As Coisas Não São Bem Assim

As Coisas Não São Bem Assim Renata R. Côrrea




Resenhas - As Coisas Não São Bem Assim


26 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Bi Faria 13/05/2019

Capa linda! E foi uma leitura com fortes emoções, força, fé e recomeços. Favorito de 2019!
Clarice é uma moça linda, faz faculdade de medicina, e lá conheceu Guilherme, o seu primeiro e grande amor. Eles viviam em grande sintonia, festas, estudos e viagens.
Mas numa dessas viagens eles sofrem um grave acidente e ele falece. A vida de Clarice perde a cor, ela continua e se forma, mas é sempre de casa para seus plantões e dos plantões para casa.
Ela mora com os pais, que estão preocupados com a vida da filha, que não tem mais aquela alegria e entusiasmo. E em uma de suas idas ao mercado, pois ela gosta de ajudar em casa, ela ajuda uma menininha a pegar um pacote de biscoitos, a Duda. E conhece o pai da garota, Henrique, muito bonito e educado. Fica encantada com eles, mas a vida segue.
Até sua melhor amiga lhe chamar para irem ao aniversário da filha do seu chefe, e ela aceita. E qual a sua surpresa? A festa é da Duda, a garotinha do supermercado.
Rola um clima entre ele, e ambos contam sobre suas vidas, ele é viúvo, sofre muito pela perda da esposa, e ela pela perda do seu primeiro amor. Mas ele começam a sair, e a se permitirem ter um relacionamento.
Só que eles terão que enfrentar vários acontecimentos, que abalarão as suas estruturas. Será que esse sentimento que ambos sentem será capaz de superar todos os obstáculos? Eles estão prontos para enfrentarem tudo juntos? "É preciso arrumar um jeito de fazer coisas boas das coisas ruins que a vida nos apresenta." "Qual seria a cor da felicidade? Enfim descobri que a cor da felicidade pouco importa quando ela sentida de verdade." @renata_rcorrea @pandorgaeditora
comentários(0)comente



Daya 25/06/2018

Quando li a sinopse do livro As coisas não são bem assim, da autora nacional Renata R. Corrêa, fiquei muito curiosa para saber o desfecho, pois me identifiquei com a personagem, que perdeu uma pessoa importante em um acidente de trânsito.

Comecei a leitura ansiosa para conhecer Clarice, uma jovem que, ainda como estudante de medicina, sofre um acidente de carro com o namorado e mais um casal de amigos. O seu amado foi o único que não conseguiu sobreviver. Após 01 ano, Clarice ainda não conseguiu superar essa dor e vive somente para o trabalho e a casa, sempre chorando pelos cantos com saudades.

Além dos seus pais, ela só possui uma amiga de infância que as vezes a arrasta para sair, mas Clarice sempre procura uma desculpa para não aproveitar a noite. Um dia, ela estava no mercado e encontrou uma menininha que tentava alcançar algo na prateleira; enquanto Clarice a ajuda acaba conhecendo o pai da pequena Duda.

Não demora muito para a primeira coincidência acontecer. Clarice vai, a convite de sua amiga, em um aniversário e, quando chega lá, descobre que a aniversariante é a pequena Duda e que o pai da menininha é viúvo. Os dois conversam um pouco e descobrem que tem algo em comum, a dor de perder um ente querido. Poderia daí surgir algo mais?

Não posso negar que é uma história bonita, delicada e esperançosa, que nos induz a acreditar que podemos ser felizes e amar novamente. Fiquei apenas um pouco incomodada com a correria da narrativa, e olha que nem sou muito fã de obras detalhadas. Não existiu um aprofundamento da história, na minha visão, tornando tudo bastante superficial, corrido.

site: http://www.conchegodasletras.com.br/2018/01/cantinho-da-daya-as-coisas-nao-sao-bem.html
comentários(0)comente



Alyssa @culpadoslivros 31/03/2018

Pensem num livro gostoso, de fácil leitura, daqueles que conseguimos terminar em um dia.

As coisas não são bem assim fala sobre a vida e o amor, de uma maneira leve e espontânea. Na vida, é importante estarmos preparados para os recomeços, pois cair e levantar, faz parte da nossa jornada.

Clarice fica extremamente abalada após perder num acidente de carro, aquele que ela considerava o grande amor da sua vida. No entanto, o destino abre novas oportunidades para todos...

Assim, Clarice conhece Henrique; um viúvo que vem ocupar o lugar de destaque no triste coração da jovem. Juntos, Clarice e Henrique precisarão enfrentar grandes dificuldades e um sofrimento inesperado.

Unidos por um sentimento sincero e profundo, eles precisarão se apoiar mutuamente.

Alternando momentos alegres e descontraídos, com uma certa carga dramática, a autora conduziu a trama com muita delicadeza.

