi?", "Como assim?" e por aí vai. Eu não acreditava em muitas coisas que iam acontecendo durante a história. Mas não se engane, o fato de eu achar tudo muito inacreditável não quer dizer que as coisas não faziam sentido. Na verdade, era exatamente essa a questão. Tudo fazia sentido até demais.

Uma das coisas que eu mais gostei foi a forma que a obra foi escrita. Enquanto a gente lê a história, que é narrada em terceira pessoa, com o ponto de vista da Sadie, a gente vai descobrindo algumas coisas ao mesmo tempo que ela e, consequentemente, vai criando teorias junto a detetive. O próximo capítulo é a história no passado contando o acontecimento que a gente acabara de entender. Ou seja, além da gente ter descoberto e entendido finalmente uma parte de todas as ocorrências, a gente ainda tem a oportunidade de ler mais sobre o evento, mesmo que a Sadie não saiba exatamente o que aconteceu, você vai saber, e isso é o que torna o livro tão empolgante!

Morton soube montar muito bem o tempo da história. Antes de pegar o livro para ler, eu dei umas folheadas pelas páginas para saber como que o livro era montado. Fonte, tamanho da letra, cor do papel, essas coisas que eu acho super interessante e que vão sim interferir na hora da leitura. E folheando essas páginas, percebi que cada capítulo se passa em uma época. Ou nós vamos ler sobre a história da família Edvane ou vamos ler sobre as descobertas com ou sem sucesso de Sadie. Então confesso que antes mesmo de ler a obra eu já fiquei com um pouco de receio, afinal, apesar de amar/idolatrar livros com a temática de detetive, eu fiquei com um pé atrás por ter uma troca de tempo muito constante e nem todos os autores conseguem deixar claro essas mudanças e os aspectos de épocas tão diferentes. Todavia, Kate conseguiu fazer isso tudo com êxito total! Enquanto em um momento vivemos a Primeira Guerra Mundial, em outros vivemos plenamente o início do século XXI. Isso foi a parte mais incrível pra mim, o fato da autora conseguir trocar de épocas tão diferentes e de uma maneira que deixa tudo claro na sua cabeça, não é como se lêssemos dois livros diferentes, um sobre uma detetive e outro sobre um caso em 1933. Na verdade, nós lemos um livro que muda de tempo sem atrapalhar a linha da história.

Kate além de ter uma escrita cativante, que vai te prender do início ao fim, ela também sabe caminhar muito bem seus personagens. Cada pessoa tem seu motivo, cada um tem sua característica e nenhum deles são personagens lineares e sem graça, na verdade, todos - todos - são personagens que a gente compreende, que dá para sentir as emoções. Convenhamos que isso seja incrível e, poucos escritores sabem fazer isso.

Agora um minuto para que eu escreva um pouco sobre aquele final. O que eu mais queria era que a minha mãe tivesse lido A Casa do Lago antes de mim. Afinal, ela era a única em casa quando eu terminei a obra e eu queria berrar, sair comentando e falar uns spoilers para todo mundo. O final foi original, surpreendente e fez com que Kate Morton entrasse para a minha lista de: Autores que merecem a minha atenção pelo resto da minha vida. Foi sensacional!

No momento minha maior vontade é que a autora venha para o Brasil.

Eu, como uma aspirante a detetive do Paraguai, tentei decifrar o caso de diversas maneiras diferentes. Fiz umas quinhentas teorias e quanto mais eu lia, mais teoria aparecia. A maior questão é que você acha que está super ligada na história, que você já sabe o final, mas aí vem outro capítulo e vem uma informação extremamente importante que vai fazer com que tudo o que você imaginou tenha sido completamente sem sentido. Quando o livro acabou, confesso que só acertei 3% de todas as verdades reveladas na história.

Se eu tenho uma dica para dar para vocês, pessoas que querem ler e que amam - assim como eu - solucionar os casos de detetives antes de a própria história te contar, já começam tirando a ideia de que com certeza vão descobrir tudo. Kate Morton é totalmente imprevisível e é com essa imprevisibilidade que ela vai ganhar seu coração de leitor. Mas ainda sim, se eu tenho uma dica de verdade, essa dica é olhar os mínimos detalhes, é tentar entender a história pelas entrelinhas, pelas frases que você vai achar que é sem importância. Eu te garanto que boa parte das respostas está ali.

