Star Wars: Império e Rebelião – O fio da navalha

Star Wars: Império e Rebelião – O fio da navalha Martha Wells




Resenhas - Star Wars: Império e Rebelião – O fio da navalha


5 encontrados | exibindo 1 a 5


spoiler visualizar
comentários(0)comente



geórgea 10/07/2017

Império e rebelião: o fio da navalha
Na Orla Média, em um sistema desabitado chamado Eschaton, é onde nossa aventura tem início. A nave sob o comando do general rebelde Vanden Willard acaba de sofrer um ataque. Eles estavam em uma missão para a junta de materiais que ajudariam na construção da base Echo, novo QG da Aliança Rebelde. Após esse ataque inesperado, os rebeldes sofrem algumas perdas e o seu general fica gravemente ferido, por isso, Leia Organa, ainda princesa, substitui ele.

Mas quem teria atacado eles? O Império? E se foram eles, como sabiam a sua exata localização? O clima esquenta entre os tripulantes e a dúvida sobre um possível traidor entre em voga. Essa situação passa a dividir opiniões e o clima de desconfiança toma conta da tripulação. A partir daí, vemos uma Leia lutando para provar o seu valor perante os demais, tentando manter a união dos tripulantes e contando com a ajuda de Han Solo que está junto com ela nessa viagem, sempre com aquele clima de tensão típico entre eles, onde um não mede esforços para irritar o outro.

“Ah, que bom, ele voltou a me chamar assim, Leia pensou sarcasticamente. A essa altura, ela sabia que era melhor não reagir às gracinhas dele. Sua amizade com Han até então era mais difícil do que o fácil companheirismo que possuía com Luke Skywalker. Leia sabia que Han ainda tinha dúvidas sobre trabalhar com a Aliança Rebelde, e embora ele sempre expressasse essas dúvidas das maneiras mais irritantes possíveis, Leia compreendia seu ponto de vista.”

Ao tentar fugir do seu desconhecido algoz eles embarcam em uma nova jornada para salvar suas vidas. E em meio a essa fuga, acabam se deparando com antigos conhecidos e sobreviventes de Alderaan, assim como perigosos piratas que saqueiam e vendem escravos. É aí que conhecem a capitã Caline Metara e juntam-se a ela para ajudar sua tripulação. O que eles não sabem é que essa união poderá ser mais perigosa do que imaginam. E a figura de um traidor continua a pairar cada vez mais sobre eles.

Minha Opinião

Aqui temos uma história completamente focada em Leia Organa. Se eu amei? Acho que nem preciso falar. Toda a construção feita da personagem ficou excelente. Brava, corajosa e destemida, com espírito de liderança e toda uma diplomacia para tratar com todas as raças. Essa figura, já conhecida dos filmes, aparece nesse livro bem como nos lembramos dela. Achei incrível a capacidade que a autora teve de buscar exatamente a Leia que já conhecemos, com cada uma das suas minúcias.

O seu relacionamento com Han Solo também não deixou a desejar. A todo momento sentimos a atração que existe entre eles e a preocupação que ele tem de não deixar transparecer o que sente por ela. Sempre trocando farpas, mas com muita cumplicidade e união para sair dos maiores problemas da galáxia que parecem persegui-los. E, claro, essa história não estaria completa sem a presença da Millenium Falcon (salvando a pátria!) e seus tripulantes: Luke, Chewie, R2-D2 e C-3PO. Se você sentia saudades de ver todos eles juntos embarcando em novas e arriscadas missões, tenha certeza que irá encontrar isso e muito mais aqui.

“Leia crescera com a Aliança Rebelde e dedicou a maior parte da sua vida à causa, mas não era tão fechada a ponto de não enxergar a perspectiva de Han. Acontece que ela sentia uma vontade incontrolável de discutir com ele.”

Desde o começo me questionei sobre a dificuldade que a autora Martha deve ter encontrado ao transpor cada personagem para esse livro. Acertar nas suas falas e ações deve ter sido um grande desafio, mas que acredito que ela conseguiu suprir da melhor maneira possível. Nos diálogos observei várias semelhanças com as falas contidas nos filmes. Seja pela forma de expor uma ideia ou por suas tiradas sarcásticas e inteligentes. (Amo você, C-3PO!) Ficou muito fácil imaginar esses indivíduos interagindo nesse livro.

Mas como nem tudo são flores, por termos diversos personagens novos inseridos nessa trama, acabei me perdendo e ficando saturada com tantas informações. Por isso, o motivo de não dar cinco estrelas. Demorei até conseguir me achar e conhecer todos os envolvidos e saber suas verdadeiras funções. Mesmo com uma descrição detalhada, por muitas vezes me pegava questionando sobre quem estava falando no momento. Sem falar da vasta gama de espécies que passaram pela história e que ficaram difíceis de lembrar. Como os ishori, um tipo de anfíbio, que eu não lembrava de ter ouvido falar. A autora precisou usar de toda sua imaginação e esforço para fazer essa história fazer sentido.

“- Você é quem manda, Alteza. – Han sabia que ela odiava quando ele a chamava assim. Leia respondeu com um olhar mortal e se retirou batendo os pés. O contrabandista ponderou mais uma vez sobre o estranho caminho que sua vida havia tomado: ele se tornara amigo e parceiro de brigas da última princesa de Alderaan. Só não queria se tornar a pessoa que causaria sua morte.”

Uma dessas novas personagens citadas no livro e que chamou muito minha atenção foi a capitã Metara. Tive muitas dúvidas sobre as suas reais intenções. Ela me pareceu uma pessoa furtiva e duvidosa desde o começo e trabalhada em um ego gigantesco, para minha surpresa ela se revelou muito mais do que eu esperava e considero ela uma personagem fundamental para o andamento e desenrolar dessa história.

Durante a leitura vários eventos passados são levantados, como a destruição de Alderaan e da Estrela da Morte, algo que serviu para nos situarmos na história e sabermos em que época esses eventos se passaram. Analisei isso como algo muito importante, principalmente para sabermos se não existiriam furos na história (eu não encontrei!). Leia faz diversos inimigos, mas também aliados graças a sua coragem e bom coração.

A história é muito boa, com poucas ressalvas. E serviu para lembrarmos o que é estar em uma missão com esses personagens tão queridos. Poucos pontos me incomodaram, mas creio que a abordagem feita nos personagens que já eram conhecidos ficou muito fidedigna. E ao final a autora deixou algo aberto para possíveis novas histórias que eu não vejo a hora de ler. Se você também deseja embarcar nessa viagem perigosa, cheia de raças e com um excelente enredo, esse é o seu livro!

site: http://resenhandosonhos.com/imperio-e-rebeliao-o-fio-da-navalha-martha-wells/
comentários(0)comente



Acordei Com Vontade de Ler 02/07/2017

A história é narrada em terceira pessoa e se passa principalmente a bordo do cargueiro adaptado Gamble. Logo no início, a princesa Leia e Hans Solo, que estão na Gamble em uma missão para conseguir equipamentos para a nova base, a Echo. Porém, a nave é atacada. Toda essa ação acontece logo nas primeiras páginas e após contabilizar os estragos, sofrer pelas vidas perdidas e pelos feridos é hora de se reestruturar. Leia torna-se a primeira no comando e começa a pensar na possibilidade de um traidor dentro da Aliança Rebelde. Um traidor que passou a localização para o Império. Sorte que a informação foi passada na última hora, pois apenas uma nave surgiu para atacá-los.
"Leia batia com as unhas sobre o console. Se estivesse certa sobre a informação ter chegado ao Império por intermédio da frota da Aliança ou da cadeia de comunicação..." (p. 29)
Porém, mesmo com a nave avariada e com as perdas de integrantes da população, eles tem uma missão a cumprir: encontrar o não tão confiável Kearn-sa'Savit. Para isso a Gamble precisa chegar até a estação Arnot, uma estação localizada em um local perigoso, pois é uma rota de piratas.
Imaginem a surpresa da princesa quando ela descobre que existe uma nave de Alderaan pirateando e com uma tripulação de sobreviventes de seu planeta natal!