A lição que tiramos deste livro, é sobre superação. Recomendo, pois achei a história muito emocionante e gostosa!

site: http://www.instagram.com/culpadoslivros
comentários(0)comente



Conchego das Letras 17/01/2018

Resenha Completa
Quando li a sinopse do livro As coisas não são bem assim, da autora nacional Renata R. Corrêa, fiquei muito curiosa para saber o desfecho, pois me identifiquei com a personagem, que perdeu uma pessoa importante em um acidente de trânsito.

Comecei a leitura ansiosa para conhecer Clarice, uma jovem que, ainda como estudante de medicina, sofre um acidente de carro com o namorado e mais um casal de amigos. O seu amado foi o único que não conseguiu sobreviver. Após 01 ano, Clarice ainda não conseguiu superar essa dor e vive somente para o trabalho e a casa, sempre chorando pelos cantos com saudades.

Além dos seus pais, ela só possui uma amiga de infância que as vezes a arrasta para sair, mas Clarice sempre procura uma desculpa para não aproveitar a noite. Um dia, ela estava no mercado e encontrou uma menininha que tentava alcançar algo na prateleira; enquanto Clarice a ajuda acaba conhecendo o pai da pequena Duda.

Não demora muito para a primeira coincidência acontecer. Clarice vai, a convite de sua amiga, em um aniversário e, quando chega lá, descobre que a aniversariante é a pequena Duda e que o pai da menininha é viúvo. Os dois conversam um pouco e descobrem que tem algo em comum, a dor de perder um ente querido. Poderia daí surgir algo mais?

Não posso negar que é uma história bonita, delicada e esperançosa, que nos induz a acreditar que podemos ser felizes e amar novamente. Fiquei apenas um pouco incomodada com a correria da narrativa, e olha que nem sou muito fã de obras detalhadas. Não existiu um aprofundamento da história, na minha visão, tornando tudo bastante superficial, corrido.


site: http://www.conchegodasletras.com.br/2018/01/cantinho-da-daya-as-coisas-nao-sao-bem.html
comentários(0)comente



Kalyne @oreinodaspaginas 08/01/2018

Resenha
Somos apresentados a Clarice, uma jovem que teve sua vida e seus sonhos frustrados em decorrência de um maldito acidente de carro. Seu namorado Guilherme não resistiu aos impactos do acidente e faleceu na hora.
O mundo de Clarice entrou em combustão, afinal como continuar vivendo após perder o grande amor de sua vida? Como aceitar o fato de nunca mais ouvir a voz de Guilherme, sentir seu cheiro, seus toques, como conviver com isso?
Clarice é uma estudante de medicina, e às vésperas da formatura, vê toda a sua vida, sua alegria de viver, e a esperança de um futuro com o homem que amava, sendo tirados dela a força.
Após algum tempo do ocorrido, o destino mostra para Clarice que podemos ser felizes e encontrar um novo amor. Em uma ida normal ao supermercado, ela conhece uma garotinha linda que lhe toca o coração.
Mas é quando vê o pai dessa garotinha que o coração de Clarice começa a bater novamente em um ritmo diferente. Henrique, um jovem advogado e que também sabe a dor de perder quem se ama, tendo perdido a esposa, começa a mexer com os sentimentos de Clarice.
Cúmplices pela dor terrível que é encarar a morte de um grande amor, Clarice e Henrique se sentem atraídos um pelo outro, e um sentimento sincero passa a fazer parte da vida dos dois. Mas será possível voltar a amar novamente após ter o coração tão machucado pelo sofrimento da perda?
Uma história sobre acreditar em recomeços, sobre ter fé que tudo é possível quando você acredita e confia no seu coração, sobre ter esperanças de um amanhã melhor e sobre o poder que o amor tem de mudar a vida das pessoas.
Agradeço a Renata pela oportunidade de realizar essa leitura, você é uma pessoa adorável e lhe desejo todo o sucesso do mundo.
“A vida é feita de sonhos, mas nem sempre eles se realizam... O que fazer quando de repente você se dá conta de que o tempo está passando e que a vida não é exatamente do jeito que você esperava que ela fosse?” (página 13)


site: http://oreinodaspaginas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Dayane 31/12/2017

[Resenha] Onde Fica o Para Sempre - Mayra Carvalho
Quando comecei essa leitura, não sabia muito bem o que esperar já que meu primeiro contato com autora foi em uma temática bem mais leve; um romance com um cantor irresistível! Agora ver a autora embarcar em uma história a respeito de perda e dor, me deixou realmente curiosa para saber o que resultaria. E confesso que gostei bastante!

