A Pedra Pagã

A Pedra Pagã Nora Roberts




Resenhas - Arqueiro


49 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4


Barão 19/12/2017

Uma premissa boa, mas, um péssimo desenvolvimento.

“Há muito mais que apenas escuridão e luz. Há muitos tons entre uma coisa e outra.” - pág 172

Com o período do Sete se aproximando cada vez mais, os perigos e maldades começam a tomar de conta da pequena cidade de Hawkins Hollow, o que acaba afetando mais os três responsáveis pela libertação desse mau: Cal, Fox e Gage. Que agora não lutam mais sozinhos, e sim com a ajuda de Quinn, Layla e Cybil.

Enquanto correm contra o tempo para encontrar formas de destruir o terrível demônio, Gage e Cybil vão começando a se envolver cada vez mais, o que pode ser um perigo para ambos ou a salvação deles. Então, em meio de rituais, ataques sanguinários e muito romance esse grupo precisará fazer de tudo para salvar a população e colocar um fim na maldição que os assola a 21 anos.

“(...) nossos medos, só nos incentiva a ter mais coragem.” - pág 136

Enfim leitores, graças a Deus esse livro foi melhorzinho que o segundo livro, mas, ainda assim não foi grande coisa. A impressão que fiquei quando terminei é que a autora só colocou coisas para encher linguiça desde o segundo livro até quase o final desse terceiro, o período do Sete (que ela tanto falou desde o primeiro livro) aconteceu em menos de 20 páginas e foi brochante pois era o momento que eu mais esperei.

Pelo menos o casal desse livro me ganhou, me fizeram torcer por eles e até me emocionar em algumas partes.

A escrita da Nora foi bem rápida, algumas coisas aconteciam do nada, eu ficava perdida e tinha que voltar para saber o que aconteceu. Com certeza eu gostaria dessa história mais como um livro único, ou, no máximo uma duologia. Indico essa trilogia para quem quer começar a ler terror, pois o romance consegue aliviar essas partes mais sombrias.

site: https://www.instagram.com/meninatecaria/?hl=pt-br
comentários(0)comente



Paraíso das Ideias 24/12/2017

Nora é sempre Nora
E
chegamos a reta final dessa empreitada com o demônio!!! Depois de acompanhar a evolução dos dois outros casais chegamos enfim a Gage e Cybil, o casal que unidos premeditam o futuro.
"Você leva seu passado consigo pela jornada, arrastando-o como uma grossa e inquebrável corrente. Pode tentar ignorá-lo por um bom tempo, mas não consegue escapar."
Gage não é do tipo enamorado, e quando percebeu que seus irmãos estavam se apegando a Quinn e Layla e que no pacote estava sobrando a Cybil ele tentou fugir de todas as formas, sua alma de jogador sabia que era questão de tempo, mas ainda sim ele se esforçou.

Com o 7 de julho se aproximando, Twisse se torna cada vez mais forte e mais ousado, tomando formas e agora até conseguindo infligir dor no nosso sexteto, mas eles ainda não desistiram e cada dia estão mais unidos e mais dispostos a aniquilar esse demônio custe o que custar, é preciso correr contra o tempo, e por maior que seja a dedicação de pesquisa das meninas, elas ainda estão longe de descobrir para que serve a bendita pedra que agora está unida graças a mais um ritual de sangue.

Apesar do terror em que a cidade esta adentrando, os amigos continuam unidos, e os casais já formados estão cada vez mais conectados e mais dedicados a um futuro. Independente do porque de cada um estar ali, o importante é que agora todos são uma família, e juntos vão passar por mais um 7 de julho, e se tudo der certo, o último com Twisse.

"Lar nem sempre é um lugar. Às vezes o lar é uma pessoa."

Eu esperei muita ação desse volume, e não posso negar que o demônio fez bem o seu trabalho, bem mais assustador e com ataques bem mais surpreendentes Twisse chega nesse livro com força total se preparando para enfim libertar sua maldade.

