Todo Amor

Todo Amor Vinícius de Moraes




Resenhas -


10 encontrados | exibindo 1 a 10


Camila Márcia 19/06/2018

Que edição primorosa!
Todo Amor é uma coleção de poesia, cronicas, cartas e letras de músicas de Vinicius de Moraes organizadas por Eucanaã Ferraz. Sempre tive um grande carinho pelas composições de Vinicius, principalmente após ler Vinicius de Moraes: O Poeta da Paixão, de José Castello (Companhia das Letras), leitura que fiz há tanto tempo, ainda quando estava no ensino médio, e me fez entender que o poeta, simplesmente, viveu tudo.o que escreveu e passou toda a vida se apaixonando, mesmo diante dos vícios e problemas o AMOR sempre teve espaço primordial em sua vida.

Todo Amor é essa coleção organizada de forma tão singular, pois não contemplou apenas suas composições poéticas, mas também letras de musicas e prosas, além disso também temos uma cronologia da vida do próprio Vinícius ao final do livro que é uma riqueza para quem é fã do autor.

Sem dúvida o AMOR por ser algo já tão banalizado, tão na boca do povo, tão fragilizado ainda encontra uma força enorme nas obras de Vinicius, ele reinventou o amor de uma forma que o tornou "Mas que seja infinito enquanto dure" algo que se assemelha a um amor real, perene, mas que também passível de mudanças.

Quando finalizei Todo Amor fiquei ansiando do por mais, pois Vinicius de Moraes é incrível não só nas poesias e canções, mas também nas crônicas, tinha um senso de humor singular e realmente divertido.

Outro ponto que merece destaque é que esse livro é sonoro, eu mesma quando via a letra de alguma música corria para pesquisar no YouTube as canções para ouvir e acompanhar a letra/poesia, foi uma experiência extracorpórea de tão intensa, portanto, sigam essa recomendação: escutem as músicas de Vinicius durante a leitura, a experiência de leitura atingirá um outro nível/patamar.

Antes de finalizar, merece destaque - um grande e imenso destaque - o trabalho gráfico da Companhia das Letras nessa edição que foi mais do que caprichada, como se não bastasse ser um livro capa dura, que em si já é primoroso, ele veio cheio de detalhes como nome colorido, algumas páginas coloridas, ilustrações e fotos e detalhes gráficos como fontes de referência, bibliográficas, etc. Por fim, tem a cronologia enriquecida com fotos do escritor, das capas originais de suas obras, e fotos pessoais.

Todo Amor é o tipo de livro que a gente acha bonito ficar olhando e abri-lo só pra olhar a beleza que é o volume, para completar a contemplação a seleção de textos está agradável para o leitor se apaixonar pelo escritor. Acho uma edição digna para os fãs e para algum leitor que queira se aventurar em seu primeiro contato com as obras de Vinicius de Moraes.

site: www.delivroemlivro.com.br
comentários(0)comente



Laissa 08/03/2018

Livro encantador
O livro é lindo. As vezes abro só pra folhear as páginas mesmo.
Assim que ele chegou pra mim fiquei encantada. Primeiro queria devorar, depois percebi que ler aos poucos e ir saboreando cada poema era muito mais proveitoso.
Já as crônicas e cartas que ficam espalhadas entre os poemas não me agradaram em nada, pulei muitas e o livro perdeu estrelas por isso.
comentários(0)comente



Vanessinha 01/03/2018

Muito lindo
Foi um livro que li aos poucos e quero reler. Muitas boas memórias dos meus entes queridos que sempre amaram Vinícius. É um livro para saborear aos poucos.
comentários(0)comente



Taci.Souza 31/01/2018

🌹Vinicius de Moraes é um dos meus poetas favoritos desde o meu primeiro contato com a sua obra, quando ainda criança, me aventurei pelas páginas da adorável coletânea de poemas intitulada 'A arca de Noé'. A partir daí o 'Poetinha' tornou-se uma constante nas minhas leituras, e minha admiração por ele só aumentava a cada novo poema lido.

🌹Há quem afirme que, por meio de seus versos, prosas e canções, Vinicius de Moraes reinventou o amor. Aliando a poesia dos livros à música popular, ele trouxe o amor - tema que parecia velho na sua época - para o centro das atenções referindo-se ao sentimento como uma emoção sempre nova. Seu estilo lírico, dotado de um romantismo real, expressa a esfera comum das vivencias cotidianas de forma direta e simples.

🌹Através de sua poesia temos um vislumbre do amor em sua essência humana. Enxergamos desde o jovem atormentado por desejos discordantes até o homem cuja maturidade forjou-se de um aglomerado de experiências tangíveis. É possível perceber o poeta, na condição de homem em plena maturidade, exibir os receios e as fantasias comuns à um jovem aprendiz.

🌹'Todo Amor' reúne cartas, crônicas, poemas e letras de canção que dão forma a um painel admirável e apaixonante da obra do poeta. Vinicius escrevia e cantava o Amor sob o aspecto da alegria, da tristeza, do ciúme, da devoção absoluta, da veneração,do arrependimento, do perdão, do humor, bem como da expectativa do fim.

🌹Com organização do poeta Eucanaã Ferraz, o livro trata-se de um retrato de Vinicius forjado e produzido a partir de sua própria inspiração. A companhia das letras preparou um livro belíssimo, que encanta tanto pelo conteúdo literário, quanto pela beleza de uma edição primorosa em capa dura contendo fotografias e recortes florais distribuídos ao longo das 278 páginas.
comentários(0)comente



Luana Biondo 10/01/2018

Um compilado incrível dos textos mais marcantes de Vinicius. É fácil se sentir parte da história enquanto lê os textos geniais na disposição feita pela organizadora da obra.

A edição é arrebatadora de tão linda, dá vontade de morar no livro. Mesmo os sonetos e versos mais conhecidos do autor, quando colocados nas páginas de Todo Amor, despertam sentimentos diferentes do que quando lidos avulsos.

A organização (não cronológica) também é um ponto positivo da obra, que traz os poemas de maneira a que o leitor entenda as fases da vida de Vinicius e os contextos em que foram escritos os trechos que consagraram o poeta.

Com toda certeza, é um livro que me marcou e vai ficar guardado bem pertinho do meu coração ??
comentários(0)comente



Guaranádoamazonasémassa 01/12/2017

Romance da Amada e da Morte
V. de Moraes

A noite apodrece. Exausto
O poeta sem sua Amada
Não tem nada que o conforte.
A lua em seu negro claustro
Corta os pulsos em holocausto
À sua saudade enorme.
Mas o poeta não tem nada
Não tem nada que o conforte.
Fumando o seu LM
O poeta sozinho teme
Pela sua própria sorte.
Seu corpo ausente passeia
Trajando camisa esporte.
Abre um livro: o pensamento
Além do texto o transporta.
Pega um papel: o poema
Recusa-se à folha morta.
Toma um café, bebe um uísque
O gosto de tudo é pobre.
Liga o rádio, lava o rosto
Põe um disco na vitrola
Os amigos telefonam
o poeta nem dá bola
O simpatil não o relaxa
O violão não o consola.
O poeta sozinho acha
A vida sem sua Amada
Uma grandíssima bosta.
E é então que de repente
Soa a campainha da porta.
O poeta não compreende
Quem pode ser a essas horas?
E abre; e se surpreende
Ao ver surgir dos batentes
Sua velha amiga, a Morte
Usando um negro trapézio
E sombra verde nas órbitas.
Ao redor das omoplatas
Um colar de quatro voltas
E as falangetas pintadas
Com um esmalte de tom sóbrio.
O poeta acha-a mais mundana
No auge da última moda
Com a maquilagem romana
E os quatro metros de roda.
A Morte lânguida o enlaça
Com todo o amor de seus ossos
Insinuando no poeta
Sua bacia e sua rótula.
Ao poeta, de tão sozinho
Tudo pouco se lhe importa
E por muito delicado
Faz um carinho na Morte.
A Morte gruda-se a ele
Beija-o num louco transporte
O poeta serve-lhe um uísque
Muda o disco na vitrola.
A Morte sorri feliz
Como quem canta vitória
Ao ver o poeta tão triste
Tão fraco, tão provisório.
Enche-lhe bem a caveira
Sai dançando um rock-and-roll
Retorcendo-se do cóccix
E trescalando a necrose.
Depois senta-se ao seu lado
Faz-lhe uma porção de histórias?
O poeta deixa, infeliz
Sentindo o seu organismo
Ir aderindo ao da Morte.
Começa a inchar o seu fígado
Seu coração bate forte
Seu ventre tem borborigmos
Sente espasmos pelo cólon.
O poeta fuma que fuma
O poeta sofre que sofre
Sai-lhe o canino do alvéolo
Sua pele se descolore.
A Morte toma-lhe o pulso
Ausculta-o de estetoscópio
Apalpa a sua vesícula
Olha-lhe o branco dos olhos.
Nas suas artérias duras
Há sintomas de esclerose
Seu fígado está perfeito
Para uma boa cirrose.
Quem sabe câncer do sangue
Quem sabe arteriosclerose?
A Morte está satisfeita
Ao lado do poeta deita
E dorme um sono de morte.

E é eñtão que de repente
Soa a campainha de fora.
O poeta não compreende
Quem pode ser a essas horas?
A Morte se deixa à espreita
Envolta no lençol
Enquanto gira o poeta
A maçaneta da porta.
A Amada entra como o sol
Como a chuva, como o mar
Envolve o poeta em seus braços
Seus belos braços de carne
Beija o poeta com sua boca
Com sua boca de lábios
Olha o poeta com seus olhos
Com seus olhos de luar
Banha-o todo de ternura
De uma ternura de água.
Não veste a Amada trapézio
Nem outra linha qualquer
Não está de cal maquilada
Nem usa sombra sequer.
A Amada é a coisa mais linda
A Amada é a coisa mais forte
A Amada é a coisa mulher.
A Morte, desesperada
Num transporte de ciúme
Atira-se contra a Amada.
A Amada luta com a Morte
Da meia-noite à alvorada
Morde a Morte, mata a Morte
Joga a Morte pela escada
Depois vem e se repousa
Tendo o poeta ao seu lado
E sorri, conta-lhe coisas
Para alegrar seu estado
E entreabre seu corpo moço
Para acolher seu amado.
O poeta sente seu sangue
Circular desafogado
Sua pressão baixa a 12
Seu pulso bate normal
De seu fígado a cirrose
Faz a pista apavorada
A matéria esclerosante
Fica desesclerosada
Desaparece a extra-sístole
Seu cólon cala os espasmos
Equilibra-se de súbito.
Todo o seu vagossimpático
Corre-lhe o plasma contente
Cheio de rubras hemacias
O dente ajusta-se ao alvéolo
Fica-lhe a pele rosada.
Tudo isso porque o poeta
Não é poeta, não é nada
Quando a sua bem-amada
Larga-o à morte, se ausente
De sua luz e do seu ar
Por isso que a ausência é a morte
É a morte mais tristemente
É a morte mais devagar.

Montevidéu 14/10/1958
comentários(0)comente



ViagensdePapel 12/09/2017

“De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento”

Quem gosta ou já aprendeu sobre poesia brasileira, com certeza irá reconhecer os primeiros versos do Soneto da Fidelidade, imortalizado por Vinicius de Moraes. Ele, que nasceu em 1913 no Rio de Janeiro, encantou o país com seus versos sobre o amor, muitos deles musicados por artistas como Jobim, Toquinho, entre tantos outros. Vinicius falava sobre cada amor como se aquele sempre fosse o último e, cada um, diferente e único a sua maneira. Como uma forma de homenagear sua obra, a Companhia das Letras lançou este ano o livro Todo amor, que reúne cartas, crônicas, poemas e letras de canção, mostrando a versatilidade de Vinicius e a forma como explorava esse sentimento tão infinito em si mesmo.

Há de se dizer que a edição é um espetáculo a parte. Com tons de vermelho, rosa e muitas ilustrações de flores, que complementam e intensificam o conteúdo do livro, a parte estética está de uma delicadeza sem tamanho, sem deixar de lado a paixão e sua voracidade, presente em muitos momentos da vida do autor. Todo amor celebra um sentimento que permeia nossas vidas em qualquer circunstância, que é capaz de arrebatar-nos e trazer a esperança mesmo em meio a dias obscuros. Aqui, o amor é o personagem principal, mas sem deixar de lado os secundários, que inevitavelmente aparecem em sua companhia – alegria, tristeza, ciúme, perdão, expectativa, serenidade, entre tantos outros.

Este é um livro para ser lido aos poucos. Deixar na cabeceira da cama e vez ou outra folhear e se deixar surpreender pelas palavras do autor. Quando aparecem as letras de música, são sempre sinalizadas pelo nome do cantor. Aqui, uma boa dica é procurar a canção no Youtube ou Spotify, fechar os olhos e se deixar levar pela mistura dessas duas grandes artes. Fiz isso durante a minha leitura e com certeza tornou a experiência ainda mais rica.



Leia a continuação da resenha, acesse o link abaixo:

site: http://www.viagensdepapel.com/2017/09/12/resenha-todo-amor-de-vinicius-de-moraes/
comentários(0)comente



Aione 06/09/2017

Todo Amor é a coletânea que reúne poemas, letras de música, crônicas e cartas de Vinicius de Moraes. A primorosa edição produzida pela Companhia das Letras vem ao encontro de seu belíssimo conteúdo.

Como o próprio nome indica, o amor é a temática que engloba a poesia de Moraes em seus mais diversos tons: ora é o amor sublime e idealizado, ora é o sofrido de uma separação. Há o amor travesso e brincalhão, e aquele sensual e erotizado. Seja qual for a faceta do sentimento (ou do homem que o escreve), é ele que marca cada uma das páginas da obra.