No post de Primeiras Impressões, eu cheguei a falar sobre como a escrita da Rê é muito objetiva; não há a famosa enrolação dos romances, o que torna os seus livros curtos, mas também fáceis de ler. De forma veloz avançamos em seus capítulo e mesmo que as vezes eu estranhe e deseje mais desenvolvimento no personagens e em algumas cenas, ainda assim é uma fórmula que definitivamente funciona! Temos um livro que lemos sem parar, e que nos conquista pela história da perda e da vida que sempre está a nossa espera.

Confesso que quando uma personagem é apresentada pra mim com uma perda, meu coração simplesmente se abre pra ela e realmente a "abraça"; e foi exatamente o que aconteceu com a personagem criada pela Rê. Clarice é uma jovem mulher que carrega no peito a dor de um amor que não pode se cumprir e com isso ela passa a carregar dentro dela uma certa "desesperança" a respeito do futuro e do amor em si. Como médica ela se foca em sua carreira e assim vai sendo "levada pela vida" até que sem esperar acaba cruzando sua vida um grande amor: não só em forma de um homem forte e gentil, mas também de uma meiga garotinha que com sua tão pouca idade tem muita a ensinar sobre perda e recomeços.

O que falar dos personagens? Duda me cativou! A pequena garotinha com os olhinhos tristes de quem já perdeu alguém, trouxe uma alegria não só pra vida de Clarice como também uma luz em meio a toda a escuridão que ela era capaz de enxergar. Atravessamos as poucas páginas desse livro convivendo com esse trio quebrado: Uma mulher que perdeu o homem com quem um dia queria se casar, um homem amável que perdeu sua esposa e uma garotinha que perdeu a mãe para uma realidade muito maior do que a que ela consegue compreender... e mesmo assim o livro inspira esperança! Só a Rê pra conseguir fazer isso *_*

Henrique com certeza é um capítulo a parte: um legítimo mocinho, um pai adorável e alguém definitivamente apaixonante! O casal tem uma união tão bonita, na qual um acaba "salvando" o outro e isso realmente me encantou!

Enfim, com uma escrita rápida e personagens cativantes, a Rê me deu um livro que devorei! Quero agradecê-la mais uma vez por toda a confiança que depositou em mim e no blog! Nunca vou esquecer Rê! *-*



site: http://letraseternasdayane.blogspot.com.br/2017/08/resenha-as-coisas-nao-sao-bem-assim.html
comentários(0)comente



Grazi 13/12/2017

"Sonhos que se sonham acordada são na verdade projeções de nossas esperanças, expectativas que temos sobre tudo."
Resenha no meu blog.

site: https://blogdietaecultura.wordpress.com/2017/12/12/resenha-as-coisa…-renata-r-correa/
comentários(0)comente



Rafa 17/11/2017

Falta aprunfadamento
A premissa embora muito clichê, é interessante e este livro, que deveria ser um conto, discorre muito em suas páginas.

Aqui temos a história de um amor crescendo em meio a tragédias.

Contudo, é tudo muito rápido. Achei que faltou amadurecimento e entendimento da autora pra guiar a história.

Um bom livro não necessita de 500 páginas, mas devemos dar consideração na história e para os personagens...

Foi tipo assim: morte, sofrimento, segue em frente, apaixona, cura e fim. Se piscar perde kkk

Outro ponto que me chateou foi ler em quase todas as páginas o chavão: fizemos amor a noite, dormimos nos braços um do outro, e o outro: acordei, almocei com meus pais e vimos um filme. Putz que povo mais acomodado. É como se a vida todos no tempo que se segue fosse essa.

Sem contar que achei a relação dos personagens impossível e fria. Era uma conveniência, não um amor, eles nunca discutiram, nunca discordam, nunca se abrem...foi horrível tentar engolir esse relacionamento.

Enfim, falta muito crescimento e amadurecimento na escrita autora. Foi como ler algo escrito sem planejamento...
comentários(0)comente



Conta-se um Livro 16/10/2017

Um amorzinho de história!
Depois de um encontro um tanto estranho, ela descobre que o jovem pai, Henrique, coincidentemente (e que coincidência! haha) é o chefe de sua amiga Teresa, que por sua vez a convidou a ir ao aniversário da filha dele, Duda. Quando ela aceitou o convite, eu logo liguei e já imaginei que seria o rapaz do supermercado, e sua filha linda!

Depois de apresentados (oficialmente, claro haha), eles se encantam, conversam e compartilham um pouco de sua vida e sua tristeza um para o outro (Henrique é viúvo, e sua mulher acabou falecendo devido a um câncer), e passam a encontrar um no outro aquele motivo a mais para levantar da cama todos os dias, aquele disparar do coração, e a euforia de estarem juntos, coisa que haviam esquecido há algum tempo.

- Não...Não estou procurando as coisas mais simples da vida! Querer me encontrar com você já diz tudo. Somos dois sobreviventes de tragédias da vida, isso poderia ser simples? Ou ao menos será que isso poderia dar certo? [...]"
As coisas não são bem assim, pag 43

O livro estava com aquele ar gostoso, de aquecer o coração, mas ainda mal tinha passado da metade. E eu já fui pensando "ai meu deus, se ta tudo tão perfeito agora, alguma coisa deve estar para acontecer". E foi exatamente isso!!! Fiquei primeiro chocada, e depois muito triste e indignada. (não contarei o que acontece, porque considero um grande spoiler e sugiro que leiam para descobrir! haha).

Leia a resenha completa no blog Conta-se um Livro

site: https://contaseumlivro.blogspot.com.br/2017/06/resenha-as-coisas-nao-sao-bem-assim.html
comentários(0)comente



Isabela | @whatimreadingbells 13/10/2017

Resenha
"O que fazer quando de repente você se dá conta de que o tempo está passando e que a vida não é exatamente do jeito que você esperava que ela fosse?"
Essa é a história de Clarice, que tinha o amor dos sonhos com Guilherme. Os dois pretendiam ter o tão esperado "final feliz", até que um acidente tira a vida de Guilherme. Clarice passa o ano desolada e sem acreditar no que a perda de alguém pode causar em sua vida.
Entre trabalho e casa, a médica Clarice não consegue superar as tristezas do passado e pretende ficar nessa vida monótona por um bom tempo.
Graças a sua melhor amiga Teresa, Clarice resolve sair de casa.
Como se o destino fosse inevitável, ela reencontra Duda, a garotinha que conheceu no mercado dias antes, junto de seu pai, Henrique.
Henrique é um pai viúvo, que perdeu sua esposa pelo câncer de mama. Ele é advogado e vive a vida em função de sua filha, Duda, de seis anos de idade.
Os dois começam a ter uma relação de amizade que aos poucos se transformam em amor, afinal, os dois passaram por tragédias e se entendem melhor do que ninguém.
Clarice e Henrique voltam a se abrir para vida e quando tudo parece estar voltando ao normal, acontece algo grave com Duda.
Após tantos sofrimentos e perdas, será que o amor dos dois será mais forte para enfrentarem isso juntos?
"É uma bonita e delicada história sobre recomeços, fé, esperança e sobre o poder do amor."
comentários(0)comente



Kênia Cândido 18/09/2017

Uma Linda História!
As Coisas Não São Bem Assim é uma linda história de amor cheia de sentimentos, superação e aprendizagem. Não imaginava emocionar tanto com a história e minha estreia com a Renata começou positivamente.
Clarisse é uma jovem médica que trabalha no pronto socorro que dedica sua vida quase inteiramente para sua carreira, pois sua vida estava marcada por uma tragédia. Ela havia perdido seu namorado Guilherme em um acidente de carro durante uma viagem para Caldas Novas.
Clarisse conheceu Guilherme na faculdade quando eles eram da mesma turma do curso de medicina. Acabaram se tornando melhores amigos e logo em seguida se apaixonaram, não restou muito tempo para começar o namoro repleto de companheirismo, paixão e muita felicidade.
Quando estavam no último ano de faculdade, o casal havia organizado uma viagem para descansar um pouco, porém ao longo do percurso Guilherme acabou perdendo a visibilidade e o carro aquaplanou durante um temporal causando o falecimento de Guilherme.Sem perspectiva, Clarisse dedicou-se a vida profissional e já havia um ano que tinha deixado a vida amorosa em segundo plano prometendo que jamais esqueceria de seu grande amor.
Num belo sábado à tarde, enquanto acompanhava sua mãe no supermercado, Clarisse percebeu uma menininha tentando alcançar um pacote de biscoito e resolveu ajudá-la. No entanto, um homem aproximou-se da Clarisse e a garotinha apresentou seu pai Henrique. Contudo Clarisse não previa que esse homem também continha um passado marcado pela dor.
Henrique é um advogado viúvo que cuida sozinho da pequena Duda. Após o falecimento da esposa Mariah vítima de câncer, Henrique dedicava sua vida ao trabalho e cuidar de sua filha Duda. Mas ao conhecer Clarisse, Henrique percebeu que estava novamente carregado de sentimentos que há muito tempo não sentia e o destino estava disposto à cruza-lo no caminho de Clarisse para juntos, terem uma nova chance de amar e enfrentar as grandes dificuldades da vida .
O livro é curtinho e por ser uma história bem construída, a leitura desenvolve rapidamente. Devorei e fiquei completamente emocionada com a escrita leve e delicada da Renata que apresentou um enredo surpreendente que cativa em cada página.
Desde o começo da história a Clarisse mostrou uma sensibilidade maravilhosa. Apresentou Guilherme, o namorado que tanto amava e tinha planos para o futuro, entretanto com a perda Clarisse mostrou o luto que sentia por ele de forma carinhosa sem tornar os trechos cansativos e ao lado Henrique, ela pode curar as feridas que o coração tinha por causa do luto.
A pequena Duda é uma verdadeira guerreira. Todas as vezes que apareceu na história, foi uma criança meiga, forte e encantadora. E Henrique... Que personagem! Ele foi atencioso, integro que superou a dor do luto e ao lado de Clarice construíram o romance deles aos poucos, na base do respeito, se tornando cúmplices e companheiros para superar barreiras em todas as situações.
E afirmo para vocês que as situações foram fortes e sobrecarregadas, mas quando se tem afeto verdadeiro, as dificuldades não tem força por muito tempo. Confesso que fiquei com alguns momentos com o coração nas mãos com receio do desfecho, mas Renata conduziu o enredo com um final perfeito e objetivo para os três personagens.
A capa do livro corresponde um trecho da história, a diagramação está simples e muito boa nas folhas amareladas. Enfim, edição muito legal para ter na estante. Eu fiquei bem envolvida com a história, então estou adorando tê-lo entre meus livros na estante.
Leitura finalizada e se gosta de histórias que os personagens amadurecem durante os obstáculos da vida, eu recomendo que leia e surpreenda com a história.

