Herói Nas Highlands

Herói Nas Highlands Suzanne Enoch




Resenhas - Hero in The Highlands


30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Alessandra 24/04/2019

Abordagem problemática.
Gabriel Forrester não conhece outra vida a não ser a militar, sendo famoso por diversas batalhas, e, também, denominado Fera do Buçaco. Apesar de acostumado com pelejas, o maior desafio de sua vida está para acontecer quando, inesperadamente, descobre ter recebido uma herança de um tio distante, tornando-se o Duque de Lattimer.

Com o título, ele percebe-se dono de várias propriedades e fortuna, o que o leva à Escócia para descobrir os mistérios de um castelo amaldiçoado por um falecido Highlander. Lá ele se depara com Fiona, uma mulher destemida e corajosa, responsável pela administração do local e que, assim como todos, não gosta nem um pouco de ver um soldado inglês dando ordens como se fosse do seu clã.

Até aí temos o que parece ser um enredo padrão de romances de época, com o esperado casal gato e rato. Infelizmente, e para a minha decepção, o que poderia ser uma leitura leve e gostosa acabou se tornando algo bem desagradável.

Se eu fosse Fiona me sentiria desrespeitada e agredida com o comportamento de Gabriel. Não houve sutileza na aproximação dele, nem em seus modos. Embora exista sim uma atração mútua logo no começo da história, nada me levou a crer que a protagonista gostaria de ser abordada da forma rude e tosca como foi, me deixando com um pé atrás em relação ao casal. Para mim, e essa é minha visão, foi forçado demais e custei a acreditar estar lendo algo escrito por uma mulher.

Você pode até me dizer que era uma questão de "costume", de "comportamento", de coisas relacionados ao tempo em que a história é narrada, mas não consegui gostar de como tudo foi conduzido. O clima é suavizado depois por diversos acontecimentos e um mistério que gira em torno da maldição do castelo, mas para mim foi tudo uma grande enrolação, sendo a maior parte do livro voltada para o lado mais carnal, digamos assim. Quando o livro fica muito focado só nisso a história acaba perdendo o brilho para mim, sendo que esse gênero é diferente do romance erótico.

Ressalto que sou fã de romances de época, já li uma infinidade de livros similares, mas esse não conquistou meu coração e não pretendo seguir a série por enquanto.

site: https://euamolivrosnovos.blogspot.com
comentários(0)comente



Monique 02/04/2019

"Herói nas Highlands" é um romance de época escrito por Suzanne Enoch. É o primeiro livro da Série Highlands # 1 e temos a história de Gabriel Forrester e Fiona BlackStock.
Gabriel é um Major do exercito inglês. Forte e corajoso, ele passou a vida lutando em guerras, conhecido como "Fera do Bugaço", ele é uma lenda, temido em todos os exércitos. Porém sua vida muda quando ele recebe a notícia de herdou um titulo e uma fortuna de um tio falecido. Gabriel agora é um Duque e possui várias propriedades, dentre elas Lattimer, a problemática terra nas Highlands da Escócia.
Fiona é escocesa de personalidade forte, que comanda as terras de Lattimer sozinha. Ela está acostumada a não depender de ninguém e resolver as coisas por si mesma. Ao mesmo tempo que é uma mulher forte, Fiona é amável e cuida de todos como se fossem sua responsabilidade. Bonita e atraente, ela tem o carinho de toda a comunidade a sua volta e aos poucos conquista também Gabriel.

"Aquela mulher podia levar um santo a beber — e Gabriel não era nenhum santo."

Ele pretendia resolver as questões da herança e voltar para o exercito, e como Lattimer é a unica propriedade que apresenta problemas, ele resolve resolve-los pessoalmente.Chegando lá, ele encontra Fiona que quer defender seu clã, seu povo do intruso Inglês que é dono das terras que são suas por direito.
O embate é imediato desde o primeiro encontro, assim como a atração entre eles também. Eles só não contavam de se apaixonarem e lutarem juntos por uma nova guerra que começaram em lados opostos.

"Nós não vamos começar nenhuma confusão, mas vamos estar preparados para entrar nela"

Eu simplesmente amei a leitura! Eu que amo romances de época, adoro essa rivalidade entre ingleses e escoceses. O livro é rápido de ler, divertido e engraçado, dei várias risadas com ele.
O casal é maravilhoso, é nítido como eles se completam e se entendem de todas as maneiras. Você torce para eles o tempo todo e muito legal ver o amor deles crescendo aos poucos.

" - Foi com essa boca suja que você me beijou? — ela retrucou, sem conseguir se segurar.
_ Beijou”, não. Beijo. Verbo no presente. E beijarei de novo. Verbo no futuro. "

É impossível não se apaixonar por esse Major. Gabriel entrou para a lista dos crushes literários da vida!
Faviritado sim!!!!
comentários(0)comente



Bia Sousa 19/03/2019

Muito bom
Sempre vi várias pessoas que amam romances de época que se passam nas Highlands, então quando a Editora Gutenberg ofereceu esse livro aos parceiros eu não pensei duas vezes.

“Será que admitir que ele não sabia como ser um duque era algum tipo de fraqueza? Ele não pensava assim. Nada do que ele dissesse o que impediria de cumprir o seu dever.”

Em Herói nas Highlands, conheceremos Gabriel, oficial do exército inglês, famoso pelas batalhas conquistadas, tanto é que ficou conhecido como “Fera de Buçaco”. Mas nosso protagonista jamais poderia imaginar o que estava prestes a acontecer em sua vida.

Gabriel foi de Major do Exército Britânico à Duque de Lattimer, título que herdou de um tio distante. Com esse título veio uma fortuna imensurável e várias propriedades. Gabriel segue com o plano de conhecer essas propriedades e tomar posse e em seguida voltar para os campos de batalha, mas é claro, que isso é só um plano, e não significa que irá realmente acontecer.

“Estamos nas Highlands. Alguns obstáculos nunca serão superados.”

O novo Duque de Lattimer, descobre que algo de entranho esta acontecendo em uma propriedade nas Highlands escocesas, e resolve se deslocar até lá para descobrir o motivo pelo qual o administrador do castelo não lhe responde.

Chegando na propriedade nosso protagonista descobre que ele não tem um administrador, e sim uma administradora de temperamento difícil, mas que conhece tudo e a todos por ali, e que por sinal é muito querida na região, mas logo de cara ele percebe que a relação dos dois não será nada amigável.

“Amor, Gabriel descobria rapidamente, não era a emoção mais sábia. Era, contudo, a mais difícil de ignorar. E, ao que parecia, era a mais difícil de provar para uma garota teimosa das Highlands.”

A administradora é Fiona, uma mulher forte, decidida e que tem uma personalidade de dar inveja. Ela está cética e decidida a mandar o major inglês para longe o mais rápido possível, e não medirá esforços para que isso aconteça.

Todos sabem que ingleses não ficam muito tempo por ali por causa de uma maldição e uma hora ou outra Gabriel estaria longe dali, mas e enquanto ele estava em terras escocesas o medo assolava a todos, por medo de que a maldição se alastrasse.

