Inferno no Colégio Interno

Inferno no Colégio Interno Lemony Snicket




Resenhas - Desventuras em Série: Inferno no Colégio Interno


106 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Mateus 19/10/2010

Acredito que nenhum dos livros da série até agora me deixou tão revoltado quanto Inferno no Colégio Interno. Nem mesmo a morte sangrenta de um dos personagens em Serraria Baixo-Astral me deixou assim. Quem leu o livro sabe exatamente o que estou dizendo. Foi um fato marcante, que com certeza será lembrado em todos os outros livros.

Neste episódio, Violet, Klaus e Sunny, vão parar em um colégio interno por não possuírem mais nenhum parente próximo (vivo) para ser responsável por eles. Se já não bastassem as desgraças ocorridas nos outros livros, os órfãos se deparam com uma pequena cabana de zinco, caranguejas que mordem, goteiras de fungos estranhos, a antipática Carmelita Spats, professores tediosos, corridas extremamente cansativas e, claro, as artimanhas do Conde Olaf.

O personagem funesto dessa vez é o vice-diretor Nero (pensando agora, quem é o diretor do colégio? Pelo menos eu não me lembro dele aparecer), um péssimo violinista que se acha o maior artista de todos os tempos, e quer ser aclamado como tal, além de ter a irritante mania de debochar de tudo o que os outros dizem. Pelo menos até agora foi um dos personagens mais detestáveis (atrás, apenas, do Conde Olaf).

O bom é que personagens incríveis são apresentados: os trigêmeos Quagmire. Seus pais morreram durante um incêndio, uma grande fortuna os espera e passaram por grandes sufocos. Lembrou de alguém? Pois é, coincidência ou não, se tornam grandes amigos dos Baudelair e poderosos aliados contra seus inimigos. A pena é que tiveram um final não muito animador.

O interessante é que em Inferno no Colégio Interno descobrimos cada vez mais sobre Beatrice, a misteriosa mulher que Lemony Snicket dedica todos os seus livros. Nos primeiros livros ela era apenas citada, mas no quinto ganha mais espaço e conhecemos um pouco mais de sua história. Mas nem só descobertas foram feitas nesse livro. Os Quagmire, antes de ter o final que tiveram, pelo visto fizeram grandes descobertas mas não tiveram tempo de revelá-las. O que há de mais terrível por traz do Conde Olaf? O que significa C. S. C? O que, por Deus, havia nos cadernos dos trigêmeos? Cada vez fico mais curioso com tudo, e não vejo a hora de ler o próximo livro da série.
Lúcia Guimarães 19/10/2010minha estante
Oi Mateus!
Como sempre, suas resenhas são ótimas!
Pela primeira vez, fiquei a fim de ler esta série!
Continue escrevendo!
Bjks


Gabi 25/04/2011minha estante
Desventuras é minha série favorita, e eu senti quase o mesmo que você em relação a esse livro, Mateus!
Parabéns pela bela resenha!
Beijos


Aline Mapelli 02/01/2014minha estante
De todos os livros até agora certamente este foi o mais impactante, além de trazer novidades para a série, que até o momento seguia uma receita de bolo nos acontecimentos.


SG1 10/02/2014minha estante
Acho o vice-diretor Nero até mais irritante que o Conde Olaf. E sobre a curiosidade, bom, acho que ela é o tempo especial e mais utilizado por Lemony em toda a série!


Mateus 11/02/2014minha estante
O mistério vaga por cada página e cada palavra escrita pelo Snicket! Mas esse livro foi o que mais me deixou curioso em relação a tudo, hehe.


Matheus Diverno 03/07/2014minha estante
Acabei de ler,e compartilho exatamente da mesma opinião que você.
Abraços


Pedro Terra 23/07/2015minha estante
Eu me peguei em muitos momentos da história questionando a verossimilhança do livro, quer dizer, como se tivesse alguma, sabe? ''como é que esse banana do Poe não faz absolutamente nada? Como ele NUNCA acredita em uma palavra sequer proferida pelas crianças, muitas vezes nem mesmo as deixando falar?'' Fiquei pra morrer, e acho que por isso mesmo não tenho uma opinião clara acerca do livro, ainda. Tô meneando entre amor e ódio, difícil.


Pedro Terra 23/07/2015minha estante
E ah, sobre Beatrice, me recomendaram a leitura da autobiografia não autorizada do Lemony, dizem que esclarece alguns pontos, ainda que outros até o fim da série tenham se mantido obscuros.


sarah.gomes.750 27/07/2018minha estante
Acredito que os Quagmire descobriram que foi o Conde Olaf quem matou os pais dos Baudelaire. Conde Olaf afirmou ter causado um incêndio criminoso antes que fugir em O Lago das Sanguessugas.




