Apenas Uma Garota

Apenas Uma Garota Meredith Russo




Resenhas - Apenas uma Garota


44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Maria Fernanda 25/07/2017

"A VIDA É SUA E O CORPO É SEU. VISTA-SE COMO QUISER."
Esta é mais uma da série "resenhas tão difíceis de escrever que eu não sei nem por onde começar" pelo seguinte motivo: o livro em questão traz uma personagem trans, e eu sou uma leitora cis, lendo com a minha mente cis. Ou seja, o meu nível de compreensão jamais alcançará a experiência trans - da mesma maneira que a compreensão branca jamais alcançará a experiência negra, ou que homens jamais compreenderão como é ser mulher numa sociedade patriarcal. E isso me deixa em estado de alerta para não acabar falando algo que, mesmo sem intenção, faça um desserviço à comunidade LGBT, que tanto amo e apoio.

Tá vendo? Mais um motivo.

Eu gostaria que justificativas como essa não fossem necessárias. Que um livro sobre uma personagem trans fosse tão comum que apenas pudéssemos lê-lo e avaliá-lo como outro YA qualquer. Mas, infelizmente, a realidade é o que tem pra hoje, e ela me impede de resenhar Apenas uma Garota levando em conta somente o plot e a escrita da autora. Por isso, decidi expor a minha opinião (100% sincera, é claro) sempre balanceando-a com adversativas que considerem as circunstâncias especiais do livro.

Primeiramente, Apenas uma Garota é um livro importantíssimo. Contribui para preencher uma lacuna que não deveria existir, reconhecendo e normalizando a existência de pessoas trans e fazendo com que elas se encontrem na literatura que consomem. Eu fico feliz porque essa história pôde ser publicada e chegar até mim. É de iluminar a alma saber que temos um YA com uma protagonista trans, escrito por uma mulher trans (!!!) e ainda com uma modelo trans na capa. E foi justamente por isso tudo que a forma light como Meredith Russo se posicionou me deixou decepcionada.

Em momento algum eu consegui ignorar o pensamento de que a história da Amanda foi contada para passar a mão na cabeça do leitor cis, pobrezinho, que não saberia lidar com uma narrativa quebradora de tabu verdadeiramente poderosa. Pensamento este que foi confirmado pela própria autora na nota final do livro, onde ela explica que se ateve a estereótipos "para simplificar ao máximo, segundo os padrões normativos, o fato de Amanda ser trans." E isso me deixou bem triste. PORÉM, entendo perfeitamente a escolha dela. Essa temática é super normal para mim pois tenho pessoas trans no meu dia a dia e convivo com LGBTs em geral. Mas e aqueles leitores que vêm de um ambiente preconceituoso e não fazem a menor ideia do que significa ser uma Amanda? Ou, pior, que nem imaginam que existem inúmeras Amandas por aí? Por isso, posso perceber que Russo não quis colocar nenhum obstáculo para que entendêssemos Amanda como uma "simples" adolescente, para que nos sentíssemos próximos a ela.

Mesmo assim, eu queria mais do plot. Eu queria que Meredith Russo não tivesse adaptado a experiência trans para fazer com que os leitores cis a digerissem com maior facilidade - novamente, é entendível, porém lamentável. Eu queria que Amanda não fosse tão afável, e que ela tivesse uma personalidade distinta ao invés de genérica. Eu queria que o romance não tivesse sido instantâneo e irreal. Eu queria que o clímax não tivesse sido tratado com ares de despropósito e insignificância, parecendo mais uma cena do filme Meninas Malvadas. Eu queria que a única coisa marcante no livro inteiro não fosse o fato de que uma garota trans é a personagem principal.

Desculpem, de verdade, mas é o que eu acho. Não vi nada de inovador ou autêntico na narrativa, que é pobremente desenvolvida, aliás, além desse elemento único. Se tirarmos da história o que faz de Amanda quem ela é, e os flashbacks francamente tocantes, o que sobra é mais do mesmo: um YA clichezão e irrelevante.