“Se ele era a Fera do Buçaco, ela era algum tipo de anjo de língua afiada. Gabriel nunca tinha conhecido uma mulher como ela. Deixá-la m paz, a menos que ela dissesse isso claramente, estava fora de questão. E ele tinha passado mais de uma década aprendendo a avaliar as pessoas com o olhar. Fiona podia afirmar que não estava interessada nele, mas tudo nela dizia o contrário. Assim, até que ele a entendesse, até que a possuísse… ele preferia desistir de respirar do que daquela caçada.”

Gabriel teria um batalha dificílima por ali, amo mesmo tempo que precisava tomar posse de suas propriedades, ele também precisava conquistar a confiança de seus funcionários e dos moradores da região, e mais importante, conquistar o coração de uma administradora com um temperamento difícil, mas ao mesmo tempo encantadora.

O que me cativou nesse livro foi perceber que por mais que os escoceses tenham uma fama de briguentos, eles não foram, quer dizer, não a todo momento. Eles queriam proteger seus bens e os entes queridos, e tinham muito medo de perder tudo do nada. Um livro que fala sobre empatia, querer o bem estar do próximo, descobertas, entregas e muito amor.

“Toda boa vitória era acompanhada de um prêmio, e Fiona seria o dele.”

Herói Nas Highlands me encantou do começo ao fim e me fez apaixonar pelos personagens principais e até pelos secundários, outros eu odiei com todas as minhas forças. Se você está a procura de um bom romance de época que se passe nas Highlands esse é o livro certo para você, não tenho dúvidas de que irá adorar essa leitura.

Eu não vejo a hora de ler o segundo livro da série, Amor nas Highland, que por sinal será uma das minhas próximas leituras.

site: https://bercoliterario.wordpress.com/2018/10/12/resenha-heroi-nas-highlands-suzanne-enoch/
comentários(0)comente



Dani 14/01/2019

Blog Paixão em Livros
Lembro-me de ter lido um conto da Suzanne Enoch que fez parte do livro Lady Whistledown contra-ataca. Este meu primeiro contato com a escrita da autora não aconteceu como eu gostaria: acabei não curtindo muito o conto e fiquei com medo de me decepcionar quando lesse um livro inteiro escrito por ela. Felizmente, minha primeira impressão estava completamente errada. Herói nas Highlands foi uma grata surpresa. É mais um romance de época que gostei muito de ler, e Suzanne Enoch é mais uma autora que ganhou um belo espaço no meu coração e na minha estante.

Quem conhece Gabriel – ou já ouviu falar sobre ele – sabe da sua fama e o quanto ele é temido pelos seus inimigos. Ele é um ótimo oficial do exército britânico e não sonha estar em outro lugar se não no campo de batalha, lutando ao lado de seus companheiros. Esta é a vida que Gabriel escolheu e ele não está pronto para abrir mão dela. Isto é claro, se não fosse a surpresa dele descobrir ser o herdeiro do Duque de Lattimer, e dono de vastas propriedades na Escócia. Se isso não bastasse, ele ainda precisaria viajar para poder verificar como estas propriedades estavam sendo administradas. Mas cuidar da propriedade em questão trará a ele muitas dores de cabeça. O clã que vive na casa não aceitará que ela seja comandada por um inglês. Eles declararão guerra a Gabriel e não o deixará em paz. Por traz disso está Fiona, a pessoa que cuidou da casa durante anos, que a manteve em pé sem a ajuda de ninguém. Ela – assim como todos na casa – não aceitarão que um casaco vermelho chegue e comece a dar ordens. E nisso se inicia um embate entre Gabriel e Fiona. Em embate que começará com muito ódio, preconceito e raiva, mas que no meio, acabará surgindo um forte desejo entre eles.

“No campo de batalha, ele deveria ser o diabo personificado; alto, com as costas eretas, liderando à frente das tropas, abrindo um caminho sangrento para a vitória. Não, Gabriel Forrester não era um Highlander. Ele era, contudo, a definição perfeita de homem.”

Este livro me fez lembrar da série Outlander. Por conta de o cenário ser as terras escocesas, de todos os costumes e dos muitos acontecimentos históricos que são mencionados em ambos os livros. Este detalhe foi algo que gostei muito na narrativa. Outro ponto positivo aqui foram os personagens. Quando lemos um romance de época ambientado na Escócia, temos sempre personagens escoceses e tal, mas aqui, o mocinho vem de outro lugar e precisa lidar com a hostilidade desse povo – até então – desconhecido para ele. Gabriel e Fiona são encantadores. Gabriel leva consigo as marcas de lutar em uma guerra, de ver seus companheiros perderem as vidas, de precisar tomar decisões que acabaram resultando na morte de pessoas que ele conhece. Ele nunca se imaginou cuidando de uma propriedade, cuidando das pessoas que vivem nela. Ele sabe que nunca conseguiria realizar essa tarefa. Gabriel não sabe bem como se expressar, como expressa o que sente. Ele é sempre direto e tem muita dificuldade em confiar nas pessoas. Já Fiona é o tipo de mocinha que nos conquista de primeira: forte e determinada, ela mostra a Gabriel que não precisa de nenhum homem lhe dizendo o que fazer. Que ela não precisa que nenhum homem assuma as suas responsabilidades. Fiona faz tudo pelo sustento de quem trabalha cuidando da propriedade, isso sem receber a ajuda de ninguém do seu clã, especialmente os líderes. O romance é outro ponto que merece destaque. Ele é divertido (os protagonistas brigam muito) e muito sensual. Ao mesmo tempo em que eles estão discutindo, estão pensando em como seria o beijo entre eles.

“É uma atração poderosa, conseguir ver outra coisa que não a morte. Você é uma atração poderosa, Fiona. E beijos não são o bastante.”

Herói nas Highlands – como comentei – foi uma grande surpresa. Ao encerrar o livro eu estava com o coração leve por ter lido uma história encantadora e apaixonante. Você vai se divertir muito com as provocações entre Gabriel e Fiona e será fisgado pela narrativa leve e cativante.


site: https://paixaoemlivros.blogspot.com/2019/01/resenha-heroi-nas-highlands-suzanne.html
comentários(0)comente



Ally | @areaderdream 12/01/2019

Originalmente postado no blog I LOVE MY BOOKS
Heróis nas Highlands foi publicado no Brasil em 2017 pela editora Gutenberg, sendo o primeiro volume da série Highlanders. Nele iremos conhecer Major Gabriel Forrester, um soldado inglês que não consegue ver nada da sua vida que não esteja relacionado com batalhas ou com o exército. Isso não poderia ser diferente, já que o mesmo não sabe fazer outra coisa e é conhecido pelo mundo por ser destemido e invencível.

Ao receber uma carta inesperada, Gabriel descobre que seu tio-avô, até então desconhecido pelo soldado, faleceu e ele é o herdeiro mais próximo, herdando assim muitas propriedades, dinheiro e o título de Duque de Lattimer, uma responsabilidade não desejada por Gabriel.

Após saber de todas as "burocracias" que seu novo título proporciona, ele decide viajar para as Highlands, nas Escócia, onde esta localizada sua propriedade Lattimer para observar como estão as coisas por lá e definir o que fazer em seguida, sem a pretensão de ficar por muito tempo.

Seus planos de voltar para a Inglaterra dão errado quando ele conhece Fiona, a administradora de sua enorme propriedade, e sua atração carnal por ela é instantânea. Logo de primeira Gabriel percebe que será difícil conquista-lá,visto que a mesma tem a língua muito afiada, uma independência admirável e uma aversão por ingleses. Com o passar da relação, a princípio ruim, com Fiona sua vontade de levá-la para a cama aumenta e apesar de toda a relutância dela, a atração física é recíproca.

Em paralelo com as brigas com Fiona, Gabriel descobre haver uma maldição que ronda suas terras por nenhum inglês ser bem-vindo ali e por seu tio-avô ter abandonado a propriedade e sua população. Então ele se vê na necessidade de conquistar o povo das Highlands, acabar com os problemas e dívidas do local, provar que pode ser um bom Duque Lattimier e desafiar a lealdade da população ao seu clã: Maxwell.

Quero compartilhar com vocês que só tenho coisas boas a dizer sobre esse livro. Eu nunca havia lido romance de época anteriormente e minha curiosidade pelo gênero estava muito grande. Eu não pretendia começar minha aventura por esse livro, mas peguei ele por um oportunidade que surgiu e foi uma surpresa muito agradável.

No inicio da leitura notei o quanto os dois personagens principais, Gabriel e Fiona, são diferentes do que eu esperava do comportamento da época, principalmente a personagem feminina. Ao perceber que ambos gostavam de sexo sem compromisso (ou casamento) foi um grande choque para mim, considerando o que eu pensava sobre aquele tempo em questão. Ou eles não estavam nem aí para as regras da sociedade ou eu estava super enganada.

Novamente considerando os costumes e pensamentos da época, ou o que eu achava, Gabriel é um homem muito à frente de seu tempo por respeitar as mulheres e não as tratar como inferior. Se ele avançava um passo em sua relação com Fiona e a mesma dizia para ele parar ou não fazer, ele obedecia e não forçava. Mas é claro que não desistia de levá-la para cama, já que ela apresentava cada vez mais gostar de seus avanços. Sobre não se sentir superior as mulheres, consegui perceber isso quando ele não gostava e defendia ela de comentários machistas ou sobre a "má" administração dela no castelo. De primeiro momento isso não é notável, em razão dele fazer alguns comentários sobre achar que nenhuma mulher seria capaz de administrar bem alguma coisa, mas com o desenvolver do livro e da personalidade de Gabriel essa primeira impressão machista, pelo menos para mim, é deixada de lado mostrando o cavalheirismo do Soldado.

Não sou uma pessoa fã de romances Hot (pelo menos eu acho que não), e pensei que as cenas mais quentes do livro poderiam não me agradar tanto visto que desde o início eu sabia que elas aconteceriam, porém tive outra surpresa positiva. As cenas de sexo são consideravelmente curtas, sem detalhes excessivos ou aquela descrição completa de cada movimento do casal. Logo após houve romantismo, o que deu uma equilibrada, e me agradou.

Gostei muito da maneira que a autora desenvolveu o romance do casal. Logo no primeiro encontro eles tiveram uma atração física muito grande, como já comentando, e quanto mais beijos se davam e mais quentes eles ficavam o casal foi criando um afeto entre sua relação "cão e gato". Quando o contato íntimo acontece eles já estão totalmente apaixonado, e isso foi muito bem desenvolvido anteriormente, fazendo o desejo passar a sentimento de forma sutil. A única coisa que me incomodou, foi o primeiro "eu te amo" que para mim era muito cedo dado ao tempo que eles haviam se conhecido.

Até certa parte do livro eu não sabia para onde a história andaria além do casal, se haveria alguma outra trama e como ficaria a questão de Gabriel não querer permanecer nas Highlands. Do meio para o fim, aproximadamente, a questão sobre o inglês precisar conquistar a população é abordada e desenvolvida e a partir disso surge um conflito diferente que foi um grande acerto da autora, dando um extra para história.

Algo trabalhado de forma sutil, mas mesmo assim muito bem desenvolvido, foi a relação das pessoas da propriedade e da vila entre si, pertencentes ao clã Maxwell. Eles são extremamente fiéis ao seu clã e seu Lorde, e Fiona é o grande destaque já que que ela demonstra desdo o início do livro ao final sua preocupação com seu povo, apesar das dificuldades, e as vezes preconceito, que sofre.

Os capítulos tem um tamanho mediano, porém isso não me incomodou porque eles passaram de forma incrivelmente rápida e quando eu menos esperava, já havia lido vários. Não acho que seja uma narrativa simples ou super leve, mas isso não tira a fluidez do livro uma vez que nos imersamos tanto na história ao ponto de não vermos o tempo e as páginas passarem.

Suzanne Enoch abordou em seu livro um fato histórico que realmente aconteceu, a guerra de Buçaco, onde Gabriel teria lutado na mesma e sendo reconhecido por ela. Por isso, achei que o livro traz um realidade interessante e mesmo que a guerra em si não seja aprofundada (o que não vejo necessidade), isso traz uma realidade maior para a história, dando a impressão que tudo aquilo realmente existiu, principalmente o soldado inglês.

A autora também abordou a rivalidade histórica entre Escócia e Inglaterra, dando toques e detalhes para a história do livro, justificando o porquê da aversão de Fiona e seu povo por Gabriel e todos os tipos de ingleses, assim expandindo a trama.

Heróis nas Highlands foi uma história consideravelmente quente, mas muito linda que aqueceu cada pedacinho do meu coração e me deixou apaixonada pelos personagens. Depois desse primeiro livro, não vejo a hora de poder ler o segundo e rever essa casal que se tornou tão queridinho para mim. E claro, estou doida para ler outros romances de época depois de ter começado tão bem!

site: https://www.lovemybookss.com/
comentários(0)comente



Saga Literária 09/01/2019

Um belo romance de época
Gabriel Forrester tinha certeza de uma coisa em sua vida, a de que ele havia nascido para ser um militar. Não para comandar as tropas do alto de um morro, dando ordens à distância e assistindo as baixas, como mandaram que fizesse naquele fatídico dia, mas no meio da guerra, lutando, como realmente tinha feito. O que ele não esperava é que, com a morte de um parente que ele nem mesmo conhecia, se tornaria o único herdeiro. Herdara o título de duque e terras, dentre elas, uma amaldiçoada.

As terras de Lattimer eram dos escoceses, porém, a Coroa inglesa passou para a posse dos ingleses após a guerra e, então, uma maldição do antigo duque ficou para as futuras gerações: enquanto um inglês não se tornasse um highlander, nada prosperaria.

"Gabriel estava acostumado à responsabilidade e ao comando, mas possuir uma terra, ser responsável por pessoas que carregavam ancinhos e enxadas, em vez de mosquetes e rifles, era algo tão distante de sua realidade que ele não conseguia nem mesmo ver no seu futuro." p. 71

Muitos Duques ingleses vieram depois, inclusive o parente distante de Gabriel, mas nenhum deles teve interesse nas terras, a não ser para receber seus lucros, que eram mínimos. Só que com a nova posse e a negação do administrador do lugar de fornecer informações sobre as terras, o novo duque decide ele mesmo ir até o local.

