A Pedra Pagã

A Pedra Pagã Nora Roberts




Resenhas - Arqueiro


49 encontrados | exibindo 46 a 49
1 | 2 | 3 | 4


Lari 11/02/2018

A Pedra Pagã
Em A Pedra Pagã, último volume da trilogia A Sina dos Sete, nossos personagens precisam matar Hollow, que ficou mais forte do que todas as outras vezes e ameaça não só os três amigos, mas as suas respectivas mulheres. Toda a cidade também corre perigo, e é nela onde estão todos os familiares e amigos dos protagonistas. Mas como a autora é Nora Roberts, não poderia faltar o romance mesmo que ele fique em segundo plano: casal deste livro será Cybill e Cage.

O romance não se tornou o ponto alto desta trilogia, pois a autora preferiu focar no enredo primário, da cidade e do mal que a ataca. Contudo, ela soube colocá-lo em momentos adequados, porque todos nós somos humanos e querendo ou não, uma hora ou outra precisamos de um abraço, um carinho ou até mesmo um beijo. Não acho que é comum um personagem ficar uma história inteira sem se relacionar com ninguém.

No livro anterior, nossos personagens conseguiram uma arma para parar o inimigo, mas ainda não descobriram uma forma de usá-la, então não foi de grande ajuda. Assim, todos continuam procurando formas de descobrir como conter a ameaça. O monstro está mais forte e não perde tempo em mostrar isso para todos.

Em um determinado momento, Hollow pega todos sozinhos e desprevenidos, então ataca. Os homens conseguem se livrar mais facilmente, pois estão acostumados com tudo o que ele planeja, mas infelizmente as mulheres precisam de ajuda. Cybill, uma personagem feminina, também consegue se virar, mas o monstro ataca de uma forma que fiquei tão abalada que não consegui segurar as lágrimas com o acontecimento, e Nora não deixa escapar detalhes, o que me deixou angustiada. Entendo o motivo da autora de escrever tudo, pois é como se quisesse que a gente entendesse algo muito maior por trás do acontecimento.

Como de praxe da autora, todos os outros personagens são envolvidos nesta premissa, já que toda a trilogia gira em torno dos três amigos. Todos são bem próximos, mas acontece uma briga muito séria neste último volume, pois Cage e Cybill tiveram um sonho-pesadelo onde ele era o "escolhido" para matar o monstro. É claro que isso traria consequências não muito legais, mas Nora trouxe uma grande reviravolta que conseguiu me deixar boquiaberta.

Algo que me incomoda nos livros da Nora Roberts é que ela raramente consegue fazer um desfecho fechadinho. Tipo, temos três livros de casais diferentes, mas ela pouco mostra como todos eles ficaram após os acontecimentos no último livro. Existe um epílogo, mas tão curto que não conseguiu me satisfazer de forma alguma, para mim não faria diferença alguma se ela não o tivesse escrito. Vocês me entendem não é? Me digam que eu não sou a única louca, por favor!

Fora esse pequeno defeito, trilogia A Sina dos Sete é mais uma série perfeita, impactante, cheia de mistérios e romances da Nora Roberts, que mais um vez mostra que pode escrever qualquer gênero literário quase sempre deixar a desejar. Quer dizer, em alguns pontos nós não podemos cobrar a perfeição de um ser humano, certo?

site: http://www.roendolivros.com.br/2018/02/resenha-pedra-paga.html#more
comentários(0)comente



Dreeh Leal | @dreehleal 28/02/2018

A Pedra Pagã - A sina dos 7 - Nora Roberts
Depois de um período de quase monotonia, onde nosso sexteto pouco avançou em suas investigações, o momento de decidir o futuro de Hawkins Hollow está se aproximando. O bônus é, finalmente, poder desvendar o personagem mais instigante da história. Me interessei por Gage e seu passado fragilizado assim que ele foi apresentado. Imaginei que seu livro seria o último e de fato não havia personagem melhor para tomar a frente nesse momento. Cybil também não fica atrás.

Faiscas acontecem desde a primeira vez que se encontraram, e por algum tempo de forma não amigável. Eles são livres, pessoas do mundo. Práticos e céticos, se recusam a aceitar que não possuem escolha diante do que o destino definiu para eles. A atração física é mútua, mas dividir a cama uma ou duas ou milhares de vezes não significava que precisavam se comprometer com o outro até a eternidade. Certo?

Gostei muito da construção lenta dos sentimentos que eles compartilham. Um amor a primeira vista como o compartilhado por Quinn e Cal, não combinaria com suas personalidades. Eles já começam a história levemente abalados e dai a se entregarem é só questão de tempo. O que me fez gostar ainda mais do casal é o quão direto são. Como são explosivos também, isso resulta em algumas discussões desnecessárias, mas é bom encontrar um casal que se não se desentende porque decidiram que algo não deveria ser dito.

A história é fluida, mas algumas coisas careceram de explicações, enquanto outras aconteceram rápido demais. Eles mobilizam parte da cidade em um movimento de retirada, mas o que foi dito a essas pessoas? Utilizar apenas os estranhos incidentes que vinham acontecendo como justificativa deveria levá-los a fugir da cidade de verdade - como muitos sensatamente fizeram. E a batalha final foi sem graça. Não sei exatamente o que esperava, mas não era uma resolução de poucas páginas. Os ataques furtivos que vinham acontecendo foram bem mais elaborados. Não foi o suficiente para eu desgostar do livro, mas fico com a sensação de que a autora deixou o 'dez' escapar por preguiça.

A pedra pagã é um desfecho satisfatório para uma trilogia mediana. O romance foi ótimo, mas ainda não consegui me envolver com as histórias que a autora desenvolve focada no ocultismo. É uma pena, mas ainda não perdi as esperanças.

site: http://www.maisquelivros.com/2018/02/resenha-pedra-paga-nora-roberts.html
comentários(0)comente



Vai Lendo 28/02/2018

Um final com o toque mágico de Nora Roberts
O destino é implacável. Certeiro. Será? É preciso saber interpretar os sinais e, mais do que isso, acreditar na força da amizade, da lealdade e principalmente do amor. Nora Roberts nos traz essa mensagem em 'A Pedra Pagã', conclusão eletrizante da trilogia 'A Sina do Sete' publicada pela editora Arqueiro.

No terceiro e último volume da série – que teve início com 'Irmãos de Sangue' e seguiu com 'A Maldição de Hollow' -, Cal, Fox e Gage, bem como Quinn, Layla e Cybil, conseguiram unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo e, agora, possuem uma poderosa arma para enfrentar o demônio que há anos assola a cidade de Hollow e a vida de todos e que está claramente mais forte e poderoso. Para a batalha final, caberá a Gage e Cybil, que compartilham o dom de ver o futuro, unir suas forças e trabalharem juntos para buscarem as respostas que faltam. O problema é que, além de serem completamente diferentes, ambos não sabem – e não querem – lidar com os seus próprios sentimentos.

Nora Roberts definitivamente sabe como manter o ritmo de uma série literária. Dentro do seu padrão narrativo, 'A Pedra Pagã' se mostrou bastante ágil e emocionante, e muito disso se deve aos personagens que foram o foco desse terceiro volume: Gage e Cybil. Por mais carismáticos que os outros sejam (e olha que, nessa série, não tive problema com nenhum dos protagonistas, pelo contrário, gosto de todos – mérito da autora), Gage e Cybil se sobressaem. Talvez, pelo fato de ambos terem as maiores bagagens, digamos assim, traumas que deixaram marcas profundas em seus corações e criaram personalidades extremamente fortes e, bem, um tanto quanto rebeldes.

O fato é que os dois possuem qualidades e defeitos mais perceptíveis e palpáveis do que os outros, e acho que isso os torna mais verdadeiros, mais “humanos”, dentro das proporções. E a química. A QUÍMICA, MINHA GENTE. Com dois personagens tão “carregados”, exóticos e sedutores, Nora Roberts não fez por menos e desenvolveu uma química avassaladora. E, com tanta carga, tanta emoção e sedução, Gage e Cybil conduziram de maneira brilhante e hipnotizante esse terceiro livro e nos fizeram mergulhar numa trama que se mostrou bastante envolvente do início ao fim. O conflito final foi duro, cruel e bastante simbólico. Um prato cheio dos componentes que os fãs da escritora, como eu, adoram e esperam saborear. Temos lágrimas, romance, sonhos, pesadelos, desespero e esperança.

Mais uma vez, Nora Roberts fez a sua mágica e nos levou a Hollow com sua peculiar habilidade de, por mais fantasioso e surreal que possa parecer, fazer tudo parecer real. O eterno embate entre luz e escuridão, os valores sociais e o poder incomensurável do amor são sempre os ingredientes infalíveis de suas palavras encantadas. Quanto a mim, quero mais é continuar envolvida nessa magia toda.

site: http://www.vailendo.com.br/2018/02/26/a-pedra-paga-trilogia-a-sina-do-sete-livro-3-de-nora-roberts-resenha/
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 46 a 49
1 | 2 | 3 | 4