Não obstante, concluo afirmando que Apenas uma Garota é um livro que deve ser lido. Foi o meu primeiro sobre a temática e aposto a minha estante que também será o de muita gente. Como dito em uma resenha no Goodreads, a questão abordada ocupa um lugar de tremenda importância no momento atual e esse livro provavelmente cimentará o caminho para muitos outros com personagens trans. Melhores, espero.

site: http://instagram.com/_bookhunter
Gisa 12/09/2017minha estante
Perfeita a resenha. É exatamente o que eu acho. Tirando o fato da importância dele, ele acaba sendo Apenas um livro, com o perdão do trocadilho.


T.Alves 10/04/2020minha estante
Gostei de seu comentário, sua resenha me fez ter uma nova perspectiva, ainda gosto do livro,mas seus pontos são relevantes. Embora eu seja cis, leio muito sobre o tema. Até mesmo pra não ter uma postura preconceituosa como vc cita no começo. Não predicamos ser pra tentar entender e respeitar.


Gaby_ 23/05/2020minha estante
Gostei da sua honestidade ao tratar desse livro. Obrigada pela resenha completa.




@livrosmundofantastico 17/03/2020

Sensível e Emocionante
“Comecei a ter a sensação de que estava criando raízes, como se a vida estivesse passando lá fora e eu fosse ficar para sempre presa em casa, sem ter aonde ir nem com quem conversar”

Amanda é uma jovem que está passando por um problema muito difícil na vida, por isso, sua mãe decide que é melhor ela passar um tempo na casa do pai que mora em Lambertville uma cidade pequena. Lá ela se matricula em uma escola e acaba ganhando quatro amigas e se encanta por um certo jogador de beisebol.

Mas Amanda guarda um segredo que sempre lhe machuca e atormenta, com o tempo ela acaba se aproximando de Grant e percebe que está se apaixonando por ele, mas acredita que seu passado pode estragar tudo.

“Quanto da vida seria isso, aventuras esperando para serem experimentadas por mim”

Amanda é trans quando ainda era criança ela já sabia que era diferente e não aceitava ser um garoto, aos 14 anos começa a tomar hormônios femininos e passa por uma cirurgia. Mesmo depois de seu sonho realizado esse segredo fica lhe incomodando.

Essa história tirou todas as dúvidas que eu tinha às vezes julgamos sem saber o que se passa no íntimo de cada um, através da Amanda pude sentir o que é viver em um corpo que não é seu. A autora soube escrever uma história tão delicada de forma harmoniosa.
comentários(0)comente



BookCall 30/04/2020

Falamos muito por aqui sobre a importância da leitura como exercício de empatia. Se colocar no lugar do outro é difícil, mas é uma ação primordial para tornar o mundo melhor para todos.


Dito isso, vamos a apresentação do livro:
A͟p͟e͟n͟a͟s͟ ͟u͟m͟a͟ ͟g͟a͟r͟o͟t͟a͟ conta a história de Amanda, uma garota trans que vai morar com seu pai após sofrer muito com bullying e preconceitos na cidade onde morava com sua mãe.

É um livro com temática adolescente, bem escrito e que é, ao mesmo tempo, carregado de clichês e foge dos padrões.
A narrativa é gostosa e como um bom YA, a leitura flui de uma forma que a gente mal percebe.
Talvez só não tenha sido um cinco estrelas porque a minha mente cis-hétero não conseguiu alcançar algumas complexidades da personagem.

A autora faz uma nota em duas partes, para leitores cis e trans. É uma nota essencial para compreender a ideia dela ao construir a história da Amanda.
Esse é um livro carregado de representatividade porque além da autora e a personagem principal, a modelo da capa também é trans.
comentários(0)comente



Paula Aono 23/02/2020

Devia ser leitura obrigatória
Eu venho de uma geração (aquelas dos anos 90, parem de tentar calcular minha idade p***a), em que a diversidade de gênero não era discutida, aliás nem se sabia que existia. Para as pessoas da minha época (em tudo era mato), ou era homem, mulher, ou homossexual (e ser a terceira opção era, mais que agora, sinônimo de vergonha, ou falta dela).

Hoje sabemos da quantidade de gêneros que as pessoas podem se identificar (hetero, homo, trans, bi, assexual...), mas infelizmente para algumas pessoas, ainda é difícil entender a orientação de cada um, e quando somo ignorantes (no sentido de não entender algo), acabamos caindo no preconceito.

"Apenas uma garota", vai contar a vida de uma menina trans, seus medos ao se identificar como tal, todo o preconceito sofrido, toda a violência cometida contra ela... A leitura é simples e fluida, as vezes pode parecer até meio rasa, mas como diz minha Vóvis, a gente não pode dar feijoada pra um bebê, ou seja, é uma história que, em sua simplicidade narrativa, ajuda aqueles que não conseguem entender essa pluralidade de gêneros.

Super recomendo, e digo que deveria ser uma leitura obrigatória pra tirar tantos da ignorância.
comentários(0)comente



Queria Estar Lendo 07/01/2019

Resenha: Apenas uma Garota
Apenas uma Garota é o primeiro livro de Meredith Russo, publicado no Brasil em 2017. O livro traz a história de Amanda Hardy, uma adolescente trans que muda-se para a casa do pai em busca de recomeçar a sua vida ao viver sua verdade.

Quando Amanda Hardy chega em Lambertville, onde seu pai vive, tudo que ela quer é um recomeço onde possa viver sua verdadeira identidade, onde possa finalmente viver sua vida como a mulher que sempre soube que era.

Como uma mulher trans, Amanda teve que enfrentar o preconceito, as dúvidas e a depressão até que finalmente encontrasse seu caminho, contando sempre com o apoio da mãe. Mas, quando o preconceito ameaça sua vida, ela acaba tomando uma importante decisão: recomeçar ao lado do pai, que não vê há anos, desde o divórcio.

Em Lambertville, tudo que as pessoas veem é uma bonita adolescente, e Amanda sente que finalmente tem a oportunidade de ser quem é e viver a vida que sempre sonhou. Aos poucos ela perde o medo de que todos saibam sua verdade só de olhá-la, encontra um grupo de amigas e até mesmo um namorado. E tudo que ela quer é poder viver assim.

"Desde que me entendo por gente venho me desculpando por existir, por tentar ser quem eu sou, por viver a vida que eu estava destinada a ter."

Apenas Uma Garota é um livro curto e fácil de ler, a narrativa da Meredith Russo é tranquila, flui fácil, focada no necessário. Além do mais, ele é um romance comum que calha de ter uma protagonista trans, o que é muito bacana. O livro tem o foco na identidade de gênero de Amanda e em seus primeiros anos vivendo de acordo com o que sempre sentiu, e ao mesmo tempo entrega um romance clichê e gostozinho - mesmo que no final a gente fique com uma certa raivinha dele.

Russo escreveu o livro de forma a mostrar que todos têm segredos com os quais convivem, que nada é preto no branco e todo mundo é complicado da sua própria maneira, e eu achei uma forma muito legal de tratar toda a história. Especialmente porque os personagens, embora nenhum tão aprofundado quanto Amanda, são cativantes e carismáticos justamente por isso.

A garota lésbica que esconde sua orientação pois vive em uma minúscula cidade sulista e preconceituosa, a garota com os pais super religiosos e machistas que busca uma saída, o garoto que precisa cuidar de toda a família. Lutas diárias com as quais qualquer um pode se identificar e que só reforçam a ideia de que não podemos julgar ninguém por suas complicações e realidades.

Eu li Apenas Uma Garota com uma certa angustia, no entanto, porque começamos sabendo que Amanda deixou sua cidade após um incidente no banheiro, então eu fiquei esperando que alguma coisa fosse dar muito errado em Lambertville logo cedo, mas no fim fiquei feliz com a forma como a história se desenrolou. Uma história muito mais leve e fácil do que eu tinha imaginado a princípio.

Gostei bastante, também, dela ter incluído a reação dos pais de Amanda e a forma como eles lidam e fazem as pazes consigo mesmos a respeito da identidade de gênero dela e das próprias expectativas que criaram para ela, como pais sempre fazem. Não foi sempre fácil, mas demonstrou compreensão e o significado de amor incondicional.

"Você sabe que as paredes estão aí por um motivo, né? Elas impedem as coisas de desmoronarem."

Meu único porém com a história é que, de fato, Amanda cai em um tremendo estereótipo feminino onde há uma rejeição muito forte a qualquer coisa "de menino". Eu entendi que as escolhas estereotipadas que Meredith Russo fez foram propositais, em busca de introduzir leigos no assunto da transexualidade, uma forma de focar no principal e essencial, para escrever uma história fácil e rápida. Mas foi algo que realmente me deixou meio "meh" a respeito da protagonista e, por isso, não consegui dar a nota máxima - mesmo que a autora tenha explicado tudo isso ao fim do livro.

Por fim, Apenas Uma Garota é um livro cativante, simples, que conquista rápido e explica o mundo das pessoas trans, que são tão marginalizadas na nossa sociedade, de uma forma muito fácil, com muita empatia e compreensão. É realmente um livro para todos.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2019/01/resenha-apenas-uma-garota.html
comentários(0)comente



Ian.Luc 26/02/2020

DepreBooks | Resenha
"[...] As relações de Amanda com as pessoas - o pai, principalmente - são toda a base do livro - e eu achei muito interessante que ele tenha sido construído a partir e ao redor disso. Deu um ritmo mais legal a leitura e a história - vemos com mais detalhes como ela, enquanto mulher trans, lida com outras pessoas e o que se passa em sua mente - e como afeta seu comportamento.
.
A leitura é super tranquila, mas tem seus momentos de tensão. Traições, mentiras e medo também fazem parte dessa trajetória, infelizmente.
.
O mais importante que o livro nos mostra é que não importa o gênero, a identidade de gênero, a sexualidade, ali tem uma pessoa que tem sentimentos, sonhos, desejos; que sente dor, frio, calor; que ama e merece ser amada. E acima de tudo, merece respeito. [...]"

- resenha completa no Instagram @deprebooks -
comentários(0)comente



Yasmine.Maluf 26/04/2020

Apenas uma garota não me tocou. Digo, os flashbacks, a situação da Amanda e o sofrimento dela sim, senti que foram até que bem desenvolvidos. Mas a história em si? Só mais um YA clichêzao. Eu entendi pela nota da autora que ela realmente quis deixar as coisas mais fáceis, mas senti que ela tinha potencial de entregar mais.
Achei bem chato todos serem lindos de novo, o romance super rápido e todo aquele ambiente de filme de adolescente americano.
Mas no geral eu gostei da leitura, fluiu bem e li super rápido. O triste é pensar que personagens trans e LGBT poderiam ser mais comuns em livros... Não sei se consigo explicar, mas gostaria que fosse tão comum a ponto de podermos resenhar e debater esse livro como um livro adolescente normal e não só pq a protagonista é trans. Não sei se me fiz entender kkkk
Mas de qualquer maneira, é um livro gostoso de ler.
comentários(0)comente



Renata - @luardelivros 19/02/2020

Surpreendentemente lindo
Um dos livros mais lindos e emocionantes que já li. Não há uma forma de não se emocionar com Amanda, e não querer aconchegar essa menina em um abraço. Uma história repleta de reflexões, onde podemos apreender mais e compreender melhor sobre pessoas trans, amor, amizade, família, lealdade.

Peguei esse livro despretensiosamente, repleta de uma curiosidade do seu conteúdo, e sem ideia de que se tornaria um dos meus favoritados.
comentários(0)comente



Jon O'Brien 18/04/2020

Esse livro me arrebatou! Vale muito a pena!
Apenas uma Garota é o primeiro livro com uma protagonista trans que li na minha vida, e acabou entrando para a minha lista de favoritos não só por conta da temática, mas também pela escrita da Meredith Russo e pelo seu cuidado na abordagem da obra. Nesta resenha, saiba exatamente o que eu achei do livro!

A primeira coisa que me atraiu em Apenas uma Garota não foi a capa, embora ela seja bastante bela e tenha esse tom enigmático. O que me deixou curioso para ler o conteúdo foi a temática. Há pouquíssimos livros literários que abordam da transexualidade, e, apesar de eu ter amigas trans, me sentia na carência de conhecer obras literárias que retratassem a sexualidade de uma pessoa assim. Este livro caiu como uma luva.

O livro conta a história de Amanda Hardy, que sofreu uma agressão violenta no último ano, depois de fazer a cirurgia de redesignação sexual e passar a tomar hormônios, e que agora se muda para outra cidade, a fim de morar com seu pai, voltar à escola e superar os traumas do passado. Tudo o que ela quer é ser uma garota normal, e está decidida a esconder sua identidade de gênero porque sabe o quão preconceituosas e cruéis as pessoas podem ser quando descobrem que ela era um menino.

O problema começa quando Amanda conhece Grant, um rapaz gentil que a cativa desde o início, e fica em dúvida se deve contar a verdade a ele ou se esse é um segredo que deve permanecer consigo. É um livro que contém romance, mas acredito que ele seja bem mais dramático que romântico.

Apenas uma Garota é dividido em capítulos curtos e muito bem-pontuados. A autora consegue segurar informações importantes por algum tempo sem que o livro pareça cansativo, e toda a descrição das cenas, cenários e personagens é muito boa. A escrita da Meredith Russo não tem nada realmente muito chamativo, mas ainda assim é muito boa e responsável.

Além disso, há capítulos que não são focados no presente de Amanda, e sim no passado, antes e pouco depois de ela começar a tomar hormônios. O passado revela memórias difíceis, como a dificuldade do pai de aceitar quem ela era e o sofrimento e o apoio da mãe naquele momento tão difícil de autodescoberta.

O livro contém personagens absurdamente reais. Apesar de a história do livro ser simples, os personagens se destacam porque são muito bem-construídos, desde os preconceituosos às pessoas que apoiam Amanda. Tive algumas surpresas em relação aos personagens, algumas coisas que me deixaram triste (mas não decepcionado com a obra) e algumas coisas que me deixaram feliz. Tudo caiu direitinho, touché, então Apenas uma Garota está longe de ser um livro forçado. Teve uma cena, inclusive, que foi um soco no estômago e me fez tremer de raiva. Fiquei realmente puto. Mas gostei do acontecimento para a construção da história.

Para mim, Apenas uma Garota é um livro imensamente necessário tanto para as pessoas que se interessam pela temática quanto para as que não têm interesse algum. Meredith Russo escreveu com uma propriedade muito grande, provavelmente porque ela também é uma mulher trans, e estou louco para ler outro livro dela, embora não haja previsão de lançamento no Brasil.

Garanto que vale a pena ler. Se você não tem muito dinheiro agora, considere esperar uma promoção legal. Eu comprei o meu em uma promoção e acho que teria pagado três vezes o que paguei se soubesse que gostaria tanto da trama. Se você gostou do texto, continue acompanhando o blog e nossas resenhas!

site: https://redipeblog.wordpress.com/2020/04/18/resenha-apenas-uma-garota-meredith-russo-transexualidade/
comentários(0)comente



Gill.Santos 10/07/2020

Ainda com o coração apertado
Eu pensava que ser mulher era difícil, mas descobri que ser transgênero é mil vezes mais.

Este livro conta a história de Amanda ou antes disso Andrew, uma garota que nasceu no corpo errado e por ninguém entender isso, sofreu todo tipo de humilhação e agressões físicas. Aos 15 anos tenta suicídio, mas aos 18 após tomar hormônios e fazer as cirurgias necessárias, descobre que enfim pode ter amigos e uma vida "normal", só que não!