Como vocês puderam perceber, eu super me atrai pelo livro, acabei me dedicando muito mais na história do que eu faço normalmente. Isso tudo aconteceu porque além da escrita de Kate ter me deixado atenta principalmente para tirar umas dicas, o livro me conquistou do início ao fim. Fiquei muito envolvida com a obra e quero de verdade ler novamente assim que tiver mais um tempinho.

Vou tirar uma parte da crítica do Reader's Digest para terminar essa resenha. E vou fazer isso exatamente porque o comentário me representa demais. "Este livro nos faz lembrar por que amamos ler."

Leia mais no meu blog | As 365 Cores do Universo

site: http://www.365coresdouniverso.com.br/2017/07/a-casa-do-lago-resenha.html
comentários(0)comente



Leituras e Delírios 19/07/2017

Confesso que nunca tinha lido nada da Kate Morton e, consequentemente, tinha zero expectativas com esse livro, mas me surpreendi positivamente!

Antes de começar a falar da história preciso mencionar que A Casa do Lago tem uma narrativa cheia de flashbacks, então se isso te incomoda profundamente (como eu) e se você está em busca de algo mais fluido, com início, meio e fim, talvez essa não seja a leitura mais indicada pra você. O livro vai exigir muita atenção aos detalhes e você pode facilmente se “perder” no meio das informações que são apresentadas, mas a recompensa vem no final, que é surpreendente e maravilhoso!

Sadie é uma detetive da Met (Polícia Metropolitana de Londres) que tira uma licença “forçada” depois de tomar uma decisão imprudente em um caso em que estava trabalhando. Ela resolve, então, visitar o avô que mora em Cornualha até que tudo se resolva. Os pobres mortais tirariam esse tempo pra dormir, fazer novas amizades, ler (até que ela faz isso), assistir séries, enfim, ficar de pernas pra cima, mas não a nossa Sadie. Em uma de suas corridas matinais com os 2 cachorros de seu avô, Sadie encontra uma casa abandonada no meio de uma clareira.

Resenha completa no blog!

site: http://www.leiturasedelirios.com.br/2017/07/a-casa-do-lago-kate-morton.html
comentários(0)comente



Jéssica Spuzzillo @pintandoasletras 18/07/2017

Quero ler mais livros da autora!
O livro se inicia com um suspense: de noite, na chuva, uma jovem cava secretamente um buraco na floresta, talvez ela esteja enterrando a evidência de algo que fez...
.
Em 2003, Sadie, jovem detetive, está passando pelo momento mais difícil em sua profissão. No seu último caso, ela cometeu um grande erro movida pelo instinto. Para evitar ser suspensa no trabalho, foi convidada a sair de Londres por um tempo até as coisas esfriarem.
.
Por conta disso, ela decide passar um tempo em uma cidade remota, chamada Cornualha, onde seu avô mora.
.
Em uma bela tarde, enquanto faz a sua caminhada diária, ela se depara com uma velha casa abandonada. Curiosa, ela recebe ajuda de um bibliotecário local e logo descobre que há décadas, algo terrível aconteceu naquela casa durante uma grande festa, Theo, o bebê da família Edevane desapareceu e nunca foi encontrado.
.
Sadie se vê envolvida nesse mistério e começa a buscar pistas que possam ter sido deixadas para trás, a sua investigação faz com que ela conheça uma famosa escritora policial, antes uma menina, agora uma Senhora, Alice Edevane. Que segredos do passado ela esconde?
.
Uma vez que você acha que já sabe o que aconteceu, outra pista é lançada para desvendar o que você acha que sabe. O mistério é lentamente revelado e foi empolgante acompanhar os desfechos.
.
Eu adorei a história! O começo foi um pouco lento pois a autora descreve tudo nos mínimos detalhes, fiquei com receio de não gostar da leitura no final, porém me surpreendi completamente! A narração foi uma grata surpresa, ela mistura várias gerações, presente e passado, através de vários pontos de vista. O final infelizmente foi conveniente, quase um conto de fadas, mas todas as reviravoltas até chegar nele, valeram a pena.
.
Para aqueles que assim como eu, não conheciam o trabalho de Kate Morton e adoram uma ficção histórica (o livro traz vários relatos sobre a guerra) e um bom suspense, ativem seu modo detetive e mergulhem nos mistérios dessa história, você não vai se arrepender!