site: http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Marisa Oliveira 13/08/2017

Publicado recentemente pela editora Pandorga (a pré-venda acabou há pouco dias), As coisas não são bem assim nos conta a história de uma mulher forte e apesar de tudo muito agraciada, pois teve a oportunidade de conhecer o amor mais de uma vez na vida. (Isso mesmo!)
Ao ingressar na faculdade Clarice conheceu Guilherme e ao se aproximarem os dois se apaixonaram perdidamente. Esse amor é drasticamente interrompido quando a vida de Guilherme é ceifada em um acidente de carro a caminho de uma viagem de comemoração pela formatura dos dois, deixando marcas severas na alma de Clarice.
Sem conseguir superar a perda, a vida da médica recém formada resume-se a ir de casa para o trabalho e encontrar uma nova pessoa não é uma possibilidade cogitada por ela. Mas como nem sempre as coisas são como a gente imagina, numa tarde de compras Clarice conhece Duda, uma garotinha muito simpática que ganha seu coração desde o primeiro momento e por intermédio dela também conhece seu pai Henrique, um homem muito bonito que também já sofrera muito na vida: ficara viúvo há pouco tempo, pois perdera sua esposa para um câncer.
Com uma afinidade crescente, Clarice passa a conviver mais com Henrique e vai descobrir que não é somente a história triste que os dois tem em comum, mas um sentimento que será responsável por mudar a vida dos dois: o amor.
Após a descoberta desse sentimento que surgiu de forma tão repentina, tudo parece estar tomando o seu devido lugar: Clarice volta a enxergar as belezas dos momentos simples e Duda amou a ideia de ter uma "nova mãe", mas a vida tem reviravoltas inexplicáveis e eles terrão que superar muitas dificuldades que só o amor é capaz de superar.
De todas as obras da Renata que já li, confesso que essa foi a quem mais me cativou. O livro é narrado em primeira pessoa pela perspectiva de Clarice e durante a leitura me envolvi completamente com os dramas dos personagens, que são marcantes e muito carismáticos.
A história me ganhou logo nas primeiras páginas e a diagramação está belíssima. Como todas as obras da Renata, As Coisas não são bem assim é uma leitura mais que recomendada, mas uma leitura obrigatória para quem gosta de histórias de superação, companheirismo e principalmente de celebração ao amor.


site: www.inaniaverba.com.br
comentários(0)comente



Pri 13/08/2017

História linda.
Há algum tempo eu fiz as primeiras impressões sobre o livro, e os cinco capítulos que a autora me mandou, já me ganharam. Então, imaginem como foi ler o livro todo e se encantar ainda mais.
As coisas não são bem assim, é aquele estilo de história real.
O livro nos mostra que nem tudo o que queremos acontece. E que a dura realidade está ali, esperando uma oportunidade para destruir todos os nossos sonhos.
Nossa mocinha é a delicada Clarice. Médica, dedicada e com uma grande perda para lidar.
Clarice, tinha uma vida planejada. Casar com o cara que foi seu grande amor, ter uma família e viver o seu felizes para sempre. Infelizmente, o fim chegou antes mesmo de começar.
O prólogo do livro já trás uma alta dose de sofrimento. Guilherme, o cara que tem tudo de Clarice, sofre um acidente fatal. Nesse dia, várias coisas morrem para a protagonista. A felicidade, sonhos, desejos, planos e a vontade de seguir em frente.


" A vida é feita de sonhos, mas nem sempre eles se realizam...
O que fazer quando de repente você se dá conta de que o tempo está passando e que a vida não é exatamente do jeito que você esperava que ela fosse?"


Para camuflar a dor, Clarice se joga de cabeça no trabalho. Fazendo plantões, e tentando ficar o mínimo possível sozinha com os seus pensamentos. Ela já estava conformada com a ideia de apenas existir. Estava ciente que não encontraria mais uma vez o amor.
Até que o destino resolve colocar frente a frente, duas almas sem esperança.
Um encontro por acaso.
Um sentimento inexplicável.
E, uma nova chance.
Duda, é uma criança cheia de vida, mas precisou aprender a conviver com a ausência da mãe muito cedo. Essa pequena mocinha entra na vida de Clarice de forma inusitada, e parece que vai ficar.


" - Posso te ajudar a pegar os biscoitos? - perguntei me abaixando para olhá-la nos olhos.
Ela sorriu e balançou a cabeça dizendo que sim. Ela era loirinha, devia ter uns cinco ou seis anos e era linda.
- Aqui está! Como você se chama? - perguntei entregando a caixa para ela.
- Eu sou a Duda..."


Henrique é um homem cheio de qualidades (impossível não se apaixonar). Perdeu a mulher da sua vida e não teve tempo de passar pelo luto, pois dedica tudo de si para criar sua filha.


" - Como tem sido para você criá-la sozinho desde que sua esposa faleceu? Afinal, ela é uma garotinha... Deve sentir muito a falta da mãe, não? - Falei tocando minha mão na dele.
Ele respirou fundo antes de responder e fechou os olhos levantando as sobrancelhas
- Não tem sido nada fácil! Crianças exigem uma atenção enorme! E ela pergunta muito pela mãe..."

Traumas.
Drama.
Perdas.
E, a beleza do recomeço.
Qualidades que tornam esse livro, único.
Renata, não tem apenas o dom da escrita, tem o poder de tocar quem lê. É isso que acontece quando se escreve com o coração.
Para quem procura uma leitura rápida e cheia de amor. As coisas não são bem assim, é o livro perfeito.
comentários(0)comente



Bruna 03/08/2017

Uma lição sobre a vida e as voltas que ela dá...
O livro de hoje é um que me emocionou e me fez notar as coisas de forma diferente depois da leitura. Com um enredo composto por perdas e aprendizados, iremos acompanhar a história de dois corações partidos que juntos irão mostrar que mesmo com as piores coisas e situações há sempre a chance de recomeçar. Escrito pela autora Renata R. Corrêa, As coisas não são bem assim, é uma obra que transforma através da escrita e inspira através de personagens fortes e inocentes. Com maestria, a autora nos enreda em sua trama de forma que nos resta apenas continuar avidamente a leitura torcendo para haver um final feliz... Fé, amor e perdão caminham lado a lado ao longo de 133 páginas que irão tocar o seu coração através de uma das mais belas histórias de amor. Confiram:

"Existem coisas na vida que não precisamos saber. Existem coisas que não precisamos dizer ou perguntar, basta senti-las."

Guilherme e Clarice são perfeitos um para o outro; juntos há cinco anos, sua felicidade é algo nítido a todos que conviviam com eles. Estudantes da mesma sala de medicina, eles logo se viram apaixonados e construindo uma relação que eles acreditavam que seria para sempre. No entanto, em uma viagem com outro casal de amigos ao estarem prestes a se formarem, um terrível acidente acontece levando de sua vida o seu grande amor – Guilherme. Com ferimentos leves, assim como o casal que os acompanhavam, Clarice viu sua vida mudar completamente ao perder Guilherme que veio a falecer.

“(...) posso dizer que eu o teria namorado por toda a minha vida, mas, como costumo falar, “na vida nem sempre as coisas são assim...”.”

Um ano depois de sua morte, ela ainda se encontra sem chão e inconformada com o que aconteceu. Já formada e exercendo a função de medica plantonista, Clarice, vê no trabalho uma fuga da dor que a oprime e a sufoca todos os dias; mergulhada no trabalho, ela passa os dias ligada ao máximo de plantões que consegue para preencher o vazio que nem mesmo seus pais ou amigos foram capazes de suprir. Algo que apesar dela saber não ser nada saudável, foi à única forma que encontrou para continuar a sua vida e o que restou de si depois de perder quem sempre trouxe alegria a sua vida – e consequentemente uma parte de si.

“A vida é feita de sonhos, mas nem sempre eles se realizam... O que fazer quando de repente você se dá conta de que o tempo está passando e que a vida não é exatamente do jeito que a vida não é exatamente do jeito que você esperava que ela fosse?”