Fillipe 30/03/2020

Eu acho uma leitura agradável. Gosto do estilo da narração e me afeiçoei aos protagonistas, tanto quanto criei repulsa pelo vilão.
Porém estou sentindo desde o volume anterior que a história tem ficando meio repetitiva. Sinto falta de elementos novos para quebrar a monotonia e linearidade da história. Neste volume surgiram os trigêmeos, mas ainda assim não senti que sacudiu o enredo de um jeito interessante.
Está muito previsível, o que torna a história meio arrastada às vezes
Mas, continuo lendo, pela curiosidade de saber o fim dos Baudalaires e do mala do Olaf e na esperança de que as coisas fiquem mais emocionantes.
comentários(0)comente



Patty Pizarro 29/12/2011

Nossa.....é insuportável ler esse livro, dá vontade de entrar na história e bater muito nesse Nero.....Que coisa infantil, pensa em uma pessoa sem noção...É esse cara....Esse capítulo da vida dos Baudelaire me deu nos nervos.....
"Ana Paula" 29/12/2011minha estante
to doida pra ler esta série... mas tenho tantos livros aki pra ler que ele vai fikando, fikando.... até que se Deus quiser um dia eu leio...rsrsrsrsrs
Adorei as resenhas!!!!

bjussss




Jennifer Martins 29/06/2020

"Se pelo menos tivessem sorte"
Às vezes penso em largar o livro e imaginar mesmo que os irmãos Baudalaire tiveram o final feliz.
É angustiante ver a falta de empatia dos adultos com essas pobres crianças. Nessa história pelo menos eles sentiram por alguns momentos a felicidade de se ter amigos.
comentários(0)comente



Jonas 15/06/2020

Inferno no Colégio Interno
Fiz resenha no meu blog dessa obra, por favor visitem e se inscrevam. Obrigado

site: https://resenhasnonaarte.blogspot.com/2020/06/desventuras-em-serie.html
comentários(0)comente



Nathanael.Cardoso 19/06/2020

Bom...
Não tão bom quanto os outros, mas bom o suficiente para ser divertido.
comentários(0)comente



Ana 10/04/2020

A coleção Desventuras em série é um clássico infantojuvenil, porém agrada leitores de todas as idades. Nesta coleção, o autor aborda a vida dos irmãos Baudelaire de forma crítica, dramática e irônica, com vários mistérios para serem resolvidos ao longo da leitura.
comentários(0)comente



ellenray 09/04/2020

Um dos meus favoritos da saga, pobres crianças...
comentários(0)comente



Jessika.Rosa 03/05/2020

Adorei quando eles encontraram os dois trigêmeos Quagmire, e devo dizer q foi um plano e tanto o do conde Olaf pq demoreeei p descobrir oq era kkkkkkk mais um livro mt bom da coleção
comentários(0)comente



Kerol Castro 09/03/2020

Desventuras em Série #5
As desventuras dos irmãos Baudelaire continuam, dessa vez em um terrível colégio interno com a intragável Carmelita Spats, o sem talento e sem senso do Vice Diretor Nero e o "professor de educação física, o instrutor Genghis". Lá eles fazem amizade com os trigêmeos Quagmire e conseguem aliviar um pouco de seus infortúnios.
Com um final tão emocionante que me fez engolir o livro para assim começar O Elevador Ersatz.
comentários(0)comente



Beth 02/12/2012

Inferno no Colégio Interno.
Esse é o quinto livro do Desventuras em Série, e posso disser que esse foi o que mais me deu dó dos três irmãos.
Eu pensei que eles conseguiriam viver um pouco melhor no colégio interno, mas doce ilusão, foi bem ao contrário.
Eles tinham que ficar em um quarto horrível (com direito a caranguejos que mordem, mofo pingando do teto, etc), por serem órfãos. Eles tinham professores péssimos e tinham que ouvir o diretor tocar violino por horas seguidas-o detalhe é que ele não sabia tocar, maaaas, o pior de tudo, e o que acabou com a vida e o sono deles, foi o novo professor de Educação Física, que fez gato e sapato deles.
A única parte que deixava eles mais felizes, foram os TRIGÊMEOS (e não gêmeos), que tinham uma história parecida e por isso acabaram se tornando amigos, mas talvez seja um problema ser amigo dos irmãos Budelaire...
comentários(0)comente



Hellen.Cristina 27/02/2020

Neste livro a história nos irmão contínua a mesma, mas porém agora tem amigos para os ajudar. Mas como sabemos isso não durará muito.
comentários(0)comente



Lucio 27/05/2020

Interessante...
Estava cansando da série mas este livro me animou a continuar. Novos personagens e mistérios são adicionados a trama. Gostei
comentários(0)comente



Blog MDL 07/02/2016

Conforme explanado na última resenha, o Sr. Poe alertou aos órfãos Baudelaire que, caso algo desse errado na Serraria Alto-Astral, não haveria outra escolha para os meninos, senão matriculá-los em um colégio interno. Eis então nossos jovens heróis, juntos ao Sr. Poe, em frente à Escola Preparatória Prufrock, com seu belíssimo lema “Memento Mori” (Penny Dreadfull fellings), que, traduzido do latim, significa “Lembra-te de que Morrerás”

