Fortaleza Impossível

Fortaleza Impossível Jason Rekulak




Resenhas - Arqueiro


29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


geórgea 11/12/2017

Fortaleza Impossível
O ano é 1987. William Marvin ou apenas Billy, se você preferir, está no auge dos seus 14 anos. Ele vive na pequena cidade de Wetbridge, nos Estados Unidos. Assim como todos os jovens da sua geração, ele tem algumas peculiaridades. Billy é um nerd, apaixonado por programação e sonha em ser um grande programador de jogos. Juntamente com seus amigos, também nerds, Alf (gordinho e parecido com um ET) e Clark (que chama a atenção das garotas até elas olharem para a sua mão deformada), passam seus dias matando o tempo e fazendo tudo aquilo que garotos dessa idade fazem. Certo dia a revista Playboy do mês de maio publica fotos da musa desses garotos: Vanna White. A apresentadora do Roda da Fortuna está na capa. E é nesse momento que eles decidem tramar um plano para conseguir essa revista.

O trio cria a “Operação Vanna” e partem numa jornada atrás de alguém que os ajude. Acontece que o lugar que tem o seu objeto de desejo é guardado por Sal Zelinsky. Um homem sério e carrancudo que não deixa ninguém passá-lo para trás. Nessas inúmeras tentativas para concluírem seus planos. Billy conhecerá Mary Zelinsky, filha do dono da loja. Uma nerd como ele, gordinha e isolada. Com a desculpa de conseguir o código de acesso para a loja do pai, Billy se aproxima dela e uma grande amizade surge. Os dois passam a trabalhar no jogo que é um dos sonhos do jovem: “Fortaleza Impossível”. Juntos, eles passam semanas programando, compartilhando segredos e aprendendo um com outro. Dessa união pode nascer uma bela história, mas também podem surgir muitos problemas.

“E eis que acontecera. Após 14 anos de mau futebol, de basquete ruim, de notas deploráveis, e de fazer péssimas escolhas no quesito moda, após 14 anos sendo eu mesmo, eu não estava acostumado a elogios. Meu rosto ficou muito vermelho.”

Dentre diversos planos fracassados, segredos e computadores, embarcamos em uma aventura recheada de humor e juventude. Observamos um jovem dividido entre ajudar os amigos ou dedicar-se ao seu sonho. Billy passa seus dias com sua nova amiga programando o seu jogo, sob o olhar atento do seu pai e ouvindo um looping de uma seleção de músicas muito especiais. Será que eles vão conseguir concretizar o seu plano? Billy finalmente terminará o seu jogo? E qual o segredo que está escondido nessa história?

Minha Opinião

Esse livro é uma viagem ao passado. A cada entrada de capítulo temos códigos como se fosse uma programação. A capa e as referências encontradas dentro do livro servem para mergulharmos mais ainda nesse mundo. Toda o desenvolvimento nos lembra dos filmes dos anos 80. Por várias vezes tive lembranças do seriado Freaks and Geeks, que também conta com um trio de amigos nerds que me lembraram muito os desse livro. A referência a uma “fortaleza impossível” pode ser encontrada tanto no jogo, quanto para adentrar o local onde a revista se encontra e também no coração de alguém. Os capítulos são curtinhos e de muito bom humor.

Apesar de ser uma história bem diferente do que estou acostumada a ler, meio infantil e com um toque de romance, fiquei extremamente envolvida e tocada pelos seus personagens. Enquanto eu seguia minha leitura focada nos dilemas dos garotos e na aparição de Mary, nem percebi que o final escondia um grande segredo que me pegou completamente de surpresa. É claro que eu sentia que tinham peças faltando nessa trama, mas nunca imaginei que seria o que foi. Eu não estava preparada para esse plot.

Temos aqui uma narrativa doce, com toda a inocência encontrada no nosso primeiro amor. O livro tem aquele humor juvenil, mostrando a realidade do jovem da época. Com suas incertezas, erros e desejos. Todos estão com os hormônios à flor da pele, descobrindo o amor e o sexo. Algo que achei extremamente positivo nessa história foi a interação presente com as tecnologias existentes na época. Como os recursos tecnológicos eram extremamente limitados, acabamos tendo que esperar por respostas assim como os personagens.

Cada um dos garotos do trio possui algum defeito, algo que faz com que eles se sintam incomodados e deslocados no colégio. Billy se classifica como um desengonçado. Alto demais para a sua idade, sem jeito para os esportes e nem para os estudos. Sua paixão são os computadores. É neles que ele encontra conforto e uma válvula de escape para as dificuldades que passa em casa, com a mãe, e fora dela. Alf, o amigo mais exagerado do grupo, é constantemente comparado ao alienígena Alf, o ETeimoso. Por ser mais gordinho, baixinho e realmente lembrar esse ser. Enquanto Clark, mesmo sendo muito bonito e tendo porte, não faz sucesso com as garotas por possuir um defeito na mão, que faz com que ela pareça uma garra de um caranguejo.

Cada vez que eles sofrem algum tipo de ofensa, ficamos penalizados com a situação. Fato que acontece constantemente nas escolas de hoje e que não é algo exclusivo dos anos 80. Assim, percebemos, que não mudamos muito desde então. A aparência ainda conta muito, os mais fracos ainda são alvos de piada e aqueles que são mais tímidos ou deslocados ainda sofrem nas mãos dos outros. Isso nos leva a fazer uma reflexão sobre o quanto algumas atitudes negativas estão enraizadas nas nossas vidas.

“Eu era o aluno mais alto do nono ano, mas não o tipo certo de cara alto: cambaleava pelo colégio como um filhote de girafa, com minhas pernas esqueléticas e meus braços desengonçados, à espera de que o resto da minha figura encorpasse.”

