Quem era ela

Quem era ela JP Delaney




Resenhas - A Menina Que Morreu


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Carla S. Santos 08/02/2018

Esperava mais...muito mais...
Depois de meses sem ler livro algum, pois acabei de ter um bebê e, como todos sabem, não é fácil lidar com as mudanças dos primeiros meses, consegui terminar essa leitura depois de ter que parar nos primeiros capítulos. Quando retomei, acabei devorando cada página em apenas 3 dias.

Esse livro realmente te prende. A curiosidade aumenta a cada minuto. Cada capítulo, de forma alternada, se refere a uma das duas personagens que moraram na casa, fazendo um zigue-zague entre o que aconteceu antes e depois dentro daquele lugar. O misterio aumenta e o suspense para saber quem matou Emma só se intensifica. O que você pensa sobre a personalidade dos personagens deixa de ser. Os acontecimentos mudam de figura. No entanto, o final não me surpreendeu tanto assim. De alguma forma, ja esperava o desfecho que a autora deu para a história e o plot twist não aconteceu para mim. Quando isso ocorre em um thriller psicologico, o livro sempre me decepciona.

Terminei com misto de sentimentos, pois gostei e também não gostei, tudo na mesma intensidade... ficou difícil de definir essa história. Ao mesmo tempo em que a escrita da autora é instigante e me fez devorar a leitura, me prendendo até a última página, o final não surpreendeu tanto assim e me murchou. Esperava mais, muito mais...
comentários(0)comente



Márcia Gerly 04/02/2018

Livro bom, final confuso
O livro tem uma pegada boa. Fui lendo e me envolvendo na história, que vai apontando cada hora em uma direção. Eu até curto isso. Mas os 3 últimos capítulos foram meio blah! Achei o final sem pé nem cabeça, não entendi a decisão da personagem, nem as motivações para aquela tomada de decisão, nem o início de outro ciclo com uma nova personagem. É isso! Talvez alguém possa me dar uma luz?!
Carla S. Santos 08/02/2018minha estante
[ATENÇÃO - SPOILER] No final, ela escolheu ficar com o filho, pois disse que qdo ele ficasse mais velho falaria para ele sobre a irmã! Ela decidiu ser mãe solteira e viver todas as complicações e alegrias de ser mãe de uma criança com síndrome de down. No entanto, que a casa foi novamente colocada para ser alugada, pois a Jane não aceitou a proposta do Edward! Ela preferiu o filho a casa...




Vitoria.Porto 04/02/2018

Confusa no nível Master
Um livro intrigante que me despertou curiosidade e que não me arrependo de ter gastado nem um minuto lendo, uma narrativa que te prende e te faz ansiar pelo desfecho, mas que por dar muitas reviravoltas, acaba que te fazendo ficar confuso, pois foi isso que aconteceu comigo. Não que eu não tenha entendido, pois acho que deu pra compreender,mas penso que a autora procurava de alguma forma criar um plot twist com todas essas mudanças e te fazendo a cada hora ter plena certeza de que sabe de tudo pra depois ela te pregar uma peça, e mudar completamente seu raciocínio lógico, o que pode ter tornado um pouco repetitivo a história bom deu pra perceber que até a minha resenha sobre esse livro é confusa mas foi desse modo que o livro me deixou. Posso confessar que estou em êxtase e ao mesmo tempo um pouquinho irritada por sempre tentar me passar a perna. Conclusão eu recomendo mas antes tenha consciência de que talvez fassa papel de trouxa em determinados momentos.
comentários(0)comente



Raissa_livros 25/01/2018

Perfeito.
Sem palavras. Mexe com o psicológico da gente!

Quando vc pensa que o final é uma coisa. Ele te surpreende.
Marisa 26/01/2018minha estante
undefined




Grace Ribeiro 24/01/2018

Muito bom!
Esse livro me prendeu demais.

No começo fiquei um pouco confusa, tive que retornar ao início algumas vezes, mas logo que comecei a entender a história, fiquei encantada com a escrita. Devorei as páginas.

As histórias da Emma e da Jane são muito ricas em detalhes, reviravoltas e muito suspense.
comentários(0)comente



Suka Rosário 13/01/2018

Incrédula
Sério q livro bom, qntas reviravoltas, tô tentando entender até agora esse final. Caraca tô incrédula.
Afinal quem era a Jane!?!? Rs
Felipe Zamoran 19/01/2018minha estante
Você diz que o livro é bom e dá uma nota? Haha




Veruska 11/01/2018

Quem era ela
Folgate Street, n. 1 é o endereço de uma casa minimalista e austera, sem maiores adornos e mobiliário. Uma referência arquitetônica em sintonia com a tecnologia. E está disponível para alugar por um valor bem acessível.
Mas, para viver ali, o candidato a inquilino precisa preencher um extenso questionário e se submeter à aprovação do seu proprietário, o excêntrico arquiteto Edward Monkford, e viver o estilo proposto para aquela habitação, cheia de regras.
Jane foi aprovada. Antes dela, Emma também o foi.
Ambas eram parecidas, fisicamente, e se encontravam em recuperação de momentos traumáticos e dolorosos. Tão parecidas. Tão diferentes.
A estória é narrada na primeira pessoa, sob a perspectiva de Emma - o antes - e de Jane - o depois -, misturando-se em um suspense psicológico intrigante.
À medida que Jane vê surgir no seu dia a dia referências e pessoas ligadas à Emma, ela mergulha em uma busca por respostas acerca de quem era aquela mulher que eletrizava tanto os homens à sua volta e quais os fatos e pessoas por trás da tragédia que a acometeu. Um turbilhão de dúvidas e perguntas surgem, enquanto Jane se envolve com o obsessivo e perfeccionista Edward.
Uma leitura inteligente e interessantíssima com muitas reviravoltas com um desfecho perfeito.
A escrita lembrou demais o estilo de Garota Exemplar de Gillian Flynn, pelos tipos de comentários e pela narrativa alternada, mas ressalto que se tratam de enredos diferentes.
Um dos melhores livros de suspense que já li e que não deixou qualquer ponta solta. Levava comigo para todo canto. Muito bom!
comentários(0)comente



Thaina 09/01/2018

Intrigante mas com final corrido
O tipo de livro que te prende, mas no final escorrega um pouquinho. Mesmo assim super vale a pena.
comentários(0)comente



Deza.Farias 07/01/2018

"QUEM É ELA"
Sim você não leu errado o título da minha resenha. Kkkk. Esse foi meu primeiro livro em 2018. Para o meu desafio literário solidário de janeiro ( que era ler um thriller psicológico) de tantos que eu tinha aqui, eu resolvi lê esse.

O livro conta a história de Jane, que depois de uma perda, decidi dar um rumo a sua vida. Mas com pouco dinheiro, ela não consegue, boas opções de aluguéis.
Porém tem uma casa pelo preço que ela pode pagar. A casa minimalista. A casa que foi projetada pelo renomado e excêntrico Edward Monkford ( Eu quero esse homem pra mim ).

Pra morar na casa, a meio mundo de regras absurdas kkkk
Do tipo você não pode ter quadros, objetos decorativos, animais , crianças e etc
Também tem a "Governanta" que é um APP que controlar muitas coisas na vida da pessoa.
A casa para mim, seria um sonho, se não fosse tão cheia de frescurinhas.

A fomosa casa da Folgate Street N° 1

Dai tudo bem a nossa querida Jane, resolve que consegue acatar as regras e vai morar na casa.Chegando lá poucos dias depois ela recebe flores, achando que foi o Edward que manda, ela os recolhe, noutra semana de novo, até que ela começar a se "abusar". Ai em um jantar que a Jane resolve dar aos amigos. Para mostrar a nova casa, sua amiga Mia diz que viu um homem lá fora com Lírios ( as flores que eram deixadas na porta da Folgate Street N° 1, eram sempre Lírios ). Jane então dispara para ver se consegue saber quem está deixando as flores.

Quando ela sai, lá está o Simon ( calma, você ja vai saber quem é ele ). Ela o confrontar perguntando o por quê de ele está deixando as flores para ela. Ele diz que as flores não é para ela, e que por isso deixou o bilhete "Emma, vou te amar para sempre, durma bem, minha querida". Ele diz amanhã seria o aniversário dela. Ai cai a ficha de Jane. Aquelas flores, eram um tributo. Alguém tinha morrido ali.

Depois que os amigos dela sai ela começar a pesquisa como a Emma morreu. E assim que ela mexe nesse enxame, várias coisas estranhas começam a acontecer.

Ah vamos fala um pouco de Edward, eu me dei muito bem com esse personagem. Adoro homem que faz o estilo grosso na cama e gentil fora dela. Gosto muito do fato de ele ser controlador. Sem fala que ele parece ser muito sexy. O nosso arquiteto tem uma história de vida difícil ( não vou contar para não ser spoiler ) mais isso faz com que ele seja um dos principais suspeito da morte de Emma.

Emma, é bem problemática, e particularmente não gostei dela. Achei ela metida e querendo sempre ser o centro das atenções

Simon, o namorado da Emma, esse é o tipo de namorado que todo mundo quer ter. Atencioso, carinhoso e cheios de qualidades. Também é suspeito

Existe outros personagens que também são suspeitos, mais não vou contar, leiam e tirem suas conclusões kkkk

O final eu achei muito sugestivo, não é o tipo de final que eu gosto. Ficou parecendo que o livro teria uma continuação.

A escrita do JP Delaney é muita fluída, nem parece que esse é seu primeiro thriller, ele sabe aonde dever pôr um suspende. Quando tem que ter um romance. E a história lhe prende de uma maneira maravilhosa, a única coisa que me incomodou um pouco foi o final.

Dei 4 estrelas, porque gostei muito do livro, o livro em sim respondeu as minhas expectativas. Poderia ter dado 5 estrelas se para mim o final não fosse, tão confuso.



PS : Para quem já leu o livro , vai entender que o título da minha resenha, tem haver com o final da história. Com toda aquela reviravolta.

Boa leitura a todos :)


#DesafioLiterárioSolidário2018 #Janeiro
comentários(0)comente



cotonho72 28/12/2017

Muito bom!!!
Uma linda casa que fica na nº1 da Folgate Street, bairro nobre de Londres, é uma verdadeira obra prima da arquitetura moderna, projetada no estilo minimalista, a residência tem um estilo futurista com tecnologia de última geração, por fora sua estrutura que pareia um bunker se destacava das demais e incomodava os moradores locais, mas apesar de tudo era simples, porém elegante, a casa tem um tipo de inteligência artificial e possibilita o morador a controlá-la por meio de aplicativos instalados no celular, garantido assim um maior conforto. A casa foi projetada pelo renomado arquiteto Edward Monkford e um dos sócios fundadores da Monkford e Associdados, mundialmente conhecido e premiado por suas construções minimalistas.

A primeira moradora da casa foi Emma, ela e o namorado Simon procuravam uma nova casa para morar, pois assaltantes invadiram a casa ondem moravam e Emma estava sozinha na ocasião, assim eles procuravam um lugar legal e barato. Quando conheceram o local perceberam que não teriam condições de morar em uma casa daquele porte, mas para surpresa do casal a única exigência do locador era responder uns questionários e se fossem aprovados só teriam de cumprir uma quantidade de regras estranhas. O casal é aprovado só que apesar de tudo Simon não se sente confortável, mas como ama Emma não o questiona, ele aceita a casa para vê-la feliz.Coisas estranhas acontecem na casa e isso traz alguns desentendimentos para o casal, eles terminam o namoro e Emma inicia um romance perturbador com Edward.

A segunda moradora é Jane que estava à procura de uma nova casa para morar, pois precisava superar uma grande dor, estava gestante e o filho morreu ainda em seu ventre, Jane precisa morar em outro lugar para ter um recomeço, então larga o emprego e decide procurar outro apartamento e acaba na n.º 1 da Folgate Street. Ela passa pelos mesmos procedimentos que Emma e na entrevista acaba tendo uma atração por Edward e percebe que a recíproca é a mesma. Mas um fato estranho a incomoda, todos os dias na sua porta alguém coloca um buquê de lírios, no inicio ela pensa ser de Edward, mas logo descobre que as flores são do Simon para Emma, logo percebe que há muitos segredos naquela casa a serem revelados e começa a investigar a antiga moradora, mais sua investigação e curiosidade acabam a deixando em perigo.

A história é narrada em primeira pessoa e intercala no passado com Emma e no presente com Jane, a única ligação entre as duas é a casa e seu proprietário, conforme avançamos na leitura vamos conhecendo o que aconteceu com Emma e o que pode acontecer com Jane, o autor JP Delaney consegue criar uma trama cheia de mistérios, suspense e reviravoltas, depois de certo momento é difícil largar o livro, esse é um ótimo thriller, com duas protagonistas fortes e personagens bem construídos, leitura recomendada.


site: http://devoradordeletras.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Luane.Reey 21/12/2017