Se eu falar muito deste livro vou encher de spoilers mas, eu queria falar sobre sentimentos. Que dor no coração eu senti quando ela relatou cada agressão física, cada bullying, mas o pior acho que foi o desprezo, viver sozinha, sem poder confiar em ninguém, sem ter em quem se apoiar. Ela tinha a mãe e algumas colegas do grupo de apoio que passavam pela mesma situação, mas não era o suficiente.
Viver com medo e lutar por viver mesmo assim ou desistir de tudo e se entregar ao suicídio?
Difícil responder.

Recomendo este livro, não importa quasl seu gênero, leia!
comentários(0)comente



Francisco 07/07/2017

Um livro sobre representatividade Trans
No final do livro tem uma carta da autora direcionado a pessoa cis. Não vou reproduzi-la para não gerar ao spoiler, mas em outras palavras ela relata algumas mudanças providenciais que ela teve de fazer, entre ficção e realidade, com objetivo de fazer a história andar. Porque se a vida da Amanda a protagonista dessa história foi dificil. Imagine a de uma pessoa Trans na vida real. É um livro sobre criar empatia por meio do conhecimento. Mesmo que a autora diga que ela tinha objetivo contar uma história, não educar. Num mundo onde o conhecimento é escasso, histórias como essas se tornam pontes para a nossa saída da ignorância rumo ao respeito e tolerância. Mais Amor...
comentários(0)comente



Inglethe 05/07/2020

Apenas uma garota
É uma história sobre uma garota trans escrita por uma mulher trans, Amanda morava com a mãe, sendo que ocorre um episódio que a deixou traumatizada, e foi aí que a mãe dela decidiu que seria melhor ela morar com o pai em outra cidade, o que foi muito bom por sinal, pois melhorou a relação dela com o pai. Ela conhece o Grant e rapidamente eles vão ficando muito próximos, porém ela tem um segredo que tem medo de contar, ela esconde que era um menino ?seu passado não impede que você tenha um futuro?.
comentários(0)comente



Michelle 08/09/2017

Apenas Uma Garota
Amanda Hardy é a garota nova na escola em Lambertville, Tennessee. Como qualquer outra garota, tudo o que ela quer é fazer amigos e se encaixar. Mas Amanda mantém um segredo. Há uma razão pela qual ela transferiu e do porque da sua determinação em não se aproximar demais de ninguém.
Mas então... ela conhece Grant Everett. Ele é diferente de qualquer garoto que ela já conheceu - aberto, honesto, amável - e Amanda aos poucos deixa ele entrar em sua vida.
À medida que passam mais tempo juntos, ela se sente ansiosa para compartilhar com Grant tudo sobre si mesma ... incluindo seu passado. Mas ela está aterrorizada de que, uma vez que ela conte a verdade, ele não consiga suportar o peso da verdade. Além de todo trauma que ela carrega dentro de si devido a esse segredo.
A verdade que Amanda insiste em guardar para si é que ela nasceu menino, apesar de nunca ter sido um de fato.
O livro tem flashbacks tocantes sobre Andrew, sua difícil vida, o bullying, preconceito que sofreu.
Apenas Uma Garota é um YA sobre é uma garota trans, escrito por uma autora trans.
Gatilho: tentativa de suicídio.
comentários(0)comente



Ricardo Coutins 05/10/2017

Legal, mas problemático
O livro é legal de ler, rápido e etc mas achei a escrita extremamente rasa. Não entrei na pele da personagem hora nenhuma. Também é bemmmmmmmmm superficial em relação ao que as trans passam na vida real
comentários(0)comente



Juju 12/05/2020

Apenas uma garota
O livro foi, inicialmente, surpreendente para mim. Ganhei de presente e não sabia sobre o que se tratava a história... Então quando li a sinopse, me despertou uma enorme curiosidade e interesse, para um tema que eu nunca tinha explorado antes.

É muito bem escrito, me senti na pele da personagem o tempo todo, os acontecimentos são muito impactantes... E deixa um "gostinho de quero mais" no final.
comentários(0)comente



44 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3