Só os Animais Salvam

Só os Animais Salvam Ceridwen Dovey




Resenhas - Só os Animais Salvam


34 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Brena 08/01/2018

Só os animais salvam
SÓ OS ANIMAIS SALVAM é um livro que reúne dez fábulas narradas por animais distintos em diferentes momentos históricos contemporâneos importantes.

Camelo, Gata, Chimpanzé, Cachorro, Mexilhão, Tartaruga, Elefante, Urso, Golfinho e Papagaio. Cada um narra a história de sua vida e morte. Pela premissa, pode parecer que é um livro triste. E na verdade, é. Mas o que absorvemos dele é o que faz o leitor amar essa obra.

Ceridwen Dovey foi audaciosa ao escrever esse livro. Pois quem de nós não gosta de bichinhos? Para quem gosta do contexto histórico, então, é um prato cheio. Primeira e Segunda Guerra Mundial e Guerra fria são alguns dos conflitos nos quais a autora usou como cenário para os contos. Além desse contexto, o livro cita personalidades importantes, como Tolstói, George Orwell, dentre outros.

Meus contos preferidos foram o do gato e do cachorro, que se passam durante as duas grandes guerras. Uma gata acostumada com uma vida de luxo ao lado de sua dona é abandonada e encontra refúgio entre os soldados, onde conhece outro gato. também abandonado. e se aventuram entre as trincheiras. Podemos ver um pouco. pelos olhos dos gatos. o dia a dia dos soldados e o mais tocante: a vida que eles deixaram pra trás.

"Às vezes eles oferecem esses jarros, nas noites antes das grandes ofensivas. São destinados à leitura de mapas e esquemas dos campos de batalha. Mas ele esconde o jarro durante o dia, alimentando os bichinhos para mantê-los vivos", o gato explicou. " Fica acordado até tarde, relendo as cartas da amada." "Como sabe de quem são as cartas?", perguntei. "De vez em quando ele as declama baixinho", disse. Pag.:37 (Alma de gato).

O conto do cachorro, que se passa na Segunda Guerra Mundial, mostra como um cachorro foi feliz por um tempo ao lado de seu dono, um dos homens de confiança do führer. O interessante desse conto, até mesmo irônico, era o evidente amor do Führer pelos animais, embora não sentisse o mesmo pelos humanos.

" Certa manhã de fim de outono, após termos passeado pela floresta, prostei-me a seu lado, junto ao fogo, para ouvir no rádio o pronunciamento de um homem a quem meu mestre parecia respeitar. O homem anunciou que animais não deveriam mais ser usados como cobaias sem quaisquer limites, nem deveriam ser mortos sem a consideração por nosso sofrimento." Pag.: 74 (Alma de cachorro).

Algumas partes do conto da Tartaruga também me chamaram atenção, pois destaca como os animais eram utilizados na corrida espacial, durante a guerra fria.

" O estratagema funcionou. Os soviéticos estavam enviando animais para o espaço como se não houvesse amanhã (o que, para os animais, provavelmente era verdade)" Pag.: 136 (Alma de tartaruga).

O livro pode ser um pouco maçante em dois casos: quando você não se interessa pelo lado histórico e apenas quer ler sobre animais. Ou o contrário. No meu caso, confesso que foi difícil em alguns contos, pois por ser dividido em várias fábulas diferentes, com começo, meio e fim, tive a impressão que o livro era mais longo do que aparenta.

Também o fato de conter muitos detalhes sobre a vida dos animais, me deixou um pouco incomodada, pois eu esperava um pouco mais da visão dos animas sobre os conflitos ali evidenciados. Alguns contos conseguiram suprir bem essa condição, outros não. Mas isso, com certeza, é uma questão de ponto de vista. Cada um irá ler esse livro e tirar conclusões diferentes, ensinamentos variados e irá se identificar com contos nos quais eu não gostei, por exemplo.

No quesito edição, o livro não deixa a desejar a ninguém. A capa contém desenhos e cores lindas, e segue a linha de livros da editora Darkside que todo mundo quer ter na estante. A cada começo e final de cada capitulo, temos uma gravura do animal que narra aquele conto. A famosa fitinha do livro é na cor azul turquesa e temos um diferencial: o livro apresenta um espaço para escrever o nosso nome e do nosso pet. Vale ressaltar que não há erros gramaticais e de edição, já que isso é comum hoje em dia.