Quem era ela - JP Delaney
Quem era ela é um thriller excelente que consegue fisgar o leitor não apenas por seu mistério, romance mais adulto, maduro e um tanto quanto obsessivo como também por possuir uma narrativa que flui de maneira natural e rápida. Acompanhamos as histórias de vida de Emma e Jane, duas mulheres parecidas fisicamente mas que são opostas quando se trata de personalidade. Elas possuem algo em comum, uma casa, Folgate Street Nº 1, a qual fora construída por um arquiteto muito famoso chamado Edward Monkford, uma casa com um recurso inteligente, a qual praticamente tem vida própria devido ao seu sistema tecnologicamente avançado. O mistério da trama trata-se justamente de compreender qual a ligação entre todos esses personagens, e o que realmente aconteceu na casa em certo momento da narrativa. O tipo de livro que você precisa ler para despertar seu lado detetive e que consegue com uma profundidade genuína abordar temas difíceis, tabus, em meio a uma história misteriosa. É um thriller que consegue tornar seus personagens realistas e os faz mostrar como seres humanos são de certo modo, complexos. E além disso, é um livro que consegue tornar a própria história mais interessante a cada capítulo, tudo se encaminha para a resolução do mistério principal e eu me senti trouxa. Todo o tempo o culpado estava ali, eu poderia desconfiar desta pessoa mas preferi focar no mais óbvio e nem sempre o que está bem na nossa cara é a verdade, às vezes precisamos prestar mais atenção nos arredores. Recomendo muito para quem gosta de tramas deste gênero.
comentários(0)comente



Ronaldo 28/11/2017

Se no início as protagonistas parecem apenas duas jovens se recuperando de experiências traumáticas que viveram recentemente, logo se constata que nem tudo é o que parece. Se uma delas se mostra uma jovem bem intencionada, decidida a recomeçar sua vida, a outra aos poucos revela um traço de sua personalidade bastante peculiar. Se a primeira é uma protagonista até um pouco tediosa, a outra me provocou vários tipos de sentimentos. Raiva, curiosidade, indignação, surpresa. E entre essas duas mulheres há uma figura masculina enigmática, cujas intenções não conhecemos, cuja índole é duvidosa e cujo passado esconde acontecimentos nebulosos. Gostei muito da narrativa, que é bem dinâmica, com duas histórias paralelas, dois relacionamentos amorosos complicados, que se cruzam numa trama investigativa. O autor brinca a todo momento com o leitor, revelando facetas sombrias de seus personagens, intensificando nossas dúvidas, nos confundindo e assim nos instiga. O final foi de certo modo previsível, mas gostei da maneira como os acontecimentos foram conduzidos, com muita emoção nas páginas finais

Resenha completa no blog:

http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2017/11/quem-era-ela-jp-delaney.html?m=1
comentários(0)comente



Whymme 12/11/2017

Cura-Ressaca (literária)
Esse livro foi definitivamente meu remédio contra a “ressaca-literária” que vinha me atormentando desde o começo desse ano. Não sei o que de fato aconteceu, mas fiquei quase seis meses sem ler nada, o que foi bom de certo modo, vendo que agora eu quero ler tudo que aparece na minha frente. Esse livro chegou na livraria que eu trabalho a uns meses atrás e foi uma grata surpresa, foi lido em vinte e quatro horas e eu estava em estado de choque com a história. O livro é escrito em capítulos curtos, linguagem fluida e uma enxurrada de acontecimentos loucos, acho que foi um dos motivos principais de eu ter lido tão rápido.
Aqui somos apresentados ao nº1 da Folgate Street, uma casa minimalista, um projeto arquitetônico um tanto excêntrico, uma casa para ser apreciada, cheia de aparatos tecnológicos para se moldar a vida do morador (ou molda-la, você escolhe depois de ler, ok?). Não é tão simples aluga-lo visto que o dono e arquiteto da mesma deixou uma lista de exigências muito loucas e um contrato meio assustador, no qual é preciso responder questões sobre o que é moral, certo ou errado, ou aceitável para o novo e sortudo inquilino, estão proibidos: tapetes ou carpetes; plantas; proibido fumar; nada de quadros na parede e livros.
Livros? Sim. Ornamentos, almofadas e outras tantas coisas, móveis e qualquer coisas que mude o interior do apartamento, todo branco e opaco. Estranho, porém intrigante. Vamos descobrir as excentricidades do dono do imóvel por duas personagens distintas, Emma e Jane, uma no passado e a outra no presente. Tão parecidas e ao mesmo tempo com diferenças tão gritantes. É incrível ver como a ordem cronológica dos acontecimentos se repete e se intercala mesmo em condições absurdas. O livro fica ainda mais curioso quando você descobre que TUDO que você sabia não significa nada.
Temos uma morte, um apartamento misterioso que é tão indecifrável quanto uma pessoa, um arquiteto um tanto desequilibrado, duas mulheres perdidas tentando entender como foram parar ali. O melhor livro é o ritmo, você só percebe que o carro está sem freio na descida. Eu adorei, primeiro thriller de Delaney, espero que venham outros! Divirtam-se!


site: whymme.wordpress.com
comentários(0)comente



Ca Agulhari 04/11/2017

Surpreendente até certo ponto.
O livro tem muitas reviravoltas. Isso é legal. Mas lendo você vai entender talvez porque não achei perfeito.
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5