Em Águas Sombrias

Em Águas Sombrias Paula Hawkins




Resenhas - Em Águas Sombrias


128 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Vanessa @LarLiterario 17/06/2018

Interessante.
Em águas sombrias vai narrar a história de Beckford onde existe um rio que atravessa a cidade e foi nomeado como poço dos afogamentos por que várias mulheres já morreram nele. A grande maioria delas todo mundo acredita que foi suicídio e a polícia local acaba por encerrar os casos com essa conclusão. Até que uma adolescente, Katie, também é vítima das águas sombrias desse poço e é mais uma morte dada como suicídio. Dois meses depois Nel Abott, uma escritora bem sucedida de 35 anos é encontrada morta no mesmo poço.

A semelhança entre as duas ultimas mortes é que nenhuma das duas tinham motivos que as levassem ao suicídio e por isso enquanto o caso de Nel é investigado o de Katie acaba vindo a tona novamente. O desenrolar da história começa a partir daí, onde tanto a polícia quanto os moradores da cidade passam a investigar o que aconteceu e descobrir se as mortes foram suicídios ou tinha algo, ou alguém, por trás delas.

O livro é narrado por vários pontos de vista, e apesar de no começo causar uma certa confusão quando você se familiariza com todos os personagens a leitura fica fácil e bem fluida. Na minha opinião, o fato da narrativa ser intercalada em diferentes pontos de vista deixa o livro ainda melhor e mais instigante. Durante a leitura você se torna um investigador e a autora só entrega o que realmente aconteceu na última frase do livro. Isso mesmo, ÚLTIMA FRASE. Quando você pensa que descobriu tudo ela vai lá e te dá uma rasteira.

Teve uma ponta solta que me incomodou, mas não foi extremamente relevante para a história, apesar de achar que a autora poderia ter dado uma explicação para aquilo. É necessário falar também que o livro aborda pedofilia, misoginia, abuso sexual e depressão, então se você se sente incomodado pode ser um gatilho.
comentários(0)comente



Jaque - Achei o Livro 11/06/2018

Para todas as encrenqueiras
Paula Hawkins tem o dom de criar personagens que não cativam, que o leitor não consegue ter afinidade justamente por torná-los tão humanos e reais com seus defeitos e manias.
Esperei muito por esse livro depois de ter lido A Garota no trem, gênero que faz minha cabeça totalmente mas quando começou a sair as primeiras resenhas perdi um pouco da empolgação. Foram tantas pessoas dizendo que o livro era confuso, que o excesso de personagens tornava a estória cansativa e etc que no fim fui deixando pra depois.
Agora venho dizer que não tem nada de confuso nessa estória. Tem sim vários personagens mas cada um com sua importância para o desenvolvimento do trama e foi a quantidade de estórias paralelas que tornou o livro mais interessante, pois conhecemos a mesma por vários pontos de vista diferentes.
Todos eles tem motivos, todos eles escondem segredos. Qualquer dificuldade em identificá-los, basta algumas poucas anotações que rapidamente você os reconhece durante a leitura.
Não é um enredo arrebatador com um final chocante, porém a trama é muito bem desenvolvida, tanto a narrativa quanto os diálogos são simples e descomplicados, permitindo que o leitor interaja facilmente com os personagens.

Os capítulos são curtos e divididos em narrativas diferentes, algumas em primeira pessoa, outras em terceira. Temos também uma variação de tempo e algumas partes em que a narrativa se apresenta em forma de conto de um livro.

Jules volta pra cidade natal após a morte da irmã e se torna responsável pela guarda da sobrinha, quem nunca conheceu. Ela e a irmã não se falam há muitos anos devido à magoas do passado que nunca foram esclarecidas.
Com um intervalo de morte de apenas 2 meses entre a Nell e a Katie no mesmo lugar, algumas pessoas começam a achar que pode haver algo mais relacionado à essas mortes que apenas coincidência.
O Poço dos afogamentos têm várias estórias de suícidio para contar e era sobre isso que Nell estava escrevendo quando morreu.
Se as mortes têm relação uma com as outras ou não iremos descobrir e tirar nossas próprias conclusões durante as narrativas intercaladas, que muitas vezes irão deixar mais dúvidas que esclarecê-las.
Ainda que o final não tenha me pego de supresa, eu gostei. O que diminuiu a nota foi a falta de explicação para dois personagens. A autora dá a entender mas não esclarece, algo que agrada uns leitores mas desagrada outros como é meu caso.
Enfim, gostei do livro como um todo, da maneira como foi narrado até a profundidade dos personagens. A gente sabe que o livro é bom quando você não se apega à nenhum personagem e mesmo assim gosta da estória.
Recomendo! Paula Hawkins tem uma leitora fiel aqui.