O livro mostra que essa nova etapa da vida dos irmãos será sofrida ao nos mostrar sua nova antagonista, Carmelita Sparks. Carmelita é uma menina esnobe e arrogante, que quer sempre ser o centro das atenções, tendo o maior prazer em humilhar as pessoas em público sempre. Se isso já não fosse ruim, conhecemos também o vice-diretor Nero, um homem que se considera um gênio e exímio tocador de violino, mas que na verdade é um tirano tolo e arrogante, que remeda seus estudantes em tom hostil e não sabe toca nada no violino, apenas arranha as cordas. Nero explica as regras da Escola, sendo uma delas a que os estudantes precisam obrigatoriamente ouvir, todos os dias, um recital de seis horas da terrível música de Nero.

Os alunos que não vão são punidos pagando um pacote de balas ao vice-diretor, enquanto assistem-no devorar todo o pacote. Ele também explica sobre o maravilhoso e aconchegante alojamento dos alunos, mas os irmãos Baudelaire não terão acesso a eles, pois faz-se necessário a assinatura de autorização dos pais, que os irmãs não tem, por serem órfãos. Eles são encaminhados então para o Barraco dos Órfãos. Um lugar úmido e cheio de fungos que pingavam a todo instante, com caranguejos que os beliscam e uma pilha de feno como cama, sem falar que as paredes eram pintadas em um verde pavoroso, cheio de corações espalhados, parecendo um cartão de Dia dos Namorados brega.

As aulas não eram muito melhores, pois o professor de Violet apenas relatava entediantes fatos históricos, enquanto comia bananas, a de Klaus tinha obsessão pelo sistema métrico, forçando os alunos a medirem tudo e, como a escola não tinha uma classe, Sunny acabou tendo que se tornar secretária do vice-diretor, tendo que lidar com atividades impossíveis para um bebê.

E, como cereja do bolo, que está lá em mais um plano para tomar a fortuna dos Baudelaire? Sim, ele mesmo, o Conde Olaf! Dessa vez. disfarçado de professor de Educação Física, o Conde Olaf fará com que nossos pequenos desafortunados participem de seu programa de treinamento D.O.R. , tornando a vida deles ainda mais complicada.

Mas, nem tudo foi sofrimento para nossos queridos. Pois na escola eles conheceram os trigêmeos Quagmire. Isadora e Duncan Quagmire eram trigêmeos, até que seu irmão e seus pais acabaram morrendo em um incêndio, como ocorreu aos pais dos Baudelaire. Duncan quer ser jornalista e Isadora é uma poetisa especializada em dísticos (poemas curtos de apenas dois versos). E acabam criando um vícuo forte com esses dois órfãos.

Junto com seus novos amigos, os irmãos terão que sobrevier a mais essa intempérie em suas vidas, enquanto escapam mais uma vez das garras do Conde Olaf.

Esse é, assim como o livro anterior, uma aventura extremamente malvada com os órfãos. Nele vemos que a escola, um ambiente que deveria prover um ambiente seguro para o aprendizado, é um cárcere malvado, onde temos bullying tanto de estudantes, quando da própria figura de poder, representada aqui pelo vice-diretor Nero, que pode ser diretamente relacionado como referencia ao imperador romano Nero, que ficou conhecido por sua tirania e ganância e que forçava seus súditos a vê-lo enquanto tocava violino.

Lemony Snicket continua a nos brindar com seu brilhantismo ao narrar a história. Seja nos exemplos divertidos ou nas cenas tristes e dramáticas, o narrador é um ponto forte durante toda a narrativa.

O livro também é muito amado por diversos fãs da série pela introdução dos trigêmeos Quagmire (mesmo sendo apenas dois agora, ele não abrem mão de serem chamados assim), que são extremamente carismático e que, em poucas linhas, ganham nossos corações, o que nos será péssimo no futuro.

Até tivemos mais do Conde Olaf, mas dessa vez nosso vilão acabou meio em segundo plano a meu ver, pois, mesmo sendo responsável pela crise dos Baudelaire nesse livro, a carga dramática já estava tensa por conta de Nero e Carmelita. Mas isso não dispensou nosso pérfido vilão de aprontar até as últimas páginas desse livro.

Aclamado por muitos como um dos melhores livros de toda a saga, Inferno no Colégio Interno é mais uma aventura ímpar dos irmãos. Mais uma vez estaremos torcendo para que a vida sorria para nossos heróis, e mas uma vez ficaremos tristes com os resultados finais...

site: http://www.mundodoslivros.com/2016/01/resenha-desventuras-em-serie-inferno-no.html
comentários(0)comente



106 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |