O Labirinto dos Espíritos

O Labirinto dos Espíritos Zafón




Resenhas - O Labirinto dos Espíritos


73 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Rittes 20/05/2019

Infelizmente, o fim!
Depois de encantar milhões de leitores ao redor do mundo, a saga do Cemitério dos Livros Esquecidos chega ao fim neste volume. Quase tudo que havia deixado por explicar nos outros três volumes da tetralogia, Zafón resolve neste encorpado final. Sou fã declarado do autor e, portanto, suspeito, mas acho que é uma das mais atraentes sagas da literatura em todos os tempos. Claro, nem tudo é fantástico. O excesso de violência explícita e uma certa relutância em terminar a história empanam o brilho deste final. Além disso, a Suma de Letras foi cruel em colocar tudo num só volume, com entrelinhas apertadas e tipos pequenos. Mesmo assim, para os fãs da série, vale o esforço. Sem falar que Alícia Gris permanecerá muito tempo em sua cabeça depois de encerrada a leitura. Sensacional!
comentários(0)comente



Amanda 20/05/2019

E finalmente depois de anos após a leitura do primeiro livro que se tornou um dos meus favoritos (A sombra do vento) e um clássico literário. Zafón vem com o 4° e último livro da série. Foram 680 páginas envolvendo mais mistérios e trazendo o desfecho de personagens incríveis que só este autor poderia criar. Eu sou suspeita pra falar, porque amo a escrita do Zafón, qualidade única. Que despedida realmente grandiosa.
comentários(0)comente



Danilo.Claudino 14/05/2019

Conclusivo
Com uma pegada bem mais policial, termina a saga da família Sempere. O livro é bem menos romântico que os anteriores, até o final, onde volta a ter aquele tom mais novelísticos. Mas dar pra entender o porquê disso analisando o conjunto da obra.
Záfon amarra quase todos os nós que estavam soltos dos livros anteriores (exceto quem afinal deu tanto dinheiro pro David Martin escrever o livro dele, já q quem supostamente teria lhe dado fosse fonte da sua imaginação de esquizofrênico) e encerra-os com brio.
Ao meu ver, a melhor leitura dessa tetralogia seria a por ordem cronológica: O Jogo do Anjo, seguido por O Prisioneiro do Céu, depois A Sombra do Vento e por fim, o Labirinto dos Espíritos. Na minha visão, este último livro é a conclusão definitiva, por isso por mais q o próprio autor afirme q não interessa a ordem de início, e ter feito o final deste livro com esse intuito, lê-lo antes ou no início da saga talvez possa estragar a viagem.
comentários(0)comente



Niájera 08/05/2019

Espetacular!! Extasiada!
Zafon Gênio! Indestrutível o que é essa série! 4 livros com histórias vividas em épocas diferentes que se fundem de uma maneira que só um gênio seria capaz de fazer. Sensacional!!!
PAS 08/05/2019minha estante
Uma série de livros que todo amante da literatura deveria ler =)


Niájera 08/05/2019minha estante
PAS eu concordo 100%. Maravilhosa!!!


Rodrigo Silvestre 09/05/2019minha estante
Eu preciso começar esses livros


Niájera 09/05/2019minha estante
Rodrigo comece ontem rssss Não dá pra explicar pra vc o que é ler Zafón...o que ele fez nessa série é algo que todo mundo que lê fica emocionado demais.




stellinha 11/04/2019

Incrível!!
"Maravilhoso! Inesquecivel! Trama perfeita com tudo que um romance precisa. Amor, tragédia, suspense, mistério e fios amarrados perfeitamente por um exímio contador de histórias. Voltando a alguns pontos para dirimir algumas dúvidas. Recomendo a quadrilogia sem reservas! Vou ter saudades!!!"
comentários(0)comente



Debyh 27/03/2019

Muito bom!
Lembro que quando li pela primeira vez algo do Zafón eu realmente gostei. Gostei tanto que fiquei muito atenta para outros lançamentos dele, e assim creio que já li quase tudo dele que foi publicado no Brasil (acho que falta somente um). E continuo achando que ele manja plenamente dos paranauês de escrever um bom livro hahahaha. Este livro fecha a série O Cemitério dos Livros Esquecidos, porém é possível ler todos os livros separadamente já que cada história é fechada por livro. Mas pra você que assim como eu leu todos os livros sabe que é ótimo revisitar personagens já conhecidos, e é o que acontece aqui.
Alicia durante a infância viveu os anos de guerra do país, e assim teve sua vida mudada. Já adulta é uma investigadora de um departamento um tanto quanto desconhecido, é uma ótima agente, mas quer parar de vez com essa profissão. Sua última missão parece envolver todo o tipo de perigo, e algo muito estranho. Entre o mundo dos escritores e de muitos livros Alicia aos poucos descobre o que está realmente por trás de tudo aquilo que começou como sendo seu último trabalho.
(continua no link: http://euinsisto.com.br/o-labirinto-dos-espiritos-o-cemiterio-dos-livros-esquecidos-4-carlos-ruiz-zafon/)

site: http://euinsisto.com.br/o-labirinto-dos-espiritos-o-cemiterio-dos-livros-esquecidos-4-carlos-ruiz-zafon/
comentários(0)comente



(n)Ana 20/03/2019

Sinceramente me intriga que esse livro tenha recebido tantas cinco estrelas.
Nada do que me lembrava de ter gostado tanto nos outros livros da série, que já reli algumas vezes, encontrei nesse da forma equilibrada que tanto me agradava. Ao contrário, tudo aqui foi excessivo, excesso do que nos outros era bom. Atmosférico demais até se tornar pesado como uma caixa fechada. Violento, sangrento, cheio de uma brutalidade gratuita e até nojento em algumas partes - e no fundo me dava a impressão de que tudo isso era para entreter! se é que violência aparece hoje em dia com qualquer outro propósito. Outro defeito: confuso. Eu entendo a decisão narrativa do autor de deslocar a história para um novo ramo, com novos personagens, embora não ache que essa seja a melhor ideia. Já tinha funcionado com o livro do David Martin e com o outro que focou mais no Fermin - uma terceira vez infelizmente ficou um pouco forçação de barra. E não foi a costura final de várias tramas entrelaçadas que eu esperava. Foi ao mesmo tempo mais cheio e menos cheio de coincidências do que eu gostaria, se é que posso dizer isso. Como leitora dos livros anteriores não me senti satisfeita com o desfecho de todas as tramas do Cemitério dos Livros Esquecidos, porque "O labirinto dos espíritos" priorizou Alicia, apostou todas as fichas nela que é só uma variação de um tema conhecido.
Mas de longe o que mais me incomodou foi o peso do livro: 800 páginas muito, muito excessivas. Parece mais um livro/filme/série que comete esse triste erro: usar um tiro de canhão quando uma facada teria atingido direto no coração. Imagino Zafón pensando: para não errar, vou colocar vinte ovos, doze copos de farinha e seis litros de leite nesse bolo. Eu lia e a coisa ia me enchendo de angústia e de um gosto ruim na boca. Não é um livro que eu leria de novo.
Verônica 03/04/2019minha estante
É muito triste dizer que não é um livro que eu leria de novo. Concordo com tudo que disse. Amo Zafón e essa série, mas podia ter sido enxugada. Muitos excessos. E Fiquei perdida em alguns momentos, com um desenrolar que nos trouxe tantos personagens.




Elberton 04/03/2019

Triste fim
Antes de mais nada, não interprete o título de forma equivocada. Não é bem o fim do livro que é triste, pelo contrário, termina da forma com que deveria terminar, o que é triste é saber que no fim dessa leitura, provavelmente, não haverá mais continuação. O que é triste é terminar de ler essas estórias.
Záfon termina a saga do cemitério dos livros esquecidos com uma trama totalmente nova, mas tão intrinsecamente ligada as tramas anteriores que todos os fios se conectam e tudo aquilo que havia ficado em aberto se fecha.
Somos apresentados a personagens novos e carismáticos, como Alicia Gris que é a grande protagonista. Ela é chamada por uma organização do governo para desvendar o desaparecimento de uma figura pública ilustre, mas o que ela não sabia é que o fundo dessa história estava tão podre que ela precisava descer muito para conseguir desvendar.
Ouso dizer que essa foi, se não a melhor, uma das melhores sagas que já li na minha vida. Recomendo a todos lerem e seguirem a ordem pela qual foram escritos para aproveitar melhor a experiência.
comentários(0)comente



Giovan Marcante 03/02/2019

O Labirinto dos Espíritos dos leitores De Carlos R Zafón
Impressionante!
Esse é o termo correto para essa obra.
Infelizmente, ou não, não havia lido os outros três livros da série O cemitério dos livros esquecidos, mas como o autor diz, pode-se explorar a obra entrando por qualquer porta do labirinto.
Boa leitura.
comentários(0)comente



Eclipsenamadrugada 11/01/2019

Excepcional adorei ler esse livro, Como sempre \\Carlos Ruiz Zafón escreve com paixão, todos os seus livro que eu li, nossa !!!
comentários(0)comente



05/01/2019

Suspense
Sou suspeita de falar dos livros do Zafon. Li todos, sou fan de carteirinha. Adoro a escrita o enredo, os personagens.
comentários(0)comente



Melissa 29/12/2018

Esperei anos pra ler o final dessa história e Zafon nunca decepciona. Devo dizer que não é o melhor livro da quadrilogia, um tanto cansativo de ler, levei muito mais tempo que o esperado pra terminar. Porém, todos os nós são desfeitos e é maravilhoso ver como os personagens interagem e se conectam entre todos os livros.

