Todo Amor

Todo Amor Vinícius de Moraes




Resenhas -


4 encontrados | exibindo 1 a 4


ViagensdePapel 12/09/2017

“De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento”

Quem gosta ou já aprendeu sobre poesia brasileira, com certeza irá reconhecer os primeiros versos do Soneto da Fidelidade, imortalizado por Vinicius de Moraes. Ele, que nasceu em 1913 no Rio de Janeiro, encantou o país com seus versos sobre o amor, muitos deles musicados por artistas como Jobim, Toquinho, entre tantos outros. Vinicius falava sobre cada amor como se aquele sempre fosse o último e, cada um, diferente e único a sua maneira. Como uma forma de homenagear sua obra, a Companhia das Letras lançou este ano o livro Todo amor, que reúne cartas, crônicas, poemas e letras de canção, mostrando a versatilidade de Vinicius e a forma como explorava esse sentimento tão infinito em si mesmo.

Há de se dizer que a edição é um espetáculo a parte. Com tons de vermelho, rosa e muitas ilustrações de flores, que complementam e intensificam o conteúdo do livro, a parte estética está de uma delicadeza sem tamanho, sem deixar de lado a paixão e sua voracidade, presente em muitos momentos da vida do autor. Todo amor celebra um sentimento que permeia nossas vidas em qualquer circunstância, que é capaz de arrebatar-nos e trazer a esperança mesmo em meio a dias obscuros. Aqui, o amor é o personagem principal, mas sem deixar de lado os secundários, que inevitavelmente aparecem em sua companhia – alegria, tristeza, ciúme, perdão, expectativa, serenidade, entre tantos outros.

Este é um livro para ser lido aos poucos. Deixar na cabeceira da cama e vez ou outra folhear e se deixar surpreender pelas palavras do autor. Quando aparecem as letras de música, são sempre sinalizadas pelo nome do cantor. Aqui, uma boa dica é procurar a canção no Youtube ou Spotify, fechar os olhos e se deixar levar pela mistura dessas duas grandes artes. Fiz isso durante a minha leitura e com certeza tornou a experiência ainda mais rica.



Leia a continuação da resenha, acesse o link abaixo:

site: http://www.viagensdepapel.com/2017/09/12/resenha-todo-amor-de-vinicius-de-moraes/
comentários(0)comente



Aione 06/09/2017

Todo Amor é a coletânea que reúne poemas, letras de música, crônicas e cartas de Vinicius de Moraes. A primorosa edição produzida pela Companhia das Letras vem ao encontro de seu belíssimo conteúdo.

Como o próprio nome indica, o amor é a temática que engloba a poesia de Moraes em seus mais diversos tons: ora é o amor sublime e idealizado, ora é o sofrido de uma separação. Há o amor travesso e brincalhão, e aquele sensual e erotizado. Seja qual for a faceta do sentimento (ou do homem que o escreve), é ele que marca cada uma das páginas da obra.

A edição conta com a apresentação de Eucanaã Ferraz, que aponta sobre a evolução de Moraes como poeta e indicando as diferentes fases por que sua poesia passou. Contudo, como Ferraz menciona, os poemas de Todo Amor não estão agrupados segundo sua cronologia, justamente para tornar claro ao leitor como certos temas, termos e perspectivas são constantes, independentemente da época em que foram escritos. Ainda que o tratamento de Vinicius possa diferir de um texto para outro, há inegavelmente algo que os conecta e faz deles tão próprios do autor.

Fazer a leitura de Todo Amor foi um mergulho em sensibilidade. Fui, por diversas vezes, arrebatada pelas palavras de Vinicius, pelo amor tão intensamente sentido e vivido por ele de tantas formas e situações. Ao final do livro, há uma cronologia do autor e nela podemos ver sua trajetória pessoal e profissional. Moraes foi casado nove vezes, o que indica completamente o quanto ele está, verdadeiramente por inteiro, em seus versos. Seus relacionamentos podem não ter sido imortais, já que ele próprio acredita serem chama; mas, certamente, foram infinitos em sua duração – porque assim era Vinicius. O fervor e intensidade de seus sentimentos estão presentes em sua obra, e tive altos e baixos enquanto a acompanhei, indo, tão de repente, do riso ao pranto.

Se vale a pena conhecer o trabalho de Vinicius de Moraes por si só, Todo Amor faz desse contato imperdível. O trabalho gráfico realizado pela Companhia das Letras fez desse livro um dos mais bonitos da minha estante, em capa dura e com ilustrações que só fazem do conjunto ainda mais belo, sensível e poético.

Fiz a leitura de Todo Amor de uma só vez, principalmente por não ter conseguido parar de ler poesia após poesia, além dos outros gêneros textuais. Contudo, sei que esse é um daqueles livros para se recorrer inúmeras outras vezes, buscando em cada verso um novo sentido ou uma lembrança, seja daquilo já lido, seja daquilo vivido.

site: http://minhavidaliteraria.com.br/2017/09/06/resenha-todo-amor-vinicius-de-moraes/
comentários(0)comente



Portal JuLund 26/07/2017

Todo Amor, @cialetras
Sabe aquele livro que você contou os dias para chegar e finalmente ler, foi assim com esse livro maravilhoso que a Companhia das Letras lançou, quando vi que muitos exemplares foram distribuídos em algumas cidades fiquei triste por morar tão longe das capitais.
Mas poder ter o privilégio de receber esse livro como cortesia foi um presente que sempre irei agradecer, poesia para mim é um dos maiores tesouros que poderiam existir na face da Terra! Hoje falo sobre esse livro que encanta e apaixona, pois além das poesias encontramos músicas, crônicas e cartas pessoais, que nos fazem acreditar cada vez mais no Amor!
Sei que Vinicius de Moraes é considerado um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos, porém para mim ele é também o meu preferido, muitos de seus poemas estão gravados para sempre em minha memória e coração, como o Soneto de Fidelidade, pág. 29:

"Soneto de Fidelidade
Com música de Capiba

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/resenha-de-todo-amor-cialetras
comentários(0)comente



Luciano Luíz 08/07/2017

VINICIUS DE MORAES é louvado como um dos maiores (ou o maior) poetas brasileiros de todos os tempos. Sua poesia foi além dos livros e virou canção ao som de Tom Jobim e outros mais. No entanto, quando lembramos de Garota de Ipanema, é sempre o nome de Tom que vem com força, já que o mesmo imortalizou a letra com a música que se espalhou com facilidade surpreendente. Não é a toa que Garota de Ipanema é a segunda canção mais gravada (oficialmente) em todo o mundo, perdendo apenas para Yesterday dos Beatles.
Mas, Vinicius sabia melhor que ninguém escrever sobre o amor. Em sua vida pessoal passou por sete casamentos e ao que parece estes eram um tipo de incentivo para a sua escrita romântica. Não pesquisei acerca dos relacionamentos para saber se enviuvava ou simplesmente se separava... mas é algo curioso em se tratando de quem tão bem escrevia sobre o tema mais popular do planeta...
Em TODO AMOR, temos muitas poesias, algumas crônicas e até cartas íntimas. No entanto, as crônicas são ruins, chatas e sem sabor. As cartas, nada de interessante a não ser ver as suas paixões (mulheres)...
É um livro que na minha humilde e sincera opinião seria muitíssimo melhor se se tratasse apenas de poemas. Nada daquelas crônicas e cartas. Não sei se assim foi editado para deixar mais volumoso...
Bom, pra quem gosta de poemas de amor, daquele amor apaixonante, este é o livro.

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/lucianoluizsantostextos/
comentários(0)comente



4 encontrados | exibindo 1 a 4