"Eles - os humanos, quero dizer - parecem acreditar que o que os separa dos outros animais é sua habilidade de amar, sofrer, sentir culpa, pensar abstratamente et cetera. Estão enganados. O que os separa é seu talento para o masoquismo. É ai que reside seu poder. Ter prazer na dor, tirar forças da privação, isso é ser humano" pag.: 53 (Alma de Chimpanzé).

No geral é um bom livro, que retrata muitas coisas de forma clara e crua demais, até mesmo sem preconceitos, o que é ótimo. Nos faz exercitar a consciência a respeito dos animais e do amor incondicional, fidelidade e fragilidade dos mesmos. Não é à toa que dizem que os animais podem nos ensinar bastantes coisas.

Às vezes nos mandam ser mais humanos, por que não ser mais animais?

site: http://www.gettub.com.br/
comentários(0)comente



Kelly 05/01/2018

Só os Animais Salvam
Só Os Animais Salvam é uma obra diferente, exatamente como seu contexto. Dividida em 10 contos, temos em cada um deles a visão dos animais que vivenciaram as guerras humanas, como a Segunda Guerra Mundial ou a Guerra Fria. Em alguns, como o do chimpanzé Peter Vermelho, a narrativa muda de um texto corrido para cartas trocadas, o que, confesso, me chamou mais atenção do que as demais. No entanto, todas as histórias, de forma direta ou indireta, acabam marcando o leitor.

Apesar de os contos remeterem a algo menos atrevido e mais leve, cada entrelinha possui surpresas que chocam o leitor, não só pela forma como são contadas, mas pelo fato de que pouco sabemos sobre a violência sendo vista de outro ângulo. E a autora consegue descrever com sensibilidade cada detalhe. Isso já começa com a ordem das fábulas, partindo de 1892, com a narrativa de um camelo, até chegar em 2006, com a história de um papagaio. O mais interessante disso é que os contos são acontecem sempre no mesmo local, eles perpassam por inúmeros lugares, como Austrália, Líbano, Estados Unidos e Moçambique, sendo indicados sempre junto ao ano em que o animalzinho em questão morreu. Além disso, as narrativas também acompanham seu tempo, o que facilita a identificação.

O livro foi muito bem pensado e toda a diagramação, assim como sempre menciono, ficou impecável. É tão bacana quando o leitor consegue sentir a obra, não é? A gente não só aproveita a história, mas também a forma como ela nos foi disponibilizada, e disso eu não posso reclamar em nada. A capa é espetacular, e o conteúdo em si, mesmo com minha opinião contrária, tem um quê especial.

Posso dizer que as histórias são tocantes e foram escritas com uma delicadeza única, mas parece que eu não consegui digerir os fatos da maneira correta. Em muitos contos me senti perdida, sem saber o que pensar ou como interpretá-los para que o entendimento fosse sensato. No fim, desisti de entender e passei apenas a interpretar as fábulas da forma como elas foram colocadas no livro: com sutileza.

site: http://www.caligrafando-te.com
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Universo de utopia 09/12/2017

Universo de Utopia
16/10/17
Só os animais salvam - Ceridwen Dovey

"Só os animais podem nos dizer o que é ser humano"

O livro traz uma reunião de fábulas que retratam diversos animais em contextos de guerras, sejam elas internas ou externas, mas na maioria deles trata-se da Segunda Guerra Mundial, talvez porque tenha sido a "Grande Guerra", alguns obviamente gostei mais que os outros, e quero detalhar minha experiência de cada alguns deles para vocês.

A autora foi imensamente inteligente, ao decorrer da narrativa, o leitor vai observando que os fatos vão ocorrendo conforme o jeito e a velocidade de cada animal retratado, com a tartaruga foi mais lento, o golfinho e o macaco foram altamente inteligentes, o do cachorro tem aquele toque de aproximação e amor, resumindo cada qual com sua peculiaridade, todos tem no título "alma e o nome do animal" isso porque vamos sofrer bastante com a morte deles, até a data de óbito já está explicita no sumário, portanto preparem os corações para muito chorôrô.

O primeiro conto "Alma de camelo" é um pouco confuso, no grupo da leitura coletiva tivemos muitas discussões bacanas a respeito da profundidade dele. Sinceramente de todos, o pior, então nem posso falar muito dele pra vocês pois nem saberia o que dizer, só sei que se passa no deserto e que critica o transporte desses animais.