site: www.pintandoasletras.com.br
comentários(0)comente



Patricia 15/07/2017

Toda família tem seus segredos...
"Isso é o que ela faz, sabe: assassinato. Não de verdade... pelo menos, não que eu saiba. Comete todos os seus crimes no papel."

Em 2003, Alice Edevane é uma senhorinha com grande carreira como escritora de romances policiais. Mas, em 1933, ela era apenas uma garota apaixonada com um caderno em uma das mãos e uma caneta tinteiro na outra. Pelo menos foi assim, até seu irmão ter um desaparecimento repentino e nunca desvendado.

Tem uma coisa que alguns autores fazem que eu gosto muito: colocar uma parte do que seria o final da história no prólogo do livro. Isso faz com que tudo fique com ar de mistério, vamos tentando descobrir em qual parte aquela cena aleatória fará sentido. Nesse caso, o que ganhamos no prólogo é que Alice escondeu um segredo antes da família abandonar a casa após o ocorrido. Escondeu uma prova do que houve. E esperava que isso morresse com ela.

Mas agora, 70 anos após a tragédia, toda a história voltará a tona quando a detetive Sadie resolve investigar o caso. Ela vai passar as férias na casa que seu avô adquiriu recentemente e, durante uma corrida pelas redondezas, ela descobre uma propriedade abandonada. Espiando pela janela, ela quase poderia jurar que a casa ainda possui moradores, se não fosse pelo descuido e extensas camadas de poeira. Seu instinto de detetive automaticamente aguçou, fazendo-a ficar pensando no motivo dos moradores terem abandonado tudo as pressas. Quando soube do desaparecimento não resolvido de uma criança na propriedade, ela resolve investigar o caso por conta própria.

O que realmente aconteceu naquela noite? O que Alice sabe? Com capítulos alternados entre o passado da família Edevane e o presente, vamos tentando decifrar o que aconteceu.

A autora faz uso de uma narrativa bem detalhista, que no começo até foi cansativa, confesso, mas ela a usa como uma maneira de criar diversos caminhos e possibilidades com a única intenção de nos iludir e nos deixar mais confusos ainda ahuauha Mas o desenrolar foi incrível! Todas as partes que soaram triviais no começo se juntam de alguma forma, um quebra-cabeça perfeito! Nenhuma parte foi em vão, nenhuma ponta ficou solta. Maravilhoso!
comentários(0)comente



Dé... 14/07/2017

Encantador
Não tenho nenhum pingo de vergonha em confessar que escolhi ler esse livro apenas pela capa, e ela é tão linda que nem cheguei a ler a sinopse para não estragar a surpresa, claro que o nome do livro é o mesmo de um filme que amo, então com esse monte de "sugestões" me agarrei a ele e me surpreendi completamente...

É o primeiro livro que leio da autora e fiquei encantada com a forma que ela escreve, seu estilo de narrativa é mais complexo que a maioria dos autores, pois além de contar a história em vários anos diferentes, indo e voltando no tempo, ainda conta sob o ponto de vista de vários personagens da história, cada um narra partes muito importantes da história e todas juntas formam um enorme quebra cabeça onde a gente vai junto com a investigadora Sadie Sparrow juntando as pecinhas para formar o quadro geral... então esse estilo pode não agradar a todos, eu mesma tenho sérios problemas em me envolver com os personagens quando a história é bem fracionada, mas a autora é genial... criou personagens tão humanos, cheios de defeitos, que é impossível a gente não se identificar com pelo menos um deles...

A história toda envolve o desaparecimento de um bebê em 1933, filho de um nobre inglês, de uma família bastante rica e respeitada, esse é o começo do desmoronamento da família...