Distraída e sem a menor perspectiva de encontrar um novo recomeço, ela vê sua vida começar a se transformar ao cruzar com Duda – uma garotinha linda e simpática – em um supermercado. Surpreendendo-se com a sinceridade e com a dor que mesmo tão jovem essa menina já carrega consigo - ao declarar a morte de sua mãe com uma naturalidade que surpreende -, Clarice se vê criando um grande laço com ela o que acaba levando a um contato inesperado com Henrique - o pai de Duda.

“O meu pai está ali, e a minha mãe está no céu. Ela é uma estrelinha brilhante.”

Com o destino insistindo em cruzar seus caminhos, Clarice se vê cercada de dúvidas ao se deparar com a intensa atração existente entre ela e o Henrique. Tão machucado quanto ela, ele é alguém que luta com a dor de ter perdido alguém tão cedo para uma terrível doença; no entanto, mesmo com seu coração ferido e com medo, algo insiste em aproxima-los... Determinados a tentarem mesmo assustados com o que isso possa vir a significar, ambos terão que lidar com os fantasmas de seu passado e as feridas abertas de seus corações, além de muitos obstáculos que virão a surgir em seus caminhos. Estará Clarice preparada para entregar-se ao amor e dar uma segunda chance para à vida?

“Não estou procurando as coisas mais simples da vida! Querer me encontrar com você já diz tudo. Somos dois sobreviventes de tragédias da vida, isso poderia ser simples? Ou ao menos será que isso poderia dar certo?”

As coisas não são bem assim é uma obra que pode ser definida bem através de uma palavra: transformador. Lidando com assuntos pesados e difíceis, essa poderia ser uma história fácil de perder o rumo na hora de sua elaboração; no entanto, muito bem construída somos surpreendidos ao nos deparar com uma história rápida, leve e com profundos ensinamentos sobre fins, recomeços e sobre chances que a vida oferece. Através de personagens complexos e reais nos deparamos com situações que mexem com nosso emocional e que criam uma empatia no leitor que se vê diante de histórias repletas de dor e sofrimento. Mostrando um lado mais dramático, essa é uma obra que surpreende aqueles que estavam acostumados com o lado sempre romântico e cercados de bons momentos; intenso e fascinante, essa é uma leitura quase obrigatória a todos aqueles que acreditam no amor e em segundas chances – e é apaixonante em cada uma delas.

Henrique é um personagem que temos prazer em acompanhar e descobrir mais; formado por inseguranças, medo e muito amor, ele é alguém extremamente real e que encanta com sua personalidade e seu jeito de ser – principalmente seu lado romântico. Viúvo e com uma filha nova para criar, ele é um homem que se mostra muito maduro, além de ser um pai exemplar. A cada cena fica nítido o seu carinho com Duda, que se mostra uma menina sábia apesar de muito jovem desde nosso primeiro contato com ela. Responsável por momentos emocionantes, Renata, soube utiliza-la para trazer o toque de leveza necessário para não deixar a história seguir por caminhos tristes ou dramáticos ao extremo, sem o qual a obra não estaria completa.

Clarice é uma jovem que sofre muito e se vê completamente sem rumo ao perder aquele que sempre esteve ao seu lado e que veio a se tornar seu mundo. Determinada e trabalhadora, ela passa os seus dias focada em continuar a viver quando um pouco da alegria e felicidade que existia em si já não a acompanha mais. Compartilhando conosco suas lembranças de Guilherme, ela nos situa sobre o que aconteceu antes de sua vida sofrer esse duro golpe fazendo passado e presente se unirem e criarem um clima de incertezas e apreensão no leitor. Sua relação com Henrique ocorre de forma gradual; regada por momentos românticos e dramáticos, acompanhamos uma união e companheirismo sendo formados, onde o amor é algo que os assustam, na mesma intensidade em que os curam de feridas que o passado deixou.

Composto por altos e baixos, acompanhamos os personagens em suas lutas pessoais sobre o que não conhecem ou não se sentem pronto a experimentarem. Seus crescimentos durante a história fazem com que o leitor se abale e se emocione ao vê-los lutarem por aquilo que amam e pela chance de ser feliz. Muito bem escritos, em nenhum momento nos é passado à impressão que algo está fora do lugar ou que os personagens secundários estão ali apenas para preencherem buracos. Complexos e reais, somos envolvidos e levados a considerar eles como amigos e a torcer por seus finais felizes em uma história rápida, mas deliciosa a cada página.