O da gata foi super fofo, nos traz a discussão sobre gênero e sexualidade, assim como do tratamento diversificado que cada ser humano dá a um animal. Personalidade, charme, nariz pra cima, mas também carinho (quando eles bem querem kkkkk). A história gira em torno de uma gatinha esquecida no campo de batalha e o relacionamento dela com outro gato que já vivia lá e com os soldados, é bem divertido, mas bem triste também.

O do chimpanzé como já contei é muito inteligente e perspicaz, um macaco que age como um humano após ter sofrida diversas experiências! Todo mundo sabe o que animais e judeus sofreram na Alemanha como cobaias, Peter Vermelho é culto, mas as coisas não vão ser como ele imagina, na guerra tudo muda, inclusive o caráter e sentimento das pessoas.

O "Alma de cachorro" me fez raiva, poxa só porque é o animal que mais amo. Me fez refletir sobre como um sentimento exagerado e submisso transforma as pessoas e também os animais, em como a decepção machuca e como os humanos são ciumentos, ignorantes e monstros. Não vou nem comentar muito para não cair no choro aqui com vocês.

O mexilhão foi muito legal, trata de ensinamentos, das asas da liberdade, do desbravamento do mundo por amigos, a narrativa se passa entre três mexilhões que se tornam amigos e vão sair por aí para descobrir novas coisas, foi bem interessante as impressões passadas.

A tartaruga me fez foi inveja, ser animal de estimação de Alexandra, filha de Liev Tolstoi, Virginia Woolf, e George Orwell (Eric Blair), Bertrand Russel, quem não sentiria inveja de partilhar momentos com essas personalidades? Já observaram as incríveis referências que esses livros trazem, não é? A história dessa tartaruguinha vai de elucidações literárias até cientificas, um dos melhores contos com toda certeza.

O do elefante e do urso são lindos, um traz a questão da matança á espécie e as tradições que são passadas entre gerações, enquanto o outro traz literalmente um conto de fadas, fazendo um intertexto com um fato que eu já conhecia, mas que foi incrível ver ele de outra maneira bem mais lúdica.

O do golfinho é triste de ler, agradeço a autora por trazer uma informação desconhecida: a marinha matou milhares de golfinhos na Segunda Guerra, que angustiante não é pessoal? Eles por serem muito inteligentes, eram treinados para recuperar informações, mas logo depois foram ensinados a carregar bombas em seus focinhos e instalarem em espiões submarinos, mas isso valia suas próprias vidas, o conto é narrador por um golfinho mãe e sua filha, e trata-se do relacionamento conturbado entre as duas e com seu treinador.

O do papagaio é o último conto, mas não menos triste, a autora nos dá aquele gostinho de felicidade para somente depois nos apedrejar, sofri muito com o final.

Ceridwen Dovey me levou a um mundo que eu amo, o dos animais, logo eu que estou sempre em contato com eles e sou apaixonada pelas manias, jeitinhos e carinhos de cada um deles, senti muita falta do cavalo para ser sincera, ela trouxe animais peculiares para a convivência humana e talvez até tenha sido sua intenção, mas por ser um animal que convivo diariamente e que entende tão bem os anseios das pessoas assim como seus sentimentos, senti bastante a falta dele no livro. Mas simplesmente amei mesmo assim esse exemplar, cumpriu minhas expectativas e me fez admirar a autora, assim como fez sentir vontade de ler nomes famosos que ainda não conheço as obras.
comentários(0)comente



Thamires.Azevedo 08/12/2017

(...) “É mas você é um mundo por si mesmo, assim como eu”, ela disse. “Somos todos pequenos mundos”. (...)
É intrigante ver o mundo do ponto de vista animal, ainda que de forma severamente humanizados. Só os animais salvam tem uma mistura de pureza de valores, com a realidade nua e crua das coisas. Pra mim, “Alma de chimpanzé” foi um capítulo de certo modo repulsivo, ainda que necessário no contexto geral do livro. Ao passo que “Alma de tartaruga” e “Alma de elefante” traz uma pureza inteiramente espetacular. Mentirei se disser que não chorei, pois lidar com a morte desses animais causadas pela crueldade dos homens e em especial sob o reflexo de guerras, é uma grande consternação.
Recomendo com certeza, mas aconselho reservar seus lencinhos e estar preparado para mudar seu modo de lidar com os animais ao nosso redor, e o animal que há dentro de nós.