O sexteto continua pesquisando e lutando bravamente para se manterem mais fortes e mais espertos, mas fica cada vez mais difícil escapar das ciladas do demônio, e se já não bastasse isso ainda existe o fato de que não se sabe para que serve a pedra e como ela deve ser utilizada. E o fantasma de Ann não esta ajudando muito, suas charadas estão cada vez mais complexas.

Gage é um jogador, trabalha com as probabilidades e acredita estar sempre no poder de escolher, mas no quesito amor ele vai descobrir que não há escolha, e que quanto mais ele tentar se afastar mais difícil vai ser ficar longe da Bela cigana.

Cybil é uma mulher inteligente e sensata, sabe o que quer e como quer, e apesar de se sentir atraída por Gage, não esta desesperada por um romance, ela só quer alvar seus mais novos amigos, mas claro, em meio ao caos, um pouco de distração sexual não faz mal a ninguém, e já que Gage esta disposto, porque não?

Mais uma vez Nora desenvolve um romance com maestria, Cybil e Gage são o casal mais complexo e ao mesmo tempo mais apaixonante e quente da trilogia, mas enquanto explode amor falta magia, esperava bem mais e sinto que no final resolveram tudo rápido demais... muitas pesquisas e pouca explicação.

Noventa por cento do livro é formado por especulações de como matar o demônio e o casal se ajeitando, os últimos dez uma guerra que ao meu ver passou muito rápido, para mim tinha que ter mais sangue, não me veja mal, mas eu queria ver até onde Twisse ia.

Resumindo o livro é bom, um romance muito gostoso com um pouco de magia e fantasia, mas não espere muito terror, apesar do demônio ser assustador em alguns momentos, na maioria ele está em sono profundo.

A capa da trilogia é bem bacana, com relação a diagramação não posso opinar já que recebi como cortesia o e-book, no mesmo localizei alguns erros de revisão, mas não sei se os mesmos estarão no físico.

Se você gosta de romances Nora Roberts é a pedida, coloque uma pitada de magia e a trilogia pode ser uma ótima pedida.



site: https://paraisodasideas.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Beta Oliveira 24/12/2017

A série termina bem costurada, preservando a trajetória de seus personagens, que enfrentam uma força capaz de tudo para machucar, magoar e ferir. Os laços entre eles, independente das dinâmicas, são fortes e fazem com que a gente se importe e torça para que tudo dê certo. Mesmo eu não sendo uma declarada fã do estilo sobrenatural, achei esta série coesa e gostei do que li quando fechei a última página.
O texto completo está no Literatura de Mulherzinha.

site: http://livroaguacomacucar.blogspot.com.br/2017/12/cap-1414-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Drika 26/11/2017

O mais esperado....
Fiquei tanto na expectativa por esse livro! Achei q ia ser de me acabar. Que o sacrifício seria o pai do Gage...

Mas como disse, ou a titia NR acerta o #3 livro ou caga a porra toda.

A série é boa. Mas juro q esperava mais!
Kelly 13/12/2017minha estante
HahahH pensei a mesma coisa




Ana Luiza 10/01/2018

Um casal explosivo e uma história emocionante
A HISTÓRIA
Em poucos meses, Hawkins Hollow será novamente infernizada por um demônio milenar que, se não for morto de uma vez por todas, transformará cidade e o resto do mundo em cinzas. E a missão impossível de detê-lo está sobre os ombros de Cal, Fox e Gage, amigos de infância que se tornaram irmãos de sangue no pacto que fizeram em seu aniversário de dez anos. Mas, dessa vez, os amigos não precisarão lutar sozinhos. Por capricho do destino, eles estão magicamente ligados a Quinn, Layla e Cybil, três mulheres inteligentes e corajosas que resolveram batalhar ao seu lado.

E, estranhamente, combater um demônio pareceu colocar romance no ar. Primeiro Cal e Quinn, depois Fox e Layla se apaixonaram profundamente, descobrindo que o amor, assim como a esperança e amizade entre eles, é uma das armas que deverão usar contra o seu inimigo. Contudo, os mais céticos do seis, Cybil e Gage, gostariam de poder contar com um armamento mais concreto, de preferência. Compartilhando a habilidade de ver o futuro, tanto Cybil quanto Gage já viram em seus sonhos e visões como tudo pode dar errado e todos eles acabarem mortos.