É assim que ele descobre que Lattimer é um lugar praticamente falido, pois as catástrofes que ali acontecem são frequentes. A administradora, Fiona, uma mulher dura e que não aceita perder seu posto para um inglês, faz o seu melhor e ainda consegue poucos lucros do lugar... Mas cada vez menos.

"(...) em algum momento, nos últimos poucos dias, ela tinha se tornado uma sereia e ele um marinheiro, que estava no mar há muito, muito tempo e não conseguia resistir ao encantos dela mesmo sabendo que deveria." p. 121

Como um bom militar, Gabriel decide que precisa ajudar o local a se reerguer. Mas ele não nega que grande parte da sua motivação em reerguer o local é Fiona. Ele a deseja desde o primeiro momento e, com o tempo, percebe que o sentimento é recíproco, ainda que ela tente disfarçar.

Só que a maldição existe para piorar os esforços e, junto com ela, o clã de Fiona também deseja comprar Lattimer. Só que ela não tem mais certeza se isso seria o melhor para a terra e seu povo. Ela não tem certeza se Gabriel é mesmo a ruína. Da mesma forma, ele não tem certeza se poderá voltar para o combate, pois na condição de duque tudo mudaria no campo de batalha e ele tinha descoberto uma nova bem nas Highlands.

Opinião: Não é segredo pra mais ninguém que eu sou apaixonada por romances de época/históricos, não é mesmo? Quando a oportunidade de ler "Herói nas Highlands" surgiu, agarrei com unhas e dentes, porque já estava encantada e curiosa com a trama pela sinopse. O livro estava entre meus desejados. É bem verdade que eu não sou muito fã de romances que acontecem muito rápido e a atração imediata dos personagens me deixou um pouco receosa de início. Mas a atração era apenas isso mesmo, porque o romance mesmo não acontece de uma hora para a outra e isso foi algo que me encantou.

Gabriel é um homem bem "bronco", ele tem pensamentos um tanto rudes, mas, ao mesmo tempo, é uma pessoa muito honrada. Quando conhece Fiona, ela é uma mulher que luta pelo bem de seu clã aparentemente sozinha, já que os líderes dela não lhe dão nenhum crédito, ele não apenas começa a repensar sobre alguns dos seus conceitos, mas também passa a admirá-la de uma forma apaixonante.

"Ela não tinha nem mesmo percebido quão sozinha estava até ele chegar e revirar tudo. Dentre todas as coisas que ela pensou quando Gabriel a tirou daquele atoleiro, não constava que ela encontraria para ele uma colega, amante e amiga." p. 209

O problema maior na trama não é apenas um não querer ceder ao outro. O problema maior são as terras, que estão em uma longa disputa entre nações; e, claro, a maldição que parece bem real, mas que Gabriel não parece acreditar, apesar das provas.

Tudo é descrito com riqueza de detalhes, mas sem se demorar. Conseguimos caminhas em meio às terras das Highlands e ainda assim acompanhar um momento de sufoco que os seus habitantes estão passando.

É claro que teremos alguns personagens para odiar, mas teremos outros para amar e ansiar por ver em outra história, como a irmã mais nova de Gabriel, que aparece muito rapidamente, mas que chamou a atenção e eu espero que no segundo livro ela apareça.

"Amor, Gabriel descobriria rapidamente, não era a emoção mais sábia. Era, contudo, a mais difícil de ignorar. E, ao que parecia, era a mais difícil de provar para uma garota teimosa das Highlands." p. 220

"Herói nas Highlands" é um livro que mistura bem a época em que ele passa com o enredo da história, Suzanne Enoch nos transporta para a Escócia e nos faz ficar apaixonados por lá e por seu inglês "invasor".

site: https://www.sagaliteraria.com.br/2018/12/resenha-590-heroi-nas-highlands-suzanne.html
comentários(0)comente



RUDY 30/12/2018

ANÁLISE CRÍTICA E DA AUTORA
O que mais gosto nos romances históricos, além do romance, é claro, é poder conhecer um pouco mais da história dos lugares onde o enredo é ambientado. Aqui não foi diferente. Poder saber um pouco mais sobre os escoceses, suas crenças, como a sociedade vivia naquela época e como as famílias eram dividas por clãs, foi algo fascinante.
O romance é bem construído, embora possamos imaginar que um soldado inglês e uma escocesa, naquela época, jamais pudessem se envolver romanticamente, mas a protagonista, não é uma protagonista qualquer, é cheia de opiniões e procura cuidar da sua gente, o que a torna uma verdadeira heroína.
Além de todas as personagens serem bem construídas, inclusiva as secundárias que tem papel fundamental em todo o drama, a ambientação é detalhada, porém não de forma excessiva, apenas para que o leitor tenha uma ideia de como tudo era. Muito bem escrito e ainda tem um toque hilário, muitas risadas serão dadas para quem tiver oportunidade de ler.
A leitura é tão envolvente que o leitor fica curioso para saber como tudo vai se desenrolar, bem como para descobrir, junto com os protagonistas, os mistérios que envolvem a tal maldição e quem realmente coloca a cabo, as ‘desgraças’ que acontecem nas terras Lattimer. Como podem ver, tem um certo mistério que ronda todo o romance.
Fato é que é um livro muito bom. Não favoritei apenas porque, o sumiço do irmão de Fiona não ficou tão bem esclarecido para mim e achei que o final ficou um tanto corrido, entretanto, nada que afetasse o entendimento ou a compreensão de todo sentido da história.
Recomendo para quem gosta de romances hisatóricos.

site: http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/2018/12/resenha-76-heroi-nas-highlands-suzanne.html
comentários(0)comente



Elaine Lima | @jornalizando 04/12/2018

Esperava um pouco mais...
Após ganhar uma herança, o soldado Gabriel Forrester ganha o título de Duqe e se vê obrigado a administrar a propriedade do tio avô na Escócia, abandonando assim seu cargo como Major. Ao chegar no país, ele conhece Fiona a responsável pelo local e que quer fazer de tudo para expulsá-lo do castelo.

Esse livro traz personagens que começam trocando farpas, mas ao longo dos capítulos vão percebendo as qualidades que ambos possuem. Temos um casal que tenta disfarçar seus sentimentos, porém possuem uma atração muito grande capaz de conquistar nós leitores facilmente.

Suzanne Enoch, foi uma grata surpresa gostei da maneira como ela escreve, focando bastante na ambientação, na qual consegui vislumbrar um pouco da propriedade que se passa a história. Um ponto negativo da história para mim foi a rapidez como tudo aconteceu nas últimas 100 páginas, resultando em algumas pontas soltas ao final da história.

Gabriel e Fiona, nos conquistam pela maneira como aceitam o amor e lutam pelo sentimento. Herói nas Highlanders tem tudo de melhor que um romance histórico pode trazer, mas em determinadas cenas se tornou vago, tornando o livro algo para se distrair e não algo marcante.
comentários(0)comente



Carol Santos 03/11/2018

Resenha | Herói nas Highlands
Se com Como Se Vingar de um Cretino, Suzanne Enoch tinha me conquistado, com Herói nas Highlandes ela coloca mais um pé na entrada do hall das minhas autoras favoritas.

Major Gabriel Forreste, mais conhecido como Fera de Buçaco viveu para ser um soldado guerreador, mas verá sua vida virar do avesso quando recebe a notícia que agora possui terras, e tornou-se o Duque de Lattimer. Quando um dos administradores de suas propriedades manda uma resposta mal educada aos seus advogados sem relatar como está o andamento do lugar, ele decidi visitar o local, uma propriedade nas Highlands.

Lá ele conhecerá Fiona Blackstock. Fiona administra o castelo mas de forma oculta, afinal quem devia estar no seu lugar é seu irmão, Kieran. A chegada do inglês é vista com maus olhos, pois além da terra ter sido amaldiçoada por um — que faz várias situações ruins acontecerem constantemente — ele poderá destituí-la do cargo. O que eles não esperavam é uma atração forte nascer, colocando tudo que planejaramm em risco. Será capaz de Fiona gostar de um inglês? Será capaz de Gabriel amar? E seus objetivos?

Gostar de romances de época que falam sobre o subtema Highlands para mim, é praxe. Realmente sou fascinada pelo universo da Escócia e o período medieval, por isso comecei com expectativas altas que maravilhosamente foram atendidas. Com pitadas de mistérios, comédia e drama, Herói nas Highlands é um livro que agrada pela sua escrita de fácil entendimento e que na mistura dos elementos citados, deu certo. Senti um tom de erótico mais forte do que em outras obras, principalmente por termos uma tensão sexual quase que instantânea, mas que pessoalmente consegui passar por cima.

"Fiona Blackstock era franca, prática e muito disposta a ajudar a consertar cercas, espalhar esterco e o que quer que Lattimer — ou MacKittrick — precisasse. Por fora ela parecia não temer nada. Ao mesmo tempo, contudo, o toque mais leve dele a fazia estremecer. Ela era suave, delicada e sensível — e se entregava de verdade." pág. 169

A temática inversa do que geralmente encontramos no mercado literário me agradou. Aqui temos uma mocinha escocesa, que de cara nos mostra seu temperamento forte, e um inglês que também não fica para trás em questão de personalidade. Embates, indiretas e ironia fazem parte do diálogo dos dois constantemente, o que adorei. Como foi acompanhado de cenas divertidas e/ou ou românticas, você torcia para que houvesse mais situações assim. Mesmo que isso talvez tenha feito o lado sensual se sobressair, para mim foi um grande ponto positivo.

Ambos os personagens, Fiona e Gabriel, foram muito bem construídos mostrando o passado de ambos, como é seu convívio familiar e o que ocasionou serem quem são. Como é romance, o enfoque naturalmente seria deles, porém vi também um trabalho com o plano de fundo. Então ao mesmo tempo que acompanhamos o desenvolvimento de um casal, temos a construção de eventos paralelos.

O que tinha me incomodado inicialmente — a paixão quase instantânea — se mostrou mais fundamentada e elaborada no decorrer das páginas, por isso não esperem grandes cenas de sexo. Terá sim seus momentos oportunos de aparecimento, porém nada exagerado. O que realmente impacta é a carga de erotismo anteriormente aos atos. Aos que se incomodam, não é nada que afeta a leitura como um todo, contudo gosto de falar para deixá-los cientes.

Se temos um romance se desenvolvendo, é meio óbvio o que podemos esperar do final. Dou relevância quando os autores conseguem dentro do contexto inovar neste quesito, e aqui isso ocorre. A forma como a Suzanne trabalhou para que ambos pudessem ficam juntos, e resolver todos os problemas expostos foi sensacional. Eu mesma não esperava explicações no nível que ela deu, por isso me surpreendi. Neste meio teremos algumas reflexões bem legais sobre o que é ser Duque e o que é ser útil.

"Finalmente lhe ocorreu que ele não era mais o Major Gabriel Forrester. Ele nunca mais seria, não poderia ser aquele homem outra vez. Nada, nem uma maldita coisa em toda sua vida, seria a mesma. E lá estava Dunncraigh observando-o com calma à espera de uma resposta." pág. 182

De uma forma geral, saio encantada e recomendando muito a leitura! Além da inversão de papéis que sai da mesmice, temos química entre protagonistas, passagens divertidas, cheio de tramas, suspense e muito mais. É um volume completo que agradará os fãs do gênero e a aqueles que querem se aventurar na sub-temática. Recomendadíssimo!

Na parte física, tenho minhas críticas a escolha do vestido da modelo, ao fato dela estar maquiada, e que foge do contexto Highlander do conteúdo. É bonita?! Sim, entretanto não retrata e nem remete o que tem na parte interna. E falando especificamente dela, Gutenberg sempre arrasa na diagramação, em trazer detalhes que combinam com o enredo, o que aqui também se faz presente. Não encontrei nenhum erro de revisão aparente ou ortográfico. A narrativa é feita em terceira pessoa por ambos pontos de vistas.

Já estou doida pela continuação que promete também trazer altas emoções — será com a irmã de Gabriel, Marjorie, com um líder de clã escocês. Espero que tenham gostado!

site: https://diariasleituras.blogspot.com/2018/10/resenha-heroi-nas-highlands-suzanne-enoch-serie-highlands-editora-gutenberg.html
comentários(0)comente



Silvana - Blog Prefácio 13/10/2018

Gabriel Forrester é um Major do exército britânico e serve sob o comando do Conde Wellington. Mas apesar de estar em uma posição mais alta em relação aos outros soldados, o que ele gosta mesmo é de estar no meio da batalha, por isso ele ignora as ordens do Tenente-General e vai para o lugar onde ele se sente melhor. Quando Gabriel está lutando, parece ter a força e a inteligência de mil homens. Tanto que a batalha em Lisboa, lhe rendeu o titulo de "Fera de Buçaco". Logo após a fuga dos franceses, ele é chamado para se reportar a Wellington, e tem certeza de que vai sofrer uma punição por sua desobediência. Mas para sua surpresa ele não está sendo chamado para ser repreendido, a conversa entre eles é sobre algo que Gabriel nunca achou ser possível: com a morte de um tio-avô que ele nem sabia que existia, Gabriel é agora o novo Duque de Lattimer.

Junto com o título, Gabriel herda algumas propriedades e com exceção da maior delas que fica nas Highlands, todas vem sendo bem administradas. Quando Gabriel pergunta aos advogados o que está acontecendo na Escócia, eles dizem que não sabem porque o atual administrador, Kieran Blackstock, não responde as cartas enviadas, somente uma foi respondida e de forma bem grosseira, e eles não vão até lá por conta de uma maldição que dizem ter sido lançada pelo antigo dono do local a mais de 100 anos. Como não acredita em maldições e quer se livrar o mais rápido possível de suas obrigações com essa herança que ela não queria, mas que aceitou por causa de sua irmã, e voltar para seu pelotão, Gabriel decide partir imediatamente para a Escócia e ver o que de fato está acontecendo no local.

Assim que chega às Highlands, Gabriel se depara com uma situação inusitada: uma mulher e uma vaca estão atoladas em um brejo e quando Gabriel tenta ajudar ouve os palavrões mais baixos que ele conhece saindo da boca da mulher. E a atração entre eles é imediata. E para sua surpresa ela é Fiona Blackstock, a irmã do administrador da sua propriedade que vem cuidando de tudo desde que o irmão desapareceu. Fiona faz parte do Clã Maxwell, os antigos donos das terras antes dos ingleses invadirem tudo. E ela acredita que as terras são deles por direito. Por isso Fiona odeia os ingleses com rodas as suas forças, ainda mais os soldados, que são os piores. Agora Gabriel vai ter uma guerra para vencer, mas essa é diferente de todas em que ele lutou. Em vez de matar inimigos, ele vai ter que ganhar a confiança deles. Principalmente de Fiona que mexe com ele como nenhuma mulher mexeu até então.

"No campo de batalha, ele devia ser o diabo personificado, alto, com as costas eretas, liderando à frente das tropas, abrindo um caminho sangrento para a vitoria.. Não, Gabriel Forrester não era um highlander. Ele era, contudo, a definição perfeita de homem. E Fiona não tinha ideia de quanto tempo seria capaz de resistir a ele, ou mesmo se queria resistir."

Esse é o segundo livro que leio da Suzanne. Eu tinha amado a escrita dela em Como Se Vingar de Um Cretino, por isso minhas expectativas estavam bem altas. E acabei gostando bastante da história, principalmente por se passar nas Highlands, que tem todo um mistério e um charme especial. Mas teve dois pontos da escrita da autora que me encantou no primeiro livro, primeiro o humor presente em toda a história e segundo os personagens, todos, desde protagonistas, até vilões e personagens secundários foram muito bem construídos e eram cativantes a sua maneira. O que infelizmente não aconteceu nesse livro. Os dois protagonistas me enervaram em grande parte da história, principalmente a Fiona.

Eu sei que na época em que se passa a história, que a autora não diz, mas que presumo seja por volta de 1810 por ter sido após a Batalha do Buçaco, existia uma grande rivalidade entre os ingleses e escoceses, mas o ódio que Fiona demonstra por Gabriel é sem tamanho e chega a ser irritante as coisas que ela faz e diz só por ele ser um soldado inglês. No começo, quando eles se conhecem até seria tolerável, mas depois, quando tudo o que ele faz é tentar ajudar o povo e demonstrar que não é como ela pensa, Fiona deveria mudar seu modo de agir, mas não, ela continua teimosa como uma mula empacada, desrespeitando Gabriel a todo momento. Até porque, apesar dos motivos que ela pensava ter, ele era seu patrão e ao menos respeito ela lhe devia.

E eu até teria ficado com pena dele, o que aconteceu algumas vezes, mas até descobrir o motivo dele estar aguentando tanto desrespeito e malcriação da parte dela. Era simplesmente porque ele queria levar Fiona para cama. Infelizmente esse casal me deu nervoso grande parte da história. Mas tenho que reconhecer que depois da metade do livro mais ou menos as coisas mudam. Só que por isso não dei nota máxima ao livro. Agora a favor deles tenho muitas coisas. Primeiro que é o primeiro livro que leio que a garota diz "Não" e o cara para na hora. A se todos os homens entendessem isso, que não é não. E também apesar de ser mal educada, Fiona é a garota que não precisa de um homem para ser salva, e ela demonstra isso várias vezes durante a história.

E apesar dos pesares, é bonito ver como todo o ódio e implicância vai se transformando em amor aos poucos. E terminei o livro gostando bastante deles. Quem gosta desse jogo de gato e rato entre os protagonistas com certeza vai amar. E uma coisa que me chamou a atenção na história e preciso falar é que em uma das cenas de sexo, porque sim tem cenas eróticas no livro, raras, mas tem, Gabriel pega um preservativo feito de bexiga de cabra, o que achei bem interessante porque eu nunca tinha ouvido falar sobre isso antes. Quanto a edição, eu amei essa capa nesse tom verde e por dentro está tão lindo quanto por fora. Agora vou já emendar a leitura do segundo que vai contar a história da irmã do Gabriel que só apareceu de relance nesse livro, mas que já chamou minha atenção.


site: https://blogprefacio.blogspot.com/2018/10/resenha-heroi-nas-highlands-suzanne.html
comentários(0)comente



Cami @leiturizar 20/09/2018

Lindo!
Toda a vida do Major Gabriel Forrester se resumiu a guerras e batalhas contra inimigos em territórios hostis, mas ele não esperava que ao final de uma batalha bem sucedida, receberia uma carta dizendo que agora é um duque.

Muito contrariado com essa nova perspectiva de vida, ele e seu sargento mais confiável, Kelgrove, vão para as Terras Altas da Escócia saber porque essa é a única propriedade que não lhe dá lucros e é aí que o inesperado acontece, pois o castelo é governado por uma mulher de língua afiada e ele percebe que a sua nova luta será conquistar a confiança de seus arrendatários nem um pouco amistosos e como se isso não fosse o bastante ainda tem que lidar com uma série de acontecimentos estranhos na propriedade que muitos dizem ser a maldição do antigo lorde.

Ah como eu amo a Escócia! Amo ainda mais histórias ambientadas nas Highlands e essa não poderia ser diferente.

A autora retrata muito bem a falta de confiança e o nojo que os escoceses tem dos ingleses após a batalha de Culloden e Gabriel acaba se tornando indesejável só por ser inglês.

Há conflitos por todos os lados e o major que pensou que teria uma vida entediante não poderia estar mais longe da verdade após conhecer suas terras.

O mais legal é que os escoceses são pessoas muito supersticiosas e a autora relatou muito bem essa questão da maldição da propriedade, bem como a falta de cooperação dos highlanders com Gabriel.

A única coisa que deixou um pouco a desejar para mim foi a questão dos capítulos muito grandes e em alguns momentos a leitura ficava mais descritiva, tornando os diálogos escassos e trazendo lentidão para o desenvolvimento da história mas nem isso foi capaz de me fazer desistir desse livro lindo.

Em Herói nas Highlands, Suzanne aborda temas como a lealdade a família, o bem estar do próximo e a necessidade de fazer as coisas certas, além do romance tradicional. Tudo isso mesclado com uma boa dose do mistério de acontecimentos escusos e se realmente tem haver ou não com a maldição. Uma leitura emocionante para aquecer nossos corações.

site: https://www.instagram.com/leiturizar/
comentários(0)comente



GETTUB 17/09/2018

http://gettub.com.br/2018/09/17/heroi-nas-highlands/
O herói do título do livro é o Major Gabriel Forrester, um inglês que recebe a notícia de que um tio distante faleceu e deixou-lhe, como herança, o título de Duque de Lattimer e uma imensa propriedade em terras escocesas. Gabriel não tem qualquer vontade de tomar posse, mas as propriedades estão dando prejuízo, ele tenta entrar em contato com o administrador do local, mas sem sucesso. Então, sua única opção é ir pessoalmente. Ao chegar no local, conhece Fiona Blackstock, a nova administradora do castelo, uma mulher de temperamento difícil, que fará de tudo para tornar a vida do Major um inferno. Essa é a premissa básica do livro HERÓI NAS HIGHLANDS.


Tem algumas coisas que gostei muito na história, e outras nem tanto. Gabriel está bem construído, principalmente seus traumas de guerra, sua insegurança quanto a como seria recebido na Escócia, um país cujo povo não gostava dos britânicos (vocês se lembram do filme CORAÇÃO VALENTE, com o Mel Gibson?), e, principalmente, como conseguiria criar uma relação pacífica com Fiona, a administradora de seus bens e a representante do povo da vila onde fica o castelo. Foi fácil, para mim, gostar dele.

A autora construiu Fiona como uma mulher linda, de corpo exuberante, que conquista qualquer homem. Claro que Gabriel fica caidinho por ela. Só que Fiona é muito atrevida, é muito rebelde, ela faz de tudo para contrariar Gabriel, e isso não seria ruim, mas acaba sendo, porque ela faz muitas coisas sem necessidade. Eu consegui compreender que o povo da vila, e Fiona, possuíam muitos motivos para não gostarem dos ingleses, e nem de Gabriel, mas, mesmo assim, em algumas partes, pareceu um pouco forçado, apenas para criar atrito, para contraria Gabriel de graça. Mesmo assim, isso não atrapalhou minha leitura. Eu gostei de como eles aos poucos foram se entendendo e fiquei convencida pelo romance deles.

Outra coisa que achei legal, é a história da maldição e a lenda urbana sobre o Castelo Lattimer, de que coisas ruins irão acontecer se o dono for um inglês. A situação de Gabriel já é ruim por ele ser de onde é, e chega a ser cômico como o povo o culpa por qualquer coisa que acontece de errado na vila, devido à tal maldição. E, claro, Fiona não ajuda muito nessa parte.

Apesar de não ter gostado muito de como Fiona é teimosa, preciso dizer que gostei pela força feminina que ela representa, e de ser ela a heroína da história no final. Não gosto de romances onde o homem precisa salvar a mocinha. Fiona não precisa disso, e fica claro na história. É muito importante, mesmo naquela época, reforçar essa mensagem.

HERÓI NAS HIGHLANDS é aquele romance de época gostoso de ler, com um personagem heroico que é ofuscado por uma personagem atrevida (um pouco demais, talvez), mas que representa bem a mulher independente. Amei o romance dos dois, a maldição do castelo, as situações que os dois precisaram resolver, as brigas deles sem motivo, enfim, uma leitura agradável e divertida. Recomendo!

site: http://gettub.com.br/2018/09/17/heroi-nas-highlands/
comentários(0)comente



Rita.Flôres 27/07/2018

Quem não gosta de um Highlander?
Sinopse:

“Será que um soldado inglês é capaz de conquistar o coração da Escócia? Canhões, tiros, cavalarias, armas. O Major Gabriel Forrester adora um combate e não foi à toa que recebeu o título de “Fera de Buçaco” depois de ganhar uma batalha em Portugal. Sem saber se estará vivo no dia seguinte, nunca se importou com nada além de proteger seus aliados e a si mesmo.... Até que a notícia inesperada de se tornar o Duque de Lattimer e dono de uma imensa propriedade nas Highlands escocesas muda tudo o que ele achava já estar traçado para seu futuro. Em sua nova posição, a luta de Gabriel será conquistar a confiança de uma vila de escoceses nem um pouco amistosos, que não estão nada satisfeitos com o fato de ter como duque um antigo soldado inglês. Como se não bastasse, as terras ainda são administradas por uma mulher de língua afiada e corpo perfeito, que parece ser tanto sua salvação quanto sua ruína – e ele está disposto a descobrir em qual das duas categorias ela se encaixa. Com a ameaça de uma maldição nas terras em que nenhum inglês é bem-vindo, o novo duque encontra mais obstáculos do que imaginava. De todas as guerras que já lutou, essa aparenta ser a mais difícil. Afinal, é fácil eliminar inimigos; mas o que fazer quando o objetivo é fazer deles seus aliados?”
Herói nas Highlands, um livro de época muito interessante, é o primeiro volume da Série Highlands, de Suzanne Enoch, lançado pela editora Gutenberg.
A história começa quando o Major Gabriel Forrester, um soldado inglês destemido, depois de um ousado ataque ousado em que enfrentava franceses, recebe a notícia que herdara propriedades e o título de um tio distante e agora seria o novo Duque de Lattimer. Ele descobre que de todas as suas herdades uma delas que ficava nas Highlands era a mais problemática, pois não conseguia informações sobre os rendimentos da mesma. Então, Gabriel resolve ir até a Escócia e ver por si mesmo o Castelo Lattimer, sendo informado que havia uma maldição a respeito dele e do título.
Gabriel e o sargento Adam Kelgrove, seu ajudante, vão então até o local. Logo de cara, Gabriel encontra uma linda mulher presa com uma vaca em um atoleiro e corre para ajudá-la. Trata-se de Fiona Blackstock, que se tornara administradora do Castelo de Lattimer quando seu irmão Kieran sumira ou fugira. Ele a ajuda sem saber na verdade quem ela é.
Fiona é voluntariosa e bela e não gosta dos ingleses, assim como a maioria dos Highlanders que ali estão e depois de indicar a direção errada para Gabriel, ela ainda tenta amedrontá-lo para que ele desista das terras.
O que ela não espera é a forte atração que começa a existir entre eles. O magnetismo, a paixão são quase incontroláveis.
Em meio a muita resistência e brigas, eles começam aos poucos a descobrir que pode haver um acerto entre eles.
Ao mesmo tempo, ao se analisar melhor os livros contábeis, uma série de roubos é descoberta. E tudo é como um barril de pólvora prestes a explodir entre clãs, uma das partes que mais me interessou.
O livro é fácil de ler, mas houve horas em que eu gostaria muito de lê-lo no idioma original, pois me senti meio em dúvida quanto aos termos e parágrafos. Não sei se houve algum problema com a tradução ou revisão, mas realmente tive algumas dúvidas que não cabem ser mencionadas aqui.
Gostei muito porque me levou a pesquisar mais sobre as guerras e “picuinhas” existentes entre ingleses e escoceses(conflitos esses que podem ser vistos em livros como os da série Outlander, de Diana Gabadon, por exemplo). Gosto de livros de época que citam fatos históricos relevantes. Também achei bem legal o fato do cavalo de Gabriel se chamar Reino Unido (mas será que é isso mesmo em inglês? Creio que sim).
É um bom livro, que prende, mas não é excepcional. Gostaria de ler os outros da série porque me divertiu, foi uma leitura serena e “descansou” minha mente.
As cenas “quentes” entre Gabriel e Fiona são perfeitamente “aceitáveis” para aqueles que não curtem ler “hot” (Eu não tenho nada contra, leio mesmo!) e, na verdade, me fizeram sonhar um pouco.
Eu indico, com certeza!

site: https://paragostardeler1.blogspot.com/2017/12/quem-nao-gosta-de-um-highlander.html
comentários(0)comente



La Oliphant 30/05/2018

Suzanne Enoch não é um nome exatamente novo no mundo dos romances literários. Quem acompanhou os últimos lançamentos da Arqueiro sabe que Enoch é uma das favoritas de Julia Quinn, estando presente em seus livros de contos da Lady Whistledown, mas foi a Gutenberg quem trouxe a autora para o Brasil com a sua série Highlands, que causou bastante inquietação entre as leitoras de romances de época quando chegou as livrarias. Sendo bem honesta, eu adoro um enredo que se passa na Escócia e por isso a minha vontade de ler Herói Nas Highlands, mas a escrita de Suzanne Enoch foi um desafio e o enredo acabou não entregando tudo o que eu estava esperando do livro.

O romance de Enoch aposta naquele clássico conflito entre Escócia e Inglaterra e assim somos apresentados aos nossos personagens principais. Fiona e Gabriel tem personalidades completamente diferentes, mas, ao mesmo tempo, se encaixam perfeitamente um no outro. Com todos os conflitos que existe entre eles, não é muito difícil que o leitor compre a paixão arrebatadora que Suzanne Enoch tenta colocar no seu enredo, mas o desenvolvimento do enredo tornou isso quase impossível para mim – e olha que eu me esforcei bastante.

“-Enquanto espumava pela boca, fosse de loucura ou fúria, Malcolm MacKitrick declarou que, em mãos inglesas, a terra ficaria arruinada; que qualquer um que se aliasse ao usurpador inglês pereceria e que a linhagem Lattimer não continuaria.”

A escrita de Enoch é pesada e bastante lenta. A autora foca muito nos detalhes do livro, deixando pouco espaço para que seus personagens se apresentem por si só e a história realmente caminhe para algum lugar. Eu tinha a sensação de que Herói Nas Highlands não iria chegar em lugar algum, mesmo tendo a certeza de que eu estava avançando nos capítulos. Honestamente? De todos os romances de época que eu já li até hoje, o de Suzanne Enoch foi o mais cansativo e também o mais confuso de ler.

resenha-heroi-highlands-suzanne-enoch

Fiona é uma personagem que me deu nos nervos desde sua primeira cena. Eu não sei porque algumas autoras veem a independência feminina com algo “insuportável”. As personagens que não querem ter um relacionamento são sempre cheias de teimosia e não sabem ouvir. Grande parte delas também tem atitudes impulsivas e falam coisas que realmente não tem a menor necessidade de serem ditas. Fiona é exatamente assim e, talvez por isso, eu não tenha gostado tanto dela.

Gabriel, por outro lado, é aquele tipo de herói que você não consegue amar e nem odiar. Para uma pessoa que conseguiu se tornar Major, ele não tem muitas habilidades para tomar as rédeas da situação. Eu tenho certeza que se ele já chegasse no castelo mostrando que tinha a intenção de resolver os problemas, Fiona não teria andado para cima e para baixo fazendo ele de idiota capítulo atrás de capítulo – outro ponto do livro que eu também achei bem chato, afinal, ele (Gabriel) estava ali para ajudar e pelo menos merecia o benefício da dúvida.

“No campo de batalha, ele deveria ser o diabo personificado; alto, com as costas eretas, liderando à frente das tropas, abrindo um caminho sangrento para a vitória. Não, Gabriel Forrester não era um Highlander. Ele era, contudo, a definição perfeita de homem.”

Uma das coisas que eu mais gosto quando o herói do livro é um ex-soldado de guerra, é ver como as batalhas afetaram a personalidade dele e a forma como ele se relaciona com as pessoas no seu circulo social. Infelizmente em Herói Nas Highlands, Enoch estava muito ocupada tentando desenvolver os conflitos entre o casal principal e se esqueceu de aprofundar seus personagens de forma individual, o que me deixou bastante decepcionada.

resenha-heroi-highlands-suzanne-enoch

Meu problema todo com Herói Nas Highlands foi a escrita de Enoch, por isso, quando o romance finalmente começa a acontecer e os personagens começam a se entregar ao sentimento, aquilo tudo não me convenceu. A forma como eles se apaixonam é interessante e acho que eles levam aquela frase de Gabito “Quem explode de raiva também explode de amor” em um outro nível, mas na conta final… eu simplesmente não consegui me convencer de que o relacionamento deles era legítimo. Era como se Suzanne Enoch quisesse enfiar o casal goela abaixo de quem estava lendo.

Os diálogos também não ajudaram muito a me fazer querer continuar a série Highlands. Eu achei tudo muito superficial e as cenas não aconteciam de forma que empurrasse os personagens para uma “evolução” dentro do enredo. E, eu sei, os próximos livros podem ser muito melhores do que este primeiro, mas eu li os contos de Enoch nos livros da Julia Quinn e, sinceramente? Ela tem uma escrita muito específica, não acho que seja qualquer leitor que vai se encantar pelos enredos dela.

“É uma atração poderosa, conseguir ver outra coisa que não a morte. Você é uma atração poderosa, Fiona. E beijos não são o bastante.”

Infelizmente eu não acho que Suzanne Enoch tenha sido a autora para mim. Lendo outras resenhas do livro, vi que a relação com esse enredo é de amor e ódio, ou seja, você pode ter a sorte de ler e gostar muito da história, como você pode acabar frustrado que nem eu. É um risco temos que correr, não é mesmo? Se você já leu Herói Nas Highlands, não deixa de contar aqui nos comentários o que você achou dessa leitura, tá?

site: https://www.laoliphant.com.br/resenhas/resenha-heroi-highlands-suzanne-enoch
Gabi 27/09/2018minha estante
Desisti de comprar lendo sua resenha....Você leu outros com essa temática da Escócia pra me indicar?Já li todos da Maya Banks kk Ia ler esse porque amo essa temática




Leilane 28/05/2018

Suzanne Enoch nos conquista com seu livro de estreia na editora Gutenberg
O Major Gabriel Forrester – o mais temido e assertivo do exército britânico – é surpreendido com a notícia de que agora é o Duque de Lattimer após o falecimento de um tio que não conhecia e que não tinha herdeiros, portanto, ele é o próximo na linha de sucessão ao título. Gabriel foi feito para batalhas e sempre viveu com o próprio soldo, de modo que resiste em aceitar a realidade. E uma parte dessa realidade exige sua atenção: o administrador de uma de suas propriedades nas highlands recusa-se a cooperar com os advogados. Por tanto, com uma missão em mãos, Gabriel vai até a Escócia e descobre vários problemas: escoceses que não gostam de ser comandados por um duque inglês, roubos e desastres inexplicados, uma maldição que é a “culpada” por todos os infortúnios daquelas terras e uma mulher de língua afiada, linda e fascinante que está determinada em fazer com que ele suma dali e não volte nunca mais.

“Herói nas Highlands” é o livro de estreia de Suzanne Enoch na editora Gutenberg e o primeiro da série “Highlands”. Eu já conhecia o trabalhado da autora por meio de um conto do livro “Lady Whistledown Contra-Ataca” do qual tinha gostado bastante e estava bem ansiosa para ler este livro que só reconfirmou mais uma autora para guardar com carinho na prateleira de favoritos.

Normalmente, livros de romance highland contam a história de um casal escocês ou de um escocês que se apaixona por uma inglesa, de modo que este livro é inusitado por ser um inglês a ter de conquistar não apenas uma escocesa, mas todo um clã escocês. E convenhamos, um soldado inglês de casaca vermelha como um líder de um clã escocês parece inimaginável, mas a Suzanne conseguiu construir um história divertida e envolvente, por isso tenho certeza que vocês também vão se apaixonar por Gabriel, Fiona e este clã tão único criado pela autora.

site: http://lerimaginar.com.br/2018/01/semanahighlander-3-heroi-nas-highlands-suzanne-enoch/
comentários(0)comente



30 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2