Só os Animais Salvam

Só os Animais Salvam Ceridwen Dovey


Compartilhe


Resenhas - Só os Animais Salvam


58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Priscila 20/09/2018

Uma decepção!
Gente eu amo livros de contos . Não acho que seja esse o problema do livro. Porém algumas historias PRA MIM foram fracas e sem sentido! Primeira decepção :(
comentários(0)comente



Felipe 10/09/2018

Um livro sem propósito, na minha opinião!
Demorei 7 meses pra terminar esse livro, porque eu simplesmente não sentia a menor vontade de pegá-lo pra ler, me forcei a terminá-lo porque não sou do tipo que abandona uma leitura.
São contos sobre as histórias de vida de vários animais, o problema é que esses contos não são tristes, nem divertidos e não consegui extrair nenhum ensinamento. Pode ser que eu não tenha entendido a premissa da autora, mas até o momento não entendi qual foi o propósito do livro.
Sobre a edição ela é simplesmente impecável. Capa, lombada, cores, diagramação, folhas de guarda, é tudo maravilhoso o que já é esperado da Darkside, mas o conteúdo na minha opinião deixou a desejar.
comentários(0)comente



Edna 09/09/2018

O humano é sua insignificância
#resenhaednagalindo
#Sóosanimaissalvam
?


Autora: Ceridwen Dovey
Ed. @darksidebooks
2014 - Pág 235
?
"Não fazemos distinções entre nossas linhagens geográficas. Acreditamos que todo elefante partilha um ancestral comum, o que nos torna a todos parentes, não importa onde vivemos."
?
"Escrever é sentar e encarar, hipnotizada, o reflexo da janela no tinteiro de prata, sentir a febre divina tomando a face inteira enquanto a não que escreve se torna vivamente entorpecida sobre o papel "
?
O livro reúne dez contos narrados por animais expondo os sentimentos humanos e como esses se portam diante das mais inusitadas adversidades e com seus animais, analisados do ponto de vista deles.
?
Os contos são tocantes, sempre expondo a fragilidade humana, a capacidade de amar ou odiar, de expressar sentimentos de elevação mas dotados de uma incrível e falsa capacidade de existência quando na verdade o que sobressai sempre é a sua inevitavel insignificância.
?
A autora quis mostrar através da pureza da alma de um animal o qual vil a maioria dos homens são mas sempre evidenciando com um fundo de guerra o amor de muitos pelos outros seres humanos e pelos animais.
?
Um livro leve e profundo depende do ponto de vista da interpretação.
?
"...há mesmo quem diga que o homem foi feito com as sobras do elefante" José Saramago
4/5
#resenha #
comentários(0)comente



Ceci 07/09/2018

Livro completamente necessário
Não me lembro de ter chorado tanto lendo um livro como aconteceu com esse.
Ele consegue mostrar prs gente o nosso pior lado, e como nossas atitudes prejudicam os outros, abrindo nossos olhos de uma maneira incrível.
Eu não apenas recomendo esse livro, como o considero uma leitura completamente necessária
Gigi 10/09/2018minha estante
undefined




Vini.Boucault 06/09/2018

Triste
Decepcionado com esse livro, tinha tantas expectativas e o livro se resume a isso: melancólico, confuso e arrastado. Tinha uma premissa tão interessante e boa para ser um sucesso mas foi triste. Literalmente. Os "animais" tem histórias tão rasas e confusas e poucos contos salvam. Uma decepção do ano.
comentários(0)comente



Carol Vidal 02/09/2018

Grito contra a estupidez humana
Mesmo com tom de fábula, o livro é melancólico e, por meio de narradores improváveis, a autora lança a pergunta: o que nós, humanos, temos feito com o mundo?

O grande trunfo da obra é a capacidade da autora de criar vozes próprias para cada animal. A forma de narrar e a linguagem são únicas em cada conto. Dovey conseguiu dar vida a animais cativantes e com histórias surpreendentes, mesmo em um contexto de guerra. E poder analisar os conflitos por um outro ângulo deixa ainda mais clara a estupidez e o egoísmo dos seres humanos que querem conquistar destruindo tudo ao seu redor — inclusive aqueles que um dia foram seus companheiros.

