O Fundamento Último da Ciência Econômica

O Fundamento Último da Ciência Econômica Ludwig Von Mises




Resenhas - O Fundamento Último da Ciência Econômica


2 encontrados | exibindo 1 a 2


Matheus 10/09/2019

Uma cruzada contra o empirismo radical que impregna a ciência econômica desde o século passado
Não obstante os inúmeros estudos empíricos dentro da ciência econômica, os economistas continuam errando e a economia dos países sufocam em meio à ciclos de boom e crash, destruindo riquezas e estagnando o crescimento econômico de várias gerações.

Mises constrói uma verdadeira"cruzada" contra o positivismo e a sua incessante busca por fazer com que a economia, uma ciência da ação humana, trabalhe a partir do método das ciências naturais - tais como a física e a química. O autor argumenta que a Economia deve funcionar como a Matemática e a Lógica, partindo de um raciocínio dedutivo e chegando a conclusões irrefutáveis. Uma verdadeira construção de uma teoria pura, i.e., a priori.

O livro não é leitura fácil caso o leitor não esteja familiarizado com alguns conceitos epistemológicos (especialmente kanteanos) e praxeologicos - não precisando, contudo, que esse conhecimento seja profundo. Tendo noção sobre esses temas, pode prosseguir na leitura sem problema algum.

Uma recomendação de leitura para quem finalizar O Fundamento Último da Ciência Econômica, é a Ciência Econômica e o Método Austríaco, de Hans-Hermann Hoppe.
comentários(0)comente



Valério 26/12/2017

Por trás da economia
Este é o último livro escrito por Mises.
Não vi a mesma força avassaladora dos outros livros. Mas uma análise profunda de questões que ultrapassam a análise econômica padrão.
Assim, para verificar a validade dos fundamentos econômicos, e seu grau de sua subjetividade, vai à uma análise da mente humana (capítulo 1), abordando sua estrutura lógica, a base ativista do conhecimento (capítulo 2), o que nos move (capitulo 3), explorando temas como livre-arbítrio, inevitabilidade e estatística, entre outros.
Como é de se esperar, há a crítica ao ao pensamento positivista e ao materialismo, ao que credita a incompreensão do natureza científica da economia.
Não recomendado aos que engatinham em filosofia e economia. Há que já possuir alguma bagagem nessas áreas para não se ver perdido na leitura, embora seja um livro pequeno (162 páginas) e bem escrito.
comentários(0)comente



2 encontrados | exibindo 1 a 2