site: http://acheiolivroperdiosono.blogspot.com/2018/06/em-aguas-sombrias-paula-hawkins.html
comentários(0)comente



Bi Faria 02/06/2018

Eu amei a capa, me deixou mega curiosa. Mas sabe aquela leitura confusa, apesar de intrigante... Esperei muito desse livro (eu amo A Garota no trem) mas a leitura me cansou.
Nel Abbott, uma mulher linda, destemida, apareceu morta no rio que atravessa a cidade. Mas isso já aconteceu outras vezes no mesmo lugar. E antes de sua morte Nel investigava os casos, ela tinha um fascínio por todos os segredos do poço dos afogamentos.
E essas mortes trouxeram para a cidade a inquietação de quem poderia ter alguma coisa a ver com isso. Investigações que nunca chegaram a lugar nenhum, a Nickie, considerada uma mulher doida, que escutava vozes do rio e que ninguém nunca deu atenção, somente Nel lhe deu atenção.
A irmã de Nel que nunca atendeu suas ligações, e ela nunca soube o motivo. A filha de Nel, uma adolescente que sempre gostou de mexer com as pessoas.
Mas quem matou cada uma das moças que morreram no poço dos afogamentos? Ou foi suicídio?
Eu fiquei chocada com o final, pois "alguns segredos são capazes de arrastar você para o fundo." @paulahawkins2010 @grupoeditorialrecord
comentários(0)comente



Mick 21/05/2018

Em Águas Sombrias
A história começa com a morte de Nel Abbott, em uma cidade interiorana. A polícia alega suicídio. Jules, irmã de Nel, volta a cidade para cuidar de uma adolescente problemática, Lena, a filha de Nel. Os mistérios giram em torno de um rio, e de um lugar conhecido como poço dos afogamentos, onde vários supostos suicídios ocorreram. Enquanto Jules procura por respostas em seu próprio passado e entre os habitantes locais, ela descobre que Nel fez vários inimigos enquanto escrevia um livro sobre os afogamentos de Beckford...


Eu comecei esse livro com muitas expectativas, principalmente por ter lido e gostado muito de A Garota do Trem, desta mesma autora. Apesar de ter uma boa premissa, achei que a autora não soube aproveitar a ideia e não conseguiu chegar nem perto do nível do outro livro. "Em Águas Sombrias" é muito confuso, principalmente pela grande quantidade de personagens, um tanto superficiais também, cada um contando a sua versão da história. Foi complicado identificar quem era quem, o tempo do relato de cada um (se era presente ou passado), tornando a leitura um tanto travada! Em poucos momentos da história a leitura empolga, e o desfecho, apesar da tentativa de uma reviravolta, foi um tanto mediano, como todo o livro, na minha opinião. ⭐⭐⭐ 3/5 (Não tem 2,5 estrelas)
comentários(0)comente



Nina Vinhas 29/04/2018

Quando Você Começa A Ler, Não Quer Mais Parar!
Essa história não tem 1 protagonista. Todos os personagens são protagonistas e os pontos de vistas são narrados em pessoas diferentes, alguns em 1ª, outros em 3ª. Do menino assustado ao policial aposentado, cada personagem conta sua história e uma grande colcha de retalhos é criada para o leitor.

Tudo começa com Jules. Ela não vê sua irmã há anos, mas é obrigada a voltar para sua cidade natal porque Nel cometeu suicídio no rio pelo qual era obcecada desde criança e sua filha, uma adolescente rebelde criada sem o pai, está sozinha. Sem a mínima vontade de rever o lugar onde cresceu e totalmente despreparada para o papel de mãe, ela chega na cidade que abandonou e é obrigada a encarar as lembranças que passou a vida tentando esquecer.

No entanto, Nel não foi a única mulher a morrer no rio que corta a cidade. A filha de Louise, Katie, também se matou lá. Devastada e sem saber porquê a menina de apenas 15 anos tomou uma decisão tão desesperada, sua família tenta colar os cacos e reconstruir o coração partido e as 3 vidas destruídas.

Antes de Kate e Nel, várias outras mulheres morreram no rio, o que tornou o lugar assustador para os moradores e os fez apelidar o trecho onde as mortes aconteceram de "Poço dos Afogamentos". Instigada pelas histórias, Nel resolveu fazer um livro sobre as mulheres que as protagonizaram e começou a procurar pelas famílias ainda vivas de algumas delas. Teria ela realmente se matado?

Eu li "A Garota No Trem" e gostei muito, apesar de a protagonista ter me irritado bastante. Mas, "Em Águas Sombrias" é muito melhor. Tambem tem alguns personagens irritantes, porém, é mais envolvente, mais interessante e com uma narrativa diferenciada, com diversos pontos de vistas que te fazem duvidar se você pode realmente confiar em todos eles. Recomendo e muito a leitura. Perfeita para aqueles dias frios e chuvosos com uma deliciosa xícara de chocolate quente nas mãos!
Kamila.Sampaio 16/06/2018minha estante
undefined




Evelyn 26/04/2018

Demora um pouco para desenvolver...
O livro é daqueles que pega no tranco... No começo há pouca vontade de continuar a ler, pois a história demora a desenvolver, fora que a quantidade de personagens que contam a trama tonam, ao menos pra mim, um pouco difícil compreender os fatos, pq com pelo menos dez personagens relatando, eu sempre me perco no "quem é quem". Mas a partir da segunda parte do livro ele se torna bem interessante e a história surpreende. E quando acha que já sabe tudo que poderia saber: lá vem uma surpresa.
comentários(0)comente



Nana 23/04/2018

Em águas sombrias
"- Não existe essa coisa de vida após a morte. Só o que importa são as pessoas que ficam,e eu acho que as coisas estão melhores."





O feriado se aproximou bem rápido (e isso foi muito bom), depois de um tempo afastada dos livros escolhi Em águas sombrias, para voltar a ler. Gosto bastante de como a Paula Hawkins escreve, ainda me lembro de como devorei sem parar A garota no trem, e não poderia ter feito uma escolha melhor, confesso.

Mais uma vez fui surpreendida pelo enredo maravilhoso desse livro, de como ela trabalha dando voz e uma perspectiva dos acontecimentos a todas as personagens, mulheres que morreram ou tiveram suas vidas de alguma forma envolvidas pelas aguas do Poço dos Afogamentos. Sombrio, envolto em muitos mistérios e segredos escondidos por seus vários personagens, aos poucos vamos ligando os pontos e descobrindo o que realmente aconteceu com as mulheres dessa cidade pequena cercada por esse rio de mistérios.

Recomendo a leitura!


site: https://nininhacry.blogspot.com.br/?zx=7cb61be5d40bcf86
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Diae 18/04/2018

Resenha exclusiva do blog Da Imaginação à Escrita
Depois de A Garota no Trem eu estava muito animada para ler outro livro de Paula Hawkins. Com o anúncio da publicação de Em Águas Sombrias, fiquei ansiosa para conhecer a trama que estava dividindo os leitores. Com uma capa incrível e sinopse chamativa as minhas expectativas eram altas e para continuar a tradição decidir novamente optar pelo audiobook e assim como A Garota no Trem foi fisgada pela envolvente história de Paula Hawkins, mas diferente de seu primeiro livro, Em Águas Sombrias temos um enredo com diversas camadas, com uma atmosfera mais densa e sombria.

A narrativa também é um diferencial neste livro, que conta com múltiplos narradores, além da apresentação da lenda do Poço dos Afogamentos, eu já sabia dessas múltiplas narrativas por conta de outras resenhas e confesso que bateu aquele receio, afinal não sou muito fã desse estilo de narração ainda mais em thrillers, no entanto, eu acredito que pelo fato de estar ouvindo o livro contribuiu muito para uma experiência bastante satisfatória, agradável e envolvente. Ainda gosto mais de A Garota no Trem mas Em Águas sombrias tem um espaço guardado em meu coração, até porque foi uma história surpreendente cheia de segredos e com final impactante mesmo que corrido, claro que teve alguns pontos um pouco confusos e mal encaixados mas nada que diminuísse o meu gosto por este livro, já que estou louca para tê-lo na estante junto com A Garota no Trem.

Escolhi o TIM audiobook para ouvir Em Águas Sombrias, o aplicativo é uma parceria entre a TIM Brasil e a Ubook. Quem já usou a Ubook vai gostar bastante pois é similar, a diferença é que no aplicativo da TIM você vai utilizar um valor correspondente ao seu crédito no celular para assinar e assim te dá acesso ilimitado aos títulos do serviço. Foi uma experiência incrível ouvir outra obra de Paula Hawkins pois me deixou muito envolvida e é algo diferente ouvir um livro e até mais intenso por assim dizer, Em Águas Sombrias vai me fazer falta pois foram dias de puro suspense, apreensão e mistério, uma obra que tem tudo para agradar o leitor, principalmente se você escolher o audiobook que te deixa muito atraído pelo enredo.
'
Só pelo simples fato deste livro ter me conquistado demais, deixou aqui a minha recomendação para quem gosta do gênero ou é fã da autora, Em Águas Sombrias é uma leitura incrível! Um ponto legal e que me deixou muito curiosa ao longo da tama foi a lenda do Poço dos Afogamentos que apesar de ser explicado no livro há um leque enorme de possibilidades a respeito dele, ou seja daria até por exemplo ser criado um conto que relate mais dele (ou até mesmo a "publicação" do livro da Nel a respeito da lenda. Nel, uma das peças centrais do livro, é obcecada pelo poço e decide pesquisar a fundo e criar um livro sobre o mesmo) e acredito que foi a parte mais interessante da obra e a que mais gostei, claro os personagens também são interessantes e muito deles nos enganam, você fica realmente sem saber em quem acreditar. Enfim, Em Águas Sombrias foi uma ótima experiência, estou ansiosa por outros livros de Paula Hawkins.

site: https://www.daimaginacaoaescrita.com/2017/12/resenha-em-aguas-sombrias-paula-hawkins.html
comentários(0)comente



Erikson Ribeiro 17/04/2018

Confuso
Desde o começo da leitura achei um livro bem confuso, essa ida e vinda de capítulos por personagem, um momento usa o nome do personagem em outro momento usa o apelido, tornou minha leitura desconfortável. A resolução do caso é bem "AH! Okay". Nenhum personagem é cativante, talvez a Erin seja a minha "favorita'.
comentários(0)comente



Cris 08/04/2018

Entendiante
Não gostei! O enredo pode ser bom, mas a leitura não prende, monótona, não empolga, é chato. Fiz um esforço pra terminar. Li A Garota no Trem e apesar de ter sido uma leitura arrastada o final foi emocionante. Esse livro nem isso....
comentários(0)comente



05/04/2018

Não dá pra parar de ler
Mais uma noite em claro por motivos de Paula Hawkins.
Esse estilo de escrever cada capítulo com a perspectiva de um personagem é muito envolvente e torna a leitura dinâmica.
A história em si é mais sombria que "uma garota no trem", e tem tantas reviravoltas quanto. Para variar nada do que eu deduzi e jurei estar certa aconteceu.
comentários(0)comente



Adrielle 29/03/2018

Em águas sombrias
"Uma mãe solteira aparece morta no rio. Pouco tempo antes, uma adolescente teve o mesmo destino. Embora não sejam as primeiras mulheres perdidas para estas águas escuras, suas mortes causam uma perturbação no rio e em sua história, dragando dele segredos há muito submersos."


Paula Hawkins, parabéns!!
Meu primeiro livro da autora foi A garota no trem, que me desculpem, mas me cansou. Me cansou o livro e o filme. Mas dei uma segunda chance. E que alegria em o ter feito.

Águas sombrias, é o título que já diz que a história é densa. Mas é um denso que não me parou.

A história começa a partir das mortes no rio, de Nel, mais recente e que se mostra um alívio para vários personagens, e de Kate, adolescente, que causou pesar e tristeza na maioria dos envolvidos.
Várias histórias acontecem, antigas e recentes, porém de uma forma conectada.

Tratadas como suicídio em ambos os casos, a trama se desenrola com personagens fortes, com vida. Principalmente a filha de Nel, Lena. Envolvida fortemente na história das duas mortes, é peça chave na maioria dos conflitos, e precisa criar uma trajetória com sua desconhecida tia Jules.

O final, me deixou assim "Oi!?" "Sério?"  "Espera.. É, faz sentido" "Claaro, devia ter percebido antes!!"

Meu aprendizado com Águas Sombrias é sobre a importância da clareza e de tratar os conflitos de forma compreensível a todas as partes.

Se você já leu esse livro e tem algum desses sentimentos, me conta!
comentários(0)comente



Leticia 22/03/2018

Nem com baixa expectativa o livro me convenceu
Já tinha visto reviews desse livro no youtube e confesso que já fui com a expectativa lá embaixo.

Logo na primeira horinha de leitura eu já me vi na pagina 70 e pensando: mas gente, onde que esse livro é ruim? A leitura estava super fluida e como eram muitos personagens, eu já tinha colocado diversos post-its no livro com os personagens e caracteristicas de cada um.

E aí o livro foi ficando mediano... e quando soube o motivo da morte de Katie perdi completamente o interesse. Enquanto no ínicio da leitura eu estava gostando, a partir da metade eu ja estava lendo so umas 20 paginas por dia. De saco cheio da história.

E hoje termino com esse desfecho ridiculo!! Aquela tipica reviravolta que é pra causar e impressionar o leitor mas que nao me chocou em nada!

Confesso que lerei o proximo de Paula Hawkins sim, livro thriller me chama. Mas que esse foi ruim, isso foi.
comentários(0)comente



Fernanda 17/03/2018

RESENHA | EM ÁGUAS SOMBRIAS - PAULA HAWKINS
Não é de conhecimento geral, visto que não houve divulgação, que há alguns meses li "A Garota no Trem" e odiei. Classifiquei o livro como duas estrelas e meia apenas levando em consideração a escrita da autora que é, sem sombra de dúvidas, brilhante. Porém, minha avaliação baixa, se deve ao fato dos personagens daquele livro, ao meu ver, serem extremamente descartáveis e muitas pontas ficarem soltas, dependendo do leitor querer ou não amarrá-las. Sendo assim, após essa experiência ruim, fui ao encontro da segunda obra da autora lançada por aqui.

E, bom, tomei um tapa na cara. Todo o preconceito estabelecido com sua primeira obra desapareceu em cerca de meia hora, o tempo que levei para ler quase sessenta páginas e mergulhar na história de Nel Abbott e os rastros que ela deixou para traz após sua morte. Em quatro partes e com inúmeros pontos de vista, que não seguem uma linha cronológica precisa, Paula Hawkins começa a traçar uma teia repleta de mistério, rancor, segredos, egoísmo e violência.

Em Beckford, uma pequena cidade litorânea, todos os personagens parecem ter muito a dizer sobre si mesmos e sobre aqueles que acreditam conhecer. Dessa forma, um dos pontos altos de "Em Águas Sombrias" é o leitor adquirir diversos olhares sobre determinado personagem e tornar-se, então, capaz de chegar as suas próprias conclusões - que nem sempre estarão corretas.

Em um thriller como esse é de se esperar que a autora surpreenda a cada página e Paula Hawkins faz isso sem pestanejar, entregando novas informações e mudando, sutilmente, o curso de alguns acontecimentos até que o desvio só seja percebido quando não há mais volta. Graças a essa característica e a estruturação curta dos capítulos "Em Águas Sombrias" se desenvolve muito rápido e, novamente, só percebe-se quando se chega a última página.

Acredito que "Em Águas Sombrias" seja o primeiro passo ideal para qualquer pessoa que queira conhecer o trabalho da autora, visto que há muita expectativa ao redor de "A Garota no Trem" e esse é um aspecto que sempre desfavorece a leitura. Claro, Jules Abbott também é uma personagem difícil de se conectar, admirar ou entender, mas sua narrativa, combinada a de inúmeros outros personagens imperfeitos resulta em uma história inquietante onde segredos serão revelados e suspeitos desmascarados até o último parágrafo.

site: http://www.merakiano.com.br/2017/10/resenha-em-aguas-sombrias-paula-hawkins.html
comentários(0)comente



128 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |