PRIMEIRA PÁGINA

PRIMEIRA PÁGINA JM Costa




Resenhas - PRIMEIRA PÁGINA


7 encontrados | exibindo 1 a 7


Literatura Policial 10/08/2017

Fôlego e personalidade
Primeira página é um romance policial urbano onde não há um mistério a ser desvendado; o crime é cometido a céu aberto. A narrativa se concentra no que essa agressão desencadeia: uma frenética sucessão de acontecimentos que mantêm o leitor num constante estado de expectativa.

O livro tem fôlego e personalidade, se destacando na produção brasileira atual de romances policiais e mostrando que o gênero dialoga com os problemas sociais contemporâneos.

site: https://literaturapolicial.com/2017/08/10/primeira-pagina-conflito-na-baiana-jm-costa/
JM Costa 13/08/2017minha estante
Feliz por ter meu livro resenhado em um dos mais respeitados fóruns de literatura policial do Brasil!
Um abraço pra toda equipe!.




Capitu Já Leu 23/07/2017

UAU! QUE LIVRÃO GOSTOSO DO CARAMBA!!
Ok, calma, Clara, vamos por partes.

Sabe aquela falácia que autor nacional não sabe fazer livro policial, suspense, blá, blá, blá? Esqueça. JM Costa tá aí para provar que isso é mentira mentirosa!

Recebi esse livro em parceria um dia desses e comecei a ler no mesmo dia. No dia seguinte, já tinha acabado! Devorei, li com os olhos injetados, querendo saber o final, torcendo pela protagonista, querendo justiça e tudo o mais. Não é o máximo quando um livro te deixa doidão assim??
Primeiro, preciso comentar que o book trailer desse livro é sensacional. As duas atrizes são incríveis, e eu quase me peguei pensando se o caso da garotinha não era real, gravado de algum programa tipo Datena ou esses assim, que se você torcer, pinga sangue no chão.

Em segundo, que thriller urbano gostoso! É um dos livros mais empolgantes que já li!! Clara é uma personagem deliciosa, que mescla perfeitamente a inocência de uma profissional novata com uma astúcia intrínseca que todo mundo já viu em alguém. Se você nunca viu alguém que tenha essa astúcia, talvez você seja a pessoa esperta na sua roda de amigos (que moral, hein?).

As atitudes da repórter volta e meia me deixaram tensa. Tipo “Clarinha, socorro, não faz isso, xará, não vai encontrar esse traficantezão poderoso, espera. Não fala grosso assim com o policial corrupto, calma, mana, aqui é o Rio de Janeiro.”. Mas isso tudo não foi por eu ser covardona, mas sim porque a escrita do autor JM Costa é muito real. Eu consegui escutar as vozes, os sotaques, as entonações de cada um dos personagens, como se eles estivessem do meu lado, brigando, discutindo, e eu fosse uma espectadora tensa, que não sabia bem o que fazer.

Uma coisa que eu achei sensacional na história foi que não houve demonização de ninguém. Não há postura tipo “bandido bom é bandido morto”, nem o oposto extremo, “policial carioca é tudo corrupto”. Não, nada disso, os criminosos são culpados por terem feito besteira, não por serem do morro, do asfalto, da delegacia, etc. A culpa não tem cor, farda ou hierarquia. Ela pertence a quem a merece, a quem comete os crimes, seja o traficante ou o comandante. E isso é muito positivo, ainda mais em épocas onde os extremos vivem entrando em guerra.

O clímax da história é perfeito. Eu, que costumo dormir muito cedo (dez da noite, já estou zarolhando de sono), fiquei acordada naquele dia até altas horas, pedindo a tudo quanto é santo literário para proteger a Clara e seus colegas de profissão no confronto final. Quase pude escutar as balas zunindo nos meus ouvidos.

Primeira Página é um suspense no ponto, de leitura fluida e rápida, que não decepcionou em nenhum momento. A edição é linda, bem profissional e com tudo certinho. Recomendo e MUITO a leitura da obra de JM Costa, que, segundo o próprio autor, começou a carreira literária aos 44 anos (!).

Que bom. Valeu a pena esperar esses anos todos.

site: http://www.capitujaleu.com/2017/05/PrimeiraPagina.html
JM Costa 13/08/2017minha estante
Uau! Que resenha gostosa de ler :)
Um grande abraço à equipe do blog Capitu já Leu, em especial à Clara Taveira pela leitura atenta e análise empolgada do meu livro.




Claudia Mina 19/05/2017

Um convite à reflexão
A forma como o livro é escrito combina com o tema. É direta, sem rodeios, objetiva, no ponto. A protagonista é uma personagem complexa, com qualidades e defeitos; forças e fraquezas. É possível acreditar que ela é um ser humano e que existem outras Claras de verdade. A trama é envolvente, empolgante, instigante. Eu não sentia vontade de parar de ler. É provavelmente um dos livros com o enredo mais bem planejado e executado que li nos últimos tempos. O texto não é cansativo, não se alonga onde não deve, conta o que tem que contar. Além disso, é um mergulho no mundo do jornalismo, para leigos como eu, uma oportunidade de entender um pouco mais da área. Com certeza, o leitor vai ter o que refletir sobre as situações que ocorrem ao longo da narrativa. O que eu posso fazer é parabenizar o autor pelo trabalho e dizer que não me arrependo de ter apoiado o projeto.
JM Costa 29/05/2017minha estante
Adorei o feedback, Claudia. Muito bom saber que o livro cumpre o seu objetivo, que é o de divertir e ao mesmo tempo provocar reflexões. Um forte abraço!




Ricardo Brandes 12/06/2017

Tiro, porrada e bomba!
Olá! Curte jornalismo, ação e suspense? Então a resenha de hoje é tiro, porrada e bomba! Um romance sobre polícia e bandido na favela, com jornalismo investigativo e muita ação no Rio de Janeiro!
Antes de tudo... Sempre que recebo convites para ler novos textos no Wattpad, nunca deixo de visitar a página do autor e espiar seu trabalho, seja de conto, romance ou poesia.
No caso de Primeira Página: conflito na Baiana, de J.M. Costa, já no primeiro capítulo pude sentir a força desta obra que dá início a carreira literária do autor, após 25 anos contando histórias da vida real em redações de jornais diários como o Globo, Extra, Gazeta Mercantil, entre outros.
Primeira página traz um romance policial com muito suspense, jornalismo investigativo e mistério, que me prendeu literalmente, desde as primeiras paginas.
E o que falar dessa leitura tão viciante? Com capa e projeto gráfico de Nilmon Filho, os 22 capítulos (curtos, mas muito intensos) apresentam suspense constante, em uma crescente onda de acontecimentos. Crime, jornalismo e corrupção interagem no plano principal, com a protagonista Clara Gabo (uma repórter carioca em início de carreira). Após receber um telefonema e um pedido de socorro, a novata repórter não foge a luta e entra em um jogo de vida e morte, para investigar os fatos e apurar os culpados, descortinando fatos e evidências entre policiais corruptos e bandidos perigosos. Mas ela irá conseguir enfrentar o pior da corrupção e da bandidagem do Rio de Janeiro? Eis o mote do livro.
Cabe lembrar que esta obra fez um grande sucesso no Wattpad, e seu o autor (O jornalista carioca José Maurício Costa) logo teve muito apoio de seus leitores. E após os ótimos resultados como livro eletrônico, Primeira Página acabou virando um projeto que saiu em livro físico, reformulado em relação a edição online.
Esta edição física da obra tem diferenças e acréscimos em relação do livro eletrônico, além de uma interatividade bem bacana, na questão do telefonema recebido pela repórter Clara. (Sem Spoiler, leia para saber!).
Com 168 páginas e 22 capítulos que provocam e desafiam a imaginação do leitor a todo momento, o livro entrou em pré-venda e logo alcançou seu objetivo com sucesso, dando projeção ao seu autor.
Como Jornalista e escritor, J.M. Costa dedica-se agora a palestras, encontros literários e visitas a instituições de ensino, apoiado pelo sucesso de seu primeiro trabalho literário.
Que tal apoiar a nova literatura nacional? Confira Primeira Página: conflito na Baiana e surpreenda-se!

Por RicBrandes

site: http://www.amoreselivros.com.br/2017/06/primeira-pagina-conflito-na-baiana-jm.html
JM Costa 12/06/2017minha estante
Muito obrigado pela leitura, pela resenha e pelo entusiasmo com meu trabalho, Ricardo! Adorei o "tiro, porrada e bomba", haha. Abração!




Mozer 15/06/2017

Thriller urbano nacional
Em sua estreia como escritor, o jornalista JM Costa nos mostra um retrato que infelizmente é comum em muitas cidades do país: a violência urbana e a corrupção dentro dos órgãos que deveriam zelar pela população.
Mesmo que tratando de um tema complexo onde não é simples diferenciar o ?bem? do ?mal?, Primeira Página levanta questões que precisam ser discutidas e repensadas. O início de uma mudança para melhor ocorrerá quando as maçãs podres começarem a ser retiradas do cesto, seja na política, na Imprensa, na Polícia ou no resto da sociedade.

Resenha completa em:
http://leituraverso.com.br/posts/resenha-primeira-pagina-conflito-na-baiana/
JM Costa 19/06/2017minha estante
Agradeço pela leitura e avaliação, Mozer. Como diz a epígrafe: " Haveria muito menos mal no mundo, se o mal não pudesse ser feito sob a aparência do bem" (Marie von Ebner-Eschenbach).
Abração! :)




Mariana Mortani 26/10/2017

“Com o tempo, contar histórias se torna uma guerra diária. De você contra você.”
Clara Gabo é uma repórter em início de carreira. Começou a se dedicar ao jornalismo com o objetivo de contar histórias e saber que estava sendo lida por milhares de leitores, afinal, como ela própria diz, “que escritor em início de carreira tem essa garantia de audiência”? Só que ela não esperava que, além de contar histórias que não eram suas, ela poderia acabar envolvida nelas. Depois de receber um telefonema de uma menina de 9 anos que afirma que sua mãe foi baleada por policiais no Morro da Baiana, Clara passa a colocar sua própria vida em risco para ir em busca da verdade, contudo, ela não imaginava que estaria ultrapassando muitos limites.

“A história não era mais só minha. O fato já era público.”

“Até que ponto um jornalista pode publicar tudo o que descobre?” Essa é a pergunta que inicia a instigante sinopse de Primeira Página – porém não adianta nem metade do que a obra irá nos fazer questionar. A narrativa em primeira pessoa nos guia pelas atitudes e pensamentos de Clara, enquanto descobrimos cada detalhe de toda investigação junto com a protagonista. A escrita ágil de J.M. Costa nos proporciona um misto de adrenalina, preocupação, emoção e esperança, ao mesmo tempo em que nos informa sobre a profissão abordada em seu livro e nos faz refletir sobre nossa própria realidade.

“À medida que crescemos, e aprendemos que o mundo é distorcido em nuances, a coisa toda se complica.”

Através de uma leitura rápida e objetiva, conheceremos o lado pessoal e o lado profissional de nossa protagonista. Clara é uma personagem complexa, que deve ter exigido muito envolvimento e atenção por parte do autor. A jornalista tem sede de notícia, informação e justiça, porém não deixa de ser um ser humano que conhece os perigos de ir em busca disso tudo e ainda ter que lidar com as consequências. De qualquer forma, Clara se arrisca e, apesar das inseguranças que sua jornada pode apresentar, ela segue em frente para mostrar para o que veio.

“Eu aceitaria o risco, mas talvez tivesse ido longe demais.”

O enredo é muito bem elaborado e, ao longo de suas 166 páginas, se desenrola com objetividade. A história vai se tornando cada vez mais eletrizante, prende o leitor desde o prólogo e o deixa ansiando por mais a cada página. Cada personagem tem sua importância, tudo é facilmente imaginado por nós sem a necessidade de descrições muito extensas e, se você é do Rio de Janeiro, se sentirá como parte da história ao reconhecer lugares que são mencionados ao longo do livro.

“Há dois tipos de repórteres. Os que aguardam comunicados oficiais para reproduzi-los e aqueles que se antecipam a eles para contar suas histórias.”

O desfecho de Primeira Página não deixa a desejar e a sensação do leitor ao fechar o livro é de dever cumprido. Parece que estivemos realmente presentes em cada momento dos últimos três dias turbulentos na vida e na carreira de Clara. Os temas aqui abordados são sérios e reais e mostram como mudanças são necessárias, uma vez que, infelizmente, estão presentes em nosso dia a dia.

“Fala-se muito sem manipulação por meio da mídia, mas a verdade é que a maioria se permite manipular. Preferem repetir comentários prontos quase nunca embasados, ou tirar conclusões superficiais, sem o cuidado de buscar detalhes.”

Primeira Página veio para lembrar que não é fácil diferenciar o bem do mal. J.M. Costa garante mistério, suspense e ação em seu livro de estreia e ainda nos faz refletir em uma trama sobre violência urbana, corrupção e injustiça.

“A opinião nunca foi tão pública e perigosa.”

site: http://www.magialiteraria.net/2017/07/resenha-primeira-pagina-jm-costa.html
comentários(0)comente



Fabio Pedreira 22/01/2018

Primeira Pagina: Conflito na Baiana
Fala galera, como estão? Hoje vim trazer para vocês a resenha do livro Primeira página – Conflito na Baiana. Esse livro é parceria com o autor JM Costa e o Blog Revelando Sentimentos. Então como sabem, primeiramente vamos à sinopse.

“O telefone toca na mesa de uma repórter do Diário Carioca. Do outro lado, desespero. Uma garotinha de 9 anos narra, ao vivo, o crime brutal que vê pela janela de casa. A vítima é sua mãe. O diálogo tenso, a partir de então, dita o tom acelerado que acompanha o leitor do primeiro ao último capítulo de “PRIMEIRA PÁGINA – Conflito na Baiana”. Clara Gabo, repórter carioca em início de carreira, não mede esforços para atender ao pedido de ajuda da menina que lhe procurou por telefone. Mesmo que isso signifique contrariar orientações da sua chefia e colocar a própria vida em risco. À medida que avança na reportagem e publica seus desdobramentos na primeira página do jornal, Clara descortina uma série de fatos que podem comprometer a cúpula da segurança no Estado e até mesmo a sua carreira.”

Eu não sei vocês mas essa sinopse já me deixou intrigado logo de cara. Intriga, assassinato, suspense, ação, o livro tem de tudo. Para quem não sabe o autor também é jornalista e já trabalhou em vários jornais consagrados como O Globo, Extra, Jornal dos Sports entre outras, por isso o fato de a personagem principal ser uma jornalista fica interessante.

Dessa forma, podemos entender através do olhar de uma pessoa que viveu aquele tipo de coisa da forma mais fiel possível. Observar como funciona aquele ambiente, o que os repórteres investigativos passam para conseguir uma matéria, a diferença entre um bom repórter e o ruim e como nós julgamos muitos dos trabalhos sem conhecer direito o que se passa por trás dos bastidores.

Clara é uma personagem muito boa, forte, decidida, que corre atrás da matéria sem deixar de se manter dentro dos limites éticos, e ao mesmo tempo que mostra toda sua coragem ela também mostra como é humana e sente medo mesmo quando tem que passar a aparência de segurança. Isso diante de algumas situações de perigo que nos deparamos na trama.

A trama do livro por sinal é muito boa. Assim como a sinopse já disse, começa com Clara recebendo uma ligação de uma garotinha de 9 anos contando o crime que está presenciando e, então, partindo para o local (que é o morro da baiana) para investigar a situação. Chegando lá ela vai descobrir muito mais coisa do que esperava e tem um fato interessante aí.

O fato é que as coisas que ela descobre retratam muito a situação pelo qual o país passa, principalmente em relação ao crime organizado. São situações de policiais corruptos (deixando bem claro que não são todos, óbvio, mas sabemos que existem, sim) que trabalham com bandidos, políticos que financiam esse tipo de situação, bandidos que trabalham com passe livre se pagar propina e etc. Infelizmente, esse tipo de coisa acontece bastante e todo mundo sabe, e o livro retrata um pouco dessas coisas de uma forma bem satisfatória.

Claro que tem um pouco de tom mais fantasioso, afinal, é um livro e tem que entreter, mas é bem legal a forma como passa os problemas, fazendo o leitor refletir sobre a situação. O livro também é cheio de ação, e flui de uma forma excelente e rápida. A escrita do autor é realmente muito boa e não é para menos, dado o da fato da sua experiência e profissão. Isso é legal, porque o livro apesar de pequeno tem toda sua história muito bem amarrada, com tempo para você conhece os personagens e se identifica com a principal.

A diagramação, capa, cor das páginas, nada disso tenho do que dizer, são todas muito bem feitas, o leitor não vai encontrar nenhum problema em relação a isso. Então, se você gosta de livros bem escritos e do gênero investigativo, vá fundo neste, vale muito a pena, recomendo bastante.

Dou 4 estrelas para o romance de estreia do JM Costa e digo... Na próxima vez que receber uma caixa de chocolate melhor verificar sua procedência antes.
comentários(0)comente



7 encontrados | exibindo 1 a 7