Contudo, uma esperança surge quando os seis conseguem unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo em um. Eles imaginam que a pedra, agora completa, guarda algum poder e meio de matar o demônio, e voltam a suas pesquisas para descobrir exatamente como. Gage, entretanto, não está muito otimista. Ele prefere levar armas de fogo e facas para uma batalha, não uma pedra. Mas Cybil acredita que eles descobrirão, se trabalharem juntos, como usar a arma mágica que possuem. Contudo, isso requer que Cybil e Gage se unam e se tornem uma equipe, como os outros.

“Deu-se conta de que Twisse podia se alimentar de humanos, mas não os entedia. E supôs que aquilo poderia ser outra arma no arsenal deles.” Pág. 134

Entretanto, se aproximar demais pode ser um jogo perigoso. Cybil e Gage assistiram seus amigos se apaixonarem em meio a uma guerra sobrenatural, movidos pela força do destino a qual ambos querem resistir. Tanto Cybil quanto Gage não são do tipo que gosta de compromisso e desejam ir embora da cidade assim que matarem o demônio. Mas, a atração física entre eles se acumula desde que se conheceram e está ficando cada vez mais difícil resistir ao desejo de se entregar a paixão e sentimentos ainda mais profundos. Cybil e Gage prometeram um para o outro que não iriam se seduzir, mas, e se para dar fim ao conflito com o demônio eles precisarem fazer justamente isso?

A SÉRIE E EXPECTATIVAS PARA O ÚLTIMO VOLUME
A Pedra Pagã é o terceiro livro da Trilogia A Sina dos Sete, de Nora Roberts. A saga conta a história de Caleb, Fox e Gage, três amigos que, sem saber, liberam um poderoso e maléfico ser sobrenatural, que, a cada sete anos, traz o inferno para a pequena cidade de Hawkins Hollow, onde vivem. Contudo, as coisas começam a mudar quando Quinn, Layla e Cybil, chegam a cidade - três mulheres que estão envolvidas com esse mistério mágico, já, de certa forma, são descendentes desse ser maligno. Apesar das probabilidades, paixão surge na vida desses seis personagens. Eles embarcam em uma jornada perigosa por respostas, para salvar a cidade e os homens de sua maldição. E, em meio a tanta morte e destruição, acabam encontrando também o amor e a esperança.

Eu estava ansiosa para ler A Pedra Pagã. A Nora Roberts é uma das minhas autoras mais queridas e a Trilogia A Sina dos Sete conseguiu me cativar com um mistério sobrenatural intrigante, envolvendo demônios, fantasmas, diversas gerações de uma pequena cidade e, ainda, casais apaixonados. Contudo, o livro anterior, A Maldição de Hollow, deixou bastante a desejar. Apesar de ter continuado bem a trama envolvendo o combate ao demônio que assombra os protagonistas, o casal do segundo volume é forçado e pouco cativante. Mas, ainda assim, minhas expectativas continuavam altas para A Pedra Pagã. Desde o primeiro livro, Cybil e Gage, meus personagens favoritos, trocam faíscas e interações intensas e divertidas que prometiam que o livro deles ia ser sensual e emocionante.

(...)

CONCLUSÕES FINAIS
Encerramento da Trilogia Sina dos Sete, A Pedra Pagã acabou se tornando o melhor e o meu livro favorito da série. O romance bem-humorado e sensual está muito bem equilibrado com o mistério sobrenatural da saga, que é encerrado de forma emocionante e surpreendente nesse livro. Contudo, achei que a autora demorou demais para chegar ao conflito final contra o grande vilão da história, e ainda deixou a desejar em nos mostrar o destino dos personagens depois de terem vencido. Mas, no geral, a história de A Pedra Pagã é muito boa, assim como cativante, intrigante e surpreendente. O casal principal é o meu queridinho da saga e seu relacionamento ganhou o ritmo certo, já que apesar da grande atração física um pelo outro, os mocinhos não caem de amores logo de cara. A Pedra Pagã é uma história de amor com toques de batalha sobrenatural, uma leitura romântica, emocionante e surpreendente. O livro encerrou muito bem a Trilogia A Sina dos Sete, aumentando ainda mais o meu carinho pela autora. Apesar do bom início e meio morno, o final incrível desse livro fez toda a série valer a pena.

LEIA A RESENHA COMPLETA E VEJA FOTOS DO LIVRO NO BLOG:

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2018/01/resenha-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Cheiro de Livro 17/01/2018

A Pedra Pagã
Nora Roberts com uma pegada sobrenatural não é muito a minha, a burrice das entidades e, principalmente, como ela desiste um pouco da parte aventureira dos livros e fica só no romance me irrita um pouco e tudo isso está presente no último livro da série da Sina dos Sete (A maldição de Hollow e Irmãos de Sangue), “A Pedra Pagã”

Nesse último livro é hora de Roberts juntar Cybil e Gage, os únicos dois que faltavam. É a formula dela, cada livro é focado em um casal e como eles acabam juntos, quando tem algo sobrenatural tem sempre um elemento de destino, de estava escrito nas estrelas, nisso e aqui é exatamente assim. É claro que os dois acabam juntos e loucamente apaixonados mesmo resistindo a cada passo.

O grande problema aqui é que Roberts meio que desiste da história principal, deixa de lado o combate ao grande mal e foca, quase que exclusivamente, no romance de Cybil e Gage. Ela cria todo um universo onde os seis vão enfrentar o maior mal que existe e deixa menos de dez páginas para o combate, acho que tem mais combate nas visões dos protagonistas do que na cena em questão, é um pouco frustrante para a história. Por outro lado é Roberts fazendo o que sabe fazer de melhor: romance.

Nas outras séries que li de Roberts os mais intensos romances ficavam para o final, era onde os personagens estavam melhores desenvolvidos e a história acabava funcionando melhor. Ela sabe criar uma tensão aos poucos e os últimos casais a se formar se beneficiavam disso. Aqui isso não funciona da mesma forma, o envolvimento de Gage e Cybil não é mais interessante que os demais, na verdade o de Fox e Layla é bem melhor e assim a série não termina em um ponto alto. Mesmo entre os livros com uma pegada sobrenatural esse não é dos melhores. Que venha a série de 2018.

site: http://cheirodelivro.com/a-pedra-paga/
comentários(0)comente



Livros Encantos 27/01/2018

O final do livro reflete o sorriso do leitor com a felicidade de todos, nosso trio de amigos hoje abrem passagem para lindas famílias e um futuro regado a paz e tranquilidade de saber que não haverá mais perigo as pessoas que amam.
Sou apaixonada por temas sobrenaturais, regado a romances estruturados então fico encantada. Basta ler o nome da autora que necessito ler, a Pegra Pagâ me deixou apreensiva em muitas cenas torci muito para o bem ganhar essa guerra.
Amei acompanhar Cage e Cybil nesse último livro, a força do amor de todos amigos foi a arma contra o mal.

Nesse último livro da Trilogia nosso casal em foco será Cage e Cybil ambos tem o dom de ver o futuro, juntos são mais fortes assim como os demais casais.

Cage tem uma personalidade forte, independente, sem muitos apegos em suas viagens, atento a tudo e todos aos seu redor devido a sua profissão de jogador.
Cybil é uma mulher incrível, inteligente sempre sedenta por mais informações sobre todos os assuntos e assim como Cage uma alma livre que não está em busca de relacionamentos.
Cercado por seus amigos que já formam dois casais, Cage e Cybil se sentem atraídos um pelo outro, porém se mantém a distância pois não estão em busca de relacionamentos.