comentários(0)comente



Letícia 04/12/2017

Só os Animais Salvam
Esse livro precisa ser lido com atenção, ele precisa ser sentido. São histórias contadas por animais que mostram como eles morreram por atos humanos, crueldades humanas. Eu tentei escolher algum conto favorito, mas cada um mexeu comigo de um jeito diferente, uns mais intensos que outros. Vale a pena ler!
comentários(0)comente



day 29/11/2017

lindoooo
Narrado por almas de animais ,que foram mortos em períodos de guerras.
É um livro de contos,onde cada animal conta um pouco das suas vidas,e de como foram muitas vezes,feridos,usados e traídos por nós humanos.
Um livro bem reflexivo ,sobre como tem sido nosso relacionamento com essas criaturinhas que exalam amor e inocência.
É um livro bem envolvente ,com muitos detalhes sobre as guerras descritas nele.
Um livro pra pensar o que temos feito pelos animais,pela terra e por outros seres humanos.
Fiquei bastante tocada com os contos...os que mais me emocionaram foi : ALMA DE PAPAGAIO,ALMA DE ELEFANTE E ALMA DE CACHORRO.
Gente ,além dos 10 contos,o livro tem uma edição maravilhosa!! Todo capricho e requinte da darkside.
Eu ameiii ^^

"Oh ,cruzar de olhares ! Laço que o animal tenta estreitar e que o homem sempre desata."
-Sidone-gabrielle colette,Looking Backwards: Recollections

site: http://escreverdayse.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Marjorie 01/11/2017

"Enquanto você não amar um animal, sua alma estará adormecida."
E digo que enquanto você não descobrir o que implica amar um animal, pouco saberá de si mesmo, dos outros e do que é um ser humano de fato. Este livro é sobre isso.
Quando o adquiri, apesar de ser da Editora Dark Side, achei que se tratava de contos infantis com animais dóceis nos dizendo tudo o que envolve uma história com moral.
No primeiro conto me surpreendi com a qualidade da escrita e com o tom real que foi desenvolvido, logo percebi que não se tratava de infantilizar animais nem impor moral, se tratava de contar uma história real e tudo o que isso implica: o peso, a leveza, a dor.
Terminei esse primeiro conto chorando muito e não consegui seguir com o livro. Decidi ler um conto por dia, assim deixando cada animal falar comigo por um dia inteiro. Cada conto pede reflexão.
Este livro nos ensina que amar um animal não é comprar um animal, adotar um animal, estar com animais ou deixar de comer animais. Amar um animal é ouví-lo, é saber ler o que ele está querendo te passar, mais importante: é saber a importância disso. É deixar de olhar para si como superior, como dono, como o que ensina e não mais precisa aprender; é aceitar sua natureza, seus erros e sua bestialidade. É tornar o espírito tão sensível ao ponto de entendê-lo e com isso perceber a diferença no próprio Ser.

Continue a ler essa resenha no blog Anne & Cia

http://anneandcia.blogspot.com.br/2017/10/so-os-animais-salvam-de-ceridwen-dovey.html
comentários(0)comente



Hoje é dia de Livro 11/10/2017

Resenha completa no blog!
O que é ser humano?

A resposta mais óbvia a essa pergunta é que somos uma espécie que se diferencia das demais por possuir inteligência e razão, mas e nossos atos? O que eles dizem sobre nós? Ceridwen Dovey procura apresentar uma visão dessa questão, uma resposta, com Só os Animais Salvam. E além de conseguir, fascina.

A obra é dividida em dez contos e cada um é narrado pela alma de um animal que viveu e morreu, presenciando algum momento das inúmeras guerras humanas que ocorreram no decorrer do último século. Em cada um, temos a visão de como o ser humano, de alguma forma, interfere e é o causador de várias adversidades no seu meio e que estas acabaram prejudicando, não somente o próprio causador, mas também a menor das criaturas.