Leia é uma personagem perspicaz, que acredita no poder da persuasão e usa seu dom com as palavras para tentar convencer a Capitã Caline Metara e sua tripulação a se aliarem à Aliança Rebelde. Mas a missão não é fácil, quando Leia e Hans descobrem para quem a nave está trabalhando...
"Império e Rebelião – O fio da navalha" é cheio de reviravoltas e traições. O livro tem todos os elementos que os fãs de Star Wars amam: lutas, personagens incríveis, uma princesa Leia destemida e um Hans Solo sarcástico e sagaz. Ainda temos a presença da Millennium Falco, trazendo o Chewbacca, o C-3PO e o Luke.
A interação entre Leia e Hans é divertida, pois temos a impressão de que estão sempre se irritando um com o outro. O enredo foi bem desenvolvido, explicando bem os acontecimentos que vão se desenrolando nas páginas. Vários personagens ganham destaque em determinado momento do livro, como por exemplo, o General Willard, o Kifar Itran, a Sian Tesar e muitos outros.
"- Esperem aqui e não façam nada precipitado.Han ergueu uma sobrancelha.- Defina "precipitado".Leia definia "precipitado" como tudo o que Han fazia." (p. 73)
O livro fala de uma missão específica, mas também traz uma lição valiosa sobre segundas chances e redenção.
Em relação à revisão, diagramação e layout foi realizado um ótimo trabalho. Encontrei apenas um errinho de digitação na página 41, mas nada que interferisse na compreensão do texto. A editora também disponibilizou uma lista de personagens para facilitar o leitor (pois alguns nomes são complicados). O rodapé também tem um selo do Star Wars, que torna o livro ainda mais bonito.

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/2017/06/resenha-star-wars-imperio-e-rebeliao-o.html
comentários(0)comente



Carolina Durães 20/06/2017

A história é narrada em terceira pessoa e se passa principalmente a bordo do cargueiro adaptado Gamble. Logo no início, a princesa Leia e Hans Solo, que estão na Gamble em uma missão para conseguir equipamentos para a nova base, a Echo. Porém, a nave é atacada. Toda essa ação acontece logo nas primeiras páginas e após contabilizar os estragos, sofrer pelas vidas perdidas e pelos feridos é hora de se reestruturar. Leia torna-se a primeira no comando e começa a pensar na possibilidade de um traidor dentro da Aliança Rebelde. Um traidor que passou a localização para o Império. Sorte que a informação foi passada na última hora, pois apenas uma nave surgiu para atacá-los.

"Leia batia com as unhas sobre o console. Se estivesse certa sobre a informação ter chegado ao Império por intermédio da frota da Aliança ou da cadeia de comunicação..." (p. 29)

Porém, mesmo com a nave avariada e com as perdas de integrantes da população, eles tem uma missão a cumprir: encontrar o não tão confiável Kearn-sa'Savit. Para isso a Gamble precisa chegar até a estação Arnot, uma estação localizada em um local perigoso, pois é uma rota de piratas.
Imaginem a surpresa da princesa quando ela descobre que existe uma nave de Alderaan pirateando e com uma tripulação de sobreviventes de seu planeta natal!
Leia é uma personagem perspicaz, que acredita no poder da persuasão e usa seu dom com as palavras para tentar convencer a Capitã Caline Metara e sua tripulação a se aliarem à Aliança Rebelde. Mas a missão não é fácil, quando Leia e Hans descobrem para quem a nave está trabalhando...
"Império e Rebelião – O fio da navalha" é cheio de reviravoltas e traições. O livro tem todos os elementos que os fãs de Star Wars amam: lutas, personagens incríveis, uma princesa Leia destemida e um Hans Solo sarcástico e sagaz. Ainda temos a presença da Millennium Falco, trazendo o Chewbacca, o C-3PO e o Luke.
A interação entre Leia e Hans é divertida, pois temos a impressão de que estão sempre se irritando um com o outro. O enredo foi bem desenvolvido, explicando bem os acontecimentos que vão se desenrolando nas páginas. Vários personagens ganham destaque em determinado momento do livro, como por exemplo, o General Willard, o Kifar Itran, a Sian Tesar e muitos outros.