Todos estão focados em achar uma forma de acabar com Twisse o Demônio que a cada dia está mais forte, seus ataques atingindo a todos.
O tempo está se acabando e nosso grupo precisa achar uma maneira de acabar com todo esse mal e evitar mais mortes.
Os ataques são compartilhados entre todos a fim de achar pontos fracos do inimigo, Cybil e Cage trabalham juntos deixando a atração que sentem um pelo outro mais exposta.
Os ataques de Twisse tenta abalar as estruturas emocionais de nossos personagens.

Cybil decide ficar com Cage em todos os sentidos, sem regras, sem nomeações e compromissos, juntos são mais fortes, e perdem o controle de seus sentimentos, a personalidade fascinante de ambos abre as portas para novas emoções.

O grupo todo irá passar por situações de perigo, entretanto Cage e Cybil terão cenas impactantes com nosso vilão.
Em momentos críticos Cybil trouxe Cage de volta com lágrimas que comovem o leitor.

O final foi eletrizante, com maestria Nora Roberts fecha a trilogia digna da perfeição, um enredo inteligente, sobrenatural rico em emoções como amor e amizade.

Parem tudo

Que livro foi esse?
O grupo de amigos consegue fazer todas as conexões necessárias, descobrindo os pontos fracos do inimigo, o foco é preservar vidas da cidade que amam.
Acho que não preciso elogiar o talento da autora, mas como não idolatrar Nora com essa gama de criatividade, inteligência e astúcia em criar uma Trilogia como essa.
Sem deixar nenhuma ponta solta, A Trilogia a Sina do Sete consegue envolver o leitor de maneira espetacular, carregado de sensações o último livro fecha com a certeza que o bem sempre encontra a luz.

O enredo destaca a linda amizade entre os amigos, seus dramas pessoais e o encontro do amor nessa luta do bem contra o mal.


site: http://www.livrosencantos.com/2018/01/resenha-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Angélica 28/10/2020

O romance é maravilhoso, mas não espere muita ação
O romance entre os protagonistas, para mim foi perfeito. A gente já vai percebendo uma química entre eles desde o 1º livro, e eu estava com uma expectativa muito alta para a história dos dois, e nesta parte, a Nora não decepcionou. A forma como eles vão se entregando, se apaixonando, é muito envolvente. Porém, para variar, a autora decepcionou novamente na descrição da batalha final. Tudo se resolveu de forma muito rápida. E apesar de ter um epílogo (algo difícil de ver nos livros da Nora), achei que deixou a desejar. Mas de forma geral, eu recomendo a trilogia. Todos os personagens são apaixonantes.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nina 09/02/2018

A Trilogia Sina dos Sete chega ao fim trazendo a história de Gage e Quinn, o casal que, na minha opinião, é o mais interessante.

Desde que fizeram um pacto de sangue aos dez anos de idade, Cal, Fox e Gage enfrentam a dura missão de defender a cidade de Hawkins Hollow de uma maldição: a cada sete anos, por sete dias no sétimo mês, o demônio Twisse toma conta da cidade, transtornando os cidadãos com atos de violência e loucura. Agora, 21 anos depois e prestes a enfrentar o terceiro Sete, eles sentem que enfim têm uma chance de vencer.

Com a ajuda de Quinn, Layla e Cybil, as três mulheres ligadas à eles pelo destino, eles descobriram a chave para matar o demônio e libertar a cidade. Eles conseguiram unir o jaspe-sanguíneo e agora tem uma arma poderosa para lutar, o problema é saber como usá-la. Outro grande problema é que o tempo está se esgotando, agora eles têm poucas semanas antes de começar o próximo Sete. Cybil e Gage compartilham o estranho dom de ver o futuro e vão trabalhar juntos para entenderem como usar o jaspe-sanguíneo. Mas, nessas dolorosas visões, eles percebem que Gage não sairá vivo do encontro com Twisse. Começa então uma busca por um meio de vencer o demônio sem sacrificar a vida de Gage.

Desde que comecei a ler a trilogia, já estava louca pela história de Cybil e Gage porque para mim eles são os personagens mais interessantes. Ambos vêm de famílias disfuncionais e sofreram com os pais. O de Cybil cometeu o suicídio para fugir de dívidas, deixando a família sozinha e desamparada e ela não consegue perdoá-lo por isso. O pai de Gage é alcoólatra e abusivo e o espancou durante toda sua infância. Hoje ele é cínico e sarcástico e ganha a vida jogando pôker. Os dois não se sentem presos à Hawkins Hollow e não veem a hora de partir, mas lutarão por amor e lealdade aos amigos.

Lar nem sempre é um lugar. Às vezes o lar é uma pessoa.

Além disso, eles são muito práticos: aceitam a atração que tem um pelo outro e decidem vivê-la sem culpa. Mas como eles não querem se envolver e não sabem se o que sentem é uma atração genuína ou apenas efeito do destino, a sedução está proibida entre eles. Ou seja, nada de se apaixonar. Mas como comandar o coração?

Gage, quando eu decidir que quero um homem não será porque o destino me enfiou isso goela abaixo. E, ao contrário do que você com sua estupidez sexista poderia pensar, nem todas as mulheres procuram relacionamentos a longo prazo. Principalmente com um canalha como você. Você está a salvo de meus truques e caprichos, seu idiota narcisista. Se isso não o tranquilizar, azar o seu.

Como no livro anterior, Nora Roberts focou bem mais no romance do que na ação e no mistério. Eu esperava ver muito sangue e magia, a acabei recebendo um livro mais amorzinho. Mas um excelente livro de amorzinho! Gage e Cybil tem muita química juntos e são muito parecidos: debochados e irônicos, mas donos de um coração enorme. Por lealdade aos amigos, eles estão dispostos a se sacrificarem por uma cidade pela qual não sentem a menor afinidade. A única coisa que realmente me incomodou nesse livro foi o final. Depois de tudo, eu esperava uma batalha épica, mas não foi isso o que recebi. Foi tudo fácil demais, simples demais.

Mas eu nunca deixo de recomendar Nora Roberts! Para quem gosta da escrita dela, assim como eu, vai adorar essa série, especialmente esse último livro, porque sabe que Nora escreve romances e seus sobrenaturais têm apenas uma pitada de terror ou suspense. Imagino que essa série escrita por Stephen King iria deixar muita gente sem dormir por muito tempo. Mas como eu sou medrosa, prefiro esse tipo de terrorzinho água com açúcar e com muito romance!


site: http://www.quemlesabeporque.com/2018/02/a-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Lari 11/02/2018

A Pedra Pagã
Em A Pedra Pagã, último volume da trilogia A Sina dos Sete, nossos personagens precisam matar Hollow, que ficou mais forte do que todas as outras vezes e ameaça não só os três amigos, mas as suas respectivas mulheres. Toda a cidade também corre perigo, e é nela onde estão todos os familiares e amigos dos protagonistas. Mas como a autora é Nora Roberts, não poderia faltar o romance mesmo que ele fique em segundo plano: casal deste livro será Cybill e Cage.

O romance não se tornou o ponto alto desta trilogia, pois a autora preferiu focar no enredo primário, da cidade e do mal que a ataca. Contudo, ela soube colocá-lo em momentos adequados, porque todos nós somos humanos e querendo ou não, uma hora ou outra precisamos de um abraço, um carinho ou até mesmo um beijo. Não acho que é comum um personagem ficar uma história inteira sem se relacionar com ninguém.

No livro anterior, nossos personagens conseguiram uma arma para parar o inimigo, mas ainda não descobriram uma forma de usá-la, então não foi de grande ajuda. Assim, todos continuam procurando formas de descobrir como conter a ameaça. O monstro está mais forte e não perde tempo em mostrar isso para todos.

Em um determinado momento, Hollow pega todos sozinhos e desprevenidos, então ataca. Os homens conseguem se livrar mais facilmente, pois estão acostumados com tudo o que ele planeja, mas infelizmente as mulheres precisam de ajuda. Cybill, uma personagem feminina, também consegue se virar, mas o monstro ataca de uma forma que fiquei tão abalada que não consegui segurar as lágrimas com o acontecimento, e Nora não deixa escapar detalhes, o que me deixou angustiada. Entendo o motivo da autora de escrever tudo, pois é como se quisesse que a gente entendesse algo muito maior por trás do acontecimento.

Como de praxe da autora, todos os outros personagens são envolvidos nesta premissa, já que toda a trilogia gira em torno dos três amigos. Todos são bem próximos, mas acontece uma briga muito séria neste último volume, pois Cage e Cybill tiveram um sonho-pesadelo onde ele era o "escolhido" para matar o monstro. É claro que isso traria consequências não muito legais, mas Nora trouxe uma grande reviravolta que conseguiu me deixar boquiaberta.

Algo que me incomoda nos livros da Nora Roberts é que ela raramente consegue fazer um desfecho fechadinho. Tipo, temos três livros de casais diferentes, mas ela pouco mostra como todos eles ficaram após os acontecimentos no último livro. Existe um epílogo, mas tão curto que não conseguiu me satisfazer de forma alguma, para mim não faria diferença alguma se ela não o tivesse escrito. Vocês me entendem não é? Me digam que eu não sou a única louca, por favor!

Fora esse pequeno defeito, trilogia A Sina dos Sete é mais uma série perfeita, impactante, cheia de mistérios e romances da Nora Roberts, que mais um vez mostra que pode escrever qualquer gênero literário quase sempre deixar a desejar. Quer dizer, em alguns pontos nós não podemos cobrar a perfeição de um ser humano, certo?

site: http://www.roendolivros.com.br/2018/02/resenha-pedra-paga.html#more
comentários(0)comente



Dreeh Leal | @dreehleal 28/02/2018

A Pedra Pagã - A sina dos 7 - Nora Roberts
Depois de um período de quase monotonia, onde nosso sexteto pouco avançou em suas investigações, o momento de decidir o futuro de Hawkins Hollow está se aproximando. O bônus é, finalmente, poder desvendar o personagem mais instigante da história. Me interessei por Gage e seu passado fragilizado assim que ele foi apresentado. Imaginei que seu livro seria o último e de fato não havia personagem melhor para tomar a frente nesse momento. Cybil também não fica atrás.

Faiscas acontecem desde a primeira vez que se encontraram, e por algum tempo de forma não amigável. Eles são livres, pessoas do mundo. Práticos e céticos, se recusam a aceitar que não possuem escolha diante do que o destino definiu para eles. A atração física é mútua, mas dividir a cama uma ou duas ou milhares de vezes não significava que precisavam se comprometer com o outro até a eternidade. Certo?

Gostei muito da construção lenta dos sentimentos que eles compartilham. Um amor a primeira vista como o compartilhado por Quinn e Cal, não combinaria com suas personalidades. Eles já começam a história levemente abalados e dai a se entregarem é só questão de tempo. O que me fez gostar ainda mais do casal é o quão direto são. Como são explosivos também, isso resulta em algumas discussões desnecessárias, mas é bom encontrar um casal que se não se desentende porque decidiram que algo não deveria ser dito.

A história é fluida, mas algumas coisas careceram de explicações, enquanto outras aconteceram rápido demais. Eles mobilizam parte da cidade em um movimento de retirada, mas o que foi dito a essas pessoas? Utilizar apenas os estranhos incidentes que vinham acontecendo como justificativa deveria levá-los a fugir da cidade de verdade - como muitos sensatamente fizeram. E a batalha final foi sem graça. Não sei exatamente o que esperava, mas não era uma resolução de poucas páginas. Os ataques furtivos que vinham acontecendo foram bem mais elaborados. Não foi o suficiente para eu desgostar do livro, mas fico com a sensação de que a autora deixou o 'dez' escapar por preguiça.

A pedra pagã é um desfecho satisfatório para uma trilogia mediana. O romance foi ótimo, mas ainda não consegui me envolver com as histórias que a autora desenvolve focada no ocultismo. É uma pena, mas ainda não perdi as esperanças.

site: http://www.maisquelivros.com/2018/02/resenha-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4