Quem era ela

Quem era ela JP Delaney




Resenhas - A Menina Que Morreu


139 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Ana Martins| @desbravandomundos 20/08/2019

Foi previsível, mas gostei!
Quem Era Ela acontece em dois tempos, passado onde conhecemos a Emma e o presente conta a história da Jane. Ambas passaram por momentos difíceis e estão em busca de um lugar seguro para morar. A história das duas se entrelaçam em Folgate Street, n° 1, nesse endereço está localizada uma casa de design minimalista, muito tecnológica, onde elas acreditam terem encontrado tudo o que precisam para uma vida nova.

Mas para conseguir alugar essa casa, Emma e Jane precisam passar por um processo seletivo minucioso e seguir regras bizarras impostas pelo arquiteto e dono da casa, Edward Monkford, um homem extremamente excêntrico e narcisista, que rejeita praticamente todos os interessados em morar na casa.

E por mais incrível que pareça Emma e Jane conseguem esse contrato de aluguel, e também começam a se relacionar com Monkford. E no presente de Jane, Emma está morta! E essa morte se torna uma obsessão para Jane!

Particularmente gosto muito de narrativas que intercalam passado e presente, é gostoso e instigante descobrir a verdade por trás dos personagens. No início a história nos abre um leque de possibilidades e teorias, mas a medida que a trama avança é fácil descobrir o mistério por trás da morte de Emma, porém não foi algo que me desencorajou a prosseguir com a leitura, a escrita consegue prender até o final porque o autor fez algumas revelações que eu não esperava, trouxe também algumas reflexões sobre a cilada de querer viver de aparências e as consequências disso! Mesmo achando que mistério poderia ser menos óbvio, entrei nesse história sem expectativa, mas acabei me surpreendendo!
comentários(0)comente



LER ETERNO PRAZER 05/08/2019

Em "Quem era ela"nada é o que aparenta ser neste livro de estreia de JP Delaney, e é um enredo assim, com essas característica que esperamos de uma obra de suspense. Todo seu enredo é narrado em primeira pessoa, seus capítulos vão se alternando entre o antes e o agora, a história constrói uma intrincada teia de aranha em que cada ramificação gera mais dúvidas que respostas. Temos como resultado disso um bom thriller a se somar aos muitos lançamentos que as editoras estão colocando ultimamente no mercado editorial brasileiro nos últimos meses. Como falei anteriormente "Quem era ela" se divide em ?O antes", que conta a história de Emma, e ?O agora?, focado em Jane. O que há de comun nessas duas personagens é a casa que escolheram para morar. Uma casa impar, um marco da arquitetura moderna, totalme te controlada por tecnologias com sensores inteligentes, e com um contrato de aluguel que traz uma lista de exigências e regras para os locatários. O arquiteto responsável e proprietário do imóvel, Edward, é um minimalista compulsivo que buscou aproveitar ao máximo o espaço disponível e evitar o acúmulo de assessórios, objetos, móveis e utensílios. Para habitar esta casa você precisa se adaptar a viver com o mínimo do mínimo necessário. JP Delaney consegue cruzar o passado e o presente de uma forma que não deixa a leitura cansativa nem chata. Pelo contrário, ela traz uma dinâmica, pois as mesmas se encaixam e se completam. A história vai desenhando um cenário bem psicológico em que é possível criar diversas teorias durante a leitura. É surpreendente como o autor consegue encaminhar a visão do leitor para um ponto e depois desconstruir aquilo em um passe de mágica e isso é muito bom em um thriller de suspense.A história vai desenhando um cenário bem psicológico em que é possível criar diversas teorias durante a leitura.Ao decorrer da história descobrimos o lado sombrio de cada um. Quem você achava que era uma pobre inocente, na realidade era uma pessoa com caráter duvidoso. Além disso, conseguimos ver a mesma história com perspectivas diferentes, o que nos leva a questionar qual é a verdadeira. Além disso, o livro aborda alguns temas bem polêmicos como: machismo, obsessão, depressão, entre outros. Quem era ela é um bom livro, cumpri bem o papel de um bom suspense. Teria mais algumas coisas a comentar sobre os personagens mas aí sairiam alguns spoilers aí não fica legal né, rsrsrs. Um bom livro fica a dica!!!!!
comentários(0)comente



Silvia AC/DC 31/07/2019

Boa surpresa
O livro tem boas reviravoltas e traz surpresas. No começo, todas as pessoas parecem perfeitas, e depois vamos descobrindo que não é bem assim.
Nem tudo é o que parece ser.
Duas coisas que não gostei: o bonitão da história me lembra o cara de 50 Tons (que faço questão de dizer que nunca li e nunca lerei, ridículo), e as regras para morar na casa "protagonista" da história são absurdas (um psicopata pode criar um contrato daqueles, mas acho que a pessoa tem que ser muito retardada para topar assinar aquilo).
Mas tudo bem, sem isso não teria essa história diferente e bacana.