São contos com traços de fábulas e que transmitem ... (continue lendo pelo blog!)

site: http://www.hojeediadelivro.com.br/2017/10/resenha-so-os-animais-salvam.html
comentários(0)comente



Fran.Andrighetti 01/10/2017

Só os Animais Salvam - Ceridwen Dovey
Só os Animais Salvam é o segundo livro da antropóloga Sul Africana Ceridwen Dovey e reúne dez contos narrados pela alma de um animal que esteve envolvido em conflitos e guerras humanas.
Em cada inicio de capítulo temos a espécie de cada animal, a data e o local onde foi morto. Sim, todos os contos vão terminar com a alma do animal contando como foi sua morte. São animais que observam as decisões e as ações humanas de perto e os amam, os salvam, se decepcionam e morrem pelos seres humanos.
É uma leitura bem densa, triste, envolvente, interessante e muito reflexiva. Os contos respeitam uma ordem cronológica, o que torna a leitura mais fácil. A edição da Darkside está fabulosa: capa dura, páginas levemente amareladas, ótima diagramação, a arte também está impecável, super caprichada. Foi um trabalho, sem dúvidas, feito com muito zelo, com muito carinho e dedicação.
Dentre os contos os meus preferidos foram "Alma de gata" (que me tirou o sono por alguns dias), "Alma de Cachorro" (que, embora seja muito triste, traz uma lição de vida e lealdade de arrepiar) e o "Alma de Papagaio" (o que me fez chorar horrores).
O interessante desse livro é ver as barbáries humanas pelos olhos de inocentes e, muitas vezes, exóticos animais. Ao término de cada conto, vem um sentimento de revolta com uma dose de angústia. Realmente é uma leitura forte, que nos induz a refletir sobre as atitudes humanas, sobre a vida e também sobre a morte.
Outro ponto que me chamou bastante atenção é o fato de autora citar personagens, trechos, e autores consagrados como George Orwell, Franz Kafka, Tolstói e Virginia Wolf. (E no final do livro temos todos os autores referenciados em cada conto).
Eu não indico o livro a todos os públicos, principalmente às pessoas que são super sensíveis, as que sofrem de depressão e/ou não costumam e não gostam ler histórias que vão fazer chorar e vão deixar o leitor para baixo por alguns dias. Para as demais pessoas eu indico e faço um convite para resenharem também, contando sua experiência com a leitura e quais contos mais impactaram cada um de vocês.
comentários(0)comente



GETTUB 21/09/2017

SÓ OS ANIMAIS SALVAM é um livro que reúne dez fábulas narradas por animais distintos em diferentes momentos históricos contemporâneos importantes.

Camelo, Gata, Chimpanzé, Cachorro, Mexilhão, Tartaruga, Elefante, Urso, Golfinho e Papagaio. Cada um narra a história de sua vida e morte. Pela premissa, pode parecer que é um livro triste. E na verdade, é. Mas o que absorvemos dele é o que faz o leitor amar essa obra.

Ceridwen Dovey foi audaciosa ao escrever esse livro. Pois quem de nós não gosta de bichinhos? Para quem gosta do contexto histórico, então, é um prato cheio. Primeira e Segunda Guerra Mundial e Guerra fria são alguns dos conflitos nos quais a autora usou como cenário para os contos. Além desse contexto, o livro cita personalidades importantes, como Tolstói, George Orwell, dentre outros.

Meus contos preferidos foram o do gato e do cachorro, que se passam durante as duas grandes guerras. Uma gata acostumada com uma vida de luxo ao lado de sua dona é abandonada e encontra refúgio entre os soldados, onde conhece outro gato. também abandonado. e se aventuram entre as trincheiras. Podemos ver um pouco. pelos olhos dos gatos. o dia a dia dos soldados e o mais tocante: a vida que eles deixaram pra trás.

O conto do cachorro, que se passa na Segunda Guerra Mundial, mostra como um cachorro foi feliz por um tempo ao lado de seu dono, um dos homens de confiança do führer. O interessante desse conto, até mesmo irônico, era o evidente amor do Führer pelos animais, embora não sentisse o mesmo pelos humanos.

Algumas partes do conto da Tartaruga também me chamaram atenção, pois destaca como os animais eram utilizados na corrida espacial, durante a guerra fria.

O livro pode ser um pouco maçante em dois casos: quando você não se interessa pelo lado histórico e apenas quer ler sobre animais. Ou o contrário. No meu caso, confesso que foi difícil em alguns contos, pois por ser dividido em várias fábulas diferentes, com começo, meio e fim, tive a impressão que o livro era mais longo do que aparenta.

Também o fato de conter muitos detalhes sobre a vida dos animais, me deixou um pouco incomodada, pois eu esperava um pouco mais da visão dos animas sobre os conflitos ali evidenciados. Alguns contos conseguiram suprir bem essa condição, outros não. Mas isso, com certeza, é uma questão de ponto de vista. Cada um irá ler esse livro e tirar conclusões diferentes, ensinamentos variados e irá se identificar com contos nos quais eu não gostei, por exemplo.