Em 2003, uma jovem investigadora da polícia está afastada do cargo por ter se envolvido demais no último caso em que estava trabalhando, e por isso vai passar férias forçadas com o avó na Cornualha, lá descobre a casa dos Edevane e se interessa pelo caso do desaparecimento do bebê Theo...

A partir de então, temos a história narrada por todos os personagens da família... desde quando Eleonor (a mãe) conheceu seu marido e grande amor Antony, seus primeiros dias de casados, o nascimento dos filhos... a infância das crianças na casa da família, um lugar lindo e com uma certa magia, até a noite do fatídico desaparecimento...

Muitos personagens se culpam pelo que aconteceu, imaginando que sabem o porquê do desaparecimento do menino, um daqueles segredos de família muito bem guardados e que ninguém ousa falar a respeito...

Uma coisa que chamou muito minha atenção é que a história acontece ao longo de duas grande guerras mundiais e por não termos vivido isso tão de perto na história do nosso país, sempre me fico emocionada e tocada por essas histórias de como a guerra mudou a vida das pessoas...

Os personagens desse livro também são mais maduros, eu diria que são até anti-heróis se os compararmos a diversos personagens de outros livros, pois todos tem muitas falhas, ninguém é totalmente bom ou totalmente mau, mas são muito humanos, gente como a gente que erra tentando acertar, que tira conclusões precipitadas, que foge das situações por culpa ou medo... por serem tão humanos creio que uma pessoa mais nova pode não gostar muito da história, pois ainda podem idealizar demais... mas eu os amei a todos, com exceção de Constance que é uma megera do princípio ao fim... e ainda está sendo muito difícil começar outro livro e me desapegar dos personagens...

O final é delicioso, um grande final feliz, que deixa todos os personagens bem, felizes e unidos... adorei demais...

site: http://www.leituranossa.com.br/2017/07/a-casa-do-lago-kate-morton.html
Denise 15/07/2017minha estante
Amei o livro. Ótima resenha.


cristianepf 16/07/2017minha estante
Leia todos. Essa autora é ótima. O Jardim Secreto de Eliza é meu favorito, mas todos são igualmente ótimos.


Regina 01/09/2017minha estante
Se este foi o primeiro livro dessa autora que você leu, precisa ler O Jardim Secreto de Elize. Maravilhoso!




Carla 05/07/2017

"Nunca faça uma promessa se não estiver pronto para cumpri-la."
Alice Edevane é uma jovem de 16 anos aspirante a escritora e nesse ano ela teve uma ideia brilhante para o seu romance de estreia e conta com a ajuda da sua paixão secreta para montar o desfecho dessa história. O ano é 1933 e a família Edevane está preparada para mais uma de suas festas de solstício. Mas essa noite não teve um final feliz, algo muito ruim aconteceu.

"Alice nunca foi mais feliz, nunca foi tão ela mesma, como quando estava ali: sentada à beira do córrego, os dedos dos pés flutuando na corrente lenta; deitada na cama antes do amanhecer, ouvindo a ocupada família de andorinhas que construíra seu ninho acima de sua janela; dando voltas ao redor do lago, o caderno sempre debaixo do braço."

No ano de 2003, setenta anos depois, a detetive Sadie Sparrow parece ter se envolvido em algum problema no último caso que estava trabalhando e se vê obrigada a tirar uma licença e se hospedar com seu avô, na Cornualha. Quando sai para fazer a sua corrida matinal com seus cães, ela encontra uma casa abandonada. Com seus instinto de detetive ela resolve investigar. E é aí que os caminhos de Sadie se encontram com os da família Edevane e a misteriosa história do solstício de 1933.

"Era difícil dizer o que lhe dava tanta, certeza, mas, quando se virou para sair, atravessou o buraco na sebe e começou ou a seguir os cães para casa, ela soube, com aquele frio na barriga - que, como detetive da polícia, era bom que tivesse desenvolvido -, que algo terrível acontecera naquela casa."

"Sadie não se importava com pressentimentos - não havia necessidade de um sexto sentido quando os outros cinco eram usados corretamente."

