The Gravity of Us

The Gravity of Us Brittainy C. Cherry




Resenhas - The Gravity of Us


37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Sheylla D. 01/02/2018

Fechando com chave de ouro :D
Após duas histórias maravilhosas - The Air He Breathes e The Silent Waters - e uma que deixou um tanto a desejar - The Fire Between High and Lo -, esta série chega ao fim com mais um livro incrível!!!

História de amor entre cunhados, tão previsível, tão comum, tão clichê...

Tão errado pensar assim...

Sim, é um romance entre cunhados, mas a semelhança para aí.

Esse livro é rico em uma das coisas que mais aprecio.
Amor?
Sim, óbvio. Mas, me refiro a respeito.

Respeito e lealdade são os ingredientes bônus nesta jornada. São eles que enriquecem The Gravity of Us. Tornando o livro tão maravilhoso que é quase impossível pausar a leitura por meros minutos.

O respeito e lealdade de Lucy pela Jane/Lyric, mesmo esta não merecendo, é de uma grandeza que contagia.

Nos faz sentir raiva muitas vezes, mas logo depois, compreensão.

O livro é cheio de amor, mas de uma forma mais pura, mais alma, nem tanto corpo e pele. Muito mais espírito.

A evolução do Graham tbm é fascinante: a maneira como ele descobre que é digno de amar e ser amado.

De lição nos resta uma certeza tatuada: MAKTUB. (Estava ESCRITO)
comentários(0)comente



Anne 21/01/2018

Quebrar às vezes é preciso.
Você quer um autor bem masculino, inteligente e focado e que também é musculoso? Confere.
Você quer uma protaganista doce, linda, inteligente e bondosa? Confere.
Ao terminar esse livro, senti um pouco de tristeza porque ele é maravilhoso. Me arrancou lágrimas? Aos montes. A autora teve piedade? De jeito nenhum. A série toda é incrível e eu acho incrível como a mensagem que cada livro traz é essencial (para os leitores atentos) para a valorização das coisas boas da vida.
Esse livro é sobre família. Amor. Amizade. Respeito. É sobre cair. É sobre se sentir só. É sobre a importância de que alguém te dê a mão. É sobre a importância que damos para conceitos formulados pela sociedade. É sobre como às vezes precisamos perder tudo para nos achar. Como precisamos encarar as mentiras que mais nos doem para viver a verdade e a beleza da vida. Como é necessário ter alguém que nos valorize apenas porque é verdade.
Esse livro quebrou meu coração. Me fez odiá-lo e amá-lo. Cair em prantos e gargalhar. Me apegar a cada personagem como meu melhor amigo e desejar que a estória seguisse exatamente como foi.
comentários(0)comente



Mari 08/12/2017

Leitura mais do que recomendada.
A mãe de Lucy era um espírito livre, sempre mudando de cidade para conhecer lugares novos em sua plenitude, com enorme amor pelas belezas e bênçãos da natureza, com uma fé irreparável na força e validade dos sonhos. Lucy uma jovem que ama a vida, está sempre feliz e disposta a ajudar; seguiu a risca os ensinamentos da mãe, agarrando-se a eles com unhas e dentes principalmente após a morte daquela que a criou com tanto amor e dedicação.

Dona de uma floricultura, é contratada para entregar flores em um estádio para o enterro de um escritor muito famoso. Ela acha aquilo tudo muito estranho: ser informada que caso queira, poderá levar as flores usadas no evento de volta para revender; o velório ser em um estádio, ela receber um "ingresso de brinde" para assistir ao velório e, pior, descobrir que os ingressos foram vendidos pela internet - quem quisesse, comprava um.

Graham Russel é um famoso escritor atormentado. Suas obras seguem a direção oposta da de seu ainda mais famoso pai, todas repletas de dor e pessimismo. De alguma forma, os agentes e os fãs esperam que ele faça um discurso emocional, cativante e belo sobre o pai que ele passou a vida odiando. Depois de toda a encenação, como se tudo não pudesse ficar pior, ele fica preso em uma área externa estádio, onde ficam as lixeiras, com uma das floristas contratadas para o evento, uma mulher estilo hippie, cheia de amor a vida e sem filtro entre o cérebro e a boca.

O encanto pelo jeito dela, tão diferente do que ele e sua esposa possuem, não chega a ser imediato, mas acontece. Isso até Jane abrir a porta para salvá-lo e uma surpresa gigantesca acontecer: Jane tem uma irmã de quem nunca falou a respeito e ele acaba de conhecê-la sem querer, é Lucy, a florista com quem ele esteve preso e conversando.

O espanto de Lucy não é menor que o de Graham. Sua irmã, Lyric, que nunca aceitou o estilo vivido pela mãe, havia mudado de nome, casado e estava grávida, tudo sem nunca ter contado para ela. O choque desse momento só foi superado quando um maior veio a sobrepô-lo: Jane havia fugido novamente, da mesma forma que fez quando a mãe ficou doente, abandonando agora o marido e a filha em estado crítico no hospital.

É claro que Lucy iria se recusar a abandonar a sobrinha e com isso, mesmo diante das grosserias, securas e difícil convivência com Graham, ela continua aparecendo e prestando auxílio, dando conforto, praticamente assumindo um papel de mãe para a pequena.

A história dessa obra é linda, comovente. Depois da decepção que foi o livro três, fico muito feliz pelo livro quatro trazer uma família tão cheia de minúcias, bem trabalhada, envolvente, cativante. O desenvolvimento do relacionamento entre Grahan e Lucy é mais do que crível, chega a parecer quase real aos olhos de quem lê; como se aquela pudesse mesmo ser a vida do seu escritor favorito.

Os personagens secundários são indispensáveis! As tiradas do Doutor Oliver, seus ensinamentos de vida, são maravilhosos. Os conflitos de Lucy com as irmãs, a história de cada superação, cada derrota, cada reviravolta são muito bem trabalhados e dão ainda mais profundidade para a obra. O relacionamento dela com Talon então... Nem se fala!

A Força que nos atrai fecha a série Elementos com chave de ouro.

site: http://www.conchegodasletras.com.br/2017/12/leituras-da-mari-forca-que-nos-atrai.html
comentários(0)comente



Sah 25/10/2017

Natural
Minha expectativa estava bem baixa e adiei bastante terminar a série, pois só gostei do livro 1 (O ar que ele respira) e detestei o 3°(No silêncio das águas). Mas esta 4° história me surpreendeu.

Não sei se estou mole demais, mas chorei o tempo todo, do primeiro ao último capítulo. Mas não é porque a história é dramática, nem muito triste, ou cheia de tragédias que te fazem querer cortar os pulsos (normalmente de raiva). E sim porquê é simplesmente muito sensível.

O relacionamento entre Lucy e Graham evolui de forma natural, sendo construído pelas atitudes e emoções. Os personagens secundários são muito bons e importantes. A trama foi bem construída, embasando bem os fatos sem ser muito previsível. Cheia de detalhes apaixonantes.

Nesta história não temos os disparates comuns da autora, como o casal se separando por anos e bla bla bla ou fazendo algo que magoe o outro de propósito etc. A trama segue uma sequência natural e apaixonante. Mas tem aquele epílogo fofinho que todos amamos.

Simplesmente amei esse livro. Não sou fã da autora, mas este livro me conquistou e se tornou um dos meus favoritos.

Be Happy! Have Fun!!!
LucianaSimoes 10/01/2018minha estante
Lendo agora mesmo!!!!!


Sah 10/01/2018minha estante
Vc vai amaaaaar!!!!




Dayane 23/10/2017

The Gravity Of Us
https://www.youtube.com/watch?v=lwgr_IMeEgA

Então... Nem sei o que dizer, porque li em algumas resenhas que este não era o melhor livro das série Elementos. Porém, em minha opinião, ele é único, singular e incomparável.

Em tempos de instalove, homens machucados que usam isso como desculpa para serem uns pés no saco, mulheres que acham que ser pano de chão é divino, ou então, que ser forte é sinônimo de ser briguenta e infantil... Bem nesses tempos de literatura, essa história é um sopro de ventos de mudança.

É um enredo simples, poderia ser a minha ou a sua história, existem fragmentos dela que vivemos ou que tivemos um amigo ou vizinho que passaram por dramas semelhantes, no entanto, é contada com tanto zelo e emoção, que... Eu não sei o que dizer.

Graham é um homem frio, não mau educado, nem um comedor em série tentando fazer uma terapia de sexo casual para curar suas feridas, apenas alguém que desistiu de ser alegre.

Lucy é uma mulher que "leva o coração na manga", uma hippie estranha, que acredita que lágrimas limpam a alma e sorrisos curam feridas.

De todos os clichês que amamos, seus mundos se colidem e os astros se alinham e aí, os clichês acabam. Não tem amor ou atração física instantânea, não tem homem relutante em amar e tratando a mulher como lixo para mantê-la a distância. Não tem mocinha aceitando merda porque levou um chá de cama. Graças a Deus!

Eles se complementam, aprendem um sobre o outro, formam ao longo de um ano uma amizade que então, muta-se para um amor sólido, compassivo, generoso. Um sentimento que nasce de uma dificuldade, uma amizade que surge da insistência de uma mulher alegre em ajudar um homem triste.

Um homem que perdeu tanto, que tenta manter as pessoas a uma distância segura, mas que quando foi preciso, disse: "se precisar cair, segure-se em mim".

Quero agradecer a autora, por manter as coisas simples e ao mesmo tempo, profundas. Para explicar, o que quero dizer, vou citar uma das personagens marcantes, o professor Oliver: ao contar uma boa história, você precisar reduzir as gorduras desnecessárias, e acrescentar músculos.

"-...ela é desajeitada e sempre fala fora de hora. Seu cabelo é sempre selvagem e o riso é, por vezes, irritante e muito alto. Tudo nela é desastroso. Ela é nada além de uma bagunça.
-E mesmo assim?
-No entanto, quero ser como ela. Quero ser um personagem estranho, uma aberração da natureza. Quero tropeçar e rir em voz alta. Quero encontrar seu belo desastre e misturá-lo à minha própria confusão."
comentários(0)comente



Sarah Warman/ @bookaholic.sarah 22/09/2017

Wow. Wow. Wow.

A história do livro é sobre Lucy, uma heroína forte, com um coração enorme, amorosa, sorridente, positiva, divertida, free, feliz, sonhadora e emocional. Ela é descrita como uma "hippie estranha".
Graham é o oposto de Lucy. Ele é frio, racional, mal humorado, nunca sorri e com os pés no chão. Eles se conhecem em uma situação inusitada e estranha.
No começo Graham detesta Lucy, mas com o tempo, ele começa a compreender e aceitar o jeito "estranho" dela.

A história é de um amor impossível e com muitos altos e baixos. Mas não é só amor entre casal, é amor entre familia tb. É uma história de sacrifício, esforço, dedicação e paciência.

O livro me cativou desde a primeira página. Estou apaixonada, adoro histórias que começam com caras que começam como "Besta" e terminam como príncipes. Não é atoa que "A Bela e a Fera" é meu livro infantil favorito.

Esse é o quarto livro que eu leio da Brittainy e a cada livro ela me surpreende e impressiona com tanto talento. O livro é super bem escrito. Ela escreve com a alma e coração. Estou apaixonada pelos livros dela. Já quero os mais antigos e os que ainda nem foram lançados.
comentários(0)comente



Pâm 03/09/2017

Mais ou menos
Fiquei decepcionada com esse livro, todos os outros que li dessa autora foram de tirar o fôlego, daqueles que a gente só larga qd chega o fim é esse foi difícil continuar lendo, o começo é bem fraco, quase desisti de ler, me obriguei apenas pq gosto da autora, não foi de todo ruim, alguns momentos valeram o esforço, mas foi só isso, momentos bons.
comentários(0)comente



Lila 18/08/2017

Graham Cracker, Ollie and a Tree
Graham e Lucy se conhecem quando ela faz o serviço de flores do funeral do pai de Graham. Com esse fatídico encontro, descobrem que tem uma pessoa em comum e isso de certa maneira, acaba interligando suas vidas.

Graham é quieto, frio, prático, vive dentro da própria mente, não demonstra emoções e as evita a todo custo. Lucille é o total oposto: falante, animada, otimista, gosta de yoga e cristais e é super natureba. Isso é a receita pra quê? Um desgosto mútuo, é claro.

Em um dos maiores perrengues da vida de Graham, Lucy aparece para apoiá-lo mesmo sem conhecê-lo direito (e sem ter sido requisita, devo dizer). Graham fica irritado e tenta afastá-la de qualquer maneira, mas ela não desiste porque vê algo que ele não se permite ver: a necessidade de ajuda.

A relação dos dois se desenvolve de forma lenta, mas totalmente avassaladora. O relacionamento de Graham e Lucy com outros personagens é totalmente crível. A escritora descreve de uma forma tão bem feita, que te passa todas as emoções certas: a raiva, a dor, a descrença, a traição, a surpresa e o amor. Principalmente o amor.

E mais uma vez a Brittainy apertou meu coraçãozinho e fez ele pular várias batidas. Os dois últimos livros da série me atingiram de forma profundamente pessoal - foi como se a autora estivesse falando diretamente comigo e colocando bálsamo nas minhas feridas. Como se dissesse “sei como é difícil e tudo bem sofrer."
Obrigada, Brittainy por mais uma vez me entender. E por mais esse livro maravilhoso.

Se você procura algo profundo, tocante e cheio de esperança, esse livro é pra você. E se você não procura nada disso, ainda assim esse livro é pra você.

MAKTUB.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Taisa 22/07/2017

E não é que eu gostei!!!!!?

Sabe aquela desculpinha esfarrapada chamada “expectativa alta” que damos quando não gostamos do livro ? Nem isso eu tinha aqui, na verdade comecei a ler só por desencargo de consciência, já que é o último de uma quadrilogia, gostei do primeiro, detestei o segundo, o terceiro foi uma mistura de “comecei amando terminei achando um porre” e esse último me surpreendeu pela leveza.

Antes quero deixar claro que o que eu não gostei nos outros (e aqui um pouquinho) foi principalmente um detalhe: aquelas frases de efeito nos diálogos, frases profundas e poéticas que na minha visão acho que destoam completamente da realidade, pensamentos floreados demais acabam me irritando. Eu sou uma pessoa romântica, não parece eu sei, mas sou, é uma questão de preferência mesmo.....

Mas voltando ao que interessa, esse foi um livro que me diverti bastante. Gostei da Lucy, já é quase uma marca Britany fazer a mocinha toda serelepe com sua bondade a lá Madre Tereza de Calcutá, quase uma gazela saltitante, fofa. Identifiquei-me com ela nessa questão da energia, achei bem medidos os medos e questionamentos que ela tem em relação a ela mesma, a comparação que há com sua mãe e seu relacionamento com o Graham. Assim como ela, eu tinha dificuldade em distinguir qual seria o limite entre liberdade e irresponsabilidade.

Falando dele, não o achei esse moço zumbi sem coração que foi pintado na sinopse, ele só é quieto, na dele, ótimo com as palavras na hora de escrever, mas péssimo na hora de falar, mas um fofo também.

O livro vai ser narrado intercalando o ponto de vista de ambos, e alguns pequenos capítulos narrados em terceira pessoa sobre a infância do Graham. Eles vão vir com o intuito de explicar um pouco do porquê ele é assim, foi meio estranho. Há também algumas reviravoltas, mas tãaao previsíveis que de longe elas foram o ponto alto do livro, o amadurecimento da relação, aquele dia a dia, sem grandes ocorridos que me fizeram me apegar ao casal.

A história tem muita fluidez, não fica de enrolação, cada um sabe o que está acontecendo ali, ninguém tenta se enganar, quase não há cenas quentes, são românticas e mais sobre a tensão que há entre eles. Para mim as últimas 50 páginas foram mais chatinhas, bem por aquele motivo de começar com “o silencio das minhas palavras” ,“ as palavras do meu olhar” ,“ se precisar cair, caia em mim”, ”o ar acima de mim, a terra abaixo de mim, o fogo dentro de mim, a água que nos cerca” [só abrindo um parênteses aqui, na verdade estou sendo exagerada porque só fiquei WTF na primeira vez que ela apareceu, teve sentido sim no enredo, houve até mesmo um momento que ela ......UAU, foi top!]. São aquelas idiossincrasias que dão muito certo para mim em alguns casos (quando é da Collen Hoover por exemplo, alguns livros da Mia Sheridan também) mas outros nem tanto, não sei o que acontece, o negócio é que não consigo ficar afetada, fico só na bufação ou achando graça quando era para ficar suspirando romanticamente. Sim, bem romântica!

Eu indico sim esse livro, gostei mais do primeiro (há controvérsias , kkkkkkkkkkkkkkkkk, tenho vontade de reler só para ver se não fui afetada pelo Franggy Yanes ali na capa) mas achei este último mais descomplicado, fácil e gostosinho de ler. Para quem gosta de romance, leve, divertido e com um toque de drama, mais do recomendado.

site: leiturasdataisa.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Vanessa 20/07/2017

Não pensei que o último livro da série fosse ser o que menos gostei, mas aconteceu. Dessa vez, achei a história muuuuito batida mesmo, sem nada que me fizesse ter um carinho especial por ela.

Temos o carinha não compreendido, que não quer se entregar aos sentimentos. Temos a menina sonhadora, disposta a consertar tudo e todos ao redor dela e fazer sacrifícios por aqueles que ama. Temos paixão, drama e família problemática. Temos alguns momentos engraçadinhos também. Mas, apesar de tudo isso, não temos algo que torne esse livro uma experiência única na vida de um leitor. Não é uma leitura ruim, mas não me surpreendeu. Até mesmo o uso da palavra "maktub" já me remete a outros livros. Pra mim ficou faltando algo que me fizesse pensar apenas nessa história.

Na minha escala de preferência, organizaria os livros dessa série como: 2,3,1,4.
Pâm 03/09/2017minha estante
Tb achei bem chatinha


Joyce Oliveira 29/09/2017minha estante
Eu gosto de spoilers, vc pode falar como é o casamento do boy e o que acontece pra mocinha aparecer e se alguém tenta atrapalhar o relacionamento dele com a mocinha?




Nara Lima Santana 15/07/2017

Que delicia de livro! Apaixonada por Lucy e Graham
??
comentários(0)comente



Kelly Martinez 06/07/2017

Não sei se foi a tradução, sebfoi minha TPM, se tô azeda ou se de fato a Brittany perdeu a mão para romance!
Não me emocionei!
O livro é clichê demais... e olha q isso na maioria das vezes não me incomoda... mas lançar mão da palavra maktub mil vezes durante o livro, me cansou!
Não me conectei com os personagens.... achei todos muito descartáveis!
Honestamente, a impressão que tenho é que a Brittany que escreveu o "ar" não é a mesma que escreveu o restante da série!
Repito: pode ter sido s tradução!
O livro do meio pro fim da uma melhorada, mas na minha opinião, nada q justifique mais do que 3 estrelad...
Se recomendo? Só se vc tiver toc literário e "precisar" acabar a série elements....
My 27/10/2017minha estante
Já nem vou perder meu tempo então.
Amei o primeiro.
Larguei o segundo.
E achei bem monótono o terceiro.
Desisto do quarto kkkkkkk até que fui longe




Lizzy 22/06/2017

Adorei esse livro! Eu achei a narrativa profundamente espiritual, muito embora a autora não tenha utilizado a palavra Deus, creio que o sentido está impregnado de conceitos cristãos. A questão de perdoar quem te magoa, amar ao próximo sem querer uma contrapartida necessária, esquecer o passado, seguir adiante, sepultando os ressentimentos, pois o amor cura, tudo isso é abordado nesse livro. A heroína é a mulher que sentia tudo, o herói é o homem que não sentia nada, mas tudo muda... Trecho: "Você é minha luz, meu amor, meu destino. Ar acima de mim, terra abaixo de mim, fogo de dentro de mim, a água que me cerca, Eu te dou a minha alma. Eu te dou tudo de mim." Muito lindo!
Lucila 21/10/2017minha estante
Parece ser realmente bom. Gosto da Autora.
bj




Camila.Pires 15/06/2017

e essa história de cunhados.
confesso que sou fã dessa escritora desde que eu li "o ar que ele respira" e de longe, pra mim, é o melhor livro. A, esse livro é bom? É bom, mas me incomodou bastante essa coisa de envolvimento amoroso e a familiaridade deles. se não fosse por isso, a minha nota seria mais alta, mas esse tipo de relação me incomoda muito.
Sah 18/10/2017minha estante
Também acho que o ar que ele respira é o melhor livro da autora. Não gostei muito nem Sr Daniels.... Agora vou para o último da série Elements, mas não estou criando expectativas.....


Camila.Pires 18/10/2017minha estante
pra qual que você vai, Sah? eu já li todos!


Sah 18/10/2017minha estante
Estou começando o último. Tb li todos, mas o único aue gostei mesmo foi o O ar que ele respira. Mas o Silêncio das águas, pra mim, foi o pior ... achei muito chato.
***** ALERTA DE SPOILER ******



E ela demorar 20 anos pra reagir, ele passar 10 anos longe, sem nem lutar por ela ... Não achei coerente. Li Mar da Tranquilidade. Tem o mesmo embasamento, mas achei a narrativa melhor. Pra mim só o epílogo e a nota da autora q foram bons.


Camila.Pires 18/10/2017minha estante
nossa, sério? haha, eu gostei do Silêncio das Águas. haha! o que eu menos gostei foi Mr. Daniel. Eu concordo com sua opinião, demora muito pra ela falar e ele pra correr atrás dela, mas eu gostei sabe? tem sempre uns livros que não tem nada demais, mas eles têm um encanto que vc gosta deles.


Sah 18/10/2017minha estante
=D




37 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3