No quesito edição, o livro não deixa a desejar a ninguém. A capa contém desenhos e cores lindas, e segue a linha de livros da editora Darkside que todo mundo quer ter na estante. A cada começo e final de cada capitulo, temos uma gravura do animal que narra aquele conto. A famosa fitinha do livro é na cor azul turquesa e temos um diferencial: o livro apresenta um espaço para escrever o nosso nome e do nosso pet. Vale ressaltar que não há erros gramaticais e de edição, já que isso é comum hoje em dia.

No geral é um bom livro, que retrata muitas coisas de forma clara e crua demais, até mesmo sem preconceitos, o que é ótimo. Nos faz exercitar a consciência a respeito dos animais e do amor incondicional, fidelidade e fragilidade dos mesmos. Não é à toa que dizem que os animais podem nos ensinar bastantes coisas.

Às vezes nos mandam ser mais humanos, por que não ser mais animais?

RESENHA ESCRITA PELA BRENA PARA O GETTUB!

site: http://www.gettub.com.br/2017/09/so-os-animais-salvam.html
comentários(0)comente



will (IG: amigos_de_paginas) 11/09/2017

um livro que melhora com o tempo
esse é um livro que ao menos para o meu gosto, começou bem lento, mas por ser um livro de contos ele vai melhorando, alguns contos são melhores que outros e isso faz com que o livro seja interessante, um livro narrado pelos animais que morreram em momentos de guerra, interessante, longe de ser o melhor livro que lí, mas pensei que ao final estaria decepcionado e não, foi uma leitura interessante.
Mariana 17/10/2017minha estante
undefined




Leticia 06/09/2017

Só os Animais Salvam - Ceridwen Dovey
Só os Animais Salvam é um livro que tem ao todo 10 contos/fábulas narrados por almas de animais, como cachorro, elefante, urso, entre outros, que morreram em situações de conflitos históricos, como a Primeira Guerra mundial, Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, Guerra Civil de Moçambique, Guerra das Bósnia, Guerra do Iraque e Segunda Guerra do Líbano.

Com muita simplicidade e delicadeza, Ceridwen mostra que os animais também são vítimas e sofrem quando a raça humana decide resolver seus problemas com confrontos armados. Mesmo que o contexto das situações vividas pelos animais seja de guerra, nem sempre eles estão diretamente no centro do conflito, mas sim sofrendo as consequências que ele pode trazer tanto aos humanos quanto aos animais.

Pela visão de diferentes animais a autora mostra que eles sentem medo, amor e sofrem com o abandono. A escrita da autora é leve, porém profunda. Impossível não se sensibilizar com as situações em que os animais estão, especialmente quando vemos que a causa principal desse sofrimento somos nós, os humanos.

Um camelo escuta os devaneios de seu dono enquanto são observamos por uma goanna. Uma gata encontra-se em uma trincheira, durante a Primeira Guerra, e recorda a vida que tinha anteriormente. Um chimpanzé troca cartas com a mulher amada, levantando reflexões sobre experiências com animais. Um cachorro que sofre na pele as consequências da Segunda Guerra Mundial. Aqui, a autora nos mostra que, muitas vezes, em situação de miséria somos obrigados a passar por cima de nossos próprios princípios para sobreviver. Um mexilhão, em busca de uma vida melhor, acaba em Pearl Harbor. Quando menos esperamos nossa vida se vai. Esse foi meu conto favorito!

Uma tartaruga passa pela casa de Tolstói, Virginia Woolf e George Orwell e acaba como cobaia numa viagem espacial durante a Guerra Fria. Uma manada de elefantes tenta sobreviver à seca e a caçadores, provando que fazemos de tudo por amor aos filhos e à família. Um urso faminto à beira da morte escuta histórias de outro urso no zoológico abandonado. Um golfinho escreve uma carta para Sylvia Plath, contanto sua vida servindo a Marinha Americana. Esse conto tem, na minha opinião, a pergunta mais chocante do livro referente a nossa visão sobre humanos e animais. Um papagaio, que recebe muito amor da dona, sobrevivendo a bombardeios na cidade onde mora.