A edição conta com a apresentação de Eucanaã Ferraz, que aponta sobre a evolução de Moraes como poeta e indicando as diferentes fases por que sua poesia passou. Contudo, como Ferraz menciona, os poemas de Todo Amor não estão agrupados segundo sua cronologia, justamente para tornar claro ao leitor como certos temas, termos e perspectivas são constantes, independentemente da época em que foram escritos. Ainda que o tratamento de Vinicius possa diferir de um texto para outro, há inegavelmente algo que os conecta e faz deles tão próprios do autor.

Fazer a leitura de Todo Amor foi um mergulho em sensibilidade. Fui, por diversas vezes, arrebatada pelas palavras de Vinicius, pelo amor tão intensamente sentido e vivido por ele de tantas formas e situações. Ao final do livro, há uma cronologia do autor e nela podemos ver sua trajetória pessoal e profissional. Moraes foi casado nove vezes, o que indica completamente o quanto ele está, verdadeiramente por inteiro, em seus versos. Seus relacionamentos podem não ter sido imortais, já que ele próprio acredita serem chama; mas, certamente, foram infinitos em sua duração – porque assim era Vinicius. O fervor e intensidade de seus sentimentos estão presentes em sua obra, e tive altos e baixos enquanto a acompanhei, indo, tão de repente, do riso ao pranto.

Se vale a pena conhecer o trabalho de Vinicius de Moraes por si só, Todo Amor faz desse contato imperdível. O trabalho gráfico realizado pela Companhia das Letras fez desse livro um dos mais bonitos da minha estante, em capa dura e com ilustrações que só fazem do conjunto ainda mais belo, sensível e poético.

Fiz a leitura de Todo Amor de uma só vez, principalmente por não ter conseguido parar de ler poesia após poesia, além dos outros gêneros textuais. Contudo, sei que esse é um daqueles livros para se recorrer inúmeras outras vezes, buscando em cada verso um novo sentido ou uma lembrança, seja daquilo já lido, seja daquilo vivido.

site: http://minhavidaliteraria.com.br/2017/09/06/resenha-todo-amor-vinicius-de-moraes/
comentários(0)comente



Portal JuLund 26/07/2017

Todo Amor, @cialetras
Sabe aquele livro que você contou os dias para chegar e finalmente ler, foi assim com esse livro maravilhoso que a Companhia das Letras lançou, quando vi que muitos exemplares foram distribuídos em algumas cidades fiquei triste por morar tão longe das capitais.
Mas poder ter o privilégio de receber esse livro como cortesia foi um presente que sempre irei agradecer, poesia para mim é um dos maiores tesouros que poderiam existir na face da Terra! Hoje falo sobre esse livro que encanta e apaixona, pois além das poesias encontramos músicas, crônicas e cartas pessoais, que nos fazem acreditar cada vez mais no Amor!
Sei que Vinicius de Moraes é considerado um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos, porém para mim ele é também o meu preferido, muitos de seus poemas estão gravados para sempre em minha memória e coração, como o Soneto de Fidelidade, pág. 29:

"Soneto de Fidelidade
Com música de Capiba

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."

site: http://portal.julund.com.br/resenhas/resenha-de-todo-amor-cialetras
comentários(0)comente



Luciano Luíz 08/07/2017

VINICIUS DE MORAES é louvado como um dos maiores (ou o maior) poetas brasileiros de todos os tempos. Sua poesia foi além dos livros e virou canção ao som de Tom Jobim e outros mais. No entanto, quando lembramos de Garota de Ipanema, é sempre o nome de Tom que vem com força, já que o mesmo imortalizou a letra com a música que se espalhou com facilidade surpreendente. Não é a toa que Garota de Ipanema é a segunda canção mais gravada (oficialmente) em todo o mundo, perdendo apenas para Yesterday dos Beatles.
Mas, Vinicius sabia melhor que ninguém escrever sobre o amor. Em sua vida pessoal passou por sete casamentos e ao que parece estes eram um tipo de incentivo para a sua escrita romântica. Não pesquisei acerca dos relacionamentos para saber se enviuvava ou simplesmente se separava... mas é algo curioso em se tratando de quem tão bem escrevia sobre o tema mais popular do planeta...
Em TODO AMOR, temos muitas poesias, algumas crônicas e até cartas íntimas. No entanto, as crônicas são ruins, chatas e sem sabor. As cartas, nada de interessante a não ser ver as suas paixões (mulheres)...
É um livro que na minha humilde e sincera opinião seria muitíssimo melhor se se tratasse apenas de poemas. Nada daquelas crônicas e cartas. Não sei se assim foi editado para deixar mais volumoso...
Bom, pra quem gosta de poemas de amor, daquele amor apaixonante, este é o livro.

L. L. Santos

site: https://www.facebook.com/lucianoluizsantostextos/
Laissa 08/03/2018minha estante
Concordo.




10 encontrados | exibindo 1 a 10