Alternando entre passado e presente somos convidados a acompanhar histórias de amor e de dor cheia de intensidade; seu começo intenso faz com que sentimentos de incerteza surjam no leitor que se vê sem saber o que irá acontecer, mas torcendo para que o melhor possa vir a acontecer... Sua narrativa em primeira pessoa faz com que nos envolvamos e possamos conhecer melhor seus personagens, permitindo uma aproximação e o surgimento de um sentimento de empatia que apenas esse estilo de narrativa é capaz. A troca de perspectiva também é algo que agrada ao leitor ao ser feita de forma a não deixar pesada a história mesmo com a constante presença de sentimentos de perda e anseios.

Em uma edição caprichada que encanta com sua diagramação e uma revisão muito bem feita onde erros não foram percebidos por mim, essa é uma obra completa desde sua escrita até sua produção. Disponível apenas na versão física, essa é uma obra cuja capa reflete muito acerca da história e de sua protagonista e combina perfeitamente acrescento o toque romântico e reflexivo da obra! Feito com esmero pela Pandorga Editora, esse é um livro que conta com um bom tamanho de letra e páginas levemente amareladas que tornam sua leitura confortável e agradável. Seu número reduzido de páginas fazem com que ela seja ideal para uma leitura em poucas horas; sem falar que ela é ideal para aqueles que buscam uma leitura leve, mas profunda, e que ajudem nas típicas ressacas literárias existentes por ai!

Característico das obras escritas pela Renata, somos levados a acompanhar mais uma de suas histórias que segue em um ritmo intenso, onde ela não se prende em cenas longas e que nos envolve de forma a sentirmos que estamos vivendo juntos com os personagens. Seu tamanho reduzido também poderia ser algo que muitos considerariam pouco para uma história completa, mas acostumada a dosar cenas e emoções na medida certa, não deixando lacunas ou falhas em seu enredo. Escrito com o coração, é nítida a presença da autora em cada detalhe e em sua construção. Muito bem colocado, somos apresentados a uma história rápida sem ser corrida e com cenas na medida certa. Cheio de emoção, esse é um livro que transforma durante a leitura e emociona a cada capítulo.

Falando sobre perdas, amores e recomeço, essa é uma obra que nos inspira e nos leva a refletir sobre o quão passageiro a vida pode ser. É uma história sobre arrependimentos e segundas chances, é sobre se entregar a alguém mesmo com medo, é sobre se machucar e se permitir recomeçar, é realmente sobre aprender que não temos controle de nada e que muitas vezes as coisas não são bem assim como pensamos que elas serão. Prepare-se para ter seu coração tocado e envolvido em uma obra que vai mudar a forma como você passará a ver o amor e sua força. Mais do que recomendado, essa é uma obra para se levar para vida e aproveitar cada momento! Leiam, porque vale – e muito – a pena!


site: www.brookebells.com
comentários(0)comente



Acordei Com Vontade de Ler 30/07/2017

"As coisas não são bem assim" é narrado em primeira pessoa por Clarice, uma jovem médica de 26 anos de idade que perdeu o seu grande amor em um trágico acidente. Ela e Guilherme se conheceram na faculdade e desenvolveram uma amizade que se transformou em algo mais.

Agora, um ano após o acidente, Clarice ainda lida com o seu luto. Seus pais e amigos a estimulam a sair mais, conhecer alguém, porém Clarice não está preparada e tudo o que faz é mergulhar em seus longos plantões.

Um dia comum em que ela está no mercado, Clarice acaba ajudando uma garotinha fofa, chamada Duda e a partir desse instante sua vida muda novamente.

O caminho de Clarice e Duda se cruzam novamente, assim como o da protagonista e Henrique, pai de Duda. Assim como Clarice, Henrique e Duda passaram por um tormento terrível e uma perda inestimável. Mas os dois estão aprendendo a seguir em frente e a abrir espaço em seus corações.

Duda é fofa, carismática e apaixonante.Seu jeitinho meigo faz com que qualquer um faça todas as suas vontades.

Henrique e Clarice imediatamente sentem-se atraídos um pelo outro e começam a se aproximar, quando uma nova reviravolta se instala na vida desses personagens.

A história de Clarice e Henrique é bonita, com muitas lições sobre superação, segundas chances e recomeços. São duas pessoas que estão com os corações partidos e encontram uma forma de reconstruí-los.

A trama é bem direta e o relacionamento dos dois começa praticamente logo após se conhecerem. Particularmente, gostaria que houvesse um maior desenvolvimento no enredo, de forma que quando a grande reviravolta acontecesse, houvesse uma maior conexão entre o leitor e o relacionamento do casal.

Em relação a revisão, diagramação e layout a editora realizou um bom trabalho. Existe a necessidade de revisar algumas pontuações e a construção de algumas sentenças, mas nada que interfira no entendimento do conteúdo.
"- Costumo dizer que na vida as coisas nunca são exatamente do jeito que a gente imagina..." (p. 79)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/2017/07/resenha-nacional-as-coisas-nao-sao-bem.html
comentários(0)comente



26 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2