Mary Zelinsky é muito inteligente, criativa e engraçada. Ela sempre supera as expectativas de Billy. Por ser muito isolada, ela dedica grande parte do seu tempo aos computadores e revela-se uma programadora muito superior a Billy. Isso, ao invés de gerar desconforto nele, acaba servindo como inspiração. Os dois se ajudam mutuamente, com suas paixões em comum. Unindo seus medos, dúvidas e incertezas.

Depois de um tempo a história fica parecida com todas as outras que encontramos por aí. O seu diferencial, são as referências aos anos 80 e termos tecnológicos. O mais interessante foi usar uma figura que realmente existiu, com um fato que realmente aconteceu, para dar o foco central da história. Isso parece dar certa credibilidade ao que é exposto, formando assim uma mistura emocionante de bom humor e a aquela sensação doce de quando nos apaixonamos pela primeira vez. Viajamos no tempo com essa história que lembra aqueles filmes da sessão da tarde, que estamos tão acostumados, mas que acaba tendo diferenciais que dão o toque que faltava para prender o leitor.



site: http://resenhandosonhos.com/fortaleza-impossivel-jason-rekulak/
comentários(0)comente



Igor Izard // @igorizard 02/12/2017

Ganhar, perder... quem se importa?
Billy Marvin é um garoto de 14 anos apaixonado por videogames.

Com os amigos Alf e Clark, ele passa noites assistindo filmes e conversando sobre música.

Quando a playboy publica fotos íntimas da famosa apresentadora de TV Vanna White, eles bolam planos para adquirir a edição da revista, mas o fato é que Billy, Alf e Clark são menores de idade.

E mais, Billy acaba conhecendo Mary Zelinsky, uma garota apaixonada por música e que assim como ele, ama programar videogames.

Depois disso, a vida de Billy nunca mais será a mesma.

Fortaleza Impossível é um livro de leitura rápida, com uma narrativa leve e repleta de aventuras. Um livro que faz rir e emociona.

Abordando temas como amizade, confiança, o amor, sonhos e outros dilemas acerca da adolescência, Jason Rekulak nos faz suspirar e ansiar por mais. Toda a magia dos videogames, computadores e música dos anos 80 deixa a trama ainda mais envolvente.

Após algumas tentativas sem conseguirem ter a revista de Vanna, um novo plano surge.

É quando Billy promete para Alf e Clark que conseguirá o código de segurança da loja do pai de Mary.

Billy passa tardes nos fundos da loja produzindo o jogo eletrônico Fortaleza Impossível junto com Mary. Eles pretendem inscrever o jogo no Concurso Anual dos Jovens Programadores.

Billy ou Will, como Mary o chama, está apaixonado pela mesma.

Ele trairia a confiança dela para conseguir a código de segurança da loja?

Billy escolherá Mary ou os amigos?

A trama vai avançando, reviravoltas impensáveis acontecem e dilemas precisam ser resolvidos.

Billy e os amigos terão a playboy de Vanna White nas mãos?

Ele e Mary ganharão o tão esperado prêmio por Fortaleza Impossível?

Eles podem ter um futuro juntos?

Eu amei cada página de Fortaleza Impossível.

Na vida, nem sempre ganhamos. Mas não podemos desistir. É essa a mensagem deixada pelo autor.

Fortaleza Impossível é mais do que uma declaração de amor aos anos 80. É uma contagiante celebração do amor e aventuras adolescentes. Aqui, o espírito nerd não morre.

site: @igorizard no instagram
comentários(0)comente



Marriete 21/11/2017

Fortaleza Impossível ? Resenha Autor: Jason Rekulak Editora: Arqueiro ISBN: 9788580417487 Pág: 269
Billy é um nerd de 14 anos fissurado em programação, videogame e Vanna White, uma famosa apresentadora de TV. Tudo ia perfeitamente bem quando na primavera de 1987, fotos de Vanna White nua são veiculas pela Playboy. Então, Billy e seus amigos Alf e Clark enlouquecem, decidindo que precisam dessas fotos. Mas garotos de 14 anos não podem comprar revistas que estampam mulheres nuas em suas páginas, eles bolam um plano para roubar a revista e é a partir desse momento que as coisas desandam.

 

No meio dessa aventura, Billy conhece Mary, uma garota tão nerd quanto ele e que também tem a programação como paixão. Billy abre para Mary seus projetos de programação e começam a trabalhar juntos. Eles programam utilizando o Commodore 64, o famoso computador doméstico mas que poderá sucumbir perante o PS/2, que tem uma tecnologia mais avançada e não por acaso é o prêmio de um concurso que os dois pretendem participar.

 

Billy se aproximou da garota pelos motivos errados, mas, com o passar dos dias, a proximidade e a cumplicidade, seus sentimentos se modificam, colocando-o numa bela enrascada. Qual caminho escolher?

 

Fortaleza Impossível é um livro nostálgico que une minhas duas paixões: literatura e informática. Em 87 eu tinha apenas um ano, (exatamente em maio rs), mas poder ter uma breve visão do que era a programação naquela época é fantástico! O livro tem um enredo leve e divertido, sem deixar de ser sério. Fala muito mais do que somente sobre programação. O livro nos conta sobre como eram os jovens daquela época, suas motivações, dúvidas e transgressões.

 

A leitura é saborosa! Livro de cabeceira com certeza!

 

#FortalezaImpossível#JasonRekulak#Resenha#MarryAquinnah#AutorInternacional#LiteraturaEstrangeira#Programação#Anos80#Juventude#VideoGame#Arqueiro#AmoLer#Instabooks
comentários(0)comente



Jéssika @saymybook 19/11/2017

"Um trio de garotos esquisitos e uma nerd brilhante que esconde um grande segredo.
Um inesperado romance que surge em meio a computadores e disquetes.
Um ousado e perigoso assalto para roubar a edição de maio de 1987 da revista Playboy, com imagens escandalosas de uma famosa apresentadora de TV." .

Não gosto de usar sinopses prontas, mas essa que está nas costas do livro ficou tão simples e resumiu de uma forma tão perfeita que não resisti. .

Fortaleza impossível foi uma leitura meio gostei/não gostei pra mim... Eu desejava muuuito esse livro mas esperava algo diferente. .

Expectativa: muitas referências aos anos 80; grupo de amigos simpáticos e engraçadinhos; mergulhar no jogo do livro. .

Realidade: pouquíssimas referências; um trio de amigos imaturos, com piadas ofensivas e sem filtro de noção; tem mais uma descrição das idéias pro jogo e não tanto a imersão da leitura nele. .

Não foi bem um livro que amei, foi bom. Os personagens não me cativaram e fiquei muito incomodada com a construção da história, com alguns pontos sem moral e as piadinhas ofensivas; não importa o ano que o livro se passa, caráter não tem idade. A leitura flui muito rápido, ao mesmo tempo que os personagens apresentam planos super sem noção, você sabe que vai dar errado mas quer ler até o fim. .

É um livro juvenil pra passar o tempo, uma leitura que não aprofunda nem nas referências, nem no romance, nem nos assuntos que aborda. Não que isso seja ruim, quero dizer que é um livro pra se ler em uma tarde e não é do tipo YA clichê. É uma dica diferente pra quem quer algo leve e rápido. .

PS: o jogo apresentado no livro também foi desenvolvido pra quem quiser jogar no site do autor, achei bem legal!

site: www.instagram.com/saymybook
comentários(0)comente



Dani 18/11/2017

Livros & Café
Eu gosto muito de tudo que esteja relacionado aos anos 80 e quando li a sinopse de Fortaleza Impossível, me peguei desejando muito ler o livro. O problema aqui é que ele não é tudo aquilo que pensei que fosse.

A obra gira em torno de Billy e seus amigos, Clark e Alf. Os garotos estão obcecados com a perspectiva de obter a nova edição da revista Playboy. Eles tentam de tudo para conseguir a revista, só que, nada acontece do jeito que eles planejam. Sem saber como farão para comprar a revista, eles bolam um plano para invadir a loja que vende a Playboy e pegá-la. Para isso, Billy precisa se aproximar da filha do dono da loja, Mary. No primeiro encontro entre os dois, eles logo descobrem que sentem uma paixão em comum com programação de jogos para computadores.

Fortaleza Impossível possui um enredo bem legal. Quem é fã de jogos vão se envolver muito bem com a narrativa. Gostei do Billy. Ele é um garoto bem legal, que ama jogos de computadores e programá-los. Quando ele se junta com Mary, as coisas ficam ainda mais legais. Esses momentos deles dois foi o que mais gostei no livro.

Contudo, apesar da personalidade do personagem, uma coisa me incomodou no livro: os amigos de Billy e os diálogos deles. Clark e Alf são preconceituosos, e acabam falando muita besteira durante a narrativa. Quando Billy começa a amizade com Mary, seus amigos não deixam de expressar o fato de a garota ser gorda; como se isso fosse um grande problema. Além disso, como seus amigos sempre ficam pressionando o garoto, Billy acaba sendo bem infantil em alguns momentos. Como se precisasse fazer isso apenas para ser aceito pelos amigos e mostrar ser alguém que ele não é.

Em suma, Fortaleza Impossível é uma leitura agradável, porém esperava mais do livro. Eu pensei que o livro seria uma coisa, no entanto, ele me mostrou algo completamente diferente. É melhor você ler e tirar suas próprias conclusões.
comentários(0)comente



LOHS 12/11/2017

Romance fofo, divertido e nerd dos anos 80
Já faz algum tempo que tem havido uma tendência - na moda, na cultura pop e na vida - no estilo de “ode aos anos 80”. Fortaleza Impossível, o primeiro romance de Jason Rekulak, faz parte desse movimento que gosta de homenagear e demonstrar todas as maravilhas da década de 1980.

Devo confessar que não vivi nos anos 80 e não faço ideia de porque as pessoas acham que tudo era tão incrível. Mas Fortaleza Impossível logo chamou minha atenção pela questão nerd da história. Confesso aqui que nunca resisto a um livro que coloca um protagonista nerd. É fato! (Hahahaha)
No fim, desejei tanto conhecer essa história que recebi o e-book em parceria com a editora, e depois ainda acabei ganhando um exemplar do livro físico no último Encontro com Livreiros que compareci.

O livro se passa em 1987, apresentando o jovem Billy Marvin, com 14 anos, que mora em Nova Jersey. Ele é um garoto que não consegue prestar muita atenção às aulas, principalmente porque passa as noites em claro fazendo o que mais ama: criando videogames em seu computador.
Embora sua mãe viva pegando no seu pé por conta das notas baixas, Billy não consegue parar de ler sobre programação de computadores e criar diferentes jogos.

A vida normal de Billy começa a mudar quando a Playboy publica fotos de Vanna White, uma das mais famosas apresentadoras de TV do momento. Billy e seus melhores amigos, Alf e Clark, são completamente fascinados por ela e decidem conseguir essa revista de alguma forma, mas todos os planos que eles tentaram seguir não dão certo. Veja bem, no Estados Unidos é proibido a venda de revistas Playboy para menores de 18 anos. E lá eles seguem a lei à risca. Então, os três garotos de 14 anos nunca conseguiriam comprar a revista normalmente.

Isso até Tyler Bell, o estudante mais velho e com uma fama não tão boa assim, entrar em cena. Tyler ensina aos garotos o plano perfeito: eles vão invadir a única loja de conveniência da cidade, do Sal Zelinsky, para “comprar” as revistas sem serem impedidos. Embora Tyler tenha um plano bom, ele logo avisa que sem o código de segurança da loja, o alarme irá tocar e a polícia chegaria para levar todos presos.

É assim que todos decidem que alguém deveria seduzir a jovem Mary Zelinsky, filha de Sal Zelinsky, para conseguir o código do alarme e colocar o plano em andamento. Billy se oferece para o cargo sabendo que nunca vai conseguir o código do alarme, mas ele quer ter alguma desculpa para se aproximar de Mary, que é uma talentosa programadora de computador, assim como ele.

Tudo isso porque Billy descobre que haverá uma competição de videogames com ninguém menos que Fletcher Mulligan, dono da Digital Artists, como juiz. Billy gostaria muito de impressionar o homem que revolucionou os games, mas precisará da ajuda de Mary para resolver todos os bugs de Fortaleza Impossível - que é sem dúvidas o melhor videogame que ele já criou.

Enquanto os dois começam a programar o game Fortaleza Impossível para participar da competição, Billy percebe também que está tendo sentimentos por Mary, mas a garota vive enviando sinais contraditórios. Em meio a toda essa confusão, os melhores amigos de Billy começam a pressionar o garoto para conseguir o código para que possam enfim comprar a Playboy com as fotos de Vanna White.

A grande aventura de Billy tem uma forte pegada daqueles filmes de Sessão da Tarde: fofo, divertido e leve. Eu gostei da história e de como foi desenvolvida. O autor ainda nos surpreende no fim com algo realmente inesperado, mas totalmente crível.

O ponto negativo para mim foi uma questão bem pessoal. Isso porque o protagonista acabou me irritando em alguns momentos e isso sempre me tira um pouco do prazer da leitura. Mas, no demais, não tenho o que falar de ruim. A narrativa flui muito bem e em pouco tempo se termina o livro. A parte de diagramação também é incrível porque antes de cada capítulo se tem pedaços do código do jogo criado por Billy e Mary, o Fortaleza Impossível, que também serve como uma identificação de que ponto está na história.

Outra coisa incrível é que o autor, Jason Rekulak, pediu ajuda a alguns amigos e conseguiu criar o jogo do livro!!! E nós podemos jogar!!! Já devo dizer a vocês que é muito fácil de se jogar e também é um pouco viciante. Infelizmente, só cheguei ao nível 3 até agora, mas pretendo conseguir finalizar! Para quem tem interesse em conhecer o game Fortaleza Impossível, é só clicar aqui.

No fim, recomendo esse livro para todos aqueles que amam os anos 80, para quem curte um bom nerd programador de computadores que nem existem mais e para quem gosta daqueles filmes fofos da Sessão da Tarde.

Lembrando que o Top Comentarista deste mês estará sorteando um exemplar de Fortaleza Impossível!! Não deixe de participar!! ;)

site: http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/2017/11/fortaleza-impossivel.html
comentários(0)comente



Ciça 07/11/2017

Fortaleza Impossível
Will é um garoto de 14 anos que passa as noites com seus dois amigos, Clark e Alf, enquanto sua mãe sai para trabalhar eles só estão sendo garotos de 14 anos. Até que um dia Alf descobre "a coisa mais incrível que já vi", ou seja, Vanna White nua na playboy. E é assim que o livro começa, com uma pequena missão: Conseguir a nova edição da revista.

Obviamente, por serem menores de idade, eles não poderiam comprar a revista, então surgem várias ideias para conseguir a playboy. Eles chegam até a pedir para um cara maior de idade, mas ele assalta os meninos. Então a melhor solução que os mesmos encontram foi: Pegar a revista escondido e deixar o dinheiro no caixa.

E é assim que se inicia mais uma tentativa. Tentativa que, obviamente, dá completamente errada. Entretanto, é nessa tentativa que Will conhece Mary Zelinsky, a filha do dono da loja. Estaria tudo bem se ela fosse apenas isso, mas na verdade, Mary é uma garota incrível - que sofre bullying por seu peso - que entende tudo sobre programação assim como Will, mas francamente, ela entende até mais do que ele. Uma amizade vai surgindo no meio do "assalto" a loja, mas além dessa amizade, surge um concurso: Concurso Anual dos Jovens Programadores.

No dia em que conheceu Mary, ele voltara para casa apenas pensando em como participar do concurso. Olhou em todos os seus jogos e finalmente achou um que poderia ajuda-lo: Fortaleza Impossível. Infelizmente, o jogo estava tão lento que o mesmo não sabia o que fazer a tempo do concurso.

Só que enquanto Will estava preocupado com programação, Clark e Alf estavam preocupados em arranjar a revista playboy, fazer cópias dela e vender para os alunos do colégio. E é assim que surge um novo plano: Com a ajuda de Tyler, aluno mais velho da escola que já trabalhou na loja do pai de Mary, eles entrariam escondidos à noite na loja para pegarem a revista. Só que havia um problema: O código do alarme.

Will que já não se importava em ver Vanna White nua começou a ir contra esse plano, só que por não aguentar a zoação dos amigos, decidiu que iria participar de toda aquela situação. Assim então, ele decidiu ficar responsável em descobrir o código, logo, ele poderia passar mais tempo com Mary e os dois poderiam criar uma nova versão de Fortaleza Impossível, uma mais rápida e com design melhor.

Tudo estaria bem se não fosse pelo real motivo que de ele estar ali.

O que falar sobre Fortaleza Impossível que eu só li uma vez, mas já considero muito? De verdade, quando acabei a obra, só sabia fazer uma coisa: Amar ela um pouco mais e reclamar por Jason Rekulak não ter mais livros publicados, independentemente de ser em português ou não.

A história é leve, fluída e tem uma leitura muito fácil, o que não achem que seja um problema, é, de certa forma, o ideal para os assuntos que são tratados no livro. Jason não tem uma escrita densa e descritiva, ele só simplesmente fala o que tem que falar e ponto, mas por incrível que pareça, foi com essa forma que eu me senti muito mais nos anos 80.

Em um mundo cheio de programação, conhecemos toda a história pelo ponto de vista de Will. Seus medos, suas descobertas, suas decepções, suas notas a baixo da média, suas tentativas de conseguir uma revista, suas amizades, seus sentimentos e seu primeiro amor, são os focos principais de toda a trama.

[...]

Leia o resto no meu blog | As 365 Cores do Universo
comentários(0)comente



desencaixados 05/11/2017

Legalzinho
Estamos em 1987 e Billy Marvin junto com seus amigos inseparáveis Alf e Clark moram em uma pequena cidade localizada em Nova Jersey. O trio adora passar a noite se entupindo de comidas e conversando sobre filmes, séries e música enquanto a mãe de Billy trabalha em horário noturno. A situação entre os amigos mudam quando descobrem o lançamento da revista adulta Playboy, que anda sendo o desejo de muitos adolescentes e adultos da época.

Vanna White é uma deusa dos jogos e acaba de posar nua para a revista, com os hormônios a flor da pele Billy, Alf e Clark ficam extremamente interessados em conhecer o conteúdo recém-publicado pela Playboy, só que a idade de todos eles é um impedimento diante de tanta curiosidade. Fazendo de tudo para ter contato com a revista os três começam abordar pessoas que passem nos requisitos para adquirirem um exemplar, mas o plano não dá tão certo como esperavam.

Mudando a estratégia por completo o trio consegue um contato muito ágil que os ajudam a desembolar um plano para ter um ou mais exemplares da revista adulta em mãos, como de costume nem tudo acontece como planejado e um plano B é desembolado. A banca que eles encontraram a revista era do Sr. Zelinsky e o mesmo demonstrava ser muito sério e limitado principalmente dentro do local de trabalho, e ao adentrar a banca o coração de Billy, ou se preferir Will, se amolece ao conhecer a filha do dono do estabelecimento.

Mary Zelinsky é filha do dono da banca e, além disso, tem um gosto em comum com Billy, ambos gostam de programar jogos pelo computador e uma amizade nasce devido esse hobby. O trio de amigos começam a ver esperança diante daquela amizade, pois convencendo Mary passar devidas informações para Will o plano de furtar um exemplar da revista tornaria mais simples, só que enquanto os amigos almejam pela Playboy, o foco de Billy acaba sendo outro.



Fortaleza Impossível, de Jason Rekulak é um livro publicado pela Editora Arqueiro e trata sobre assuntos não abordados dentro da literatura. O livro teve a sua primeira publicação publicada esse ano e após algum tempinho foi traduzido para os leitores brasileiros.

Desde 2016 muitos criadores de histórias estão cada vez mais arriscando em abordar elementos de épocas anteriores e focando bastante no sentimento nostálgico do consumidor daquele conteúdo, isso está acontecendo muito em livros, séries e filme e teve um grande aumento após o lançamento da série Stranger Things. Fortaleza Impossível pode ser considerado um poço de nostalgia devido ao ano e as referências feitas pelo autor, e felizmente esse foi um ponto muito bem desenvolvido e explorado durante a escrita da história.

Uma abordagem muito bacana que o autor teve um extremo cuidado ao escrever foi sobre as antigas máquinas de computadores, principalmente devido ao ano que a história é passada. Fiquei muito feliz em ter um conhecimento “natural” de como as pessoas se divertiam e utilizava os computadores antigamente, especialemnte a forma de entretenimento que elas encontravam dentro da plataforma tão recente e devido a esse assunto outro elemento me chamou muito a atenção.

"Percebi que ainda estavam falando sobre a Playboy e as fotos de Vanna White. Eu andava tão concentrado no meu jogo que tinha esquecido aquilo. (página 47)"

Nos tempos de hoje praticamente todos os dias são lançados vários jogos virtuais com grandes capacidades e imagens em perfeitas condições visuais, além disso, os jovens e adultos com acesso à internet — ou não — têm uma grande variedade de games para se divertirem em computadores e fora deles. Só que em 1987 a situação em relação aos jogos era um pouco mais precária, ou melhor, não tão inovada, e Jason Rekulak conseguiu demonstrar para os leitores perfeitamente como a criação de jogos computadorizados, principalmente utilizando os códigos HTML — se não for HTML, me perdoem — dentro do livro.

Um fator muito interessante de Fortaleza Impossível é sobre Vanna White, a modelo realmente posou nua para a Playboy e teve uma grande quantidade de revistas/exemplares vendidas e durante a época muitos jovens ficaram extremamente curiosos para conhecerem o conteúdo, o que dá a entender que Billy, Alf ou até mesmo Clark podem ter sido um personagem baseado em pessoas reais.

A opinião dos leitores que já conheceram a história desse livro é muito dívida, muitos acreditam que os meninos são machistas e gordofóbicos, outros já dizem que não encontraram nenhum problema diante dessa situação e eu tenho uma opinião totalmente diferente de todas que já ouvi em relação a esse quesito. Então… Billy, Alf e Clark têm 14 anos de idade e durante várias situação soltam frases machistas e gordofóbicas´em relação a Vanna White e Mary Zelinsky, mas para realmente julgar essa atitude é preciso analisar o ano e a sociedade que a história é passada. 1987 um ano não revolucionário na qual homens cometiam atos machistas cada vez mais todos os dias e, além disso, piadas machistas, racistas, gordofóbicas, homofóbicas ou xenofóbicas eram toleráveis pela vítima — na verdade a vítima só engolia as frases ofensivas —, meninos de 14 anos de idade diante de uma sociedade como essa com TODA a certeza reproduziria o mesmo que os adultos, então não podemos ficar julgando situações como essa diante da inicial revolução social de hoje em dia.



Eu confesso que os momentos machistas e gordofóbicos me incomodaram por completo, o autor poderia evitar situações como essa para não dar exemplo aos leitores do século atual, mas como não sei qual foi a intenção de Jason Rekulak diante dessa abordagem não sou totalmente capaz de opinar e julgar as agressões verbais vinda de personagens com 14 anos de idade. Muitos leitores utilizaram essa frase e eu vou aderir: esse ato só pareceu patético e deixou a história um louco sem rumo.

A escrita do autor é muito boa, ele consegue influenciar o ritmo de leitura dos leitores, assim demonstrando como o autor trabalhou fielmente em escrever cada cena e TENTANDO manter o máximo de cuidado para não falhar em nenhum momento. Infelizmente em alguns momentos a história ficou um pouco sem rumo, mas nada disso interferiu na minha leitura e como dito, provavelmente isso tenha acontecido devido ao meu incomodo com alguns diálogos entre os personagens.

Dei uma pesquisada sobre o livro e encontrei um JOGO maravilhoso de Fortaleza Impossível. Como assunto da obra é game, o autor foi capaz de acionar uma equipe especialista em criação de jogo e desenvolveu um muito semelhante ao da história que faz uma grande referência ao Pac-man. Caso você queira ter acesso ao game e tentar bater o record do autor e se divertir entre os amigos é só clicar aqui.

"— Ele precisa de um projeto de vida — disse o diretor. — Trabalhar sem um projeto é apenar girar engrenagens. Um desperdício de energia. (página 80)"

A capa do livro é um dos pontos muito chamativo da obra, achei o trabalho gráfico muito bem esquematizado. O labirinto, a princesa e os elementos que complementam a imagem de capa são pontos essenciais e dentro da história, além disso, as ilustrações internas do livro foram bem trabalhadas, principalmente o desenho feito de códigos.

Enfim, indico Fortaleza Impossível para todos que desejam relembrar dos anos 80 e ter um conhecimento mais aprofundado sobre as criações de jogos computadorizados da época. Além disso, quero deixar expressamente avisado que a história contém momentos não recomendáveis para jovens, o que requer cautela para aqueles que desejam presentar para os pequenos. Mas e aí, será que Billy, Alf e Clark conseguiram uma Playboy de Vanna White? Adquira um exemplar de Fortaleza Impossível e descubra o mais rápido possível.

site: http://desencaixados.com/resenhas/resenha-fortaleza-impossivel/
comentários(0)comente



@colecionandolivros 31/10/2017

Fortaleza Impossível
Mais uma leitura concluída e que foi assim bem amorzinho. Fortaleza Impossível traz para o leitor uma leitura leve, divertida e cheia de aventura, fazendo com que o leitor volte a ser adolescente e possa viver nesse mundo repleto de novos conhecimentos e aprendizagem. Você se tornará cúmplice nessa missão quase impossível.

Billy, Alf e Clark são três amigos inseparáveis. Fazem tudo juntos, vão a escola, conversam sobre músicas, filmes, e agora que a mãe de Billy trabalha a noite, aproveitam para poder comer tudo que quiserem e assistir seu programa de TV favorito. Mas quando seus amigos saem, Billy aproveita para fazer o que mais ama que é, fazer jogos de videogame.

Mas a vida dos três muda quando Alf descobre que a Playboy publicou a fotos da apresentadora do programa favorito deles. Os três são fascinados por elas e farão de tudo para poder conseguir a revista e ver as fotos de Vanna White. Mas tem um pequeno problema: os três são menores de idade. Depois de algumas tentativas sem sucesso os três planejam algo mais arriscado e que trará sérias consequências.

Billy que até então estava focado em ajudar seus amigos a conseguir a tão desejada revista, vê esse desejo ficar em segundo plano, ao conhecer Mary Zelinsky, filha do dono da loja onde eles pretendem "roubar" a revista. Mary é uma nerd que assim como Billy é apaixonada por computadores. Aos poucos os dois vão se aproximando e Billy passa a gostar cada vez mais de passar suas tardes ao lado de Mary. E ele não sabe mais se vale a pena enganá-la para conseguir a revista.

Billy verá que sua decisão trará muitas consequências e que tais consequências o afastará de pessoas especiais. Mas as novas oportunidades vem sempre na hora certa.
comentários(0)comente



Thami 25/10/2017

Fortaleza Impossível
Fortaleza Impossível, escrito por Jason Rekulak e publicado pela editora Arqueiro, foi uma linda surpresa! Solicitei este livro por conta da sinopse e não sabia exatamente o que esperar dele, mas me surpreendi bastante, e foi de forma positiva.

A história, que se passa em 1987, gira em torno de Billy Marvin, um jovem garoto de 14 anos que é apaixonado – assim como todos os garotos – pela apresentadora de TV, Vanna White. Num dia qualquer, Vanna aparece na capa da revista Playboy e Billy e seus amigos querem muito adquiri-la, porém, eles são menores de idade e não podem comprar a revista. Assim, eles bolam um plano maluco de invadir a loja de Zelinsky, que é a única da cidade que vende a revista, para “roubá-la” (na verdade, segundo os garotos, não será um roubo, pois eles vão deixar o dinheiro da revista, como se estivessem comprando). E é aí que entra Mary, a filha de Zelinsky.

Billy faz amizade com a garota, pois assim como ele, ela também é viciada em criar jogos de computador. Fica a cargo dele, portanto, a partir de sua amizade com a garota, de conseguir o código do alarme da loja, para que o alarme não soe e estrague tudo quando eles invadirem a loja. Mas assim que conhece Mary, Billy passa realmente a nutrir uma bela amizade com ela. E tem mais: eles começam a trabalhar juntos num jogo, o Fortaleza Impossível, para uma competição. Será que Billy manterá a ideia de invadir a loja e correr o risco de magoar Mary? Ou ele desistirá do plano de “roubo” por respeito a nova amiga?

A verdade é que esse livro é inusitado do início ao fim. Nas primeiras páginas, tive alguns pressentimentos e desanimei, pensando já ter matado toda a charada do que acontecia no decorrer do livro, mas meu pressentimento foi falho, eu não acertei nada, me surpreendi com tudo, e melhor ainda: amei tudo!

Billy é um bom garoto, só precisava acreditar mais nele mesmo e não ir atrás dos seus amigos bobões. Tive vontade de socá-lo diante de algumas atitudes, mas as circunstancias o levaram a agir assim. Mary é adorável! Fiquei cho-ca-da com o segredo que ela escondia, jamais imaginei se tratar daquilo. E os demais personagens foram muito bem construídos, desde os amigos de Billy, Alf e Clark até a mãe de Billy, o polícia Tack e Zelinsky. Quero dizer que o autor tomou cuidado em dar características especificas e relevantes para cada personagem e achei isso muito bacana.

Fortaleza Impossível é um livro gostoso de ler. Você pode lê-lo em muito pouco tempo, acredite! O livro tem uma boa dose de humor, mas também aborda de forma sutil o preconceito, além de tratar de bullying. Há um outro lado, além do Billy programador que imagina um futuro nessa profissão: o lado do garoto que tira notas baixas na escola e que tem medo de falar sobre a profissão que quer seguir, apesar de sonhar com ela todos os dias.

Adorei! Do início ao fim: adorei! É um romance adolescente muito bem escrito, todas as partes se encaixam perfeitamente e o melhor de tudo: somos surpreendidos do início ao fim. Em algum momento, eu afirmo, você irá se surpreender! E, bem... Irá adorar!

site: http://thamirisdondossola.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Carla - @sharingbooks2 24/10/2017

Será que ser adolescente é fazer muitas escolhas estúpidas?
Em Fortaleza impossível Billy é um garoto nerf que ama programação de jogos de computador. Ele e seus amigos, Clark e Alf, são fãs da apresentadora de um programa de tv, a Vanna White e ela acabou de sair na revista Playboy. Os garotos tem apenas 14 e não podem comprar a revista, mas eles bolam planos mirabolantes para comprar essa revista. Aí é que eles começam a fazer muitas escolhas erradas e acabam se metendo em muita confusão.

Esse é um daqueles livros juvenis onde os personagens são garotos na pré-adolescência/ adolescência que fazem muitas escolhas ruins. Onde um arquitetas os planos que certamente darão errado e todos vão no embalo. E, no fim, todo mundo acaba se dando mal. Aí você percebe como é confusa a mente de um jovem, o quão impulsivo eles são e o quanto são movidos pelos seus desejos momentâneos. A adolescência é uma fase realmente difícil e as vezes algumas escolhas podem marcar o resto da caminhada.

É o que acontece com os personagens, desde o início eles só fazem escolhas nitidamente ruins, de mal gosto e que claramente darão erradas e encrencarão eles bem feio.

Os personagens, sinceramente, são bastante irritantes e adolescentes bem chatinhos hahahaha, mas normal, eles normalmente são. Mas eu gostei bastante da representatividade de Mary, a única garota que aparece no grupo. E fala de mulheres marcantes na programação/computação, que faz as leitoras mulheres se orgulharem.

"Você é a primeira pessoa que conheço que tem um 64. E é uma garota."
"Acha estranho?"
"Achei que garotas não gostassem de programar."

Essa é uma leitura para passar o tempo. Ela é bem rápida, bem fluida e com capítulos pequenos (Graças a Deus)

Não achei esse um livro ruim, mas também não me encantou. Aos que gostam de ler histórias mais juvenis e estudar o comportamento dos jovens, recomendo. Mas para mim, por exemplo, não funcionou muito bem, apenas por não ser meu estilo de leitura. Mas solicitei ele justamente por isso, para tentar algo novo.

"Existe uma porção de coisas que um garoto adolescente não conta a mãe. Conforme envelhecemos, escondemos cada vez mais coisas, coisas que são muito difíceis de falar ou constrangedoras de explicar. Fazemos isso para proteger tanto nossas mães quanto nós mesmos, pois, sejamos francos, a maioria de nossos pensamentos é realmente inconcebível."



site: http://www.sharingbooks.com.br/2017/08/fortaleza-impossivel-jason-rekulak_28.html#.We8tjLVrzow/ @sharingbooks2
comentários(0)comente



Junior.Silva 23/10/2017

Resenha: Fortaleza Impossível – Jason Rekulak
Hoje é dia de voltar aos anos 80, uma excelente época para ser retratada em livros, filmes e séries, com milhares de fãs, e conhecer três jovens nerds que se aventuram para roubar uma edição da revista playboy de 1987, com a apresentadora Vanna White, a queridinha da America naquela época. Na apresentação do livro podemos esperar uma história leve, engraçada, emocionante e totalmente nostálgica, mas na realidade só encontramos uma história cheia de polêmicas, um enredo cansativo e, em algumas partes, bem forçado e confuso, mas a história tem seus méritos.

No romance de estreia de Jason Rekulak, tecnicamente o autor seguiu bem a cartilha pra prender o leitor: capítulos curtos, boa apresentação, personagens interessantes… o problema começa justamente nessa primeira etapa da história, quando você começa a ler cheio de vontade a história não se desenvolve, com três adolescentes inventando mil coisas para comprar, acredite, uma revista playboy de 4 dólares. Dando um crédito à licença poética, continuamos a leitura e os personagens vão ganhando seu espaço, criando um plano bem mirabolante que servirá de base para todo o desenvolvimento do restante da história.

Curiosamente o livro vem causando polêmica na blogosfera literária, já que em diversos momentos os personagens adolescentes são extremamente preconceituosos. Confesso que fiquei incomodado em alguns momentos, apesar de saber que na década de 80 não havia muito pudor para comportamentos como esse. Onde o agressor falava qualquer coisa livremente e a vítima se comportava como culpada pelo preconceito alheio. Porém, se tem uma coisa que eu aprendi nesses últimos anos é que ao resgatar algo tão nostálgico como a década de 80, o autor deveria preservar o que realmente valeu a pena. Comportamentos como vimos nos personagens do livro não precisavam ter sido incorporados tão gratuitamente, sem um propósito evidente.

O autor tem potencial para cativar os leitores, mas nessa estreia ficou devendo. Se inicialmente a coisa demorou a andar, o final foi um tsunami de acontecimentos, com desenvolvimentos corridos, previsíveis e meio sem sentido, entrelaçando uma série de novas histórias que deram mais a sensação de estarem ali só para causar um efeito “caramba, que surpresa!”, mas na verdade a única sensação que conseguiu foi “jura que você fez isso?”.

O grande mérito está na criação, por Rekulak, para o nosso mundo real, do jogo Fortaleza Impossível, você inclusive pode acessá-lo e jogar acessando o site do autor.

O livro tinha tudo pra ser uma viagem incrível e fazer com que o autor marcasse um golaço na sua primeira publicação, mas acabou sendo apenas decepcionante e previsível. De toda forma, é importante destacar que essa é uma impressão pessoal minha e se você quer relembrar (ou conhecer) todo o universo dos anos 80, esse livro pode valer a pena e a sua opinião do livro pode ser outra.

site: http://leitorcompulsivo.com.br
comentários(0)comente



Nath Correia @bibliotecadanath 16/10/2017

Fortaleza impossível l @jrekulak l @editoraarqueiro l 269 páginas l 4’
O ano é 1987, Billy e seus melhores amigos – Alf e Clark – levam uma vida tranquila em New Jersey. Os garotos dividem seus dias entre as obrigações escolares e os momentos de diversão na casa de Billy. Além disso, Billy é um nerd que passa suas madrugadas programando jogos de computador. Um belo dia, a Playboy publica fotos comprometedoras de uma famosa apresentadora de TV por quem os garotos são alucinados. Por serem menores de idade, os três resolvem bolar um plano para roubar a revista. E, é nesse momento, que Billy conhecerá a programadora nerd Mary e tudo começará a mudar...

Fortaleza impossível é, antes de tudo, um livro sobre amizade, primeiro amor, amadurecimento e companheirismo. Com uma narrativa divertida e cheia de reviravoltas e percalços no meio do caminho, o autor apresenta ao leitor os diversos planos mirabolantes dos garotos para conseguir as tão sonhadas fotos. Em meio isso, acrescente uma ótima homenagem aos anos 80 com suas músicas, filmes, astros da TV e os primórdios dos computadores e da programação de jogos.

É um livro com temática juvenil, então espere aqueles comportamentos estereotipados dos adolescentes, onde tudo ganha proporções dramáticas e gigantescas e onde tudo tenta ser resolvido com um belo toque de impulsividade e uma grande dose de ingenuidade e imaturidade. Confesso que o grande segredo do livro não me agradou muito e o final poderia ter sido diferente e melhor explorado, porém, tais detalhes não tiraram o brilho da história que aqueceu bastante o coração nerd dessa leitora compulsiva.
comentários(0)comente



Livroseliteratura 11/10/2017

Resenha do blog Livros & Literatura
Uma atmosfera um tanto noir e um mote envolvente: ingredientes perfeitos para um romance de sucesso.

Na minha opinião, no entanto, o autor se perdeu no meio do caminho.

A estória é interessante, mas a escrita não é envolvente (só nos primeiros e nos últimos capítulos).

O desenvolvimento da trama é prolixa e insípida. É bastante evidente o que ocorreu nos bastidores: Jason Rekulak criou um jogo no estilo da década de 80 e, a partir daí, moldou o enredo em torno de sua principal atração.

Fiquei um tanto confusa em relação ao público alvo: a nostalgia dos anos 80 é voltada para quem vivenciou a época, mas o desenrolar é juvenil demais para esse público.

Foi difícil concluir, cheguei a abandonar a leitura. Mas, apesar da decepção durante o desenvolvimento da obra, os capítulos finais foram divertidos.

Minha aposta é que os fãs de programação irão se deliciar com os detalhes sobre a criação do game e os trechos que discorrem sobre linguagem de computador (nada muito técnico, apenas entretenimento). Os rapazes que roubavam Playboy na infância, também.

site: www.instagram.com/livroseliteratura
comentários(0)comente



Beta Oliveira 10/10/2017

A obsessão de três amigos pela Playboy de uma famosa apresentadora de TV é o mote para embarcar no túnel do tempo, mas não esperava a sequência de “como”, quê?”, “hein?”, “eita!”, “peraí” tudo ao mesmo tempo! E um livro que cita Phil Collins é pra respeitar! Só não dei nota máxima, porque fiquei um pouco perdida na parte técnica que ele cita da programação de computador, mais falha minha (admito) que do livro. Mas a leitura compensa muito.

O texto completo está no Literatura de Mulherzinha:

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2017/10/cap-1396-fortaleza-impossivel-jason.html
comentários(0)comente



29 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2