“Só os animais salvam” é o tipo de livro que, mesmo triste, consegue invocar o melhor em cada um, convidando o leitor a exercitar a empatia. É uma leitura essencial diante de tanta maldade que ainda se vê por aqui.
comentários(0)comente



Thayná 28/08/2018

"A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana" ... *** RECOMENDADÍSSIMO
Só os animais salvam é um livro de contos; Narrados pelo ponto de vista de cada "alma"dos animais mortos. Nele cada animal conta como foi a sua morte, o período de vida desde que eram filhotes e foram se misturando com os humanos e as guerras. A maioria dos conflitos são sobre a Segunda Guerra Mundial, e como tudo, ABSOLUTAMENTE TUDO, afeta para o equilíbrio entre animais e seres humanos. Nele vamos conhecer a história de vida e morte de um: Camelo, Gata, Chimpanzé, Cachorro, Mexilhão, Tartaruga, Elefante, Urso, Golfinho e um Papagaio. Esses contos são narrados de acordo com a personalidade de cada animal, nos dando assim em alguns deles de forma crua de certa forma uma noção mais pura da realidade que eles estão passando.Alguns destes animais vão nos dar referência a renomados escritores como : Virgínia Wolf & Tolstói (tartaruga) , Franz Kafka ( chimpanzé), Thomas Mann ( cachorro), Sylvia Plath (golfinho). Esse livro é realmente arrebatador, ele nos deixa refletindo sobre vários aspectos da nossa vida, o que uma guerra pode fazer, o que a falta de comida, o exílio, a etiqueta, a nossa própria humanidade é capaz de fazer contra outros seres humanos, ou até mesmo animais antes adestrados, capacitados para viverem entre nós podem fazer contra sua própria espécie, até onde vão nossas limitações? até onde vamos pela fome e desespero? Você também vai ficar se perguntando ao final desta leitura. O conto que eu mais gostei foi o conto da Gata, do Urso, e do cachorro. " Amei, amei, amei.
Stela 28/08/2018minha estante
Não sabia que era um livro de contos, sua resenha me deixou super interessada!


Thayná 28/08/2018minha estante
Obrigadaaa


Thayná 28/08/2018minha estante
Obrigadaaa


Thayná 28/08/2018minha estante
Obrigadaaa


Thayná 28/08/2018minha estante
Obrigadaa, que bom que consegui passar o que senti lendo. Eu também não sabia, não li a sinopse quando chegou. Leia, vale muito a pena.




Nah Amaretto 22/08/2018

De nome interessante
Comecei a ler pelo fato de ter um nome que me chamou atenção. Não gostei da maioria das histórias, achei bem cansativo e foi uma leitura arrastada. As melhores histórias foram a dos elefantes, dos Golfinhos, do papagaio.
comentários(0)comente



katnsseverdeen 21/08/2018

Adorei muito o livro. Me tocou bastante alguns contos, porém o que mais me tocou foi o último. Apesar de alguns contos eu ter precisado me arrastar um pouco para ler, ainda é um excelente livro. Entrou para a estante mais importante que é a do meu coração hahaha
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 07/08/2018

Só os Animais Salvam
Toda vez que eu pego um livro de contos pra ler é um desafio, e é por isso que eu o faço. Nesse caso, o que me chamou a atenção foi o fato de eu poucas vezes na minha vida literária ter me deparado com pontos de vistas a partir de animais. Não muito tempo atrás até saiu uma resenha por aqui de FoxCraft, que não foi lido por mim, onde a protagonista era uma raposa e era ela quem nos contava sua história. Acho que deixamos essa perspectiva de lado quando abandonamos as leituras mais infantis, onde isso é mais tradicional.

Eu tenho dois gatos, já tive cachorro e adoro animais, salvo algumas exceções tradicionais (principalmente aranhas, longe de mim). Então, quando vi o livro o interesse foi imediato. Não sou uma leitora que vê sinopses então acabo sendo pega de surpresa com detalhes que para aqueles que lêem é algo óbvio. Por exemplo, eu não sabia que os contos iriam se passar todos em cenários de guerra e foi maravilhoso ir se dando por conta ao longo da narrativa, ao invés de esperar pelo momento onde a situação iria se manifestar.

“Eles – os humanos, quero dizer – parecem acreditar que o que os separa dos outros animais é sua habilidade de amar, sofrer, sentir culpa, pensar abstratamente et cetera. Estão enganados. O que os separa é seu talento para o masoquismo. É aí que reside seu poder. Ter prazer na dor, tirar forças da privação, isso é ser humano.”

A temática da guerra é outro fator de interesse pra mim. Eu leio muito sobre a 1ª e principalmente a 2ª, mas me vi criando uma nova perspectiva com esse livro. Vamos caminha juntos por esse pensamento. Nós ficamos apavorados e devastados com tudo o que aconteceu durante o Holocausto, a quantidade de pessoas que morreu, como todo mundo passava fome e vivia de forma precária. Mas e os animais? O que aconteceu com aqueles que viviam em zoológicos e que assim que a comida acabou do lado de fora, eles também pararam de ser alimentados? Foi devastador me confrontar com essa situação que jamais tinha passado pela minha cabeça. Ver em seus olhos o conflito, mas também as pessoas de fora se voltando pra eles como alimentos e tirando a beleza – mesmo que contraditória – desses locais.

“Aqueles que agem humanamente com animais não são necessariamente gentis com seres humanos.”

Mas nem todos os narradores aqui estão em cativeiro e temos histórias até divertidas em alguns pontos. Uma das minhas preferidas é a da gata, que sempre teve uma vida pomposa e se vê deixada pra trás em um front de guerra. O do chimpanzé também traz ótimas reflexões sobre as experiências com animais e a aproximação que queremos fazer deles com o ser humano. Um que me surpreendeu pela sua intensidade no final foi o do Urso. Eu realmente estava tão imersa na trama que não vi a situação chegando e ai me vi chocada pela lógica animal tão simples e real.

Os contos são relativamente curtos, já que o livro tem ao todo menos de 250 paginas. Há vozes bem distintas e algumas que se misturam também. Não é possível identificar que animal está falando sem o contexto e isso pode tanto ser positivo quanto negativo. Porém, certamente, cada um dos 10 contos traz uma mensagem diferente do que quer passar. Com foco em sobrevivência, amizade, companheirismo, aventura, realização de sonhos, família e por vezes apenas busca por propósito, esses animais nos passam mensagens e transmitem boas lições.

Outra coisa que vale a pena ressaltar é que esses animais e suas histórias são referenciadas e há no fim da edição uma lista de onde cada traço foi retirado. Além de alguns escritores ou personalidades que são citados durante alguns contos, principalmente no da tartaruga, que passa pela mão de alguns velhos conhecidos dos leitores, os próprios animais foram retirados de alguma outra criação. Tudo isso dá um tom mais vívido e mágico a trama, o saber que há um background e uma referência em cada um desses narradores que abriram seus olhos pra nós.

É claro que é tudo ficção e que provavelmente nunca saberemos ao certo com um animal pensa ou sente as coisas. Nos resta apenas imaginar, como fez Ceridwen em sua obra e usar esses elementos para transmitir algo bom.

A edição da Darkside está muito bonita e a capa é impecável. Há uma brincadeira com montar os animais em constelações que achei muito legal e que dá também um toque ao livro. Ter o gato na frente e apresentar a questão lúdica também fez todo o sentido, já que estamos lidando aqui com histórias com ares de fábula, apesar do seu teor já preparar o leitor para o que virá.

Todo conto começa com a data de morte do animal em questão, então já vamos preparados para o pior. Entretanto, essa é uma sobra que ronda cada um dos contos, mas que não fica verdadeiramente explícita em todos eles. Não veremos sempre eles se irem. Às vezes sim, mas em outras é só a referência de pra onde toda aquela narrativa vai caminhar. Ao fim, já sabemos como acaba, afinal é aquele velho ditado: a única coisa que temos 100% em comum é a morte.

Só os Animais Salvam é um livro muito bonito e sensível, que faz com que enxerguemos a partir dos olhos de animais coisas que somente nós, humanos, somos capazes de causar. A por vezes simplicidade em que aquilo se mostra existe para ressaltar o quanto somos nós que deixamos tudo mais complicado e voraz. E quando erramos, causamos a dor e o sofrimento não só aqueles da nossa raça, mas a tudo que nos certa, animais e natureza. É uma leitura recomendada e, se você assim como eu não se entende muito com contos, talvez seja uma boa obra para começar ou desenvolver o hábito, afinal são histórias pequenas e com ela de ligação que nos firma à trama.

site: http://resenhandosonhos.com/so-os-animais-salvam-ceridwen-dovey/
comentários(0)comente



Jéssica Bueno 18/07/2018

SENSORIAL
Mas o que mais se destaca no livro é o sentimento, dos animais por humanos, dos humanos pelos animais e dos animais pelos animais. Há um amor muito forte em certos contos, emocionante, que leva ao coração do leitor como um animal é capaz de amar e de se sacrificar por seus sentimentos.

Uma curiosidade do livro é que a autora expõe a homossexualidade entre os animais de forma muito natural, não que todos os contos haja animais que se relacionam com o mesmo sexo, mas a forma narrada é leve e descomplicada, até mesmo quando se trata de alguns humanos.