Essa história é contada em terceira pessoa e os capítulos são intercalados por espaços diferentes de tempo, ou seja, presente e passado. Sendo mesclado pelos personagens envolvidos na trama. Os capítulos que representam o passado são flshbacks de momentos que são importantes na construção do mistério. E é muito importante lembrar do título do capítulo porque é onde ficamos sabendo em que ano aquele fato aconteceu, se não nos perdemos no tempo.

Esse não é aquele livro de mistério/romance policial o qual a autora coloca muitos personagens na intenção de nos confundir, a quantidade de personagem é super suficiente. Cada personagem ali presente representa um pedaço do quebra cabeças a ser montado.

"O mundo era um lugar de equilíbrio e justiça natural; sempre havia um preço a pagar e já era tarde demais para fechar a porta."

Eu nunca tinha lido nada da Kate Morton, na verdade nem sabia que tinham outras publicações dela aqui no Brasil, mas a escrita dela é realmente tudo isso que eu ouvi falar por aí. É uma escrita envolvente e de fácil entendimento. Terminei o livro com vontade de ler outra coisa dela para provar mais um pouquinho da sua escrita. Uma coisa que me incomodou um pouco foram os capítulos longos, nossa! eu me incomodo bastante de ler livros com capítulos longos, dá a impressão de que você tá lendo infinitamente e não acaba. O que me levou também a demorar bastante nessa leitura, foi o fato de que tive que ler no kobo e como eu não tenho kobo (tenho kindle) tive que voltar as origens hahhahaha e ler no app do kobo no celular. Nossa, muito ruim! Não sei como eu conseguia antes hahahaha.

O mistério é bem construido, achei bem madura a construção dele. Não foi do tipo muito apelativo, o qual a gente nota o autor nos manipular. Confesso que o final não me deixou chocada, nem surpresa, nem nada do tipo, na verdade em algum momento da história até desconfiei bastante desse final. pesar disso, não ficquei com o sentimento de frustração não, porque foi realmente uma trama muito bem desenvolvida e muito boa de acompanhar e até gostei bastante da resolução.

"Nem sempre escolhemos onde, como e quem, e o amor nos dá coragem para resistir àquilo que nunca julgamos possível."

Para ser bem sincera nesse tipo de livro não gosto de falar muito sobre a trama porque eu acho que qualquer coisinha eu posso entregar algo bacana, até por exemplo o temperamento de algum personagem pode me levar a roubar alguma experiencia de quem tem interesse em ler.

Com certeza é um romance policial que eu indico MUITO. Apesar de não ler muito histórias desse gênero eu gosto bastante.

"A vida parecia uma estrada reta à frente, esperando que a percorresse se você fez a coisa certa e a faria de novo, a única coisa que resta a fazer é seguir em frente."

site: www.sharingbooks.com.br
comentários(0)comente



Jéssica - @Febreliteraria 03/07/2017

Resenha: A casa do Lago
Quando eu escolhi este livro para ler, eu não esperava muita coisa dele, eu escolhi pela capa, a capa me chamou muito a atenção. Na verdade eu até achava que era um romance de época, mas não é viu? Hahaha . Como sempre, me surpreendi com tudo o que a Kate Morton nos proporciona neste livro. Eu estou completamente encantada pela escrita, por toda a estrutura do livro.

"A casa do lago" é um suspense que irá nos contar um pouco sobre a família Edevane. E a história passa pelas perspectivas de pessoas diferentes, através de diferentes períodos de tempo. Parece confuso falando assim, mas acredite: você não irá ficar confuso, você irá enxergar as coisas com todos os detalhes extras.

Este mistério familiar começa em 1933, onde iremos conhecer a jovem Alice Edevane, ela é uma jovem sonhadora, que ama escrever. Alice mora com seus pais: Eleanor e Anthony, suas irmãs e seu irmãozinho Theo. Em 1933 durante a tão esperada festa do solstício, seu irmãozinho que tem apenas 11 meses desaparece misteriosamente. Um caso jamais solucionado. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Em 2003, iremos conhecer Sadie, uma jovem investigadora que mora com a sua avó na Cornualha, enquanto se dedicava a jardinagem, depois de um caso particularmente difícil, ela acaba tropeçando na casa do lago, a casa que também é conhecida pelo nome de "Loeanneth". Sadie começa a investigar este mistério jamais solucionado para ocupar sua mente e acaba obcecada por este caso.

Seu caminho, em seguida, se cruza com o da Alice, agora uma escritora de sucesso, os segredos da família que foram mantidos em segredos por setenta anos serão descobertos e assim, iremos descobrir a verdade sobre o desaparecimento de Theo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Amei ver como tudo se conecta no final, sem deixar nenhuma dúvida. Eu realmente amei este livro, e espero muito ler mais livros desta autora.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

site: https://www.instagram.com/febreliteraria/
comentários(0)comente



Maah 30/06/2017

“A Casa do Lago – Kate Morton”
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
“As pessoas são fascinantes, não são? Quanto mais você aproxima, mais perto está de descobrir o que faz o coração delas bater.”
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Preciso dizer que a capa desse livro é lindíssima, não sei por que a sinopse me deixou com o pé atrás e decidi solicitar ele em ebook, e posso dizer que foi a uma escolha certeira, não foi uma história que me conquistou, infelizmente.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Em julho de 1933 a família Edevane estava se preparando para festa solstício, era um grande evento onde reunia muitos convidados, Alice com 16 anos era uma sonhadora que adora escrever no seu caderno, seu sonho era ser uma famosa escritora de romance policial, tinha acabado de escrever seu primeiro rascunho de uma fascinante história e queria mais que tudo mostra-la para seu primeiro amor.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Nesse dia muitas coisas aconteceram, Alice teve sua primeira desilusão amorosa, seu irmão mais novo de apenas 11 meses sumiu, toda a sua família ficou abalada e com isso decidiram que seria melhor irem embora da cidade para sempre.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Já em 2003 a detetive Sadie Sparrow teve um problema com um dos casos e foi afastada do serviço, decidiu passar um tempo com o avô em Cornualha. Movida por mistérios fica curiosa quando encontra uma antiga casa abandonada, quando descobre que há 70 anos os proprietários perderam um membro da família e o caso nunca foi resolvido decidiu investigar o que realmente aconteceu com o bebê.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Sadie fica fascinada pelo mistério dos Edevanes, o que realmente aconteceu com o bebê Theo, quem poderia fazer mal a uma criança que era tão amada? Nessa busca descobre que a famosa escritora Alice Edevane era uma das irmãs do menino e sabe que precisa de algumas autorizações para prosseguir.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Alice pensa que o caso do seu irmão foi encerrado, quando a detetive entra em contato seus medos e sua curiosidade falam mais altos e precisa saber o que realmente aconteceu, será que a culpa que carrega a tanto tempo tem alguma coisa a ver com o sumiço do irmão?
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
Esse livro teve pontos positivos e negativos, confesso que não gostei de nenhum personagem, ao mesmo tempo em que era envolvente eu achava bem entediante e muitos momentos eu caia no sono, mas consegui terminar, o mistério dá muitas reviravoltas pensei em varias coisas, a todo o momento mudava e fiquei QUE? Haha
Uma personagem acabou me decepcionando era minha favorita. Já a Sadie ainda não entendi pq o passado dela foi relevante, mas ok né. A Alice é uma personagem muito integrante que no final fiquei com dó dela. Ao mesmo tempo não foi um livro fácil, achei bem cansativo alguns momentos. Pra quem gosta de romance policial trabalhado nos mínimos detalhes é um livro que muitos vão amar. Infelizmente pra mim não funcionou.
⠀ ⠀⠀ ⠀⠀ ⠀
“A vida era assim, portas de possibilidade constantemente se abrindo e fechando enquanto a pessoa seguia seu caminho às cegas.”
comentários(0)comente



Amiga Leitora 28/06/2017

BLOG AMIGA DA LEITORA
Eu não conhecia o trabalho da autora Kate Morton, mas posso adiantar que estou encantada com a construção desse livro, já esperava gostar da história pois muitas pessoas elogiaram a escrita da Kate, e ela ganhou mais uma fã sem dúvida, essa leitura entrou pra minha lista de favoritos deste ano.