comentários(0)comente



May 27/07/2019

Chocada
Me senti como quando li Nao conte a ninguem. Leio thrillers ha tempos e ainda sou manipulada
comentários(0)comente



Flávia Barone 24/07/2019

Não gosto de menosprezar o esforço dos autores, mas apesar da ideia genial de contar as vidas paralelas das duas personagens, achei pouco inesperado. Apesar de ter lido varias resenhas positivas antes de comprar o livro, para mim, os twists não foram tão bem explorados.
comentários(0)comente



Carol.Andrade 22/07/2019

Uma história fascinante, que mescla o passado e o futuro de duas jovens. Aos poucos na história a semelhança entre os acontecimentos com as duas é inevitável. Mas por que? Quem? Como?

E o desfecho da história se torna ainda melhor!

Otimo suspense contemporâneo.
comentários(0)comente



Mariana Tuzaki 16/07/2019

Leitura que prende
Gostei muito da escrita, o enredo é promissor e interessante. Dá pra perceber que foi estudado e que cada detalhe foi pensado. Faz tempo que não me prendo assim e devoro um livro nessa velocidade, mas o final deixou a desejar... Senti falta de um desenvolvimento maior das personagens, mal deu pra se apegar à alguma (a casa era a mais intrigante, por exemplo) e o plot twist é menos grandioso que a expectativa que a narrativa cria. Também pareceu meio jogado, incompleto. Uma trama boa como essa poderia ter ido muito mais longe se o autor tivesse optado por uma abordagem diferente, talvez.
De qualquer forma, é uma boa leitura para passar o tempo.
comentários(0)comente



Moni Cunha 12/07/2019

Sensacional!
📌 “Faça uma lista de todos os bens que você considera essenciais para sua vida.”

É dessa forma que começa um dos melhores thrillers que já li na minha vida.

Emma, uma mulher que consegue nos fazer sentir empatia e ódio ao mesmo tempo, faz de tudo para conseguir a casa dos sonhos, localizada em Folgate Street, n° 1. Entretanto, aquelas paredes guardam mais segredos do que se pode imaginar, e tais segredos levam Emma a uma morte suspeita e sem solução.

Tempos depois, Jane, que teve uma grande perda em sua vida, se vê no mesmo caminho da antiga moradora. Quando ela começa a desvendar os mistérios que cercam a casa número 1 da Folgate Street, percebe que aquele que deveria ser o lugar mais seguro do mundo, na verdade, pode se tornar o lugar mais perigoso.

É incrível como JP Delaney consegue dar a uma casa o protagonismo de um livro tão incrível. Por vezes me vi querendo entrar no livro e bater em Edward Monkford, dono da casa, que ao longo da história, percebemos que pode ser muito perturbado. Tudo, absolutamente tudo, tem uma importância significativa nesse livro. Portanto, se alguém derramar café em papéis, não pense que aquilo passará despercebido.

Minha única crítica à obra é a sua conclusão. Achei que o autor resolveu decidir toda a trama em 20 páginas, e, particularmente, vejo isso como um desrespeito a uma obra tão incrível.

De resto, gostaria de dizer que se você ainda não conheceu Folgate Street, n° 1, deveria, porque esse com certeza será um dos livros mais maravilhosos que lerá na vida.
comentários(0)comente



Thais.Pires 10/07/2019

Um livro que te prende
Um livro que te prende muito na história, eu comecei a leitura e não conseguia mais parar. Embora não tenha me agradado muito o final, valeu à pena a leitura.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
mi.sapondi 30/06/2019minha estante
Concordo super com você. No começo, a leitura era fluida e eu não queria largar o livro por nada nesse mundo. Depois senti toda a vivacidade dos personagens se esvaírem e o final, pois é... O final poderia ser muito melhor explorado.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bi Faria 17/06/2019