Esse é um livro bem diferente do seu antecessor, onde a história é contada em ritmo acelerado e objetivo. Nesse, o começo é lento e somos apresentados à Alicia Gris, personagem nunca vista antes, o que me desanimou um pouco, pois não era capaz de entender a relevância dela para a história de Daniel e Fermín. O desenvolvimento é satisfatório e a partir do momento em que a Livraria Sempere é mencionada, tudo se torna muito mais interessante.

O fim me surpreendeu e achei que Zafón achou um jeito único de alinhar a quadrilogia, totalmente inesperado, apesar de ter esperado um pouco mais das páginas finais que achei bem mornas.

Uma série pra guardar no coração, com certeza! Que venham mais!
comentários(0)comente



Karine.Rocha 21/12/2018

Encantada!!!
Quanta sensibilidade! Esse livro fecha com maestria a série Cemitério de livros esquecidos. É simplesmente maravilhoso, me arrancou sorrisos, lágrimas, raiva e me deixou tensa, muito tensa.
Zafón nos apresenta o amor pelos livros e no que eles podem nos transformar, se assim permitirmos.
Os personagens são marcantes e apaixonantes. Vão deixar saudades!
comentários(0)comente



anabê @anatomialiteraria 19/12/2018

Arrepiante
O labirinto dos espíritos, Carlos Ruiz Zafón (5/5 + ?)

Minha última porta de entrada no Cemitério dos Livros Esquecidos fechou com chave de ouro um dos maiores deleites literários que já tive a oportunidade de experimentar.
Quarto e último volume da série, que pode ter os livros lidos em qualquer ordem, O labirinto dos espíritos conecta os livros como personagens com a vida dos Sempere, Valls e Alicia Gris, juntando todas as pontas soltas da história e sendo impossível não terminar a série com um sorriso nos lábios e, no meu caso, uma lágrima nos olhos.

Alicia Gris é uma jovem que renasceu das cinzas de uma Barcelona em frangalhos, assim como o resto da Espanha. Órfã e tendo tido sua vida salva por um personagem que muito amamos, ela carrega uma ferida de guerra no quadril que lhe causa dores crônicas fortíssimas. Isso não a impede de ser inteligente, hábil e a pupila de um grande investigador em Madri. Quando os rumos de sua investigação sobre o desaparecimento de Mauricio de Valls, o ministro e ex-diretor da prisão de Montjuic, a levam de volta a Barcelona, Alicia é levada a confrontar alguns dos fantasmas de seu passado. Ao lado de um policial veterano chamado Vargas, entendemos a ligação entre todos esses personagens e a história se finaliza com algumas revelações.

Diferentemente de Prisioneiro do Céu, que tem capítulos curtos e é contado no passado boa parte do tempo; de O jogo do anjo, que explora a mente do escritor Davíd Martín; e do incrível e favoritadíssimo A sombra do vento, que investe no mistério, O labirinto dos espíritos é um livro com bastante ação e um tom investigativo que não deve em nada para alguns dos melhores livros policiais que já li. Tudo isso com a habilidade narrativa impecável de Zafón. Ele é o tipo de escritor que consegue colocar as palavras improváveis no local certo e fazer com que a leitura flua de um jeito que você não questiona se seria melhor outra forma de colocar a mesma ideia porque ele simplesmente conseguiu atingir o ápice narrativo. E ele sempre traz reflexões ácidas com seus personagens mais do que cativantes. É improvável que você termine a série e não sinta falta de pelo menos um deles (Fermín definitivamente é o meu).

Eu não saberia o que mais dizer para te convencer de que O cemitério dos livros esquecidos é uma série que deve ser lida e relida e aproveitada e saboreada. Dizer que é metalinguagem, e incrível, é reducionista; falar que é uma ode aos livros e aos leitores é ser raso. É um agradecimento às páginas, uma carícia aos sebos e livrarias e bibliotecas, é um romance de tirar o fôlego e lembrar por qual motivo a gente ama tanto a leitura. Dê sua chance a uma das séries mais incríveis que você terá a oportunidade de ler.
comentários(0)comente



Gutemberg.Queroz 09/12/2018

Cativante
Carlos Ruiz Zafón usa o amor aos livros como uma teia, ligando a vida dos personagens em uma trama irresistível, onde os mistérios se desfazem como um novelo revelando verdades a muito custo enterradas na memória da velha Barcelona do século XX em um desfecho memorável.
comentários(0)comente



73 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5