Durante toda a obra a autora aludiu outros autores que escreveram sobre animais, citando trechos e falas de suas obras. Além de citar nomes como de Sylvia Plath, Tolstói, George Orwell e Virginia Woolf. Todas informações sobre os autores e as citações são encontradas no final do livro em A Origem das Estrelas. Nessas notas há uma lista completa de tudo que a autora usou como referência nos contos.

A edição é uma lindeza só, naquele estilo DarkSide de ser com capa dura e fitinha. Todos os contos possuem, no início, ilustrações dos animais correspondentes a eles, título e subtítulo do conto e a data e o local de morte do animal. Com base nessas informações, conseguimos situar o contexto histórico em que se passa a história.

Só os Animais Salvam é um livro que nos faz observar um mundo de conflitos humanos pela visão dos animais. Os contos são sobre animais, mas os problemas abordados são mais humanos do que imaginamos. Leitura recomendada!

site: http://www.lelendolido.com.br/2017/07/resenha-97-so-os-animais-salvam.html
comentários(0)comente



Samira Oliveira 30/08/2017

A Verdade Que Não Ousamos Ver
“Só os Animais os Salvam” é um livro da DarkSide escrito por Ceridwen Dovey e narrado por animais, mais precisamente, pela alma deles. Com uma emoção sincera, e profundamente o que chamamos de “humano”, a obra consegue nos levar aos mais elevados sentimentos e nos convida a presenciar a vida e a morte de célebres (e outros nem tanto) animais. Com objetivo de homenagear alguns cânones literários que escreveram sobre animais, a autora por vezes transcreve e parafraseia escritos destes homens elevados. Entre os que tiveram sua obra homenageada em “Só Animai os Salvam” estão: Franz Kafka, Thomas Man, Leo Tolstói, Virginia Wolf, José Saramago, entre outros, que foram aquecendo mais ainda o coração.

E o que chamamos de humano? De amor, de amor sincero, o que chamamos de pico da inteligência, do mais evoluído ser, da consciência suprema, da mais alta sapiência. O que chamamos de animal, o que somos, além de animais? Algumas questões como estas me foram sendo levantadas ao longo da leitura; detectei muito de biológico, é visível que a autora fez uma boa pesquisa sobre a fisiologia e costumes sociais dos animais com que ela trabalhou. Também notei uma louvável questão de gênero levantada ao longo dos variados contos (ou mais correto, fábulas?!); em alguns momentos, como é o caso da alma de Tartaruga, que ao viver com um eremita que a considerava como macho, aceitou para si essa verdade, e só se descobriu como fêmea ao mudar de dona – na verdade, ao ser recebida pelos pensamentos da nova dona:

Até conhecer a condessa Alexandra, eu não havia pensado muito sobre meu próprio gênero. Na verdade, pelas décadas que vivi com Oleg, ele acreditou que eu era macho (o gênero das tartarugas é algo difícil de decifrar), equívoco que encorajei para meu próprio entretenimento… (p.118)
Sua consciência como “mulher” só foi aflorada quando a condessa Alexandra passou a ler em voz alta – para si e para a tartaruga – uma das pioneiras autoras feminista, Elizabeth Cady Stanton. Essa qualidade foi reforçada, quando a tartaruga foi dada de presente para Virginia Wolf enquanto esta escrevia “Flush: memórias de um cão” inspirado na relação entre Elizabeth Stanton e seu cão, narrado pela perspectiva deste.

Leia a resenha completa no Blog Dezoito em Ponto
Escrito por Samira Oliveira, crítica literária e estudante de Letras na USP

site: http://dezoitoemponto.com/2017/07/09/so-animais-os-salvam-resenha-a-verdade-que-nao-ousamos-ver/
comentários(0)comente



May vieira 27/08/2017

Mais uma decepção Darkside!! (A capa é linda) rs
Elda.Pimentel 28/08/2017minha estante
Os livros da Darkside são mais bonitos do que conteudo, eu particularmente não gosto muito não


May vieira 28/08/2017minha estante
Tbm tenho a msm opinião, eu já li uns 4 só gostei de 1


Cleo 10/09/2017minha estante
Eu li uma trilogia e dois terror e gostei de todos .


will (IG: amigos_de_paginas) 11/09/2017minha estante
Estou terminando esse e que livro chato.


May vieira 11/09/2017minha estante
Kkk tbm achei chato


May vieira 11/09/2017minha estante
So gostei do conto do Dog




34 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3