1977: Enfield

1977: Enfield Guy Lyon Playfair




Resenhas - 1977: Enfield


42 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Sam 18/04/2020

A decepção do ano!
Eu, simplesmente, amo os casos do Ed&Lorraine Warren.
Só que esse livro... Jesus, sofri!
O texto parece não sair NUNCA do mesmo lugar e sempre bate na mesma tecla, simplesmente não tem fluidez.
Quase que não terminei de ler e por causa desse livro fiquei com ressaca literária... rs.
Bae 03/05/2020minha estante
Nossa, concordo muito com vc. Tem anos que tento terminar esse livro, mas é muito cansativo, parece que tô lendo a mesma coisa sempre. Gostei do segundo filme de invocação do mal que fala sobre esse caso de 1977, achei que o livro seria sensacional então e me decepcionei... Espero conseguir terminar esse ano.


Dan Lacier 26/07/2020minha estante
Também achei mais ou menos, fiquei bem ciente quando o autor falou sobre várias repetições no decorrer da história, e que não iria passar disso.. mais tô passando o tempo kk


mage 18/08/2020minha estante
po, mas bem no começo do livro ele diz que o livro vai ser meio chato e repetitivo porque as coisas que acontecem são repetitivas


Bae 24/08/2020minha estante
Fazia tanto tempo que eu tinha começado que eu não lembrava do autor dizendo que não passaria de fatos repetitivos kkkkk mas bem, consegui terminar, foi a maior vitória desse ano no quesito leitura, certeza.


Rosana 25/01/2021minha estante
Essa é a história real, é como um documentário, a estória dos Warren é invenção, ficção. Eles não participaram.
Este livro é maravilhoso, pois relata como o caso aconteceu. É verídico. Excelente livro, recomendo pra quem quer conhecer a verdade das histórias.




Juh - @dosedafelicidade 29/10/2020

Bem interessante
Embora a narrativa seja lenta, muito técnica e bem distante de ser dramática e eletrizante... é um livro bom para sabermos todos os reais detalhes do caso Enfield.. é um livro para se obter conhecimentos e só.. até por que ele é um loongo e minucioso documentário!
O medo que era pra nos dar do livro é tão "cru" e repetitivo que se perde o efeito hahah, mas claro que é macabro quando nos imaginamos passando por tudo isso... Deus nos livre, rs
Em suma, é um livro que precisa de paciência para ser lido, pois seu formato de narrativa torna suas poucas páginas mais longas do que se espera... não recomendo lê-lo de uma só vez mas intercalando com outra(s) leituras.
Lucas.Quadros 29/10/2020minha estante
Mega curioso para ler esse livro, já está na minha lista de leituras futuras a eras ksksk


Juh - @dosedafelicidade 29/10/2020minha estante
Recomendo, pela curiosidade hahaha




Renata | @amorporlivros 17/05/2020

Não foi das preferidas.....
Tudo começa com uma série de situações estranhas em Enfield, subúrbio de Londres, na casa da família Harper. A família alegava ouvir batidas, presenciar móveis se mexendo de forma inexplicável e objetos sólidos atravessando paredes. Seria isso real ou somente artimanhas das duas filhas da senhora Harper? Eles acabam procurando a imprensa para tentar resolver o caso e dois pesquisadores voluntários, Playfair e Grosse acabam tomando frente do assunto. A partir de então, muitos pesquisadores, médiuns, jornalistas e curiosos passaram por aquela casa mas somente os dois acompanharam diariamente a vida dos Harper e registraram tudo o que aconteceu nesse caso, que durou três anos.

No prefácio, o autor já alerta para a repetitividade e o quanto o livro pode ser tedioso para quem está procurando emoção e descarta qualquer possibilidade de ação e suspense como nas histórias de terror que estamos acostumados a ler. Eu estava esperando algo parecido com Amytiville, e me decepcionei... A leitura se tornou um fardo porém, como boa taurina teimosa, persisti, pois havia a promessa de um final surpreendente.

Para ler o restante da resenha, acesse o link do blog abaixo.

site: http://amo-os-livros.blogspot.com/2020/05/resenha-132020-1977-enfield-guy-lyon.html
comentários(0)comente



Rittes 19/05/2017

Fantasmas ou travessuras?
Ao fazer a introdução do livro, Guy Playfair deixa claro que a leitura pode ser entediante, uma vez que o caso abordado se estendeu por mais de um ano e sempre com as mesmas manifestações. Ou o talento do autor é inegável ou, realmente, a repetição não afeta em nada a fluidez da leitura. Muito bem documentado e fartamente investigado, 1977: Enfield talvez seja o caso de poltergeist mais bem registrado do mundo. Quem se interessa pelo tema tem que ler.
comentários(0)comente



Wania Cris 26/04/2020

Absurdamente maçante
O livro é um amontoado de redundâncias, uma interminável volta ao início, uma constante narrativa em marcha lenta. Uma absurda perda de tempo.
comentários(0)comente



Mara.Mares 31/03/2020

1977 Enfield
Acostumada com livros que tratam do assunto com mais "ação ". As cenas são extremamente repetitivas. Cansativo.
comentários(0)comente



Lore 04/07/2020

1977 - Enfield
Esta obra é um livro documentário sobre o caso Poltergeist que durou cerca de 3 anos. Fenômeno este que nos intriga até hoje! Este livro cumpre bem ao que foi proposto, visto que se trata de um relato verídico com diálogos gravados reais, imagens e estudos científicos ao longo do caso.

Este livro é recomendado para aqueles que se interessam sobre o assunto e queiram conhecer de fato, sem os espetáculos da indústria hollywoodiana, como um caso dessa natureza se comporta. Essa obra não nos causa medo, mas nos faz refletir sobre as demais possibilidades da mente humana e das possíveis explicações para tal fenômeno.

Como obra documental apresenta fotografias tiradas durante o estudo do caso, os resultados de experimentos científicos, ao final um relato contendo as reflexões do autor, bem como algumas sugestões de leitura, nos possibilitando dar continuidade aos estudos do fenômeno.

No entanto, é importante ressaltar que a narrativa deixa um pouco a desejar, no tocante à fluidez. Outro ponto é a ?pobreza? de fotografias tiradas de um caso que durou 3 anos. Acredito que poderiam ter explorado melhor esse ponto para ilustrar e ajudar ao leitor a mergulhar mais ainda na atmosfera das inúmeras atividades poltergeist registradas.
comentários(0)comente



Jean.Artacho 29/09/2017

ZzZzZzzzZZZzzZz
Se já tem o nome dos Warren envolvido, pode apostar que já quero ler!

Mas 1977 é bem... ZzZzZZZzZzzz
O filme "Invocação do Mal 2" (2015, Warner Bros.) foi baseado num caso real de uma família que foi atormentada por espiritos nada amigáveis. Este livro é um estudo sobre o ano difícil que aquelas pessoas viveram, quase um livro-documentário. O que não funciona no livro é que, por vezes, o texto se torna repetitivo. O autor tem extrema dificuldade de tomar rumos diferentes enquanto conta o caso. E sempre (sempre mesmo) ele deixa claro suas suspeitas de que as crianças da família são responsáveis pelos acontecimentos.

Livro bonito para se deixar na estante.
comentários(0)comente



Teteu 07/04/2020

Não é convincente...
Esse livro contém a investigação sobre o caso de Enfield, canalizado para as telas pelo filme Invocação do mal 2.

Ao contrário de outros livros de relatos sobrenaturais lançados pela Darkside, uma coisa que me incomodou muito nesse livro é a forma robótica e pouco temperada com a qual os fatos são narrados. Tudo que ocorria na casa era contada de forma extremamente repetitiva. Outro ponto é a descrença do autor do livro que mesmo após mais de um ano no caso, fazia constantes testes duvidando das família que morava na casa além de nunca procurar uma ajuda sensata como um Padre. A parte que mais me deixou com raiva foi entrevistador chamar o dono de um circo pra olhar se realmente tinha um espírito demoníaco na casa. Sério? Nesse ponto a voz extremamente grave que saia pelas paredes da casa conversava muito com as pessoas dentro do lugar quase como se fosse algo normal e ele chama o dono de um circo?

(PARTE COM SPOILERS)?
Outra coisa que me incomodou é o final, onde primeiro, o escritor diz que o caso acabou depois de 2 anos mas no livro "Demonologistas - Ed e Lorraine Warren" também lançado pela Darkside, o Ed diz ter sido chamado pra resolver o caso depois da família ter sido atormentada por mais de quatro anos. Fiquei super confuso.

A segunda coisa que me incomodou no final é a desculpa esfarrapada do autor de falar que o espírito que estava na casa e que por um acaso levitava móveis de mais de cem quilos, falava igual pobre no Sol e chegou a teletransportar uma das filhas da dona da propriedade, era a filha morta dele. AMADAH, ME POUPE!!

Tirando tudo isso é um livro interessante e eu até recomendo embora não saiba o porque kkkk...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Erika 04/10/2017

Não dar para esperar muito de livros sobre poltergeist já que os acotencementos são repetitivos, mas na construção da narrativa foi transmitido os detalhes do caso. Só gostaria de saber o que aconteceu com a família. 1977 é um bom livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ana Paula 24/11/2017

Chatoooooo
O autor não soube descrever bem toda a situação vivida em Enfield. Repetitivo, se preocupava em dar ênfase na veracidade das pessoas e nas manifestações. Cansa você ler o tempo todo as mesmas descrições, sempre o mesmo "ela não tinha como fazer isso" ou "eu confiei nela, vi que falava a verdade". Tudo apresentado não basta pra dizer que era um autêntico caso de Poltergeist. Nem se ver os vídeos no YouTube provam nada. Tudo uma galhofa...e mau escrita.
Não recomendo
comentários(0)comente



Esdras 04/01/2018

Bolinhas De Gude E Pecinhas De Lego Lançadas No Ar.
Este livro consiste nos relatos e documentos de Guy Lyon Playfair a respeito de um caso de Poltergeist.
Que viria a se tornar um dos mais famosos.

Tal ‘fenômeno’ acometeu a família Harper em meados de 1977, no subúrbio de Enfield, em Londres. E Guy, junto com outro pesquisador de atividades psíquicas chamado Maurice Grosse , acompanharam o caso detalhadamente.

As atividades paranormais tiveram inicio repentino. Batidas nas paredes e objetos sendo movidos e lançados no ar foram os primeiros sinais.
A Sra Harper e seus filhos entraram em pânico.

Não creio muito em lances espíritas, mas acho o assunto até que interessante e estava bem disposto a embarcar na brincadeira.
Uma das coisas legais desse livro é a forma como Guy interage com o leitor e como temos acesso aos pensamentos dele em relação a determinado fato que ocorreu e que ele não compartilhou com ninguém que estava presente no momento e tal.
Guy também deixa claro, na introdução do livro, que tentou, ao máximo, manter tudo o mais próximo( ou total) ao original. E que isso, em algum momento, poderia levar o leitor a uma espécie de fadiga.
Um tiro que saiu pela culatra, será?
Pois bem.

Os negócios estranhos começam e não param mais.
De início, aqueles fatores realmente me chocaram e eu fiquei bem apreensivo sobre como tudo iria se desenrolar.
Porém, o que aconteceu foi que a família Harper não demorou a encarar todo aquele pandemônio de uma forma que eu não esperava.
Eles praticamente não demonstravam medo.
E, então, eu pensava: “Mas, gente, como assim? Se eu tô na minha cozinha e uma cadeira cai sozinha eu me borro todo!”.

Os personagens, principalmente a Janet (que era o “alvo” principal do nosso fantasminha camarada), estavam levando tudo muito numa boa e, quase sempre, soltavam frases como “Ah, dessa vez ele empurrou o sofá”, ou “ Que espírito atrevido” , ou mesmo, ao ter uma tigela de cereal arremessada no ar “ Ah, não. Ele derrubou meu cereal!”.

As próprias vítimas estragaram todo o suspense da história.
Logo, eu já não estava vendo tudo sob uma atmosfera sombria e fantasmagórica.
Sendo assim, tudo o mais que acontecia não tinha impacto nenhum sobre mim. Até achava engraçado quando uma das crianças tinha um objeto jogado em sua testa. (O que dizer?rs).
A narrativa é sim repetitiva. Tudo que muda é o objeto que é movido ou arremessado.
Muitos capítulos beiram o tédio.
O caso se prolonga demais e termina de forma inconclusiva.
E toda aquela explicação sobre “o espírito” eu achei um tanto duvidosa. Mas, enfim.

O que há mesmo de interessante são as referências ao Brasil ( assim como saber que o Guy já morou um tempo em território brasileiro) e as notas de pesquisa referentes a fenômenos do tipo e outros.

Infelizmente o livro não me surpreendeu em nada.
E desejei ter encarado uma história de ’fantasia’ no lugar de uma ‘baseada em fatos reais’.
Mas ao menos foi uma leitura divertida.

comentários(0)comente



42 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3