"A Casa Do Lago " é um belo suspense e nos conta um pouco sobre a família Edevane. Eleanor e Anthony se casaram e constituíram família, seus filhos Deborah, Alice, Clementine e Theo o mais novo da casa, viviam felizes e estavam animados como sempre para comemorarem o solstício, mas na noite das comemorações aconteceu algo terrível que mudou a realidade de todos eles, o pequeno Theo de apenas onze meses havia desaparecido. A investigação que foi aberta para descobrir sobre o paradeiro da criança não foi bem sucedida deixando a família em pedaços com uma marca e dor que nunca teria cura. Em 2003 Sadie uma jovem policial que já passou por muitos problemas quando era nova está na casa do avó de férias, mais forçada do que desejada, ela gostava muito de correr e em uma dessa corridas ao lado dos cachorros de seu avó ela descobre uma casa antiga e abandonada em meio a uma floresta, intrigada com sua descoberta vai até a casa, seu instinto não falha e ela pressente que algo terrível aconteceu ali.

Sadie descobre a tragédia da casa do lago e inicia uma pesquisa que no futuro próximo vira investigação sobre o ocorrido, ela descobre que Alice uma escritora famosa faz parte da família Edevane e que ela pode ajuda-la a entender o que aconteceu na noite do desaparecimento, já que Theo era seu irmão mais novo.

O livro tem uma narração e escrita que flui muito bem para o leitor, um suspense que me levou diversas vezes a suspeitar de personagens diferentes. A história é intrigante e aposto que vai mexer com seu lado investigativo assim como mexeu com o meu.

A autora Kate Morton conseguiu realizar um belíssimo trabalho nas passagens de tempo no livro, fazendo com que todas a histórias contadas se complementassem de alguma forma. Rico em detalhes o livro não se tornou massante em momento algum e isso foi o que mais gostei. A construção dos personagens também não deixou a desejar, cada um com suas características fortes e marcantes.

Sem sombra de dúvida foi uma das melhores leituras do ano! Se você gosta de suspense tanto quanto eu essa é a história que está procurando, não vejo a hora de ler mais obras da autora, tenho certeza que quem também ler irá se surpreender.

* RESENHA ESCRITA POR MICHELLE RUSSO DO BLOG AMIGA DA LEITORA

site: http://www.amigadaleitora.com/2017/06/resenha-casa-do-lago-editoraarqueiro.html
comentários(0)comente



Book.Obsession 19/06/2017

Resenha feita pela Camila de Moraes para o blog Book Obsession
Começo essa resenha dizendo que estou ainda tentando formular sobre o que dizer desta obra. Envolvente? Excepcional? Perfeita?

Acho difícil definir em uma só característica tamanho o fascínio que a autora conseguiu gerar ao longo dessa minha leitura.

A casa do lago, sempre foi o reduto da família Edevane. Nela Eleanor e Anthony passaram seus dias e criaram seus filhos: Deborah, Alice, Clementine e o pequeno Theo.
Tudo aparentemente corria bem até que as marcas e os traumas da guerra fizeram com que Anthony caísse em profundo abismo de tristeza e isolamento. E Eleanor, nem com a vinda de Theo conseguiu resgatar seu marido desses dias nublados que o acometia. Mas seu amor e sua promessa o manteve sempre ao seu lado de cuidado e zelo por Anthony.

“...o amor nos dá coragem para resistir àquilo que nunca julgamos possível.”

Suas filhas, o amavam, em especial Alice, que sempre que tinha oportunidade estava por perto. Ela também adorava escrever, passava horas criando seus manuscritos e jogando conversa com o jardineiro Benjamin Munro. E como uma adolescente, acabou fascinada por ele. O que gerou alguns embates com sua mãe por não gostar desse tipo de aproximação.

Eis que chega à festa do solstício, do ano de 1933. Em meio a recepção grandiosa que a família Edevane preparou regada a muita bebida, comida e queima de fogos, junto dela um grande abalo se daria logo nas primeiras horas da manhã seguinte.

Theo Edevane, um pequeno bebê de onze meses desaparecera.

Uma investigação naquela época não levou ao paradeiro do garoto. Mas agora a esperança se renova, quando Sadie Sparrow começa a investigar, após muitos anos o que se passou no ano e naquela noite de 1933.

“- Eu tinha esperança de que ainda pudesse encontrar o garoto para ela. Não me conformei com aquele arquivo aberto. As crianças não desaparecem simplesmente, não é? Elas vão para algum lugar. Há sempre um caminho, é apenas uma questão de saber onde procurar.”


Estamos em 2003, e Sadie busca contatos com a dona da casa do lago, Alice Edevane, mas é com a ajuda do primeiro detetive do caso, Clive, que vamos conhecendo mais dessa enigmática família e a obstinação de Sadie nos leva a constatação de que muito ainda precisa ser esclarecido.

“Que seu passado seja uma lembrança agradável assim / Seu futuro cheio de prazer e mistério sem fim / O agora um momento glorioso / Que preencha sua vida com profundo gozo.”

O livro todo é um suspense e posso dizer que meu radar Sherlock Holmes ficou ativado a cada página lida. A autora Kate Morton conduziu com maestria a interação das passagens de tempo e as narrativas se complementam de forma brilhante, e mesmo com tantos detalhes a leitura não fica arrastada e muito menos cansativa, pelo contrário, me sentia uma verdadeira peça de xadrez só esperando o próximo movimento na tentativa de descobrir exatamente o que tinha acontecido naquela noite. Uma ora pensei que fosse uma pessoa, aí mais à frente meu palpite caia por terra.

Enfim, fiquei intrigada, fascinada e o final foi surpreendente...foi emocionante...foi perfeito!

Sem a menor sombra de dúvidas eu recomendo essa leitura que está com uma edição impecável e que entrou para os meus favoritos desse ano.

site: http://bookobsessionresenhas.blogspot.com.br/2017/06/resenha-casa-do-lago-kate-morton.html
comentários(0)comente



klau 16/06/2017

"Uma pessoa nunca esquece o panorama de sua infância".

    Em 1933 , durante a tão aguardada festa do solsticio, Theo Edevane , de apenas onze meses desaparece misteriosamente de seu berço, mesmo tendo a policia procurado exaustivamente, ele não foi encontrado. Junto a este acontecimento temos Alice Edevane a irmã mais velha de Theo, que durante a noite estava muito entusiasmada pelo desfecho de seu livro.  Após essa pequena introdução somos transportados ao ano de 2003, quando Sadie, após ''estragar'' um caso de criança abandonada vai para tentar se recuperar do golpe e acaba justamente tropeçando na casa do lago, que setenta anos após o ocorrido com Theo esta em completa ruina. Vale lembrar que A casa do lago tambem tem uma personalidade unica e é chamada de   Loeanneth. 

"Ela descobriu que havia muito poucas pessoas genuinamente aborrecidas; O truque era fazer-lhes as perguntas certas ".

  Sadie acaba se tornando tanto fascinada quanto obsecada pelo caso e tenta de todas as maneiras entender o que ocorreu naquela noite do solsticio. E não é para menos Loeanneth é uma masão em estilo gótico bem no meio da floresta , apenas pela imagen ela já desperta curiosidade, adicione um caso sem solução e temos uma detetive avida por informações.  Para sua completa felicidade Alice ainda mora em Londres, sendo uma escritora de mistérios .  

"Ele estava muito mais confortável lendo sobre as vidas e idéias de outros do que descrevendo o seu próprio.

   A partir disso temos duas narrativas , as lembranças de Alice ,as quais ficamos presos entre a realidade e a ficção de sua narrativa. Que nos dão aquele toque de mistério para a trama, o qual é sabiamnte seguido por Sadie, que nos conduz com maestria pelas suas descobertas. 

Resenha completa e playlist no blog - https://klaumusicwithbooks.wordpress.com/



site: https://klaumusicwithbooks.wordpress.com/
comentários(0)comente



72 encontrados | exibindo 61 a 72
1 | 2 | 3 | 4 | 5