"-Esperem aqui e não façam nada precipitado.
Han ergueu uma sobrancelha.
- Defina "precipitado".
Leia definia "precipitado" como tudo o que Han fazia." (p. 73)

O livro fala de uma missão específica, mas também traz uma lição valiosa sobre segundas chances e redenção.
Em relação à revisão, diagramação e layout foi realizado um ótimo trabalho. Encontrei apenas um errinho de digitação na página 41, mas nada que interferisse na compreensão do texto. A editora também disponibilizou uma lista de personagens para facilitar o leitor (pois alguns nomes são complicados). O rodapé também tem um selo do Star Wars, que torna o livro ainda mais bonito.


site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/
comentários(0)comente



Hoje é dia de Livro 04/05/2017

Resenha - Hoje é dia de Livro
Star Wars possui um universo expandido para nenhum fã botar defeito! São filmes, séries, jogos e muitos, mais muitos livros! Sejam eles cânones — produtos (livros, séries, etc.) considerados oficiais, licenciados pela Lucasfilm — ou legends — qualquer material produzido antes da compra da Lucasfilm pela Disney e que são considerados "lendas" (podendo ou não ser reais) —, são itens indispensáveis, que possibilitam a viagem por esse mundo incrível!

A editora Universo dos livros, através do selo Universo Geek, vem nos presenteando com vários livros do arco legends, apresentando histórias criadas por autores que se mostram grandes e apaixonados fãs da saga. Martha Wells entra nesse time com "Império e Rebelião: O fio da Navalha".

Nessa nova aventura, que sucede a Batalha de Yavin, acompanhamos alguns personagens bem conhecidos por nós e também a inclusão de alguns novos. A Aliança Rebelde tenta lidar com a constante perseguição do Império e ainda conseguir novos suprimentos para a criação da nova base no planeta Hoth. Em uma missão para recolher esses suprimentos, Leia — a nossa princesa super badass — junto com Han Solo, Chewbacca e companhia, enfrentarão grandes problemas, que envolvem um traidor dentro da Aliança, piratas e o próprio Império, que tenta, sem sucesso, capturar a princesa em uma armadilha, que acaba escapando com sua tripulação e se abrigando em um território governado por piratas. Se já não bastasse tantos problemas, uma descoberta, envolvendo seus conterrâneos de Alderaan, fazem Leia embarcar em uma nova e perigosa missão envolvendo os piratas letais.

Preso! É assim que você ficará com a leitura de "Império e Rebelião". Já no início do livro, somos apresentados a uma narrativa — feita em terceira pessoa — cativante, repleta de ação e de tirar o fôlego, que se estende até a última palavra da história. Wells soube desenvolver muito bem os personagens, não pecando em relação às suas originais características, bem como também, o relacionamento entre eles. É divertido acompanhar a relação entre Leia e Han, principalmente a admiração e o sentimento do ex-contrabandista pela princesa e as incontáveis implicâncias dela por ele. Outro ponto muito bem trabalhado pela autora, foi o empoderamento de Leia, onde acompanhamos uma personagem forte e que busca sempre ajudar àqueles que mais precisam, lutando sempre contra as injustiças, sejam elas quais forem — uma cópia perfeita de sua mãe: Padmé —.

Eu sou meio suspeita de falar sobre Star Wars, pois sou fã fanática da saga, mas para todos os leitores, que buscam em uma leitura, muito romance, aventuras de sobra, muitos perigos e viagens intergalácticas, essa obra é uma excelente pedida! E para você, que ainda não leu nada relacionando ao universo e possui curiosidade, mas não sabe por onde começar, que tal embarcar e se aventurar com a Aliança ou até mesmo com o Império, com a obra de Wells?

site: http://www.hojeediadelivro.com.br/2017/04/resenha-star-wars-imperio-e-rebeliao-o.html
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5