O livro me surpreendeu, eu já havia lido uma resenha dele, mas não me chamou muito a atenção, por não ter destacado este fato sensorial e amoroso que o livro tem. Peguei ele emprestado de uma amiga, por ter visto muitas fotos dele no instagram literário, e decidi dar uma chance a leitura. No começo é um pouco estranho, mas durante a leitura criei muito amor por cada conto.

site: http://www.faeriereads.com/2018/07/so-os-animais-salvam.html#more
comentários(0)comente



Fernanda.Carolina 21/06/2018

Profundo e encantador
Eu estou sem chão!!
Não é um livro perfeito, mas é de um encanto e profundidade que te deixa apaixonada, além de te fazer pensar muito sobre a "humanidade".
Escrito pela Ceridwen Dovey e lançado aqui no Brasil pela Darkside com o selo darklove é um livro de contos escritos do ponto de vista dos animais em vários lugares do mundo, em épocas diferentes e vários momentos históricos.
É um daqueles livros pra ler em um final de semana e ficar pensativo o resto da vida. Eu não gostei de 100% dos contos é verdade e a tradução me deixou um pouco em dúvida, mas a grande maioria me deixou marcada e um tanto quando "culpada".
... "Por que as vezes tratam outras pessoas como humanos, às vezes como animais? E por que às vezes tratam criaturas como animais, e outras vezes como humanos?"...
Aconselho você a ler com um lencinho do lado e que se permita imaginar e se colocar no lugar deles, é um turbilhão de sentimentos diferentes. Eu amei o conto da gata e queria muito saber mais, o conto do golfinho me deixou com várias dúvidas e o do papagaio DESTRUIU meu coração, foi um fechamento de ouro.
Nath 22/08/2018minha estante
undefined




Bia Kollenz 11/06/2018

Só os Animais Salvam
Só os Animais Salvam é um lançamento da Darkside, escrito pela Ceridwen Dovey e parte do selo Darklove. O livro é uma coletânea de dez fábulas modernas contadas por animais que conviveram com escritores famosos, viveram os horrores da guerra e sofreram com o egoísmo humano. Tentei ao máximo conter minha euforia com esse livro, não quis criar muita expectativa em cima da obra, mas creio que isso vai ser difícil.

“Mas para quê? Carreguei aquela coisa de beleza todo o caminho em meu dorso, com as cordas cortando até os ossos, para que alguém fizesse tinir as notas no bar da Alice, para bêbados no meio do dia. Era aquilo que partia o coração de Zeriph. Que a música do piano não significasse nada sem o falso profeta da bebida.”

Cada fábula possui seu estilo, seja emulando algum escritor, como é o caso do Mexilhão que evoca Jack Kerouac em seu excelente On The Road, seja pelo momento. Temos animais narrando sua história da África, da Polônia, da França e até do espaço. Cada um tem a sua voz na hora de contar sobre a vida e a sua visão do mundo.

Confira: “Empatia e Imaginação: O que os animais podem nos ensinar”

Não sei para vocês, mas para mim é muito difícil falar de um livro quando eu gosto muito da história, provavelmente a dificuldade vem do fato de eu ficar tão animada que passo o tempo todo pulando e abraçando o livro ao invés de expressar o meu amor de uma maneira mais clara. Quem gosta de literatura, quem ama ler, não tem como não gostar desse livro. A felicidade que temos quando entendemos quem a autora está tentando emular, quando compreendemos as referências ou deparamos com algum escritor favorito figurando de coadjuvante é indescritível. Claro que se você não entender de onde vem a referência pode consultar no final as fontes utilizadas pela a autora.

“Virgínia acompanhava nos jornais a perversão que era o comércio de tartarugas: milhões de nós importadas a cada ano do norte da África, chegando com patas e cascos fraturados por terem sido encaixotadas umas em cima das outras; mil tartarugas gregas descobertas mortas na praia de Barking. Dificilmente alguma sobrevivente da jornada conseguiu resistir ao primeiro inverno inglês.”

Outro ponto muito positivo é como a autora usa os animais para criticar a nossa hipocrisia e mesquinhez humana. Isso fica mais forte nos cenários de guerra. Era comum durante a primeira guerra animais habitarem as trincheiras, eles caçavam os ratos e serviam de companhia aos soldados. Os animais sofriam ainda mais fora dos campos de batalha. Cidades sitiadas pereciam com a falta de alimento e a população chegava ao ponto de caçar ratos, gatos e pombos em busca de comida.

Os ricos eram um caso a parte, graças ao seu poder aquisitivo e influências chegavam ao ponto de comer carnes dos animais ‘exóticos’ do zoológico quando todos os pombos já tinham se extinguido. O preço era caro, mas isso não era um problema. Humanos não hesitaram em abandonar seus animais de estimação na hora de escapar, muito menos se preocuparam com a destruição as florestas e com as famílias dos animais. Há uma fábula em que essa questão se inverte, temos humanos incrivelmente preocupados com a situação dos bichos, o que seria excelente se as pessoas em questão não fossem nazistas e tivessem convertido a energia em exterminar membros da própria espécie.

“Encarcere-se outra vez, negue-se qualquer coisa que deseje, até que o prazer venha da negação mesma, não da consumação do desejo. Apenas assim será verdadeiramente livre, e próxima do humano.”

No meio de tantas fábulas fica difícil encontrar a minha favorita. Talvez as que mais fizeram meus olhinhos brilharem foram as vozes da Gata, do Chimpanzé e da Tartaruga. Eu chorei como se não houvesse amanhã lendo esse livro. Me via profundamente tocada pelo amor inocente e pelo coração dessas criaturas ao ponto de precisar parar a leitura e refletir sobre o que tinha acontecido. Todos nós somos culpados de alguma forma. Fazemos parte deste planeta, contribuímos com a poluição, com o desmatamento e com tantas outras coisas egoístas. A fauna e a flora perecem a cada dia, deixamos que governos e empresas se afastem da sua responsabilidade em troca de lucro.

Recentemente tivemos todo o problema com o Acordo de Paris e a recusa de alguns governos em cumprir as metas estabelecidas, a justificativa é o progresso, mas até que ponto podemos permitir isso? O aquecimento global não afeta só os animais, nós sofremos com as conseqüências e como seres pensantes nos dedicamos a outras tarefas ao invés de proteger nosso planeta. Todo mundo já deve ter visto imagens das calotas polares derretendo e os ursos polares sofrendo com a escassez de alimento. Por que isso não causa empatia nos que estão no poder?

“Amor tem cheiro de morte, era nisso que eu pensava estando enterrada nas ruínas.”

É claro que o livro caminha muito longe da militância, tudo isso são pensamentos que desenvolvi percorrendo as páginas. Você não vai se sentir atacado em nenhum momento, os animais são melhores do que nós até nisso. Talvez suas conclusões ao final da leitura sejam diferentes, quem sabe? A narrativa da Ceridwen é gostosa e ela é muito talentosa, espero que a Darkside traga outros livros da autora porque eu quero ler muito mais. Se você ainda não se sentiu motivado a embarcar nessa leitura eu não sei mais o que fazer, só posso te pedir que leia o livro. Deixo aqui também um protesto para meu labrador, Luke, por não querer posar em nenhuma foto e por tentar comer o livro.

site: https://www.laoliphant.com.br/resenhas/resenha-so-animais-salvam-ceridwen-dovey
comentários(0)comente



yasmimpbl 05/06/2018

Serve pra refletir
De início é bem estranho, por causa dos contos curtos e personagens um pouco superficiais... Depois vai ficando interessante, aprofundando mais, e você chega a imaginar realmente que os animais podem pensar dessa maneira. Fica ainda mais fácil se você gostar de animais, porque em algumas partes vai ter compaixão pelos personagens.
P.S. Na minha opinião, faltou o conto do cavalo, já que é o animal que vem sendo usado em guerras desde de sempre... mas enfim, eu recomendo pra quem ta atrás de uma leitura rápida de vez em quando, já que você pode ler um conto ou o livro todo.
comentários(0)comente



Erikson Ribeiro 21/05/2018

Bela Capa Apenas
Quando li os três primeiros contos pensei: Que porcaria de livro é esse, em que os contos não tem sentido algum. Entretanto, existe alguns contos que possuem um sentido legal, onde julga os atos humanos quanto aos animais durante guerras, e outras ocasiões.
Porém, entretanto, todavia o livro é possui um bela capa/edição, parabéns Darkside por esse feito, mas infelizmente os contos não ajudam.
Quando li os três primeiros contos pensei: Que porcaria de livro é esse, em que os contos não tem sentido algum. Entretanto, existe alguns contos que possuem um sentido legal, onde julga os atos humanos quanto aos animais durante guerras, e outras ocasiões.
Porém, entretanto, todavia o livro é possui um bela capa/edição, parabéns Darkside por esse feito, mas infelizmente os contos não ajudam.
Os contos que gostei:
- Elefante
- Urso
- Golfinho
- Papagaio
Danielle 28/07/2018minha estante
Não consegui me conectar com nenhum conto. Sei lá mas não funcionou comigo.


Erikson Ribeiro 30/07/2018minha estante
Então, foram poucos o que fiquei: Ah okay, acho que é válido!




58 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4