Capa linda! E foi uma leitura cheia de suspense e mistérios (de roer as unhas). É favorito de 2019!
A Casa Folgate Street n°1 é peculiar, minimalista, tecnológica e única. Para morar nela a pessoa tem que responder um extenso questionário, e se estiver apto, passará por uma entrevista com o dono e arquiteto.
Jane acabou de passar por uma situação muito triste e saber lidar com a perda morando no mesmo apartamento está insuportável. Ela então resolve procurar um lugar em que consiga recomeçar e pagar.
Folgate Street n°1 surge e ela resolve arriscar, quem sabe consegue ser aceita.
Ela consegue e vai para a entrevista com Edward, o arquiteto é muito bem apessoado, mas um tanto quanto metódico e cheio de regras. Mas há um interesse entre eles... Agora é aguardar um telefonema dizendo sua aprovação ou não.
Aprovada, ela se muda e acredita que sua vida irá mudar. Ao descobrir que a antiga inquilina morreu tragicamente na casa, ela fica intrigada.
Quem era ela?
Ao começar a investigar e também a sair com Edward, ela o questiona, ele não gosta que ela esteja remexendo no passado.
A casa que era seu porto seguro e estável, começa a parecer sufocante, coisas estranhas começam a acontecer e quanto mais Jane mexe mais ela pode estar correndo perigo.
Sua vida pode estar entrelaçada com a da antiga inquilina e Jane não quer o mesmo destino da outra. Porque o questionário para alugar a casa? Quem era a antiga morada? O que Jane tem a ver com a ela? O que aconteceu no passado? E o que vai acontecer com Jane? Suas respostas podem te levar para situações extremas. Quais são suas escolhas? "As relações humanas, assim como as vidas humanas, costumam acumular coisas desnecessárias. Cartões de Dia dos Namorados, gestos românticos, datas especiais, carinhos sem sentido... Mas e se nos desapegarmos de tudo isso? Há certa pureza em um relacionamento desimpedido, uma sensação de simplicidade e liberdade." @intrinseca #dandoumupliterario
comentários(0)comente



Nay 07/06/2019

Indefinido
Não sei o que pensar sobre esse livro.

Nao consigo dizer que gostei, mas, também não digo que não gostei!

Ele desperta a curiosidade, a forma que foi escrito é dinâmica, pois os capítulos são alternados entre as duas protagonistas e são curtos e diretos. Talvez essa objetividade tenha feito com que eu não desenvolvesse simpatia por nenhuma das personagens. Não sei. Realmente não sei o que pensar desse livro.

Não vou dizer que é ruim mas não tenho certeza se é bom. Só indefinido mesmo.
comentários(0)comente



Sabrina Meire 06/06/2019

Para morar na casa dos sonhos é preciso responder muitas perguntas, passar por um processo longo de avaliação e seguir inúmeras regras.

Não é uma casa qualquer, é a Folgate Street n° 1. Uma casa linda, minimalista e planejada para tornar a vida das pessoas mais simples e tranquila possível.
Um local perfeito para recomeços.

Mas o que fazer quando as coisas começam a ficar estranhas e você se sente vigiada e insegura?
O que fazer quando você começa a descobrir coisas que deveriam permanecer enterradas?

Que loucura !
É tensão do início até, literalmente, a última página.
Quando você acha que descobriu algum caminho para o mistério, vem o autor e joga outra bomba no seu colo.
Ele traz um suspense de tirar o fôlego, uma trama surpreendente e capaz de brincar com a nossa mente.
_________________________________________
"Sei que pode parecer estranho, considerando que eu nem conhecia a Emma. Mas me parece que ninguém verdadeiramente a conhecia. Todos com quem falei têm uma percepção diferente sobre quem ela era."
comentários(0)comente



Bia 25/05/2019

Eu adorei mas você pode apenas gostar
Não sei bem o que dizer nessa resenha, comprei esse livro por seis reais e não esperava muito dele, talvez por isso tenha me surpreendido tanto.

A escrita é muito boa, com capítulos curtos e que te deixam querendo o próximo, o que foi muito inteligente, alguns livros narrados por duas pessoas tem capítulos longos demais o que acaba cansando ou deixando tudo confuso, não é o caso aqui, no começo tive um pouco de dificuldade em notar as diferenças entre as personagens, mesmo que seja separado e tenha o nome de quem está namorando o capítulo eu queria saber sem precisar olhar e depois de um tempo consegui.

A Emma foi quem mais me surpreendeu, ela é uma personagem no começo e no final você pensa "é sério? Eu tô lendo direito? Essa é a Emma?" E eu meio que adorei isso nela.

A Jane também tem um final revelador só que bem menos impactante pra mim, sabe quando já aconteceu tanta coisa que nada mais te surpreende? Foi essa a sensação que tive.

A autora constrói muito bem a trama, esconde segredos, conta mentiras, diz meias verdades, mesmo que você descubra uma ou duas coisas é difícil descobrir todos os mistérios do livro.

Mas acho que o principal motivo pelo qual eu amei é que não leio muitos suspenses, então não sei bem identificar um assassino ou presumir o que vai acontecer, se você é alguém que descobre o assissino em todos os filmes ou livros provavelmente vai acertar esse também, até porque, quando terminei só consegui pensar em como não descobri antes.
comentários(0)comente



139 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |